O Último Homem Indomado
(Taming The Last St Clair)

Carole Mortimer

Os Escândalos dos St. Claire 3/3
Há apenas um único S...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer

Revisão: Bruna C.
PUBLICADO SOB ACORDO COM HARLEQUIN ENTERPRISES I...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer

CAPÍTULO UM
—- ENTÃO, VOCÊ vai ficar parado aí a manhã inteira, me...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
Primeiramente, um vestido verde longo de madrinha no casamento da i...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
ninguém menos que Joey McKinley!
JOEY NÃO tinha idéia de por que Gi...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
— Você não gosta do nome Josephine?
— E claro que não.
Aquilo não e...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
aquela mulher lhe dera razão para questionar a inteligência dela.
—...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
Quando Lucan deu a má notícia para você!
— Eu não me recordo de ter...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
eu — apontou ele suavemente.
— Pelo contrário, eles estão felizes e...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
ter distância física e emocional do resto da humanidade.
Era difíci...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
para ela...

CAPÍTULO DOIS
— AONDE VOCÊ vai? — questionou Gideon ao...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
Não, ele não gostava da idéia de ter seu escritório personalizado p...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
— Você sente falta de Jordan? A pergunta o deixou atônito.
— Não ho...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
— Neste caso, suas cuecas significando seus sentimentos — Joey expl...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
Joey decidira que, se não podia derrotá-los, então iria juntar-se a...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
largos e cabelos loiros. — Ele fez uma careta. — Que obviamente não...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
anos?
Os olhos verdes se arregalaram e, por um instante, Gideon pod...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer

CAPÍTULO TR Ê S
JOEY AINDA estava tão perturbada pela observação d...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
azul-brilhante. Ele parecia vagamente familiar.
— Eu conheço você? ...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
— Sua mãe?
Gideon deu um sorriso zombeteiro... Quase como se soubes...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
enquanto ele e a mãe comiam as sobremesas. Bem, tinha sido a sobrem...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
Ela inclinou a cabeça em desafio.
— Você ainda não notou? Eu não so...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer

CAPÍTULO QUATRO
— E COMO VOCÊ sugere que expliquemos essa pequena ...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
quem era a amante do homem. O fato de que a mulher em questão era a...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
afetado a opinião de Jordan sobre relacionamentos de longa duração....
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
ferramenta de metal, recusando-se a soltá-la.
— Joey, pare de ser i...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
— Eu lhe devo uma explicação e um pedido de desculpas por isso.
A i...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
discutimos mais o assunto?
Joey não queria "ir a algum lugar" e tom...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
noite tentando explicar inutilmente os motivos de sua interferência...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer

CAPÍTULO CINCO
— POR ACASO, você sabe alguma coisa sobre os dois p...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
do sobre o caso Newman. E também acha que, uma vez que eu me consci...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
Então, capturou-lhe ambas as mãos em uma das suas, antes de erguê-l...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
— Ponto provado, acredito?
Joey o olhou, aliviada por sua blusa já ...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
— Duvido. — Gideon fez uma careta. — O pessoal da borracharia deu
a...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
especialmente ao perceberem que nunca teriam netos —, mas, segundo ...
Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer
Joey pegou sua bolsa e virou-se para sair, ansiosa para fugir agora...
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Carole mortimer   o último homem indomado (paixão 241)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Carole mortimer o último homem indomado (paixão 241)

1.957 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.957
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Carole mortimer o último homem indomado (paixão 241)

  1. 1. O Último Homem Indomado (Taming The Last St Clair) Carole Mortimer Os Escândalos dos St. Claire 3/3 Há apenas um único St. Claire solteiro e convicto... Mas por quanto tempo? A vida de Gideon St. Claire era do jeito que ele gostava: somente trabalho. Ele achava que comandava suas emoções, e as mulheres com quem se relacionava jamais sabiam sobre o que acontecia em sua vida fora do caminho entre as escadas e o quarto. Segura, divertida e com o dom de excitar Gideon, Joey McKinley era o tipo de mulher que ele evitava. Como lidar com tanto entusiasmo? Mas quando um velho inimigo de Joey busca vingança, Gideon viuse forçado a vigiá-la dia e noite... Três aristocratas audaciosos e prontos para o casamento! Digitalização: Projeto Revisoras
  2. 2. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer Revisão: Bruna C. PUBLICADO SOB ACORDO COM HARLEQUIN ENTERPRISES II B.V./S.à.r.l. Todos os direitos reservados. Proibidos a reprodução, o armazenamento ou a transmissão, no todo ou em parte. Todos os personagens desta obra são fictícios. Qualquer semelhança com pessoas vivas ou mortas é mera coincidência. Título original: TAMING THE LAST ST CLAIR Copyright © 2011 by Carole Mortimer Originalmente publicado em 2011 por Mills & Boon Modem Romance Arte-final de capa: Isabelle Paiva Editoração eletrônica: ABREU 'S SYSTEM Tel.: (55 XX 21) 2220-3654 / 2524-8037 Impressão: RR DONNELLEY Tel.: (55 XX 11)2148-3500 www.rrdonnelley.com.br Distribuição exclusiva para bancas de jornal e revistas de todo o Brasil: Fernando Chinaglia Distribuidora S/A. Rua Teodoro da Silva, 907 Grajaú, Rio de Janeiro, RJ — 20563-900 Para solicitar edições antigas, entre em contato com o DISK BANCAS: (55 XX 11)2195-3186/2195-3185/2195-3182 Editora HR Ltda. Rua Argentina, 171,4° andar São Cristóvão, Rio de Janeiro, RJ — 20921-380 Correspondência para: Caixa Postal 8516 Rio de Janeiro, RJ — 20220-971 Aos cuidados de Virgínia Rivera virginia.rivera@harlequinbooks.com.br Projeto Revisoras 2
  3. 3. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer CAPÍTULO UM —- ENTÃO, VOCÊ vai ficar parado aí a manhã inteira, me olhando com esse ar superior, ou vai fazer alguma coisa útil e se oferecer para levar uma destas caixas no elevador para mim? Gideon fechou os olhos. Contou até dez. Devagar. Respirou fundo. Então novamente. Até mesmo mais devagar. Antes de abrir os olhos mais uma vez. Não, Joey McKinley ainda estava lá. Na verdade, ela havia endireitado o corpo depois de se inclinar sobre o porta-malas de seu carro, parado a duas vagas de distância da vaga privativa de Gideon no estacionamento subsolo, e estava agora batendo um único salto de sapato no chão de concreto. Ele sabia que aquela mulher se tornaria o carma de sua existência pelas próximas quatro semanas, se aquela situação continuasse. Joey McKinley... 28 anos, 1,65m, cabelos ruivos curtos que emolduravam o lindo rosto em forma de coração, olhos verdes desafiadores, pele clara, com delicadas sardas salpicadas sobre o narizinho, lábios carnudos e sensuais. O corpo, obviamente em forma, estava coberto per um conjunto de saia e blazer, e uma blusa de seda do mesmo tom de verde-jade de seus olhos. — Então? — ela o desafiou as batidas impacientes do sapato contra o concreto aumentando, enquanto o olhava com sobrancelhas castanhas arqueadas. Gideon respirou fundo novamente enquanto considerava as inúmeras maneiras de vingar-se de seu irmão mais velho, Lucan, por tê-lo colocado naquela situação terrível. Não uma vingança que causasse sérios danos, é claro. Mas um pequeno sofrimento! Gideon não tinha escrúpulos quanto a isso. Lucan obviamente não se preocupara muito com o bem-estar de Gideon, tendo imposto esta mulher a ele sem pensar duas vezes. Aquilo era algo que Gideon vinha contemplando pelas últimas 36 horas, na verdade. Desde que Lucan o informara na sua recepção de casamento no sábado à noite, que, quando Gideon assumisse como diretor-geral temporário da Corporação St. Claire pelo mês que seu irmão e Lexie estivessem viajando em lua de mel, Joey McKinley assumiria o cargo de Gideon, como representante legal da empresa. Os argumentos de Gideon de que era perfeitamente capaz de exercer as duas funções não tiveram nenhum impacto sobre seu irmão mais velho. Lucan também ignorara Gideon quando ele confessara que tinha suas dúvidas se ele e Joey McKinley seriam capazes de trabalhar juntos. Gideon respeitava a mulher como advogada, tendo ouvido apenas comentários positivos dos outros colegas em relação à habilidade dela num tribunal, mas, em todos os outros aspectos, ela o enfurecia. Aqueles cabelos vermelhos eram como um farol brilhante em todos os cômodos que Joey estava, e ela possuía uma risada sensual que, quando liberada, fazia todas as cabeças masculinas se virarem em sua direção. Estivera usando um vestido das últimas duas vezes em que Gideon a encontrara... Projeto Revisoras 3
  4. 4. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer Primeiramente, um vestido verde longo de madrinha no casamento da irmã de Joey, Stephanie, e seu irmão, Jordan, quase dois meses atrás, e um vestido vermelho na altura dos joelhos no casamento de Lucan e Lexie no sábado. O último enfatizara as mechas naturais douradas e cor de canela nos cabelos cor de cobre. O conjunto que ela estava usando hoje deveria ter lhe dado uma aparência séria e profissional, mas, de alguma maneira... Não dava. O blazer era curto e justo, e os três primeiros botões abertos na blusa verde exibiam o alto dos seios. A saia até a altura dos joelhos revelava as longas pernas bem torneadas. Em outras palavras, Joey McKinley era... — Sabe, eu já vi tinta secar em menos tempo do que você parece ser capaz de tomar uma decisão — disse ela. ... Insuportável! Ele inalou profundamente, num esforço para relaxar a tensão de seu corpo. — Você sempre tem de ser tão abrasiva? — Pergunta tola; ele a conhecia bem o bastante agora para saber que Joey sempre falava o que passava por sua cabeça no momento. Algo que Gideon, um homem que sempre media as palavras cuidadosamente antes de falar, achava perturbador. O próximo comentário dela foi um exemplo daquela ousadia. — Talvez eu não sentisse a necessidade, se você ocasionalmente abandonasse esse seu ar superior e se juntasse ao resto de nós, mortais, no mundo real. Gideon ficou tenso. Os dois tinham se encontrado quatro vezes no total. Mais recentemente, dois dias atrás, no casamento de Lucan e Lexie, e antes disso, nove meses atrás, quando ele a conhecera no escritório de Joey, em Pickard, Pickard e Wright, depois de ter ido informá-la de que tinha conseguido livrar a irmã gêmea dela, Stephanie, de uma situação legal embaraçosa. Duas semanas depois, Gideon a encontrara no ensaio de casamento de seu irmão gêmeo, Jordan, com Stephanie, e então a vira de novo no casamento deles uma semana depois. Gideon franziu o cenho agora, ao se lembrar de seu espanto durante a cerimônia de casamento de Jordan e Stephanie. Tudo transcorrera tranqüilamente até o momento do casamento, e Gideon, como padrinho de seu irmão, chegara à igreja com Jordan um bom tempo antes da cerimônia. Ele até mesmo sentira um nó de emoção na garganta por seu irmão, no momento em que Stephanie caminhara pela igreja com todo o seu esplendor. Até que Joey o olhara com uma expressão zombeteira de onde estava, atrás de sua irmã gêmea. Não que aquilo fosse algo incomum; os dois pareciam ter desgostado um do outro desde a primeira vez em que haviam se encontrado. Não, o motivo do espanto de Gideon viera mais tarde na cerimônia, quando todos estavam sentados, Jordan e Stephanie assinavam o registro, e ele ouvira um anjo cantando. Uma única voz subira aos céus de forma sublime, preenchendo a igreja... Uma voz tão doce e clara quanto à melodia de um sino tocando. Ele nunca ouvira nada tão maravilhoso quanto aquela voz... Um tom tão lastimoso e mágico que mexera profundamente com suas emoções. Gideon se sentira tão atordoado, seus sentidos cativados pela pureza daquela voz, que levara um tempo para perceber que todos os convidados olhavam para o lado direito da igreja... E foi quando ele percebeu que o "anjo" que cantava não era Projeto Revisoras 4
  5. 5. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer ninguém menos que Joey McKinley! JOEY NÃO tinha idéia de por que Gideon St. Claire despertava o pior que havia nela... Ao ponto de fazê-la sempre querer provocá-lo para tentar abalar aquela arrogância insuportável. Talvez fosse a atitude superior que a irritava. Ou o fato de que, com um jeito frio e reservado, ele parecesse tão emocionalmente insensível. Tudo sobre Gideon era contido, desde o estilo curto dos cabelos lindamente dourados até os ternos impecáveis e o sedan cinza metálico caro, porém discreto, que ele dirigia. Se Joey fosse rica como a família St. Claire dirigiria uma Ferrari esporte vermelha! Ou, talvez, seu ressentimento decorresse do fato de que, alguns meses atrás, Gideon St. Claire tivesse aparecido e resolvido um delicado problema legal para sua irmã, o qual Joey vinha tentando solucionar — sem sucesso — por semanas. Certamente não tinha nada a ver com o fato de que, pondo sua indiferença de lado, o homem era bonito como o pecado, mas dava a impressão de nem notar que Joey era mulher, muito menos uma mulher atraente! Os cabelos dele, muito curtos para o gosto dela, eram da cor e textura de fios de ouro. Os olhos eram castanho-escuros e penetrantes e, se isso não bastasse, a natureza o presenteara com maçãs do rosto salientes, feições esculpidas e um maxilar quadrado arrogante. Tendo estudado Gideon sob cílios baixos no segundo encontro deles — ela estivera muito impressionada tanto pela reputação dele quanto pela arrogância no primeiro encontro dos dois em seu escritório —, Joey não tinha dúvidas, apenas pelo jeito predatório como ele se movia, de que o corpo sob os ternos impecáveis era perfeito e musculoso. Com cabelos dourados, olhos cor de chocolate, feições sensuais e um corpo másculo, Gideon St. Claire era muito ardente... Com "A" maiúsculo. Considerando toda aquela sensualidade, Joey ficara intrigada por ele não levar uma mulher aos casamentos dos irmãos. Isso, combinado com o fato de Gideon não parecer notá-la como mulher, levara Joey a questionar sua irmã se Gideon era homossexual. Depois que Stephanie rira por cinco minutos sem parar, Joey assumira que a resposta era um ressonante não. Então, o senhor "Arrogantemente Reservado e Altamente Sensual" obviamente gostava de mulheres... Mas não de Joey! Bem, sem problemas para ela... Gideon St. Claire podia ser o homem mais atraente que Joey já conhecera, mas a falta de interesse que ele sempre mostrara com relação a ela apenas conseguia colocá-la na defensiva e, com mais freqüência do que pretendia a fazia tentar chocá-lo. — Você está sofrendo de laringite, ou não é uma pessoa matinal? — perguntou Joey alegremente. — Talvez se você parasse de falar um pouco, eu poderia lhe responder? — disse ele naquela voz: grave e sexy, sem fazer nenhum movimento para diminuir a distância entre os dois carros estacionados deles. — Senhorita McKinley... — Joey. As narinas dele se dilataram com óbvio desgosto. — Você se importaria se eu a chamasse de Josephine? — De maneira alguma... Contanto que você não se importe que eu reaja do mesmo jeito que reagi da última vez em que alguém tentou fazer isso. Ele acabou com um olho roxo — murmurou ela com um sorriso, enquanto Gideon arqueava as sobrancelhas loiras. Projeto Revisoras 5
  6. 6. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer — Você não gosta do nome Josephine? — E claro que não. Aquilo não estava indo bem, reconheceu Gideon. Ele chegara à conclusão, durante as horas desde que falara com Lucan, no sábado à noite, que a única solução para aquele problema era explicar para Joey, calma e logicamente, por que achava que eles não poderiam trabalhar juntos, antes de acenar-lhe um adeus alegre e continuar com seu papel de diretor-geral da Corporação St. Claire. Afinal de contas, ela também devia estar ciente das diferenças deles em abordagens e em... Bem, em tudo. Um plano lógico e bem elaborado, ele acreditara na ocasião. Até que havia se deparado com a mulher abrasivamente franca. Os poucos minutos de conversa com ela tinham sido o bastante para lhe mostrar que sua conclusão estivera correta. Todavia, também percebia que qualquer sugestão de sua parte para que ela desistisse de trabalhar com ele por um mês provavelmente resultaria em Joey McKinley fazendo exatamente o oposto. Pela primeira vez em sua vida bem organizada, Gideon não sabia o que fazer ou o que dizer para alcançar seu objetivo da melhor forma. Só sabia que não podia trabalhar com aquela mulher por quatro - semanas e permanecer são! Mesmo que ela tivesse a voz de um anjo ao cantar... O fato de que Lucan anunciara que tiraria um mês de férias para sua lua de mel, durante a qual pretendia ficar incomunicável, exceto para verdadeiras emergências, era extraordinário em si mesmo. Não que Gideon devesse estar surpreso... Seus dois irmãos vinham se comportando de maneira totalmente imprevisível desde que haviam conhecido e se casado sem demora com as mulheres por quem se apaixonaram. Gideon gostava de Stephanie e Lexie, mas achava desconcertante a mudança em seus dois irmãos. Jordan, um excelente ator, que tinha apreciado inúmeros relacionamentos com lindas atrizes e modelos durante os últimos dez anos, apaixonara-se por sua fisioterapeuta dois meses atrás, e parecia continuar totalmente apaixonado por Stephanie, agora que eles estavam casados. Ao ponto de a filmagem atual dele ser agendada de acordo com as horas em que Stephanie trabalhava na clínica que abrira quando se mudara para Los Angeles. E, até que Lucan tivesse conhecido e se apaixonado por Lexie, ele nunca ficara mais que alguns dias longe da empresa, que transformara numa das mais bem sucedidas do mundo. Motivado era a palavra que melhor definia seu irmão mais velho, até que Lexie entrara em sua vida poucas semanas atrás. Era uma palavra que podia ser associada aos três irmãos St. Claire desde que tinham alcançado a idade adulta e abraçado suas profissões escolhidas: Gideon em Direito, Jordan como ator, e Lucan no mundo dos negócios. Tudo isso mudara nos últimos dois meses e, como um homem que preferia ordem e continuidade, Gideon ainda estava tentando aceitar aquilo. Algo que provavelmente não faria com a irritante Joey McKinley perseguindo-o em todas as suas horas de trabalho! — Muito bem, Joey, então. — Ele deu um suspiro quase imperceptível. — Tenho certeza de que Pickard, Pickard e Wright... Jason Pickard, em particular... Lamentaram a sua saída. — Saída para onde exatamente? Gideon a olhou com impaciência. Realmente, nada que ouvira sobre Projeto Revisoras 6
  7. 7. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer aquela mulher lhe dera razão para questionar a inteligência dela. — Para cá, é claro. Joey pareceu perplexa. — Desculpe, mas você terá de explicar o que quer dizer. Especialmente a observação "Jason Pickard em particular" — acrescentou ela friamente. Gideon não estava gostando de ter essa conversa pessoal no meio de um estacionamento, onde algum funcionário da empresa poderia chegar a qualquer momento. Na verdade, passava pouco das 8h da manhã, e a maioria dos empregados da Corporação St. Claire não chegava antes das 9h, mas não seria nada profissional se alguém chegasse mais cedo e visse o diretor-geral com uma mulher desconhecida no estacionamento. Gideon reduziu a distância entre eles em três longos passos, parando a poucos centímetros de Joey, e instantaneamente sentiu o perfume que ela usava. A escolha do perfume foi uma surpresa; Gideon teria pensado, considerando a personalidade forte de Joey, que ela usasse um daqueles perfumes que convidada todos a notarem sua presença. O tipo de perfume que lhe dava dor de cabeça no momento em que ele o inalava. Em vez disso, era uma fragrância suave e sensual, que o fez reagir de uma maneira que ele pretendia ignorar. — Eu estava apenas tentando expressar como achei insensato o pedido de Lucan para que você desistisse de sua posição em Pickard, Pickard e Wright a fim de trabalhar aqui por somente quatro semanas. Joey encontrou-se momentaneamente distraída, enquanto observava Gideon se mover com a graça predatória de um tigre. Mais uma vez, pensou que o homem não era apenas arrogantemente lindo, mas também devastador para qualquer mulher com sangue nas veias. Se ele apenas deixasse os cabelos crescerem um pouquinho, pareceria-mais jovem, e também mais sexy. O mesmo podia ser dito sobre aqueles ternos conservadores que ele sempre usava. Vestisse-o numa calça jeans desbotada e numa camiseta preta justa, mostrando o peito e os braços fortes, e qualquer mulher teria um orgasmo só de olhar para ele! Joey sorriu para si mesma, imaginando a expressão de horror que Gideon certamente faria se adivinhasse seus pensamentos inapropriados sobre ele. — Você está achando alguma coisa divertida? Era divertido imaginar um Gideon St. Claire mais sexy e mais relaxado, enquanto ele tentava defender-se da atenção de todas aquelas mulheres ofegantes! Mas não era tão divertido que Joey tivesse consciência de quão mais perigosamente atraente aquele homem poderia ser se relaxasse um pouco... Joey sacudiu-se mentalmente enquanto olhava para aquele rosto desaprovador; o homem não era seu tipo. Ela preferia homens com ousadia e energia para experimentar coisas novas. Gideon dava a impressão de que a última coisa nova que experimentara era usar meias pretas, em vez de cinzas! Ela suspirou. — Oh, mas eu não desisti de meu cargo em Pickard, Pickard e Wright; os sócios mais velhos ficaram contentes em me dar um mês de licença, de modo que eu possa ajudar Lucan. Algo que devia ter levado algum tempo para ser arranjado, pensou Gideon com impaciência crescente. — Exatamente quando Lucan fez todos esses arranjos? — Três semanas atrás... — Joey parou para fitá-lo com olhos estreitos. — Projeto Revisoras 7
  8. 8. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer Quando Lucan deu a má notícia para você! — Eu não me recordo de ter dito que essa era uma má notícia. — Você deixou implícito — replicou ela. — Então... Quando? O maxilar de Gideon enrijeceu. — Eu realmente não entendo... — Ele só lhe contou sábado no casamento, não foi? — percebeu Joey. Gideon não sabia por que sempre se sentia menos no controle da situação quando estava perto daquela mulher em particular. Durante seus anos numa sala de tribunal, ele adquirira a reputação de ser formidável. Agora, como advogado corporativo das vastas empresas de Lucan ao redor do mundo, sabia que não era considerado menos implacável que seu irmão mais velho. Todavia, uma simples conversa com a imprevisível Joey McKinley era o bastante para deixá-lo nervoso. — Foi isso, não foi? — perguntou Joey com satisfação, os olhos verdes agora rindo abertamente dele. — A notícia deve ter arruinado o resto de seu fim de semana, também. Os dedos de Gideon se apertaram ao redor da alça de sua pasta preta. — Meu fim de semana foi muito agradável, obrigado — mentiu ele. — Na verdade, eu almocei com Stephanie e Jordan ontem, uma vez que eles voaram de volta para Los Angeles esta manhã. — E eu tomei café da manhã com eles, antes de levá-los ao aeroporto, e nenhum dos dois mencionou que você tinha pedido o número de meu telefone. O que acho que teria feito se quisesse ter esta conversa comigo mais cedo. — Joey meneou a cabeça. Na verdade, Gideon pensara em pedir a Stephanie o número do telefone privado da irmã, mas então decidira não envolver a família no que era, afinal de contas, um conflito particular de personalidades. — Ou talvez você não quisesse que nenhum deles tirasse conclusões erradas? Ele fez uma careta de desgosto. — Perdão? — Pedindo o telefone de minha casa. Tenho certeza de que você não quis dar a Jordan e Steph à impressão de estar pessoalmente interessado em mim — respondeu ela com ironia. Gideon respirou fundo para se acalmar... Um exercício inútil pensou com irritação. Não podia lembrar-se da última vez em que se sentira tão nervoso. — Creio que isso seja muito improvável. — Você crê? Era sua imaginação, ou Joey estava mais perto do que alguns segundos atrás? Tão perto que Gideon podia ver o inchaço dos seios acima do sutiã de renda, e a pulsação batendo acelerada na base do pescoço delicado. Deus amado... — Certamente você reconhece, por esta conversa, que nós não poderíamos trabalhar juntos? Joey endireitou o corpo, e subitamente encarnou a profissional de novo. — Meu acordo é com Lucan, Gideon... Não com você. E eu me certifico de nunca decepcionar as pessoas quando combino alguma coisa. Um traço de caráter que acredito que você compartilha certo? Aparentemente, Joey também o conhecia um pouco, listou certo que Pickard, Pickard e Wright precisam mais de suas habilidades profissionais do que Projeto Revisoras 8
  9. 9. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer eu — apontou ele suavemente. — Pelo contrário, eles estão felizes em atender ao pedido de Lucan. E claro que estavam, pensou Gideon. Sem dúvida, Pickard, Pickard e Wright tinham ciência do prestígio de permitir que um de seus associados trabalhasse com a Corporação St. Claire por um mês. — Então, Gideon, Lucan está feliz com o acordo, Pickard, Pickard e Wright estão felizes com o acordo, e eu estou feliz com o acordo. Parece que você é o único que não está. — Ela o encarou em desafio. Gideon retornou o olhar friamente. — Eu não me recordo de ter dito que estava infeliz com isso. — Não? — Não. — Então parece que esse pequeno problema foi resolvido, para a satisfação de todos, certo? Nunca! Na opinião de Gideon, ter Joey no prédio St. Claire pelas próximas quatro semanas era totalmente inaceitável. Ela interrompeu seus pensamentos com outro assunto desagradável: — Talvez agora você possa explicar o que quis dizer com o comentário de que "Jason Pickard, em particular" lamentaria me ver sair da firma? Gideon percebeu que Joey não estava mais sendo deliberadamente provocante. As emoções dela estavam agora muito mais sutis. Por fora, ela parecia agradavelmente interessada, mas ele reconheceu a raiva queimando sob a superfície. Estava lá, no brilho dos olhos verdes e no rubor das faces alvas. Todavia, Gideon não tinha idéia de por que ela se sentiria dessa maneira. Todos na comunidade fechada de advogados sabiam que ela estava envolvida com o Pickard júnior pelos últimos seis meses. Ele deu de ombros. — É de conhecimento público que vocês dois são amigos. — É exatamente o que somos... Amigos — declarou ela. — Nada mais; nada menos. — Perdoe-me se eu pisei nos seus calos pessoais. — Acabei de dizer que você não fez isso. Gideon comprimiu os lábios. — Não quero discutir sobre uma observação inocente pela qual eu já me desculpei. — Alguém ousa discutir com você, Gideon? — Joey McKinley o olhou com frustração. — Obviamente — respondeu ele, dando-lhe um olhar significativo. — Isso não é uma discussão, Gideon, é um diálogo. Ele meneou a cabeça. — Eu realmente não tenho tempo para isso, então, se você não se importa... — Mas eu me importo Gideon. — Subitamente, Joey estava muito perto de novo. Tão perto que ele podia sentir o calor da respiração dela em seu queixo, uma vez que os saltos altíssimos deixavam o topo da cabeça raiva no nível dos seus olhos. Gideon desejou que nunca tivesse começado aquela conversa. Que tivesse pegado uma das caixas do porta-malas do carro vermelho da mulher e subido no elevador com ela, antes de fechar-se na sala de Lucan pelo resto do dia. Ele tinha 34 anos, era bem-sucedido em sua carreira e os casos amorosos que tinha ocasionalmente mal ficavam registrados na escala de suas emoções. Além da afeição que sentia por seus dois irmãos e sua mãe, Gideon preferia manProjeto Revisoras 9
  10. 10. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer ter distância física e emocional do resto da humanidade. Era difícil fazer isso perto da impetuosa Joey McKinley. Especialmente quando ela estava tão perto que ele podia sentir o cheiro de limão do xampu nos cabelos vermelhos com mechas douradas e cor de canela. Uma cor incomum, que Gideon sabia que era natural, porque a irmã gêmea de Joey possuía os cabelos ruivos com as mesmas mechas lindas. Como seria a sensação de tocar naqueles cabelos? Seriam sedosos e macios como pareciam? Gideon deu um passo abrupto atrás, reprimindo seus pensamentos ao perceber o que estava fazendo. — Joey, eu entendo que o fato de sua irmã estar casada com o meu irmão nos coloca numa posição de quase parentes: — Quase sendo a palavra operativa. — Mas quero deixar claro que não tenho nenhum interesse em saber qualquer coisa sobre sua vida sexual. Joey arregalou os olhos diante da veemência que ouviu no tom de Gideon. Não tinha dúvidas de que ele apreciava e respeitava sua irmã, e que aprovara o casamento de Stephanie com Jordan. Então, por que decidira que desgostava de Joey desde o primeiro encontro deles? Talvez ele a tivesse desaprovado antes do primeiro encontro, se o que presumia sobre sua amizade com Jason Pickard fosse alguma indicação. Joey sabia dos rumores que vinham circulando sobre ela e o sócio mais novo de Pickard, Pickard e Wright pelos últimos seis meses. Rumores falsos! Oh, Jason era muito bonito, e os dois jantavam fora pelo menos uma vez por semana. Joey sempre se divertia nessas noites, e gostava da companhia de Jason. Mas a amizade deles não era baseada em atração sexual ou amor. Na verdade, Jason era apaixonado por um homem que conhecera na faculdade, e com quem morava pelos últimos dez anos. Infelizmente, seus pais, Pickard pai e Gloria, não sabiam que o relacionamento dele com o outro homem era mais que amizade, e teriam desaprovado veementemente se soubessem. Joey tinha ficado radiante na primeira vez em que Jason a convidara para sair... Afinal de contas, ele era o segundo Pickard da firma de advocacia. Mas não demorara a perceber que Jason não estava interessado nela sexualmente. Com seu jeito sempre franco, ela fizera perguntas diretas, e recebera respostas igualmente diretas. A revelação sobre a sexualidade de Jason não mudara nada para Joey. Ela gostava dele... O bastante para concordar com jantares freqüentes. E por que não, quando pouca coisa acontecia em sua vida no momento? E, então, o mito de que eles tinham um relacionamento nascera, um mito do qual até mesmo o distante Gideon St. Claire tinha conhecimento. Joey deu-lhe um sorriso frio. — Então, por que ainda estamos parados aqui, discutindo minha vida sexual? — Você... — Gideon parou em óbvia frustração, tentando exercer seu controle rígido. — Vamos levar suas coisas para cima e começar a trabalhar? — Ele moveu-se para pegar uma das caixas do porta-malas do carro dela, antes de dirigir-se ao elevador privado. Joey pegou a outra caixa, então fechou o porta-malas e trancou o carro, um sorriso de satisfação curvando seus lábios enquanto ela o seguia. As próximas quatro semanas — se ela conseguisse derrubar a pose arrogante e indiferente de Gideon St. Claire — prometiam ser muito divertidas. Ao menos Projeto Revisoras 10
  11. 11. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer para ela... CAPÍTULO DOIS — AONDE VOCÊ vai? — questionou Gideon ao se virar e ver que, em vez de segui-lo ao longo do corredor para sua própria sala, Joey tinha parado do lado de fora do escritório geralmente reservado para a assistente particular de Lucan. Não estava ocupado no momento, porque Lexie se tornara a assistente de Lucan três semanas atrás, e os dois estavam agora em lua de mel numa ilha do Caribe. Olhos verdes zombeteiros encontraram os seus. — Acredito que foi uma tentativa de diplomacia da parte de Lucan quando ele sugeriu que eu poderia usar a sala vaga de Lexie, em vez de o seu escritório. — E como você sabia que esta sala em particular era o escritório de Lexie? — Você quer dizer, fora o fato de o nome dela estar gravado sobre a porta? Gideon cerrou os dentes diante do óbvio sarcasmo. — Fora isso, sim. Joey deu de ombros. — Eu vim aqui na quinta-feira à tarde, de modo que Lucan pudesse explicar exatamente o que quer que eu faça enquanto ele e Lexie estão fora. Quinta-feira. A única tarde da semana que Gideon não trabalhava na Corporação St. Claire, mas ia ao pequeno escritório que mantinha do outro lado da cidade, a fim de lidar com assuntos legais particulares que exigiam sua atenção. Um fato do qual Lucan tinha ciência! — E o que exatamente ele quer que você faça enquanto estiver viajando com Lexie? — Além de atrapalhar a vida de Gideon, é claro. Joey deu de ombros. — Bem, Lucan parece saber que você não vai liberar muito do trabalho legal para mim. — Os olhos verdes brilharam. — Mas eu ficarei contente em preencher a lacuna. Há também o fato de que, com Lexie fora, vocês estão sem uma assistente particular. — Minha secretária... — É agora minha secretária — ela o relembrou audaciosamente. Droga, aquela situação estava piorando... Mais ainda pelo lato de que ele suspeitava que Lucan e Lexie estivessem agora numa ilha privada do Caribe, rindo às suas custas. Apaixonar-se não tornara seu irmão mais velho apenas imprevisível; também despertara um senso de humor negro nele! — Se você preferir, eu posso usar seu escritório em vez deste — disse Joey, mais uma vez batendo um pé no chão para demonstrar sua impaciência. — Pode decidir-se rapidamente, Gideon? Esta caixa está ficando pesada! Ele deu um suspiro frustrado. Sempre pensara no escritório no fim do corredor como sendo seu próprio espaço pessoal; paredes com painéis de madeira, prateleiras do chão ao teto contendo seus livros sobre Direito, todos em ordem alfabética. E o topo de sua mesa de madeira estava sempre vazio ao fim de cada dia, sem itens pessoais que muitas pessoas pareciam espalhar durante as horas de trabalho. As duas caixas pesadas que eles tinham carregado para cima implicavam que Joey espalharia itens pessoais sobre a mesa pelas próximas quatro semanas. Projeto Revisoras 11
  12. 12. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer Não, ele não gostava da idéia de ter seu escritório personalizado por aquela mulher. Mas saber da presença perturbadora de Joey McKinley na sala ao lado também seria inaceitável... — Tarde demais — anunciou Joey decidida, e usou o cotovelo para abaixar a maçaneta do escritório de Lexie antes de entrar. — Muito bom. Gideon a seguiu relutantemente para dentro da sala que Lucan tinha decorado antes que Lexie se tornasse sua assistente particular, três semanas atrás, vendo novamente que a mesa de pinho, as paredes cor de creme e o tapete em tons de dourado criavam um contraste perfeito para os longos cabelos pretos de Lexie. Mas ele não pôde deixar de notar que o ambiente também combinava com os cabelos ruivos e olhos verde-jade de Joey... — O que você tem aqui dentro... Pedras? — perguntou Gideon malhumorado enquanto atravessava a sala para pôr a caixa que estava carregando sobre a mesa, ao lado da caixa de Joey. — Não exatamente — retrucou ela, erguendo as abas de uma das caixas para começar a remover os objetos e desembrulhá-los do jornal. As bugigangas previsíveis reconheceu Gideon. O diploma em Direito. Duas fotografias emolduradas... Uma dos pais, a outra de Stephanie e Jordan no casamento deles. Um peso de papel com uma rosa amarela dentro. Um dragão dourado. Um dragão dourado? — Sim? — Joey continuou segurando o pequeno ornamento dourado quase de modo defensivo, enquanto se virava para fitá-lo. Aquela foi à primeira indicação de que ele fizera alguma exclamação em voz alta. Mas... Um dragão. Mesmo um bonito como aquele — com o corpo escamoso lindamente entalhado em ouro, suas asas abertas como se ele estivesse prestes a levantar voo, e duas pequenas safiras amarelas incrustadas no lugar dos olhos — não combinava com a imagem abrasiva que ele formara de Joey Não mais do que a voz que cantava como um anjo, ele lembrou subitamente. Joey o olhou e franziu a testa, notando a expressão de puro desgosto no rosto dele. — Stephanie mandou fazer isto para mim quando eu me formei em Direito. Sua gêmea sempre soubera que dragões tinham um significado para Joey. Um dragão dourado aparecia nos seus sonhos desde que ela estava com sete anos de idade. Toda vez que Joey tinha um problema — dificuldades na escola, ou com amigas —, e quando ela e Stephanie tinham dez anos e se envolveram num acidente de carro que deixou sua gêmea sem andar por dois anos, Joey sonhara com seu dragão dourado, e instantaneamente se sentira segura de que tudo iria dar certo. Por conseguinte, para onde ela ia, este dragão a acompanhava. Ela o posicionou firmemente no centro da mesa vazia. — Ele tem grande valor sentimental. — Se foi presente de Stephanie, então tenho certeza de que sim — reconheceu Gideon suavemente. Joey o estudou, procurando a frieza usual em Gideon. Em vez disso, sentiu quase uma afinidade. Projeto Revisoras 12
  13. 13. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer — Você sente falta de Jordan? A pergunta o deixou atônito. — Não houve muito tempo para isso, já que ele partiu esta manhã. — Eu quis dizer antes disso, é claro — explicou Joey impacientemente. — Há quanto tempo ele está em Los Angeles agora? — Dez anos. Stephanie só estava longe por dois meses, mas Joey estava profundamente ciente do vazio que sua irmã gêmea deixara em sua vida. — Você sentiu a falta de Jordan quando ele foi embora pela primeira vez? — Você ainda está sentindo a falta de Stephanie? — Não precisa parecer tão surpreso, Gideon — disse ela. Gideon estava surpreso; entretanto, sabia que não deveria estar. Somente porque Joey gostava de provocá-lo em cada oportunidade não significava que ela não tivesse a mesma conexão profunda com sua irmã que ele tinha com Jordan. — Sim, eu senti muito a falta de Jordan logo que ele foi para Los Angeles — admitiu ele, então acrescentou: — Mas com o tempo fica mais fácil. Os dois se entreolharam por longos minutos, como se cada um reconhecesse alguma coisa no outro que não enxergara antes. Uma suavidade. Uma rachadura em suas armaduras. Uma vulnerabilidade. Embora Gideon achasse esse insight nas emoções de Joey perturbador, achou ainda mais perturbadora sua própria atitude. Revelar vulnerabilidade não era algo que ele fazia. Nunca. — O dragão é muito lindo — disse ele, querendo mudar de assunto. — Mas, pessoalmente, prefiro acreditar nas coisas que posso ver e tocar. — Talvez esse seja o seu problema — murmurou Joey, virando-se para continuar a desembrulhar o conteúdo da caixa. O maxilar de Gideon enrijeceu. — Eu não sabia que eu tinha um problema. Joey arqueou as sobrancelhas castanhas enquanto se sentava na beirada da mesa, a saia justa erguendo-se de leve no processo, expondo mais das pernas delgadas. — Não acha que o fato de você não ter imaginação alguma seja um problema? Gideon desviou o olhar das belas pernas para o rosto em forma de coração. — Sempre acreditei que basear minhas opiniões na realidade dura e fria fosse à melhor opção. — Não quer dizer a opção mais tediosa e sem imaginação? — provocou ela. — Acredito que me conheço bem o bastante para saber o que eu quis dizer, Joey. Joey tinha se arrependido de lhe contar que ainda sentia falta de Stephanie assim que iniciara a conversa. Mas ficara surpresa quando Gideon admitira também sentir a falta do irmão gêmeo. Ele dava a nítida impressão de ser auto-contido. De ser um homem frio e impassível. Imaginá-lo sentindo o mesmo tipo de dor da solidão pelo irmão que ela sentia por Stephanie de repente o fez parecer muito humano. Mas talvez ele sentisse o mesmo com relação a ela? A idéia subitamente pareceu muito íntima. — Não há necessidade de você esconder suas cuecas, Gideon — provocou ela para disfarçar seu desconforto. — Não entendi. Projeto Revisoras 13
  14. 14. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer — Neste caso, suas cuecas significando seus sentimentos — Joey explicou a expressão que ouvira uma vez. — Eu preferiria não discutir minhas roupas de baixo... Ou meus sentimentos... Se você não se importa. — Ele meneou a cabeça. — Você é a mulher mais irritante que já conheci. — Verdade? — Joey sorriu. Gideon a olhou em exasperação. — Isso não foi um elogio. — Eu não pensei que fosse — replicou ela, secamente. — Mas não posso evitar sentir-me honrada por ter o frio e distante Gideon St. Claire baixado seus olhos castanhos aristocráticos o bastante não apenas para notar a minha existência, como também para formar uma opinião a meu respeito. Gideon percebeu que era essa impulsividade da mulher que o perturbava tanto, deixando-o inseguro e cauteloso com relação ao que ela faria ou diria a seguir. Aquela não era uma admissão confortável para um homem que mantinha um controle rígido sobre suas emoções. Sua boca se comprimiu numa linha dura. — Agora, quem está sendo insultante? — Eu estava? — questionou ela. — Mas você tem olhos castanhos. E é um aristocrata. Lorde Gideon St. Claire, para ser exata — adicionou ela. Nem ele nem seus dois irmãos usavam os títulos. Na verdade, quase ninguém sabia que Lucan era o atual duque de Stourbridge, ou que seus dois irmãos mais novos eram lordes. Um fato do qual Joey estava bem ciente. Em vez de responder, consultou seu relógio de ouro. — Lamento, mas não tenho mais tempo para perder com isso. Tenho Um cliente às 9h. Ela sorriu descaradamente. — Isso significa que o discurso de boas-vindas... O usual bom ter você conosco, não hesite se precisar de alguma coisa acabou? Gideon deu um suspiro exasperado. — Certamente, a essa altura, você sabe que eu ficaria mais feliz se não a tivesse trabalhando aqui — respondeu ele com honestidade. — A vida pode ser cruel às vezes, não é? — disse ela, linda sorrindo. Gideon deu-lhe uma última olhada antes de se virar e ir para a sala adjacente, controlando-se para não bater a porta com toda sua força. Uma vez sozinha na sala de Lexie, Joey suspirou aliviada. Aquela conversa sobre as cuecas de Gideon sem dúvida reforçara a opinião que ele tivera a seu respeito antes que ela cometesse o lapso de admitir que sentia a falta de Stephanie. Joey sabia o que as pessoas pensavam dela como advogada: agressiva, eficiente, muito direta. Ela era um tubarão cercando sua presa quando defendia um cliente num tribunal... E aquela era reputação que deliberadamente cultivava. Não muitas pessoas podiam ver a verdadeira Joey por baixo da profissional, como Gideon vira quando ela havia falado sobre a saudade que sentia de sua irmã. Joey construíra sua dureza profissional alguns anos atrás, depois de entrar numa carreira dominada por homens, e depois que muitos homens menos capazes que ela tinham conseguido empregos por causa de seu gênero, e não de suas habilidades. Na terceira vez em que perdera um emprego dessa forma, Projeto Revisoras 14
  15. 15. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer Joey decidira que, se não podia derrotá-los, então iria juntar-se a eles e derrotálos em seus próprios jogos. Conseqüentemente, antes que fosse para sua entrevista em Pickard, Pickard e Wright, dois anos atrás, Joey havia saído e comprado trajes profissionais quase masculinos, cortado os cabelos curtos e adotado uma personalidade abrasiva e agressiva para combinar com seu visual. As mudanças se provaram bemsucedidas, e ela conseguira o emprego naquela prestigiosa firma de advogados. Uma vez no emprego, suavizara um pouco sua atitude e sua aparência, reconhecendo que, em algumas circunstâncias, a feminilidade podia ser tão efetiva quanto à agressividade. Mas não se sentia inteiramente confortável com o fato de que sua personagem altamente profissional escorregara de leve quando conversara com Gideon St. Claire. — Vou "TIRAR um intervalo agora, e ir ao Café no fim da rua, buscar um chocolate quente. Você quer alguma coisa de lá? Gideon mostrou sua irritação quando olhou da tela do computador para onde Joey estava à porta que conectava as duas salas; a porta que ela abrira sem a cortesia de bater antes. — Certamente há uma cafeteira na sala de Lexie. — Eu não bebo café. — Há máquinas de refrigerantes em todos os andares, e um restaurante da empresa no oitavo andar. Sem dúvida, eles têm chocolate quente lá. — Mas não com chantili no topo, ou servido por um rapagão de vinte anos com ombros largos e cabelos loiros, suponho. Gideon franziu o cenho ao pensar nas três mulheres rechonchudas de meiaidade que trabalhavam no restaurante dois andares abaixo. — Bem... Não. — Então é isso. — Presumo que este "rapagão" trabalha no café da esquina? — Oh, sim. — Ela sorriu-lhe. — Então, você quer alguma coisa? Uma bebida, um brioche, um pão doce? — Não, obrigado. — Eles têm um delicioso brioche de limão... — Eu disse não. — Gideon estava ficando cada vez mais irritado. Se quisesse café, tinha sua própria cafeteira e, se quisesse comer, mandaria sua secretária — a secretária de Lucan, agora que Joey McKinley tinha confiscado a sua -- ao restaurante para lhe buscar alguma coisa. Joey continuou ali, parecendo inabalada por sua irritação. — Diga-me, Gideon, você já foi a um café? — Não. — E numa lanchonete? — Se você se refere aos restaurantes Fast Food, então a resposta é não. Também nunca patinei, voei de asa-delta ou mergulhei... E não sinto mais vontade de fazer nenhuma dessas coisas do que sinto de ir ao café no fim da rua! — Eu também nunca mergulhei... Nunca tive certeza do que se esconde nas profundezas — contou Joey com um pequeno tremor. — Mas já patinei e voei de asa-delta, e amei as duas atividades. Quando aos restaurantes Fast Food e ao café... Você não tem idéia do que está perdendo! — No caso do café, aparentemente um garoto de vinte anos, como ombros Projeto Revisoras 15
  16. 16. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer largos e cabelos loiros. — Ele fez uma careta. — Que obviamente não é meu tipo. E ele não é um pouco jovem demais para você! — acrescentou Gideon com desdém. — Homens mais novos estão na última moda. — Joey arqueou sobrancelhas sugestivas para ele. — Deve ser porque eles têm mais vigor na cama do que homens mais velhos. Gideon enrijeceu. Quem tinha conversas como essa? Joey McKinley, aparentemente! Apesar de não estar gostando nem um pouco daquela conversa, ele não pôde deixar de imaginar se, ao falar de homens mais velhos, ela se referira a homens da sua idade! Ele recostou-se em sua cadeira e fitou-a com olhos estreitos. — Eu teria pensado que experiência venceria vigor, nesse caso. Joey quase gritou sim, por ter conseguido engajar o reservado Gideon St. Claire nessa conversa obscena. A atitude indiferente dele era como um pano vermelho para um touro, para Joey. Ela queria falar coisas absurdas apenas para chocá-lo. Com o sol fraco de fevereiro brilhando através da enorme janela atrás dele, os cabelos de Gideon eram da cor de ouro puro. E pareciam suaves e sedosos ao toque. Os olhos escuros eram enigmáticos, e um pequeno sorriso curvava os lábios sensuais... Como se ele estivesse apreciando a conversa, mesmo contra sua vontade. Joey fechou as mãos para resistir à vontade de atravessar a sala e ver se aqueles cabelos seriam suaves e sedosos ao toque. Aquele era Gideon St. Claire lembrou-se. O homem que ela acreditara, até mais cedo naquela manhã, ser imune a todo tipo de sentimento emocional. — Não subestime vigor até que você tenha experimentado — provocou Joey. — O que você, obviamente, fez. Na verdade, não... Oh, Joey sabia que passava uma imagem de quem seduzia homens de todas as idades, e que a maioria das pessoas assumia que ela morava sozinha e era solteira por escolha. Mas a realidade era que Joey estivera muito focada em obter sua graduação em Direito entre 18 e 22 anos para que lhe sobrasse tempo para relacionamentos. Na verdade, não linha tempo algum para isso. Houvera ocasionais encontros românticos, é claro... O mais recente com Jason Pickard, seis meses atrás. E que resultado esse último encontro tivera! Mas ela nunca vivenciara um relacionamento de longa duração, pelo qual ansiava. Seus pais eram felizes no casamento por mais de trinta anos, e Joey decidira muito cedo que não iria se contentar com menos. Infelizmente, a imagem indiferente que deliberadamente adotara tendia a oprimir os homens fracos, e os fortes se Nontiam ameaçados por ela. Provavelmente por isso, aos 28 anos, a motivada e abrasiva Joey McKinley não conseguira encontrar um homem que pudesse amar completamente, e que a amasse da mesma maneira. Pelo mesmo motivo, ela ainda era virgem... Algo que o cínico Gideon St. Claire acharia muito difícil de acreditar. — Ainda não... Mas eu ficarei contente em lhe contar quando eu experimentar — replicou ela. Gideon inclinou-se para frente e apoiou os cotovelos sobre a mesa. — Existe alguma conexão sexual entre o creme chantili e o rapagão de vinte Projeto Revisoras 16
  17. 17. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer anos? Os olhos verdes se arregalaram e, por um instante, Gideon podia jurar ter visto um leve rubor naquelas faces alvas. Como se a extrovertida Joey McKinley estivesse embaraçada por seu comentário. Ele ficou intrigado com a idéia... —Acho que estou tendo uma onda de calor, só de pensar nisso! — Ela abanou uma mão na frente do rosto. Gideon suspirou. — Se você já terminou de interromper minha manhã, tenho uma reunião em cinco minutos, seguida por um compromisso de almoço. O sorriso provocante foi instantaneamente substituído pelo interesse profissional. — Você precisa de mim para alguma dessas duas coisas? — Não. — Ele a assegurou com firmeza. — A reunião não deve durar muito, e o compromisso de almoço é pessoal; — Tudo bem. — Ela o estudou especulativamente. Então deu de ombros. — Você sabe onde me encontrar se precisar de mim. — Na sala ao lado, ou no café da esquina, tendo fantasias sobre chantili e jovens atraentes — murmurou Gideon com sarcasmo. — Ei, acho que você está começando a apreciar meu senso de humor! — Senhor, espero que não — disse ele com sentimento. Joey deu uma gargalhada rouca, antes de se virar para voltar à sua própria sala e fechar a porta suavemente. Gideon respirou fundo. Três semanas, quatro dias, seis horas e meia... Para que Joey McKinley estivesse fora do edifício da Corporação St. Claire. Fora do escritório na porta ao lado. Totalmente fora de sua vida... Projeto Revisoras 17
  18. 18. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer CAPÍTULO TR Ê S JOEY AINDA estava tão perturbada pela observação de Gideon sobre o creme chantili que se esqueceu de pedir chantili no chocolate quente... E nem sequer notou que havia uma garota servindo hoje, em vez do rapaz de cabelos dourados! Talvez Gideon não fosse tão conservador assim, se podia fazer referências sexuais como aquela. Afinal de contas, Stephanie não tinha conseguido parar de rir quando Joey perguntara se Gideon era homossexual. Somente porque Joey nunca o vira com uma mulher não significava que ele não tinha uma em sua vida. Talvez Gideon tivesse alguém, mas não quisesse levar essa pessoa ao casamento de um membro da família. Para seu imenso desconforto, apenas se imaginar deitada sobre lençóis brancos de seda, tendo a língua quente de Gideon lambendo chantili de seus seios foi o bastante para enrijecer seus mamilos dentro do sutiã. Não uma boa idéia... — Deseja mais alguma coisa? Joey olhou para a garota atrás do balcão, enrubescendo ao perceber que seu chocolate quente já estava à sua frente, e que havia uma fila de pessoas atrás, esperando para serem atendidas. — Não, obrigada — murmurou Joey, pegando o chocolate quente e virando-se abruptamente, colidindo com o homem barbado atrás dela. — Desculpe. — Não foi nada — replicou ele. Joey apressou-se para fora do café antes que fizesse alguma coisa para embaraçar a si mesma, respirando fundo uma vez na calçada, grata pelo vento frio de fevereiro refrescando seu rosto quente. Estava ciente do leve tremor nas mãos enquanto segurava o copo descartável de chocolate quente. O que estava errado com ela? Bem... Sabia o que estava errado... Ficara excitada por uma fantasia sexual sobre Gideon St. Claire e creme chantili no meio do café! Ele era a última pessoa com quem Joey deveria fantasiar... Especialmente considerando que eles iriam trabalhar juntos pelas próximas quatro semanas. Gideon nem mesmo gostava dela e, com certeza, não a aprovava, então o que... — Você está se sentindo bem? Joey ergueu os olhos para ver o homem barbado do café parado ao seu lado na calçada. — Você parece um pouco febril — continuou o homem. — Talvez tenha pegado uma gripe. É esse tempo louco, um dia frio, o outro quente. — Sim, provavelmente — respondeu Joey, olhando para 0 homem pela primeira vez. Ele devia ter cerca de quarenta anos, e era bonito, pelo que ela podia ver através da barba escura-que lhe escondia a parte inferior do rosto. Os olhos eram Projeto Revisoras 18
  19. 19. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer azul-brilhante. Ele parecia vagamente familiar. — Eu conheço você? — perguntou ela. — Estou certo de que eu teria me lembrado se tivéssemos nos encontrado antes. — Ele deu um sorriso breve. Joey aceitou o elogio. — Desculpe por ter segurado a fila lá dentro. Minha cabeça estava longe. — Numa cama com lençóis de seda, com Gideon... Não! Precisava parar de pensar sobre isso! — Sem problemas — respondeu o homem. — Você trabalha por aqui? Joey franziu o cenho. Não estava disposta a contar para um completo estranho onde trabalhava. Um estranho que ainda lhe parecia familiar, apesar da negação dele. — Sim. E está na hora de eu voltar. — Com um sorriso, ela virou-se e começou a andar. — Aprecie seu chocolate quente — disse ele. — Obrigada. — Joey sentiu-se desconcertada por saber que o homem notara o que ela havia pedido ao balcão. E podia sentir os olhos azuis a seguindo enquanto andava ao longo da rua. Estava se tornando paranóica. O homem só estava sendo educado, pelo amor de Deus! Ela provavelmente estava sensível demais por causa de sua fantasia sensual. Provavelmente? Com certeza, estava sensível demais. E em todos os lugares errados, também. — SEU ALMOÇO foi bom? Gideon tinha acabado de voltar para seu escritório, e suspirou ao se virar e ver Joey, mais uma vez parada junto à porta de conexão entre as duas salas. — Acho que precisamos estabelecer algumas regras básicas, Joey — disse ele, enquanto removia o paletó antes de se sentar atrás da imponente mesa de Lucan. — A primeira sendo que, no futuro, eu gostaria que você batesse à porta antes de invadir meu escritório. — Por quê? Ele cerrou os dentes. — Porque eu prefiro assim. Ela o estudou. — Você vai fazer alguma coisa... Privada aqui, que não quer que eu entre e atrapalhe? Três semanas, seis dias, duas horas... — Eu apenas não a quero entrando aqui sem ser anunciada. Joey havia decidido, durante as três horas desde a última vez em que vira Gideon, que a melhor maneira de lidar com ou lapso de mergulhar em fantasias era encarando a situação de frente. Encará-lo de frente. Olhando-o agora, sentado atrás da mesa de Lucan, os cabelos dourados levemente despenteados pela brisa do Indo de fora, sem paletó, com os músculos do peito e dos ombros claramente visíveis sob a camisa branca, ela não teve tanta certeza... Oh, pare com isso, Joey, instruiu a si mesma. Então tivera uma fantasia sexual com o homem. E daí? Sim, Gideon era maravilhoso, mas acabara de voltar de um almoço de duas horas com outra mulher. Sem dúvida, uma mulher feliz em servi-lo de suas preferências sexuais, quaisquer que essas fossem... — Minha mãe mandou lembranças, a propósito. Joey piscou. Projeto Revisoras 19
  20. 20. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer — Sua mãe? Gideon deu um sorriso zombeteiro... Quase como se soubesse no que ela estivera pensando. — Eu almocei com mamãe, antes que ela pegasse o trem da tarde de volta para Edinburgh. A linda e graciosa Molly St. Claire. Duquesa de Stourbridge agora, depois do casamento de Lucan com Lexie no sábado. E, aparentemente, a mulher com quem Gideon compartilhara um almoço de duas horas. Era alívio o que Joey estava sentindo? Se fosse, então isso era totalmente ridículo, uma vez que Gideon deixara claro que ela era a última mulher por quem ele se sentiria atraído. E ela estava atraída por ele? Bem, era uma mulher com sangue nas veias, não era? Sim, mas não era estúpida. Permitir-se sentir atração por Gideon — um homem que não mostrava interesse por ela, e nenhuma emoção por ninguém, exceto pela família mais próxima — seria uma grande estupidez de sua parte. Ela podia escolher apresentar um exterior de sofisticação, mas, por dentro, Joey era suave... Tão emotiva e vulnerável quanto sua irmã gêmea. E não estava disposta a ter seu coração partido, apaixonando-se pelo frio e inacessível Gideon St. Claire. — Que filho atencioso você é — comentou ela. Gideon enrijeceu visivelmente. — Talvez você não saiba, mas o casamento no sábado foi um momento difícil para minha mãe. Joey instantaneamente se sentiu culpada com o lembrete de que o casamento de Lucan e Lexie devia ter sido difícil para Molly St. Claire; Lexie era neta de San Thomas... A mulher por quem o marido de Molly, Alexander St. Claire, o ex-duque de Stourbridge, tinha deixado Molly 25 anos atrás. Algum tipo de trégua tinha sido estabelecido no passado entre as duas mulheres mais velhas antes do casamento de Lucan e Lexie no sábado, mas, mesmo assim, não podia ter sido uma situação fácil para a mãe de Gideon. — Estou ciente disso. — Joey fez uma careta em reconhecimento de seu lapso. — Sinto muito. Gideon continuou olhando-a friamente por diversos segundos, antes de assentir com a cabeça. — Vamos prosseguir certo? O que você queria aqui? O que ela queria lá? Oh, sim. — Jordan ligou enquanto você estava fora; ele e Steph chegaram bem em Los Angeles. Gideon assentiu. — Ele deixou um recado no meu celular. Ainda lhe parecia estranho que ele e esta mulher fossem conectados pelo casamento de seus irmãos. Não que Gideon e Jordan fossem gêmeos idênticos. Mas Joey è Stephanie eram... Mesmo se escolhessem ser completamente distintas em estilo. Gideon sempre achara Stephanie carinhosa e charmosa, enquanto a irmã possuía a suavidade de um ouriço. Uma impressão que havia sido abalada nessa manhã, quando ele ouvira a solidão na voz de Joey ao admitir o quanto sentia a falta de sua gêmea... Na verdade, Gideon pegara-se pensando em Joey durante o almoço, Projeto Revisoras 20
  21. 21. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer enquanto ele e a mãe comiam as sobremesas. Bem, tinha sido a sobremesa de sua mãe que ativara a memória... Morangos com chantili. Para seu horror e desconforto, ele se descobrira imaginando Joey deitada em lençóis de seda vermelhos... Vermelhos, porque ele já sabia como a cor exótica daqueles cabelos ruivos ficava linda contra o vermelho... Enquanto ele lambia sensualmente creme chantili do corpo dela. A imagem tinha sido tão vivida que Gideon se sentira enrijecer, sua ereção dolorida debaixo da mesa onde estava almoçando com sua mãe! — Como foi sua visita ao café da esquina, mais cedo? Joey não conseguiu impedir o rubor que esquentou suas faces quando a pergunta a fez lembrar-se da fantasia que nutrira mais cedo. Seus seios se tornaram mais cheios, os mamilos rijos e sensíveis roçando na renda preta do sutiã. Ela umedeceu os lábios. — Foi... Boa, obrigada. Gideon deu-lhe um sorriso tenso. — Alguma sorte com o rapagão loiro? — Ainda estou trabalhando nisso — respondeu ela sem olhá-lo, então se virando para sair. Gideon se levantou e cruzou a distância entre os dois em passos determinados. Ela virou-se novamente quando ele falou com a voz rouca: — Obrigado por me passar o recado de que Jordan e Stephanie chegaram bem em Los Angeles. — Um recado desnecessário, na verdade — comentou ela, muito ciente da proximidade de Gideon. — Mas você não sabia disso — apontou ele. — E, apesar dos comentários que fiz mais cedo, apreciei que você veio falar comigo assim que eu retornei do almoço. Joey sorriu. — Mesmo que eu tenha invadido seu escritório? — Mesmo assim — concedeu Gideon, percebendo como ela era pequenina; seus modos sempre tão zombeteiros e o temperamento independente de alguma maneira a tinham feito parecer maior. A admissão de Joey de que sentia a falta de Stephanie levara Gideon a vêla com outros olhos... Indicando que aquela independência exagerada era mais uma defesa do que uma parte da natureza dela. Talvez um mecanismo de defesa para esconder a vulnerabilidade... A mesma vulnerabilidade que a capacitara a cantar com tanta beleza e emoção no casamento de Jordan e Stephanie? Joey era mais baixa do que Gideon pensara, o topo da cabeça chegando somente até seu queixo... Mas, como? Naquela manhã, no estacionamento, ele lembrava distintamente que os olhos verdes haviam estado no nível de sua boca enquanto eles conversavam. Gideon deu um passo atrás para lhe estudar os pés. — Você está descalça... Até mesmo os pés de Joey eram bonitos... Os tornozelos bem formados, os dedos graciosos, com as unhas pintadas de cor-de-rosa. — Tenho o hábito de tirar os sapatos sempre que eu me dento — admitiu Joey. — Isso não é muito... Ortodoxo quando você está no trabalho. — Aquilo também dava uma intimidade à situação tio que ele não gostava. Projeto Revisoras 21
  22. 22. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer Ela inclinou a cabeça em desafio. — Você ainda não notou? Eu não sou ortodoxa! Gideon notara muitas coisas sobre aquela mulher hoje, como a maciez dos cabelos ruivos. A cremosidade da pele alva. O volume dos seios sob a blusa de seda. As deliciosas curvas dos quadris e do traseiro. A leve vulnerabilidade daqueles lábios sensuais... Joey estava muito consciente da súbita tensão que cercava os dois. Também tinha ciência, estando tão perto dele, de que o peito largo parecia tão sólido e musculoso como ela imaginara que seria, e que seus sentidos estavam sendo bombardeados pelo calor e pelo cheiro do corpo de Gideon. Ela quase sentia medo de respirar, & resistiu ao impulso de aproximar-se mais, circular-lhe a cintura com os braços e sentir os músculos poderosos sob a camisa branca, enquanto suas palmas descansavam nas costas dele... Era um impulso perigoso... Especialmente depois dos pensamentos eróticos que tivera sobre ele mais cedo. Todavia, ela não conseguia se afastar. Não conseguia tirar os olhos daquelas feições duras e esculpidas. Exceto que elas não pareciam duras agora. A boca de Gideon estava relaxada... Os lábios levemente entreabertos, a respiração, uma carícia quente contra suas sobrancelhas... E os olhos castanhos... Oh, Deus, aqueles olhos... Não eram mais apenas cor de chocolate, mas tinham agora fragmentos dourados saindo das pupilas. O dourado se aprofundou quando o olhar dele desceu para os lábios entreabertos de Joey. Como se Gideon também estivesse imaginando como seria se eles se beijassem... Uma batida suave soou à porta externa, antes que essa fosse imediatamente aberta. — Gideon, eu... Oh! A secretária de Lucan, May Randall, parou desajeitadamente, os olhos arregalados enquanto olhava para os dois parados tão juntos perto da porta. — Eu... Eu voltarei mais tarde! — Ela estava rubra quando se virou e fechou a porta. A interrupção inesperada de May teve o mesmo efeito de um banho frio sobre Gideon, tornando-o consciente do que estava fazendo... E do que estivera prestes a fazer. Estivera prestes a beijar Joey McKinley. Joey McKinley, pelo amor de Deus! Ela era tudo que Gideon desgostava numa mulher. As mulheres que tinham um lugar breve em sua vida eram escolhidas por possuírem as mesmas qualidades de seu favorito vinho branco: frio e revigorante, com apenas um toque de sedução para provocar os sentidos. Joey tinha todas as qualidades de um vinho tinto rico: forte e saborosa, com uma impetuosidade que atacava os sentidos, em vez de provocá-los de forma sutil. Joey teve somente de dar uma olhada para o rosto expressivo de Gideon para saber que ele se arrependia da aproximação que parecera inevitável entre os dois. Estava nos olhos dele, nos ombros rígidos, nos punhos cerrados nas laterais do corpo; enquanto ela ainda estava com o coração disparado pela intensidade de emoções que tinha visto queimando nos olhos dele. Olhos que, subitamente, haviam se tornado da mesma cor de seu dragão adorado, adornando o topo de sua mesa... Projeto Revisoras 22
  23. 23. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer CAPÍTULO QUATRO — E COMO VOCÊ sugere que expliquemos essa pequena cena tocante para May? — perguntou Gideon. De maneira fria. Dura. Desaprovadora. Típica! A ternura que Joey pensara ter visto nas profundezas dos olhos dourados tinha sido uma ilusão, disse a si mesma, fitando agora os frios olhos castanhos. — O que há para explicar? — questionou ela. — Nós estávamos apenas conversando. — Obviamente estávamos muito perto para discutir contratos profissionais. Para seu desgosto, Gideon percebeu que, após uma única manhã trabalhando com Joey, eleja começava a perder o juízo. Que explicação poderia haver para até mesmo pensar em beijá-la? Pensar? Ele não estivera raciocinando enquanto estudava aqueles lábios carnudos entreabertos! — Pessoalmente, acho que é melhor esquecermos o assunto — disse Joey. — Em minha experiência, as pessoas continuarão pensando o que quiserem ao seu respeito, não importa o que você tenha a dizer sobre o assunto; portanto, é melhor nem se incomodar em oferecer explicações. Gideon franziu o cenho ao ouvir o cinismo disfarçado na voz dela. Joey teria essa atitude de "pensem o que quiserem sobre mim" porque a maioria das pessoas, inclusive ele, tendia a julgá-la? Bem, Gideon era culpado por ter formado uma opinião sobre ela antes de realmente conhecê-la. E teria de sustentar tal opinião se quisesse manter defesas contra a atração que agora sentia por ela... Que talvez sempre tivesse sentido? — Talvez você não se importe com o que as pessoas pensam a seu respeito, Joey, mas eu me importo — murmurou ele. — Principalmente pessoas com quem tenho de trabalhar diariamente. Um rubor de raiva coloriu as faces de Joey. — Você está trabalhando comigo diariamente no momento, Gideon... Talvez tenha interesse em saber o que eu penso de você? Não, ele realmente não queria ouvir a opinião de Joey a seu respeito! Ela deixara óbvio desde o primeiro encontro deles, dois meses atrás, que não gostava de atitudes arrogantes, ou dele... Que, na verdade, ressentia-se da interferência de Gideon para resolver o problema de Stephanie, que fora injustamente acusada de ser "a outra" no divórcio de Richard Newman, um de seus clientes. Uma acusação que Newman, por suas próprias razões, havia permitido que continuasse. Gideon só tinha interferido a pedido de Jordan, quando seu irmão passara a se preocupar com a estabilidade mental da esposa de Richard Newman, Rosalind, que chegara perigosamente perto de causar danos físicos em Stephanie, em seu desespero por causa do divórcio. Talvez Gideon pudesse ter tido um pouco mais de tato para resolver a situação. Talvez devesse ter consultado Joey, que, na ocasião, estivera agindo em nome de Stephanie, antes de instruir um investigador particular para seguir Richard Newman e descobrir Projeto Revisoras 23
  24. 24. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer quem era a amante do homem. O fato de que a mulher em questão era a esposa do chefe de Richard explicava a relutância do homem em isentar Stephanie de culpa! Gideon não hesitara em usar tal conhecimento para livrar Stephanie de todo envolvimento no divórcio, e não se sentira culpado quando Richard Newman merecidamente perdera o emprego, assim como a esposa e a família. Sim, Gideon aceitava que talvez pudesse ter lidado com a situação com mais tato, incluindo Joey no que estava fazendo, mas apreciava e respeitava Stephanie, sabia o quanto Jordan a amava e, na época, não pensara em como Joey interpretaria seu comportamento. Estivera apenas empenhado em tirar Stephanie de uma situação que se tornara perigosa. Percebia agora que, embora Joey obviamente tenha ficado aliviada ao ver a irmã livre de falsas acusações, ela possuía todos os motivos para se ressentir da intervenção arrogante de Gideon. E demonstrara tal ressentimento todas as vezes que eles haviam se encontrado desde então. Ele lhe devia um pedido de desculpas, reconheceu. Um pedido que não ousaria oferecer neste momento, quando emoções haviam falado tão altas entre eles alguns minutos atrás. — Somente se eu puder retornar o favor e lhe dizer o que penso de você também — respondeu ele. Talvez não, pensou Joey. Apesar de suas fantasias de estar nos braços de Gideon, eles obviamente não gostavam um do outro. — Eu passo, obrigada — replicou ela numa voz entediada. — Então, talvez devêssemos voltar ao trabalho? — Ele arqueou as sobrancelhas. Não, eles definitivamente não se gostavam! — Sim, senhor! — Ela fez uma saudação zombeteira antes de se virar para retornar à sua própria sala. — Joey? Ela olhou para trás. — Sim? — Calce seus sapatos. Trabalhar descalça pode dar um mau exemplo para as funcionárias! A gargalhada de Joey foi completamente espontânea, antes que ela meneasse a cabeça e voltasse a ficar séria. — Cuidado, Gideon... Você pode começar a desenvolver aquele senso de humor, afinal! Ele deu um sorriso irônico. — Duvido, quando eu tenho aquele ar de superioridade. Ela pareceu envergonhada. — Eu não devia ter lhe dito isso. Gideon deu de ombros. - Por que não? Se for o que você realmente pensa. Joey não tinha mais certeza do que pensava sobre ele. Talvez houvesse razões para que Gideon fosse tão fechado funcionalmente. Uma impressão que ela tivera mais cedo, ao ouvi-lo admitir que sentia falta do irmão gêmeo tanto quanto Joey sentia de sua irmã. A separação dos pais quando Gideon estava com dez anos de idade não devia ter sido uma experiência agradável. Stephanie lhe contara que o fato de Alexander St. Claire ter abandonado a esposa e três filhos 25 anos atrás tinha Projeto Revisoras 24
  25. 25. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer afetado a opinião de Jordan sobre relacionamentos de longa duração. Talvez Gideon tivesse problemas similares? Talvez fosse por isso... Bom Deus... Ela não podia realmente estar dando desculpas para a frieza do homem, podia? — Você pode sair Joey, e me deixar trabalhar? — murmurou ele, enquanto ia se sentar atrás da mesa. Não, Joey respondeu a própria pergunta. Certamente não ia dar desculpas para Gideon; ele era frio, arrogante e superior! Gideon observou através de olhos estreitos quando Joey finalmente saiu de seu escritório, esperando até que a porta estivesse fechada antes de se recostar e dar um suspiro profundo. Tinha se movido tão rapidamente para se sentar atrás da mesa de Lucan porque mais uma vez estava excitado por conta de pensamentos de beijar Joey McKinley... E queria fazer muito mais do que apenas beijá-la! Três semanas, seis dias e uma hora e meia daquela tortura pela frente... — PRECISA DE alguma ajuda? Joey fechou os olhos e desejou estar em qualquer lugar, exceto ajoelhada no chão do estacionamento da Corporação St. Claire; com Gideon agigantando-se sobre ela, enquanto ela tentava trocar o pneu que tinha esvaziado desde que deixara seu carro parado lá naquela manhã. Ela saíra de seu escritório um pouco antes das 18h, convencida, pelo silêncio na sala ao lado, de que Gideon já havia ido embora pelo dia... Até que tinha chegado ao estacionamento subsolo e visto que os carros deles eram os únicos ainda parados lá. Mesmo assim, tivera a esperança de escapar antes que Gideon descesse no elevador. Uma esperança que desaparecera no momento em que ela se aproximara de seu carro e vira um dos pneus da frente completamente vazio. Motivo pelo qual, após tentar enchê-lo, sem sucesso, Joey estava agora ajoelhada sobre o cobertor que estendera no chão de concreto, tentando trocar o pneu furado pelo step. Ouvira o elevador descendo, e então Gideon andando na sua direção. — Posso lidar com isso — ela o assegurou, lutando com o último parafuso da roda. — Gostaria que eu... — Não! Gideon reprimiu um sorriso diante da veemência de Joey, ciente da razão daquilo, sabendo que ela não gostava de parecer em desvantagem. — Talvez eu pudesse... — Talvez você pudesse entrar no seu carro, sumir daqui e me deixar com isso! — ralhou ela, erguendo a cabeça para olhá-lo. Talvez ele tivesse feito exatamente isso, se achasse que Joey conseguiria tirar o pneu danificado e substituí-lo. Ou talvez não; uma coisa que Molly St. Claire ensinara os três filhos era que um cavalheiro sempre ajudava uma moça em apuros. E Joey, gostasse disso ou não, estava em apuros. Ademais, ele não tinha intenção de ir embora e deixar minha mulher sozinha num estacionamento deserto, às 18h30 numa noite escura de inverno. — Dê-me isso — instruiu ele com firmeza, ajoelhando-se ao lado dela sobre o cobertor e tirando-lhe a chave inglesa da mão. Ou, pelo menos, tentando fazer isso, porque os dedos dela instantaneamente se apertaram ao redor da Projeto Revisoras 25
  26. 26. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer ferramenta de metal, recusando-se a soltá-la. — Joey, pare de ser infantil e dê-me a chave inglesa! — Gideon deu-lhe um olhar autoritário. Olhos verde-jade o encararam de volta. — Eu não estou sendo infantil. Apenas me recuso a ser tratada como uma mulher indefesa por você, grande homem forte! Gideon riu suavemente. —Ajudaria saber que eu a considero tão indefesa quanto um tanque de guerra? Joey fez uma careta perante a descrição que viera pouco depois do comentário que ele fizera mais cedo sobre "as funcionárias". — Nós não estamos numa zona de guerra, sabia Gideon? — Não? — Ele arqueou as sobrancelhas loiras. — Não. — Então, pare de ser tão teimosamente independente e dê-me a chave inglesa. — Ele a fitou com expressão desafiadora. Joey lentamente soltou a ferramenta na mão dele, e se sentou sobre os calcanhares para vê-lo liberar o último parafuso traiçoeiro antes de soltar a roda completamente. Gideon levantou-se para guardar o pneu vazio no porta-malas e trazer o step. — Você não detesta quando isso acontece? — murmurou Joey, enquanto endireitava o corpo. Gideon sorriu da irritação dela. — O fato de que o último parafuso estava um pouco enferrujado prova que você não é tão inepta quanto pensa. Talvez não fosse, mas Joey detestava parecer incapaz de lidar com seus próprios problemas. — Não parecia haver nenhum problema com o pneu esta manhã. — Ela andou até o porta-malas do carro para inspecioná-lo, mas não pôde ver nenhum motivo para o furo. — Tanto faz. Irei comprar um pneu novo amanhã na hora do almoço. — Virou-se para ver Gideon terminar de pôr o step e guardar as ferramentas na caixa, antes de dobrar o cobertor. O terno e a camisa branca continuavam impecáveis como Sempre, mas havia uma pequena mancha de óleo no canto da boca de Gideon, o que significava que ele provavelmente tinha óleo nas mãos, também. — Aqui está. — Ele colocou o kit de ferramentas e o cobertor dobrado no porta-malas, ao lado do pneu furado. Joey engoliu em seco. — Eu... Obrigada pela ajuda. — Sem problemas. — Foi muita gentileza sua. Os lábios dele se curvaram num sorriso irônico. — Considerando que você não ficou muito grata logo que eu ofereci? Joey franziu a testa. — Eu não me lembro de você ter oferecido. Como sempre, você simplesmente assume o comando. — Do jeito que eu assumi o comando do caso Newman alguns meses atrás? Joey o fitou por um longo momento, surpresa pela pergunta inesperada. — Sim — respondeu ela. — Exatamente do jeito que você assumiu o controle do caso Newman. Projeto Revisoras 26
  27. 27. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer — Eu lhe devo uma explicação e um pedido de desculpas por isso. A incerteza de Joey aumentou. Seu ressentimento em relação à intervenção arrogante de Gideon dois meses atrás era a base sobre a qual ela depositara todas as suas interações futuras com ele. Se Gideon explicasse e se desculpasse agora, ela não teria defesas contra a atração crescente que sentia por ele. Por um homem que mostrava claramente que, no máximo, tolerava-a... — Joey? Ela o olhou então, e sentiu um leve rubor subir ao rosto. — Estou certa de que você teve seus motivos para fazer isso. Ele assentiu. — Porque eu gostei de Stephanie desde o começo, e Jordan me pediu para intervir e ajudá-la. Mas percebo agora que eu deveria ter considerado seus sentimentos antes de agir. Por mais que Joey apreciasse saber que Gideon gostava de sua irmã gêmea o bastante para querer ajudá-la, ela não sabia se podia lidar com o pedido de desculpas dele agora. O dia já tinha sido tão estranho... Principalmente por perceber que sua atração por Gideon estava abalando as barreiras que ela mantinha ao redor de suas emoções. — Você tem uma mancha de óleo ao lado de sua boca — Joey deliberadamente mudou de assunto. — Tenho? — Gideon ergueu uma mão e limpou a face errada. — Lado errado. Ele arqueou uma sobrancelha. — Talvez você devesse fazer isso para mim? Joey tremeu com o pensamento de tocá-lo tão intimamente, quando já estava muito consciente dele. Talvez não devesse ter mencionado a mancha de óleo! — Eu tenho lenços umedecidos na minha bolsa. — Ela apressou-se em abrir a porta do carro, e abaixou-se para pegar os lenços de dentro da bolsa, a qual pusera sobre o banco do passageiro antes de tentar trocar o pneu, esperando que o calor em seu rosto tivesse passado no momento em que endireitasse o corpo. — Aqui. — Joey lhe entregou o tubo com lenços umedecidos. — Seria mais fácil se você tivesse limpado a mancha para mim. Não para Joey! — Você é um garoto crescido, Gideon, e perfeitamente capaz de limpar seu próprio rosto — murmurou ela, adotando um tom irritado para esconder seu nervosismo. — Use um dos espelhos laterais de meu carro — sugeriu quando ele não se moveu. Gideon podia ver o reflexo de Joey no espelho enquanto ela estava parada atrás dele, ciente de que ela não apenas tinha se recusado a discutir o caso Newman, mas também dispensara sua tentativa de se desculpar. O que não era bom, considerando que eles continuariam trabalhando juntos pelas próximas quatro semanas. Ele amassou o lenço umedecido na mão antes de se virar para encará-la. — Ouça Joey, parece que nós tivemos um começo turbulento... — Fizemos isso alguns meses atrás. — E eu acabei de tentar me desculpar por aquilo — Gideon a relembrou gentilmente. — Porque não vamos a algum lugar, tomamos uma taça de vinho e Projeto Revisoras 27
  28. 28. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer discutimos mais o assunto? Joey não queria "ir a algum lugar" e tomar qualquer coisa com Gideon St. Claire! Não se isso significasse que a atração física que vinha sentindo por ele o dia inteiro corria d risco de se aprofundar. Alguma coisa mudara, ela percebeu... Em relação às opiniões que eles tinham um do outro. E aquela era uma mudança com a qual Joey não estava muito à vontade. Brigar verbalmente com Gideon era uma coisa; sentir qualquer outra coisa por ele, que rejeitava emoções suaves na vida, era outra, completamente distinta. Ademais, talvez a oferta dele se devesse a um sentimento de pena por ela ter admitido mais cedo que sentia a falta de Stephanie. — Tenho muitos amigos com quem posso tomar vinho se eu sentir necessidade de companhia. Obrigada, Gideon. Na verdade — ela olhou para seu relógio —, tenho um encontro esta noite, então preciso ir, se não quiser me atrasar. Gideon apertou os lábios. — Com Jason Pickard? — Por acaso, sim. Você tem algum problema com isso? — Ela encontrou os olhos escuros na cabeça erguida. — Nenhum — negou Gideon, obviamente se arrependendo do impulso que o fizera convidá-la. — Espero que vocês dois tenham uma boa noite. — Oh, nós teremos — provocou Joey. — Jason é uma companhia maravilhosa. Quando ele não estava angustiado, isto é, porque Jason e Trevor discutiam com freqüência... Geralmente porque Jason ainda não contara aos pais sobre os dois! — Sem dúvida — murmurou Gideon, com óbvia falta de interesse. — Você provavelmente não deveria esperar até a hora do almoço para substituir seu pneu amanhã, portanto eu entenderei se chegar um pouco atrasada pela manhã. — Isso é uma sugestão ou uma ordem? — Joey arqueou sobrancelhas zombeteiras. Ele estreitou os olhos. — Eu disse que entenderei se você chegar atrasada alguns minutos. Talvez tenha de esperar até que a borracharia abra para trocar o pneu. Estranho como, apesar das palavras gentis, aquilo ainda parecia uma ordem. Ou talvez Joey estivesse exageradamente sensível no que dizia respeito àquele homem? Se a oferta tivesse vindo de qualquer outra pessoa, ela a teria considerado gentil. Gentileza não era uma emoção que Joey associava ao frio e reservado Gideon St. Claire. Todavia, ele admitira que seu apreço por Stephanie e leu amor por Jordan o haviam instigado a interferir no caso Newman. E também demonstrara hoje que tinha senso de humor. E o brilho dourado nos olhos escuros revelara ainda Outra emoção, embora Joey não pudesse definir essa última... — Nesse caso, eu aceitarei sua sugestão. Obrigada. — De nada — replicou Gideon, ciente do quanto aquele "abrigada" custara a ela. Talvez fosse melhor que Joey tivesse recusado seu convite; passar parte da Projeto Revisoras 28
  29. 29. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer noite tentando explicar inutilmente os motivos de sua interferência dois meses atrás não era a maneira mais agradável de desfrutar de seu precioso tempo livre. Ele não sabia o que faria naquela noite. Estar com sua família durante o fim de semana — seu irmão gêmeo, especialmente — o deixara se sentindo irrequieto, agora que todos haviam retornado para seus respectivos lares. Talvez apenas passasse uma noite tranqüila em seu apartamento? Ou talvez ligasse para Valerie Temple; ela parecera receptiva ao seu convite para jantar quando eles tinham se conhecido numa exposição de arte, algumas semanas atrás. Qualquer coisa que decidisse fazer, Gideon não pôde deixar de notar que Joey recusara seu convite porque ia encontrar o homem com quem dizia não estar romanticamente envolvida, e ele estava enfurecido com seu próprio interesse pelo assunto. — Aprecie sua noite — murmurou ele, virando-se. — Você também — respondeu Joey, observando-o andar em direção ao próprio carro. Certamente não era desapontamento que estava sentindo porque ele não insistira para que ela pelo menos o acompanhasse numa taça de vinho antes de seu encontro com Jason? Não podia ser! Podia? Projeto Revisoras 29
  30. 30. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer CAPÍTULO CINCO — POR ACASO, você sabe alguma coisa sobre os dois pneus do meu carro que foram esvaziados? Joey o olhou em perplexidade, quando Gideon entrou em sua sala sem ser anunciado no fim da tarde de quarta-feira, o semblante acusador enquanto lhe fazia a pergunta. Os últimos dois dias trabalhando na Corporação St. Claire tinham sido basicamente iguais ao primeiro. Bem, Sem Joey o encontrando logo cedo no estacionamento. Ou «em conversas sobre o rapagão do café. Ou sem discussões Verbais. Oh, e sem Gideon convidando-a para uma taça de vinho depois do trabalho, porque queria se desculpar pelo seu comportamento dois meses atrás... A não ser por essas coisas, terça e quarta haviam sido basicamente iguais à segunda! Na verdade, Joey mal vira Gideon nas últimas 48 horas. 0 carro dele estava sempre parado na mesma vaga quando ela chegava pelas manhãs, e já encontrava trabalho esperando-a em sua mesa. A porta de conexão entre as duas salas permanecera firmemente fechada. Agora, isso... — O que você quer dizer? — perguntou Joey com incredulidade. — Pare de bancar a inocente, Joey. — Gideon começou a andar, impacientemente. — Eu devia ter adivinhado que esses dois dias de relativa paz eram apenas a calmaria antes da tempestade. Você estava ganhando tempo, não é? Conduzindo-me a uma falsa sensação de segurança antes de atacar! — Eu não tenho a menor idéia do que você está falando, Gideon. — Joey lhe informou, enquanto se levantava. — Por que diabos acha que eu esvaziei os pneus de seu carro? — Quem sabe como sua mente funciona? — questionou ele, erguendo as mãos no ar. — Talvez porque eu tenha mostrado abertamente minha aversão a permitir que você trabalhasse aqui... — Vamos deixar uma coisa clara, Gideon... Você não me permite fazer nada — interrompeu ela com ferocidade. — Como eu já lhe falei, meu acordo é com Lucan... E não tem absolutamente nada a ver com você. Seus sentimentos sobre o assunto não são de meu interesse. — Aconselho-a a torná-los de seu interesse. — Eu não me importo com você — disse Joey. — Ah, você se importa, sim — discordou Gideon sedosamente. — Obviamente se importa muito. Joey piscou, enquanto se perguntava se de alguma maneira tinha revelado sua atração física por aquele homem. — Eu me importo com você? Acho que não! — zombou ela. — Não comigo pessoalmente — explicou Gideon, e Joey deu um suspiro silencioso de alívio. — Mas, embora não tenha admitido na segunda-feira, acredito que você se importe muito com o fato de que eu deveria tê-la consultaProjeto Revisoras 30
  31. 31. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer do sobre o caso Newman. E também acha que, uma vez que eu me conscientizei do que Newman estava tentando fazer, eu deveria ter lhe informado e a deixado resolver o problema, em vez de lidar com aquilo pessoalmente. Joey inclinou a cabeça para um lado. — É claro que eu me importo com isso. No mínimo, você deveria ter feito ambas as coisas por cortesia profissional! — Eu tentei explicar e me desculpar na segunda-feira... — Dois meses depois! — O tom de voz de Joey aumentou. Sabia que a tensão sexual que vinha se construindo em seu interior durante os últimos dois dias era tão responsável por seu descontrole emocional quanto todo o resto. — O fato de que você não considerou meus sentimentos na época indica que sua incapacidade de sentir emoções o torna cego para os sentimentos de outras pessoas. — O que exatamente você quer dizer com isso? — perguntou ele, perigosamente calmo. — Ora, Gideon — Joey riu —, ambos sabemos que, se minha habilidade de demonstrar emoções fosse comparada a de um iceberg, o iceberg venceria! Gideon a olhou através de pálpebras baixas, notando a suavidade dos cabelos ruivos. A blusa vermelha que ela usava hoje realçava as mechas loiras e cor de canela, e os seios pareciam cheios e firmes sob o tecido de seda. Quanto ao modo com que a saia preta até os joelhos lhe moldava a curva dos quadris e o traseiro perfeito... Bem, o que Joey diria sobre sua falta de emoções se soubesse quantas vezes somente pensar nela nos últimos dias tinha feito seu corpo enrijecer e pulsar? Como estava acontecendo agora... Gideon aproximou-se, fitando-a com olhos estreitos. — Isso é realmente o que você pensa de mim? Que eu sou incapaz de sentir emoções? Joey deu diversos passos atrás quando Gideon subitamente voltou a parecer um predador... Tendo-a como presa. E percebeu, tarde demais, que era o controle rígido dele sobre as emoções que o fazia parecer frio, em vez da falta de emoções. Gideon não estava mais se esforçando para esconder suas emoções agora, enquanto o foco de sua raiva e seu desejo se centrava em Joey. Ela parou abruptamente ao sentir a janela atrás de si, percebendo que se afastara o máximo possível. Estava agora presa entre a janela fria e o corpo quente de Gideon, quando ele parou a meros centímetros. Joey umedeceu os lábios, nervosamente. — Talvez eu tenha me precipitado um pouco quando fiz aquela declaração... — Talvez? — perguntou ele suavemente, o olhar dourado prendendo o seu, enquanto dava o último passo, que uniria os corpos dos dois. Oh, Senhor! Joey arfou no momento em que o calor do peito de Gideon contra seus seios causou o enrijecimento de seus bicos. Ela arregalou os olhos quando sentiu uma pulsação entre as coxas, enquanto ele deliberadamente pressionava a extensão viril ali: — Ainda acha que eu não tenho emoções? — perguntou Gideon, apreciando exibir a exigência de seu próprio desejo e observá-la arregalar ainda mais os olhos. Projeto Revisoras 31
  32. 32. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer Então, capturou-lhe ambas as mãos em uma das suas, antes de erguê-las acima da cabeça de Joey e pressioná-las contra a janela. Ao mesmo tempo, levou sua outra mão para os botões da blusa dela. — Eu... O que você está fazendo? — protestou Joey com fraqueza. Gideon estava desabotoando sua blusa, devagar, Um botão de cada vez, até que terminou e abriu-a nas laterais, para revelar seus seios cobertos por um sutiã preto. — Eu imagino que seja óbvio — zombou ele, enquanto prendia os olhos de Joey com os seus, antes baixar o olhar para os seios magníficos, os bicos salientes facilmente discerníveis sob a renda fina do sutiã. — Bem... Sim... Mas... — Sem "mas", Joey — disse ele com a voz rouca, e baixou a cabeça para provar o pescoço elegante com lábios e língua. Joey não podia raciocinar, quando o corpo de Gideon estava tão intimamente pressionado contra o seu... Quando podia sentir a ereção rija aninhada entre suas coxas. Ela gemeu baixinho enquanto aquela boca quente viajava para a curva de seus seios. Uma mão grande estava por baixo de sua blusa aberta, acariciandolhe as costas. A língua trilhou sobre a renda preta, primeiro para circular o mamilo, depois para tomá-lo na boca. Os joelhos de Joey tremeram com a intensidade do prazer que a consumia, enquanto Gideon continuava provocando seus mamilos sensíveis. Ela começou a ofegar sentindo o clímax se construir em seu interior, clamando por liberação. Gideon somente pretendera lhe mostrar como Joey estivera errada em acusá-lo de insensível. Mas sua demonstração logo tinha se transformado em outra coisa — algo mais básico, mais primitivo —, e ele sabia que queria que aquele prazer continuasse. Precisava ver Joey quando ela desmoronasse em seus braços no momento do clímax. E para onde eles iriam dali? A voz da razão soou em sua cabeça. O que aconteceria depois que Joey tivesse atingido o clímax? Os dois se despiriam completamente então, antes que ele a deitasse sobre a mesa e se enterrasse entre suas coxas? Por mais que quisesse fazer isso, Gideon sabia que não poderia. Já permitira que aquilo fosse mais longe do que pretendera. Estava mais excitado apenas por beijar e acariciar Joey do que quando fazia amor completo com outra mulher. De alguma maneira, tinha abandonado todas as suas defesas e se sentido vulnerável de um jeito que nunca se sentira antes. E certamente não queria sentir isso com Joey McKinley! Joey sentiu-se desorientada, desolada, quando Gideon subitamente afastou-se, deixando o desejo ainda pulsando em seu corpo. Um desejo que logo se transformou em humilhação, no momento em que ele a fitou com olhos enigmáticos, antes de se virar, atravessar a sala e parar de costas para ela. Joey sentiu seu embaraço aumentar ao perceber o que acabara de permitir que acontecesse. O que mais poderia ter acontecido naquele lugar público se Gideon não tivesse brecado os avanços? Ela rapidamente uniu as duas laterais da blusa, e começou a abotoá-la com dedos trêmulos, as faces queimando de humilhação. Sábia exatamente por que Gideon tinha feito aquilo: ele quisera lhe dar uma lição por ela tê-lo acusado de não sentir emoções. Mas como Joey podia ter deixado as coisas chegarem tão longe? Por quê? E justo com Gideon St. Claire! Projeto Revisoras 32
  33. 33. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer — Ponto provado, acredito? Joey o olhou, aliviada por sua blusa já estar abotoada, quando viu que ele havia se virado para encará-la. — Nós estabelecemos que você seja capaz de uma reação física, pelo menos... Se for isso que quer dizer? — Joey congratulou-se silenciosamente por conseguir responder ao desafio naqueles olhos escuros. Gideon teve de admirar a rápida recuperação de Joey do que tinha sido uma situação perigosa para ambos. — Assim como você também obviamente é. Joey enrubesceu. — Eu não acho que minhas emoções algum dia foram questionadas! — Bem, não mais — murmurou Gideon, aceitando que eslava se comportando mal, mas ciente de que precisava estabelecer a distância entre eles. Logo! — Infelizmente, dada disso nos oferece respostas de como dois dos pneus do meu carro apareceram furados ao mesmo tempo — ele relembrou. Olhos verde-jade brilharam com raiva mais uma vez. Eu já lhe disse que não sei nada sobre isso. Sim... E Gideon acreditava nela. Ora, tinha acreditado na primeira vez em que ela negara, e nem mesmo sabia por ele chegara a sugerir que Joey pudesse ter feito aquilo. A simples proximidade dela naqueles dias estava prejudicando sua capacidade de raciocinar, reconheceu. Mesmo quando a evitava — o que tentara fazer nos últimos dois dias —, ainda estava muito consciente de Joey. Tanto que tinha sido fácil culpá-la pelos pneus furados que encontrara em seu carro no estacionamento. De maneira impulsiva. Irracional. Algo que não combinava com sua personalidade. Ele assentiu. — Estou inclinado a acreditar em você... — Quanta gentileza sua — interrompeu ela com sarcasmo. Gideon ignoroua. — Estou também me questionando se isso e o seu pneu furado na segundafeira não estão conectados de alguma maneira. Joey ficou tensa. — O que você está sugerindo exatamente? Gideon deu de ombros. — Você pode tentar não considerar isso mais um defeito de meu caráter quando eu disser que não acredito em coincidências? Joey também não acreditava. E quais eram as chances de duas pessoas que trabalhavam no mesmo edifício e paravam seus carros no mesmo estacionamento encontrarem seus pneus furados dentro do espaço de dois dias? — Mais alguém que trabalha aqui teve um problema similar? — Não que eu saiba... E poupe-me de um comentário afirmando o quanto seria improvável, com minha atitude superior, que os empregados de St. Claire me contassem se tivessem um problema — avisou Gideon ao ver uma expressão cética nos olhos verdes. Ele estava ciente de que Joey se tornara popular com os outros membros da equipe durante os últimos três dias. Sua própria secretária sempre a elogiava, assim como May Randall. Aparentemente, ele era o único que tinha um problema com ela. — Apenas aceite que eu teria ouvido falar se algo assim tivesse acontecido. — Tudo bem. — Ela deu de ombros. — Talvez só uma coincidência, afinal? Projeto Revisoras 33
  34. 34. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer — Duvido. — Gideon fez uma careta. — O pessoal da borracharia deu algum motivo para o seu pneu ter se esvaziado quando você levou o carro lá, ontem? — Eles nem se incomodaram em olhar — revelou Joey relutantemente. — Eu mandei substituir os quatro pneus depois que o mecânico me disse que eles não passariam num teste de segurança. Eu andava sem tempo, certo? — defendeuse ela quando Gideon lhe deu um olhar de desaprovação. — Duvido que possamos checar agora. A essa altura, os quatro pneus devem ter sido consignados a um cemitério de pneus. — Sem dúvida — concordou Gideon. Joey meneou a cabeça, intrigada. — Por que sabotar nós dois, você acha? — É só uma suposição até agora... — Isso não é um tribunal, Gideon — murmurou ela gentilmente. — Eu prometo não escrever nada que você diga e usar como evidência contra você! — Muito engraçado. Não realmente. — Mas Joey não estava confortável perto daquele homem, quando zombava dele por uma razão ou por outra... E não queria pensar mais sobre o jeito que ele desabotoara sua blusa minutos atrás e beijara seus seios com uma paixão que lhe roubara o fôlego. — Há coisas bem mais engraçadas por vir — murmurou ela. — Tenho certeza que sim. — Gideon suspirou. — Mas isso não está nos ajudando a resolver o quebra-cabeça, está? — Talvez tenha sido obra de vândalos. Crianças entediadas, procurando travessuras? — Talvez — disse ele, não parecendo convencido. — Mas acho que isso deve ser investigado, de qualquer forma. — E como você sugere que façamos isso? O olhar de Gideon se intensificou. — Eu não estava sugerindo que nós fizéssemos isso. — Espero que esse não seja outro caso do grande homem forte protegendo a pequena mulher indefesa. — Apesar de me sentir lisonjeado por você pensar em mim como um "grande homem forte", Joey, seu papel como mulher indefesa é altamente duvidoso. — Ótimo — murmurou Joey com veemência. — Então, como você sugere que nós procedamos? — Eu não quero você envolvida, Joey — insistiu ele. — Não é um pouco tarde demais para isso? — Mais envolvida do que já está — corrigiu ele. — A coisa mais sensata que você pode fazer é ir para casa e me deixar aqui, investigando. Gideon não tinha idéia do que estava acontecendo e, até que soubesse, ficaria mais feliz se Joey estivesse segura em casa. Ela arqueou as sobrancelhas castanhas. — Você não tem um encontro romântico esta noite? — Não — admitiu ele. — Você? — Não. — Espero que seu acordo para trabalhar aqui por um mês não esteja afetando sua... Amizade com Jason Pickard? Na verdade, Jason finalmente contara aos pais a verdade sobre ele e Trevor. Os Pickard mais velhos não tinham ficado radiantes com a notícia — Projeto Revisoras 34
  35. 35. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer especialmente ao perceberem que nunca teriam netos —, mas, segundo Jason, estavam se acostumando aos poucos com a idéia. O que, é claro, significava que não havia mais motivo para Joey ir jantar fora com Jason. — Não seria mais sensato se eu ficasse e o ajudasse a investigar? — sugeriu Joey alegremente. — Dessa forma, eu poderia lhe dar uma carona para casa quando terminarmos. — Desnecessário — replicou Gideon. — Eu já telefonei para o meu mecânico, ele está mandando um carro reserva, e levarão o meu para consertar. Obviamente, havia benefícios em ser o lorde Gideon St. Claire pensou Joey. O máximo que seu mecânico já fizera por ela tinha sido lhe apresentar uma conta! — Eu ainda poderia ficar e ajudar... — Joey, eu já sugeri que você está longe de ser indefesa, mas isso não significa que eu ainda não pretenda protegê-la — disse ele. — De você mesma, se necessário. — Você é muito chauvinista, não é? — acusou Joey. Ele sorriu. — Você não pulou a palavra porco da sua declaração? — Ronc — ela imitou o grunhido de um porco. Gideon reprimiu uma risada, enquanto se perguntava como Joey conseguia mudar seu humor tão facilmente... Divertindo-o ou enfurecendo-o. Além de lhe despertar outras emoções que ele não queria analisar agora. Como o ciúme de qualquer amizade que ela pudesse ter com Jason Pickard. — Vá para casa, Joey — disse ele, muito sério novamente. Ela ergueu o queixo em desafio. — E o que exatamente você vai fazer para investigar? Ele deu de ombros. — Verificar algumas coisas. — Como o quê? — Que tal se eu lhe contar isso amanhã cedo? Joey fitou-o com cautela, incerta se podia confiar nele para fazer isso, mas não vendo nenhum tipo de hesitação nos olhos escuros que encontraram os seus. Aqueles mesmos olhos tinham se tornado dourados quando ele olhara para seus seios seminus minutos atrás. Bem, agora Joey tinha a resposta para aquela questão em particular: os olhos de Gideon se tornavam dourados quando ele estava excitado! — Certo — ela assentiu. — Mas eu esperarei um relatório completo seu pela manhã. — Sim, senhora! — Gideon imitou a saudação zombeteira que Joey lhe fizera dois dias atrás. De alguma maneira, aquele era um gesto intimamente compartilhado, e Joey estava sem graça quando se virou para pegar seu casaco do espaldar da cadeira, mantendo-se de costas para Gideon enquanto o vestia. Ela o acusara de insensível, mas, ao mesmo tempo, nunca sentira suas próprias emoções tão em desequilíbrio até que o conhecesse. Excitada num minuto, divertida no minuto seguinte. Com ambas as emoções geralmente acompanhadas de raiva. Mas esse constrangimento era novo... Sua expressão era deliberadamente neutra quando se virou para encará-lo. — Boa noite, então. — Boa noite. Projeto Revisoras 35
  36. 36. Paixão 241 – O Último Homem Indomado – Carole Mortimer Joey pegou sua bolsa e virou-se para sair, ansiosa para fugir agora. Fugir das memórias de estar nos braços dele... — E, Joey? Ela virou-se. — Sim? — Peço desculpas pelo que aconteceu mais cedo. Aquilo não estava acontecendo. Realmente não estava! Não era humilhante o bastante que os dois tivessem as lembranças da intimidade compartilhada, sem que Gideon se desculpasse por isso? Ele balançou a cabeça. — Foi ridículo de minha parte acusá-la de vandalizar meu carro. Joey deu um suspiro controlado de alívio. Ele não estava se desculpando por beijá-la e acariciá-la... — Esqueça Gideon — respondeu ela. —Afinal de contas, você não pode evitar ser um tolo preconceituoso! Gideon pegou-se rindo. Ninguém, absolutamente ninguém, falava-lhe do modo irreverente como Joey o fazia. — Sabe talvez algum dia você diga alguma coisa boa sobre mim. — Você acha? — Eu posso sonhar, não posso? — Eu não contaria com isso, se fosse você. Aqueles olhos verdes lhe sorriram por vários segundos, antes que ela se virasse e saísse da sala com um último sorriso triunfante. Gideon moveu-se para se sentar na lateral da mesa, um sorriso divertido nos lábios. Joey McKinley era tão impossível como ele sempre imaginara. Era também tão desejável quanto ele imaginara. Seu sorriso desapareceu quando Gideon pensou naqueles minutos intensamente prazerosos com Joey. Tinha sido como segurar uma chama viva em seus braços. Sensualmente sedutora. Ferozmente ardente. Com a possibilidade real de que aquela chama saísse de controle e o consumisse. Joey era tão imprevisível e volátil quanto aquela chama. Na verdade, ela representava todas as emoções imprevisíveis que ele vinha tentando banir de sua vida bem ordenada pelos últimos vinte anos... Projeto Revisoras 36

×