3 Resumo: Educação Ambiental Crítica

3.236 visualizações

Publicada em

Educação Ambiental Crítica

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.236
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.681
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

3 Resumo: Educação Ambiental Crítica

  1. 1. Educação Ambiental Crítica Educação, Meio Ambiente e Sociedade
  2. 2. Questões importantes relacionadas ao Cerrado
  3. 3. EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA - A educação ambiental precisa vincular os processos ecológicos aos sociais: a. Na leitura do mundo b. Na forma de intervir na realidade c. E na forma de existir na natureza - Os seres humanos se relacionam por mediações que são sociais e as dimensões que os formam são: a cultura, a educação, a classe social, as instituições, a família, o gênero, etnia, nacionalidade etc. - O ser humano é síntese singular relações, unidade complexa que envolve estruturas biológicas, criação simbólica e ação transformadora da natureza. - A perspectiva crítica da Educação Ambiental entende que não há leis atemporais, verdade absolutas, conceitos sem história, educação fora da sociedade; mas relações em movimento no tempo-espaço e características peculiares a cada formação social que devem ser permanentemente questionadas e superadas para que se construa uma nova sociedade vista como “sustentável”.
  4. 4. - Formas de se ver a Educação Ambiental: a. Na década de 80 à Educação ambiental cabia exclusivamente o ensino de conteúdos “ecologicamente corretos” e a sensibilização individual para a beleza da natureza, levando o educando a mudar de comportamento. b. Existem abordagens que, embora admitirem os limites da tendência anterior, interpretam as questões ambientais a partir de conteúdos específicos da ecologia, biologia etc. - A educação Ambiental Crítica rompe com a primeira leitura pois: a. Ela ignora os intrincados processos de aprendizagem; b. Ela ignora a necessidade social de se mudar de atitudes, habilidades e valores e não apenas comportamento. c. Esta leitura serve como meio de reprodução das relações de poder. - A educação Ambiental Crítica rompe com a segunda leitura pois. a. Ela cai no reducionismo através do qual se interpreta os processos sociais unicamente a partir de conteúdos específicos da ecologia, biologizando aquilo que é histórico-social; b. Ela ignora a função social da atividade educativa, numa sociedade economicamente desigual e repleta de preconceitos culturais.
  5. 5. - Para a perspectiva crítica, é preciso admitir que um ato educativo carrega a relação entre o que se quer e o que se faz em uma escola e o que a sociedade impõe na forma de expectativa e exigências à instituição e às pessoas, pólos estes apinhados de tensionamentos. - Para a perspectiva crítica, a prática escolar exige o conhecimento da posição ocupada por educando na estrutura econômica. - Para a perspectiva crítica da Educação Ambiental, não pode haver divórcio entre cultura- natureza; e, por isso, critica o padrão vigente da sociedade, o modus operandis da educação formal, à ciência e à filosofia dominante (cosmovisão). - Embora a busca por uma educação libertadora e reflexiva, é preciso admitir que vivemos em sociedade e que, portanto, mesmo quando buscamos ir além da realidade na qual estamos imersos, acabamos muitas vezes repetindo aquilo que queremos superar. - Por ser complexa em seu entendimento de natureza, sociedade, ser humano e educação, a Educação Ambiental Crítica exige: a. Amplo trânsito entre as ciências (sociais ou naturais) e filosofia, dialogando e construindo “pontes” e saberes transdisciplinares. b. Ações concretas nas esferas micro e macro do processo educativo, vinculando-os b.1 Micro: currículo, conteúdos, atividades extracurriculares, relação escola- comunidade, PPP etc. b.2 Macro: política educacional, política de formação de professores, relação educação-trabalho-mercado, diretrizes curriculares etc.
  6. 6. - Ao trazermos a Educação Ambiental para a realidade concreta, evitamos a. que esta se torne um agregado a mais, idealmente concebido, nas sobrecarregadas rotinas de trabalho; b. Que ela fique no discurso vazio de “salvação pela educação” ou da normatização de comportamentos “ecologicamente corretos”. - Ao perceberem tal processo, muitos educadores que antes eram resistentes à questão ambiental, por a entenderem como uma discussão descolada das condições objetivas da vida, acabam incorporando a Educação Ambiental e “vestindo a camisa”. - Os efeitos deste movimento crítico da Educação Ambiental são: a. A ampliação na compreensão do mundo; b. O repensar das relações eu-eu, eu-outro, eu-nós no mundo; c. Temas anteriormente tratados como meio para a preservação ou respeito à natureza são problematizados em várias dimensões (cultural, econômica, política, legal, histórica, geográfica etc.); d. Projetos que ficavam como um “apêndice”, são concebidos e planejados em diálogo com a estrutura pedagógica de cada escola; e. Ações que ignoravam secretarias de educação e autonomia escolar, reconhecem que é preciso dialogar com o “mundo da educação” e intervir nas políticas públicas para que práticas viáveis sejam democratizadas; f. A perspectiva ambiental passa a fazer parte ativa do PPP, permeando a instituição escola em seu pulsar.
  7. 7. Os principais desafios a serem enfrentados pela Educação Ambiental Crítica a. Repensar os objetivos e práticas pedagógicas a.1 Repensar o objetivo de “conscientizar” significa conduzir o aluno a ter uma consciência crítica do conjunto das relações que condicionam certas práticas culturais e, nesse movimento, fazê-lo superar seus condicionantes históricos pessoais e estruturais. b. Repensar a estrutura curricular, levantando os motivos históricos que conduziram a determinada configuração disciplinar e sua importância para o atendimento dos interesses dominantes da sociedade. c. Atuação efetiva dos educadores ambientais nos espaços públicos que foram conquistados com o processo de democratização do Estado brasileiro (conselhos, comitês, agendas, pólos, núcleos etc.)
  8. 8. Educação Ambiental Transformadora C.F.B. Loureiro
  9. 9. 1. Aspectos Introdutórios - O termo “transformadora” está inserido no campo libertário da educação, no qual se inscrevem abordagens similares (emancipatória, crítica, popular, ecopedagógica) que se aproxima da compreensão da educação e da inserção de nossa espécie na sociedade. - Ela estimula o questionamento às abordagens comportamentalistas, reducionistas ou dualistas o entendimento da relação cultura-natureza. - Loureiro procura estabelecer um contra ponto às formas de entendimento da Educação Ambiental como um conjunto homogêneo e distinto da educação. A Educação Ambiental é uma perspectiva que se inscreve e se dinamiza na própria educação. - A adjetivação “ambiental” se justifica tão somente destacar as dimensões “esquecidas” historicamente pelo fazer educativo, no que se refere ao entendimento da vida e da natureza e para revelar ou denunciar as dicotomias da modernidade capitalista e do paradigma analítico- linear, não-dialético que separa: atividade econômica, ou outra, totalidade social; sociedade e natureza; mente e corpo; matéria e espírito, razão e emoção etc.
  10. 10. 2. Contexto de Emergência da Vertente - Fala-se da Educação Ambiental a partir de uma Matriz que vê a educação como elemento de transformação social (movimento integrado de mudança de valores e de padrões cognitivos com ação política democrática e reestruturação das relações econômicas), inspirada no fortalecimento dos sujeitos¹ , no exercício da cidadania para a superação das formas de dominação capitalista, compreendendo o mundo em sua complexidade como totalidade. - A Educação Ambiental Transformadora se origina no escopo das pedagogias críticas e emancipatórias, especialmente dialéticas, sem suas interfaces com a chamada teoria da complexidade, visando um novo paradigma para uma nova sociedade. - A vertente transformadora da educação ambiental, no Brasil, começou a se configurar nos anos 80, pela maior aproximação de educadores com a educação popular, e instituições públicas de educação, junto aos militantes de movimentos sociais e ambientalistas com foco na transformação da sociedade e no questionamento radical aos padrões industriais e de consumo consolidados pelo capitalismo. 1 Sujeito: um aspecto da existência objetiva na história social, ou seja, consciência de pessoas em relações sociais específicas (classes, etnias, gênero, status etc)
  11. 11. - No campo de abrangência da educação e suas abordagens, a influência de maior destaque encontra-se na pedagogia inaugurada por Paulo Freire que se coloca no grupo das pedagogias libertárias iniciadas em 1970, em seus diálogos com as tradições marxistas e humanistas. - Estas se destaca pela concepção dialética de educação, que é vista como atividade social de aprimoramento pela aprendizagem e pelo agir, vinculadas aos processos de transformação da sociedade, ruptura com a sociedade capitalista e formas alienadas e opressoras de vida. Vê o ser humano como um “ser inacabado”, ou seja, em constante mudança. - A abordagem histórico-social crítica faz parte também da tradição emancipatória. É representada por Saviani. Ela contribui para o entendimento das políticas educacionais e da função social da educação. Nesse conjunto não pode ser ignorada a relevância da pedagogia crítica de Pierre Bourdieu. - Por esta abordagem há o entendimento das relações de poder, da crítica ao currículo vigente e da escola como elemento de reprodução social do capitalismo.
  12. 12. - Ainda na tradição dialética marxista, a Escola de Frankfurt denuncia que o processo de exploração das pessoas entre si, tendo por base sua condição econômica e os preceitos culturais, é parte da mesma dinâmica de dominação da natureza, posto que esta se define na modernidade capitalista como uma externalidade e tudo e todos viram coisas, mercadorias a serviço da acumulação de capital. - Nesta escola, Herbert Marcuse teve notória influência nos movimentos sociais de contra-cultura e de questionamentos ao padrão de vida pautado no individualismo, na homogeneização cultural e no consumo, iniciados no anos 60, e que desembocaram no ambientalismo.

×