Informática Básica Parte 5 - Internet conhecimentos básicos

4.750 visualizações

Publicada em

Manual de Instrução de Informática Básica parte 5 - Internet Conhecimentos Básicos

VEJA COMO BAIXAR GRÁTIS NA ÚLTIMA PÁGINA.

Publicada em: Educação

Informática Básica Parte 5 - Internet conhecimentos básicos

  1. 1. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 1 informaticasocial.com.br Autorização de Uso: Cópia Cortesia do Instrutor Maurício V. Pires. Destina-se a Instrutores, Alunos, e Multiplicadores de Inclusão Digital. Seu uso é exclusivo para fins de Inclusão Digital. Reprodução e Distribuição Gratuita Autorizada, para uso pessoal ou para Inclusão Digital. Criação: MAURÍCIO V. PIRES – Ano 2014 – 44 Pág.
  2. 2. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 2 Inclusão Digital – Primeiro Passo. O termo Inclusão Digital é bastante amplo, e vai além de ensinar a operar um computador, porém aprender a usar essa nova tecnologias é o primeiro passo para a Inclusão Digital. A Inclusão Digital proporciona o acesso a informações que irão contribuir para uma melhora nas condições de vida do cidadão, abrindo-lhe as portas para novas oportunidades, seja de emprego, educação, relações pessoais ou entretenimento. Fato é que a informática está presente no cotidiano de todos nós, e a cada dia com mais intensidade que não nos permite mais ficarmos excluídos, e todos que aprendem ou já aprenderam um pouco a lidar com as novas ferramentas tecnológicas podem se colocar na posição de multiplicadores e instrutores, e ajudar a promover a inclusão digital, de maneira simples, direta e objetiva ensinando os primeiros passos e as formas de acesso a informação seja a um amigo, colega ou familiar, um jovem, idoso, adulto ou criança e assim, a partir das aptidões básicas adquiridas poder conduzir com segurança até o uso da web, onde esta pessoa possa aprimorar seus os conhecimentos com pesquisa e estudo sobre as diversas áreas da informação, que para muitos são infinitas. Maurício V. Pires
  3. 3. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 3 Sobre o Material Este Manual de Instrução de Informática Básica pretende proporcionar, um aprendizado rápido e objetivo dos primeiros passos da informática, é voltado principalmente aos que estão tendo o primeiro contato com o computador ou com ferramentas básicas do Office como o Word®, Excel® e PowerPoint®; sendo assim este material é direcionado a Instrutores e Alunos, principalmente de Instituições Sociais que promovem a inclusão digital ou cursos de informática básica e não possuem tal material para complementar as instruções, porém instrutores particulares também podem usufruir desde que mantenham sua distribuição gratuita. Esse material nasceu de experiências próprias, da necessidade de ter um material para compartilhar com os alunos e ser um norteador nas instruções, e assim simples e objetivo como foi criado este material foi compartilhado desde o ano de 2012 nas suas versões individuais sempre de forma gratuita com colegas instrutores e estudantes de todo o Brasil e agradeço a Deus pela oportunidade. Disponibilizo esta nova versão com as parte 1- Introdução e Windows Sevem®, 2 Conhecendo o Word®, 3 Conhecendo o Excel®, 4- PowerPoint® e 5- Internet Conhecimentos Básicos. Instrutor Maurício
  4. 4. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 4 Parte 5 Internet Conhecimentos Básicos Autorização de Uso: Cópia Cortesia do Autor Maurício V. Pires. Destina-se a Instrutores, Alunos, e Multiplicadores de Inclusão Digital. Seu uso é exclusivo para fins de Inclusão Digital. Reprodução e Distribuição Gratuita Autorizada, para uso pessoal ou para Inclusão Digital. Internet Conhecimentos Básicos. DESENVOLVIDO POR MAURÍCIO V. PIRES informaticasocial.com.br
  5. 5. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 5 Sumário A Internet........................................................................................................... 6 Conceito básico sobre Redes ......................................................................... 6 Como surgiu a Internet?.................................................................................. 8 A origem da Internet ........................................................................................ 8 Tipos de conexão de Internet mais comuns................................................ 12 Como a Internet Funciona por dentro? ........................................................ 15 Serviços da Internet....................................................................................... 16 Navegador ou Browser .................................................................................. 20 Um breve resumo da História dos Navegadores......................................... 20 Como “ Navegar na Internet”. ....................................................................... 24 Segurança básica na Internet........................................................................ 25 Cartilha de Segurança para Internet http://cartilha.cert.br ....................... 26 Como pesquisar na Internet.......................................................................... 28 Outras formas de pesquisar no Google. ...................................................... 30 Serviços interessantes que o Site da Google oferece:............................... 31 Abrindo uma conta de e-mail, no GMAIL ..................................................... 32 Redes sociais. ................................................................................................ 35 Facebook......................................................................................................... 36 Como Abrir uma conta no Facebook............................................................ 36 Twitter ............................................................................................................. 41 Abrindo uma conta no twitter: ...................................................................... 42 Usando a Internet com sabedoria................................................................. 43
  6. 6. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 6 A Internet A Internet é uma REDE global de computadores interligados em todo o mundo como uma teia, formada por computadores comuns pessoais com tipos de conexões e velocidades variáveis, até servidores e máquinas potentes, com conexões velozes, controladas por universidades, empresas e órgãos do governo, todas as redes menores interligados das mais diversas maneiras formam está gigantesca rede mundial de computadores que cresce a cada minuto. Internet também pode ser definida como Conjunto de Redes interligadas através de um Backbone. Backbone: É Toda infraestrutura física necessária para interconectar uma macro região. EX.: Cabos, Antenas, Satélites. Antes de ver como a internet surgiu vamos entender o conceito de redes para podermos entender melhor o surgimento da internet. Conceito básico sobre Redes Redes são módulos processadores interligados através de enlaces de comunicação, esses enlaces pode ser por meio guiado (através de cabos) ou por meios não guiados ( Ondas Eletromagnéticas) .
  7. 7. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 7 As redes basicamente possuem cinco classificações: Tamanho, Enlaces, Topologia, Arquitetura e Equipamentos. Quanto ao tamanho denomina-se: LAN : ( Rede de Área Local) Rede de pequeno tamanho, limitada e de estrutura privada. Ex: LAN-HOUSE, Sala de Aula, Empresas. WAN – (Wide Area Network) Sem Limites Geográficos. Exemplo Internet ( Varias Lans Interligadas.) Quanto Ao Tipo De Enlaces: Guiados: Respeita A Guia De Um Fio. Ex.: Cabo Coaxial ( Tv A Cabo), Cabo Par Trançado ( Cabo Azul ), Cabo Fibra Óptica. Não Guiados: Ondas Eletromagnéticas – Trabalha Com Frequências Ex.: ( 2,4 Ghz) Frequência do bluetooth – Wi-Fi – Telefone Sem Fio Etc. Quanto à topologia: A topologia refere-se ao layout físico e ao meio de conexão dos dispositivos na rede, ou seja, como estes estão conectados que podem ser em barra anel ou estrela. Quanto a Arquitetura: Com Fios: Guiadas – Ethernet ( Placa De Rede X Cabo Azul ) Sem Fio: (Wireless – Wifi - Bluettoth Obs. ( Wi-fi É Wireless, mas Wireless não é Wifi - ) Ambos 2,4 Ghz Quanto aos Equipamentos: Placa De Rede – Roteadores Etc.. Placa De Rede: Graças a Ela é Que Você Consegue trocar Informações, Toda Placa Tem Uma Identificação, numero Mac que identifica a Placa De Rede Roteador: Ele Liga as Redes.
  8. 8. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 8 Como surgiu a Internet? A história nos conta que a internet surgiu na a partir da Guerra Fria entre os Estados Unidos e a extinta União Soviética que tinha entre outros conflitos também uma disputa tecnológica. Os EUA temendo um ataque direto ao pentágono que poderia causar a perca de todas as informações e documentos de seus computadores idealiza a criação de uma rede que decentralizasse as informações ali condidas entre as outras bases militares do país, surge então a ARPANET que encomenda de Universidades Americanas o desenvolvimento da Rede cujo desenvolvimento vamos ver a seguir: O texto Abaixo é um resumo da Breve História da Internet onde o texto na íntegra você pode acessar no endereço abaixo: Fonte: http://www.internetsociety.org/internet/what-internet/history- internet/brief-history-internet, cujo autores do texto são os criadores do conceito que hoje conhecemos como internet. A origem da Internet A ideia: Os primeiros registros de interações sociais que poderiam ser realizadas através de redes foi uma série de memorandos escritos por J.C.R. Licklider, do MIT - Massachussets Institute of Technology, em agosto de 1962, discutindo o conceito da "Rede Galáxica". Ele previa vários computadores interconectados globalmente, pelo meio dos quais todos poderiam acessar dados e programas de qualquer local rapidamente. Em essência, o conceito foi muito parecido com a Internet de hoje.
  9. 9. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 9 A primeira conexão de rede: Em 1965, Roberts e Thomas Merrill conectaram um computador TX-2 em Massachussets com um Q-32 na Califórnia com uma linha discada de baixa velocidade, criando assim o primeiro computador de rede do mundo. No final de 1966, Roberts começou a trabalhar no DARPA para desenvolver o conceito das redes computadorizadas e elaborou o seu plano para a ARPANET, publicado em 1967. O Primeiro E-mail em 1969 : Um mês depois, quando SRI foi conectado à ARPANET, a primeira mensagem host-to-host foi enviada do laboratório de Kleinrock para o SRI. Mais dois nódulos foram adicionados na UC Santa Barbara ea Universidade de Utah. Criação do software de e-mail e a expansão do –email: Em março de 1972, Ray Tomlinson, da BBN, escreveu o software básico de e-mail com as funções de "send/enviar" e "read/ler", motivado pela necessidade dos desenvolvedores da ARPANET de ter um fácil mecanismo de coordenação. Em julho, Roberts expandiu a utilidade do e-mail escrevendo o primeiro programa utilitário de e-mail para listar, ler seletivamente, arquivar, encaminhar e responder a mensagens. Dali, o correio eletrônico se tornou a maior aplicação de rede por mais de uma década. Os conceitos iniciais da Internet: A ARPANET original cresceu e se tornou a Internet. A Internet foi baseada na idéia de que haveria múltiplas redes independentes de desenho arbitrário, começando com a ARPANET como rede pioneira de trocas de pacotes, mas logo incluindo redes de satélites, de rádio, etc. A Internet como conhecemos hoje incorpora uma idéia-chave: rede de arquitetura aberta. Nesta abordagem, a opção pela tecnologia de qualquer rede individual não é ditada por nenhuma
  10. 10. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 10 arquitetura de rede particular e sim escolhida livremente pelo provedor, que a torna capaz de entrar em rede com outras redes pela "Arquitetura de Internetworking". Então Kahn decidiu desenvolver uma nova versão do protocolo que iria satisfazer as necessidades de um ambiente de redes de arquitetura aberta. Este protocolo iria eventualmente ser chamado Transmission Control Protocol/Internet Protocol (TCP/IP). Esta hipótese de que 256 redes seriam suficientes para o futuro próximo passou necessariamente a ser reconsiderada quando LANs começaram a aparecer no final da década de 1970. O correio eletrônico ou e-mail criou um novo modelo no qual as pessoas poderiam se comunicar e mudou a natureza da colaboração, primeiro na construção da própria Internet e mais tarde na sua utilização por grande parte da sociedade. Outras aplicações foram propostas nos dias iniciais da Internet, incluindo comunicação de voz (precursora da telefonia via Internet), vários modelos de compartilhamento de arquivos e discos, e os primeiros programas que mostraram o conceito de agentes (e vírus..). O protocolo TCP/IP tinha sido adotado como padrão de defesa três anos antes, em 1980. Tal fato levou diretamente à eventual divisão entre comunidades militar e não militar. Em 1983, ARPANET estava sendo usada por um número significante de organizações de pesquisa e desenvolvimento e de operações da defesa. A transição da ARPANET do protocolo NCP para o protocolo TCP/IP permitiu a divisão entre a MILNET, que passou a suportar os requisitos operacionais, e a ARPANET, que passou a suportar as necessidades de pesquisa. Portanto, em 1985, a Internet já estava bem estabelecida como uma larga comunidade de suporte de pesquisadores e desenvolvedores e começava a ser usada por outras comunidades para comunicações diárias pelo computador. O correio eletrônico já estava sendo usado por muitas comunidades, frequentemente com sistemas diferentes, mas a interconexão entre os diferentes sistemas de correio foi demonstrando a utilidade de comunicação eletrônica entre as pessoas.
  11. 11. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 11 A Internet no Brasil e a RNP No Brasil, a internet surge em 1988 ligando universidades do Brasil a universidades nos Estados Unidos. Também em 1988 começou a testar o Alternex no ibase, como sendo o primeiro serviço brasileiro de Internet privado de uso restrito aos membros do Ibase e associados e em 1992 foi aberto ao público. Em 1989, o Ministério da Ciência e Tecnologia lança a (RNP). Existente ainda hoje, a RNP (Rede Nacional de Ensino e Pesquisa) que tinha o objetivo de capacitar recursos humanos de alta tecnologia e difundir a tecnologia Internet através da implantação do primeiro backbone nacional inaugurado em 1991, destinado exclusivamente à comunidade acadêmica. 1993 - A BBS Canal Vip, criada em 1986 por Paulo Cesar Breim, é o primeiro sistema do Brasil a oferecer uma conta de e-mail internet, gratuita, a qualquer pessoa Mais tarde, em 1995, o governo resolveu abrir o backbone e fornecer conectividade a provedores de acesso comerciais. Com o crescimento da Internet comercial, a RNP voltou novamente a atenção para a comunidade científica. A partir de 1997, iniciou-se uma nova fase na Internet brasileira. O aumento de acessos a rede e a necessidade de uma infraestrutura mais veloz e segura levou a investimentos em novas tecnologias. Foi em 1997 que Pela primeira vez o imposto de renda pode ser entregue pela internet.
  12. 12. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 12 Tipos de conexão de Internet mais comuns. Existem vários tipos e serviços de conexão à internet com diversas velocidades valores e meios de transporte dos dados, vamos ver a seguir os tipos de conexão mais comuns. Conexão Dial-up ou Linha discada É um tipo de acesso à Internet no qual uma pessoa usa um modem normalmente uma placa de fax-modem de no máximo 56 kbps acoplada em seu computador e uma linha telefônica convencional, e com isso acessar a internet. Este tipo este tipo de conexão não passa de 56 kbs, no máximo e hoje já esta praticamente em desuso. Este tipo de conexão não era estável e mantinha a linha telefônica ocupada por usar a mesma frequência de comunicação por voz entre 300 e 4000 Hz e dependendo do horário em que o acesso era realizado as tarifas eram bem altas. Conexão xDSL A conexão que acontece sempre através da linha telefônica usando a frequência que normalmente não é utilizada ou seja acima de 5000 Hz, onde o Modem tem a função de modular e demodular o sinal de analógico para digital e vice-versa. O serviço DSL também necessita de um provedor de acesso web, que hoje em dia é fornecido gratuitamente pela operadora telefônica que oferece o serviço e as velocidades variadas de acordo com a infraestrutura da operadora mudando assim as nomenclaturas dos tipos de tecnologia, por exemplo, ADSL, varia de 256 kbps a 8 mbps; o ADSL2 ou ADSL2+ vai 256 kbps até 24 Mbps; já o VDSL pode chegar a 52 Mbps e o VDSL2 até 100 Mbps. A conexão DSL oferece velocidade de download maior que a de upload, sedo assim é considerada assimétrica.
  13. 13. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 13 Conexão Via Cabo de TV ( HFC ) Esta conexão utiliza o mesmo cabo do serviço de TV por assinatura, usando uma tecnologia mesclada entre cabos coaxiais e fibras óticas e também faz uso de um modem especial (cable modem ) e um PC com placa de rede, normalmente as operadoras oferecem serviços de canais de TVs e Internet e até Telefônico todos via cabo sem a necessidade de uma linha telefônica convencional , a web está sempre ativada e hoje comercializam velocidades de 1Mbps ( 1 MEGA ) até 500 Mbs( 500 MEGA) de download. Conexão via Satélite O acesso se dá através de uma antena para captar o sinal do satélite e transmiti-lo para os modems de satélite que podem ser internos ou externos ao computador, este material pode ser fornecida pelo provedor ou ser adquirida pelo usuário, é necessário o serviços como o RuralWeb, e o acesso é independente de localização mesmo em lugares afastados, zonas rurais etc, o acesso via satélite está sempre disponível ao contrario dos tipos de acesso. Rádio, wi-fi e Wi-Max. Visando estender uma conexão web que chega em banda larga (cabo, xDSL, satélite) a um ponto qualquer por meio das tecnologias convencionais a outro onde não existe tal serviço. Esse ponto pode ser uma área restrita, por exemplo, uma empresa, um condomínio, residência e até uma cidade inteira, dependendo da solução que for usada. Internet Via Rede Elétrica - PLC (Power Line Communication). É a tecnologia que utiliza a rede de energia eléctrica., onde são transmitidos dados em banda larga pela rede de energia elétrica usando a estrutura já existente das edificações Existem dois tipos de PLC: interior (indoor), usando a rede eléctrica interna de uma edificação e (outdoor), usando a rede pública exterior, como a frequência dos sinais de conexão é m torno dos MHz 1 a 30 MHz, e a energia eléctrica é de 50 a 60 Hz, mesmo se a energia elétrica não estiver passando no fio naquele momento, o sinal da Internet não será interrompido, essa tecnologia, também possibilita a conexão de vários outros eletroeletrônicos em rede e sua velocidade é simétrica, com o mesmo desempenho ao receber e enviar dados.
  14. 14. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 14 Wireless É transmitida sem o uso de fios, por meio ondas eletromagnéticas propagadas no ar, para se conectar via wireless é necessário um modem com roteador Wi-Fi (sigla que define uma região próxima com acesso à internet). Outras formas de conexão sem fio presentes no mercado são o bluetooth e o infravermelho Conexões Via Celular 3G e 4G 3G Atulmente a maioria das conexões via Celular são realizadas através da tecnologia 3G esta conexão é a uma rede de terceira geração que usa das tecnologias WCDMA ou CDMA e oferece velocidades mínimas de 200 kbps, No brasil os planos mais comuns são de 1 Mps porém a tecnologia comercializada com o nome 3G+ prevê velocidades de até 21 Mbps. O chip do celular também pode ser usado em um mini-modem e fornecer o sinal de internet para um computadores como desktop, notebook, tablets etc. 4G Podendo ser 100 vezes mais rápida que a tecnologia 3G, a tecnologia 4G é a possibilidade de uma grande variedade de serviços até então somente acessíveis na banda larga fixa, como Multimídia, vídeo chat, mobile TV, conteúdo HDTV, serviços básicos como voz e dados, e como ter uma internet banda larga no celular, uma experiência que possibilita uma acessibilidade mínima de 100 Mbps para usuários móveis e 1 Gbit/s para estações fixas.
  15. 15. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 15 Já sabemos o que é internet e como ela foi originada e os tipos de conexão, mas você sabe: Como a Internet Funciona por dentro? Depois de contratarmos um dos serviços de conexão a exemplos dos citados anteriormente, nosso computador terá acesso a rede mundial de computadores (Internet) através do de um equipamento chamado Modem, que é um equipamento que tem a capacidade de fazer a modulação e demodulação de um sinal, o Modem é conectado a linha telefônica ou cabo, o sua função é modular o sinal de digital para analógico e demodular de analógico para digital. MODULAR, DEMODULAR.Quando ligamos o modem ele entra em contato com o seu provedor de acesso a internet que irá fornecer um numero de IP ao seu computador e dara a ele acesso a internet. Cada computador que esta conectado a internet tem um Número IP, além dos servidores de acesso também há os servidores DNS , um servidor DNS oferece resolução de nome para redes baseadas em TCP/IP. Ou seja, possibilita que usuários de computadores clientes usem nomes, em vez de endereços IP numéricos, por isso que na barra de endereço de um navegador da internet digitamos o nome do site ao invés do número IP, ex: www.google.com.br, ao digitar esse endereço o provedor de internet acessa um servidor DNS e procura o IP correspondente ao nome do endereço digitado, então da inicio a comunicação do seu computador com o computador da Google e em seguida retorna com o acesso ao respectivo site, notamos que na parte inferior esquerda do navegador aparece rapidamente a mensagem “aguardando” e “estabelecendo conexão” este é o tempo do DNS localizar o IP do nome enviado, uma curiosidade e que se tivermos o número IP do site desejado basta digita-lo na barra de endereço e o acesso ao site será direto sem passar pelo DNS portanto bem mais rápido.
  16. 16. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 16 Serviços da Internet Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Internet Vários serviços são disponibilizados na Internet atualmente como os que estão relacionados abaixo e a cada instante novas ideias de serviços são desenvolvidas. World Wide Web A www é talvez o serviço mais utilizado e popular na Internet. Frequentemente, um termo é confundido com o outra. A Web vem se tornando uma plataforma comum, na qual outros serviços da Internet são disponibilizados. Pode-se utilizá-la atualmente para usar o correio eletrônico (através de webmail). Através de páginas web classificadas por motores de busca e organizadas em sítios web, milhares de pessoas possuem acesso instantâneo a uma vasta gama de informação on-line em hipermídia. Comparado às enciclopédias e às bibliotecas tradicionais, a WWW permitiu uma extrema descentralização da informação e dos dados. Isso inclui a criação ou popularização de tecnologias como páginas pessoais, weblogs e redes sociais, no qual qualquer um com acesso a um navegador (um programa de computador para acessar a WWW) pode disponibilizar conteúdo. Correio eletrônico É comum confundir o termo WEB com INTERNET, Web é um dos serviços da Internet, possuindo um acesso a Internet seu computador se conecta na Internet quando é ligado, mas você só acessa a WEB quando abre o seu Navegador, pois a WEB nos da acesso a serviços como os milhares de Sites disponíveis na internet que funcionam por Hipertextos.
  17. 17. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 17 Um correio eletrônico (português brasileiro) ou, ainda, e-mail e correio-e, é um método que permite compor, enviar e receber mensagens através de sistemas eletrônicos de comunicação. O termo "e-mail" é aplicado tanto aos sistemas que utilizam a Internet e que são baseados nos protocolos POP3, IMAP e SMTP, como àqueles sistemas conhecidos como intranets, que permitem a troca de mensagens dentro de uma empresa ou organização e que são, normalmente, baseados em protocolos proprietários. Acesso remoto A Internet permite a utilizadores de computadores a conexão com outros computadores facilmente, mesmo estando em localidades distantes no mundo. Esse acesso remoto pode ser feito de forma segura, com autenticação e criptografia de dados, se necessário. Uma VPN é um exemplo de rede destinada a esse propósito. Isto está encorajando novos meios de se trabalhar de casa, a colaboração e o compartilhamento de informações em muitas empresas. Um contador estando em casa pode auditar os livros-caixa de uma empresa baseada em outro país por meio de um servidor situado num terceiro país, que é mantido por especialistas IT num quarto país. Chat, Redes Sociais O chat, as redes sociais e os sistemas de mensagem instantâneas são tecnologias que também utilizam a Internet como meio de troca de ideias e colaboração. Mesmo o correio eletrônico é tido atualmente como uma ferramenta de trabalho colaborativo. Ainda bastante usado em ambientes corporativo, vêm perdendo espaço entre utilizadores pessoais para serviços como mensagem instantânea e redes sociais devido ao dinamismo e pluralidade de opções fornecidas por esses dois. Compartilhamento de arquivos
  18. 18. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 18 Um arquivo de computador pode ser compartilhado por diversas pessoas através da Internet. Pode ser carregado num servidor Web ou disponibilizado num servidor FTP, caracterizando um único local de fonte para o conteúdo. Também pode ser compartilhado numa rede P2P. Nesse caso, o acesso é controlado por autenticação, e uma vez disponibilizado, o arquivo é distribuído por várias máquinas, constituindo várias fontes para um mesmo arquivo. Estas simples características da Internet, sobre uma base mundial, estão mudando a produção, venda e a distribuição de qualquer coisa que pode ser reduzida a um arquivo de computador para a sua transmissão. Isto inclui todas as formas de publicações impressas, produtos de software, notícias, música, vídeos, fotografias, gráficos e outras artes digitais. Tal processo, vem causando mudanças dramáticas nas estratégias de mercado e distribuição de todas as empresas que controlavam a produção e a distribuição desses produtos. Transmissão de mídia Transmissão de um vídeo Muitas difusoras de rádio e televisão existentes proveem feeds de Internet de suas transmissões de áudio e de vídeo ao vivo (por exemplo, a BBC). Estes provedores têm sido conectados a uma grande variedade de "difusores" que usam somente a Internet, ou seja, que nunca obtiveram licenças de transmissão por meios oficiais. Isto significa que um aparelho conectado à Internet, como um computador, pode ser usado para acessar mídias online pelo mesmo jeito do que era possível anteriormente somente com receptores de televisão ou de rádio. Estas técnicas que se utilizam de equipamentos simples permitem a qualquer um, com pouco controle de censura ou de licença, difundir material audiovisual numa escala mundial. Os usuários de Internet também podem assistir navios no Canal do Panamá, o tráfego de uma autoestrada ou monitorar seus próprios entes queridos em tempo real. Salas de vídeo chat ou de videoconferência também são populares, e muitos usos estão sendo encontrados para as webcams pessoais, com ou sem sistemas de duas vias de transmissão de som.
  19. 19. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 19 Telefonia na Internet (Voz sobre IP) VoIP significa "Voice-over-Internet Protocol" (Voz sobre Protocolo de Internet), referindo-se ao protocolo que acompanha toda comunicação na Internet. As ideias começaram no início da década de 1990, com as aplicações de voz tipo "walkie-talkie" para computadores pessoais. Nos anos recentes, muitos sistemas VoIP se tornaram fáceis de se usar e tão convenientes quanto o telefone normal. O benefício é que, já que a Internet permite o tráfego de voz, o VoIP pode ser gratuito ou custar muito menos do que telefonemas normais, especialmente em telefonemas de longa distância, e especialmente para aqueles que estão sempre com conexões de Internet disponíveis, seja a cabo ou ADSL.
  20. 20. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 20 Navegador ou Browser Um navegador (também conhecido como web browser ou simplesmente browser) é um programa que habilita seus usuários a interagirem com documentos HTML hospedados em um servidor Web. É o tipo mais comumente usado de agente. A maior coleção interligada de documentos hipertexto, dos quais os documentos HTML são uma substancial fração, é conhecida com a World Wide Web. Um breve resumo da História dos Navegadores Tim Berners-Lee, que foi um dos pioneiros no uso do hipertexto como forma de compatilhar informações, criou o primeiro navegador, chamado WorldWideWeb, em 1990, e o introduziu como ferramenta entre os seus colegas do CERN em Março de 1991. Desde então, o desenvolvimento dos navegadores tem sido intrinsecamente ligado ao desenvolvimento da própria Web. A Web, entretanto, só explodiu realmente em popularidade com a introdução do NCSA Mosaic, que era um navegador gráfico (em oposição a navegadores de modo texto) rodando originalmente no Unix, mas que foi também portado para o Macintosh e Microsoft Windows logo depois. A versão 1.0 foi liberada em Setembro de 1993. Marc Andreesen, o líder do projeto Mosaic na NCSA, demitiu-se para formar a companhia que seria conhecida mais tarde como Netscape Communications Corporation. A Netscape lançou o seu produto líder Navigator em Outubro de 1994, e este tornou-se o mais popular navegador no ano seguinte. Imagem:http://www.taringa.net/posts/info/16987095/Mosaic
  21. 21. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 21 A Microsoft, que até então havia ignorado a Internet, entrou na briga com o seu Internet Explorer, comprado às pressas da Splyglass Inc. Isso marcou o começo da Guerra dos browsers, que foi a luta pelo mercado dessas aplicações entre a gigante Microsoft e a companhia menor largamente responsável pela popularização da Web, a Netscape. Internet Explorer 1. Imagem: http://it.wikipedia.org/wiki/Internet_Explorer_1 Tanto a Microsoft como a Netscape deliberadamente incluíram extensões proprietárias ao HTML em seus produtos, e tentaram ganhar superioridade no mercado através dessa diferenciação. A disputa terminou em 1998 quando ficou claro que a tendência no declínio do domínio de mercado por parte da Netscape era irreversível. Isso aconteceu, em parte, pelas ações da Microsoft no sentido de integrar o seu navegador com o sistema operacional e o empacotamento do mesmo com outros produtos por meio de acordos OEM; a companhia acabou enfrentando uma batalha legal em função das regras antitruste do mercado americano. A Netscape respondeu liberando o seu produto como código aberto, criando o Mozilla. O efeito foi simplesmente acelerar o declínio da companhia, por causa de problemas com o desenvolvimento do novo produto. A companhia acabou sendo comprada pela AOL no fim de 1998. O Mozilla, desde então, evoluiu para uma poderosa suíte de produtos Web com uma pequena mas firme parcela do mercado.
  22. 22. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 22 O Opera, um navegador rápido e pequeno, popular principalmente em computadores portáteis e em alguns países da Europa, foi lançado em 1996 e permanece um produto de nicho no mercado de navegadores para o PC. Fonte imagem: http://www.howtocreate.co.uk/acid/ Apesar do mercado para o Macintosh ter sido tradicionalmente dominado pelo Internet Explorer e Netscape, o futuro parece pertencer ao próprio navegador da Apple, o Safari, que é baseado no mecanismo de renderização KHTML, parte do navegador de código aberto Konqueror. O Safari é o navegador padrão do Mac OS X. Em 2003, a Microsoft anunciou que o Internet Explorer não seria mais disponibilizado como um produto separado mas seria parte da evolução da plataforma Windows, e que nenhuma versão nova para o Macintosh seria criada.
  23. 23. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 23 Em 2008 surge o Google Chrome, um navegador desenvolvido pelo Google e compilado com base em componentes de código aberto. Em menos de dois anos de uso, o Google Chrome já era o terceiro navegador mais usado do mundo, atrás apenas do Internet Explorer e Mozilla Firefox. Em outubro de 2010, cerca de 8,50% dos usuários de Internet do mundo mantiveram o Google Chrome como seu navegador principal. Está disponível gratuitamente sob condições de serviço específicas. O nome do navegador deriva do término usado para o marco da interface gráfica do usuário ("chrome"). Hoje em 2014 conforme dados da statcounter, o Google Chrome superou todos os navegadores e atualmente é o mais usado em todo mundo. Navegadores mais usados mundialmente: Fonte Statcounter
  24. 24. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 24 Como “ Navegar na Internet”. É atraves do Navegador ou Browser que navegamos pela internet, vamos ver a seguir as funções básicas do “Navegador”, teremos como exemplo o Browser da Google o GOOGLE CHROME. BARRA DE ENDEREÇO é onde digitamos os endereços do site que queremos acessar. Ex.: www.google.com.br Nova AbaVoltar/Adiantar Editar Favoritos/ Adicionar Controle do Chrome Entre na Central de Ajuda e Aprenda mais sobre o Chrome.
  25. 25. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 25 Segurança básica na Internet Antivírus Um dos primeiros passos para se ter segurança na internet é possuir um programa de antivírus e mantê-lo atualizado diariamente (o que normalmente é automático), com um antivírus ativado em seu computador você vai poder navegar na internet com mais segurança além de poder escancear mídias removíveis que você coloca em seu computador como pendrive, cartão de memória, celular bem como escanear arquivos e e-mails recebidos de terceiros. Existem centenas de programas antivírus disponíveis no mercado, e versões pagas e gratuitas. No exemplo abaixo temos um antivírus na sua versão gratuita que realiza todas as necessidades básicas de proteção e escaneamento para um usuário residencial e mantem um monitoramento constante informando qualquer alteração.
  26. 26. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 26 Segurança na internet é um assunto bastante vasto, pois assim como no mundo real na internet estamos sujeitos a diversos riscos, e para uma maior segurança na internet seja navegando nas redes sociais ou fazendo compras em sites, é muito importante que você siga algumas recomendações tenha um conhecimento básico do assunto para não por você e sua família em risco. O CERT.br Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil desenvolveu uma cartilha excelente sobre o assunto a qual recomendo que seja lido antes de iniciar qualquer atividade que envolva trocas de informações na internet, leiam e divulguem e orientem. Cartilha de Segurança para Internet http://cartilha.cert.br “A Cartilha de Segurança para Internet é um documento com recomendações e dicas sobre como o usuário de Internet deve se comportar para aumentar a sua segurança e se proteger de possíveis ameaças”. “O documento apresenta o significado de diversos termos e conceitos utilizados na Internet, aborda os riscos de uso desta tecnologia e fornece uma série de dicas e cuidados a serem tomados pelos usuários para se protegerem destas ameaças”. “A produção desta Cartilha foi feita pelo (CERT.br), que é um dos serviços prestados para a comunidade Internet do Brasil pelo Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), o braço executivo do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br).” Fonte: http://cartilha.cert.br/sobre/
  27. 27. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 27 Acesse o site: cartilha.cert.br Você poderá ler e baixar o livro e as diversas cartilhas disponíveis no site e compartilhar de forma gra tuita.
  28. 28. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 28 Como pesquisar na Internet Na internet você pode pesquisar por sites, imagens, vídeos, assuntos diversos, produtos, lojas, serviços, endereços, etc. É uma infinidade de assuntos que você pode procurar em um site de busca. Existem vários sites de busca, os mais usados são o Google (www.google.com) da Google, o Bing (www.bing.com) da Microsoft, o Yahoo (www.yahoo.com). Todos possuem uma estrutura bastante semelhante e ao aprender usar um, é fácil usar os outros. O site de busca mais usado em todo o mundo é o Google, pela sua eficiência e velocidade de resposta. Vamos ver como pesquisar usando o Google 1º Acesse o Google digitando o endereço na barra de endereços do seu navegador, caso esteja usando o Chrome a pagina inicial já será o Google caso não tenha sido alterada. O site de busca da Google é muito fácil de usar, basta digitar o assunto na caixa de pesquisa e pressionar Enter, a medida em que você digita o Google já começa a lhe mostrar opções.
  29. 29. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 29 Veja no exemplo abaixo: Ao digitarmos google na caixa de pesquisa o Google retornou com (1.400.000.000 resultados em 0,27 segundos) Você ainda pode escolher pesquisar o assunto além de sites (web), por Mapas, imagens, Vídeos, Noticias , Mais. Os resultados são decrescentes da maior para os de menores referências ao assunto pesquisado. A palavra em Azul Indica o Link para o site, Clique nela para abrir o Site. A parte em verde é o endereço do site o qual você será direcionado. O texto em preto e o resumo do que encontrará no Site.
  30. 30. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 30 Outras formas de pesquisar no Google. Pesquisa com o botão direito do mouse Use o cursor para destacar qualquer texto ou imagem em uma página da Web. Clique com o botão direito do mouse e selecione a opção para realizar uma pesquisa sobre a imagem ou o texto em destaque. Colar e pesquisar Destaque qualquer texto em uma página da Web com seu cursor e o copie. Quando estiver pronto para pesquisar, clique com o botão direito do mouse na barra de endereço e selecione Colar e pesquisar. Pesquisa com destacar e arrastar. Destaque qualquer texto em uma página da Web com o cursor e arraste-o para a barra de endereço. O Google Chrome exibe automaticamente os resultados de pesquisa fornecidos pelo seu mecanismo de pesquisa padrão para o texto destacado.
  31. 31. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 31 Serviços interessantes que o Site da Google oferece: Veja a seguir como abrir uma conta no Gmail. Youtube – E um site de compartilhamento de Vídeos, você encontra vídeos sobre os mais variados assuntos. Quando bem usado é um ótimo lugar para aprender sobre qualquer assunto. Você pode localizar endereços, facilmente usando o Google Maps, traçar rotas para viagens, visualizar mapas por imagens via satélite etc. Gmail, você pode ter uma conta de e-mail grátis muito fácil de usar. Tradutor: Traduza qualquer texto de qualquer idioma para o seu idioma e vice-versa No Bloguer você pode criar blogs gratuitos sobre qualquer assunto.
  32. 32. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 32 Abrindo uma conta de e-mail, no GMAIL 1 Acesse o Site da Google 2 Clique em Gmail 3 Clique em CRIAR UMA CONTA
  33. 33. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 33 Preencha os campos indicados: Seu nome e sobrenome, exemplo: Maurício Pires. Se nome de usuário: neste campo você ira digitar o seu nome de e-mail será este o seu endereço de e-mail, você pode usar uma junção do seu nome ou acrescentar números se necessário ( use apenas letra minúsculas, números e pontos e sem acentuar as palavras) Ex: mauriciopires O gmail irá completar com @.gmail.com, ficando Ex.:mauriciopires@gmail.com. Porém pode ser que o nome de usuário que você escolheu já exista, sendo assim você pode escolher as sugestões do g-mail ou escolher um novo nome de usuário.
  34. 34. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 34 Continue o cadastro criando uma senha procure MESCLAR ENTRE NÚMEROS E LETRAS. Repita a senha nos campos indicados. Preencha sua Data de nascimento, e o seu Sexo. O campo Celular e Endereço de e-mail atual não são obrigatórios o preenchimento. Digite o texto que você vê na imagem: Exemplo:. “202”. Marque concordo com os termos....e siga para Próxima etapa.
  35. 35. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 35 Redes sociais. O que são redes sociais? Redes Sociais e o meio de interagir e se comunicar com outras pessoas através da internet, compartilhando fotos, acontecimentos cotidianos e trocando mensagens. As redes sociais organiza um cadastro dos perfis dos usuários baseado nos seus gostos e interesses como hobbies, profissão e escolaridade, entre diversos outros compartilhados. As Redes Sociais também proporcionam uma expansão nas relações sociais onde é possível manter contato com qualquer pessoa em qualquer parte do mundo sendo assim algumas ações dentro das redes sociais são necessárias para manter a privacidade, normalmente os sites de relacionamentos como o facebook por exemplo mantém vários níveis de controle de privacidade onde você pode proteger suas informações particulares que estão no seu perfil como dados de contato e fotos e definir quem pode acessar estas informações. No Twitter, também se pode definir que suas atualizações sejam particulares, escolhendo ser vistas apenas pelas pessoas que você escolher. A função das redes sociais é unir um grupo de pessoas com quem você mantem um contato pelos mais diversos fatores o que permite o compartilhamento e troca de experiências em comum, a formação de grupos sobre assuntos específicos, a intenção e que você possa estender as suas relações no mundo real e usa-las pessoal e profissionalmente, porém com a mesma condução da sua vida na realidade, porém os cuidados nos relacionamentos devem ter os mesmos cuidados da convivência real. A rede social mais usada atualmente é o facebook e você vera a seguir que é muito fácil e rápido abrir uma conta no facebook.
  36. 36. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 36 Facebook Como Abrir uma conta no Facebook Fonte: https://www.facebook.com/help/ Antes de se cadastrar O uso do Facebook é gratuito? É verdade que o Facebook vai cobrar pelo uso do site? O Facebook é um site gratuito e nunca solicitará pagamento pelo uso do site. No entanto, você tem a opção de fazer compras relacionadas a jogos, aplicativos e outros itens. Além disso, se usar o Facebook em seu celular, lembre-se de que você será responsável pelas taxas associadas ao uso da Internet e/ou de mensagens de texto, conforme determinado por sua operadora de telefonia celular. Qual é a idade mínima para se cadastrar no Facebook? Para se cadastrar no Facebook, é preciso ter pelo menos 13 anos. Posso criar uma conta conjunta do Facebook ou compartilhar uma conta do Facebook com alguém? Não permitimos contas conjuntas. Além disso, você pode registrar somente uma conta do Facebook por endereço de e-mail. Já que cada conta pertence a uma só pessoa, pedimos que todos usem seus nomes verdadeiros nas contas. Desta forma, você sempre saberá com quem está se conectando. Saiba mais sobre nossas políticas de nome. Criando sua nova conta Como faço para me cadastrar no Facebook? Se você não tiver uma conta do Facebook, cadastre-se seguindo estas etapas: 1. Acesse www.facebook.com. 2. Caso veja o formulário de cadastro, preencha seu nome, data de nascimento, gênero e endereço de e-mail. Caso ele não apareça, clique em Cadastre-se e preencha o formulário. 3. Escolha uma senha. 4. Clique em Cadastre-se.
  37. 37. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 37 Depois de preencher o formulário de cadastro, você receberá um e-mail no endereço informado. Para concluir o processo de cadastro, clique no link de confirmação. Consulte a ajuda se você não recebeu o e-mail de confirmação. Qual é a diferença entre entrar e se cadastrar? Cadastre-se Se não tiver uma conta no Facebook, você pode se cadastrar em algumas etapas. Para se cadastrar e criar uma conta nova, digite seu nome, data de nascimento, gênero e endereço de e-mail no formulário em www.facebook.com e defina uma senha. Etapa 1
  38. 38. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 38 Etapa 2 Se você optar em preencher os campos observe os controles de privacidade. Etapa 3
  39. 39. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 39 Pronto: é importante que você leia as primeiras informações para conhecer como funciona o facebook e acesse o menu ajuda descrito nas próximas páginas. Entrar Fonte: https://www.facebook.com/help/ Se você já tem uma conta do Facebook, você pode entrar na sua conta pela mesma página. Para entrar, digite seu endereço de e-mail e senha na parte superior da página e clique em Entrar.
  40. 40. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 40 Não se esqueça de confirmar a sua conta depois de fazer o seu cadastro. Como posso concluir o processo de cadastro e confirmar meu endereço de e- mail ou número de telefone? Para concluir o processo de cadastro, você deve confirmar que é o titular do endereço de e-mail ou número de telefone usado para criar a conta. Dessa forma, saberemos que estamos enviando as informações da sua conta para o local certo. Há várias maneiras de confirmar seu endereço de e-mail ou número de telefone. Uma das formas de confirmar seu número de telefone é digitar o código recebido por mensagem de texto (SMS) na caixa Confirmar que aparece ao entrar no site. Para confirmar o endereço de e-mail, clique no link do e-mail que enviamos quando você se cadastrou. O que acontecerá com a minha conta se eu não confirmar meu endereço de e- mail ou número de telefone? Se você não confirmar seu endereço de e-mail ou número de telefone, você poderá usar sua conta por no máximo três dias. Após três dias, você não poderá entrar na sua conta enquanto não concluir essa etapa. Ajuda Agora que você já fez sua conta no Facebook é importante aprender a usa-lo de maneira correta. Para isso vamos entrar no menu “Ajuda” no final da página do facebook e ler os tópicos e tirar todas as dúvidas sobre essa rede social.
  41. 41. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 41 No menu Ajuda do facebook você encontrará o tópicos sobre dúvidas frequentes, como começar a usar o facebook, segurança, privacidade, compartilhamento etc. Twitter O que é o Twitter? Fonte: https://support.twitter.com/ O Twitter é uma rede de informações composta de mensagens com 140 caracteres, conhecidas como Tweets. É uma maneira fácil de ver as novidades sobre assuntos que lhe interessam. Como o Twitter pode ser útil? O Twitter contém informações valiosas e interessantes. Você receberá as mensagens dos usuários que você optar por seguir diretamente em sua página. É como ter um jornal cujas manchetes são sempre interessantes - você poderá acompanhar o desenrolar dos acontecimentos, saber mais sobre temas e pessoas que são importantes para você e ficar sempre por dentro das novidades. Tudo em tempo real
  42. 42. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 42 Abrindo uma conta no twitter: Acesse a página do twitter e preencha os dados solicitados: Ajuda do Twitter Agora acesse o menu ajuda do twitter e tire todas suas dúvidas sobre esta rede social. Central de Ajuda.
  43. 43. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 43 Usando a Internet com sabedoria A partir de agora você já possui os conhecimentos básicos para seguir em frente e aprender muito mais através da internet use como fonte de Informação, estudo e entretenimento, pesquise, navegue, acesse, aprenda, não se limite, a internet não tem fronteiras, para aprender na internet você tem acesso a sites de noticias, jornais, bibliotecas virtuais, blogs, enciclopédias digitais, sites de cursos, faculdades on-line, tutoriais, vídeos aulas, etc. você ainda pode se entreter em sites entretenimento como o facebook ou assistindo vídeos e filmes no youtube, jogar, ouvir músicas etc. Na internet você também pode fazer negócios, pagar suas contas, pesquisar sobre produtos, preços, comprar, vender, divulgar seu trabalho. Eu costumo dizer que a internet é uma janela para o mundo, mas precisamente para uma via pública e nem sempre o que olhamos em um via pública é agradável aos nossos olhos, assim como em uma via pública, na internet estamos sujeitos a ver de tudo, e quando olhamos em um janela e nos deparamos com uma paisagem desagradável ou ameaçadora nós fechamos a janela, e na internet não é diferente, quando nos deparamos com algo que não queremos ver, fechamos o navegador, porém nem todos tem este discernimento e muitas vezes se arriscam na internet pois infelizmente nem todo conteúdo na internet é seguro e você pode ver isso lendo a cartilha que indiquei , na internet corremos os mesmos riscos e encontramos as mesmas pessoas, boas ou más que transitam na via pública, mas com uma diferença, os maus se escondem no anonimato o que na internet facilita para a prática de crimes. Portanto procure usar a internet com sabedoria se comportando da mesma maneira que você se apresenta a sociedade e você que os frutos do conhecimento só lhe trarão benefícios. Bons estudos! Instrutor Maurício
  44. 44. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 44 O conteúdo deste manual visa auxiliar na instrução em cursos de inclusão digital, seu uso não é comercial e sua venda é proibida. Manual de Instrução de Informática Básica Para Inclusão Digital Criação: Maurício V. Pires Fonte/Conteúdo: Internet. Imagens: Arquivo Pessoal – Suporte do Windows®- pixabay.com/ (Public Domain)- Google®Imagens. Microsoft® , Microsoft Office® , Windows® , e Windows Sevem® , Word® , Excel® , PowerPoint® são marcas registradas da Microsoft Corporation. Acesse : informaticasocial.com.br Até aqui nos ajudou o SENHOR. 1 Samuel 7:12 (Esta página não constará na versão que você irá baixar)
  45. 45. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 45 Atenção: Para melhor distribuição gratuita, as Páginas a seguir são de divulgação de nosso trabalho e não irão constar na versão que você irá baixar. Se você gostou do nosso trabalho acesse nosso BLOG e Curta nossos Canais Sociais, ajude compartilhando nosso conteúdo clicando nos Botões Abaixo: Muito obrigado! **Veja Logo Abaixo uma Apostila que pode complementar seus Estudos: (Esta página não constará na versão que você irá baixar)
  46. 46. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 46 Conheça nossa NOVA apostila (Conteúdo Básico + Conteúdo Essencial Intermediário) Informática do Básico ao Essencial – Word®, Excel® e PowerPoint®. Informática do Básico ao Essencial - Volume Único e Volumes 1,2 e 3 reúne tutoriais de fácil compreensão quanto ao uso das ferramentas dos programas Word®, Excel® e PowerPoint® que vão desde o básico para leigos até o essencial para usuários intermediários, O Volume 1 reúne tutoriais das ferramentas do programa Word® 2010, onde são explorados grande parte dos conteúdos das Guias do Programa através de exemplos práticos e objetivos. O Volume 2 reúne tutoriais quanto ao uso das ferramentas do programa Excel® 2010, direcionado tanto para iniciantes que nunca usaram esse programa quanto para usuários intermediários através de tutoriais práticos de aplicação das fórmulas e funções como SE, SEeE, CONT SE, SOMASE, PROCV, ETC. O volume 3 reúne tutoriais das ferramentas do programa PowerPoint® 2010, onde ensina passo a passo como criar uma apresentação desde o inicio, inserir música, efeitos de transições e animações e mostrando que com criatividade e conhecimento dos recursos essenciais é possível até a criação de jogos e brincadeiras com o PowerPoint®. O intuito de comercializar esta coleção a preço simbólico, é buscar uma maneira de poder realizar novos projetos com o Site Informática Social, onde o autor e o único mantenedor. Adquira nossos E-books e Contribua com o Site! (Esta página não constará na versão que você irá baixar) (Esta página não constará na versão que você irá baixar) Esta obra e uma extensão dos Manuais Gratuitos de Informática Básicas do autor, com o acréscimo de funções essenciais de cada programa, e o foco deste novo material continua sendo aprender e instruir, com uma linguagem fácil, com tutoriais passo a passo que facilitam a quem quer entender mais sobre o uso destas ferramentas ou para quem quer ensinar e necessita de um manual que norteie suas instruções. CLIQUE AQUI E CONHEÇA!
  47. 47. Manual de Instrução de Informática Básica para Inclusão Digital – Não Comercial- Venda Proibida. Material de Acordo com Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei 9.610/98); em conformidade com a Lei de Software (9.609/98) Art. 6º Inc. 2º. Sendo seu uso não Comercial e a distribuição Gratuita Autorizada para fins de inclusão Digital. 47 CLIQUE no BANNER ABAIXO PARA BAIXAR e siga as instruções, e tenha acesso este e outros manuais do blog: informaticasocial.com.br Qualquer dúvida solicite pelo e-mail: contato@informaticasocial.com.br (Esta página não constará na versão que você irá baixar)

×