Bandeiras e bandeirins

1.196 visualizações

Publicada em

Bandeiras e bandeirins

Publicada em: Direito
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.196
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bandeiras e bandeirins

  1. 1. REGULAMENTOSPARA ATIVIDADES CÍVICAS
  2. 2. rogue 5.» hzou oonr U0*- das rpg dc ¡. cn A. : a. .p . p «a - FORM-IA ~ 02'; o: Cao 'M1' 13' ' O05'. A rs - 'n com AMAZONAS ~ Proqorr [Ara de Cao ram v 1' grsncezer - MATO GROSSO D0 SUL »Arara (Nm ou em Fé-'rea 2' gmdnzajr ~ RONDÔNIA - Gem¡ ce Ch mw. 34' gar data¡ ~ MATO GROSSO › S »os rm de Cto Lute l' ç-arvfza¡ AMAPA › Bete cs- Cr m c: JE' ç-anc- TOCANTWS ~ E: : M : e Can Mao' u' ; mw dexa] HINAS GERAIS - De '1 no cruwo oo sur â3' gvraodezn 'r - GOlAS - Campos r Im cr» Argx, - 1' grzm dera¡ › ESPIRITO SANYO - Epsuar o: Cuzwo do So( 14' gramas j- - SAO PAULO - Ma co Cru. - ro do Su H' guerra. ” V2 - DlSYRHO FEDERAL (BRASÍLIA) - S-; m : io CMP-z ›- t5' " *a1 PARANA ~ Gama do hang. o Au. @nim 1-' RIO GRANDE DO SUL - A 'a aí: : Tnarçdo Asstra! t2' grarvxrta] '5 «SANTA CATARINA - Bola oo 'r u: : ~ 3' gnvoxzar SERGIPE - »a Escort. 'o t3' grandeza? ALAGOAS › Tata : e Esacrofca (a PERNAMBUCO › um em» t. - PARMBA « Cao. : eo Esczo-ào rít" iangutc ! aos . $333. . U1wE: wrJ| . v ara-ta: -uAnAnr-¡Ao › eu de Escorra. -zc . s maça: -RIO DE JANEHO- Em do (mas erra o; Su g2' grandem- v BAHIA ~ (uma do (fazer: oo SJ Acaba-tram , Lei n” 5.700 - De | °de Setentbrt) dc |97| tAllcmda ¡xlas Less n" 8.421/91. n” 5.x i 2/72 c n” 0,913181 jfnnscndas no Into) Dspoe sobra a forma e a apresemaçêo dos Simbolos Nacronaàs. e da ourras prcxódénoas. O Presidente da Remo! :a faço saber (pe o Congresso Nacona decrera e eu sanoonoasegumlele' An. 1'* São Símbolos Nac onars. e PÂÍÍQÍÀKEtSZ I - A Bartdera Nacronal. It - 0 Hino Naoonat. ll¡ -As Amras Nacacnars; e Iv ~ O Sato Nacionat_ An. 2° Consnderam-se padrões dos Símboüs Naoorescsnaodekzsocrrvostosde orxrtonrdadeoomasesoecfuzaoõeseregras bàscasestabeecadas na presente te'. . T An.3'ABanderaNaoorra1.ado1edapeto Deaeto 1° 4, de 19 de Noventa: : M1889. mmasmodrñcaqães daLern'5443,de28de nsaode1968. fcaateradanafonnadoAmxo ldestatetdevendoseraaratzadaserrveque ooorrerauiaçàow aextinçáode Estados. 5 1°- As constelações que ñguram na BanderaNaáonm correspondeu¡ aoaspeao do oáu. na cidade do Fixo do Janetro. às 8 bom eaaminuíosdoca tsdermerrbrode 1889 (doze horas siderars) e devem ser oonsderadasoornovrsas oorum observador simadobradaesteraoeleste, § 2° - Os movos Estados da Federação serão represantacos por estrelas que compõem o aspecto ce esta reterido no oaragrala enterro'. ce nrodo a mmmr-tres a rcctusao noc 'caoazuída Barde 'a txacowel sem afetar a esteira org na! oonsarte do desenho prooostopàoDwreto n* 4_ oe 190o nor/ emo de 1889 § 3” r Serão suonmicas da Banderra Naconat as esmas correspondentes aos Estados enrrnos near/ anaconda adesgnada para representarem-o Estaoo. resutartede fusàoooservadczemmaqermsoxrdsposto na Dane trnal oc paragrato amenor ArtstíAãandeiaNaoonaentwdor : na as repamçces pub! :as em gera tecerars, essamassnwncoasoataoaartotseescdas púbêcasepaniagares. sera executam um dossegurwtãsãvncssítrpo r . com umparoce45 oeotrrreerosce agura, '. ao 2, com cotspanos de kargurampo 3, tres oemsde a-guratood, cuatro penas de targua; lipo S_ c nao panos ce largura; tipo 6. seismnosdelarguratoo 7, sete panos da targura, Parágrafo uma. Os tipos enumerados neste amgc são os rormas. Pacera: se' leoritradcstoos extraotornaros cec mer-sóes rrenoresm rternmawas, oonlorrrxe as canções de uso, manhdaserãrezanto. as 490533 proporções. M. 5° A tetura da Bandera Naoona: obedecerá as segu ntes regras (Anexo n' 2): ~'- Para cámodasdmensóes. torrar-se~ á na base a ¡argua oesepda. drviurndose estaem rqquarcrzqpanes igaaiscaoauma cas bares seraoonstderada urra rneddaw : rom JI - Goomprmentoserádevmte nroduos (ZCM), Bamdcirzrs & Burtdcirins
  3. 3. Ill › A diszàricra dos ver: ces do losango aware oaocpadroextem serace um mowo esete deonros [l_7M), lv - O circulo azul no -neio do lcsango amarelo lerá o ra o de : res nvoduos e rne o (3.Sl. l'¡ V ~ 0 centro dos arcos ca tarxa branca estara dois moculos (2Mi a esquerda oo ponto do encontro dc prc orgamewtc do : diametro ? ÊTICâi do CllCu o com a base do quadro externo VI - Ora adoarcorrfanordatarxa : Mansa será de oito modulos (air). o raro do arco superior da iaixa orawca sera de oito modulos e meia (8.5M], VII « A largura da faixa branca sera de meio módulo :0,5M). Vtll - As letras da iegenda Ordem e Progresso serão escntas em cor verde. Serão colocadas no meio ca laixabranca. trcando. N para c ma e para barro. um esoaçc »gual ern branco A terra P ticara sobre o dianetro › vertscai docircuto A Clshbi. ção das oema s 'etras tauvseà ooNrome a : rom do Anexo n: 2 As letras da palavra Ordem e da oelavra Progresso terão um terço de moouo i0.33M) de a tura. A largura cestas letras sera de ires décimos de modulo iOBCM) A altura da iezra da oonunçào E sera de tres décimos de modus roscrr¡ A iãlghla dessa tetra sera de um quado de modL : › 402w) iX - As estrelas serao de 5 (censo) dimensões* de primer-a_ segunca, terceira, quarta e curnta grandezas. Devem ser lraçacas dentro de circcas coins dámerros são do nes cs-: mors ce rnodub (0.304) para as ce primera grandeza. de um quarto de moduio . '0.25l. l1 para as de segunda grandeza de um qu wto de moduio1020M) para as de lercera grandeza: de m seirmo de modulo t0, 1 4M) para as oe quarta grandeza: ode umdecrnodemodub-LOJCJA; para as de qn nta grandeza X - As duas laces devem ser exatamente iguais. com a larxa oranca inclinada da ~ esquerda nara a dire ta ido cbservaccr que o na a la xa de lrentejr seno: : vedado 'azer uma lace corro avesso daoucra. ArtÃG" Õ); no Nacrona: e composto ca mús ca de Francisco lrlancel da Silva e do ~ poema de Joaqi. m Csoro Duque Estrada. de acordo mm o que cspóem os Decretos nl 17'. ce 20 de ianero de 7890. e n°156?, da 6 de setembro de 1922. contorme consta dos anexos nJmeros 3. 4, 5. 6 e 7. Paragraro unico. A 'natura banda. de autoria dommire demusica Antão Fernandes, mtegrara as inslmmentaçóes de orquestra e banca. 'ros casos de execução do Hrnc Nacional merconados no inciso I do Ar'. 25 desta ler, devendo ser manzida e adccada a adaptação vocal. em tá maior, do rraastro Abono Nepomuceno l . Art 7' AsAr. . as Naoonars sào ins* 'Jidã pelo Decreto n* 4_ de 19 da novemcro de 1889. com a aiteraçào ! eta pela Ler r"'5 443, de 28 de maia de 1968 (Anexo n? a). Ari. 8° A leitura das Armas Nacrona s devo obedecer a proporção de 'i5 (quinze) de altura Dor i4 (cuaiorzej ce largura. e atenderas seguintes disposições: l-Oescuco redondo sera constituído em campo azu celeste, contendo coco esreias de grata. dispostas na forma da constelação do Cruzerrooo Sul, com abordado-ra do cam po pomada de ouro. carregada de estreias de prata em numero igual ao das estreias exslentes na Bandera N8Ci0Fê| II v O asamofcarà acusado nurnaestreia parada granada. de ! O [(361) peças desnnopla e ouro. borcada de 2 (duas) mas. a vnreror de goles e a exteno' de ouro. Ill - O todo broca-nte sobre uma espada, ' em pala. empirrhada de ouro. guardas de Nau, salvo a parte do centro me e de goles e contem uma estrela de nrata fgurara so- bre uma Lorca tomada ce um ramo de cata lrut ficado a destra eae ouro de tamo flanco. 'a srnrsira. ambos da propria cor, azados de oiau. ficandoomrmrtosobre tm raspiermoe ouncuyasoortorrios *amam uma estreia de 20 (viníei donas. IV- Em I stel de biau. brocante sobre os purhcs da espada inscrevarAse-a. em ouro. a legendaíiepút o: Federativa do Brasil. no centro, e ainda as expressões “l 5 ce no- vembro', *a extrem dade destra. e as er pressões 'de 1889', na sin sua. I, '- »vg '. .Ç ! à . _ 1x¡ : da: ra. .i _ An. 9' Obeio Nacrcnal sera constituido. de oonlormrdadc com o Anexo n? 9. ao' um circulo rcoresentaneo uma esfera celeste goal ao que se ama no centro da Bandeira Nacional. tendo em vo la as palavras Repu- bi ca Federativa do Brasrl. Para a leitura do Seo Nacrcnal observar-sea o segu nte: l - Dese^harn~se 2 (duas: circurlerênci- as ooncànirkas, havendo entre os 59.5 rai- N os a proporção des [trás] para 4 (qualro ). tl ~Aoolocaçào cas estreias. ca laura em legenda Ordem e Progresso no circ Jo ¡non- ' or, obedecerá as mesmas regras esta- belecidas para a lertura da Banda ra Nacio- r nal. ~ Ilt -As letras das paiawas Reoúoi ca Farra- . turadoBras . te-'áooeaâaraumsenoooraicdo _. crralo Marior. &deargurar um se' riodomes M0721!) usada em todas as nhanrlestaçoes ce wont-rx: painel-socos brasàeirosmcarater oñcia: ou oamcuiar. AM1' A Bandera Nacionai pode ser apresentada: l - Hasteada em mastro ou adriças, nos edfdrasputloosoupatiariareslenobscarpos deeqnneesctoncs. salasdeauiaanúios, enbacmoesruasepraoaseemouáwertugar emma me sera asseguracoorâevzdo respeito; II › Drstencüa e sem mastro. corduzdas v < v rlz' “ 'e
  4. 4. v-z_ por aeronaves ou balões, armada sobre pa- rede ou ; rasa a um cabo honzontal ligando acl' aos. arvores. posterswmastros, ll! - Recroouznda sobre paredes, tetos, vi» (raças. veàulos eaerortaves: lv ~ compondo com outras bandeiras. parlooiías, escudos ou peças semelhantes; V - conduzida em lormaluras. des# es, ou mesmo indivzraualrrente; i Vl - Disrenc : la sobre alaúdes. area oca- siàodosepcltarrtento Andi" A Bandeira Nacional estara oer- manerfemente no topo de um mastro especial plantado na Praça dos nas Poderes oe Brasilza. ro Distrito Federal. corno SWÕDIO perene da Patria e sob a guarda do povo i brasileiro. 5!* « Asubstituiçào dessa Bandeira sera Ieizacom sovdades esposas notloom n- , ço oe cada mes. devendo o novo exemplar r -« atingir o topo domastro antes qua o exemplar sobsttruído corner» a ser amado §2? -Na base co mastro especial esta» tão escnlos excusivamente os segmtes dizeres Sob a guarda do povo lrasrle ro. nessa pra› ça dos Tres Poderes, a Bandeira sempre no allo- a visão permanente da Petra Art. 13°, Hasieiase claramente a Ban- ds -a Naoonaü 1 - No Palacio do Presidente da Repçr bi' ca e na residencia do Presidente da Fle- pública: Il -Nos eciliciossede cos ministérios: ll - Nas Casas do Congresso Nacional. lV - No SJpremo Tribunal Federal, nos Tribunais Superiores. nosTribiunaís Federais de Recursos e ros Tnbcnais de Contas ca Unáo. dos Estados. do Distrito Fedeuzr e dos hluncíoios. V › Nos ed l cics-sede dos poderes exe curti/ o. legislativo e iuoiciario dos Estados. Terntonos e DISIUIO Federal, Vl - tm Preleiturasecarrlaras Minooars. vll - Nas repaniçoes lederais. estaduas e munoipais situadas na laixade tronteira. Vlll - Nas Missões Diplomatas, Deiega ções ¡unc a Organismos Internacionais e Repartições COGSJQYÊS de carte 'a respei- tadcsososos locais dos países em que : ive- tem. sede, lX - Nas unidades da Marnha litercante. de acordo com as Leis e Regulamentos da navegação. policia naval e praxes interna- ooras. Art. 14° Haste avse. obrigazonamente, a Bandeira Nac-anal nos dias de testa ou de luto rtacronal, err todasas repamoóespcc- cas. nosestabeleamwtosdeesmesirc altos. Pardo-ato único. Nas escolas públicasou particu ares e obrigatorio o hasteamento se ! eine da Banceira Nacional, ¡lorante o ano etrvo. pelo trends uma vez por semana. Art. t5¡ A Bandeira Nacional pode ser hasteadae arnadaaqualquer hora dodiaou da noite. g tt- treinamento lazse oiasteamerta às E horas e o armamento 'as 18 horas. 52* › No dia 19 de novembro. Dia da Bandeira_ o nasteamerto é reaizado às t2 horas. com solea dades especie s. § 3°- Durante a noite a Bartdera deve estar devidamente iluminada. Art. 16'* Quando varias bandeiras sào nasteadas ou arriadas simultaneamerte, a Bandeira Nacional e a pr meira a atingir o tope e a utima a dele descer, Art. 17'0uanoo em luneral. a Bandeira tica a nele-mastro ou a mera-adriça. Nesse caso, no ? rastreamento ou arrianentc. deve se' levada moralmente ateo Zope. Paragrato úrico. mando cortduzda em marcha. roca-se o luto por um laoooeoepe atado ¡urto a lança. Art. 18* Haslera- se a Bandeira Nacional ernlunera* nassegulntes sztuaoóes. ÓÊSÓÊQXB não ooincioam com os c as ce ! esta nacional, I v Em todo o Pais. quando o Presdente da Flepihblca decretar luto oficial: lt - Nos eciticios-sede dos poceres legislativos federais, estaduais ou miniopais. quando determinado pelos respectrvos pres- dentes. por motivo de falecimento de um de seus membros; lIl - No Suprerto Tribunal Federal. nos Tribunais Superiores, Tribuna s Fedeais de Recursos_ nos Triounars de Contas da Uniao, dos Estados. do Disirito Federal edos Muni- Bntttiçírttx t" lãatttícl
  5. 5. Y 1 -o cintos e nos Tribunais de Justiça estaduais. quando determinado peos respectivos pre- sidentes, pe? ) laledrrerrfode um de seus mi- nisvos. desembagadaes ou oonse retos lv - Nos edrtcoseedeoos Governosdos Estados. Terr : once Distrdo Federal e Muni- cipos. por motivo do 'alecimento do Gover- nador ou Pre'ailo. quando determinado Iulo andei pela autoridade rpa osuost : ur: V - Nas sedes de Missões Drpiomaticas segundo as normas e usos do pais em que BSÍÕD SIÍUMaS. Art. 19¡ A Bandeira Nacional. em rodas as apresentações norerrlano naoonal, ocupa lugar de honra. compreendido como uma 9054301 l - contratou rrats proxlmadocentro e à ~ direita deste. quando com curas bandeiras. pavlnoesoireslandanes caminham mestres. panoplias. escudosou peças semelhantes: ll - Desracada à ! rente de outras oandeiras, quando conduzida em formaturas ou des' 'eai ill -A alerta detnburas, púlpitos. mesas ce reunzào ou de trabano Paragralo úrico Corsderase d : eita ce um dispositivo de bandeiras a direita de uma pessoa colocada ¡urto ael-eevoltada oa'a a rua, para a plate a ou de modo geral, para o púb -oo que observa o disposrrvo An. 20' A Bandera Nwonal. quando náo estiver em uso. deve ser guardada em local digno. Arl. 21° Nas repartiçoes publicas e organizações miliaves, quando a Bands -a e hasteada em mastro colocado no solo, sua largura náooere serrnaiorme 1l5 (um quinto) nem menor que 1r7(um sétimo) da altura do respectivo maszro. Ma? Ouandodstencdaesemrresrro. coloca-se a Bandeira de rnodo que o lado maior ' que na horizontal e a estrela isolada em ama . nàopodendo serocnttada. mesmo paroaMente, poroessoas sentadas em suas internações. Ari. 239 A Bandeira Nacional nunca se abate emwriiwénca 337W" ~2.'| ' n r M1324 A execução do lino Nacional _ obedecerá às seguintes prescnoóes l -Sera serrpre executado em aruamenlo metronómico de uma seminima igua' a 120 (certo e vinte): Il- É obrigatória a tonalidade de si bemol para a execução instrumental srmçfes: lll › Far-sera o canto sempre em urrssono: lV ~ Noscasosdesimdes ezewçáo inâruv menta tour-sea a maisrca integralmente, mas sem remoção. noscasos de exemplo vocal. serão sempre cantadas as duas partes do poema: V › Nas wntrnencias ao Presidente da Registra, paralinsexciusrvosdocerimorlal irritar. serao executados apenas a introdu ção e os acordes lirais. conforme a regula- mentação especifica Art. 25 Serão Hino Nacronal executado: l- Em continencia a Bandeira National e ao Presidente ca Repúb' ca. ao Congresso Naciona* e ao Supremo Tribunal Federal orlando incorporados: e nos demais casos expressamente deterr" nados pebs regula- mentosde pertinência ou cerimoniasdeoor- lesia rníernadoftaü li - NaoizsáodohastraamentodaBarxieira Naoonal. prensa: noparagraio únicodoart 14 § 1° - A execução sera instrumental ou vocalde aooruocomocerimonial previsloem cadacaso. 5 2° - É vedada a exewçao do Hino Nacional, em oontinénoia_ tora dos casos previstos nopresenle artigo. 53" ~ Sea laamatrva a exewçàodoHmo Nacional na abertura de sessões civicas, nas relgiosas aooeseassodesentido l patrolico. no nico ou no encerramento das transm-ssóesdianasdasemssorasderadioe leievsâo bem assim para exprm' 'egozjo | puoooemorzasóes festivais. §4"›Nascermór asernqueselemade erewtar um Hino Nacional Estrangeiro. este l deve, poroortestaueoedero HnoNacona Eraser! ) l v Lgzguuetr. u. F1 Art. 26 t obrigatorio o uso das Armas Í Nacionais l - NoPaládodaPvesioénoada Repoolca | ena residéndado Pres denteda Repito' ca: ll-Ncsetfücsseoedoshüstetios, I IlI › NasCasasdoCongreswNadonal. IV ~ NoSwrerm ? mural Federal. nosTrr our-as Srperioresencs Tnounais Federalsde r Reairsos; V - Nes edfcos-sededospoderesexeoi- tivo. legislzvoerucioánodcs Estados. Termod- oso Dstrfo Fedora'. Vl- Nas Preletixas e Cámaras Mtndpais: Vll-Nairmawadoseolioosdasrepertooes púocasteàeiais: VII¡ -Nosqiaitéêsdas longas lederais de lena. maveareoasPdbias “rarasecorpcs deBomberos M litaras, nosseus armamortos. bem corno nas lonaizzas e ms navios de N guerra. IX - Na trontaria ou no salao princpá das moiaspib cas; X- Nospapéisdeaupedaertte. rtosoorrvres e raspubl-: aooes cbasoenivalieoera. A 203g¡ ~. drltzl Art. 27 O seio Naoonai sera usado para aulen'. :aros atosdegtwemoebem asswm os diplomas e certilrcados exped-dos pelos estabelecimentos de ensino pliciais ou reocmeodos. 4 r . . #Rnitallãílâr 1 Art. zaconsrderam-se cores nacionais o verde e o amarelo M. 29 As cores nacionais podem ser usadas sem quaisquer restrições, inclusive associadas ao azul e branco. A Ari. 30 Nas cer mena: : de rasteamento ou armamento, nas ocasiões em que a Bandera se apresenta' em marcha ou correio, assim como durante a execução oo l-. rno Naconal, todos deverr tomar atitude de respeito. deoé e em s léroo. os DViS dosexo mascul 'to com a cabeça descoberta e os militares em conlménoa, segundo os regulamentos das respectivas corpwaooe-s. Paragralo LWCO. E vedada qualquer outra lormade saudação. Ari. 31 São moderadas marheslaoces de desrespeito a Bandeira Nacional. e portanto avenidas' l -Apresetrta-Laemmauesmodecutser- (3930- lI . Mudar-lhe a lorma. as cores. as prooorooes, odistioo ou weswnarllre outras irsmoóes; lIl - Usa-la como roupagem, reposteiro. pano de boca. guarnição de mesa. revestimento de tribuna, ou como oooenura de places. retratos. penais ou morummtos a naugurar; N - Reptowzi-laem rcluiosou lmówos de produtos expostos à venda, »um Bandeiras em meu eaadods conservação devem ser entregues a qual. quer Un dade Militar', para que seram indne- radas no Dia da Bandeira. segundo o oermoniai pecula'. ArlllsNennumaoanderadeotnranaçáo pode ser usada no País sem que esteja ao seu lado creilo. de igual tamanho e em Buttdcirzts & Bundcirins
  6. 6. poslçàode realce. a Bmeira Nacional. sam ras sedes das redvesenaçóes dpãomàircas ou consulares An. 34 É vedada a execução ce quaisquer arranjos vocars do F 1o Nacodaí. a não ser o de Abono Nspomucem: ›gua| - A BANDEIRA DOS DESBRAVADC meme não será permmda a exesráçào de a›'~ ranpsanisáms rslmnerfas (mí-Inc Madona! que não sejam autorizados _mais Presdrame da Hepúbhca, ouvrdo o M: ínstérào da Educação e CL tura. RES ria I_ . n, I I I . I I Í I I n 'r I I A Bandeiradocbbe cos Desbravadores 16'? ! 9G! cmdealwrae 135m1 de largura Fog. 01'; ND meo da Bandera encontra-se uma Insígnia D1 dos Desbravadores. conrorrre descrím no Regu ame-nto de Uwcvme. macia-do 3Crndea1urapor gua¡ weddada "agua. A Bawderra se cvde em quatro canas. Ao : :P-w para eta o observador ¡rotará que N as partes supeis' dire 1a e ínferor esquerda são brancas as partes superar esquerm e inlerior d 'e Ia são az. a *F-g. C211 As duas faces da banderre devem ser esoeuoas : Fzg 0G! Apanesosimbcb dosdescravadd 'es deve ser gua! dos ddslados ca : :arde ra. senao vedado tazer um : nángu : com aves- so coouuc Onomedo dude deus adarmem 'atas cestacacas na pede rmemr d rena 0 BANDEIRIM DE [NIDADE Cada unidade iere um oarxzevrm. Este rredrà 55 em ce largo-a e 36 cm m awura no lado duo masvo. dewerco estre Iarse do Iado oposta para obter-se o c-'eno ce bandevirra Serarfecoruarxca. oomboroadewrazwde azéú r-w. wma fama de recado azul de 1o cm de argura devera' ser ao @caca em toca arrura no Ladodormsxc, orvdesera 95mm vence amante_ ce barato para cama_ o nome ca un-dade A nnsigr a D! dos md ndo *rc-x 'o cm aeveserococma a 75cm adarxo danada supenorda pensaram, na ! nm entre o ! soda azu e o manso O smbalo ca unicace, reares-rtando qañ-menle as caractmsncas doseu wme. sw colocado no cemro da pane otanca do nude rm. rác pocenoo exceder a mecdade 125 x12_5m. ›a7:amn1as'r00c hace nm sera de “~ 83 : m Banrlclrns & Barulcrnnx
  7. 7. Ao sedizerovoio. ocapnào deverá manter obaroeirim em sua mão direita (posrçàode semüo), enquanto os damas desbravado res fazem a saudação maranaia. Durame a exeaiçao do Hoo Nacional e do Hino do Desbravador, o CãÇHáD deverá manter o bamorm levamado em frente ao seu corpo (posição deapresentar armas) Nome do Clube A Bandeira do Ciube dos Avenlurerros tem 93 cm de altura e 135w de largura. No mero da Bandeira encon1ra~se a rrisignra dos EVGHÍUIBÍrQG. mrrlorme cescrita no Regulamento de Unñorme. mecmdo 39 cm de anura por ¡qua! mecoaoe largura. A Bandeira se divide em quatro oaries Ao olhar para a oanceira o observador notaráoueas panos supenor o rerlae 'Menor esquerda são brancas; as partes superar esquerda e rwrerior drreira são amaresas. As duas Iaces oa bandeira devem ser espalhadas Apenas o simbolo dos Aveniu~ raros deve ser SgLaI dos dois lados da bar» dera sendo vedaooiazer um ssmoolo como avesso do outro. O nomedocoúoe deve aparecerem ieàras oes1acaoas na pane rnierordirerta. O BANDEIRIM DOS AVENTUREIROS O Bameinm dos Avennaeros ! em as mesmas medoasdobanceirrmdosdesbravadores. Modamapermasrrveddasoomastronsoan. DISPOSIÇÃO DE BANDEIRAS Acoçocncw C v' nairnmmu; EM much-aranhas ALGUM; gxcw O modo más pràúoooaraseestaberexzer a posição ce cada banda ra em relaçao à Naoionaê é o segunte: VeNca-se o número de bandeiras que participarão do dísoos tivo. indusive a NãOO' nal_ Se o número de bandeiras ! or par. a de prioncade 1 ! Icaraí a esquerda da Nacional. a de prioridade 2 à c¡ -er: a. atiernadose as de› masa esquerda e àdireiia. Se o númerode bande ras lor impar. ade prioridade í ficará a d reta da Nacionaf, a de priondade 2 à es~ queroa. aItemando-seasdemaisàdrrehae à esquema A Bandeira estrangeira so poderá ser nasteada isoladamente na embaixada e' ou oonsuladodo respectivo país. s F<"EL›UAÉPHFNIP. I'ASN(JIJHC›O r ir L Miura/ i¡ u( «IurrrA1A<'<w-mr'm'5 Num caposrtivodebanderras. as estran- gez-'as deverão iicar distribuidas à d rena ea esquerda da Nacionai. por ordem ariaoézica dos paises. Para os estados e territórios da unrao, a ordem é deierrrinada pefa consiitui- ção rsloncadessas entidades. Bahra. Rio de Janeiro. Llaranhao. Para, Pernambuco. São Paulo. kfnasGeravaGoiás. Mato Grosso. Rio Grande do SUL Ceará, Paraíba. Esprnto San- io. Piauí. Rio GrarUedoNodtxSamaCatarina Alagoas, Serg pe. Amazonas, Parana. Acre. Mato Grosso do Sul. Distrito Federal. Rondona, e cermoriosdoAmapá. Femando de Noronha e Hora tra. Quando, dem de bandeiras estrangei- : indcirzrx Bundcirins B »jm z
  8. 8. ras ; aaicipar a estadual, eia deverá estar iogo após a estrangeira de primeira orroridade. Se houver também a mun ooai. esta 'icara em clima oriondade ou oentítrna caso haia urna bandera de aiguma entidade (Dor exemp o. a dos Desbravadores) Éh' - '_J DESEWNAKXJMLS ¡XLGMO Atenção Nao pera pontos em Camper. Lembre-se que o Hasieador deve estar dentro do Clube. e o Pubfrco oo tado oe iora - Oonsrdera-se d : eita de ur! dispos : ivo de bandeva a direita de u - pessoa cc ocada junto a eia voltada aa. a rua, para a patea ou de modogerat para o por¡ doque o/ aserva o d sposr: .o. - Quando varias bandeiras são hasteadas co arriadas simultaneamente. a Bandeira Naoonai e a primeira a aiDgir o tope e a úitrmaa dia descer. BÀPJElRAS S BÀLDÉIF NS Pe: ;u'. i'*er'i73 Pau: ÀÉNCEÍP 141?'. - Cuando em *urerai a Banca ra ica a meio- masrro ou meraaoriça. Nesse caso, no hasieaniemo ou a rrramenio. deve ser levada inicialmente ãié o fone. -Ouaroo conduzida des* r-s e iomaturas. a Bandeira devera ser mantida ra posição ven ta' e. em rsrmma situacao. podera' ser abarca . posiçao horizonzai) nem mamada cara a ! rente r pVJÇÚVr-i” [Mia a DSA t», :: v M” r. , Jo-mrn Er UCB Ed ; ao Dir. do Urnlslerio Jovem DSA: Pr Joss Mara Barcos. ; Sora Dir. do Mrnleterlo Jovem UCB: Pv Liar' r Zulcnsár Dir. Associado 'JTNSÍÍÚÓ Jovem UCB: Pr. ?sua Bravia Designer: E/ nso Gr roesmho v, S: Grc: Grama Impressão: 703 CEP ! St T . .;›. ~r1 SCOC* eram; ,. "o ci UCB Ru: : Pro. " 113;. : u. 'ir ~ Artur Nogueira - SP G5 Bandeiras & Rainrlciriirs

×