Aula 4 Griffith

2.015 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.015
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
139
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
69
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 4 Griffith

  1. 1. Edição AudiovisuAL
  2. 2. Período do Cinema Mudo Aula -
  3. 3. D. W. Griffith – o criador damontagem cinematográfica moderna EUA – 1875 - 1948 Produtor e Cineasta
  4. 4. A contribuição de D. W. Griffith para o sentido modernode montagem é enorme, abrangendo uma série deprocedimentos: a variação de planos para criarimpactos, o grande plano geral, o close up, inserts e otravelling, a montagem paralela e as variações de ritmo.Em 1908 Griffith começa movendo a câmera para maisperto da ação e iniciando a fragmentação de cenas, emThe Greaser´s Gauntlet e Enoch Arden, ele iniciamudança de planos, variando de planos abertos paraclose ups com o objetivo de fazer com o público “entre”na emoção da cena.
  5. 5. Enoch Arden (1908)Griffith mostrou que uma história poderia serfragmentada em planos gerais, médios e próximospara permitir que o público entre gradualmente naemoção.Essa nova forma de organizar as narrativas torna-seum dos elementos constituitivos da linguagemaudiovisual.Ainda em Enoch Arden, Griffith cria o chamadoinsert, ou seja, a inserção de uma imagem entre osplanos com determinado objetivo. Neste filme,para mostrar o pensamento de uma mulher emrelação ao marido.
  6. 6. The Lonely Vila (1909)Outra grande inovação de Griffith é a montagem paralela, emThe Lonely Vila (1909), que conta a história de um resgate. Eleintercala cenas de ladrões invadindo a casa de uma família,com cenas do marido correndo para salvá-la.Neste filme, Griffith usa planos mais curtos para aumentar adramaticidade. A intercalação de cenas mostra que não é maisnecessário apresentar ações completas para alcançar orealismo. O tempo dramático passa o substituir o tempo realcomo critério para a montagem.Em Ramona (1911), Griffith utilizou o grande plano geral, emThe Londale Operator (1911) ele coloca uma câmera em umtrem em movimento.
  7. 7. O Nascimento de uma Nação – 1915A partir deste período Griffith passou a experimentar comfilmes de maior duração, alguns com 20 a 30 minutos, atéchegar em O Nascimento de uma nação, de 1915 e Intolerância,de 1916, ambos com cerca de duas horas de duração.O Nascimento de uma Nação é um épico sobre a Guerra Civilamericana. A partir da história de duas famílias, uma nortista eoutra sulista, Griffith reúne histórias pessoais e acontecimentoshistóricos, como uma cavalgada da Ku Klux Klan e o assassinatode Lincoln, mostrando o total domínio sobre a montagem.Griffith também inova ao adotar o simbolismo. Para representara disputa entre as famílias, utiliza cenas de luta entre dois gatos,um preto e outro cinza, que antecedem as cenas de luta familiar.
  8. 8. Intolerância (1916)Griffith lança-se em um desafio ainda maior:reunir em um filme quatro histórias deintolerância que se passam na Babilônia,Jerusalém de Cristo, a França dosHuguenotes e a América Moderna.A narrativa assim, se dá em espaços etempos históricos diferentes. Cada um dessas histórias tem suaprópria estrutura dramática, em um pararelismo complexo efuncional, utilizando-se para isso de todos os recursos como omovimentos de câmera, grande plano geral, close up´s.Intolerância não foi bem recebido pelo público, embora sejaaté hoje reconhecido como um dos grandes filmes da história.
  9. 9. Lírio Partido – 1919Outra obra significativa de Griffith para a históriada montagem é Lirio Partido. O filme conta ahistória de um cavaleiro chinês que se apaixonapor uma garota Inglesa, que tem um pai violento que acaba pormatar a filha ao saber do romance com o estrangeiro.O filme tem uma abordagem que alterna delicadeza e crueldadee inova ao criar uma expressão imagética da subjetividade,acrescentando o suspense na narrativa visual.Por todo este conjunto de inovações na montagem, na narrativae na fotografia, que David Wark Griffith é considerado como opai da linguagem cinematográfica.
  10. 10. Fim

×