ROMA
MAPAMAPAMapa da Itália antes da conquistaromana.
AS ORDENSAS ORDENS“Um capitel coríntio nascido em Roma reconhece-seimediatamente pela sua execução mais desembaraçada e pe...
ORDEMDÓRICAORDEMDÓRICACapitel dórico grego.Capitel dórico romano.
ORDEMJÔNICAORDEMJÔNICACapitel jônico grego.Capitel jônico romano.
ORDEMCORÍNTIAORDEMCORÍNTIACapitel coríntio romano.Capitel coríntio grego.
ORDEMTOSCANAORDEMTOSCANACapitel toscano.Entablamento
ORDEMCOMPÓSITAORDEMCOMPÓSITACapitel compósito.Ordem compósita.
O ARCOO ARCO“(...) na arquitetura romana,diferentemente da grega,inteiramente colocada sobrelinhas retas, a curva é o prin...
O ARCOO ARCO
O ARCOO ARCO
ARCO DO TRIUNFOARCO DO TRIUNFO“O isolamento do arco, como depois o da coluna com finalidadecelebrativa e exonerativa, é cl...
ARCO DEAUGUSTOARCO DEAUGUSTO27 A.C.
ARCO DETITOARCO DETITO70 d.C.Reconstituição.Foto: http://web.kyoto-inet.or.jp/org/orion/img/hst/pcd03-1.jpg
ARCO DETITOARCO DETITO70 d.C.Foto: Arquivo Pessoal.
ARCO DETRAJANOARCO DETRAJANOSéc. II
ARCO DEARCO DECONSTANTINOCONSTANTINO – 315 d.C.
ARCO DEARCO DECONSTANTINOCONSTANTINO – 315 D.C.Foto: Arquivo Pessoal
TEMPLOSTEMPLOS“Uma vez que o rito religioso é também cerimônia pública, da qualparticipam as autoridades do Estado e a pop...
PANTHEONPANTHEON126 d.C.Foto: Arquivo Pessoal.
PANTHEONPANTHEON126 d.C.Foto: http://www.mmdtkw.org/RT04-Pantheon1.jpg
PANTHEONPANTHEON126 d.C.Planta baixa Corte
PANTHEONPANTHEON126 d.C.Detalhe do frontão.
PANTHEONPANTHEON126 d.C.Detalhe das colunas.
PANTHEONPANTHEON126 d.C.Foto: Arquivo Pessoal.
FORTUNA VIRILFORTUNA VIRILSéc. I a.C.
FORTUNA VIRILFORTUNA VIRILSéc. I a.C.Vista Frontal
FORTUNA VIRILFORTUNA VIRILSéc. I a.C.Planta baixa Fachada Frontal - Reconstituição
FORTUNA VIRILFORTUNA VIRILSéc. I a.C.Vista da parte posteriorDetalhe do Capitel
TEMPLO DEVESTATEMPLO DEVESTASéc. II a.C.Planta baixa
TEMPLO DEVESTATEMPLO DEVESTASéc. II a.C.
TEMPLO DEVESTATEMPLO DEVESTASéc. II a.C.Detalhe do CapitelElevação
MAISON CARRÉMAISON CARRÉ12-15 a.C.
MAISON CARRÉMAISON CARRÉ12-15 a.C.
MAISON CARRÉMAISON CARRÉ12-15 a.C.Planta baixa Detalhe do Capitel
MAISON CARRÉMAISON CARRÉ12-15 a.C.
BASÍLICASBASÍLICAS“Fundamental para a vida pública romana é a basílica, grandeconstrução retangular com a cobertura de tet...
BASÍLICA DEJULIABASÍLICA DEJULIA46 a.C.Elevação
BASÍLICA DEJULIABASÍLICA DEJULIA46 a.C.Planta baixa
BASÍLICA DEJULIABASÍLICA DEJULIA46 a.C.
BASÍLICA DECONSTANTINOBASÍLICA DECONSTANTINO –– 306-312d.c.
BASÍLICA DECONSTANTINOBASÍLICA DECONSTANTINO –– 306-312d.c.
BASÍLICA DECONSTANTINOBASÍLICA DECONSTANTINO –– 306-312d.c.Planta baixa
BASÍLICA DECONSTANTINOBASÍLICA DECONSTANTINO –– 306-312d.c.Reconstituição
VARIAÇÕES DEBASÍLICASVARIAÇÕES DEBASÍLICAS
VARIAÇÕES DEBASÍLICASVARIAÇÕES DEBASÍLICAS
ANFITEATROSANFITEATROS
COLISEUCOLISEU70 – 80 d.C.Planta baixa
COLISEUCOLISEU70 – 80 d.C.Planta baixaA – Nível da primeiraordem, no chão.B – Nível da segundaordemC – Nível da terceiraor...
COLISEUCOLISEU70 – 80 d.C.Vista interna das ruínas
COLISEUCOLISEU70 – 80 d.C.Vista interna da arquibancada.Vista interna da arquibancada e detalhe doportão de entrada.
COLISEUCOLISEU70 – 80 d.C.
FÓRUMROMANOFÓRUMROMANO“O fórum, pois, muito mais do que uma bolsa de valores e ummercado, é o lugar onde a vida da cidade ...
FÓRUMROMANOFÓRUMROMANOPlanta esquemática dos Fóruns Imperiais
FÓRUMROMANOFÓRUMROMANO
FÓRUMDEAUGUSTOFÓRUMDEAUGUSTOPlanta esquemática dos Fóruns ImperiaisSéc I a.C.
FÓRUMDETRAJANOFÓRUMDETRAJANODestaque para o mercado de Trajano.100 d.C.
TERMASTERMAS“As termas de Antoninas ou de Caracala são um típico exemplo do gostopelo gigantesco, mais do que pelo monumen...
TERMAS DECARACALATERMAS DECARACALAPlanta baixaSéc III d.C.1- Calidarium (banhosquentes)2-Tepidarium (banhos mornos)3- Frig...
TERMAS DECARACALATERMAS DECARACALADetalhe da porta de entradaSéc III d.C.Vista interna
TERMAS DECARACALATERMAS DECARACALAVista InternaSéc III d.C.Detalhe do Capitel
TERMAS DECARACALATERMAS DECARACALAGravura do século XIX ilustrandoas Termas de CaracalaSéc III d.C.
CIRCO MÁXIMOCIRCO MÁXIMO
CIRCO MÁXIMOCIRCO MÁXIMOSéc IVFoto: http://web.educastur.princast.es/proyectos/jimena/pj_leontinaai/arte/webimarte2/WEBIMA...
CIRCO MÁXIMOCIRCO MÁXIMOSéc IVFoto: http://html.rincondelvago.com/historia-universal_1.html
CIRCO MÁXIMOCIRCO MÁXIMOSéc IVFoto:http://www.unicaen.fr/rome/presentation.php?action=brussel&langue=anglaisMaquete ilustr...
CIRCO MÁXIMOCIRCO MÁXIMOSéc IVFoto:http://www.destination360.com/europe/italy/circus-maximus.phpFoto:http://www.mainlesson...
RESIDÊNCIASRESIDÊNCIAS
DOMUSDOMUSPlanta baixaSéc II a.C.
INSULAINSULAMaquete – Reconstituição de uma Insula em Óstia
INSULAINSULAPlanta baixa de umaInsula em Óstia.
INSULAINSULAReconstituição de uma Insula em Óstia. Ruínas de uma Insula em Óstia.
GRANDES CONSTRUÇÕESGRANDES CONSTRUÇÕES“A civilização romana está essencialmente ligada às instalaçõesurbanas e as exigênci...
PONTDU GARDPONTDU GARDNîmes - Séc I a.C.
PONTDU GARDPONTDU GARDNîmes - Séc I a.C.Detalhe dos arcos
AQUEDUTOSAQUEDUTOSAqueduto romano em Segovia, Espanha.Segovia - Séc I
AQUEDUTOSAQUEDUTOSAqueduto romano denominado “Ponte do Diabo”Segovia - Séc I
VILASVILAS“Dada a origem essencialmente agrícola da civilização romana, temnotável desenvolvimento a villa, entendida prim...
VILA DEADRIANOVILA DEADRIANOTívoli – 125 – 135 d.C.
VILA DEADRIANOVILA DEADRIANOTívoli – 125 – 135 d.C.
VILA DEADRIANOVILA DEADRIANOTívoli – 125 – 135 d.C.
VILA DEADRIANOVILA DEADRIANOTívoli – 125 – 135 d.C.
CIDADEDEROMACIDADEDEROMA“Tendo como geratriz formal a curva (...), a arquitetura romana tende adesenvolver-se livremente n...
ROMAROMAReconstrução do centro monumental de Roma. Em primeiro plano o circo máximo, ao fundo oColiseu, os Fóruns e zona d...
ROMAROMAReconstrução do centro monumental de Roma. Em primeiro plano os Fóruns, ao fundo o Coliseu
ROMAROMAPlanta de Roma Imperial
FotosFotos-Manuales Parramón Arte. Arquitectura Romana. Parramón Ediciones S.A.: Barcelona,2000.-STRICKLAND, Carol. Arquit...
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASREFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS-BENÉVOLO, Leonardo. A História da Cidade. Perspectiva: São Paulo, 198...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Arquitetura Romana

2.597 visualizações

Publicada em

Trabalho de Monitoria da Universidade Federal Fluminense (UFF)

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.597
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
155
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Arquitetura Romana

  1. 1. ROMA
  2. 2. MAPAMAPAMapa da Itália antes da conquistaromana.
  3. 3. AS ORDENSAS ORDENS“Um capitel coríntio nascido em Roma reconhece-seimediatamente pela sua execução mais desembaraçada e pelasua exuberância ornamental. As próprias dimensões sãoreveladoras (...)” Tarella (1994:6)
  4. 4. ORDEMDÓRICAORDEMDÓRICACapitel dórico grego.Capitel dórico romano.
  5. 5. ORDEMJÔNICAORDEMJÔNICACapitel jônico grego.Capitel jônico romano.
  6. 6. ORDEMCORÍNTIAORDEMCORÍNTIACapitel coríntio romano.Capitel coríntio grego.
  7. 7. ORDEMTOSCANAORDEMTOSCANACapitel toscano.Entablamento
  8. 8. ORDEMCOMPÓSITAORDEMCOMPÓSITACapitel compósito.Ordem compósita.
  9. 9. O ARCOO ARCO“(...) na arquitetura romana,diferentemente da grega,inteiramente colocada sobrelinhas retas, a curva é o princípioformal de toda a construção, atéda composição urbanística. Aforma base da arquitetura romanaé, pois, o arco (...)” Argan(2003:169)“É um forte sistema de forçascombinadas que permite cobrirgrandes vazios e, sobretudo,estabelecer uma clara distinçãoentre o espaço externo, em queestá situado o edifício, e o interno,contido no edifício.” Argan(2003:170)
  10. 10. O ARCOO ARCO
  11. 11. O ARCOO ARCO
  12. 12. ARCO DO TRIUNFOARCO DO TRIUNFO“O isolamento do arco, como depois o da coluna com finalidadecelebrativa e exonerativa, é claro indício da tendência romana aatribuir às formas arquitetônicas, assumidas como símbolo deestabilidade e de duração, a função de representar os grandes valoresideológicos sobre os quais se funda o Estado.” Argan (2003:173)
  13. 13. ARCO DEAUGUSTOARCO DEAUGUSTO27 A.C.
  14. 14. ARCO DETITOARCO DETITO70 d.C.Reconstituição.Foto: http://web.kyoto-inet.or.jp/org/orion/img/hst/pcd03-1.jpg
  15. 15. ARCO DETITOARCO DETITO70 d.C.Foto: Arquivo Pessoal.
  16. 16. ARCO DETRAJANOARCO DETRAJANOSéc. II
  17. 17. ARCO DEARCO DECONSTANTINOCONSTANTINO – 315 d.C.
  18. 18. ARCO DEARCO DECONSTANTINOCONSTANTINO – 315 D.C.Foto: Arquivo Pessoal
  19. 19. TEMPLOSTEMPLOS“Uma vez que o rito religioso é também cerimônia pública, da qualparticipam as autoridades do Estado e a população, ele se realiza naparte exterior: diante do templo existe para esse fim um vasto espaçolivre (...)” Argan (2003:171)
  20. 20. PANTHEONPANTHEON126 d.C.Foto: Arquivo Pessoal.
  21. 21. PANTHEONPANTHEON126 d.C.Foto: http://www.mmdtkw.org/RT04-Pantheon1.jpg
  22. 22. PANTHEONPANTHEON126 d.C.Planta baixa Corte
  23. 23. PANTHEONPANTHEON126 d.C.Detalhe do frontão.
  24. 24. PANTHEONPANTHEON126 d.C.Detalhe das colunas.
  25. 25. PANTHEONPANTHEON126 d.C.Foto: Arquivo Pessoal.
  26. 26. FORTUNA VIRILFORTUNA VIRILSéc. I a.C.
  27. 27. FORTUNA VIRILFORTUNA VIRILSéc. I a.C.Vista Frontal
  28. 28. FORTUNA VIRILFORTUNA VIRILSéc. I a.C.Planta baixa Fachada Frontal - Reconstituição
  29. 29. FORTUNA VIRILFORTUNA VIRILSéc. I a.C.Vista da parte posteriorDetalhe do Capitel
  30. 30. TEMPLO DEVESTATEMPLO DEVESTASéc. II a.C.Planta baixa
  31. 31. TEMPLO DEVESTATEMPLO DEVESTASéc. II a.C.
  32. 32. TEMPLO DEVESTATEMPLO DEVESTASéc. II a.C.Detalhe do CapitelElevação
  33. 33. MAISON CARRÉMAISON CARRÉ12-15 a.C.
  34. 34. MAISON CARRÉMAISON CARRÉ12-15 a.C.
  35. 35. MAISON CARRÉMAISON CARRÉ12-15 a.C.Planta baixa Detalhe do Capitel
  36. 36. MAISON CARRÉMAISON CARRÉ12-15 a.C.
  37. 37. BASÍLICASBASÍLICAS“Fundamental para a vida pública romana é a basílica, grandeconstrução retangular com a cobertura de teto sustentada por fileirasde colunas (...)”” Argan (2003:171)
  38. 38. BASÍLICA DEJULIABASÍLICA DEJULIA46 a.C.Elevação
  39. 39. BASÍLICA DEJULIABASÍLICA DEJULIA46 a.C.Planta baixa
  40. 40. BASÍLICA DEJULIABASÍLICA DEJULIA46 a.C.
  41. 41. BASÍLICA DECONSTANTINOBASÍLICA DECONSTANTINO –– 306-312d.c.
  42. 42. BASÍLICA DECONSTANTINOBASÍLICA DECONSTANTINO –– 306-312d.c.
  43. 43. BASÍLICA DECONSTANTINOBASÍLICA DECONSTANTINO –– 306-312d.c.Planta baixa
  44. 44. BASÍLICA DECONSTANTINOBASÍLICA DECONSTANTINO –– 306-312d.c.Reconstituição
  45. 45. VARIAÇÕES DEBASÍLICASVARIAÇÕES DEBASÍLICAS
  46. 46. VARIAÇÕES DEBASÍLICASVARIAÇÕES DEBASÍLICAS
  47. 47. ANFITEATROSANFITEATROS
  48. 48. COLISEUCOLISEU70 – 80 d.C.Planta baixa
  49. 49. COLISEUCOLISEU70 – 80 d.C.Planta baixaA – Nível da primeiraordem, no chão.B – Nível da segundaordemC – Nível da terceiraordemD – Nível da quartaordem.
  50. 50. COLISEUCOLISEU70 – 80 d.C.Vista interna das ruínas
  51. 51. COLISEUCOLISEU70 – 80 d.C.Vista interna da arquibancada.Vista interna da arquibancada e detalhe doportão de entrada.
  52. 52. COLISEUCOLISEU70 – 80 d.C.
  53. 53. FÓRUMROMANOFÓRUMROMANO“O fórum, pois, muito mais do que uma bolsa de valores e ummercado, é o lugar onde a vida da cidade e do Estado se enquadra napaisagem da própria história, é o centro diretor da sociedaderomana.” Argan (2003:178)
  54. 54. FÓRUMROMANOFÓRUMROMANOPlanta esquemática dos Fóruns Imperiais
  55. 55. FÓRUMROMANOFÓRUMROMANO
  56. 56. FÓRUMDEAUGUSTOFÓRUMDEAUGUSTOPlanta esquemática dos Fóruns ImperiaisSéc I a.C.
  57. 57. FÓRUMDETRAJANOFÓRUMDETRAJANODestaque para o mercado de Trajano.100 d.C.
  58. 58. TERMASTERMAS“As termas de Antoninas ou de Caracala são um típico exemplo do gostopelo gigantesco, mais do que pelo monumental, que domina aarquitetura da romanidade tardia.” Argan (2003:181)
  59. 59. TERMAS DECARACALATERMAS DECARACALAPlanta baixaSéc III d.C.1- Calidarium (banhosquentes)2-Tepidarium (banhos mornos)3- Frigidarium (banhos frios)4- Ginásio5- Piscina
  60. 60. TERMAS DECARACALATERMAS DECARACALADetalhe da porta de entradaSéc III d.C.Vista interna
  61. 61. TERMAS DECARACALATERMAS DECARACALAVista InternaSéc III d.C.Detalhe do Capitel
  62. 62. TERMAS DECARACALATERMAS DECARACALAGravura do século XIX ilustrandoas Termas de CaracalaSéc III d.C.
  63. 63. CIRCO MÁXIMOCIRCO MÁXIMO
  64. 64. CIRCO MÁXIMOCIRCO MÁXIMOSéc IVFoto: http://web.educastur.princast.es/proyectos/jimena/pj_leontinaai/arte/webimarte2/WEBIMAG/ROMA/circo.htmMaquete ilustrando o Circo Máximo.
  65. 65. CIRCO MÁXIMOCIRCO MÁXIMOSéc IVFoto: http://html.rincondelvago.com/historia-universal_1.html
  66. 66. CIRCO MÁXIMOCIRCO MÁXIMOSéc IVFoto:http://www.unicaen.fr/rome/presentation.php?action=brussel&langue=anglaisMaquete ilustrando o Circo Máximo.
  67. 67. CIRCO MÁXIMOCIRCO MÁXIMOSéc IVFoto:http://www.destination360.com/europe/italy/circus-maximus.phpFoto:http://www.mainlesson.com/display.php?author=haaren&book=rome&story=trajanRuínas do circo máximo.Ilustração do circo máximo.
  68. 68. RESIDÊNCIASRESIDÊNCIAS
  69. 69. DOMUSDOMUSPlanta baixaSéc II a.C.
  70. 70. INSULAINSULAMaquete – Reconstituição de uma Insula em Óstia
  71. 71. INSULAINSULAPlanta baixa de umaInsula em Óstia.
  72. 72. INSULAINSULAReconstituição de uma Insula em Óstia. Ruínas de uma Insula em Óstia.
  73. 73. GRANDES CONSTRUÇÕESGRANDES CONSTRUÇÕES“A civilização romana está essencialmente ligada às instalaçõesurbanas e as exigências dos cidadãos são satisfeitas com realizaçõesmarcadas pela máxima funcionalidade.” Tarella (1994:7)
  74. 74. PONTDU GARDPONTDU GARDNîmes - Séc I a.C.
  75. 75. PONTDU GARDPONTDU GARDNîmes - Séc I a.C.Detalhe dos arcos
  76. 76. AQUEDUTOSAQUEDUTOSAqueduto romano em Segovia, Espanha.Segovia - Séc I
  77. 77. AQUEDUTOSAQUEDUTOSAqueduto romano denominado “Ponte do Diabo”Segovia - Séc I
  78. 78. VILASVILAS“Dada a origem essencialmente agrícola da civilização romana, temnotável desenvolvimento a villa, entendida primeiro comopropriedade agrícola produtiva e depois como lugar de repouso e delazer.” Argan (2003:172)
  79. 79. VILA DEADRIANOVILA DEADRIANOTívoli – 125 – 135 d.C.
  80. 80. VILA DEADRIANOVILA DEADRIANOTívoli – 125 – 135 d.C.
  81. 81. VILA DEADRIANOVILA DEADRIANOTívoli – 125 – 135 d.C.
  82. 82. VILA DEADRIANOVILA DEADRIANOTívoli – 125 – 135 d.C.
  83. 83. CIDADEDEROMACIDADEDEROMA“Tendo como geratriz formal a curva (...), a arquitetura romana tende adesenvolver-se livremente no espaço com uma sucessão de massasmodeladas e de vazios conjugados, articulados, desdobrados. Cadaedifício parece continuar-se nos contíguos, formando, assim, o espaçoarquitetônico urbano, no qual os grandes volumes fechados se alternamcom os grandes vazios arquitetonicamente definidos .” Argan (2003:176)
  84. 84. ROMAROMAReconstrução do centro monumental de Roma. Em primeiro plano o circo máximo, ao fundo oColiseu, os Fóruns e zona do Campo de Marte.
  85. 85. ROMAROMAReconstrução do centro monumental de Roma. Em primeiro plano os Fóruns, ao fundo o Coliseu
  86. 86. ROMAROMAPlanta de Roma Imperial
  87. 87. FotosFotos-Manuales Parramón Arte. Arquitectura Romana. Parramón Ediciones S.A.: Barcelona,2000.-STRICKLAND, Carol. Arquitetura Comentada. Ediouro: Rio de Janeiro, 2003.-COLE, Emily. The Grammar of Architecture. Barnes & Nobles Books: 2005.-BENÉVOLO, Leonardo. A História da Cidade. Perspectiva: São Paulo, 1983.-ROBERTSON, D.S. Arquitetura Grega e Romana. Martins Fontes: São Paulo, 1997.-ARGAN, G.C. Da Antiguidade a Duccio – v.1. Cosac & Naify: São Paulo, 2003.
  88. 88. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASREFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS-BENÉVOLO, Leonardo. A História da Cidade. Perspectiva: São Paulo, 1983.-ARGAN, G.C. Da Antiguidade a Duccio – v.1. Cosac & Naify: São Paulo, 2003.-TARELLA, Alda. Como reconhecer a arte romana. Edições 70: Lisboa, 1994.

×