SlideShare uma empresa Scribd logo

Arquitetura Barroca

Trabalho de Monitoria da Universidade Federal Fluminense (UFF)

1 de 118
Baixar para ler offline
BARROCOBARROCO
BARROCOBARROCO
RENASCIMENTO x BARROCORENASCIMENTO x BARROCO
“O Renascimento era equilíbrio, medida, sobriedade, racionalismo, lógica. O
barroco foi movimento, ânsia de novidade, amor pelo infinito e pelo não finito,
pelos contrates e pela audaciosa mistura de todas as artes. Foi dramático,
exuberante, teatral tanto quanto a época anterior fora serena e comedida.”
CONTI (1984: 4)
“Referindo-se sempre à arte do século XVII e dos princípios do século XVIII,
definiram como barrocas aquela obras em que estavam presentes determinadas
características: a procura do movimento, quer real (uma parede ondulada, uma
fonte, de onde a água jorra em formas sempre novas), quer sugerido (um
personagem retratado durante uma ação violenta ou sob um esforço); a
tentativa de representar, ou de sugerir, o infinito (uma alameda que se perde no
horizonte, um fresco que simula a abóbada celeste, um jogo de espelhos que
altera e torna irreconhecíveis as perspectivas); a importância dada às luzes e
aos efeitos luminosos na percepção final e na própria concepção da obra de
arte; (...).”
CONTI (1984: 8)
David de Michelangelo (1501-1504) David de Bernini (1623-1624)
BARROCOBARROCO
RENASCIMENTO x BARROCORENASCIMENTO x BARROCO
David de Michelangelo (1501-1504) David de Bernini (1623-1624)
BARROCOBARROCO
RENASCIMENTO x BARROCORENASCIMENTO x BARROCO
Il ritorno di Giuditta a Betulia & Oloferne trovato ucciso de BOTTICELLI (1472)
BARROCOBARROCO
RENASCIMENTO x BARROCORENASCIMENTO x BARROCO
Giuditta de capita O lo fe rne s de CARAVAGGIO (1595-1600)
BARROCOBARROCO
RENASCIMENTO x BARROCORENASCIMENTO x BARROCO
Anúncio

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Renascimento,maneirismo e barroco
Renascimento,maneirismo e barrocoRenascimento,maneirismo e barroco
Renascimento,maneirismo e barrocomariosilva1989
 
02 arquitetura barroca
02 arquitetura barroca02 arquitetura barroca
02 arquitetura barrocaVítor Santos
 
O Teatro como mundo da ilusão e espaço privilegiado do espetáculo I
O Teatro como mundo da ilusão e espaço privilegiado do espetáculo IO Teatro como mundo da ilusão e espaço privilegiado do espetáculo I
O Teatro como mundo da ilusão e espaço privilegiado do espetáculo IHca Faro
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaAna Barreiros
 
Arte acadêmica no Brasil
Arte acadêmica no BrasilArte acadêmica no Brasil
Arte acadêmica no BrasilCieja Narede
 
A Arte Barroca
A Arte BarrocaA Arte Barroca
A Arte Barrocaggmota93
 
O barroco em frança
O barroco em françaO barroco em frança
O barroco em françaAna Barreiros
 
Aula 03 renascimento-maneirismo
Aula 03 renascimento-maneirismoAula 03 renascimento-maneirismo
Aula 03 renascimento-maneirismoMarcio Duarte
 
O palácio de versalhes
O palácio de versalhesO palácio de versalhes
O palácio de versalhesJoao Vaz
 
Renascimento escultura
Renascimento esculturaRenascimento escultura
Renascimento esculturaLaguat
 
Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33zildagomesk
 
Arquitetura Renascentista
Arquitetura RenascentistaArquitetura Renascentista
Arquitetura RenascentistaDeaaSouza
 
A Arte Renascentista
A  Arte RenascentistaA  Arte Renascentista
A Arte RenascentistaHist8
 

Mais procurados (20)

Renascimento,maneirismo e barroco
Renascimento,maneirismo e barrocoRenascimento,maneirismo e barroco
Renascimento,maneirismo e barroco
 
02 arquitetura barroca
02 arquitetura barroca02 arquitetura barroca
02 arquitetura barroca
 
Barroco ou barrocos
Barroco ou barrocosBarroco ou barrocos
Barroco ou barrocos
 
O Teatro como mundo da ilusão e espaço privilegiado do espetáculo I
O Teatro como mundo da ilusão e espaço privilegiado do espetáculo IO Teatro como mundo da ilusão e espaço privilegiado do espetáculo I
O Teatro como mundo da ilusão e espaço privilegiado do espetáculo I
 
Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentista
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Arte acadêmica no Brasil
Arte acadêmica no BrasilArte acadêmica no Brasil
Arte acadêmica no Brasil
 
Escultura barroca
Escultura barrocaEscultura barroca
Escultura barroca
 
A Arte Rococó
A Arte RococóA Arte Rococó
A Arte Rococó
 
A Arte Barroca
A Arte BarrocaA Arte Barroca
A Arte Barroca
 
O barroco em frança
O barroco em françaO barroco em frança
O barroco em frança
 
Aula 03 renascimento-maneirismo
Aula 03 renascimento-maneirismoAula 03 renascimento-maneirismo
Aula 03 renascimento-maneirismo
 
O palácio de versalhes
O palácio de versalhesO palácio de versalhes
O palácio de versalhes
 
Renascimento escultura
Renascimento esculturaRenascimento escultura
Renascimento escultura
 
Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33
 
Arquitetura Renascentista
Arquitetura RenascentistaArquitetura Renascentista
Arquitetura Renascentista
 
Rococó, HCA 11º
Rococó, HCA 11ºRococó, HCA 11º
Rococó, HCA 11º
 
A Arte Renascentista
A  Arte RenascentistaA  Arte Renascentista
A Arte Renascentista
 
Cultura do salao
Cultura do salaoCultura do salao
Cultura do salao
 

Semelhante a Arquitetura Barroca

Módulo 6 escultura barroca
Módulo 6   escultura barrocaMódulo 6   escultura barroca
Módulo 6 escultura barrocaCarla Freitas
 
Arquitetura Renascimento
Arquitetura RenascimentoArquitetura Renascimento
Arquitetura RenascimentoIsis Magalhães
 
Arte Barroca modificado.pptx
Arte Barroca  modificado.pptxArte Barroca  modificado.pptx
Arte Barroca modificado.pptxKaioAnderson4
 
Arte Barroca Características - Pintura e Arquitetura - Copia.pptx
Arte Barroca  Características - Pintura e Arquitetura - Copia.pptxArte Barroca  Características - Pintura e Arquitetura - Copia.pptx
Arte Barroca Características - Pintura e Arquitetura - Copia.pptxNAIARAJOHN
 
Os contraste do barroco
Os contraste do barrocoOs contraste do barroco
Os contraste do barrocoEdinair Alves
 
1 A Mentalidade E A Arte Barrocas
1 A Mentalidade E A Arte Barrocas1 A Mentalidade E A Arte Barrocas
1 A Mentalidade E A Arte BarrocasHist8
 
O barroco-
O barroco-O barroco-
O barroco-borgia
 
HISTÓRIA DA ARTE REVISÃO ENEM 1.pdf
HISTÓRIA DA ARTE REVISÃO ENEM 1.pdfHISTÓRIA DA ARTE REVISÃO ENEM 1.pdf
HISTÓRIA DA ARTE REVISÃO ENEM 1.pdfjarbas5
 
MANEIRISMO.pptx
MANEIRISMO.pptxMANEIRISMO.pptx
MANEIRISMO.pptxSciaFalco1
 
A Arte Barroca
A Arte BarrocaA Arte Barroca
A Arte Barrocaggmota93
 
1 aula de Arte Barroca
1 aula de Arte Barroca 1 aula de Arte Barroca
1 aula de Arte Barroca eligusmao
 
9 hist da art barro e rococ
9 hist da art barro e rococ9 hist da art barro e rococ
9 hist da art barro e rococAndré Figundio
 

Semelhante a Arquitetura Barroca (20)

Revista forma visita a roma
Revista forma   visita a romaRevista forma   visita a roma
Revista forma visita a roma
 
Módulo 6 escultura barroca
Módulo 6   escultura barrocaMódulo 6   escultura barroca
Módulo 6 escultura barroca
 
Arquitetura Renascimento
Arquitetura RenascimentoArquitetura Renascimento
Arquitetura Renascimento
 
Escultura-barroca.pdf
Escultura-barroca.pdfEscultura-barroca.pdf
Escultura-barroca.pdf
 
Arte Barroca modificado.pptx
Arte Barroca  modificado.pptxArte Barroca  modificado.pptx
Arte Barroca modificado.pptx
 
Arte Barroca Características - Pintura e Arquitetura - Copia.pptx
Arte Barroca  Características - Pintura e Arquitetura - Copia.pptxArte Barroca  Características - Pintura e Arquitetura - Copia.pptx
Arte Barroca Características - Pintura e Arquitetura - Copia.pptx
 
Os contraste do barroco
Os contraste do barrocoOs contraste do barroco
Os contraste do barroco
 
1 A Mentalidade E A Arte Barrocas
1 A Mentalidade E A Arte Barrocas1 A Mentalidade E A Arte Barrocas
1 A Mentalidade E A Arte Barrocas
 
Aula 09 barroco
Aula 09 barrocoAula 09 barroco
Aula 09 barroco
 
O barroco-
O barroco-O barroco-
O barroco-
 
HISTÓRIA DA ARTE REVISÃO ENEM 1.pdf
HISTÓRIA DA ARTE REVISÃO ENEM 1.pdfHISTÓRIA DA ARTE REVISÃO ENEM 1.pdf
HISTÓRIA DA ARTE REVISÃO ENEM 1.pdf
 
Arte e mentalidade Barrocas
Arte e mentalidade BarrocasArte e mentalidade Barrocas
Arte e mentalidade Barrocas
 
MANEIRISMO.pptx
MANEIRISMO.pptxMANEIRISMO.pptx
MANEIRISMO.pptx
 
A Arte Barroca
A Arte BarrocaA Arte Barroca
A Arte Barroca
 
A música barroca
A música barrocaA música barroca
A música barroca
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
1 aula de Arte Barroca
1 aula de Arte Barroca 1 aula de Arte Barroca
1 aula de Arte Barroca
 
Estilos artísticos contextualizados
Estilos artísticos contextualizadosEstilos artísticos contextualizados
Estilos artísticos contextualizados
 
9 hist da art barro e rococ
9 hist da art barro e rococ9 hist da art barro e rococ
9 hist da art barro e rococ
 

Mais de Isis Magalhães

Mais de Isis Magalhães (6)

Arquitetura Neoclássica
Arquitetura NeoclássicaArquitetura Neoclássica
Arquitetura Neoclássica
 
Arquitetura Idade Média
Arquitetura Idade MédiaArquitetura Idade Média
Arquitetura Idade Média
 
Arquitetura Egito Antigo
Arquitetura Egito AntigoArquitetura Egito Antigo
Arquitetura Egito Antigo
 
Arquitetura Pré-Colombiana
Arquitetura Pré-ColombianaArquitetura Pré-Colombiana
Arquitetura Pré-Colombiana
 
Arquitetura Romana
Arquitetura RomanaArquitetura Romana
Arquitetura Romana
 
Arquitetura Grega
Arquitetura GregaArquitetura Grega
Arquitetura Grega
 

Último

Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...excellenceeducaciona
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...excellenceeducaciona
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...excellenceeducaciona
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba InicialTeresaCosta92
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfddddddddddddddddddddddddddddddddddddRenandantas16
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...AaAssessoriadll
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...azulassessoriaacadem3
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...azulassessoriaacadem3
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Jean Carlos Nunes Paixão
 

Último (20)

Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
 

Arquitetura Barroca

  • 2. BARROCOBARROCO RENASCIMENTO x BARROCORENASCIMENTO x BARROCO “O Renascimento era equilíbrio, medida, sobriedade, racionalismo, lógica. O barroco foi movimento, ânsia de novidade, amor pelo infinito e pelo não finito, pelos contrates e pela audaciosa mistura de todas as artes. Foi dramático, exuberante, teatral tanto quanto a época anterior fora serena e comedida.” CONTI (1984: 4) “Referindo-se sempre à arte do século XVII e dos princípios do século XVIII, definiram como barrocas aquela obras em que estavam presentes determinadas características: a procura do movimento, quer real (uma parede ondulada, uma fonte, de onde a água jorra em formas sempre novas), quer sugerido (um personagem retratado durante uma ação violenta ou sob um esforço); a tentativa de representar, ou de sugerir, o infinito (uma alameda que se perde no horizonte, um fresco que simula a abóbada celeste, um jogo de espelhos que altera e torna irreconhecíveis as perspectivas); a importância dada às luzes e aos efeitos luminosos na percepção final e na própria concepção da obra de arte; (...).” CONTI (1984: 8)
  • 3. David de Michelangelo (1501-1504) David de Bernini (1623-1624) BARROCOBARROCO RENASCIMENTO x BARROCORENASCIMENTO x BARROCO
  • 4. David de Michelangelo (1501-1504) David de Bernini (1623-1624) BARROCOBARROCO RENASCIMENTO x BARROCORENASCIMENTO x BARROCO
  • 5. Il ritorno di Giuditta a Betulia & Oloferne trovato ucciso de BOTTICELLI (1472) BARROCOBARROCO RENASCIMENTO x BARROCORENASCIMENTO x BARROCO
  • 6. Giuditta de capita O lo fe rne s de CARAVAGGIO (1595-1600) BARROCOBARROCO RENASCIMENTO x BARROCORENASCIMENTO x BARROCO
  • 8. Apollo e Dafne de Bernini (1622- 1625) O rapto de Proserpina de Bernini (1621-1622) BARROCOBARROCO Gian Lorenzo BERNINIGian Lorenzo BERNINI
  • 9. Baldacchino (1624-1633) Basílica de São Pedro BARROCOBARROCO Gian Lorenzo BERNINIGian Lorenzo BERNINI CONTI (1984: 12)/ ARGAN (2004: 43)
  • 10. Altar (1657-1666) Basílica de São Pedro BARROCOBARROCO Gian Lorenzo BERNINIGian Lorenzo BERNINI
  • 11. Sant’Andrea al Quirinale (1658-1678 - Roma) BARROCOBARROCO Gian Lorenzo BERNINIGian Lorenzo BERNINI www.williams.edu/art/architectureVR/santAndreaAlQuirinale/ CONTI (1984: 6)
  • 12. Sant’Andrea al Quirinale (1658-1678 - Roma) BARROCOBARROCO Gian Lorenzo BERNINIGian Lorenzo BERNINI
  • 13. Sant’Andrea al Quirinale (1658-1678 - Roma) BARROCOBARROCO Gian Lorenzo BERNINIGian Lorenzo BERNINI
  • 14. Sant’Andrea al Quirinale (1658-1678 - Roma) BARROCOBARROCO Gian Lorenzo BERNINIGian Lorenzo BERNINI www.williams.edu/art/architectureVR/santAndreaAlQuirinale/ “As plantas, isto é, as figuras que a construção descreve sobre o terreno, que o renascimento preferia era o quadrado, o círculo, a cruz grega ( a que tem todos os braços iguais). Do barroco são características, pelo contrário, a oval, ou, frequentemente, esquemas muito mais complexos, derivados de complicados traçados geométricos.” CONTI (1984: 11)
  • 15. Sant’Andrea al Quirinale (1658-1678 - Roma) BARROCOBARROCO Gian Lorenzo BERNINIGian Lorenzo BERNINI www.williams.edu/art/architectureVR/santAndreaAlQuirinale/
  • 17. Santa Maria della Pace (1656-1657 - Roma) BARROCOBARROCO Pietro da CORTONAPietro da CORTONA CONTI (1984: 10)/ ARGAN (2004: 42)
  • 19. San Carlo alle Quattro Fontane (1634-1682, Roma) BARROCOBARROCO BORROMINIBORROMINI CONTI (1984: 4) Francesco Castelli,Francesco Castelli,
  • 20. San Carlo alle Quattro Fontane (1634-1682, Roma) BARROCOBARROCO http://www.sancarlino-borromini.it/ BORROMINIBORROMINIFrancesco Castelli,Francesco Castelli,
  • 21. San Carlo alle Quattro Fontane (1634-1682, Roma) BARROCOBARROCO http://www.sancarlino-borromini.it/ BORROMINIBORROMINIFrancesco Castelli,Francesco Castelli,
  • 22. San Carlo alle Quattro Fontane (1634-1682, Roma) BARROCOBARROCO BORROMINIBORROMINIFrancesco Castelli,Francesco Castelli,
  • 23. San Carlo alle Quattro Fontane (1634-1682, Roma) BARROCOBARROCO http://www.sancarlino-borromini.it/ BORROMINIBORROMINIFrancesco Castelli,Francesco Castelli,
  • 24. Oratório dos Filippini (1637-1650 - Roma) BARROCOBARROCO CONTI (1984: 8) BORROMINIBORROMINIFrancesco Castelli,Francesco Castelli, http://www.info.roma.it/monumenti_dettaglio.asp?ID_schede=140
  • 25. Oratório dos Filippini (1637-1650 - Roma) BARROCOBARROCO BORROMINIBORROMINIFrancesco Castelli,Francesco Castelli, http://www.info.roma.it/monumenti_dettaglio.asp?ID_schede=140 http://www.vitruvio.ch/arc/baroque/barocco_i/oratoriofilippini.php
  • 26. Sant’Ivo alla Sapienza (1642-1662 - Roma) BARROCOBARROCO CONTI (1984: 12) BORROMINIBORROMINIFrancesco Castelli,Francesco Castelli,
  • 27. Sant’Agnese in Agone (1653-1657, Piazza Navona - Roma) BARROCOBARROCO BORROMINIBORROMINIFrancesco Castelli,Francesco Castelli,
  • 28. Sant’Agnese in Agone (1653-1657, Piazza Navona - Roma) BARROCOBARROCO BORROMINIBORROMINIFrancesco Castelli,Francesco Castelli,
  • 30. Santa Maria della Salute (1631-1687 - Veneza) BARROCOBARROCO Baldassare LONGHENABaldassare LONGHENA CONTI (1984: 10)
  • 31. Santa Maria della Salute (1631-1687 - Veneza) BARROCOBARROCO Baldassare LONGHENABaldassare LONGHENA
  • 32. Santa Maria della Salute (1631-1687 - Veneza) BARROCOBARROCO Baldassare LONGHENABaldassare LONGHENA
  • 33. Santa Maria della Salute (1631-1687 - Veneza) BARROCOBARROCO Baldassare LONGHENABaldassare LONGHENA http://www.bluffton.edu/~sullivanm/salute/salute.html “(...) estiveram muito em voga, na época do barroco, as volutas e os orelhões, ou orelhas, elementos em forma de fita encurvada e enrolada nas extremidades, que serviam para articular, para unir harmoniosamente, dois pontos situados a alturas diferentes. (...) A função dos orelhões, apesar de sua forma bizarra, não é meramente decorativa: é, sobretudo dinâmica, construtiva.” CONTI (1984: 13)
  • 34. Santa Maria della Salute (1631-1687 - Veneza) BARROCOBARROCO Baldassare LONGHENABaldassare LONGHENA http://www.bluffton.edu/~sullivanm/salute/salute.html
  • 35. Santa Maria della Salute (1631-1687 - Veneza) BARROCOBARROCO Baldassare LONGHENABaldassare LONGHENA http://www.bluffton.edu/~sullivanm/salute/salute.html
  • 37. Proporções e ornatos da ordem coríntia BARROCOBARROCO Guarino GUARINIGuarino GUARINI As ordens “gótica” e “cariatídica”CONTI (1984: 12)
  • 38. Estudo para construção de colunata sobre traçados redondo e oval BARROCOBARROCO Guarino GUARINIGuarino GUARINI Sistemas geométricos para representar a superfície de corte dos cones sobre o terreno “Além de arquiteto, Guarini era matemático e tratadista: nas suas obras, de fato, a utilização de complicados esquemas geométricos levou a resultados fantásticos” CONTI (1984: 15)
  • 39. Capela do Santo Sudário (1667-1690 - Turim) BARROCOBARROCO Guarino GUARINIGuarino GUARINI “Ele (Guarini) conseguiu, melhor do que outro qualquer, tornar visível uma das aspirações constantes da arte barroca: a sugestão de uma dimensão infinita.” CONTI (1984: 15)
  • 40. Capela do Santo Sudário (1667-1690 - Turim) BARROCOBARROCO Guarino GUARINIGuarino GUARINI
  • 41. Corte e planta de São Lourenço em Turim (1666) BARROCOBARROCO Guarino GUARINIGuarino GUARINI CONTI (1984: 14)
  • 42. Cúpula de San Lorenzo (1668-1687 - Turim) BARROCOBARROCO Guarino GUARINIGuarino GUARINI
  • 43. Palazzo Carignano (1679-1685 - Turim) BARROCOBARROCO Guarino GUARINIGuarino GUARINI CONTI (1984: 12)
  • 44. Palazzo Carignano (1679-1685 - Turim) BARROCOBARROCO Guarino GUARINIGuarino GUARINI “A forma canônica dos frontões, a que foi estabelecida por regras, era triangular ou em arco de círculo. Na época do barroco, encontramo-los quebrados (ou seja, como que cortados e continuados mais acima), em quartela, uma mistura de retas e volutas fantasiosos, quase como cortinados enrolados à volta de portas e janelas.” CONTI (1984: 21)
  • 46. Palazzo Madama (1718-1721 - Turim) BARROCOBARROCO Filippo JUVARAFilippo JUVARA CONTI (1984: 28)
  • 47. Palazzo Barberini (1625-1633 - Roma) BARROCOBARROCO BORROMINIBORROMINIFrancesco Castelli,Francesco Castelli, Foto: Wikipedia
  • 49. Piazza San Pietro de Bernini (1657-1659 - Vaticano) BARROCOBARROCO Gian Lorenzo BERNINIGian Lorenzo BERNINI SUMMERSON (1999: 68)/ CONTI (1984: 24)/ ARGAN (2004: 41)
  • 50. Piazza San Pietro de Bernini (1657-1659 - Vaticano) BARROCOBARROCO Gian Lorenzo BERNINIGian Lorenzo BERNINI
  • 51. BARROCOBARROCO Gian Lorenzo BERNINIGian Lorenzo BERNINI Piazza San Pietro de Bernini (1657-1659 - Vaticano)
  • 52. Piazza San Pietro de Bernini (1657-1659 - Vaticano) BARROCOBARROCO Gian Lorenzo BERNINIGian Lorenzo BERNINI
  • 53. BARROCOBARROCO Gian Lorenzo BERNINIGian Lorenzo BERNINI Piazza San Pietro de Bernini (1657-1659 - Vaticano)
  • 54. Piazza San Pietro de Bernini (1657-1659 - Vaticano) BARROCOBARROCO Gian Lorenzo BERNINIGian Lorenzo BERNINI
  • 55. Piazza San Pietro de Bernini (1657-1659 - Vaticano) BARROCOBARROCO Gian Lorenzo BERNINIGian Lorenzo BERNINI
  • 56. BARROCOBARROCO FONTESFONTES “As grandes fontes, pontos focais de jardins e praças, exprimem o gosto pelo movimento e pela cenografia próprio do barroco, onde, muitas vezes, se assiste à fusão da pintura e da escultura com a arquitetura.” CONTI (1984: 5)
  • 57. Fontana dei Fiumi (1651 - Piazza Navona em Roma) BARROCOBARROCO Gian Lorenzo BERNINIGian Lorenzo BERNINI CONTI (1984: 26)
  • 58. Fontana dei Fiumi (1651-Piazza Navona em Roma) BARROCOBARROCO Gian Lorenzo BERNINIGian Lorenzo BERNINI
  • 59. Fontana dei Fiumi (1651-Piazza Navona em Roma) BARROCOBARROCO Gian Lorenzo BERNINIGian Lorenzo BERNINI
  • 60. Fontana dei Fiumi (1651-Piazza Navona em Roma) BARROCOBARROCO Gian Lorenzo BERNINIGian Lorenzo BERNINI
  • 61. Fontana dei Fiumi (1651-Piazza Navona em Roma) BARROCOBARROCO Gian Lorenzo BERNINIGian Lorenzo BERNINI
  • 62. Fontana di Trevi (1732-1762 - Roma) BARROCOBARROCO Nicola SALVINicola SALVI
  • 63. Fontana di Trevi (1732-1762 - Roma) BARROCOBARROCO Nicola SALVINicola SALVI
  • 64. Fontana di Trevi (1732-1762 - Roma) BARROCOBARROCO Nicola SALVINicola SALVI
  • 65. Fontana di Trevi (1732-1762 - Roma) BARROCOBARROCO Nicola SALVINicola SALVI
  • 67. BARROCOBARROCO BARROCO FRANCÊSBARROCO FRANCÊS “A arte criada na França, com o seu equilíbrio entre as tendências barrocas e as tradições clássicas, é de uma severa imponência. E viria a tornar-se, a pouco e pouco, no modelo cultural mais avançado do continente, aquele em que se inspirariam os outros países.” CONTI (1984: 29)
  • 68. Palácio de Versalhes de Louis le Vau e Jules Mansart (1661-1698 - França) BARROCOBARROCO BARROCO FRANCÊSBARROCO FRANCÊS CONTI (1984: 16) http://www.prism.uvsq.fr/conferences/2005/epew2005/IMAGES/versailles3.jpg
  • 69. Jardim do Palácio de Versalhes de Le Notre (cerca de 1660 - França) BARROCOBARROCO BARROCO FRANCÊSBARROCO FRANCÊS http://www.panoramio.com/photo/159082
  • 70. Galeria dos Espelhos do Palácio de Versalhes de Jules Hardouin-Mansart (França) BARROCOBARROCO BARROCO FRANCÊSBARROCO FRANCÊS CONTI (1984: 32)
  • 71. Igreja dos Inválidos de Jules Hardouin-Mansart (1693-1706, Paris) BARROCOBARROCO BARROCO FRANCÊSBARROCO FRANCÊS
  • 73. Catedral de São Paulo de Christopher Wren (1675-1710 - Londres) BARROCOBARROCO BARROCO INGLÊSBARROCO INGLÊS
  • 74. Fachada do Palácio de Hampton Court de Christopher Wren (1689 – Londres) BARROCOBARROCO BARROCO INGLÊSBARROCO INGLÊS
  • 75. Greenwich Hospital de Christopher Wren (1695- Londres) BARROCOBARROCO BARROCO INGLÊSBARROCO INGLÊS
  • 76. Palácio de Blenheim de Vanbrugh e Hawksmoor (1705-1724 – perto de Oxford) BARROCOBARROCO BARROCO INGLÊSBARROCO INGLÊS SUMMERSON (1999: 68) Foto: Wikipedia http://www.blenheimpalace.com/
  • 77. Palácio de Blenheim de Vanbrugh e Hawksmoor (1705-1724 – perto de Oxford) BARROCOBARROCO BARROCO INGLÊSBARROCO INGLÊS http://www.blenheimpalace.com/
  • 79. BARROCOBARROCO BARROCO GERMÂNICOBARROCO GERMÂNICO “O barroco criado por eles (alemães e austríacos) – e que também se espalharia pela Polônia, estados bálticos e Rússia – possui quase todas as características acima enumeradas e que o aproximam muito do barroco italiano. Encontram-se- lhe depois duas outras, que são exclusivamente suas: uma maior tendência para exuberância decorativa, sobretudos nos interiores, e uma tendência para evitar bruscas mudanças de luz, em favor de uma luminosidade mais difusa e serena” CONTI (1984: 31)
  • 80. Estudo das ordens por Vredeman de Vries (Antuérpia, 1577) BARROCOBARROCO BARROCO GERMÂNICOBARROCO GERMÂNICO SUMERSON (1999: 66)
  • 81. Estudo das ordens por Vredeman de Vries (Antuérpia, 1577) BARROCOBARROCO BARROCO GERMÂNICOBARROCO GERMÂNICO
  • 82. Estudo das ordens por Wendel Dietterlin (Nuremberg, 1594-1598) BARROCOBARROCO BARROCO GERMÂNICOBARROCO GERMÂNICO SUMERSON (1999: 66)
  • 83. Estudo das ordens por Wendel Dietterlin (Nuremberg, 1598) BARROCOBARROCO BARROCO GERMÂNICOBARROCO GERMÂNICO
  • 84. Palácio do Belvedere de Johann Lukas von Hildebrandt (1721-1722 - Viena) BARROCOBARROCO BARROCO GERMÂNICOBARROCO GERMÂNICO CONTI (1984: 18)
  • 85. Palácio do Belvedere de Johann Lukas von Hildebrandt (1721-1722 - Viena) BARROCOBARROCO BARROCO GERMÂNICOBARROCO GERMÂNICO CONTI (1984: 34)
  • 86. Palácio do Príncipe Eugênio de Johann Berhard Fischer von Erlach (1696 - Viena) BARROCOBARROCO BARROCO GERMÂNICOBARROCO GERMÂNICO
  • 87. Palácio de Schonbrunn de Johann Berhard Fischer von Erlach (1696 - Viena) BARROCOBARROCO BARROCO GERMÂNICOBARROCO GERMÂNICO CONTI (1984: 19) Foto: Wikipedia
  • 88. Karlskirche de Johann Bernhard Fischer von Erlach (1715-1737 - Viena) BARROCOBARROCO BARROCO GERMÂNICOBARROCO GERMÂNICO “Do ponto de vista funcional, os dois campanários são completamente supérfluos. A sua presença transforma um esquema central, dominado pela cúpula, num conjunto em pirâmide, onde as coberturas dos campanários contrabalançam a própria cúpula.” CONTI (1984: 20)
  • 89. Karlskirche de Johann Bernhard Fischer von Erlach (1715-1737 - Viena) BARROCOBARROCO BARROCO GERMÂNICOBARROCO GERMÂNICO
  • 90. Abadia de Melk de Jacob Prandtauer (1702 -1738) BARROCOBARROCO BARROCO GERMÂNICOBARROCO GERMÂNICO CONTI (1984: 21)
  • 91. Abadia de Melk de Jacob Prandtauer (1702 -1738) BARROCOBARROCO BARROCO GERMÂNICOBARROCO GERMÂNICO
  • 92. Castelo de Augustusburg de Balthasar Neumann (1741 -1744) BARROCOBARROCO BARROCO GERMÂNICOBARROCO GERMÂNICO
  • 93. Igreja da Abadia de Ottobeuren de Johann Michael Fischer (1748 -1767, Baviera) BARROCOBARROCO BARROCO GERMÂNICOBARROCO GERMÂNICO
  • 94. Igreja de Wies de Dominikus Zimmermann (1745 -1754) BARROCOBARROCO BARROCO GERMÂNICOBARROCO GERMÂNICO
  • 96. BARROCOBARROCO BARROCO ESPANHOLBARROCO ESPANHOL “Enquanto se difundia para além dos Alpes, o barroco italiano afirmou-se também em Espanha e Portugal. Se bem que não existissem obstáculos à difusão, foi aqui criada uma versão absolutamente particular. A sua característica mais saliente, na realidade a única, é a exuberância da ornamentação. (...) Foram muitos os fatores que contribuíram para isto: a tradição mourisca, ainda viva na Península Ibérica, e as influências das artes pré-colombianas da América, com o seu fantástico universo ornamental, estão entre os principais. A verdade é que este estilo particular, conhecido como churrigueresco, do nome da dinastia dos arquitetos Churriguera que esteve no seu centro, dominou durante dois séculos a Espanha e Portugal e foi por estes exportados para as suas colônias da América Latina (...)” CONTI (1984: 32)
  • 97. Casa da Padaria na Plaza Mayor de Madrid (1672 – José Ximénez Donoso) BARROCOBARROCO BARROCO ESPANHOLBARROCO ESPANHOL
  • 98. Casa da Padaria na Plaza Mayor de Madrid (1672 – José Ximénez Donoso) BARROCOBARROCO BARROCO ESPANHOLBARROCO ESPANHOL
  • 99. Plaza Mayor de Salamanca (1729-1755 – Alberto de Churriguera) BARROCOBARROCO BARROCO ESPANHOLBARROCO ESPANHOL
  • 100. Plaza Mayor de Salamanca (1729-1755 – Alberto de Churriguera) BARROCOBARROCO BARROCO ESPANHOLBARROCO ESPANHOL
  • 101. Convento de San Esteban (1524-1630 – Juan de Alava, Juan Rivero Rada, Pedro Gutierrez e Diego Salcedo) BARROCOBARROCO BARROCO ESPANHOLBARROCO ESPANHOL
  • 102. Retábulo do Convento de San Esteban (1692 – José Benito de CHURRIGUERA) BARROCOBARROCO BARROCO ESPANHOLBARROCO ESPANHOL
  • 103. O Transparente, Catedral de Toledo (1720-1732 – Antonio e Narciso Tomé) BARROCOBARROCO BARROCO ESPANHOLBARROCO ESPANHOL
  • 104. BARROCOBARROCO BARROCO ESPANHOLBARROCO ESPANHOL Fachada da Catedral de Múrcia de Jaime Bort y Mellitá (1736-1754)
  • 105. BARROCOBARROCO BARROCO ESPANHOLBARROCO ESPANHOL Fachada da Catedral de Santiago de Compostela (1738-1749 – Fernando Casas y Novoa) CONTI (1984: 23)
  • 106. Fachada da Catedral de Santiago de Compostela (1738-1749 – Fernando Casas y Novoa) BARROCOBARROCO BARROCO ESPANHOLBARROCO ESPANHOL
  • 108. Bom Jesus do Monte em Braga (1784-1811) BARROCOBARROCO BARROCO PORTUGUÊSBARROCO PORTUGUÊS
  • 109. Santuário de Nossa Senhora dos Remédios em Lamego (1750-1761 – Nicola Nasoni e André Soares) BARROCOBARROCO BARROCO PORTUGUÊSBARROCO PORTUGUÊS
  • 110. BARROCO NABARROCO NA AMÉRICA LATINAAMÉRICA LATINA
  • 111. Fachada do Sacrário, Catedral do México de Lorenzo Rodríguez (1755-1783) BARROCOBARROCO BARROCO NO MÉXICOBARROCO NO MÉXICO CONTI (1984: 22)
  • 112. Igreja de São Francisco de Assis de Aleijadinho (1766, Ouro Preto) BARROCOBARROCO BARROCO NO BRASILBARROCO NO BRASIL http://www.descubraminas.com.br/destinosturisticos/hpg_pagina.asp?id_pagina=1331 Foto: Wikipedia
  • 113. Igreja de São Francisco de Assis de Aleijadinho (1766, Ouro Preto) BARROCOBARROCO BARROCO NO BRASILBARROCO NO BRASIL http://www.descubraminas.com.br/destinosturisticos/hpg_pagina.asp?id_pagina=1331
  • 114. Igreja Nossa Senhora do Rosário (1785, Ouro Preto) BARROCOBARROCO BARROCO NO BRASILBARROCO NO BRASIL http://www.descubraminas.com.br/destinosturisticos/hpg_pagina.asp?id_pagina=1331
  • 115. Igreja de São Francisco (1703, Salvador) BARROCOBARROCO BARROCO NO BRASILBARROCO NO BRASIL
  • 117. Mosteiro de São Bento (1633- 1671, Rio de Janeiro) BARROCOBARROCO BARROCO NO BRASILBARROCO NO BRASIL http://nr1a.com/rio-de-janeiro-fotos-7.htm
  • 118. FONTES DAS ILUSTRAÇÕESFONTES DAS ILUSTRAÇÕES • História Geral da Arte: Arquitetura IV e V.História Geral da Arte: Arquitetura IV e V. Edìciones del Prado: 1995.Edìciones del Prado: 1995. • Roma: from its origins to the present time.Roma: from its origins to the present time. Ed. Lozzi Roma: Roma.Ed. Lozzi Roma: Roma. • Teoria da arquitectura: do Renascimento aos nossos dias.Teoria da arquitectura: do Renascimento aos nossos dias. Ed. Taschen: 2003Ed. Taschen: 2003. • GLANCEY, Jonathan. A História da Arquitetura. Edições Loyola: São Paulo, 2001. • LOTZ, Wolfgang. Arquitetura na Itália 1500-1600. Cosac & Naify Edições: São Paulo, 1998. • PRINA, Francesca; DEMARTINI, Elena. Grande Atlante dell’Architettura dal Mile al Duemila. Electa: Milão, 2005. Arquivo Pessoal BARROCOBARROCO