AGRUPAMENTO DE SOARES DOS REIS


                            BE/CRE DA ESCOLA BÁSICA SOARES DOS REIS
                 LENÇ...
Nestes lenços existe uma linguagem secreta. De entre a grande variedade de símbolos que compõem
esta linguagem, destacamos...
" Assim como neste lenço
 Os fios unidos estão
 Assim esteja a minha alma
 Unida ao teu curação"




"Só tu és meu encanto...
"Bou dizer
             ao meu amor
             que sempre
             o eide amar "




"Passarinho                  "B...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Lenços Dos Namorados - Informação

3.634 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Lenços Dos Namorados - Informação

  1. 1. AGRUPAMENTO DE SOARES DOS REIS BE/CRE DA ESCOLA BÁSICA SOARES DOS REIS LENÇOS DE NAMORADOS - Informação A tradição dos “lenços de namorados”, também designados como “lenços de pedido”, “lenços marcados”, “bordados” ou “de amor”, é mais significativa no Minho, em especial em Viana do Castelo, Vila Verde, Aboim da Nóbrega, Telões e Guimarães. A história dos Lenços de Namorados remonta ao século XVII / XVIII. Nessa altura, as jovens aprendiam a bordar bem cedo e, mal entravam na adolescência, começavam a preparar o enxoval. As donzelas casadoiras de classe social mais elevada, bordavam o seu lenço a ponto de cruz, num pano de linho fino. As cores utilizadas limitavam-se essencialmente ao preto e vermelho, obtendo-se, deste modo, uma grande sobriedade. Os lenços eram usados pelas suas donas nos trajos de festa ou domingueiros, do lado direito da cintura, deixando pender uma das pontas. O lenço, além de decorativo, funcionava também como uma técnica de sedução pois, se a jovem estivesse interessada nalgum rapaz, poderia deixá-lo cair para ele o apanhar. A partir deles vão surgir os Lenços de Namorados tal como hoje os conhecemos: mais populares, confeccionados a partir de um pano de algodão, policromados (o típico colorido do Minho), sobretudo em ponto pé-de-flor ou o ponto de cadeia (muito mais fáceis), com uma decoração menos geométrica e mais variada. A rapariga bordava um lenço para o rapaz de quem gostava e caso o seu conversado (namorado) o aceitasse comprometia-se publicamente e usava-o ao pescoço, no casaco, na aba do chapéu ou até mesmo na ponta do pau que era costume o rapaz trazer consigo. O compromisso entre os dois ficava assumido, com vista a um futuro casamento. Se o rapaz não estava interessado naquela rapariga, devolvia-lhe simplesmente o lenço. Se, no futuro, esse compromisso se viesse a desfazer, o rapaz devolveria o lenço à ex-conversada, bem como as cartas, fotografias e outros objectos pessoais. Embora os símbolos presentes nos lenços possam apontar para a temática das vindimas (a cesta, a escada, o cântaro e o pipo) ou da emigração (o navio, a pomba que transporta uma carta, etc.), o tema do amor está sempre presente quer através da representação de corações quer mesmo da palavra “amor” neles bordada. 1 Ana Maria Mocho
  2. 2. Nestes lenços existe uma linguagem secreta. De entre a grande variedade de símbolos que compõem esta linguagem, destacamos os seguintes: rosa quer dizer mulher, coração é amor, lírios simbolizam a virgindade, cravos vermelhos são sinónimo de provocação, a silva é a prisão amorosa, a pomba e o cão simbolizam a fidelidade, os pombinhos significam os namorados, a estrela de cinco pontas (estrela de Salomão), símbolo utilizado pelo povo contra qualquer maldição ou feitiçaria, pretende resguardar o amor contra qualquer maldição e, finalmente, a cruz, a custódia, o cibório (cálice com tampa, onde se guarda a hóstia consagrada ) e o candelabro, todos símbolos religiosos, representam o acto do casamento. As quadras populares são escritas a várias cores, desempenhando também uma função decorativa. Verifica-se também, que, geralmente, não é respeitada a estrutura e que os versos até podem estar disseminados por todo o lenço. Devido ao reduzido grau de instrução das bordadeiras que por vezes nem sabiam ler ou escrever, limitando-se a copiar as palavras, é natural depararmo-nos com erros ortográficos que denotam uma aproximação à forma fonética do sotaque local. Aqui ficam alguns exemplos dessas quadras de amor: “A pomba leva no bico Dois corações suspendidos Separados um do outro Morrendo por ser unidos "Bai carta feliz buando Nas asas de um rouxinol Bai ber a cara mais linda que neste mundo cobre o sol" 2 Ana Maria Mocho
  3. 3. " Assim como neste lenço Os fios unidos estão Assim esteja a minha alma Unida ao teu curação" "Só tu és meu encanto a minha coce alegria Penso em ti de noite e de dia" "Pombinha levas no bico Um lenço pró meu amor Tu boas e eu por cá fico Cheia de saudade e dor" 3 Ana Maria Mocho
  4. 4. "Bou dizer ao meu amor que sempre o eide amar " "Passarinho "Boute dar este lencinho que cantas neste raminho não digas que to dei Diz ao meu amor porque não tenho dinheiro que le mando um beijinho" e dizem que o tirei" 4 Ana Maria Mocho

×