SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 45
Baixar para ler offline
ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E
CONTÁBIL
 É uma poderosa ferramenta à disposição das pessoas que
se relacionam ou pretendem relacionar-se com a
empresa, ou seja, os usuários da informação contábil ou
financeira sejam eles internos ou externos;
 Permite diagnosticar o empreendimento, revelando os
pontos críticos e permitindo apresentar um esboço das
prioridades para a solução dos problemas;
 Permite uma visão estratégica dos planos da
empresa, bem como estima o seu futuro, suas limitações e
suas potencialidades.
NO QUE CONSISTE AS ANÁLISES DAS DEMONTRAÇÕE
FINANCEIRAS
A análise de balanço constitui-se num processo de mediação
sobre os demonstrativos contábeis, objetivando uma avaliação
da
situação
da
empresa,
em
seus
aspectos
operacionais, econômicos, patrimoniais e financeiros.
A Análise de Balanços objetiva extrair informações das
Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões.
RELATÓRIOS CONTÁBEIS
O Balanço Patrimonial tem como função fornecer um
quadro preciso da contabilidade e situação financeira da
empresa e considerado uma das principais declarações
financeiras de uma empresa e deve ser produzido de maneira
precisa e rigorosa, a fim de auxiliar um Controle do
Patrimônio eficiente.

Inicialmente o balanço patrimonial esta dividido em 02
categorias principais, das quais são classificadas conforme o
grau de liquidez e exigibilidade.
A DRE se destina a evidenciar a formação do resultado
líquido em um exercício, através do confronto
das receitas, custos e resultados, apuradas segundo
o princípio contábil do regime de competência.
A demonstração do resultado do exercício oferece uma
síntese financeira dos resultados operacionais das empresas.

Embora sejam elaboradas anualmente para fins legais de
divulgação, em geral são feitas mensalmente para fins
administrativos e, trimestralmente para fins fiscais.
As analises das demonstrações financeiras são realizadas
através da análise de índices.

Esses índices são relações estabelecida quando se deseja
analisar a situação econômico-financeira de uma entidade, pelo
fato de que a observação e apreciação de certas relações ou
percentuais é mais significativa do que a apreciação de todos os
itens contidos nas demonstrações (Balanço e DRE).
 Análises Horizontal e Vertical;
Índices de Liquidez;
 Índices de Endividamento;
 Indicadores de Rentabilidades;
 Indicadores de Lucratividade;
 Giros
 Ciclos Econômicos e Financeiro;
LIQUIDEZ IMEDIATA
Revela a porcentagem das dividas a curto prazo (circulante)
em condições de serem liquidadas imediamente e normalmente
baixo pelo pouco interesse das empresas em manter recursos
monetários em caixa, ativo operacionalmente de reduzida
rentabilidade .

Fórmula:

Caixa e Equivalentes
Passivo Circulante

Índice de liquidez imediata
LIQUIDEZ CORRENTE

É mais utilizado para avaliar a capacidade de pagamento da
empresa com tal afirmação pode-se concluir que a liquidez
corrente pode pagar suas dividas em curo prazo .
Fórmula:

Ativo Circulante
Passivo Circulante

Índice de liquidez corrente
LIQUIDEZ SECA
Medida mais rigorosa para avaliação da liquidez indica
quando poderá dispor de recursos circulantes, sem vender
seus estoques e sem amortizar as despesas antecipadas.

Se a liquidez seca for igual ou maior que 1 pode-se que a
empresa não depende de vendas de estoques para saldar
seus compromissos de curto prazo.
Fórmula:

Ativo Circulante – Estoque
Passivo Circulante

Liquidez Seca
LIQUIDEZ GERAL
Indica a liquidez econômica em longo prazo que aponta a
empresa possui em dinheiro, bens e direitos realizáveis a
curto e longo prazo é relevante esclarecer,que esses índices
são globais que existe um fator muito a ser
considerado,quando avalia a capacidade de pagamento que é
estrutura de prazos de recebimentos e pagamentos e do ciclo
operacional .
Fórmula:

Ativo Circulante + Realizável a Longo Prazo
Passivo Circulante + Realizável a Longo Prazo

Índice de Liquidez Geral
INDICES DE ENDIVIDAMENTO GERAL(EG)
Mede a proporção dos ativos totais da empresa financiada por
credores.
Fórmula:

Capital de Terceiros x 100
Ativo Total

14.521.000+10.832.700 x 100 =
67.845.400

25.353.700
67.845.400

x 100

37,40%
INDICES DE ENDIVIDAMENTO GERAL(EG)
 Para avaliar o risco da empresa= “quanto maior pior”
Para a empresa pode ocorrer que o endividamento lhe
permita melhor ganho,porem associado ao maior ganho
estará um maior risco;
 Do ponto de vista estritamente financeiro,quanto maior
a relação Capitais de Terceiros/Patrimônio Liquido menor
a liberdade de decisões financeiras da empresa ou maior a
dependência de terceiros;
Do ponto de vista da obtenção de lucro,pode ser
vantajoso para a empresa trabalhar com Capitais de
Terceiros,se a remuneração para esses capitais for menor
do que o lucro conseguido com a sua aplicação nos
negócios;
INDICES DE PARTICIPAÇÃO DE CAPITAIS DE
TERCEIROS
Mede a relação Capital de Terceiros X Capital Próprio,da sua
análise é possível se detectar quanto a empresa tomou de
capitais de terceiros para cada $100 de capital próprio investido
Fórmula:

Capital de Terceiros x 100
Patrimônio Liquido

14.521.000+10.832.700 x 100 =
42.491.700

25.353.700 x 100
42.491.700

59,66%
INDICES DE COMPOSIÇÃO DO ENDIVIDAMENTO(CE)
Este índice tem o objetivo de demonstrar a política adotada
para captação de recursos de terceiros.Pode-se identificar
através desse índice se a empresa concentra seu endividamento
a curto ou a longo prazo.
Fórmula:

Passivo Circulante x 100
Capital de Terceiros

14.521.000 x 100
25.353.00

57,27%

Quanto menor for este índice, melhor, ou seja, é muito
conveniente para a empresa que suas dívidas sejam a longo
prazo,pois assim ela terá mais tempo para buscar ou gerar
recursos para saldá-las.
INDICES DE COBERTURA DE JUROS
Mede a capacidade da empresa para efetuar pagamentos de
Juros contratuais.
Fórmula:

Lucro Operacional
Despesas Financeiras

1.387.900
42.800

3,28

Quanto maior melhor,mas espera-se que ele seja superior a 1.Valores menores
que 1 indicam que a empresa não consegue gerar lucro nem para pagar suas
despesas com juros, caracterizando
uma situação financeira
deteriorada, principalmente se estes números se repetirem por períodos
consecutivos.
IMOBILIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO
Imobilização
do
Patrimônio
Líquido, especificamente, mostra o percentual do
patrimônio líquido que foi aplicado no ativo permanente.

Fórmula:

Imobilizado

Patrimônio L.
16.403.100
42.491.700

x 100 =

x 100 =

0,39%
A IMOBILIZAÇÃO DE RECURSOS NÃO CORRENTES
A
Imobilização
de
Recursos
não
Correntes, especificamente, mostra qual o percentual de
recursos não correntes (Patrimônio Líquido e Passivo Exigível
a Longo Prazo) foi aplicado no ativo permanente.
Fórmula:

Imobilizado
PL + PELP

16.403.100
(42.491.700 + 10.832.700)

x 100

x 100 = 16.403.100
53.324.400

=

0,31%
GARANTIA DE CAPITAL DE TERCEIROS
Consiste no quociente obtido com a divisão do Patrimônio
Líquido por todo o passivo exigível (passivo circulante + passivo
exigível a longo prazo).
Fórmula:

PL_ __
PC + PELP

42.491.700
(14.521.000 + 10.832.700)

=

42.491.700
25.353.700

=

1,67
INDICADORES DE RENTABILIDADE
 Evidenciar o retorno sobre o capital investido;
 Analisar se esses retornos são atrativos ou não;
 Medir o potencial do negócio (empresa);
 Ajudar na hora das decisões com relação ao sistema de
gestão.
Os principais índices de rentabilidade são:
 Rentabilidade/Retorno sobre o ativo – ROA
 Rentabilidade/Retorno sobre o Patrimônio Líquido –
ROE
 Rentabilidade/Retorno sobre os Investimentos - ROI
RENTABILIDADE SOBRE O ATIVO
Indica o quanto à empresa obtém de lucro sobre o ativo. Sua
interpretação é que quanto maior, melhor.
Fórmula:

Lucro Líquido x 100
Ativo Total

1.332.200 x 100
67.845.800

1,96%
RENTABILIDADE SOBRE O PATRIMONIO LÍQUIDO
Indica quanto os acionistas ou proprietários da empresa
obtiveram de retorno em relação a seus investimentos no
empreendimento. A sua interpretação é que quanto
maior, melhor.
Fórmula:

Lucro Líquido x 100
Patrimônio Líquido

1.332.200 x 100
42.492.700

3,14%
RENTABILIDADE SOBRE O INVESTIMENTO
É uma medida que busca avaliar a atividade econômica do
empreendimento, através da qualificação do resultado
operacional produzido pela empresa, independente da forma
como a mesma é financiada.
Fórmula:

Lucro Operacional x 100
Investimentos

5.187.800 x 100
35.100

1.477.891,74%
MARGEM LÍQUIDA
Especificamente, mede o percentual de lucro líquido que a
empresa conseguiu obter em relação ao seu faturamento. Por
lucro líquido entende-se o lucro após a dedução de todas as
despesas, incluindo o imposto de renda.
Fórmula:

Lucro Líquido
Vendas Líquidas

x 100
MARGEM OPERACIONAL
Mede o percentual de lucro que a empresa conseguiu obter em
sua operação depois de descontadas todas as despesas, exceto
o imposto de renda e as despesas não operacionais.

Fórmula:

Resultado Operacional x 100
Receita Líquida
MARGEM EBITDA
É a sigla de “Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and
Amortization”, que significa "Lucros antes de juros, imposto de
renda, depreciação e amortização”, também chamado de
LAJIDA, que representa quanto uma empresa gera de recursos
através de suas atividades operacionais, sem contar impostos e
outros efeitos financeiros.
Fórmula:

EBITIDA
Receita Líquida

x 100
MAREGEM BRUTA
Mede a rentabilidade das vendas, logo após as deduções de
vendas (impostos sobre vendas, devoluções, abatimentos e
descontos incondicionais) e do custo dos produtos vendidos. Este
indicador fornece assim a indicação mais direta de quanto a
empresa está a ganhar como resultado imediato da sua atividade.
Fórmula:

Lucro Bruto
Receita Líquida de Vendas

x 100
GIRO E SEUS PRAZOS MÉDIO

Giro de:
ESTOQUE E PRAZO MÉDIO;
CONTAS A RECEBER E PRAZO MÉDIO;
CONTAS A PAGAR E PRAZO MÉDIO;
PATRIMÔNIO LÍQUIDO
GIRO DO ESTOQUE
Avalia a qualidade do estoque.
Fórmula:

EM=

GE =

PMRE =

PERÍODO BASE + PERÍODO ANTERIOR
02 (dois)
CMV______
EM

90___
GE
Exemplo:

EM = 322.200 + 496.800 = 409.500
2

GE = 3.074.400 = 7,5
409.500

PMRE =

90
7,5

= 12
GIRO DO CONTAS A RECEBER

Avalia a capacidade do ativo em transformar-se em receita.
Fórmula:

MCR = PERÍODO BASE + PERÍODO ANTERIOR
2
GCR = ____LOL____
MCR
PMCR =

90___
GCR
Exemplo:

MCR = 950.400 + 83.200 = 516.800
2
GCR = 8.261.800 = 15,98
516.800
PMRV =

90___ = 5.63
15,98
GIRO DO CONTAS A PAGAR
Avalia o pagamento das obrigações no prazo.
Fórmula:

MCP = PERÍODO BASE + PERÍODO ANTERIOR
2
GCP =
CMV
_
MCP
PMCP = __90__
GCP
Exemplo:

MCP = 3091.300 + 4923.300 = 4007.300
2
GCP = __3074.400__ = 0.76
4004.300
PMCP = __90__ = 128
0.76
GIRO DO PATRIMONIO LÍQUIDO
Avalia a capacidade do ativo ou patrimônio líquido de obter
lucro.

Fórmula:

Exemplo:

GPL = RECEITA LÍQUIDA
PL
GIRO DO ATIVO PERMANENTE
Confronta o ativo permanente com as vendas líquidas. Mede a
eficiência de utilização do ativo permanente na obtenção de
receita. Indica quanto foi vendido para cada unidade monetária
de recursos permanente.
Fórmula:

Vendas Líquidas
Ativo Permanente
GIRO DO ATIVO MÉDIO
Confronta as vendas líquidas com o ativo total médio (logo o
ativo total médio pode ser obtido pela soma do total do ativo do
ano “x” + total do ativo do ano “x-1” dividido por 2), obtido
pela soma do ativo no início do período com o ativo do final do
período. Indica a eficiência de utilização dos recursos totais
médios (ativos de curto e de longo prazo) aplicados para se
obter as vendas. Representa quanto foi vendido para cada
unidade monetária de investimento total médio.
Fórmula:

Ativo Total + Ativo Final
2 (dois)
GIRO DO ATIVO PERMANENTE
Confronta o ativo permanente com as vendas líquidas. Mede a
eficiência de utilização do ativo permanente na obtenção de
receita. Indica quanto foi vendido para cada unidade monetária
de recursos permanente.
Fórmula:

Vendas Líquidas
Ativo Permanente
CICLOS ECONÔMICO, OPERACIONAL E FINANCEIRO

São três:
 Ciclo Econômico
 Ciclo Operacional
 Ciclo Financeiro
CICLO ECONOMICO
Ciclo econômico é o tempo em que a mercadoria permanece
em estoque. Vai desde a aquisição dos produtos até o ato da
venda, não levando em consideração o recebimento das
mesmas (encaixe).
Fórmula:

Exemplo:
CICLO OPERACIONAL
Compreende o período entre a data da compra até o
recebimento de cliente. Caso a empresa trabalhe somente com
vendas á vista, o ciclo operacional tem o mesmo valor do ciclo
econômico.
Fórmula:

Exemplo:
CICLO FINANCEIRO
Também conhecido como Ciclo de caixa é o tempo entre o
pagamento a fornecedores e o recebimento das vendas. Quanto
maior o poder de negociação da empresa com
fornecedores, menor o ciclo financeiro.
Fórmula:

Exemplo:
CONCLUSÃO
O processo de tomada de decisão não lida apenas com aspectos
administrativos, mas, sobretudo com a parte financeira da empresa. Com o
crescimento do empreendimento torna-se cada vez mais necessário que as
empresas busquem ferramentas para ajudar na gestão dos negócios. Uma
ferramenta significativamente importante são os relatórios das demonstrações
financeiras e contábeis. Com eles os gestores financeiros terão em mãos um
instrumento que lhes possibilite obter informações que venham a ajudar na
antecipação de recursos .

Durante o desenvolvimento deste estudo, tornou-se evidente que a relevância da
Análise das Demonstrações Contábeis e Financeira é como ferramenta gerencial e
de auditoria para as entidades, pois, ela propicia aos gestores, por meio de uma
avaliação do passado, tendências para tomadas de decisões com relação ao futuro.
Daí a convincente importância dos responsáveis pelas decisões nas empresas
terem conhecimento das Demonstrações Financeiras e Contábeis e sua
análise, para que sejam determinados os corretos investimentos e
financiamentos, visando maximizar o patrimônio dos sócios.
TRABALHO APRESENTADO A FALC – FACULDADE DA
ALDEIA DE CARAPICUÍBA
Na data de 22/10/2013
Integrantes: GENÉSIO CANUTO
ISABEL CRISTINA DE CASTILHO
JOÃO AGRIPINO LEANDRO JUNIOR
KATILENA SILVA ANDRADE
LUCIANA APARECIDA SOARES
MARCIO VENTURA
TÂNIA NASCIMENTO GOMES DA SILVA
TIAGO SANTOS RODRIGUES

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução à Contabilidade
Introdução à ContabilidadeIntrodução à Contabilidade
Introdução à ContabilidadeEliseu Fortolan
 
Analise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeirasAnalise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeirasbelyalmeida
 
Slides Introdução à Contabilidade
Slides  Introdução à ContabilidadeSlides  Introdução à Contabilidade
Slides Introdução à ContabilidadeAna Paula Bevilacqua
 
Aula Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012
Aula   Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012Aula   Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012
Aula Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012Rafael Gonçalves
 
Administração Financeira
Administração FinanceiraAdministração Financeira
Administração Financeiraelliando dias
 
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Rafael Gonçalves
 
CONTAS A PAGAR E RECEBER
CONTAS A PAGAR E RECEBERCONTAS A PAGAR E RECEBER
CONTAS A PAGAR E RECEBEREdno Santos
 
Demonstrações contábeis e sua análise
Demonstrações contábeis e sua análiseDemonstrações contábeis e sua análise
Demonstrações contábeis e sua análisesmalheiros
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosDiego Lopes
 
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para ConcursosMilton Henrique do Couto Neto
 
Demonstrações financeiras
Demonstrações financeirasDemonstrações financeiras
Demonstrações financeirasCIRINEU COSTA
 
Administração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentáriaAdministração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentáriaTadeu Mendes
 
Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional
Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional
Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional MestredaContabilidade
 

Mais procurados (20)

Introdução à Contabilidade
Introdução à ContabilidadeIntrodução à Contabilidade
Introdução à Contabilidade
 
DRE
DREDRE
DRE
 
Palestra capital de giro
Palestra capital de giroPalestra capital de giro
Palestra capital de giro
 
Contabilidade comercial
Contabilidade comercialContabilidade comercial
Contabilidade comercial
 
Analise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeirasAnalise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeiras
 
Slides Introdução à Contabilidade
Slides  Introdução à ContabilidadeSlides  Introdução à Contabilidade
Slides Introdução à Contabilidade
 
Capital De Giro
Capital De GiroCapital De Giro
Capital De Giro
 
Inventários
InventáriosInventários
Inventários
 
Aula Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012
Aula   Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012Aula   Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012
Aula Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012
 
Administração Financeira
Administração FinanceiraAdministração Financeira
Administração Financeira
 
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
 
CONTAS A PAGAR E RECEBER
CONTAS A PAGAR E RECEBERCONTAS A PAGAR E RECEBER
CONTAS A PAGAR E RECEBER
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
 
Demonstrações contábeis e sua análise
Demonstrações contábeis e sua análiseDemonstrações contábeis e sua análise
Demonstrações contábeis e sua análise
 
Contabilidade Basica
Contabilidade BasicaContabilidade Basica
Contabilidade Basica
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
 
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
 
Demonstrações financeiras
Demonstrações financeirasDemonstrações financeiras
Demonstrações financeiras
 
Administração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentáriaAdministração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentária
 
Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional
Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional
Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional
 

Destaque

Analise De DemonstraçõEs Financeiras
Analise De DemonstraçõEs FinanceirasAnalise De DemonstraçõEs Financeiras
Analise De DemonstraçõEs Financeirasadmfape
 
Analise demonstracoes financeira_aula05
Analise demonstracoes financeira_aula05Analise demonstracoes financeira_aula05
Analise demonstracoes financeira_aula05contacontabil
 
Modelo de demonstrações contábeis NBC TG 1000
Modelo de demonstrações contábeis   NBC TG 1000Modelo de demonstrações contábeis   NBC TG 1000
Modelo de demonstrações contábeis NBC TG 1000Renata Santana Santos
 
Balancos analise financeira
Balancos analise financeiraBalancos analise financeira
Balancos analise financeiraadmcontabil
 
Caderno - Análise Financeira
Caderno - Análise FinanceiraCaderno - Análise Financeira
Caderno - Análise FinanceiraCadernos PPT
 
Estrutura das dem contabeis aula 1
Estrutura das dem contabeis   aula 1Estrutura das dem contabeis   aula 1
Estrutura das dem contabeis aula 1joseesade
 
Analise vertical e horizontal
Analise vertical e horizontalAnalise vertical e horizontal
Analise vertical e horizontaladmcontabil
 
Introdução à Análise de Balanços
Introdução à Análise de BalançosIntrodução à Análise de Balanços
Introdução à Análise de BalançosMartinho Doce
 
Análise Económica - Conceitos e Exercícios Resolvidos
Análise Económica - Conceitos e Exercícios ResolvidosAnálise Económica - Conceitos e Exercícios Resolvidos
Análise Económica - Conceitos e Exercícios ResolvidosLuís Carlos Cardoso
 
Estrutura da demonstra das demonstracoes financeiras respostas exercicios
Estrutura da demonstra das demonstracoes financeiras   respostas exerciciosEstrutura da demonstra das demonstracoes financeiras   respostas exercicios
Estrutura da demonstra das demonstracoes financeiras respostas exerciciosClaudio Parra
 
Exercicio análise
Exercicio análiseExercicio análise
Exercicio análisevaniasiquei
 

Destaque (12)

Analise De DemonstraçõEs Financeiras
Analise De DemonstraçõEs FinanceirasAnalise De DemonstraçõEs Financeiras
Analise De DemonstraçõEs Financeiras
 
Analise demonstracoes financeira_aula05
Analise demonstracoes financeira_aula05Analise demonstracoes financeira_aula05
Analise demonstracoes financeira_aula05
 
Modelo de demonstrações contábeis NBC TG 1000
Modelo de demonstrações contábeis   NBC TG 1000Modelo de demonstrações contábeis   NBC TG 1000
Modelo de demonstrações contábeis NBC TG 1000
 
Análise de Balanços
Análise de BalançosAnálise de Balanços
Análise de Balanços
 
Balancos analise financeira
Balancos analise financeiraBalancos analise financeira
Balancos analise financeira
 
Caderno - Análise Financeira
Caderno - Análise FinanceiraCaderno - Análise Financeira
Caderno - Análise Financeira
 
Estrutura das dem contabeis aula 1
Estrutura das dem contabeis   aula 1Estrutura das dem contabeis   aula 1
Estrutura das dem contabeis aula 1
 
Analise vertical e horizontal
Analise vertical e horizontalAnalise vertical e horizontal
Analise vertical e horizontal
 
Introdução à Análise de Balanços
Introdução à Análise de BalançosIntrodução à Análise de Balanços
Introdução à Análise de Balanços
 
Análise Económica - Conceitos e Exercícios Resolvidos
Análise Económica - Conceitos e Exercícios ResolvidosAnálise Económica - Conceitos e Exercícios Resolvidos
Análise Económica - Conceitos e Exercícios Resolvidos
 
Estrutura da demonstra das demonstracoes financeiras respostas exercicios
Estrutura da demonstra das demonstracoes financeiras   respostas exerciciosEstrutura da demonstra das demonstracoes financeiras   respostas exercicios
Estrutura da demonstra das demonstracoes financeiras respostas exercicios
 
Exercicio análise
Exercicio análiseExercicio análise
Exercicio análise
 

Semelhante a Análise completa das demonstrações financeiras

Eng. economica análise de custo, volume, lucro e formação de preço
Eng. economica   análise de custo, volume, lucro e formação de preçoEng. economica   análise de custo, volume, lucro e formação de preço
Eng. economica análise de custo, volume, lucro e formação de preçoPaulo Ricardo Matos
 
Indicadores financeiros (2)( apenas para estudo e consultas(sem valor para av...
Indicadores financeiros (2)( apenas para estudo e consultas(sem valor para av...Indicadores financeiros (2)( apenas para estudo e consultas(sem valor para av...
Indicadores financeiros (2)( apenas para estudo e consultas(sem valor para av...CEZAR MACHADO
 
Aula14 analisedeindices
Aula14 analisedeindicesAula14 analisedeindices
Aula14 analisedeindicesfontouramail
 
Plano de negócios aula 11
Plano de negócios aula 11Plano de negócios aula 11
Plano de negócios aula 11Allyne Keyth
 
Conhece os indicadores de gestão fundamentais para a sua empresa?
Conhece os indicadores de gestão fundamentais para a sua empresa?Conhece os indicadores de gestão fundamentais para a sua empresa?
Conhece os indicadores de gestão fundamentais para a sua empresa?UWU Solutions, Lda.
 
Planejamento financeiro (2)
Planejamento financeiro (2)Planejamento financeiro (2)
Planejamento financeiro (2)Fernando Moura
 
A rendabilidade da empresa
A rendabilidade da empresaA rendabilidade da empresa
A rendabilidade da empresabelchio01
 
Ebitda edson jales
Ebitda edson jalesEbitda edson jales
Ebitda edson jalesEdson Jales
 
Administração financeira apostila
Administração financeira   apostilaAdministração financeira   apostila
Administração financeira apostilaRenan Miranda
 
Gestão financeira
Gestão financeiraGestão financeira
Gestão financeirajjjdiscovery
 

Semelhante a Análise completa das demonstrações financeiras (20)

Principais rácios da rendibilidade
Principais rácios da rendibilidadePrincipais rácios da rendibilidade
Principais rácios da rendibilidade
 
RáCios Financeiros
RáCios FinanceirosRáCios Financeiros
RáCios Financeiros
 
Eng. economica análise de custo, volume, lucro e formação de preço
Eng. economica   análise de custo, volume, lucro e formação de preçoEng. economica   análise de custo, volume, lucro e formação de preço
Eng. economica análise de custo, volume, lucro e formação de preço
 
Indicadores financeiros (2)( apenas para estudo e consultas(sem valor para av...
Indicadores financeiros (2)( apenas para estudo e consultas(sem valor para av...Indicadores financeiros (2)( apenas para estudo e consultas(sem valor para av...
Indicadores financeiros (2)( apenas para estudo e consultas(sem valor para av...
 
Rácios financeiros e económicos
Rácios financeiros e económicosRácios financeiros e económicos
Rácios financeiros e económicos
 
Aula14 analisedeindices
Aula14 analisedeindicesAula14 analisedeindices
Aula14 analisedeindices
 
Plano de negócios aula 11
Plano de negócios aula 11Plano de negócios aula 11
Plano de negócios aula 11
 
A AnáLise Financeira
A AnáLise FinanceiraA AnáLise Financeira
A AnáLise Financeira
 
Conhece os indicadores de gestão fundamentais para a sua empresa?
Conhece os indicadores de gestão fundamentais para a sua empresa?Conhece os indicadores de gestão fundamentais para a sua empresa?
Conhece os indicadores de gestão fundamentais para a sua empresa?
 
Indicadores econômico passo 3
Indicadores econômico passo 3Indicadores econômico passo 3
Indicadores econômico passo 3
 
Racios financeiros e economicos
Racios financeiros e economicosRacios financeiros e economicos
Racios financeiros e economicos
 
Planejamento financeiro (2)
Planejamento financeiro (2)Planejamento financeiro (2)
Planejamento financeiro (2)
 
A rendabilidade da empresa
A rendabilidade da empresaA rendabilidade da empresa
A rendabilidade da empresa
 
AULA 07 - 20NOV2019.ppt
AULA 07 - 20NOV2019.pptAULA 07 - 20NOV2019.ppt
AULA 07 - 20NOV2019.ppt
 
Ebitda edson jales
Ebitda edson jalesEbitda edson jales
Ebitda edson jales
 
Administração financeira apostila
Administração financeira   apostilaAdministração financeira   apostila
Administração financeira apostila
 
13.gest o_financeira
13.gest  o_financeira13.gest  o_financeira
13.gest o_financeira
 
Gestão financeira
Gestão financeiraGestão financeira
Gestão financeira
 
Análise financeira
Análise financeiraAnálise financeira
Análise financeira
 
Discursivas
DiscursivasDiscursivas
Discursivas
 

Análise completa das demonstrações financeiras

  • 1.
  • 2. ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E CONTÁBIL  É uma poderosa ferramenta à disposição das pessoas que se relacionam ou pretendem relacionar-se com a empresa, ou seja, os usuários da informação contábil ou financeira sejam eles internos ou externos;  Permite diagnosticar o empreendimento, revelando os pontos críticos e permitindo apresentar um esboço das prioridades para a solução dos problemas;  Permite uma visão estratégica dos planos da empresa, bem como estima o seu futuro, suas limitações e suas potencialidades.
  • 3. NO QUE CONSISTE AS ANÁLISES DAS DEMONTRAÇÕE FINANCEIRAS A análise de balanço constitui-se num processo de mediação sobre os demonstrativos contábeis, objetivando uma avaliação da situação da empresa, em seus aspectos operacionais, econômicos, patrimoniais e financeiros. A Análise de Balanços objetiva extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões.
  • 4. RELATÓRIOS CONTÁBEIS O Balanço Patrimonial tem como função fornecer um quadro preciso da contabilidade e situação financeira da empresa e considerado uma das principais declarações financeiras de uma empresa e deve ser produzido de maneira precisa e rigorosa, a fim de auxiliar um Controle do Patrimônio eficiente. Inicialmente o balanço patrimonial esta dividido em 02 categorias principais, das quais são classificadas conforme o grau de liquidez e exigibilidade.
  • 5.
  • 6. A DRE se destina a evidenciar a formação do resultado líquido em um exercício, através do confronto das receitas, custos e resultados, apuradas segundo o princípio contábil do regime de competência. A demonstração do resultado do exercício oferece uma síntese financeira dos resultados operacionais das empresas. Embora sejam elaboradas anualmente para fins legais de divulgação, em geral são feitas mensalmente para fins administrativos e, trimestralmente para fins fiscais.
  • 7.
  • 8. As analises das demonstrações financeiras são realizadas através da análise de índices. Esses índices são relações estabelecida quando se deseja analisar a situação econômico-financeira de uma entidade, pelo fato de que a observação e apreciação de certas relações ou percentuais é mais significativa do que a apreciação de todos os itens contidos nas demonstrações (Balanço e DRE).  Análises Horizontal e Vertical; Índices de Liquidez;  Índices de Endividamento;  Indicadores de Rentabilidades;  Indicadores de Lucratividade;  Giros  Ciclos Econômicos e Financeiro;
  • 9. LIQUIDEZ IMEDIATA Revela a porcentagem das dividas a curto prazo (circulante) em condições de serem liquidadas imediamente e normalmente baixo pelo pouco interesse das empresas em manter recursos monetários em caixa, ativo operacionalmente de reduzida rentabilidade . Fórmula: Caixa e Equivalentes Passivo Circulante Índice de liquidez imediata
  • 10. LIQUIDEZ CORRENTE É mais utilizado para avaliar a capacidade de pagamento da empresa com tal afirmação pode-se concluir que a liquidez corrente pode pagar suas dividas em curo prazo . Fórmula: Ativo Circulante Passivo Circulante Índice de liquidez corrente
  • 11. LIQUIDEZ SECA Medida mais rigorosa para avaliação da liquidez indica quando poderá dispor de recursos circulantes, sem vender seus estoques e sem amortizar as despesas antecipadas. Se a liquidez seca for igual ou maior que 1 pode-se que a empresa não depende de vendas de estoques para saldar seus compromissos de curto prazo. Fórmula: Ativo Circulante – Estoque Passivo Circulante Liquidez Seca
  • 12. LIQUIDEZ GERAL Indica a liquidez econômica em longo prazo que aponta a empresa possui em dinheiro, bens e direitos realizáveis a curto e longo prazo é relevante esclarecer,que esses índices são globais que existe um fator muito a ser considerado,quando avalia a capacidade de pagamento que é estrutura de prazos de recebimentos e pagamentos e do ciclo operacional . Fórmula: Ativo Circulante + Realizável a Longo Prazo Passivo Circulante + Realizável a Longo Prazo Índice de Liquidez Geral
  • 13. INDICES DE ENDIVIDAMENTO GERAL(EG) Mede a proporção dos ativos totais da empresa financiada por credores. Fórmula: Capital de Terceiros x 100 Ativo Total 14.521.000+10.832.700 x 100 = 67.845.400 25.353.700 67.845.400 x 100 37,40%
  • 14. INDICES DE ENDIVIDAMENTO GERAL(EG)  Para avaliar o risco da empresa= “quanto maior pior” Para a empresa pode ocorrer que o endividamento lhe permita melhor ganho,porem associado ao maior ganho estará um maior risco;  Do ponto de vista estritamente financeiro,quanto maior a relação Capitais de Terceiros/Patrimônio Liquido menor a liberdade de decisões financeiras da empresa ou maior a dependência de terceiros; Do ponto de vista da obtenção de lucro,pode ser vantajoso para a empresa trabalhar com Capitais de Terceiros,se a remuneração para esses capitais for menor do que o lucro conseguido com a sua aplicação nos negócios;
  • 15. INDICES DE PARTICIPAÇÃO DE CAPITAIS DE TERCEIROS Mede a relação Capital de Terceiros X Capital Próprio,da sua análise é possível se detectar quanto a empresa tomou de capitais de terceiros para cada $100 de capital próprio investido Fórmula: Capital de Terceiros x 100 Patrimônio Liquido 14.521.000+10.832.700 x 100 = 42.491.700 25.353.700 x 100 42.491.700 59,66%
  • 16. INDICES DE COMPOSIÇÃO DO ENDIVIDAMENTO(CE) Este índice tem o objetivo de demonstrar a política adotada para captação de recursos de terceiros.Pode-se identificar através desse índice se a empresa concentra seu endividamento a curto ou a longo prazo. Fórmula: Passivo Circulante x 100 Capital de Terceiros 14.521.000 x 100 25.353.00 57,27% Quanto menor for este índice, melhor, ou seja, é muito conveniente para a empresa que suas dívidas sejam a longo prazo,pois assim ela terá mais tempo para buscar ou gerar recursos para saldá-las.
  • 17. INDICES DE COBERTURA DE JUROS Mede a capacidade da empresa para efetuar pagamentos de Juros contratuais. Fórmula: Lucro Operacional Despesas Financeiras 1.387.900 42.800 3,28 Quanto maior melhor,mas espera-se que ele seja superior a 1.Valores menores que 1 indicam que a empresa não consegue gerar lucro nem para pagar suas despesas com juros, caracterizando uma situação financeira deteriorada, principalmente se estes números se repetirem por períodos consecutivos.
  • 18. IMOBILIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Imobilização do Patrimônio Líquido, especificamente, mostra o percentual do patrimônio líquido que foi aplicado no ativo permanente. Fórmula: Imobilizado Patrimônio L. 16.403.100 42.491.700 x 100 = x 100 = 0,39%
  • 19. A IMOBILIZAÇÃO DE RECURSOS NÃO CORRENTES A Imobilização de Recursos não Correntes, especificamente, mostra qual o percentual de recursos não correntes (Patrimônio Líquido e Passivo Exigível a Longo Prazo) foi aplicado no ativo permanente. Fórmula: Imobilizado PL + PELP 16.403.100 (42.491.700 + 10.832.700) x 100 x 100 = 16.403.100 53.324.400 = 0,31%
  • 20. GARANTIA DE CAPITAL DE TERCEIROS Consiste no quociente obtido com a divisão do Patrimônio Líquido por todo o passivo exigível (passivo circulante + passivo exigível a longo prazo). Fórmula: PL_ __ PC + PELP 42.491.700 (14.521.000 + 10.832.700) = 42.491.700 25.353.700 = 1,67
  • 21. INDICADORES DE RENTABILIDADE  Evidenciar o retorno sobre o capital investido;  Analisar se esses retornos são atrativos ou não;  Medir o potencial do negócio (empresa);  Ajudar na hora das decisões com relação ao sistema de gestão. Os principais índices de rentabilidade são:  Rentabilidade/Retorno sobre o ativo – ROA  Rentabilidade/Retorno sobre o Patrimônio Líquido – ROE  Rentabilidade/Retorno sobre os Investimentos - ROI
  • 22. RENTABILIDADE SOBRE O ATIVO Indica o quanto à empresa obtém de lucro sobre o ativo. Sua interpretação é que quanto maior, melhor. Fórmula: Lucro Líquido x 100 Ativo Total 1.332.200 x 100 67.845.800 1,96%
  • 23. RENTABILIDADE SOBRE O PATRIMONIO LÍQUIDO Indica quanto os acionistas ou proprietários da empresa obtiveram de retorno em relação a seus investimentos no empreendimento. A sua interpretação é que quanto maior, melhor. Fórmula: Lucro Líquido x 100 Patrimônio Líquido 1.332.200 x 100 42.492.700 3,14%
  • 24. RENTABILIDADE SOBRE O INVESTIMENTO É uma medida que busca avaliar a atividade econômica do empreendimento, através da qualificação do resultado operacional produzido pela empresa, independente da forma como a mesma é financiada. Fórmula: Lucro Operacional x 100 Investimentos 5.187.800 x 100 35.100 1.477.891,74%
  • 25. MARGEM LÍQUIDA Especificamente, mede o percentual de lucro líquido que a empresa conseguiu obter em relação ao seu faturamento. Por lucro líquido entende-se o lucro após a dedução de todas as despesas, incluindo o imposto de renda. Fórmula: Lucro Líquido Vendas Líquidas x 100
  • 26. MARGEM OPERACIONAL Mede o percentual de lucro que a empresa conseguiu obter em sua operação depois de descontadas todas as despesas, exceto o imposto de renda e as despesas não operacionais. Fórmula: Resultado Operacional x 100 Receita Líquida
  • 27. MARGEM EBITDA É a sigla de “Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization”, que significa "Lucros antes de juros, imposto de renda, depreciação e amortização”, também chamado de LAJIDA, que representa quanto uma empresa gera de recursos através de suas atividades operacionais, sem contar impostos e outros efeitos financeiros. Fórmula: EBITIDA Receita Líquida x 100
  • 28. MAREGEM BRUTA Mede a rentabilidade das vendas, logo após as deduções de vendas (impostos sobre vendas, devoluções, abatimentos e descontos incondicionais) e do custo dos produtos vendidos. Este indicador fornece assim a indicação mais direta de quanto a empresa está a ganhar como resultado imediato da sua atividade. Fórmula: Lucro Bruto Receita Líquida de Vendas x 100
  • 29. GIRO E SEUS PRAZOS MÉDIO Giro de: ESTOQUE E PRAZO MÉDIO; CONTAS A RECEBER E PRAZO MÉDIO; CONTAS A PAGAR E PRAZO MÉDIO; PATRIMÔNIO LÍQUIDO
  • 30. GIRO DO ESTOQUE Avalia a qualidade do estoque. Fórmula: EM= GE = PMRE = PERÍODO BASE + PERÍODO ANTERIOR 02 (dois) CMV______ EM 90___ GE
  • 31. Exemplo: EM = 322.200 + 496.800 = 409.500 2 GE = 3.074.400 = 7,5 409.500 PMRE = 90 7,5 = 12
  • 32. GIRO DO CONTAS A RECEBER Avalia a capacidade do ativo em transformar-se em receita. Fórmula: MCR = PERÍODO BASE + PERÍODO ANTERIOR 2 GCR = ____LOL____ MCR PMCR = 90___ GCR
  • 33. Exemplo: MCR = 950.400 + 83.200 = 516.800 2 GCR = 8.261.800 = 15,98 516.800 PMRV = 90___ = 5.63 15,98
  • 34. GIRO DO CONTAS A PAGAR Avalia o pagamento das obrigações no prazo. Fórmula: MCP = PERÍODO BASE + PERÍODO ANTERIOR 2 GCP = CMV _ MCP PMCP = __90__ GCP
  • 35. Exemplo: MCP = 3091.300 + 4923.300 = 4007.300 2 GCP = __3074.400__ = 0.76 4004.300 PMCP = __90__ = 128 0.76
  • 36. GIRO DO PATRIMONIO LÍQUIDO Avalia a capacidade do ativo ou patrimônio líquido de obter lucro. Fórmula: Exemplo: GPL = RECEITA LÍQUIDA PL
  • 37. GIRO DO ATIVO PERMANENTE Confronta o ativo permanente com as vendas líquidas. Mede a eficiência de utilização do ativo permanente na obtenção de receita. Indica quanto foi vendido para cada unidade monetária de recursos permanente. Fórmula: Vendas Líquidas Ativo Permanente
  • 38. GIRO DO ATIVO MÉDIO Confronta as vendas líquidas com o ativo total médio (logo o ativo total médio pode ser obtido pela soma do total do ativo do ano “x” + total do ativo do ano “x-1” dividido por 2), obtido pela soma do ativo no início do período com o ativo do final do período. Indica a eficiência de utilização dos recursos totais médios (ativos de curto e de longo prazo) aplicados para se obter as vendas. Representa quanto foi vendido para cada unidade monetária de investimento total médio. Fórmula: Ativo Total + Ativo Final 2 (dois)
  • 39. GIRO DO ATIVO PERMANENTE Confronta o ativo permanente com as vendas líquidas. Mede a eficiência de utilização do ativo permanente na obtenção de receita. Indica quanto foi vendido para cada unidade monetária de recursos permanente. Fórmula: Vendas Líquidas Ativo Permanente
  • 40. CICLOS ECONÔMICO, OPERACIONAL E FINANCEIRO São três:  Ciclo Econômico  Ciclo Operacional  Ciclo Financeiro
  • 41. CICLO ECONOMICO Ciclo econômico é o tempo em que a mercadoria permanece em estoque. Vai desde a aquisição dos produtos até o ato da venda, não levando em consideração o recebimento das mesmas (encaixe). Fórmula: Exemplo:
  • 42. CICLO OPERACIONAL Compreende o período entre a data da compra até o recebimento de cliente. Caso a empresa trabalhe somente com vendas á vista, o ciclo operacional tem o mesmo valor do ciclo econômico. Fórmula: Exemplo:
  • 43. CICLO FINANCEIRO Também conhecido como Ciclo de caixa é o tempo entre o pagamento a fornecedores e o recebimento das vendas. Quanto maior o poder de negociação da empresa com fornecedores, menor o ciclo financeiro. Fórmula: Exemplo:
  • 44. CONCLUSÃO O processo de tomada de decisão não lida apenas com aspectos administrativos, mas, sobretudo com a parte financeira da empresa. Com o crescimento do empreendimento torna-se cada vez mais necessário que as empresas busquem ferramentas para ajudar na gestão dos negócios. Uma ferramenta significativamente importante são os relatórios das demonstrações financeiras e contábeis. Com eles os gestores financeiros terão em mãos um instrumento que lhes possibilite obter informações que venham a ajudar na antecipação de recursos . Durante o desenvolvimento deste estudo, tornou-se evidente que a relevância da Análise das Demonstrações Contábeis e Financeira é como ferramenta gerencial e de auditoria para as entidades, pois, ela propicia aos gestores, por meio de uma avaliação do passado, tendências para tomadas de decisões com relação ao futuro. Daí a convincente importância dos responsáveis pelas decisões nas empresas terem conhecimento das Demonstrações Financeiras e Contábeis e sua análise, para que sejam determinados os corretos investimentos e financiamentos, visando maximizar o patrimônio dos sócios.
  • 45. TRABALHO APRESENTADO A FALC – FACULDADE DA ALDEIA DE CARAPICUÍBA Na data de 22/10/2013 Integrantes: GENÉSIO CANUTO ISABEL CRISTINA DE CASTILHO JOÃO AGRIPINO LEANDRO JUNIOR KATILENA SILVA ANDRADE LUCIANA APARECIDA SOARES MARCIO VENTURA TÂNIA NASCIMENTO GOMES DA SILVA TIAGO SANTOS RODRIGUES