O desenvolvimento da fé dos
professores de Ensino Religioso e
sua influência na ação pedagógica
segundo James Fowler

Ir. ...
OBJETIVO GERAL
Identificar o desenvolvimento
da fé dos professores de Ensino
Religioso e sua influência na ação
pedagógica...
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Identificar os diferentes saberes dos
professores de Ensino Religioso;

Compreender o desenvolviment...
Referencial Teórico
Tardif (2002) que aponta os diferentes
saberes dos docentes adquiridos no
percurso
da
história
e
traje...
1ª. Parte
TARDIF (2008)

Várias são as concepções que fundamentam a
ação e os saberes dos professores;
Diversos são os sab...
Referencial Teórico
Os resultados obtidos nas pesquisas (Lessard & Tardif, 1996 e
2002) demarcam a importância da história...
Referencial Teórico- Tardif 2008
Saberes dos professores
Saberes pessoais dos
professores.
Saberes provenientes da
formaçã...
“O Ensino envolve sentimentos, emoções.
Daí a necessidade de conhecer e
compreender
motivações,
interesses,
necessidades d...
“É muito difícil educar um
indivíduo sem influenciá-lo; no
limite diríamos que é
impossível, (...)
o educador corre sempre...
“Os educadores precisam
compreender que ajudar as
pessoas a se tornarem pessoas
é muito mais importante do que
ajudá-las a...
2ª. Parte

“É preciso que sejam criadas
oportunidades para favorecer o professor
no que diz respeito ao desenvolvimento de...
ESTÁGIOS DA FÉ

2ª. Parte

(Fowler 1992)

Pré- Estágio: Fé Indiferenciada
(0 a 2/3 anos)
Estágio 1: Fé Intuitivo-Projetiva...
ESTÁGIOS DA FÉ
(Fowler 1992)

2ª. Parte

Estágio 3: Fé Sintético- Convencional
(11/12 a 17/18 anos)
Estágio 4: Fé Indutivo...
FÉ - RELAÇÕES - SENTIDO DA VIDA
“O conhecimento de Deus é, antes, um
encontro com os pais. A criança constrói,
aos poucos,...
ESTÁGIOS DA FÉ

(Fowler 1992)

Pré- Estágio: Fé Indiferenciada (0 a 2/3 anos)
 Não há nenhuma relação com um outro
transc...
Estágio 1: Fé Intuitivo-Projetiva
(3/4 a 7/8 anos)
Inicia- se com o pensamento e a linguagem.
Qualidade dos relacionamen...
Estágio 1: Fé Intuitivo-Projetiva
(3/4 a 7/8 anos)
 Construção da imagem de Deus,

desenvolve a fé de acordo com os
conce...
Estágio 2: Fé Mítico- Literal
(7/8 a 11/12 anos)
Tende a investigar e testar os ensinamento dos
adultos e fala sobre sua p...
Estágio 2: Fé Mítico- Literal
(7/8 a 11/12 anos)
 Assume-se a crença, as histórias e narrativas

do grupo.
O
desenvolvim...
Estágio 2: Fé Mítico- Literal
(7/8 a 11/12 anos)

Identificação com o grupo, com a

comunidade a qual pertence.
Cumprime...
Estágio 2: Fé Mítico- Literal
(7/8 a 11/12 anos)
 A fé mítico literal proporciona um suporte lúdico e criativo

diante da...
Estágio 2: Fé Mítico- Literal
(7/8 a 11/12 anos)
Relação com o TranscendenteDeus ganha uma conotação maior, está
mais próx...
Estágio 2: Fé Mítico- Literal
(7/8 a 11/12 anos)
 Não conseguem tomar distância do fluxo

das histórias e formular seus p...
Estágio 3: Fé Sintético- Convencional
(11/12 a 17/18 anos)

Transformação física, confusão, rebeldia,
vazio, ansiedade.
...
Estágio 3: Fé Sintético- Convencional
(11/12 a 17/18 anos)

Busca do “Eu próprio”;
(namoricos), profissão.

escolha do pa...
Estágio 3: Fé Sintético- Convencional
(11/12 a 17/18 anos)

Inicia-se a formação, a noção de divisão e o

contato com o t...
Estágio 3: Fé Sintético- Convencional
(11/12 a 17/18 anos)
Busca

de um relacionamento mais
pessoal com Deus, em uma pers...
Estágio 4: Fé Indutivo-Reflexiva
(17/18-35/40 anos)
A fé é + autônoma: demanda decisões que

contribuirão para o equilíbr...
Estágio 4: Fé Indutivo-Reflexiva
(17/18-35/40 anos)

“Sair de casa”, universidade, serviço
militar dentre outros, o que oc...
Estágio 4: Fé Indutivo-Reflexiva
(17/18-35/40 anos)

Os sustentáculos da crises na fé indutivoreflexiva pode ser nutrido ...
Estágio 5: Fé Conjuntiva
(após 35/40 anos)
 Os significados da fé vão além do que pode
ser racionalmente afirmado; síntes...
Estágio 5: Fé Conjuntiva
(após 35/40 anos)
Acredita que Deus está presente em outras
pessoas e que essas podem ensiná-la ...
Estágio 5: Fé Conjuntiva
(após 35/40 anos)
Se as normas não atendem aos

princípios éticos universais da
liberdade, da ju...
Estágio 6: Fé Universalizante
(meia idade e depois)
 Entregam-se

totalmente a uma causa.

 Transformam a realidade atua...
Estágio 6: Fé Universalizante
(meia idade e depois)
 O princípio fundamental é o ser.
Amam a vida e a preservam, porém n...
Estágio 6: Fé Universalizante
(meia idade e depois)
Sabem dialogar com o diferente, buscam ações

em prol da justiça, éti...
Estágio 6: Fé Universalizante
CONSIDERAÇÕES FINAIS
O saber é adquirido em várias fontes, antes
mesmo de exercer sua profissão como
educador.
É somente s...
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Conhecer a si mesmo e seu processo para depois
compreender o caminho do outro e seu crescimento
human...
CONSIDERAÇÕES FINAIS
É importante incentivar novos ensaios diante da
realidade em que se encontra o Ensino Religioso
em no...
REFERÊNCIAS
DUSKA, Ronald., WHELAN, Mariellen. O desenvolvimento moral na
idade evolutiva: um guia a Piaget e Kohlberg. Sã...
REFERÊNCIAS
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. 9. ed. Rio de Janeiro: Paz
e Terra, 1998.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da a...
REFERÊNCIAS
MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o
pensamento.4. ed.Trad. Eloá Jacobina. - Rio d...
“A fé em Deus nos faz crer no incrível,
ver o invisível e realizar o impossível.”
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Desenvolvimento da fé

1.885 visualizações

Publicada em

Material produzido por Ir. Ivani Ravasoli, ascj.

Publicada em: Educação
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.885
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
66
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Desenvolvimento da fé

  1. 1. O desenvolvimento da fé dos professores de Ensino Religioso e sua influência na ação pedagógica segundo James Fowler Ir. Ivani Ravasoli
  2. 2. OBJETIVO GERAL Identificar o desenvolvimento da fé dos professores de Ensino Religioso e sua influência na ação pedagógica.
  3. 3. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Identificar os diferentes saberes dos professores de Ensino Religioso; Compreender o desenvolvimento da fé dos mesmos; Perceber a influência da fé na ação pedagógica dos professores de Ensino Religioso.
  4. 4. Referencial Teórico Tardif (2002) que aponta os diferentes saberes dos docentes adquiridos no percurso da história e trajetória profissional, afirmando que por meio desses, é modelado o perfil do educador; e James W. Fowler (1992) que apresenta seis estágios do desenvolvimento da fé baseando-se nos estudos de Piaget (1983), Kohlberg (1958), Erikson (1976).
  5. 5. 1ª. Parte TARDIF (2008) Várias são as concepções que fundamentam a ação e os saberes dos professores; Diversos são os saberes adquiridos pelos professores; O saber é produzido socialmente, incorporados à prática docente; Repensar a teoria e a prática; Formação de professores e consequências políticas.
  6. 6. Referencial Teórico Os resultados obtidos nas pesquisas (Lessard & Tardif, 1996 e 2002) demarcam a importância da história de vida dos professores, em particular, a de sua socialização escolar, tanto no que diz respeito à escolha da carreira e ao estilo de ensino, quanto à relação afetiva e personalizada no trabalho... O tempo de aprendizagem do trabalho não se limita à duração da vida profissional, mas inclui também a existência pessoal dos professores, os quais, de certo modo, aprenderam seu ofício antes de iniciálo... outros optaram pela profissão por influências do ambiente familiar, por terem contato com pessoas que exerciam essa profissão, ou convívio afetivo com crianças, experiências com antigos professores, experiências vivenciadas em período escolar e universitário.
  7. 7. Referencial Teórico- Tardif 2008 Saberes dos professores Saberes pessoais dos professores. Saberes provenientes da formação escolar anterior. Saberes provenientes da formação profissionais para o magistério. Saberes provenientes dos programas e livros didáticos usados no trabalho. Fontes sociais de aquisição Modos de integração no trabalho docente A família, o ambiente de vida, a Pela história de vida e pela educação no sentido lato, etc. socialização primária. A escola primária e secundária, os estudos pós-secundários não especializados, etc. Pela formação e pela socialização pré-profissionais. Os estabelecimentos de formação de professores, os Pela formação e pela estágios, os cursos de socialização profissionais nas reciclagem, etc. instituições de formação de professores. A utilização das “ferramentas” dos professores; programas, Pela utilização das livros didáticos, cadernos de “ferramentas” de trabalho, sua exercícios, fichas, etc. adaptação ás tarefas. Saberes provenientes de sua A prática do ofício na escola e Pela prática do trabalho e pela própria experiência na na sala de aula, a experiência socialização profissional. profissão, na sala de aula e na dos pares, etc. escola.
  8. 8. “O Ensino envolve sentimentos, emoções. Daí a necessidade de conhecer e compreender motivações, interesses, necessidades de alunos diferentes entre si, capacidade de comunicação com o mundo do outro, sensibilidade para situar a relação docente no contexto físico, social e cultural do aluno” (LIBÂNEO 1988, p. 88- 89).
  9. 9. “É muito difícil educar um indivíduo sem influenciá-lo; no limite diríamos que é impossível, (...) o educador corre sempre o risco de dar algo de si ao seu educando” (CABANAS,2002).
  10. 10. “Os educadores precisam compreender que ajudar as pessoas a se tornarem pessoas é muito mais importante do que ajudá-las a tornarem-se matemáticas, poliglotas ou coisa que o valha”. (Carl Rogers)
  11. 11. 2ª. Parte “É preciso que sejam criadas oportunidades para favorecer o professor no que diz respeito ao desenvolvimento de sua religiosidade. São vitais para que a experiência do professor antecipe a do educando, questionando sua própria religiosidade, identificando a qualidade de suas experiências e, reconhecendo-as como suas e particulares, desenvolva condições adequadas ao seu processo de crescimento interior. (PURIFICAÇÃO 2004)
  12. 12. ESTÁGIOS DA FÉ 2ª. Parte (Fowler 1992) Pré- Estágio: Fé Indiferenciada (0 a 2/3 anos) Estágio 1: Fé Intuitivo-Projetiva (3/4 a 7/8 anos) Estágio 2: Fé Mítico- Literal (7/8 a 11/12 anos)
  13. 13. ESTÁGIOS DA FÉ (Fowler 1992) 2ª. Parte Estágio 3: Fé Sintético- Convencional (11/12 a 17/18 anos) Estágio 4: Fé Indutivo-Reflexiva (17/18-35/40 anos) Estágio 5: Fé Conjuntiva (após 35/40 anos) Estágio 6: Fé Universalizante (meia idade e depois)
  14. 14. FÉ - RELAÇÕES - SENTIDO DA VIDA “O conhecimento de Deus é, antes, um encontro com os pais. A criança constrói, aos poucos, a imagem de Deus com os elementos recebidos dos adultos. Sempre que os pais se mostram severos e exigentes, ela vai formando a ideia de um Deus hostil, mais dado ao castigo que à graça, que vê muitos erros e poucas virtudes. Esse tipo de tirania pode, no futuro, dar lugar à revolta. Tudo o que a criança vive hoje, obscuramente, com os pais, é o que será descoberto amanhã, mais claramente, entre ela e Deus” (SERBENNA, 1987).
  15. 15. ESTÁGIOS DA FÉ (Fowler 1992) Pré- Estágio: Fé Indiferenciada (0 a 2/3 anos)  Não há nenhuma relação com um outro transcendente/imanente explícita pela criança.  É necessário que o bebê se sinta acolhido e querido em seu ambiente, pois sua dependência é muito maior do que a de outros mamíferos. (trocar, amamentar).  Pré-imagens de Deus = relação de confiança do cuidador Provedor – Deus providente Esperança – aspecto indispensável para uma fé saudável - para o estágio seguinte. •Confiança/ Desconfiança
  16. 16. Estágio 1: Fé Intuitivo-Projetiva (3/4 a 7/8 anos) Inicia- se com o pensamento e a linguagem. Qualidade dos relacionamentos entre a criança e o adulto; influência dos mesmos nos primeiros relacionamentos da criança com o sagrado, com Deus. “As crianças de lares não-religiosos ou anti-religiosos mostram tendências similares, embora as suas fontes de imagens e símbolos possam ser mais limitadas” (FOWLER, 1992).  Caráter universal da fé:
  17. 17. Estágio 1: Fé Intuitivo-Projetiva (3/4 a 7/8 anos)  Construção da imagem de Deus, desenvolve a fé de acordo com os conceitos de vida e de morte. * Autonomia / Vergonha e Dúvida. Contação de história, símbolos e imagens, explorar a imaginação, autonomia, regras limites. Porquês, mesclam a realidade com a fantasia, egocentrismo.
  18. 18. Estágio 2: Fé Mítico- Literal (7/8 a 11/12 anos) Tende a investigar e testar os ensinamento dos adultos e fala sobre sua própria experiência. “Tomando forma entre sete e doze anos, este estágio marca as habilidades da criança de questionar suas imagens da fé testando-as de acordo com os ensinamentos dos adultos muito considerados e de acordo com suas próprias capacidades mais desenvolvidas de revirar seus pensamentos e testar suas percepções. Com novas capacidades para adquirir perspectiva, superando o egocentrismo do estágio anterior, e com um bom domínio das relações de causa e efeito, as crianças começam neste estágio a formar e dominar seus significados através de narrativas ou histórias” (FOWLER, 1992).
  19. 19. Estágio 2: Fé Mítico- Literal (7/8 a 11/12 anos)  Assume-se a crença, as histórias e narrativas do grupo. O desenvolvimento do pensamento operacional concreto ajuda a desencadear o estágio mítico-literal da fé. Começa a ter grande interesse em saber como as coisas são, distingui a realidade da fantasia.  ESCOLA, GRUPO RELIGIOSO, COMUNIDADE: são significativos, fontes de pertença.
  20. 20. Estágio 2: Fé Mítico- Literal (7/8 a 11/12 anos) Identificação com o grupo, com a comunidade a qual pertence. Cumprimento de regras sociais e preceitos religiosos- sentir-se bem. (fundamentalistas, perfeccionistas, super- controladoras).  Pais: autoridade- super heróis = questionados.
  21. 21. Estágio 2: Fé Mítico- Literal (7/8 a 11/12 anos)  A fé mítico literal proporciona um suporte lúdico e criativo diante das crises e fracassos.  É propulsora da vida devocional pela forma que acontece nessa fase a estruturação da fé.  A partilha com os adultos favorece a construção coletiva, o enriquecimento no sentido de vida, superando os literalismos arraigados numa fé fragilizada.  Amplia-se o círculo das relações sociais o que contribui para o sentido de pertença a um grupo seja religioso ou não. O grupo é de fundamental importância.  Construção da identidade: quem sou, o que faço, em que acredito?
  22. 22. Estágio 2: Fé Mítico- Literal (7/8 a 11/12 anos) Relação com o TranscendenteDeus ganha uma conotação maior, está mais próximo, é mais pessoal, existe sintonia; é visto como algo misterioso, guia, amigo pessoal, companheiro sempre pronto a orientar e apoiar.  Relaciona as atitudes paternais dos pais com as atitudes paternais de Deus.
  23. 23. Estágio 2: Fé Mítico- Literal (7/8 a 11/12 anos)  Não conseguem tomar distância do fluxo das histórias e formular seus próprios conceitos e refletir sobre os significados. As crenças, regras e atitudes morais são apropriadas com uma interpretação literal mítico- literal.  Noção de justiça: reciprocidade Deus é justo, as pessoas devem ser justas também. * Iniciativa / Culpa
  24. 24. Estágio 3: Fé Sintético- Convencional (11/12 a 17/18 anos) Transformação física, confusão, rebeldia, vazio, ansiedade. Percebe-se como centro das atenções (desengonçados), sente-se perdido (criançaadulto) busca de identidade (quem sou e o que quero). Crise de identidade X Crise de autoridade: duvida de si, dos pais, da religião e de tudo o que lhe foi transmitido na infância e que já não lhe convém.
  25. 25. Estágio 3: Fé Sintético- Convencional (11/12 a 17/18 anos) Busca do “Eu próprio”; (namoricos), profissão. escolha do par Simbologia do espelho (reflete) vê o outro vendo a si mesmo. Precisa do espelho para controlar seu crescimento, curvas e alcance do corpo, olhos e ouvidos de algumas pessoas de confiança, avaliação).
  26. 26. Estágio 3: Fé Sintético- Convencional (11/12 a 17/18 anos) Inicia-se a formação, a noção de divisão e o contato com o trabalho, desenvolve o senso de produtividade, sente-se prazer em fazer e criar coisas (fazer com e ao lado dos outros), aprende-se a utilizar as ferramentas e instrumentos de sua própria cultura.  Apoio e o incentivo dos pais/responsáveis no tocante a capacidade criativa, jamais uma cobrança exagerada (baixa auto estima- pedir além).
  27. 27. Estágio 3: Fé Sintético- Convencional (11/12 a 17/18 anos) Busca de um relacionamento mais pessoal com Deus, em uma perspectiva mais dialogal. Estágio de transiçãoSintético: necessidade de sintetizar valores. Convencional: no que se refere a opinião de outros- dependente. * Indústria / Inferioridade
  28. 28. Estágio 4: Fé Indutivo-Reflexiva (17/18-35/40 anos) A fé é + autônoma: demanda decisões que contribuirão para o equilíbrio e a estabilização, visão crítica dos valores os quais a pessoa se apropriou anteriormente.  Quando não vivenciado adequadamente este estágio acarretará perigo de relativismo ou absolutismo exagerados. Amplia-se o senso de responsabilidade pessoal mediante as escolhas e compromissos assumidos.
  29. 29. Estágio 4: Fé Indutivo-Reflexiva (17/18-35/40 anos) “Sair de casa”, universidade, serviço militar dentre outros, o que ocasiona rupturas que induzem o indivíduo a tomar certos posicionamentos com base em um sistema de valores formado a partir da reflexão sobre a própria identidade e ideologia.
  30. 30. Estágio 4: Fé Indutivo-Reflexiva (17/18-35/40 anos) Os sustentáculos da crises na fé indutivoreflexiva pode ser nutrido com abertura, partilha na comunidade, ou grupo que pertence dar suporte e aprofundamento aos jovens.  Muda-se a visão quanto aos símbolos religiosos. O sujeito deste estágio “crê que seus significados podem ser traduzidos em proposições, definições e/ou (Fowler,1992). fundamentos conceptuais”
  31. 31. Estágio 5: Fé Conjuntiva (após 35/40 anos)  Os significados da fé vão além do que pode ser racionalmente afirmado; síntese vivencial dos opostos, nível mais profundo.  Reconhece que a verdade, pode ser encontrada também no outro, de forma dialógica. O vínculo com o símbolo sagrado, não está fechado em si mesmo, mas pode ser redimensionado.  Os riscos desse estágio são a passividade ou ociosidade.
  32. 32. Estágio 5: Fé Conjuntiva (após 35/40 anos) Acredita que Deus está presente em outras pessoas e que essas podem ensiná-la a viver e a não perder de o sentido último da existência humana.  O confronto do indivíduo com seus próprios dilemas, as supostas crises são um trampolim, impulsos para a maturidade, instrumentos de aprendizagem. Gera e se dedica ao cuidado do que gerou, fato perceptível principalmente em relação à transmissão dos valores sociais de pai para filho. (O ser humano sente que sua personalidade foi enriquecida e não alterada com tais ensinamentos, devido a necessidade intrínseca que existe no homem de transmitir,
  33. 33. Estágio 5: Fé Conjuntiva (após 35/40 anos) Se as normas não atendem aos princípios éticos universais da liberdade, da justiça e do direito à vida, devem ser mudadas e até mesmo desobedecidas. * Generatividade (dar e o receber) / Estagnação
  34. 34. Estágio 6: Fé Universalizante (meia idade e depois)  Entregam-se totalmente a uma causa.  Transformam a realidade atual na direção de uma realidade transcendente. “Nessas pessoas, de fé universalizante, tais qualidades de subversividade redentora e de irrelevância relevante se derivam de visões que elas veem e com as quais comprometeram todo o seu ser. Não são visões abstratas, geradas, como utopias, de alguma capacidade para a imaginação transcendente. Pelo contrário, são visões nascidas de atos radicais de identificação com pessoas e circunstâncias onde a futuridade do ser está sendo esmagada, bloqueada ou explorada” (FOWLER, 1992).
  35. 35. Estágio 6: Fé Universalizante (meia idade e depois)  O princípio fundamental é o ser. Amam a vida e a preservam, porém não são apegados a ela. A fé universalizante, concebe a comunidade universal em que não se medem esforços, entretanto, as estratégias, os meios utilizados para alcançarem esses objetivos são pacíficos e repletos de humanidade.  Arrasta outros devido seu profetismo e sua maneira utópica de ver a vida, não são egoístas.
  36. 36. Estágio 6: Fé Universalizante (meia idade e depois) Sabem dialogar com o diferente, buscam ações em prol da justiça, ética e solidariedade, criam redes de apoio, possuem grande capacidade de socialização, exercem liderança baseada em critérios universais.  Conseguem ler a realidade com clareza e lucidez e com sabedoria atuam sobre ela a partir de sua crença religiosa e seu conjunto de valores.
  37. 37. Estágio 6: Fé Universalizante
  38. 38. CONSIDERAÇÕES FINAIS O saber é adquirido em várias fontes, antes mesmo de exercer sua profissão como educador. É somente sobre o prisma da transcendência que a vida humana pode encontrar seu sentido verdadeiro e legítimo. O professor de Ensino Religioso tendo conhecimento dos estágios instituídos por Fowler (1992), pode exercer influência positiva no desenvolvimento da fé de seus educandos, bem como, ajudá-los na busca e sentido da vida e na experiência com transcendente contribuindo para sua maturidade humana.
  39. 39. CONSIDERAÇÕES FINAIS Conhecer a si mesmo e seu processo para depois compreender o caminho do outro e seu crescimento humano será o constante desafio do professor de Ensino Religioso. Recursos, conhecimentos acerca da cultura religiosa e da realidade local, encaminhamentos metodológicos, tudo isso será de grande valia quando a postura do professor for de respeito e tolerância não apenas para com as religiões, antes, porém, para com a individualidade de cada educando.
  40. 40. CONSIDERAÇÕES FINAIS É importante incentivar novos ensaios diante da realidade em que se encontra o Ensino Religioso em nosso país. A fé se torna um pilar que sustenta não só a espiritualidade, mas a dimensão pedagógica integral do ser humano. Os autores aqui estudados, auxiliam no estreito relacionamento entre os saberes dos docentes, o desenvolvimento da fé , o desenvolvimento humano e sua importância para uma convivência harmoniosa no ambiente em que está inserido.
  41. 41. REFERÊNCIAS DUSKA, Ronald., WHELAN, Mariellen. O desenvolvimento moral na idade evolutiva: um guia a Piaget e Kohlberg. São Paulo: Edições Loyola, 1994. ERIKSON, E. H. Identidade, juventude e crise. Rio de Janeiro: Zahar, 1976. ERIKSON, Erik H. Infância e sociedade. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1976. FOLWER, James W. Estágios da fé. A psicologia do desenvolvimento humano e a busca de sentido. São Leopoldo, RS: ed. Sinodal, 1992. FOWLER, James. Teologia e psicologia no desenvolvimento da fé. In: Concilium, Petrópolis, Vozes, 1982.
  42. 42. REFERÊNCIAS FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. 9. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998. FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 8.ed. São Paulo: Paz e Terra, 1998. FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993. FREIRE, Paulo. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. 1 ed. São Paulo, SP: Olho d’Agua: 1993. GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989. GUIMARÃES, Valter Soares. Formação de professores: saberes, identidade e profissão. Campinas, São Paulo: Papirus, 2004.
  43. 43. REFERÊNCIAS MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento.4. ed.Trad. Eloá Jacobina. - Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001. NÓVOA, António. (org.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992. PAULA, Blanches. Revista caminhando, vol. 9, n.2 [14 ] , p . 77 -88, ago. / dez. 2004. PIAGET, JEAN. Epistemologia genética. São Paulo: M. Fontes, 1990. KOHLBERG, L. (1992). Psicología del desarrollo moral. Bilbao: Desclée de Brouwer. TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional .9.Ed.Petrópolis, RJ: Vozes,2008.
  44. 44. “A fé em Deus nos faz crer no incrível, ver o invisível e realizar o impossível.”

×