Tumor Estromal Gastrointestinal - GIST

6.800 visualizações

Publicada em

Saiba tudo sobre o Tumor Estromal Gatsointestinal

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.800
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.316
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tumor Estromal Gastrointestinal - GIST

  1. 1. Tumor Estromal Gastrointestinal GIST
  2. 2. Tubo Digestivo O tubo digestivo é dividido em trato superior e inferior: • Trato gastrointestinal superior É composto pela boca, faringe, esôfago e estômago. • Trato gastro intestinal inferior Intestino delgado que se divide em: duodeno, jejuno e íleo. Intestino Grosso, dividido em quatro partes: ceco, cólon, sigmoide e reto. Ânus, localizado na extremidade do intestino grosso.
  3. 3. Tumores Estromais Gastrointestinais GIST Os tumores estromais gastro intestinais (GIST) se iniciam nas células intersticiais de Cajal (ICC), da parede do trato gastrointestinal ou em células que podem evoluir para ICC. As ICCs são uma parte do sistema nervoso autônomo, que regula processos corporais, como a digestão dos alimentos. As ICCs são chamadas de marca-passo do trato gastrointestinal (GI) por enviarem sinais aos músculos do sistema digestivo, de quando devem se contrair para mover os alimentos e líquidos através do trato GI. A maioria dos GIST começa no estômago ou intestino delgado, mas pode aparecer em qualquer parte do trato GI. Nem todos os GISTs são cancerosos, alguns são benignos.
  4. 4. Tipos de Tumores Gastrointestinais GIST pode ocorrer em qualquer parte do trato gastro intestinal, do esôfago ao ânus. Geralmente começam nas células glandulares que revestem o trato gastro intestinal, denominados adenocarcinomas. Algumas partes do trato GI, como a parte superior do esôfago e o final do ânus, são revestidas por células planas chamadas células escamosas, onde se iniciam os tumores chamados de carcinomas de células escamosas. O trato gastro intestinal também possui células neuroendócrinas, de onde se iniciam os tumores neuroendócrinos. Os tumores carcinoides são um exemplo de câncer neuroendócrino. Outros tipos raros de câncer que podem ser vistos no trato GI incluem angiossarcomas, leiomiossarcomas e tumores do neurônio periférico.
  5. 5. Fatores de Risco para o GIST Os fatores que podem aumentar o risco de uma pessoa desenvolver um tumor gastrointestinal são: • Idade - Estes tumores podem ocorrer em qualquer idade, mas são raros em pessoas com idade inferior a 40 anos, e mais comuns em pessoas acima de 60. • Síndromes Genéticas - A maioria dos GIST é esporádica e sem uma causa clara. Em casos raros, têm sido encontrados em vários membros de uma mesma família, que herdaram uma mutação genética como o síndrome do tumor estromal gastrointestinal familiar e neurofibromatose tipo 1.
  6. 6. Sinais e sintomas do GIST Os GIST são frequentemente detectados por causarem sangramento do trato intestinal. Se a hemorragia é pouco intensa, pode causar eliminação de fezes escuras. Se a hemorragia é no estômago ou esôfago, pode provocar vômitos com sangue. Outros sintomas possíveis dos tumores gastro intestinais são: • Anemia. • Fraqueza e cansaço. • Dor e/ou inchaço no abdome. • Náuseas e vômitos. • Sensação de saciedade. • Perda de apetite e perda de peso. • Problemas de deglutição.
  7. 7. Diagnóstico: Exames de Imagem Os tumores gastrointestinais são frequentemente detectados em função dos sintomas ou durante a realização de exames para diagnóstico de outras patologias, como: • Raios X com contraste de Bário. • Deglutição de Bário. • Séries de intestino delgado. • Enteróclise. • Enema de Bário. • Tomografia Computadorizada. • Ressonância Magnética. • Tomografia por Emissão de Pósitrons.
  8. 8. Diagnóstico: Exames de Sangue Não existem exames de sangue que possam afirmar que uma pessoa tem um GIST, porque estes tumores não liberam quaisquer substâncias conhecidas no sangue que possam ser utilizadas para diagnosticar a doença ou para avaliar sua resposta ao tratamento. No entanto, os exames de sangue podem indicar a possibilidade de um tumor ou sua disseminação. Por exemplo, o resultado de um exame de sangue pode mostrar se uma pessoa está anêmica. Algumas pessoas com GIST apresentam anemia em função de sangramento do tumor. Resultados dos exames da função hepática alterados podem significar que o GIST se espalhou para o fígado.
  9. 9. Diagnóstico: Biópsia A biópsia é a única maneira de fazer o diagnóstico definitivo do tumor estromal gastrointestinal (GIST). Consiste na remoção de uma pequena quantidade de tecido para exame ao microscópio por um patologista. Os principais tipos de biópsias para diagnóstico do GIST são: • Biópsia Endoscópica • Biópsia por Agulha Fina • Biópsia Cirúrgica
  10. 10. Diagnóstico: Outros Exames Se os exames de imagem e de sangue sugerirem um tumor gastrointestinal, será solicitada a realização de exames complementares, como: • Endoscopia - Permite a visualização do trato digestivo. • Colonoscopia - Observa toda a extensão do reto e do cólon. • Cápsula Endoscópica - Permite observar o revestimento da parte médio do trato intestinal. • Enteroscopia de Balão Duplo - Consiste no exame endoscópico das partes profundas do intestino delgado. • Ultrassom Endoscópico - Permite uma melhor visualização do tumor.
  11. 11. Estadiamento do GIST O estadiamento descreve aspectos, como localização do tumor, se disseminou e se está afetando as funções de outros órgãos do corpo. Conhecer o estágio do tumor ajuda na definição do tipo de tratamento e no prognóstico do paciente. Estágios para GIST do estômago ou omento: • Estágio IA - T1 ou T2, N0, M0, índice mitótico baixo. • Estágio IB - T3, N0, M0, índice mitótico baixo. • Estágio II - T1 ou T2, N0, M0, índice mitótico elevado; T4, N0, M0, índice mitótico baixo. • Estágio IIIA - T3, N0, M0, índice mitótico elevado. • Estágio IIIB - T4, N0, M0, índice mitótico elevado. • Estágio IV - Qualquer T, N1, M0, qualquer índice mitótico; Qualquer T, qualquer N, M1, qualquer índice mitótico.
  12. 12. Estadiamento do GIST Estágios para GIST do intestino delgado, esôfago, cólon, reto e peritônio: • Estágio I - T1 ou T2, N0, M0, índice mitótico baixo. • Estágio II - T3, N0, M0, índice mitótico baixo. • Estágio IIIA - T1, N0, M0, índice mitótico elevado; T4, N0, M0, índice mitótico baixo. • Estágio IIIB - T2 a T4, N0, M0, índice mitótico elevado. • Estágio IV - Qualquer T, N1, M0, qualquer índice mitótico; Qualquer T, qualquer N, M1, qualquer índice mitótico.
  13. 13. Tratamento: Cirurgia A cirurgia é o tratamento principal para o tumor gastrointestinal não disseminado, o objetivo é retirada total do tumor. Se o tumor é pequeno, será retirado junto com uma pequena área de tecido normal adjacente. E, ao contrário de outros tipos de câncer, a remoção dos linfonodos adjacentes não é necessária, porque raramente esses tumores se espalham para os gânglios linfáticos. Se o tumor é grande ou se espalhou para outros órgãos, o cirurgião ainda pode tentar removê-lo totalmente. Para isto, o médico pode ter de remover porções de outros órgãos, como secções do intestino. Em caso de não poder ser removido totalmente, o paciente pode ser tratado previamente com imatinibe, como o objetivo de reduzir o tumor e tornar mais fácil sua remoção.
  14. 14. Tratamento: Quimioterapia Os tumores gastrointestinais raramente respondem aos medicamentos quimioterápicos, de modo que este tipo de tratamento é pouco usado, principalmente, agora que as terapias alvo estão disponíveis.
  15. 15. Tratamento: Radioterapia A radioterapia não é muito eficaz em tumores gastrointestinais, por isso é raramente utilizada para tratamento, mas é útil para aliviar sintomas, como dor.
  16. 16. Tratamento: Terapia Alvo Os medicamentos alvo geralmente não têm os mesmos tipos de efeitos colaterais que os quimioterápicos convencionais. Os medicamentos alvo utilizados no tratamento do tumor gastro intestinal são o imatinibe e o sunitinibe.
  17. 17. Novos Tratamentos para o GIST Os pesquisadores sabem que tratamentos com terapia alvo, como o imatinibe e sunitinibe, oferecem bons resultados, mas ainda não sabem exatamente como e quando administrá-los para torná-los mais eficazes. No momento a resposta para essa questão está sendo investigada em ensaios clínicos. Outros medicamentos que têm como alvo as proteínas KIT ou PDGFRA, como o sorafenibe, nilotinibe e dasatinib também estão sendo estudados. Alguns estudos estão avaliando se a adição de outros medicamentos alvo, como o bevacizumab, pode tornar o uso do imatinibe mais eficaz.
  18. 18. Vivendo com Tumor Gastrointestinal Faça Escolhas Saudáveis - O diagnóstico do tumor gastrointestinal faz com que a maioria dos pacientes passe a ver a vida sob outra perspectiva. Muitos começam a se preocupar com a saúde, tentam alimentar-se melhor, levar uma vida menos sedentária, tentam maneirar no álcool ou param de fumar. Não se estresse com pequenas coisas. É o momento de reavaliar a vida e fazer mudanças. Se preocupe com sua saúde.
  19. 19. Obtendo Apoio É fundamental poder contar com alguma forma de apoio para ajudar a lidar com os aspectos emocionais e práticos da doença. Existem muitas formas de obter apoio na comunidade, além da família e amigos. É possível também participar de grupos de pacientes seja de forma presencial ou online.

×