Novidades no tratamento do

741 visualizações

Publicada em

Palestra ministrada no I Encontro Vivendo com Câncer Ginecológico

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
741
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
321
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Novidades no tratamento do

  1. 1. Tumores ginecológicos Solange Moraes Sanches AC Camargo Cancer Center Set/2014 solange.sanches797@gmail.com
  2. 2. Trato genital feminino
  3. 3. Anatomia do trato genital feminino
  4. 4. Como o câncer inicia?
  5. 5. Estimativa casos novos câncer ovário- 2012 6190 novos casos Número de mortes câncer de ovário- 2010 2979 casos INCA, 2012
  6. 6. normal tumor Sentir-se inchada Dor pélvica/abdominal Sentir-se saciada dificuldade alimentar Urgência miccional Aumento do volume abdominal Massa abdominal Líquido abdominal Sintomas
  7. 7. Câncer de ovário  Sintomas inespecíficos  Atenção, se persistentes  Métodos de rastreamento insuficientes  Exames “preventivos” pouco eficientes  CA125  US TV
  8. 8. Incidência 20% 5% 58% 17% sobrevida 73% 45% 21% <5%
  9. 9. Bases do tratamento  CIRURGIA  TRATAMENTO SISTÊMICO- QUIMIOTERAPIA
  10. 10. Cirurgia  Procedimento inicial, na maior parte das vezes  Cirurgia ótima = melhores resultados  Cirurgião oncológico  Estadiamento cirúrgico determina tratamento sistêmico
  11. 11. Quimioterapia  Tratamento de doença residual macroscópica  Tratamento de doença micrometastática  Tratamento pré cirurgia nos casos de tumores irressecáveis  Tratamento da doença recidivada  Associação de quimioterápicos: platina e taxano
  12. 12. Papel da angiogênese no câncer: essencial para crescimento e sobrevida Tumores >2mm de diâmetro necessitam de um suprimento sanguíneo independente para sobreviver e crescer
  13. 13. VEGF é altamente expresso no câncer de ovário Transformação do padrão de crescimento: benigno para maligno Formação de metástases típicas de câncer de ovário no peritôneo Acúmulo de ascite, pelo aumento da permeabilidade vascular do peritôneo
  14. 14. Bevacizumabe no tratamento do câncer de ovário – New England Journal of Medicine, dec 2011
  15. 15. ICON 7 e GOG 0218  Ganho de sobrevida livre de progressão para as pacientes que utilizaram quimioterapia e bevacizumabe (GOG 0218 e ICON7)  Ganho em sobrevida global nas pacientes de alto risco (ICON 7)  Efeitos colaterais manejáveis
  16. 16. Aprovação ANVISA
  17. 17. Uso de bevacizumabe em câncer de ovário  Utilização associada a quimioterapia padrão  1º. agente a modificar a evolução do câncer de ovário após a padronização do uso de platina e taxano, há cerca de 15 anos  Evidência de benefício também em doença recidivada (estudo OCEANS) e refratária a platina ( estudo AURELIA)
  18. 18. Perspectivas para o câncer de ovário  Terapias de manutenção  Novos tratamentos para doença resistente/refratária a platina  Métodos de diagnóstico precoce
  19. 19. Estadiamento ao diagnóstico
  20. 20. Sintomas precoces  Sangramento intermenstrual  Sangramento na menopausa Fatores de risco  Obesidade  Diabetes  TRH sem progesterona  Hipertensão  Baixa paridade  Pós menopausa
  21. 21. Tratamento  Cirurgia  Radioterapia: externa ou braquiterapia  Quimioterapia: casos selecionados
  22. 22. GOG 181b fase II 23 pt rec/met s/resposta USPC-15% HER2+ Temsirolimus (av/rec, QT naive) RR 31% Perda de PTEN-50% Mut. PTEN- hiperplasia endométrio Erlotinibe RP2/27 Gefitinibe RC 1/29 Lapatinibe Fase I/II com imatinibe e paclitaxel
  23. 23. HPV
  24. 24. Prevenção  Exame simples  "Papanicolaou”- citologia oncótica de colo uterino
  25. 25. Se alterado:  Colposcopia  Captura híbrida  Biópsia
  26. 26. Sintomas  Corrimento vaginal (“água de carne”)  Dor /sangramento no ato sexual  Sangramento intermenstrual  Dor pélvica
  27. 27. Tratamento  Cirúrgico  Radioterápico  Quimioterápico
  28. 28. Vacinação HPV Papanicolaou periódico Uso de preservativo
  29. 29. Tumores ginecológicos  Medidas preventivas  Diagnóstico precoce  Atenção a sintomas  Tratamento especializado  Medidas comportamentais que mudam a incidência/evolução dos tumores ginecológicos  Combate a obesidade ( endométrio, ovário)  Atividade física ( endométrio, ovário)  Sexo protegido/vacinação HPV ( colo de útero, vagina, vulva)
  30. 30. Além do tratamento do tumor:  Medidas comportamentais de qualidade de vida  Dieta  Atividade física  Sexualidade  Durante tratamento  Tratamento/prevenção de sequelas do tratamento  Orientação/informação de qualidade  Disseminação de informação
  31. 31. Obrigada a vocês, pela atenção!! Obrigada pelo convite, !!

×