Exames de Rastreamento para Mulheres

5.522 visualizações

Publicada em

O rastreamento engloba uma série de procedimentos eficazes para o diagnóstico de doenças, como o câncer, em fase inicial ou mesmo numa fase pré-maligna, em pessoas que não apresentam sinais ou sintomas

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.522
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.829
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
79
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Exames de Rastreamento para Mulheres

  1. 1. Exames de Rastreamento Essenciais para as Mulheres
  2. 2. O que é Rastreamento? O rastreamento engloba uma série de procedimentos eficazes para o diagnóstico de doenças, como o câncer, em fase inicial ou mesmo numa fase pré-maligna, em pessoas que não apresentam sinais ou sintomas. O objetivo do rastreamento é permitir uma intervenção mais precoce com o intuito de reduzir a mortalidade e o sofrimento por uma doença.
  3. 3. Por que os exames preventivos são importantes? Realizar exames preventivos é uma das coisas mais importantes que uma mulher pode fazer por sua saúde. Esses exames podem diagnosticar doenças em estágio inicial, antes mesmo de qualquer sintoma, quando são mais fáceis de serem tratadas. O diagnóstico precoce de uma diabetes pode ajudar a prevenir complicações, como perda de visão, por exemplo. Já o câncer pode ser até curado quando diagnosticado precocemente. Os exames preventivos estão baseados na idade e fatores de risco da mulher.
  4. 4. Hipertensão O risco de hipertensão aumenta com a idade e também de acordo com o peso e estilo de vida da pessoa. A pressão arterial elevada pode levar a várias complicações graves, como o AVC. Mas a hipertensão pode ser tratada, reduzindo assim, o risco de doenças do coração, derrame e doenças renais. Fique atenta à sua pressão arterial. Se estiver alta procure imediatamente um médico para diagnosticar a causa e, se necessário, iniciar o tratamento e acompanhamento.
  5. 5. Monitorando a Pressão A leitura da pressão arterial é composta por dois números. O primeiro número (sistólica) é a pressão nas artérias quando o coração bate. O segundo número (diastólica) é a pressão entre as batidas. A pressão normal costuma ser de 120/80. Pressão de 140/90 ou mais é considerada alta. Se recomenda verificar a pressão com frequência para evitar possíveis complicações.
  6. 6. Níveis do Colesterol Um alto nível de colesterol LDL no sangue faz com que placas de gordura se acumulem nas paredes das artérias, aumentando o risco de doenças cardíacas. A arteriosclerose pode progredir sem sintomas por anos. Com o tempo, pode causar infarto e derrame. Mudanças no estilo de vida e o uso de medicamentos podem reduzir o colesterol ruim, diminuindo, assim, o risco de doenças cardiovasculares.
  7. 7. Monitorando o Colesterol O perfil lipídico em jejum é um exame de sangue que mostra os níveis de colesterol, LDL (colesterol ruim), HDL (colesterol bom) e triglicérides (gordura no sangue). Os resultados desse exame ajudam a prevenir doenças, como as cardíacas, derrames e diabetes. A partir dos 20 anos, esse exame deve ser realizado pelo menos a cada 5 anos. Já após os 35 anos, deve ser feito com mais frequência.
  8. 8. Diabetes Tipo 2 Um terço das mulheres com diabetes não sabem que tem a doença. Se não tratada a diabetes pode levar a outros problemas, como doenças cardíacas, derrame, doença renal, danos neurológicos, impotência e, até mesmo, cegueira, devido aos danos provocados nos vasos da retina. Isso tudo pode ser evitado. Se diagnosticada precocemente, a diabetes pode ser tratada com dieta, controle do peso e medicamentos para controle glicêmico, evitando assim suas complicações.
  9. 9. Rastreamento da Diabetes Tipo 2 O exame de glicemia em jejum é o mais usado para rastreamento de diabetes. Cada vez mais os médicos estão pedindo o teste de A1C (hemoglobina glicada), que mostra como o corpo reage à ingestão de açúcar ao longo do tempo. Adultos saudáveis devem fazer o exame a cada 3 anos, a partir dos 45 anos de idade. Mulheres em grupo de risco, como colesterol elevado ou pressão alta, devem começar antes e realizar o exame com mais frequência.
  10. 10. Osteoporose e Fraturas Ósseas A osteoporose é uma doença na qual os ossos se tornam fracos e frágeis. É causada por perda de massa óssea, um processo que geralmente se acelera após a menopausa. O primeiro sintoma é muitas vezes uma fratura óssea que pode ocorrer numa queda ou mesmo apenas por uma torção do corpo. É possível prevenir e tratar a osteoporose em adultos acima de 50 anos.
  11. 11. Rastreamento da Osteoporose A densitometria óssea é um exame que mede a densidade mineral óssea e detecta a osteoporose antes que fraturas possam ocorrer. Este exame também pode prever o risco de futuras fraturas ósseas. A densitometria óssea é indicada para todas as mulheres a partir de 65 anos e para aquelas com risco de osteoporose.
  12. 12. Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) O HIV é o vírus responsável pela AIDS, que está presente no sangue e secreções corporais de indivíduos infectados, mesmo que estes não apresentem sintomas. O vírus pode ser transmitido de pessoa para pessoa, quando estas secreções entram em contato com a vagina, ânus, boca, olhos ou feridas na pele. Ainda não existe cura nem vacinas para este vírus. Tratamentos mais modernos podem prevenir que o vírus do HIV se transforme em AIDS, mas estas medicações ainda apresentam efeitos colaterais.
  13. 13. Rastreamento do HIV Indivíduos infectados pelo vírus HIV podem permanecer sem sintomas por muitos anos. A única maneira de saber que estão infectados é realizando uma série de exames de sangue. ELISA ou EIA procuram por anticorpos anti-HIV no sangue. No entanto é possível não estar infectado e ter um resultado positivo. Assim, um segundo exame, denominado Western Blot deve ser realizado para confirmação. Se você foi recentemente infectada, é possível ter um resultado negativo. A repetição do exame é sempre recomendada. Se você acha que pode ter sido exposta ao HIV, converse com seu médico sobre a realização de exames.
  14. 14. Prevenção da Disseminação do HIV Quando uma pessoa é contaminada pelo vírus, demora até 2 meses para os exames mostrarem um resultado positivo. Mas, até 5% dos casos ainda são negativos após 6 meses. Ter um método seguro de prevenção é essencial para evitar a contaminação com o vírus do HIV e outras doenças sexualmente transmissíveis. Usuários de drogas não devem compartilhar agulhas, pois esse é outro meio de ser infectado pelo vírus. Se você tem HIV e está grávida, converse com seu médico para saber o que precisa ser feito para reduzir o risco de infecção pelo HIV em seu filho.
  15. 15. Glaucoma Esta doença dos olhos gradualmente danifica o nervo ótico, podendo levar à cegueira, mesmo antes das pessoas perceberem os primeiros sintomas. Exames específicos podem, e devem, ser realizados, para verificar a pressão dentro do olho, diagnosticar a doença o mais precocemente possível e iniciar o tratamento antes que possam ocorrer complicações importantes, e em alguns casos irreversíveis.
  16. 16. Rastreamento para o Glaucoma Os exames oftalmológicos para o glaucoma são realizados de acordo com a idade e risco pessoal de cada indivíduo: • Pessoas com menos de 40 anos: a cada 2 - 4 anos. • De 40 a 54 anos: a cada 1 - 3 anos. • De 55 a 64 anos: a cada 1 - 2 anos. • De 65 anos em diante: a cada 6 - 12 meses. Se você estiver no grupo de risco, tiver histórico familiar de glaucoma ou outras lesões oculares ou ter feito uso de esteróides, converse com o seu médico para saber o momento em que deve iniciar os exames de rastreamento.
  17. 17. Câncer de Pele Existem 2 tipos de câncer de pele, o melanoma e o não melanoma. O melanoma tem origem nos melanócitos, células produtoras de melanina, que dão cor à pele. O melanoma é o mais agressivo dos tipos de câncer de pele. O risco de melanoma aumenta com a exposição excessiva ao sol e queimaduras solares. O tratamento precoce do câncer da pele pode ser eficaz. Os tipos, carcinoma de células escamosas e carcinoma de células basais são os mais comuns de câncer de pele não melanoma.
  18. 18. Rastreamento para Câncer de Pele O autoexame periódico da pele é recomendado para verificar se houve qualquer alteração na pele, observando sobre tudo o aparecimento de manchas ou pintas, assim como sua forma, tamanho e cor. Consultas com dermatologistas também devem ser parte de uma rotina de exames para a prevenção do câncer de pele. Os tratamentos para câncer de pele são mais eficazes quando a doença é diagnosticada precocemente.
  19. 19. Câncer de Mama O diagnóstico precoce do câncer de mama aumenta significativamente as chances de cura, uma vez que quanto menor o tamanho do tumor, maior a possibilidade de cura cirúrgica. Quanto menor o tamanho de um tumor , menor a probabilidade de se disseminar para os nódulos linfáticos e outros órgãos, como pulmões e cérebro. Se você tem entre 20 - 30 anos e não conhece seus fatores de risco para câncer de mama, consulte um médico ginecologista ou mastologista para iniciar acompanhamento.
  20. 20. Rastreamento com Mamografia Recomenda-se a realização de mamografias para rastreamento a partir dos 40 anos. Entretanto, uma mamografia normal não exclui completamente a possibilidade de câncer de mama. Mulheres com fatores de risco familiares devem iniciar o rastreamento antes dos 40 anos. Converse com o seu médico sobre o rastreamento do câncer de mama.
  21. 21. Câncer de Colo do Útero O colo do útero é a parte do útero que se estende para dentro da cavidade vaginal. A infecção persistente pelo papilomavírus humano (HPV) é o principal fator de risco para o câncer de colo do útero. Exames de rotina podem diagnosticar a doença precocemente, quando existe uma maior chance de cura, além de detectarem células anormais pré-cancerígenas na superfície do colo do útero, que podem ser removidas antes de se transformarem em câncer.
  22. 22. Rastreamento do Câncer de Colo do Útero O exame Papanicolaou é um exame realizado para detectar o câncer de colo do útero. No consultório, o médico recolhe uma amostra de células do colo do útero, que é enviada para análise em um laboratório de patologia. Este exame deve ser realizado a partir do início da atividade sexual uma vez por ano e, após 2 exames anuais consecutivos negativos, a cada 3 anos (INCA). A efetividade da detecção precoce do câncer de colo do útero pelo exame Papanicolaou, associada ao tratamento da doença em estágios iniciais, tem mostrado uma redução das taxas de incidência deste tipo de câncer .
  23. 23. Vacina para o Câncer de Colo do Útero A vacina quadrivalente está aprovada para uso em mulheres entre 9 e 26 anos. Ela confere imunidade contra quatro tipos de HPV, o vírus que é a principal causa do câncer de colo do útero. Outra vacina em uso é a bivalente que tem como alvo dois tipos de HPV. Nem todos os tipos de cânceres de colo do útero são devido ao HPV e outras cepas de HPV ainda podem causar o câncer. Desse modo, apesar destas duas vacinas reduzirem a incidência da doença, é importante realizar o exame Papanicolaou periodicamente como medida preventiva.
  24. 24. Câncer de Pulmão O câncer de pulmão se divide em dois tipos principais: câncer de pulmão de pequenas células e câncer de pulmão de não pequenas células, cada um com características próprias de crescimento e de disseminação, assim como de tratamento.
  25. 25. Prevenção do Câncer de Pulmão O tabaco contém cerca de 60 substâncias cancerígenas. A nicotina provoca dependência física e psíquica, o que faz com que o tabagista fume cada vez mais, introduzindo no organismo substâncias que podem provocar câncer. Cada tragada de fumaça do cigarro introduz no organismo 4 trilhões de radicais livres. O tabagismo é responsável por 90% da mortalidade total dos casos de câncer de pulmão. Portanto fumar causa câncer e a forma mais efetiva de prevenir a doença é NÃO fumar.
  26. 26. Câncer Colorretal O câncer colorretal é o quinto tipo mais incidente no Brasil, atrás do câncer de próstata, mama, colo do útero e pulmão. A maioria dos casos se desenvolve a partir de pólipos que crescem na superfície interna do intestino grosso, podendo invadir e se disseminar para outros órgãos. A melhor forma de preveni-lo, é a detecção precoce com a remoção dos pólipos existentes antes que se transformem de fato em câncer.
  27. 27. Rastreamento do Câncer Colorretal A colonoscopia é o exame mais utilizado para detectar os pólipos e o câncer colorretal. O médico observa todo o cólon usando um tubo flexível com uma câmera na extremidade. Os pólipos podem ser removidos durante o exame. Uma alternativa similar é a sigmoidoscopia flexível, que examina apenas a parte inferior do cólon. Outras opções são a colonoscopia virtual, a tomografia computadorizada ou o enema de bário com duplo contraste. Entretanto, se forem detectados pólipos será necessária a realização de uma colonoscopia para removê-los.
  28. 28. Câncer de Ovário O câncer de ovário é o câncer ginecológico mais difícil de ser diagnosticado. Cerca de 75% dos casos são diagnosticados em estágio avançado. Cinco fatos sobre o câncer de ovário: • É uma doença bastante comum e silenciosa. • É frequentemente diagnosticada tarde. • Se diagnosticada precocemente, tem uma chance maior de cura. • Conhecer os sintomas da doença, como dores pélvicas ou estomacais persistentes, dificuldade para comer, sensação de plenitude, cansaço, sangramento vaginal, pode salvar vidas. • Existem tratamentos disponíveis para mulheres com câncer de ovário.
  29. 29. Rastreamento do Câncer de Ovário Não existe um método eficaz para o rastreamento desse tipo de câncer, no entanto, exame a realização de um exame pélvico por um ginecologista e exames de imagens, como o ultrassom, podem levantar a suspeita, mas o diagnóstico de câncer exige a realização de uma biópsia. A dosagem do CA125, uma proteína presente no sangue, quando elevada pode sugerir que se trata de um câncer. Os tratamentos para câncer de ovário têm se tornado mais eficazes nos últimos anos, com melhores resultados quando a doença é diagnosticada precocemente.
  30. 30. A Importância dos Exames Médicos Seja proativo e discuta a importância e realização dos exames de rastreamento com o seu médico. Alguns exames, como o Papanicolaou ou mamografia devem ser exames de rotina. Outros exames se tornam mais ou menos importantes com base em seus riscos. O rastreamento adequado não evitará o desenvolvimento de uma doença, mas pode diagnosticá-la precocemente, quando existem maiores chances de cura ou controle e consequentemente aumentando sua qualidade de vida.

×