SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Câncer de Bexiga
O que é o Câncer de Bexiga?
Câncer é o crescimento de células
anormais no corpo. O câncer de bexiga
normalmente começa no revestimento
interno do órgão.
A maioria dos cânceres de bexiga são
diagnosticados precocemente, quando
a doença ainda não se disseminou
para outros órgãos.
No entanto, o câncer de bexiga tende a
recidivar, por isso, check-ups regulares
são muito importantes.
Sinal de Perigo: Sangue na
Urina
Sangue na urina pode ser um sinal de
câncer de bexiga, seja visível a olho nu
ou detectado em exames de rotina.
A urina pode parecer mais escura do
que o normal, acastanhada ou
(raramente) vermelho vivo.
Entretanto, sangue na urina, não
significa necessariamente câncer, pode
ser devido a outras causas, como por
exemplo, exercícios, traumas, infecções,
doenças renais ou sanguíneas ou uso de
medicamentos, como drogas que afinam
o sangue.
Sinais de Alerta
É mais comum que os sintomas
aconteçam por outras causas que não o
câncer.
Porém, o câncer de bexiga pode
provocar alterações na frequência
urinária, incluindo: necessidade de
urinar mais vezes do que o normal, dor
ou dificuldade ao urinar. Infecções do
trato urinário ou cálculos renais podem
causar sintomas semelhantes e exigem
tratamentos diferentes.
Fatores de Risco: Fumo
Apesar que as causas exatas do
câncer de bexiga permanecerem
desconhecidas, o tabagismo é o
principal fator de risco.
Fumantes são quatro vezes
mais propensos a ter câncer de
bexiga do que pessoas que
nunca fumaram.
Substâncias químicas inaladas da fumaça do tabaco chegam aos pulmões e
depois são levadas à corrente sanguínea, que é filtrada pelos rins até chegar à
bexiga. As substâncias concentradas são nocivas, podendo danificar as células da
bexiga e eventualmente provocar câncer.
Fatores de Risco: Exposição
a Produtos Químicos
Pesquisas sugerem que determinados
tipos de trabalho podem aumentar o
risco de câncer de
bexiga. Metalúrgicos, mecânicos e
cabeleireiros estão entre aqueles que
podem estar expostos a produtos
químicos potencialmente
cancerígenos.
Se você trabalha com corantes ou na fabricação de borracha,
têxteis, couro ou tintas, não se esqueça de seguir os
procedimentos de segurança para reduzir o contato com essas
substâncias. Fumar aumenta ainda mais o risco de exposição às
substâncias químicas.
Outros Fatores de Risco
• Gênero - Os homens são três
vezes mais propensos a ter câncer
de bexiga.
• Idade - Nove em cada 10 casos
ocorrem em pessoas com mais de
55 anos.
• Etnia - Brancos têm duas vezes
mais risco de desenvolver a
doença do que pessoas de raça
negra.
Outros fatores incluem histórico familiar de câncer da bexiga,
tratamentos anteriores de câncer, defeitos congênitos e inflamação
crônica da bexiga.
Diagnóstico: Exame
Não existe um exame de rotina
para câncer de bexiga. Mas, se você
apresenta sintomas ou pertence a
um grupo de risco, seu médico
pode solicitar um exame de urina.
Se necessário, será feita uma
cistoscopia, para visualizar o interior
da bexiga através da endoscopia. O
cistoscópio permite a retirada de
amostras de tecido para análise por
um patologista.
A biópsia é a forma de diagnosticar o
câncer.
Diagnóstico: Imagem
Se o câncer for diagnosticado, serão
solicitados exames de imagem para
determinar a extensão da doença:
• Urografia Excretora - Utiliza um
corante para delinear os rins, bexiga e
ureteres, que são os canais que
transportam a urina para a bexiga.
• Tomografia e Ressonância Magnética -
Por meio de imagens detalhadas,
podem evidenciar os gânglios linfáticos
próximos.
• Ultrassom - Produz imagens usando
ondas sonoras, ao invés de radiação.
• PETscan - Útil na procura por
metástases para outros órgãos, como
gânglios linfáticos, pulmões e ossos.
Tipos de Câncer de Bexiga
Os principais tipos de câncer de bexiga
são nomeados pelo tipo das células que
se tornam cancerosas.
O mais comum é o carcinoma de células
de transição, que começa nas células que
revestem o interior da bexiga.
Existem também o carcinoma de células
escamosas e o adenocarcinoma que são
menos comuns.
Estágios do Câncer de Bexiga
• Estágio 0 - O câncer permanece no
revestimento interno.
• Estágio I - O câncer se disseminou para a
parede da bexiga.
• Estágio II - O câncer atingiu o músculo da
parede da bexiga.
• Estágio III - O câncer se disseminou para o
tecido adiposo em torno da bexiga.
• Estágio IV - O câncer se disseminou para a
parede pélvica ou abdominal, gânglios
linfáticos ou locais distantes, como ossos,
fígado ou pulmões.
Tratamento: Cirurgia
A cirurgia transuretral é realizada para o
câncer de bexiga em estágio inicial.
Em caso de estágios mais avançados,
poderá ser realizada uma cistectomia
parcial (remoção de uma parte da
bexiga) ou uma cistectomia radical
(retirada de toda a bexiga).
Em pacientes homens, a próstata e a
uretra também podem ser
removidas. Nas mulheres, o útero, as
trompas de Falópio, ovários e parte
da vagina podem ser retiradas.
Tratamento: Pós cirúrgico
Em caso de retirada total da bexiga,
poderá ser feita a reconstrução de
outro reservatório para a urina. Uma
parte do intestino será usada para criar
um conduto que levará a urina até
uma bolsa coletora externa, o que se
denomina urostomia.
Técnicas mais modernas permitem
que o paciente possa urinar
normalmente graças a construção de
uma bexiga artificial.
Tratamento: Quimioterapia
A químio consiste no uso de
medicamentos destinados a eliminar as
células cancerosas. Estes medicamentos
podem ser administrados antes da cirurgia
para diminuir o tamanho do tumor,
permitindo assim sua remoção.
A quimioterapia também é usada para
destruir as células cancerosas
remanescentes da cirurgia e diminuir as
chances da recidiva.
Os possíveis efeitos colaterais incluem
perda de cabelo, náuseas e vômitos,
perda de apetite e fadiga. A químio pode
ser administrada por via endovenosa ou
diretamente na bexiga.
Tratamento: Imunoterapia
Essa forma de tratamento é direcionada
especificamente à bexiga, de modo que
não trata o câncer que se disseminou
para outras partes.
A terapia com BCG (Bacilo de
Calmette-Guerin) é utilizada para o
tratamento do câncer de bexiga através
de um cateter.
Este tratamento estimula o sistema
imunológico para atacar o câncer.
Sintomas como os da gripe são efeitos
colaterais comuns no tratamento.
A imunoterapia pode ser utilizada após a cirurgia para reduzir o risco
de recidiva.
Tratamento: Radioterapia
A radioterapia usa feixes de alta energia,
raios X, para destruir as células
cancerosas e diminuir o tamanho do
tumor. É administrada de forma externa.
A radioterapia pode ser realizada junto
com outros tratamentos, como
quimioterapia e cirurgia.
Para pacientes que não podem se
submeter à cirurgia, pode ser o
tratamento principal.
Os possíveis efeitos colaterais incluem
náuseas, fadiga, irritação na pele, diarreia
e dor ao urinar.
Novos Tratamentos
Podem ser úteis na luta contra o câncer
de bexiga. A terapia fotodinâmica,
usada em cânceres em estágios iniciais,
usa um laser para ativar uma
substância química que mata as células
cancerosas.
Algumas terapias genéticas usam
vírus produzidos em laboratório para
combater o câncer.
Terapias alvo têm por objetivo controlar o crescimento de células
cancerosas. Finalmente você pode participar de estudos clínicos se
preencher os critérios de participação, converse com seu médico para
saber se existe algum protocolo clínico indicado para o seu caso.
Tratamentos
Complementares
Atualmente, existem tratamentos
complementares conhecidos para
tratar ou prevenir o câncer de
bexiga, no entanto mais estudos
devem ser feitos para demonstrar
sua eficácia.
Ensaios clínicos estão avaliando se
extratos de chá verde ou brotos de
brócolis podem ajudar no tratamento
de pessoas com câncer de bexiga.
Vivendo com câncer de
bexiga
A sobrevida está intimamente
ligada ao momento do diagnóstico.
Cerca de metade dos cânceres de bexiga
são diagnosticados quando a doença
está confinada ao revestimento interno
da bexiga.
Quase 100% desses pacientes terão uma
sobrevida de cinco anos. No entanto,
quanto mais avançado o câncer,
menor a estimativa.
Entretanto, novos avanços no diagnóstico e tratamento podem aumentar a
sobrevida, lembrando que cada paciente tem suas próprias características
e peculiaridades.
Sexualidade após o Câncer de
Bexiga
A cirurgia pode eventualmente danificar
nervos importantes, tornando o sexo mais
dificultoso. Alguns homens podem ter
problemas de ereção, embora em pacientes
mais jovens, isso melhora com o tempo.
Quando a próstata e as vesículas
seminais são retiradas, o sêmen não
será produzido.
As mulheres também podem ter problemas
com o orgasmo, e acharem a relação sexual
menos confortável e prazerosa.
Converse com seu médico e discuta as
opções de tratamento para seu caso.
Vivendo com Câncer de
Bexiga
O câncer é uma experiência de
mudança de vida. E, embora não haja
nenhuma maneira infalível de prevenir a
recidiva, você pode tomar medidas para
se sentir e se manter saudável.
Uma dieta com frutas, legumes, grãos
integrais e porções modestas de carne
magra é um grande começo. Se você
fuma, pare. Limite o consumo de álcool
a uma ou duas doses diárias.
O exercício diário e exames regulares também são importantes, pois
ajudam a sua saúde e proporcionam paz de espírito.
Câncer de Bexiga

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tudo Sobre Câncer de Próstata
Tudo Sobre Câncer de PróstataTudo Sobre Câncer de Próstata
Tudo Sobre Câncer de PróstataOncoguia
 
Câncer de esôfago
Câncer de esôfagoCâncer de esôfago
Câncer de esôfagokalinine
 
Câncer de próstata
Câncer de próstataCâncer de próstata
Câncer de próstataDeivid Castro
 
Hiperplasia prostática benigna
Hiperplasia prostática benignaHiperplasia prostática benigna
Hiperplasia prostática benignaIsadora Ribeiro
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de MamaOncoguia
 
Ca colorretal completo
Ca colorretal   completoCa colorretal   completo
Ca colorretal completoPedro Moura
 

Mais procurados (20)

Tudo Sobre Câncer de Próstata
Tudo Sobre Câncer de PróstataTudo Sobre Câncer de Próstata
Tudo Sobre Câncer de Próstata
 
Câncer de Pâncreas
Câncer de PâncreasCâncer de Pâncreas
Câncer de Pâncreas
 
Apresentação câncer de estômago
Apresentação câncer de estômagoApresentação câncer de estômago
Apresentação câncer de estômago
 
Câncer de esôfago
Câncer de esôfagoCâncer de esôfago
Câncer de esôfago
 
Oncologia básica
Oncologia básicaOncologia básica
Oncologia básica
 
Tumores da bexiga
Tumores da bexigaTumores da bexiga
Tumores da bexiga
 
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino lpjn
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino   lpjnConduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino   lpjn
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino lpjn
 
Câncer de Ovário
Câncer de OvárioCâncer de Ovário
Câncer de Ovário
 
Tumor do colon
Tumor do colonTumor do colon
Tumor do colon
 
Câncer de Pênis
Câncer de PênisCâncer de Pênis
Câncer de Pênis
 
Câncer de próstata
Câncer de próstataCâncer de próstata
Câncer de próstata
 
Cancer de Próstata
Cancer de PróstataCancer de Próstata
Cancer de Próstata
 
Cancer Colorretal
Cancer ColorretalCancer Colorretal
Cancer Colorretal
 
Diabetes Tipo 1
Diabetes Tipo 1Diabetes Tipo 1
Diabetes Tipo 1
 
HPV: prevenção, diagnóstico e abordagem
HPV: prevenção, diagnóstico e abordagemHPV: prevenção, diagnóstico e abordagem
HPV: prevenção, diagnóstico e abordagem
 
Cancer de pele
Cancer de peleCancer de pele
Cancer de pele
 
Hiperplasia prostática benigna
Hiperplasia prostática benignaHiperplasia prostática benigna
Hiperplasia prostática benigna
 
cancer de mama
cancer de mamacancer de mama
cancer de mama
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de Mama
 
Ca colorretal completo
Ca colorretal   completoCa colorretal   completo
Ca colorretal completo
 

Destaque

RTU - Bexiga - Como eu faço
RTU - Bexiga - Como eu façoRTU - Bexiga - Como eu faço
RTU - Bexiga - Como eu façoUrovideo.org
 
Patologias da Bexiga
Patologias da BexigaPatologias da Bexiga
Patologias da Bexigaalleyrand
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASOCUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASOJonathan Sampaio
 
Estrutura e funcionamento do rim humano
Estrutura e funcionamento do rim humanoEstrutura e funcionamento do rim humano
Estrutura e funcionamento do rim humanoAlbert Traquinho
 
Carcinogenese as bases moleculares do cancer
Carcinogenese as bases moleculares do cancerCarcinogenese as bases moleculares do cancer
Carcinogenese as bases moleculares do cancerVirgínia L. Sousa
 
1.sistema urinário, uropatias obstrutivas(agudas e crônicas) e nefropatias pa...
1.sistema urinário, uropatias obstrutivas(agudas e crônicas) e nefropatias pa...1.sistema urinário, uropatias obstrutivas(agudas e crônicas) e nefropatias pa...
1.sistema urinário, uropatias obstrutivas(agudas e crônicas) e nefropatias pa...Mickael Gomes
 
PACIENTES COM COAGULOPATIAS HEREDITÁRIAS
PACIENTES COM COAGULOPATIAS HEREDITÁRIASPACIENTES COM COAGULOPATIAS HEREDITÁRIAS
PACIENTES COM COAGULOPATIAS HEREDITÁRIASNadia Morais Tonussi
 
ConsideraçõEs Finais
ConsideraçõEs FinaisConsideraçõEs Finais
ConsideraçõEs Finaisgrupo_sigma
 
Câncer de Rim
Câncer de RimCâncer de Rim
Câncer de RimOncoguia
 
Cancer de endometrio
Cancer de endometrioCancer de endometrio
Cancer de endometriolerm1312
 
Câncer de Mama - SIPAT 2013
Câncer de Mama - SIPAT 2013Câncer de Mama - SIPAT 2013
Câncer de Mama - SIPAT 2013Camila Ferreira
 
carcinoma vesical (cancer de vejiga)
carcinoma vesical (cancer de vejiga)carcinoma vesical (cancer de vejiga)
carcinoma vesical (cancer de vejiga)Mariana Tellez
 

Destaque (20)

Caso clinico ca bexiga
Caso clinico ca bexigaCaso clinico ca bexiga
Caso clinico ca bexiga
 
RTU - Bexiga - Como eu faço
RTU - Bexiga - Como eu façoRTU - Bexiga - Como eu faço
RTU - Bexiga - Como eu faço
 
Patologias da Bexiga
Patologias da BexigaPatologias da Bexiga
Patologias da Bexiga
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASOCUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
 
Estrutura e funcionamento do rim humano
Estrutura e funcionamento do rim humanoEstrutura e funcionamento do rim humano
Estrutura e funcionamento do rim humano
 
Carcinogenese as bases moleculares do cancer
Carcinogenese as bases moleculares do cancerCarcinogenese as bases moleculares do cancer
Carcinogenese as bases moleculares do cancer
 
1.sistema urinário, uropatias obstrutivas(agudas e crônicas) e nefropatias pa...
1.sistema urinário, uropatias obstrutivas(agudas e crônicas) e nefropatias pa...1.sistema urinário, uropatias obstrutivas(agudas e crônicas) e nefropatias pa...
1.sistema urinário, uropatias obstrutivas(agudas e crônicas) e nefropatias pa...
 
Carcinomas Vesicales
Carcinomas Vesicales Carcinomas Vesicales
Carcinomas Vesicales
 
Cáncer de endometrio
Cáncer de endometrioCáncer de endometrio
Cáncer de endometrio
 
Introdução à Oncogenese
Introdução à OncogeneseIntrodução à Oncogenese
Introdução à Oncogenese
 
Oncologia cbr – faringe, laringe, cavidade
Oncologia cbr – faringe, laringe, cavidadeOncologia cbr – faringe, laringe, cavidade
Oncologia cbr – faringe, laringe, cavidade
 
PACIENTES COM COAGULOPATIAS HEREDITÁRIAS
PACIENTES COM COAGULOPATIAS HEREDITÁRIASPACIENTES COM COAGULOPATIAS HEREDITÁRIAS
PACIENTES COM COAGULOPATIAS HEREDITÁRIAS
 
ConsideraçõEs Finais
ConsideraçõEs FinaisConsideraçõEs Finais
ConsideraçõEs Finais
 
Câncer de Rim
Câncer de RimCâncer de Rim
Câncer de Rim
 
Cancer de endometrio
Cancer de endometrioCancer de endometrio
Cancer de endometrio
 
Câncer de Mama - SIPAT 2013
Câncer de Mama - SIPAT 2013Câncer de Mama - SIPAT 2013
Câncer de Mama - SIPAT 2013
 
Bi rads 3, 4 e 5 – como conduzir
Bi rads 3, 4 e 5 – como conduzirBi rads 3, 4 e 5 – como conduzir
Bi rads 3, 4 e 5 – como conduzir
 
carcinoma vesical (cancer de vejiga)
carcinoma vesical (cancer de vejiga)carcinoma vesical (cancer de vejiga)
carcinoma vesical (cancer de vejiga)
 
Birads- Padrões Mamográficos e Ultrassonográficos
Birads- Padrões Mamográficos e UltrassonográficosBirads- Padrões Mamográficos e Ultrassonográficos
Birads- Padrões Mamográficos e Ultrassonográficos
 
Câncer Renal
Câncer Renal Câncer Renal
Câncer Renal
 

Semelhante a Câncer de Bexiga

Câncer de Ovário
Câncer de OvárioCâncer de Ovário
Câncer de OvárioOncoguia
 
O que você precisa saber Câncer colorretal
O que você precisa saber Câncer colorretalO que você precisa saber Câncer colorretal
O que você precisa saber Câncer colorretalTookmed
 
Câncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do ÚteroCâncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do ÚteroOncoguia
 
Câncer de Vesicula biliar
Câncer de Vesicula biliarCâncer de Vesicula biliar
Câncer de Vesicula biliarOncoguia
 
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptxAULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptxVanessaAlvesDeSouza4
 
Saiba tudo sobre Câncer de Fígado
Saiba tudo sobre Câncer de FígadoSaiba tudo sobre Câncer de Fígado
Saiba tudo sobre Câncer de FígadoOncoguia
 
Câncer de Pâncreas
Câncer de PâncreasCâncer de Pâncreas
Câncer de PâncreasOncoguia
 
Câncer de Via Biliar
Câncer de Via BiliarCâncer de Via Biliar
Câncer de Via BiliarOncoguia
 
Câncer Útero / Próstata / Mama
Câncer Útero / Próstata / MamaCâncer Útero / Próstata / Mama
Câncer Útero / Próstata / MamaAndressa Macena
 
Cancro da próstata
Cancro da próstataCancro da próstata
Cancro da próstataDiogo Alves
 
Novembro azul
Novembro azulNovembro azul
Novembro azulraquel400
 
Aula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptx
Aula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptxAula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptx
Aula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptxadriano silva
 
Sarcoma Uterino
Sarcoma UterinoSarcoma Uterino
Sarcoma UterinoOncoguia
 
Câncer de Estômago
Câncer de EstômagoCâncer de Estômago
Câncer de EstômagoOncoguia
 
Neoplasia de próstata 25.04.pdf
Neoplasia de próstata 25.04.pdfNeoplasia de próstata 25.04.pdf
Neoplasia de próstata 25.04.pdfValeria146201
 

Semelhante a Câncer de Bexiga (20)

Câncer de Ovário
Câncer de OvárioCâncer de Ovário
Câncer de Ovário
 
O que você precisa saber Câncer colorretal
O que você precisa saber Câncer colorretalO que você precisa saber Câncer colorretal
O que você precisa saber Câncer colorretal
 
Câncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do ÚteroCâncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do Útero
 
Câncer de Vesicula biliar
Câncer de Vesicula biliarCâncer de Vesicula biliar
Câncer de Vesicula biliar
 
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptxAULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
 
Saiba tudo sobre Câncer de Fígado
Saiba tudo sobre Câncer de FígadoSaiba tudo sobre Câncer de Fígado
Saiba tudo sobre Câncer de Fígado
 
Câncer de Pâncreas
Câncer de PâncreasCâncer de Pâncreas
Câncer de Pâncreas
 
Câncer de Via Biliar
Câncer de Via BiliarCâncer de Via Biliar
Câncer de Via Biliar
 
Câncer Útero / Próstata / Mama
Câncer Útero / Próstata / MamaCâncer Útero / Próstata / Mama
Câncer Útero / Próstata / Mama
 
Cancro da próstata
Cancro da próstataCancro da próstata
Cancro da próstata
 
Novembro azul
Novembro azulNovembro azul
Novembro azul
 
Aula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptx
Aula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptxAula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptx
Aula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptx
 
Sarcoma Uterino
Sarcoma UterinoSarcoma Uterino
Sarcoma Uterino
 
Reprodução e bioética
Reprodução e bioética Reprodução e bioética
Reprodução e bioética
 
Cancer de colo do utero
Cancer de colo do utero Cancer de colo do utero
Cancer de colo do utero
 
Oncologia Enfermagem
Oncologia EnfermagemOncologia Enfermagem
Oncologia Enfermagem
 
Cancro da mama
Cancro da mamaCancro da mama
Cancro da mama
 
Câncer de Estômago
Câncer de EstômagoCâncer de Estômago
Câncer de Estômago
 
Cancro
CancroCancro
Cancro
 
Neoplasia de próstata 25.04.pdf
Neoplasia de próstata 25.04.pdfNeoplasia de próstata 25.04.pdf
Neoplasia de próstata 25.04.pdf
 

Mais de Oncoguia

Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' PerspectiveFeelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' PerspectiveOncoguia
 
Insights from a Brazilian Patient Group
Insights from a Brazilian Patient GroupInsights from a Brazilian Patient Group
Insights from a Brazilian Patient GroupOncoguia
 
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...Oncoguia
 
Obesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicasObesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicasOncoguia
 
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favelaPesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favelaOncoguia
 
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileirasPercepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileirasOncoguia
 
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!Oncoguia
 
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadoresImpactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadoresOncoguia
 
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicasCosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicasOncoguia
 
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021Oncoguia
 
Por uma oncologia mais atual e justa
 Por uma oncologia mais atual e justa Por uma oncologia mais atual e justa
Por uma oncologia mais atual e justaOncoguia
 
Percepções da população brasileira sobre o câncer
Percepções da população brasileira sobre o câncerPercepções da população brasileira sobre o câncer
Percepções da população brasileira sobre o câncerOncoguia
 
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdfDatafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdfOncoguia
 
Como contribuir em Consulta Pública da Conitec
Como contribuir em Consulta Pública da ConitecComo contribuir em Consulta Pública da Conitec
Como contribuir em Consulta Pública da ConitecOncoguia
 
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022Oncoguia
 
Study of cancer patient's communication of pain to the health team
Study of cancer patient's communication of pain to the health teamStudy of cancer patient's communication of pain to the health team
Study of cancer patient's communication of pain to the health teamOncoguia
 
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...Oncoguia
 
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...Oncoguia
 
Cancer de fígado - ILNC
Cancer de fígado - ILNCCancer de fígado - ILNC
Cancer de fígado - ILNCOncoguia
 
Como contribuir em consulta pública da Conitec
Como contribuir em consulta pública da ConitecComo contribuir em consulta pública da Conitec
Como contribuir em consulta pública da ConitecOncoguia
 

Mais de Oncoguia (20)

Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' PerspectiveFeelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
 
Insights from a Brazilian Patient Group
Insights from a Brazilian Patient GroupInsights from a Brazilian Patient Group
Insights from a Brazilian Patient Group
 
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
 
Obesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicasObesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicas
 
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favelaPesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
 
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileirasPercepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
 
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
 
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadoresImpactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
 
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicasCosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
 
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
 
Por uma oncologia mais atual e justa
 Por uma oncologia mais atual e justa Por uma oncologia mais atual e justa
Por uma oncologia mais atual e justa
 
Percepções da população brasileira sobre o câncer
Percepções da população brasileira sobre o câncerPercepções da população brasileira sobre o câncer
Percepções da população brasileira sobre o câncer
 
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdfDatafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
 
Como contribuir em Consulta Pública da Conitec
Como contribuir em Consulta Pública da ConitecComo contribuir em Consulta Pública da Conitec
Como contribuir em Consulta Pública da Conitec
 
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
 
Study of cancer patient's communication of pain to the health team
Study of cancer patient's communication of pain to the health teamStudy of cancer patient's communication of pain to the health team
Study of cancer patient's communication of pain to the health team
 
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
 
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
 
Cancer de fígado - ILNC
Cancer de fígado - ILNCCancer de fígado - ILNC
Cancer de fígado - ILNC
 
Como contribuir em consulta pública da Conitec
Como contribuir em consulta pública da ConitecComo contribuir em consulta pública da Conitec
Como contribuir em consulta pública da Conitec
 

Câncer de Bexiga

  • 1.
  • 3. O que é o Câncer de Bexiga? Câncer é o crescimento de células anormais no corpo. O câncer de bexiga normalmente começa no revestimento interno do órgão. A maioria dos cânceres de bexiga são diagnosticados precocemente, quando a doença ainda não se disseminou para outros órgãos. No entanto, o câncer de bexiga tende a recidivar, por isso, check-ups regulares são muito importantes.
  • 4. Sinal de Perigo: Sangue na Urina Sangue na urina pode ser um sinal de câncer de bexiga, seja visível a olho nu ou detectado em exames de rotina. A urina pode parecer mais escura do que o normal, acastanhada ou (raramente) vermelho vivo. Entretanto, sangue na urina, não significa necessariamente câncer, pode ser devido a outras causas, como por exemplo, exercícios, traumas, infecções, doenças renais ou sanguíneas ou uso de medicamentos, como drogas que afinam o sangue.
  • 5. Sinais de Alerta É mais comum que os sintomas aconteçam por outras causas que não o câncer. Porém, o câncer de bexiga pode provocar alterações na frequência urinária, incluindo: necessidade de urinar mais vezes do que o normal, dor ou dificuldade ao urinar. Infecções do trato urinário ou cálculos renais podem causar sintomas semelhantes e exigem tratamentos diferentes.
  • 6. Fatores de Risco: Fumo Apesar que as causas exatas do câncer de bexiga permanecerem desconhecidas, o tabagismo é o principal fator de risco. Fumantes são quatro vezes mais propensos a ter câncer de bexiga do que pessoas que nunca fumaram. Substâncias químicas inaladas da fumaça do tabaco chegam aos pulmões e depois são levadas à corrente sanguínea, que é filtrada pelos rins até chegar à bexiga. As substâncias concentradas são nocivas, podendo danificar as células da bexiga e eventualmente provocar câncer.
  • 7. Fatores de Risco: Exposição a Produtos Químicos Pesquisas sugerem que determinados tipos de trabalho podem aumentar o risco de câncer de bexiga. Metalúrgicos, mecânicos e cabeleireiros estão entre aqueles que podem estar expostos a produtos químicos potencialmente cancerígenos. Se você trabalha com corantes ou na fabricação de borracha, têxteis, couro ou tintas, não se esqueça de seguir os procedimentos de segurança para reduzir o contato com essas substâncias. Fumar aumenta ainda mais o risco de exposição às substâncias químicas.
  • 8. Outros Fatores de Risco • Gênero - Os homens são três vezes mais propensos a ter câncer de bexiga. • Idade - Nove em cada 10 casos ocorrem em pessoas com mais de 55 anos. • Etnia - Brancos têm duas vezes mais risco de desenvolver a doença do que pessoas de raça negra. Outros fatores incluem histórico familiar de câncer da bexiga, tratamentos anteriores de câncer, defeitos congênitos e inflamação crônica da bexiga.
  • 9. Diagnóstico: Exame Não existe um exame de rotina para câncer de bexiga. Mas, se você apresenta sintomas ou pertence a um grupo de risco, seu médico pode solicitar um exame de urina. Se necessário, será feita uma cistoscopia, para visualizar o interior da bexiga através da endoscopia. O cistoscópio permite a retirada de amostras de tecido para análise por um patologista. A biópsia é a forma de diagnosticar o câncer.
  • 10. Diagnóstico: Imagem Se o câncer for diagnosticado, serão solicitados exames de imagem para determinar a extensão da doença: • Urografia Excretora - Utiliza um corante para delinear os rins, bexiga e ureteres, que são os canais que transportam a urina para a bexiga. • Tomografia e Ressonância Magnética - Por meio de imagens detalhadas, podem evidenciar os gânglios linfáticos próximos. • Ultrassom - Produz imagens usando ondas sonoras, ao invés de radiação. • PETscan - Útil na procura por metástases para outros órgãos, como gânglios linfáticos, pulmões e ossos.
  • 11. Tipos de Câncer de Bexiga Os principais tipos de câncer de bexiga são nomeados pelo tipo das células que se tornam cancerosas. O mais comum é o carcinoma de células de transição, que começa nas células que revestem o interior da bexiga. Existem também o carcinoma de células escamosas e o adenocarcinoma que são menos comuns.
  • 12. Estágios do Câncer de Bexiga • Estágio 0 - O câncer permanece no revestimento interno. • Estágio I - O câncer se disseminou para a parede da bexiga. • Estágio II - O câncer atingiu o músculo da parede da bexiga. • Estágio III - O câncer se disseminou para o tecido adiposo em torno da bexiga. • Estágio IV - O câncer se disseminou para a parede pélvica ou abdominal, gânglios linfáticos ou locais distantes, como ossos, fígado ou pulmões.
  • 13. Tratamento: Cirurgia A cirurgia transuretral é realizada para o câncer de bexiga em estágio inicial. Em caso de estágios mais avançados, poderá ser realizada uma cistectomia parcial (remoção de uma parte da bexiga) ou uma cistectomia radical (retirada de toda a bexiga). Em pacientes homens, a próstata e a uretra também podem ser removidas. Nas mulheres, o útero, as trompas de Falópio, ovários e parte da vagina podem ser retiradas.
  • 14. Tratamento: Pós cirúrgico Em caso de retirada total da bexiga, poderá ser feita a reconstrução de outro reservatório para a urina. Uma parte do intestino será usada para criar um conduto que levará a urina até uma bolsa coletora externa, o que se denomina urostomia. Técnicas mais modernas permitem que o paciente possa urinar normalmente graças a construção de uma bexiga artificial.
  • 15. Tratamento: Quimioterapia A químio consiste no uso de medicamentos destinados a eliminar as células cancerosas. Estes medicamentos podem ser administrados antes da cirurgia para diminuir o tamanho do tumor, permitindo assim sua remoção. A quimioterapia também é usada para destruir as células cancerosas remanescentes da cirurgia e diminuir as chances da recidiva. Os possíveis efeitos colaterais incluem perda de cabelo, náuseas e vômitos, perda de apetite e fadiga. A químio pode ser administrada por via endovenosa ou diretamente na bexiga.
  • 16. Tratamento: Imunoterapia Essa forma de tratamento é direcionada especificamente à bexiga, de modo que não trata o câncer que se disseminou para outras partes. A terapia com BCG (Bacilo de Calmette-Guerin) é utilizada para o tratamento do câncer de bexiga através de um cateter. Este tratamento estimula o sistema imunológico para atacar o câncer. Sintomas como os da gripe são efeitos colaterais comuns no tratamento. A imunoterapia pode ser utilizada após a cirurgia para reduzir o risco de recidiva.
  • 17. Tratamento: Radioterapia A radioterapia usa feixes de alta energia, raios X, para destruir as células cancerosas e diminuir o tamanho do tumor. É administrada de forma externa. A radioterapia pode ser realizada junto com outros tratamentos, como quimioterapia e cirurgia. Para pacientes que não podem se submeter à cirurgia, pode ser o tratamento principal. Os possíveis efeitos colaterais incluem náuseas, fadiga, irritação na pele, diarreia e dor ao urinar.
  • 18. Novos Tratamentos Podem ser úteis na luta contra o câncer de bexiga. A terapia fotodinâmica, usada em cânceres em estágios iniciais, usa um laser para ativar uma substância química que mata as células cancerosas. Algumas terapias genéticas usam vírus produzidos em laboratório para combater o câncer. Terapias alvo têm por objetivo controlar o crescimento de células cancerosas. Finalmente você pode participar de estudos clínicos se preencher os critérios de participação, converse com seu médico para saber se existe algum protocolo clínico indicado para o seu caso.
  • 19. Tratamentos Complementares Atualmente, existem tratamentos complementares conhecidos para tratar ou prevenir o câncer de bexiga, no entanto mais estudos devem ser feitos para demonstrar sua eficácia. Ensaios clínicos estão avaliando se extratos de chá verde ou brotos de brócolis podem ajudar no tratamento de pessoas com câncer de bexiga.
  • 20. Vivendo com câncer de bexiga A sobrevida está intimamente ligada ao momento do diagnóstico. Cerca de metade dos cânceres de bexiga são diagnosticados quando a doença está confinada ao revestimento interno da bexiga. Quase 100% desses pacientes terão uma sobrevida de cinco anos. No entanto, quanto mais avançado o câncer, menor a estimativa. Entretanto, novos avanços no diagnóstico e tratamento podem aumentar a sobrevida, lembrando que cada paciente tem suas próprias características e peculiaridades.
  • 21. Sexualidade após o Câncer de Bexiga A cirurgia pode eventualmente danificar nervos importantes, tornando o sexo mais dificultoso. Alguns homens podem ter problemas de ereção, embora em pacientes mais jovens, isso melhora com o tempo. Quando a próstata e as vesículas seminais são retiradas, o sêmen não será produzido. As mulheres também podem ter problemas com o orgasmo, e acharem a relação sexual menos confortável e prazerosa. Converse com seu médico e discuta as opções de tratamento para seu caso.
  • 22. Vivendo com Câncer de Bexiga O câncer é uma experiência de mudança de vida. E, embora não haja nenhuma maneira infalível de prevenir a recidiva, você pode tomar medidas para se sentir e se manter saudável. Uma dieta com frutas, legumes, grãos integrais e porções modestas de carne magra é um grande começo. Se você fuma, pare. Limite o consumo de álcool a uma ou duas doses diárias. O exercício diário e exames regulares também são importantes, pois ajudam a sua saúde e proporcionam paz de espírito.