SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
8:30 - 10:00 - Garantindo uma Oncologia Digna e Sustentável: O que? Para quem?
Coordenação: Rafael Kaliks
 Patricia Prolla
Oncogeneticista
 Dirceu Barbano
Interfarma
 Sandro José Martins
Coordenador-Geral de Atenção Especializada – DAET/SAS/MS
 Raquel Medeiros Lisboa
Gerência Geral de Regulação Assistencial
Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos Diretorias - Agência Nacional de Saúde Suplementar
 Luciana Holtz
Presidente do Instituto Oncoguia
Como evitar que alguém morra de câncer?
Prevenção Primária e Secundária
Prevenção Primária e Secundária: O que? Para quem?
• Educação infantil e adulta: manutenção de
saúde
• Educação Médica Continuada
• Perguntas básicas sobre risco familiar
• Avisos individualizados
• Prevenção de obesidade e sedentarismo
• Prevenção de Tabagismo
• Mamografia, Papanicolau, Colonoscopia
• Vacinação HPV
O que? Para quem?
Vacinação para HPV
www.sboc.org.br
Como evitar que alguém morra de câncer?
Diagnóstico rápido e correto
O que? Para quem?: Temos que POUPAR pacientes de
tratamentos desnecessários ou ineficazes
Sem deixar o custo dos testes seguir o custo das drogas
Como prover “Diagnóstico rápido e correto”?
Todo CACON/UNACON têm de ter
PATOLOGIA de qualidade, financiamento
apropriado
TelepatologiaTeste Genético
Usar as regras da ANS, laboratórios centrais
É necessária certificação de
qualidade e acompanhamento
Testes moleculares
•Germinativos: novo ROL
uso da informação
testes e cirurgias red. Risco
•Somáticos: “cria” doenças raras
uso off-label
indústria de testes
O que? Para quem? Saúde Suplementar
O que? Para quem?
Cirurgia oncológica:
• Totalmente dependente do cirurgião, UTI, suporte
• Dificilmente reprodutível
• “cirurgia excessiva” a melhor opção?
• Mastectomia ao invés de setorectomia quando não é
certo que haja radioterapia
• Amputação de reto quando não houver seguimento
adequado após radio-quimioterapia
O que? Para quem?
Radioterapia:
• Totalmente dependente de aceleradores lineares
• 60% dos casos têm indicação
• 40% não terão acesso (144.000 PACIENTES)
• Hipofracionamento (tratamento mais curto) em casos
selecionados
• Questões de remuneração na Saúde Suplementar
• Recomendação formal no SUS
O que? Para quem?
Tratamento: quais as maiores deficiências
Não tenho “o meu médico” = ensinar responsabilização
pessoal pelo paciente
Abordagem multiprofissional: assistente social, psicólogo,
enfermeira “fixa”, nutricionista, médicos fixos
Segurança de estar recebendo o “melhor tratamento”: evitar
a judicialização a (quase) todo custo
Possibilidade de comunicação e suporte a qualquer momento
aumenta o tempo de vida
Tratamento sistêmico: quem decide o “padrão”?
TUDO ISTO tem de ser completamente claro e transparente
• Sociedade Médica de Especialidade (SBOC, SBRT) sugere
padrão, com auxilio de especialistas em ATS
• CONITEC pre-estabelece critérios
• CONITEC + Fabricante + Pacientes + Consultores em ATS
• SAS assimila diretriz da SBOC com ressalva para o que não
pode ser pago no SUS
CONITEC: se não mudar, ela deixa de existir
•Composição questionável
• Necessidade de critérios preexistentes
•Se envolver no processo ANTES da submissão
• Reconhecer ATS por critérios diferentes para doenças órfãs
• Não chegar a conclusões diferentes do resto do mundo
•Avaliação automática após registro da ANVISA
• Transparência TOTAL nas decisões
O que? Para quem? Saúde Suplementar
•ANVISA >> registro >> CMED
•EV: autorização imediata
•VO: avaliação para o ROL (2 anos)
•Distorções absurdas:
•Crizotinibe levou anos para incorporação>> há melhores
•Erlotinib e Bevacizumab aprovado com base em fase II (SLP)
• Pressão das operadoras
• Discussão ABSURDA sobre
eficácia e segurança
• Impacto estimado irreal
• Apego a prazos e não ao
paciente
Maria Inês Gadelha: um alerta MUITO pertinente
•Cuidado para não “criarmos doenças órfãs” pela falta de
interesse econômico em seus tratamentos!
•Necessidade de um PACTO entre fabricantes, governo e
sociedade
Precificação das drogas: o problema mais difícil
Educação em Políticas Públicas
Sistema de Saúde
Valorização de quem dedica
tempo para bem comum
Ampliar a discussão
para além das opiniões
Grupos de pacientes
com expectativas
realistas
Aumentar a chance de um
SUS-Oncologia perene
O que? Para quem?
• Pesquisa clínica da indústria: ensina uma sistemática,
organiza o centro, desonera o SUS, oferece novos
tratamentos, empregos
• Pesquisa clínica idealizada no Brasil: avanço científico
real
• Educar a população sobre as vantagens
Conclusões
•O paciente é um só
•Não podem existir múltiplas diretrizes (SBOC, AMB, SAS, ...)
•Não se deve perder tempo e energia com múltiplas
avaliações do mesmo dado!
•Radioterapia é uma EMERGENCIA
•Patologia, testes moleculares são uma URGÊNCIA
•ANS protege sustentabilidade da SS e CONITEC a do SUS
MANTENDO O PACIENTE NO CENTRO
•Pesquisa em larga escala é uma solução ganha-ganha
•Não existe DAR TUDO A TODOS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Carta de Prioridades sobre Câncer de Rim
Carta de Prioridades sobre Câncer de RimCarta de Prioridades sobre Câncer de Rim
Carta de Prioridades sobre Câncer de RimOncoguia
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...Proqualis
 
2 avaliacaomultidimensionaldoidoso
2 avaliacaomultidimensionaldoidoso2 avaliacaomultidimensionaldoidoso
2 avaliacaomultidimensionaldoidosoSandra Martins
 
Lei dos 60 dias, SISCAN e Portaria 140 - Sandro Martins
Lei dos 60 dias, SISCAN e Portaria 140 - Sandro Martins Lei dos 60 dias, SISCAN e Portaria 140 - Sandro Martins
Lei dos 60 dias, SISCAN e Portaria 140 - Sandro Martins Oncoguia
 
Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...
Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...
Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...Proqualis
 
Por uma oncologia mais justa e menos desigual no SUS
Por uma oncologia mais justa e menos desigual no SUSPor uma oncologia mais justa e menos desigual no SUS
Por uma oncologia mais justa e menos desigual no SUSOncoguia
 
Apresentacao anvisa
Apresentacao anvisaApresentacao anvisa
Apresentacao anvisa07082001
 
Desprescrição como estratégia para atendimento a pacientes polimedicados
Desprescrição como estratégia para atendimento a pacientes polimedicadosDesprescrição como estratégia para atendimento a pacientes polimedicados
Desprescrição como estratégia para atendimento a pacientes polimedicadosangelitamelo
 
Evento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redondaEvento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redondaangelitamelo
 
Por um diagnóstico de câncer mais ágil e de qualidade
Por um diagnóstico de câncer mais ágil e de qualidadePor um diagnóstico de câncer mais ágil e de qualidade
Por um diagnóstico de câncer mais ágil e de qualidadeOncoguia
 
A ATUAÇÃO DA ENFERMEIRA DE LIGAÇAO NO MODELO CHC/UFPR DE GESTÃO DE ALTAS
A ATUAÇÃO DA ENFERMEIRA DE  LIGAÇAO NO MODELO CHC/UFPR DE  GESTÃO DE ALTASA ATUAÇÃO DA ENFERMEIRA DE  LIGAÇAO NO MODELO CHC/UFPR DE  GESTÃO DE ALTAS
A ATUAÇÃO DA ENFERMEIRA DE LIGAÇAO NO MODELO CHC/UFPR DE GESTÃO DE ALTASPortal da Inovação em Saúde
 
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE Guilherme Barcellos
 
O ENFRENTAMENTO DA SIFILIS A PARTIR DA AMPLIAÇÃO DA CLÍNICA DO ENFERMEIRO EM...
O ENFRENTAMENTO DA SIFILIS A PARTIR DA  AMPLIAÇÃO DA CLÍNICA DO ENFERMEIRO EM...O ENFRENTAMENTO DA SIFILIS A PARTIR DA  AMPLIAÇÃO DA CLÍNICA DO ENFERMEIRO EM...
O ENFRENTAMENTO DA SIFILIS A PARTIR DA AMPLIAÇÃO DA CLÍNICA DO ENFERMEIRO EM...Portal da Inovação em Saúde
 
V seminário internacional em promoção da saúd1
V seminário internacional em promoção da saúd1V seminário internacional em promoção da saúd1
V seminário internacional em promoção da saúd1Vilma Pereira da Silva
 
Ppt coletiva seguranca_paciente_final
Ppt coletiva seguranca_paciente_finalPpt coletiva seguranca_paciente_final
Ppt coletiva seguranca_paciente_finalJornal do Commercio
 
12 implantação e disseminação do programa nacional de segurança do paciente: ...
12 implantação e disseminação do programa nacional de segurança do paciente: ...12 implantação e disseminação do programa nacional de segurança do paciente: ...
12 implantação e disseminação do programa nacional de segurança do paciente: ...Proqualis
 
10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_pacienteCamila Melo
 
Como contribuir em consulta pública da Conitec
Como contribuir em consulta pública da ConitecComo contribuir em consulta pública da Conitec
Como contribuir em consulta pública da ConitecOncoguia
 
O que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMS
O que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMSO que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMS
O que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMSProqualis
 
Medicação sem danos: o terceiro desafio global da OMS
Medicação sem danos: o terceiro desafio global da OMSMedicação sem danos: o terceiro desafio global da OMS
Medicação sem danos: o terceiro desafio global da OMSProqualis
 

Mais procurados (20)

Carta de Prioridades sobre Câncer de Rim
Carta de Prioridades sobre Câncer de RimCarta de Prioridades sobre Câncer de Rim
Carta de Prioridades sobre Câncer de Rim
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...
 
2 avaliacaomultidimensionaldoidoso
2 avaliacaomultidimensionaldoidoso2 avaliacaomultidimensionaldoidoso
2 avaliacaomultidimensionaldoidoso
 
Lei dos 60 dias, SISCAN e Portaria 140 - Sandro Martins
Lei dos 60 dias, SISCAN e Portaria 140 - Sandro Martins Lei dos 60 dias, SISCAN e Portaria 140 - Sandro Martins
Lei dos 60 dias, SISCAN e Portaria 140 - Sandro Martins
 
Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...
Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...
Aula 2: Limpeza e desinfecção de superficíes e equipamentos na pandemia de Co...
 
Por uma oncologia mais justa e menos desigual no SUS
Por uma oncologia mais justa e menos desigual no SUSPor uma oncologia mais justa e menos desigual no SUS
Por uma oncologia mais justa e menos desigual no SUS
 
Apresentacao anvisa
Apresentacao anvisaApresentacao anvisa
Apresentacao anvisa
 
Desprescrição como estratégia para atendimento a pacientes polimedicados
Desprescrição como estratégia para atendimento a pacientes polimedicadosDesprescrição como estratégia para atendimento a pacientes polimedicados
Desprescrição como estratégia para atendimento a pacientes polimedicados
 
Evento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redondaEvento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redonda
 
Por um diagnóstico de câncer mais ágil e de qualidade
Por um diagnóstico de câncer mais ágil e de qualidadePor um diagnóstico de câncer mais ágil e de qualidade
Por um diagnóstico de câncer mais ágil e de qualidade
 
A ATUAÇÃO DA ENFERMEIRA DE LIGAÇAO NO MODELO CHC/UFPR DE GESTÃO DE ALTAS
A ATUAÇÃO DA ENFERMEIRA DE  LIGAÇAO NO MODELO CHC/UFPR DE  GESTÃO DE ALTASA ATUAÇÃO DA ENFERMEIRA DE  LIGAÇAO NO MODELO CHC/UFPR DE  GESTÃO DE ALTAS
A ATUAÇÃO DA ENFERMEIRA DE LIGAÇAO NO MODELO CHC/UFPR DE GESTÃO DE ALTAS
 
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
 
O ENFRENTAMENTO DA SIFILIS A PARTIR DA AMPLIAÇÃO DA CLÍNICA DO ENFERMEIRO EM...
O ENFRENTAMENTO DA SIFILIS A PARTIR DA  AMPLIAÇÃO DA CLÍNICA DO ENFERMEIRO EM...O ENFRENTAMENTO DA SIFILIS A PARTIR DA  AMPLIAÇÃO DA CLÍNICA DO ENFERMEIRO EM...
O ENFRENTAMENTO DA SIFILIS A PARTIR DA AMPLIAÇÃO DA CLÍNICA DO ENFERMEIRO EM...
 
V seminário internacional em promoção da saúd1
V seminário internacional em promoção da saúd1V seminário internacional em promoção da saúd1
V seminário internacional em promoção da saúd1
 
Ppt coletiva seguranca_paciente_final
Ppt coletiva seguranca_paciente_finalPpt coletiva seguranca_paciente_final
Ppt coletiva seguranca_paciente_final
 
12 implantação e disseminação do programa nacional de segurança do paciente: ...
12 implantação e disseminação do programa nacional de segurança do paciente: ...12 implantação e disseminação do programa nacional de segurança do paciente: ...
12 implantação e disseminação do programa nacional de segurança do paciente: ...
 
10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente
 
Como contribuir em consulta pública da Conitec
Como contribuir em consulta pública da ConitecComo contribuir em consulta pública da Conitec
Como contribuir em consulta pública da Conitec
 
O que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMS
O que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMSO que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMS
O que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMS
 
Medicação sem danos: o terceiro desafio global da OMS
Medicação sem danos: o terceiro desafio global da OMSMedicação sem danos: o terceiro desafio global da OMS
Medicação sem danos: o terceiro desafio global da OMS
 

Semelhante a 7º Fórum Oncoguia - 28/06/2017 - Rafael Kaliks

Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favelaPesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favelaOncoguia
 
Carta Aberta aos Candidatos de 2018
Carta Aberta aos Candidatos de 2018Carta Aberta aos Candidatos de 2018
Carta Aberta aos Candidatos de 2018Oncoguia
 
Instituto Oncoguia: Relatório de Atividades 2014
Instituto Oncoguia: Relatório de Atividades 2014Instituto Oncoguia: Relatório de Atividades 2014
Instituto Oncoguia: Relatório de Atividades 2014Oncoguia
 
2012 cma prevenção quaternaria
2012 cma prevenção quaternaria2012 cma prevenção quaternaria
2012 cma prevenção quaternariaLeonardo Savassi
 
Atualização em Avaliação de Tecnologias em Saúde
Atualização em Avaliação de Tecnologias em SaúdeAtualização em Avaliação de Tecnologias em Saúde
Atualização em Avaliação de Tecnologias em SaúdeIsabella Oliveira
 
Escolhas Sábias para Nosso Sistema de Saúde
Escolhas Sábias para Nosso Sistema de SaúdeEscolhas Sábias para Nosso Sistema de Saúde
Escolhas Sábias para Nosso Sistema de SaúdeGuilherme Barcellos
 
Curso curicular 4 ano - Knowledge translation
Curso curicular 4 ano - Knowledge translationCurso curicular 4 ano - Knowledge translation
Curso curicular 4 ano - Knowledge translationDavid Rodrigues
 
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdfResumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdfCristina Costa
 
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdfResumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdfCristina Costa
 
Epidemiologia -Prevenção quaternária
Epidemiologia -Prevenção quaternáriaEpidemiologia -Prevenção quaternária
Epidemiologia -Prevenção quaternáriaVinicius Moreira
 
PREVALÊNCIA DE AUTOMEDICAÇÃO ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRA...
PREVALÊNCIA DE AUTOMEDICAÇÃO ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRA...PREVALÊNCIA DE AUTOMEDICAÇÃO ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRA...
PREVALÊNCIA DE AUTOMEDICAÇÃO ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRA...Marina Sousa
 
ATS e doenças raras
ATS e doenças rarasATS e doenças raras
ATS e doenças rarasCONITEC
 
Cirurgia da Obesidade Morbida
Cirurgia da Obesidade MorbidaCirurgia da Obesidade Morbida
Cirurgia da Obesidade MorbidaAdriana Rickli
 
Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...
Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...
Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...Guilherme Barcellos
 
Considerações práticas sobre a aplicação de ATS para equipamentos e dispositi...
Considerações práticas sobre a aplicação de ATS para equipamentos e dispositi...Considerações práticas sobre a aplicação de ATS para equipamentos e dispositi...
Considerações práticas sobre a aplicação de ATS para equipamentos e dispositi...Empreender Saúde
 

Semelhante a 7º Fórum Oncoguia - 28/06/2017 - Rafael Kaliks (20)

Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favelaPesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
 
Prevenção Quaternária - Sobrediagnóstico
Prevenção Quaternária - SobrediagnósticoPrevenção Quaternária - Sobrediagnóstico
Prevenção Quaternária - Sobrediagnóstico
 
Pesquisa clinica -
Pesquisa clinica - Pesquisa clinica -
Pesquisa clinica -
 
Carta Aberta aos Candidatos de 2018
Carta Aberta aos Candidatos de 2018Carta Aberta aos Candidatos de 2018
Carta Aberta aos Candidatos de 2018
 
Instituto Oncoguia: Relatório de Atividades 2014
Instituto Oncoguia: Relatório de Atividades 2014Instituto Oncoguia: Relatório de Atividades 2014
Instituto Oncoguia: Relatório de Atividades 2014
 
2012 cma prevenção quaternaria
2012 cma prevenção quaternaria2012 cma prevenção quaternaria
2012 cma prevenção quaternaria
 
Atualização em Avaliação de Tecnologias em Saúde
Atualização em Avaliação de Tecnologias em SaúdeAtualização em Avaliação de Tecnologias em Saúde
Atualização em Avaliação de Tecnologias em Saúde
 
Escolhas Sábias para Nosso Sistema de Saúde
Escolhas Sábias para Nosso Sistema de SaúdeEscolhas Sábias para Nosso Sistema de Saúde
Escolhas Sábias para Nosso Sistema de Saúde
 
Luis Fernando Rolim
Luis Fernando RolimLuis Fernando Rolim
Luis Fernando Rolim
 
Curso curicular 4 ano - Knowledge translation
Curso curicular 4 ano - Knowledge translationCurso curicular 4 ano - Knowledge translation
Curso curicular 4 ano - Knowledge translation
 
Cirurgiasegura
CirurgiaseguraCirurgiasegura
Cirurgiasegura
 
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdfResumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdf
 
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdfResumo Diretrizes INCA 2018.pdf
Resumo Diretrizes INCA 2018.pdf
 
Epidemiologia -Prevenção quaternária
Epidemiologia -Prevenção quaternáriaEpidemiologia -Prevenção quaternária
Epidemiologia -Prevenção quaternária
 
PREVALÊNCIA DE AUTOMEDICAÇÃO ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRA...
PREVALÊNCIA DE AUTOMEDICAÇÃO ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRA...PREVALÊNCIA DE AUTOMEDICAÇÃO ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRA...
PREVALÊNCIA DE AUTOMEDICAÇÃO ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRA...
 
ATS e doenças raras
ATS e doenças rarasATS e doenças raras
ATS e doenças raras
 
Cirurgia da Obesidade Morbida
Cirurgia da Obesidade MorbidaCirurgia da Obesidade Morbida
Cirurgia da Obesidade Morbida
 
Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...
Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...
Gestão de Corpo Clínico: entre conceitos ultrapassados, novas realidades e ho...
 
Considerações práticas sobre a aplicação de ATS para equipamentos e dispositi...
Considerações práticas sobre a aplicação de ATS para equipamentos e dispositi...Considerações práticas sobre a aplicação de ATS para equipamentos e dispositi...
Considerações práticas sobre a aplicação de ATS para equipamentos e dispositi...
 

Mais de Oncoguia

Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' PerspectiveFeelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' PerspectiveOncoguia
 
Insights from a Brazilian Patient Group
Insights from a Brazilian Patient GroupInsights from a Brazilian Patient Group
Insights from a Brazilian Patient GroupOncoguia
 
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...Oncoguia
 
Obesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicasObesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicasOncoguia
 
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileirasPercepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileirasOncoguia
 
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!Oncoguia
 
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadoresImpactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadoresOncoguia
 
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicasCosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicasOncoguia
 
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021Oncoguia
 
Por uma oncologia mais atual e justa
 Por uma oncologia mais atual e justa Por uma oncologia mais atual e justa
Por uma oncologia mais atual e justaOncoguia
 
Percepções da população brasileira sobre o câncer
Percepções da população brasileira sobre o câncerPercepções da população brasileira sobre o câncer
Percepções da população brasileira sobre o câncerOncoguia
 
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdfDatafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdfOncoguia
 
Como contribuir em Consulta Pública da Conitec
Como contribuir em Consulta Pública da ConitecComo contribuir em Consulta Pública da Conitec
Como contribuir em Consulta Pública da ConitecOncoguia
 
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022Oncoguia
 
Study of cancer patient's communication of pain to the health team
Study of cancer patient's communication of pain to the health teamStudy of cancer patient's communication of pain to the health team
Study of cancer patient's communication of pain to the health teamOncoguia
 
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...Oncoguia
 
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...Oncoguia
 
Cancer de fígado - ILNC
Cancer de fígado - ILNCCancer de fígado - ILNC
Cancer de fígado - ILNCOncoguia
 
Consultas Públicas - Tratamento da Dor no SUS
  Consultas Públicas - Tratamento da Dor no SUS  Consultas Públicas - Tratamento da Dor no SUS
Consultas Públicas - Tratamento da Dor no SUSOncoguia
 
Relatório de Atividades - 2020
Relatório de Atividades - 2020Relatório de Atividades - 2020
Relatório de Atividades - 2020Oncoguia
 

Mais de Oncoguia (20)

Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' PerspectiveFeelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
 
Insights from a Brazilian Patient Group
Insights from a Brazilian Patient GroupInsights from a Brazilian Patient Group
Insights from a Brazilian Patient Group
 
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
 
Obesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicasObesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicas
 
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileirasPercepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
 
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
 
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadoresImpactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
 
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicasCosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
 
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
 
Por uma oncologia mais atual e justa
 Por uma oncologia mais atual e justa Por uma oncologia mais atual e justa
Por uma oncologia mais atual e justa
 
Percepções da população brasileira sobre o câncer
Percepções da população brasileira sobre o câncerPercepções da população brasileira sobre o câncer
Percepções da população brasileira sobre o câncer
 
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdfDatafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
 
Como contribuir em Consulta Pública da Conitec
Como contribuir em Consulta Pública da ConitecComo contribuir em Consulta Pública da Conitec
Como contribuir em Consulta Pública da Conitec
 
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
 
Study of cancer patient's communication of pain to the health team
Study of cancer patient's communication of pain to the health teamStudy of cancer patient's communication of pain to the health team
Study of cancer patient's communication of pain to the health team
 
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
 
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
 
Cancer de fígado - ILNC
Cancer de fígado - ILNCCancer de fígado - ILNC
Cancer de fígado - ILNC
 
Consultas Públicas - Tratamento da Dor no SUS
  Consultas Públicas - Tratamento da Dor no SUS  Consultas Públicas - Tratamento da Dor no SUS
Consultas Públicas - Tratamento da Dor no SUS
 
Relatório de Atividades - 2020
Relatório de Atividades - 2020Relatório de Atividades - 2020
Relatório de Atividades - 2020
 

Último

AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 

Último (12)

AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 

7º Fórum Oncoguia - 28/06/2017 - Rafael Kaliks

  • 1. 8:30 - 10:00 - Garantindo uma Oncologia Digna e Sustentável: O que? Para quem? Coordenação: Rafael Kaliks  Patricia Prolla Oncogeneticista  Dirceu Barbano Interfarma  Sandro José Martins Coordenador-Geral de Atenção Especializada – DAET/SAS/MS  Raquel Medeiros Lisboa Gerência Geral de Regulação Assistencial Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos Diretorias - Agência Nacional de Saúde Suplementar  Luciana Holtz Presidente do Instituto Oncoguia
  • 2. Como evitar que alguém morra de câncer? Prevenção Primária e Secundária
  • 3. Prevenção Primária e Secundária: O que? Para quem? • Educação infantil e adulta: manutenção de saúde • Educação Médica Continuada • Perguntas básicas sobre risco familiar • Avisos individualizados • Prevenção de obesidade e sedentarismo • Prevenção de Tabagismo • Mamografia, Papanicolau, Colonoscopia • Vacinação HPV
  • 4. O que? Para quem? Vacinação para HPV www.sboc.org.br
  • 5. Como evitar que alguém morra de câncer? Diagnóstico rápido e correto
  • 6. O que? Para quem?: Temos que POUPAR pacientes de tratamentos desnecessários ou ineficazes Sem deixar o custo dos testes seguir o custo das drogas
  • 7. Como prover “Diagnóstico rápido e correto”? Todo CACON/UNACON têm de ter PATOLOGIA de qualidade, financiamento apropriado TelepatologiaTeste Genético Usar as regras da ANS, laboratórios centrais É necessária certificação de qualidade e acompanhamento
  • 8. Testes moleculares •Germinativos: novo ROL uso da informação testes e cirurgias red. Risco •Somáticos: “cria” doenças raras uso off-label indústria de testes O que? Para quem? Saúde Suplementar
  • 9. O que? Para quem? Cirurgia oncológica: • Totalmente dependente do cirurgião, UTI, suporte • Dificilmente reprodutível • “cirurgia excessiva” a melhor opção? • Mastectomia ao invés de setorectomia quando não é certo que haja radioterapia • Amputação de reto quando não houver seguimento adequado após radio-quimioterapia
  • 10. O que? Para quem? Radioterapia: • Totalmente dependente de aceleradores lineares • 60% dos casos têm indicação • 40% não terão acesso (144.000 PACIENTES) • Hipofracionamento (tratamento mais curto) em casos selecionados • Questões de remuneração na Saúde Suplementar • Recomendação formal no SUS
  • 11. O que? Para quem? Tratamento: quais as maiores deficiências Não tenho “o meu médico” = ensinar responsabilização pessoal pelo paciente Abordagem multiprofissional: assistente social, psicólogo, enfermeira “fixa”, nutricionista, médicos fixos Segurança de estar recebendo o “melhor tratamento”: evitar a judicialização a (quase) todo custo Possibilidade de comunicação e suporte a qualquer momento aumenta o tempo de vida
  • 12. Tratamento sistêmico: quem decide o “padrão”? TUDO ISTO tem de ser completamente claro e transparente • Sociedade Médica de Especialidade (SBOC, SBRT) sugere padrão, com auxilio de especialistas em ATS • CONITEC pre-estabelece critérios • CONITEC + Fabricante + Pacientes + Consultores em ATS • SAS assimila diretriz da SBOC com ressalva para o que não pode ser pago no SUS
  • 13. CONITEC: se não mudar, ela deixa de existir •Composição questionável • Necessidade de critérios preexistentes •Se envolver no processo ANTES da submissão • Reconhecer ATS por critérios diferentes para doenças órfãs • Não chegar a conclusões diferentes do resto do mundo •Avaliação automática após registro da ANVISA • Transparência TOTAL nas decisões
  • 14. O que? Para quem? Saúde Suplementar •ANVISA >> registro >> CMED •EV: autorização imediata •VO: avaliação para o ROL (2 anos) •Distorções absurdas: •Crizotinibe levou anos para incorporação>> há melhores •Erlotinib e Bevacizumab aprovado com base em fase II (SLP) • Pressão das operadoras • Discussão ABSURDA sobre eficácia e segurança • Impacto estimado irreal • Apego a prazos e não ao paciente
  • 15. Maria Inês Gadelha: um alerta MUITO pertinente •Cuidado para não “criarmos doenças órfãs” pela falta de interesse econômico em seus tratamentos! •Necessidade de um PACTO entre fabricantes, governo e sociedade
  • 16. Precificação das drogas: o problema mais difícil
  • 17. Educação em Políticas Públicas Sistema de Saúde Valorização de quem dedica tempo para bem comum Ampliar a discussão para além das opiniões Grupos de pacientes com expectativas realistas Aumentar a chance de um SUS-Oncologia perene
  • 18. O que? Para quem? • Pesquisa clínica da indústria: ensina uma sistemática, organiza o centro, desonera o SUS, oferece novos tratamentos, empregos • Pesquisa clínica idealizada no Brasil: avanço científico real • Educar a população sobre as vantagens
  • 19. Conclusões •O paciente é um só •Não podem existir múltiplas diretrizes (SBOC, AMB, SAS, ...) •Não se deve perder tempo e energia com múltiplas avaliações do mesmo dado! •Radioterapia é uma EMERGENCIA •Patologia, testes moleculares são uma URGÊNCIA •ANS protege sustentabilidade da SS e CONITEC a do SUS MANTENDO O PACIENTE NO CENTRO •Pesquisa em larga escala é uma solução ganha-ganha •Não existe DAR TUDO A TODOS