Externalidades e valor
Roberto S. Waack
Externalidades – o que é isso mesmo?
• Efeitos indiretos, negativos ou positivos, da produção de bens ou serviços, e que s...
Quantificações – tem de tudo!
• O valor de tudo que a natureza oferece sem cobrar ao ser humano, é estimada em US$
124,8 t...
Onde estão?
• “Estão embutidas no valor dos imóveis, no valor de aluguéis de áreas
como a Zona Sul do Rio. A presença da e...
Quem paga a conta?
• “...eu estabeleço uma cobrança sobre o dano que foi gerado, ou seja,
cobro o responsável por isso. O ...
Quem paga a conta?
• A tragédia dos comuns: indivíduos não consideram externalidades em
suas atividades. Não consideram qu...
Quem paga a conta?
• Externalidades ocorrem geralmente quando direitos de propriedade não são claramente
definidos. Quem é...
Custos Verdadeiros
• Carta da Terra, (ECO 92): “incluir totalmente os custos ambientais e
sociais de bens e serviços no pr...
Custos Verdadeiros
“The true cost of a burger”
• Para o preço de um hambúrguer ser mais realista precisaria embutir os
gas...
Custos Verdadeiros
• Mesmo que dobre de preço, os mais ricos continuarão comendo
hambúrguer e permanecerão ricos. Aos mais...
Custos Verdadeiros
• “A mudança climática ainda trará prejuízos gigantescos, em dinheiro,
sofrimento, perda de vidas. Esse...
Preços Verdadeiros
• “se eu considerar a internalização das externalidades, a estrutura de
preços seria diferente... O pro...
Mensuração
• “Not all that counts can be counted and not all that can be counted
counts”. Einstein (*)
• A mensuração da e...
 Vários níveis de valoração: qualitativa, quantitativa e
monetária
 Valores de distintas
naturezas:
 Valores de uso: direto,
indireto, opcionais
(futuro)
 Valores de não uso:
legados fut...
Valoração do Capital Natural (!?)
• Se o ar, os rios, os nutrientes da terra e o subsolo são insumos de toda produção
e a ...
• A falta de propriedade das commodities ambientais é a causa do problema.
O modelo de maximização de lucros leva em conta...
• “the economic invisibility of nature must end” . “Usamos a natureza porque
ela tem valor, mas perdemos a natureza porque...
Financeirização da natureza (?!)
• “If this is your land, where are your stories?… how stories give meaning
and value to t...
Precificação
• A precificação já está acontecendo e prejudicando os mais pobres? ...
Pergunte a quem gasta 4 a 5 horas por...
Monetização
“What is a cynic? A man who knows the price of everything and the value of
nothing.” Oscar Wilde
• “Empurrar o...
Transações
• “Não queremos transacionar, vender ou privatizar esses ativos, mas
temos de reconhecer seu valor e começar a ...
Iniciativas de Valoração e Transação
• Millennium Ecosystem Assessment, Natural Capital accounting,
The Economics of Ecosy...
Cap-and-trade
• Permissões transferíveis do direito de poluir. Um preço pelo direito de
poluir.
• Se o preço for maior que...
X ou + ?
Contabilização
• CEBEDS desenvolve ferramenta, voltada para a tomada de decisão.
Métrica que caracteriza passivos ambienta...
| 31
REPORTING PLAYERS
IASC International Accounting Standards Committee
IASB International Accounting Standards Board
Int...
 PWC medindo impacto total:
limites dos impactos diretos
ampliados para a cadeia de
valor inteira
 EP&L Puma: Externalidades medidas
e valoradas em 4 níveis da cadeia da
valor
 Exemplo: do gado, origem do couro,
e desm...
EP&L Puma
 Impacto por categoria: uso
da terra, GHG, água,
resíduos e poluição do ar
 Impacto por supridores:
matérias p...
Transparência das
externalidades
Taxação (punitiva e
incentivada) relacionada a
externalidades
socioambientais
Marketin...
 Empresas causam problemas sociais e ambientais
 Prosperam às custas da sociedade
 Visão estreita de criação de valor
...
| 37
INCORPORAÇÃO ESG NO VALOR
ValorEstratégiaOperação
ESG
Sustentabilidade
| 38
INCORPORAÇÃO ESG NO VALOR
ValorEstratégiaOperação
Materialidade
(o que realmente
importa!)
Externalidades
Transparenc...
| 39
INCORPORAÇÃO ESG NO VALOR
ValorEstratégiaOperação
Externalidades
Transparencia
Report
ESG
Risco/Benefício
(Sustentabi...
Obrigado!
roberto@amatabrasil.com.br
• Quem acha que questões sócio ambientais não são importantes e não tem
valor?
• Quem acha que quem causa impactos sócio a...
Conferência Ethos 360°: Roberto Waack
Conferência Ethos 360°: Roberto Waack
Conferência Ethos 360°: Roberto Waack
Conferência Ethos 360°: Roberto Waack
Conferência Ethos 360°: Roberto Waack
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Conferência Ethos 360°: Roberto Waack

1.190 visualizações

Publicada em

Material produzido por Roberto Waack para a atividade "Alcoa Oferece: O Jogo das Externalidades e o Valor das Empresas" na Conferência Ethos 360°.

Publicada em: Governo e ONGs
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.190
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
610
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
47
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conferência Ethos 360°: Roberto Waack

  1. 1. Externalidades e valor Roberto S. Waack
  2. 2. Externalidades – o que é isso mesmo? • Efeitos indiretos, negativos ou positivos, da produção de bens ou serviços, e que são transferidos a indivíduos e ou entidades não envolvidas no processo produtivo. A poluição ambiental é um exemplo de externalidade negativa. CFA Institute • Custos do business as usual imputado a terceiros. Pavan Sukhdev – Corporation 2020 • Efeitos das atividades de produção e consumo que não se apresentam diretamente no mercado. • Tudo aquilo que produz algum impacto negativo ou positivo sobre alguém e que não entra no sistema de preços. Ricardo Abramovay – FEA/USP • Custo socializado, pago por outros. “Significa que, em vez de todo mundo pagar o pato, que pague o pato quem é responsável por ele”. Carlos Eduardo Frickmann Young – UFRJ
  3. 3. Quantificações – tem de tudo! • O valor de tudo que a natureza oferece sem cobrar ao ser humano, é estimada em US$ 124,8 trilhões por ano, o que corresponde, aproximadamente, ao dobro do PIB mundial. Robert Costanza -Australian National University • A superexploração dos recursos naturais no mundo já causou uma perda nos serviços ambientais de US$ 20,2 trilhões, entre 1997 e 2011. Robert Costanza -Australian National University • 40% das mortes no mundo são resultantes de fatores ambientais, incluindo efeitos secundários da degradação ambiental e disseminação de enfermidades. CFA • Poluição ambiental causa perda de 5 anos de vida por pessoa no norte da China. CFA
  4. 4. Onde estão? • “Estão embutidas no valor dos imóveis, no valor de aluguéis de áreas como a Zona Sul do Rio. A presença da externalidade deprecia os espaços sociais. Um imóvel localizado próximo a um lixão custará bem menos que outro idêntico, mas localizado longe do lixão. A sociedade, de um jeito ou de outro, já precificou isso”. C. Young
  5. 5. Quem paga a conta? • “...eu estabeleço uma cobrança sobre o dano que foi gerado, ou seja, cobro o responsável por isso. O que percebo é que, sob o argumento falacioso de que internalizar a externalidade penaliza o pobre, acabo criando uma justificativa para manutenção do status quo, em que a perda para o mais pobre é mais alta pela externalidade gerada que a eventual perda privada que ele terá, pelo preço mais alto daquilo que vai consumir”. C. Young
  6. 6. Quem paga a conta? • A tragédia dos comuns: indivíduos não consideram externalidades em suas atividades. Não consideram que o recurso que retiram da natureza pertence ao conjunto da vizinhança e não só a ele, envolvendo interesses individuais e o bem comum. • Uma gestão mista, parte pública e parte privada, com regras formais e informais, seria mais a forma mais eficiente de lidar com o problema. O preço internaliza uma parte da externalidade, e a gestão pública impede que a exploração econômica desvinculada dos outros valores não incorporados no preço se legitime. Elinor Ostrom
  7. 7. Quem paga a conta? • Externalidades ocorrem geralmente quando direitos de propriedade não são claramente definidos. Quem é dono do recurso tende a gerenciá-lo melhor, pois são diretamente afetados no valor de seu recurso. • Quando poluidores não são obrigados a compensar a sociedade pela poluição causada, não tem incentivos para reduzir a poluição e produzirão de forma a maximizar seus lucros. • Na falta de preços de externalidades (compensação para os donos dos recursos), os níveis e formas de produção são usualmente acima do nível ótimo. • Poluindo, produtores impõem custos à Sociedade, na forma de degradação ambiental, custos com saúde, etc.
  8. 8. Custos Verdadeiros • Carta da Terra, (ECO 92): “incluir totalmente os custos ambientais e sociais de bens e serviços no preço de venda” e “adotar estilos de vida que acentuem a qualidade de vida e a subsistência material num mundo finito”.
  9. 9. Custos Verdadeiros “The true cost of a burger” • Para o preço de um hambúrguer ser mais realista precisaria embutir os gastos com tratamentos de obesidade e doenças crônicas provocadas pela carne vermelha, os custos da destinação dos resíduos gerados, o valor da água usada na produção desde a irrigação dos grãos que alimentaram o gado até a produção das embalagens, a perda de biodiversidade com a derrubada de florestas para implantação de pastagens, a contaminação por agrotóxicos etc. • Contando-se apenas as externalidades negativas mais fáceis de calcular, o preço de um hambúrguer, que nos Estados Unidos está custando em média US$ 4,49, deveria subir entre 68 centavos de dólar e US$ 2,90. Mark Bittman, colunista do jornal The New York Times
  10. 10. Custos Verdadeiros • Mesmo que dobre de preço, os mais ricos continuarão comendo hambúrguer e permanecerão ricos. Aos mais pobres, porém, o lanche parecerá mais “indigesto”. A tendência, portanto, é a procura por fast food diminuir, o que, em última análise, pode ser muito bom para a saúde dos ex-consumidores e do planeta. Para recuperar a competitividade, toda a cadeia ligada ao negócio – desde agropecuária, indústrias de alimentação, varejo, fornecedores –, em tese, teria de fazer valer os princípios da sustentabilidade. Sem tantas externalidades negativas, o preço do hambúrguer aos poucos se aproximaria novamente dos US$ 4,49. Se essa lógica funcionar de fato, significa que o sistema econômico, tido como o grande vilão do meio ambiente, é capaz de gerar externalidade positiva por meio da monetização de itens intangíveis.
  11. 11. Custos Verdadeiros • “A mudança climática ainda trará prejuízos gigantescos, em dinheiro, sofrimento, perda de vidas. Esse custo se abaterá principalmente sobre as populações pobres do planeta. Aproveitar toda a engrenagem do mercado para enfrentar a mudança climática parece bem mais complicado do que calcular as externalidades negativas não computadas no preço de um hambúrguer”. Sergio Besserman
  12. 12. Preços Verdadeiros • “se eu considerar a internalização das externalidades, a estrutura de preços seria diferente... O problema são os preços relativos, os preços de um produto em relação ao outro”. C. Young • “Quando elevo o preço do combustível, eu penalizo o consumidor do combustível do automóvel – e também quem produz o automóvel. Mas, se essa medida é eficaz para reduzir o uso do transporte que não de massa, eu terei um benefício de ganho de mobilidade. ... o benefício coletivo torna-se superior à perda individual”. C. Young
  13. 13. Mensuração • “Not all that counts can be counted and not all that can be counted counts”. Einstein (*) • A mensuração da externalidade é uma tentativa de estabelecer um grau de relevância dessa perda com outros valores econômicos. (*) Nem tudo o que importa pode ser medido e nem tudo o que pode ser medido importa.
  14. 14.  Vários níveis de valoração: qualitativa, quantitativa e monetária
  15. 15.  Valores de distintas naturezas:  Valores de uso: direto, indireto, opcionais (futuro)  Valores de não uso: legados futuros, existência (independente do uso), altruístas
  16. 16. Valoração do Capital Natural (!?) • Se o ar, os rios, os nutrientes da terra e o subsolo são insumos de toda produção e a condição da vida, então o planeta pode ser encarado como um gigantesco estoque de capital. • “Podemos pensar na atmosfera como um ativo comum, que seria mantido em trust para a atual geração e as futuras ... Com um trust atmosférico, aqueles que gastam o ativo são cobrados por esse gasto, por exemplo, com impostos sobre o carbono, mas aqueles que melhoram o ativo são pagos, por exemplo, com créditos de carbono.” Robert Costanza, da Australian National University • “Calculating the economic value is not the same as putting a price tag on nature”. Jutta Kill
  17. 17. • A falta de propriedade das commodities ambientais é a causa do problema. O modelo de maximização de lucros leva em conta apenas custos diretos, não os indiretos associados a efeitos negativos de poluição de ar e água. Assim, mais produtos e serviços são produzidos do que seriam se poluição fosse controlada ou precificada. CFA • Tendência? Tributação fundamentada em externalidades. Incentivo para positivas (ex. reciclagem) e punição às negativas (carbon tax). Valoração do Capital Natural (!?)
  18. 18. • “the economic invisibility of nature must end” . “Usamos a natureza porque ela tem valor, mas perdemos a natureza porque ela não tem preço. Atualmente ninguem paga pelos serviços ecossistemicos. … Falta um incentive aos que fazem as coisas direito … É preciso criar um Mercado”. Pavan Sukhdev X • “Se a nossa preocupação é conservar os serviços ecossistemicos, a valoração é amplamente irrelevante … Valoração não é nem necessária nem suficiente para conservação. Nos conservamos muito do que não valorizamos, e não conservamos o que valorizamos” Geoffrey Heal Valoração do Capital Natural (!?)
  19. 19. Financeirização da natureza (?!) • “If this is your land, where are your stories?… how stories give meaning and value to the places we call home”. Gitskan elder, Canadá • A “nova economia da natureza” está perigosamente concentrada numa definição estrita de que natureza significa “áreas selvagens sem interferência humana, ricas de biodiversidade”. Jutta Kill
  20. 20. Precificação • A precificação já está acontecendo e prejudicando os mais pobres? ... Pergunte a quem gasta 4 a 5 horas por dia no transporte, ou vive próximo a um lixão, ou perto do barulho dos aviões. C. Young
  21. 21. Monetização “What is a cynic? A man who knows the price of everything and the value of nothing.” Oscar Wilde • “Empurrar o mundo natural ainda mais para o fundo do sistema que o está devorando vivo”. George Monbiot • “Pagamentos muitas vezes legitimam a exploração econômica do recurso”. Guilherme Lichand • “Não há dados suficientes para a monetização da natureza e, diante da urgência socioambiental, não podemos aguardá-los para só depois agir”. CEBDS
  22. 22. Transações • “Não queremos transacionar, vender ou privatizar esses ativos, mas temos de reconhecer seu valor e começar a tomar medidas urgentes para protegê-los e restaurá-los.” Robert Costanza -Australian National University • “Títulos verdes”, emitidos por empresas como GDF-Suez e Unilever. Em 2013 foram lançados US$ 11 bilhões nesses títulos e, no primeiro semestre de 2014, US$ 18,3 bilhões. Um mercado que tem crescido 60% ao ano. HSBC
  23. 23. Iniciativas de Valoração e Transação • Millennium Ecosystem Assessment, Natural Capital accounting, The Economics of Ecosystems and Biodiversity (TEEB) e outros • PES - Payment for Environmental Services – 4 categorias: I. PES para implementação de politicas públicas voltadas para proteção de áreas naturais II. Doações privadas e programas governamentais não ligadas a políticas públicas de conservação III. Pagamentos voluntários para compensação de poluição ou destruição percebidas como excessivas IV. Pagamentos para permissão para destruir ou poluir acima de limites legais • Qual a diferença? • Esquemas III e IV são fundamentados no pagamento de permissão para produção de externalidades negativas • Mudam a forma como as leis tratam de poluição e outras formas de danos ambientais. Passam a ser permitidas desde que um valor “apropriado” seja pago. Significa que aqueles que podem pagar a conta, podem adquirir o direito de causar externalidades ilegais, transformando o que era certo ou errado em preços. Jutta Kill
  24. 24. Cap-and-trade • Permissões transferíveis do direito de poluir. Um preço pelo direito de poluir. • Se o preço for maior que a o custo tecnológico requerido para eliminar a poluição, a inovação será promovida.
  25. 25. X ou + ?
  26. 26. Contabilização • CEBEDS desenvolve ferramenta, voltada para a tomada de decisão. Métrica que caracteriza passivos ambientais, e os recursos financeiros para remediação de problemas ambientais são expressos nos demonstrativos contábeis. Participação de Petrobras, Basf, Votorantim e Vale • “O mundo da contabilidade já entende a valoração socioambiental como uma necessidade, mas é preciso padronizar a régua”. Carlos Rossin, PwC Brasil
  27. 27. | 31 REPORTING PLAYERS IASC International Accounting Standards Committee IASB International Accounting Standards Board International Financial Reporting Standards
  28. 28.  PWC medindo impacto total: limites dos impactos diretos ampliados para a cadeia de valor inteira
  29. 29.  EP&L Puma: Externalidades medidas e valoradas em 4 níveis da cadeia da valor  Exemplo: do gado, origem do couro, e desmatamento, a emissões GHG na distribuição dos produtos finais
  30. 30. EP&L Puma  Impacto por categoria: uso da terra, GHG, água, resíduos e poluição do ar  Impacto por supridores: matérias primas, impressores, manufatura, logística
  31. 31. Transparência das externalidades Taxação (punitiva e incentivada) relacionada a externalidades socioambientais Marketing responsável Limitação da alavancagem das empresas
  32. 32.  Empresas causam problemas sociais e ambientais  Prosperam às custas da sociedade  Visão estreita de criação de valor  Foco em resultados financeiros de curto prazo  Ignoram determinantes de sucesso de longo prazo
  33. 33. | 37 INCORPORAÇÃO ESG NO VALOR ValorEstratégiaOperação ESG Sustentabilidade
  34. 34. | 38 INCORPORAÇÃO ESG NO VALOR ValorEstratégiaOperação Materialidade (o que realmente importa!) Externalidades Transparencia Reporting ESG Risco/Benefício (Sustentabilidade)
  35. 35. | 39 INCORPORAÇÃO ESG NO VALOR ValorEstratégiaOperação Externalidades Transparencia Report ESG Risco/Benefício (Sustentabilidade) Integrated Report Balanços e Valuations  Produtos e receitas  Custos  Riscos Materialidade (o que realmente importa!)
  36. 36. Obrigado! roberto@amatabrasil.com.br
  37. 37. • Quem acha que questões sócio ambientais não são importantes e não tem valor? • Quem acha que quem causa impactos sócio ambientais não precisa pagar por esses impactos? • Quem acha que a natureza tem valor? • Quem acha que este valor tem que ser quantificado? • Quem acha que este valor deve ser monetizado? • Quem acha que este valor pode que ser negociado? Se precisa pagar pelos danos e não se pode precificar e negociar, qual a solução? Afetar o valor das organizações? Pra pensar em público...

×