www.institutoconscienciago.com.br



Preparatório para Concurso do
           IPASGO

      Aula: Programa Nacional de Imu...
CALENDÁRIOS BÁSICOS DE VACINAÇÃO


                               No passado: crianças
                              Calen...
RESSALTA-SE QUE O CALENDÁRIO
      VACINAL IDEAL DEVE SER:
• Eficaz (proteger contra as doenças às quais se propõe);

•Oti...
CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA
CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA
Idade                         Vacinas                        Dose            Doenças ev...
CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DO ADOLESCENTE
IDADE        VACINAS            DOSE           DOENÇAS EVITADAS
de 11 a 19   Hep B ...
CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DO ADULTO E IDOSO
                                                                               D...
EAPV


Eventos Adversos Pós

     Vacinação
VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE
  EVENTOS ADVERSOS PÓS-VACINAÇÃO - VEEAPV




                    Objetivo principal


• Dete...
VEEAPV

Objetivos específicos

 Monitorar os eventos adversos graves;

  Identificar novos e/ou raros eventos;

  Estabele...
VEEAPV – cont.


•Propiciar estudos de segurança e eficácia;
• Normatizar o reconhecimento e a conduta frente aos casos
su...
FICHA DE INVESTIGAÇÃO DE EVENTOS ADVERSOS PÓS-VACINAÇÃO
                         (FRENTE)
                                ...
Todos os eventos adversos conhecidos definidos como de importância para a
 Vigilância dos Eventos Adversos Pós-Vacinação l...
Risco X Benefício

                    Vacinar ou não Vacinar!!!!
                     E os eventos adversos
             ...
BCG – Cobertura ideal: 90%.
Proteção: formas graves de TB (Miliar e Meningea) em crianças menores de
cinco anos e o mais p...
BCG
Precauções: A vacina deverá ser adiada até 3 meses após
tratamento imunossupressor , quando o Rn apresentar menos que
...
BCG - Evolução normal da lesão vacinal




 da 1ª à 2ª semana:
                                      da 3ª à 4ª semana: pú...
BCG – Eventos adversos

Lesões locais e regionais mais freqüentes:
      a) úlcera com diâmetro maior que 1cm;
      b) ab...
Vacina Contra Hepatite B – Cobertura ideal: 95%.
Proteção: Contra Hepatite B

Constituição da Vacina: Preparada por método...
Vacina Contra Hepatite B – Esquemas Especiais
Para resposta imunológica rápida

 Imunodeprimidos: dose dobrada e recomenda...
Vacina Contra Hepatite B

Adultos com maior risco de infecção pelo VHB:


  vítimas de acidentes com material biológico po...
Vacina Contra Hepatite B
Vacinar outros grupos vulneráveis à Hepatite B:

     Pessoal das forças armadas;
     Policiais ...
Vacina Contra Hepatite B
Precaução:

Doenças agudas febris moderadas ou graves,
recomenda-se adiar a vacinação até a resol...
Eventos Adversos Pós Vacina contra Hepatite B


  Febre,
   dor,
  enduração,
   rubor,
  irritabilidade,
  fadiga,
   ton...
FONTE: MANUAL CRIE 06
FONTE: MANUAL CRIE 06
Vacina Oral Contra Poliemielite – Cobertura ideal: 95%.
 Proteção: Paralisia Infantil

 Constituição da Vacina: Três sorot...
Eventos Adversos Pós VOP
EVENT      DESCRIÇ       TEMPO               FREQUÊNCI         CONDUTA               EXAME
O     ...
www.institutoconscienciago.com.br
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 02 de 03
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 02 de 03
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 02 de 03

13.786 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
2 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
13.786
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
34
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
2
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 02 de 03

  1. 1. www.institutoconscienciago.com.br Preparatório para Concurso do IPASGO Aula: Programa Nacional de Imunização Profª MSc. Marise Ramos de Souza Parte 02 de 03
  2. 2. CALENDÁRIOS BÁSICOS DE VACINAÇÃO No passado: crianças Calendário da Criança Hoje - Família Calendário da Criança Calendário do Adolescente Calendário do Adulto e VACINAÇÃO Idoso VIROU PROGRAMA FAMÍLIA Portaria nº 1602 de 17/07/06
  3. 3. RESSALTA-SE QUE O CALENDÁRIO VACINAL IDEAL DEVE SER: • Eficaz (proteger contra as doenças às quais se propõe); •Otimizado (menor número de doses e visitas necessárias); •Adaptado às necessidades da população; • Com aceitabilidade pelos profissionais de saúde e sociedade; • Unificado por área geográfica; • Atualizado permanentemente.
  4. 4. CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA
  5. 5. CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA Idade Vacinas Dose Doenças evitadas BCG-ID ùnica Formas graves da Tuberculose Ao nascer C. Hepatite B (1) 1ª dose Hepatite B 1 mês C. Hepatite B 2ª dose Hepatite B Difteria, Tétano, Coqueluche e infecções por Haemophilus Tetravalente (DTP+Hib (2) 1ª dose influenzae B 2 meses VOP (Vac. Oral contra Pólio) 1ª dose Poliomielite ou Paralisia Infantil VORH (Vac. Oral contra Rotavírus humano) (3) 1ª dose Diarréia por Rotavírus Difteria, Tétano, Coqueluche e infecções por Haemophilus Tetravalente (DTP+Hib 2ª dose influenzae B 4 meses VOP (Vac. Oral contra Pólio) 2ª dose Poliomielite ou Paralisia Infantil VORH (Vac. Oral contra Rotavírus humano) (4) 2ª dose Diarréia por Rotavírus Difteria, Tétano, Coqueluche e infecções por Haemophilus Tetravalente (DTP+Hib 3ª dose influenzae B 6 meses VOP (Vac. Oral contra Pólio) 3ª dose Poliomielite ou Paralisia Infantil C. Hepatite B 3ª dose Hepatite B 9 meses C. Febre amarela (5) Única Febre Amarela 12 meses SCR - Tríplice Viral Única Sarampo, Rubéola e Caxumba DTP - Trípice Bacteriana 1° reforço Difteria, Tétano e Coqueluche 15 meses VOP (Vac. Oral contra Pólio) 1° reforço Poliomielite ou Paralisia Infantil DTP - Trípice Bacteriana 2° reforço Difteria, Tétano e Coqueluche 4 a 6 anos SCR - Tríplice Viral 2° reforço Sarampo, Rubéola e Caxumba 10 anos C. Febre amarela reforço Febre Amarela
  6. 6. CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DO ADOLESCENTE IDADE VACINAS DOSE DOENÇAS EVITADAS de 11 a 19 Hep B 1ª dose contra Hepatite B anos (na dT (²) 1ª dose contra Difteria e Tétano primeira vista ao FA (³) dose inicial contra Febre Amarela serviço de 1ª dose saúde) SCR (4) dose única Sarampo, Caxumba e Rubéola 1 mês após a 1ª dose Hep B 2ª dose contra Hepatite B contra 2ª dose Hepatite B SCR 6 meses após a 1ª dose contra Hepatite B Hep B 3ª dose contra Hepatite B 2 meses após a 1ª dose dT 2ª dose contra Difteria e Tétano contra Difteria e Tétano 4 meses após a 1ª dose dT 3ª dose contra Difteria e Tétano contra Difteria e Tétano
  7. 7. CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DO ADULTO E IDOSO Doenças Idade Vacinas Dose evitadas dT - Dupla Adulto (1) 1ª dose Difteria e Tétano Febre Amarela (2) Dose inicial Febre Amarela A partir de 20 anos Sarampo e SR ou SRC - dupla ou Rubéola ou Única tríplice viral (3) Sarampo, Rubéola e Caxumba Dois meses após a 1ª dT - Dupla Adulto 2ª dose Difteria e Tétano dose de dT Quatro meses após a 1ª dT - Dupla Adulto 3ª dose Difteria e Tétano dose de dT A cada 10 anos, por toda dT - Dupla Adulto (4) Reforço Difteria e Tétano a vida Febre Amarela Reforço Febre Amarela Contra Influenza Influenza (5) Dose anual ou gripe A partir de 60 anos de idade Contra Pneumococo (6) Dose única Pneumonia pelo pneumococo
  8. 8. EAPV Eventos Adversos Pós Vacinação
  9. 9. VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE EVENTOS ADVERSOS PÓS-VACINAÇÃO - VEEAPV Objetivo principal • Detectar os Eventos Adversos Pós-Vacinação associados a fatores ligados à vacina, aos vacinados e à técnica de administração de vacinas.
  10. 10. VEEAPV Objetivos específicos Monitorar os eventos adversos graves; Identificar novos e/ou raros eventos; Estabelecer ou descartar relação de causalidade com a vacina; Conhecer as taxas de incidência dos eventos adversos e riscos associados a cada vacina; Avaliar a relação risco-benefício;
  11. 11. VEEAPV – cont. •Propiciar estudos de segurança e eficácia; • Normatizar o reconhecimento e a conduta frente aos casos suspeitos de EAPV; • Promover a consolidação e análise dos dados de EAPV ocorridos no País num sistema único e informatizado; • Assessorar profissionais da assistência para avaliação, diagnóstico e conduta frente aos EAPV; • Contribuir para a manutenção da credibilidade do Programa Nacional de Imunizações junto à população e aos profissionais de saúde.
  12. 12. FICHA DE INVESTIGAÇÃO DE EVENTOS ADVERSOS PÓS-VACINAÇÃO (FRENTE) MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA COORDENAÇÃO GERAL DO PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÕES FICHA DE NOTIFICAÇÃO DOS EVENTOS ADVERSOS PÓS-VACINAIS IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE UF: REGIONAL: MUNICÍPIO: U. S. DE NOTIFICAÇÃO: DATA DE NOTIFICAÇÃO: NOME DO PACIENTE: Nº CNS: DATA DE NASCIMENTO: _______ / _______ / ____________ IDADE: _______ ANOS _______ MESES _______ DIAS SEXO: ( ) MASCULINO ( ) FEMININO RESPONSÁVEL: ENDEREÇO COMPLETO: BAIRRO OU LOCALIDADE: PONTO DE REFERÊNCIA: TELEFONE PARA CONTATO: UNIDADE DE SAÚDE DE APLICAÇÃO: DATA DE EVENTO TEMPO FECHAMENTO EVOLUÇÃO CONDUTA FRENTE AO ESQUEMA IMUNO DOSE APLICAÇÃO LABORATÓRIO LOTE (Código no verso) DECORRIDO DO CASO DO CASO VACINAL ( ) Confirmado ( ) Cura sem sequelas ( ) Mantido Esquema ( ) Em investigação ( ) Cura com sequelas ( ) Contra-indicação com troca de esquema ( ) Indefinido ( ) Óbito ( ) Contra-indicação sem troca de esquema ( ) Descartado ( ) Ignorado ( ) Ignorado ( ) Associado c/mais de uma vacina ( ) Em Investigação ( ) Em Investigação ( ) Mantido o esquema sob supervisão ( ) Confirmado ( ) Cura sem sequelas ( ) Mantido Esquema ( ) Em investigação ( ) Cura com sequelas ( ) Contra-indicação com troca de esquema ( ) Indefinido ( ) Óbito ( ) Contra-indicação sem troca de esquema ( ) Descartado ( ) Ignorado ( ) Ignorado ( ) Associado c/mais de uma vacina ( ) Confirmado ( ) Cura sem sequelas ( ) Mantido Esquema ( ) Em investigação ( ) Cura com sequelas ( ) Contra-indicação com troca de esquema ( ) Indefinido ( ) Óbito ( ) Contra-indicação sem troca de esquema ( ) Descartado ( ) Ignorado ( ) Ignorado ( ) Associado c/mais de uma vacina ( ) Confirmado ( ) Cura sem sequelas ( ) Mantido Esquema ( ) Em investigação ( ) Cura com sequelas ( ) Contra-indicação com troca de esquema ( ) Indefinido ( ) Óbito ( ) Contra-indicação sem troca de esquema ( ) Descartado ( ) Ignorado ( ) Ignorado ( ) Associado c/mais de uma vacina ATENDIMENTO MÉDICO ( ) SIM DATA DE ENTRADA: _______ / _______ / ____________ ( ) POSTO DE SAÚDE ( ) ENFERMARIA ( ) OUTROS TEMPO DE OBSERVAÇÃO / HOSPITALIZAÇÃO: ( ) NÃO DATA DE SAÍDA : _______ / _______ / ____________ ( ) PRONTO-ATENDIMENTO ( ) UTI _______ DIAS _______ HORAS _______ MINUTOS RESUMO CLÍNICO E OBSERVAÇÕES ___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ DADOS DO RESPONSÁVEL PELO PREENCHIMENTO RESPONSÁVEL PELO PREENCHIMENTO: _________________________________________________________________________________________ DATA DE NOTIFICAÇÃO: _______ / _______ / ____________ FUNÇÃO : _____________________________________________ LOCAL DE TRABALHO : _____________________________________________ TELEFONE : _____________________________________ ________________________________________________________________________________________________________ ASSINATURA DO RESPONSÁVEL / CARIMBO
  13. 13. Todos os eventos adversos conhecidos definidos como de importância para a Vigilância dos Eventos Adversos Pós-Vacinação listados abaixo devem ser notificados.
  14. 14. Risco X Benefício Vacinar ou não Vacinar!!!! E os eventos adversos da vacina? EAPV
  15. 15. BCG – Cobertura ideal: 90%. Proteção: formas graves de TB (Miliar e Meningea) em crianças menores de cinco anos e o mais precocemente em cças HIV+ e filhos de mães HIV+. Composição: Bacilo de Calmette&Guérin vivo atenuado de cepas do Mycobacterium bovis, liofilizado, contendo glutamato de sódio Eficácia - 80 % nas formas graves Indicação: ao nascer, Comunicantes de casos de hanseníase Profissionais de saúde de hospitais onde haja permanência de pacientes com TB ou SIDA Esquema básico: uma dose ao nascer ou o mais precocemente possível *Não há mais a recomendação de revacinar a criança em idade escolar Dose e Via de Administração: 0,1 ml via ID (no braço direito) Conservação e validade: nível local +2 a +8° C . Não pode ser congelada. Após ° reconstituida usar no máximo até 6 horas
  16. 16. BCG Precauções: A vacina deverá ser adiada até 3 meses após tratamento imunossupressor , quando o Rn apresentar menos que 2 Kg e em presença de afecções dermatológicas extensas em atividade. Contra indicações: Peso abaixo de 2 kg, lesões no local da aplicação, mulheres grávidas e portadores do HIV, positivo sintomáticos Vacinação e/ou revacinação de grupos especiais: Profissionais de saúde de hospitais onde haja permanência de pacientes com TB ou SIDA, aqueles não reatores ou reatores fracos ao PPD Comunicantes de casos de hanseníase devem ser vacinados com duas doses de BCG, administradas com intervalo mínimo de 6 meses, devendo-se considerar a presença de cicatriz vacinal como primeira dose, independente do tempo transcorrido. Não É necessário realizar o teste tuberculínico antes da vacinação . Nas gestantes, recomenda-se transferir a aplicação do BCG para depois de terminada a gravidez.
  17. 17. BCG - Evolução normal da lesão vacinal da 1ª à 2ª semana: da 3ª à 4ª semana: pústula que se forma com o mácula avermelhada amolecimento do centro da lesão, seguida pelo com enduração de 5 a aparecimento de crosta. 15mm de diâmetro. da 6ª à 12ª semana: cicatriz com 4 a 7mm da 4ª à 5ª semana: úlcera com 4 a 10mm de diâmetro. de diâmetro, encontrada em cerca de 95% dos vacinados. O tempo dessa evolução é de seis a doze semanas, podendo prolongar-se raramente até a 24ª semana. Não se deve cobrir a úlcera ou colocar qualquer tipo de medicamento.
  18. 18. BCG – Eventos adversos Lesões locais e regionais mais freqüentes: a) úlcera com diâmetro maior que 1cm; b) abscesso subcutâneo frio; c) abscesso subcutâneo quente; d) linfadenopatia regional supurada; e) cicatriz quelóide; f) reação lupóide. Lesões resultantes de disseminação: Podem ser localizadas ou generalizadas e sua incidência é bastante rara. a) lesões localizadas: . em pele; . osteoarticulares; . em linfonodos; . em um único órgão b) lesões generalizadas, acometendo mais de um órgão.
  19. 19. Vacina Contra Hepatite B – Cobertura ideal: 95%. Proteção: Contra Hepatite B Constituição da Vacina: Preparada por método de engenharia genética e obtida por tecnologia de recombinação do DNA do gene HBsAg. Eficácia: 95% ou mais Indicação: - ao nascer até < 20 anos - grupos de riscos Esquema básico: 3 doses com intervalos de 0, 30 e 180 dias. Dose e Via de Administração: via IM profunda -Instituto Butantan até 19 anos – 0,5 ml (10 µg) - acima de 20 anos – 1 ml (20 µg) Conservação e validade: +2º C a + 8º C e depois de aberto o frasco utilizar até o final
  20. 20. Vacina Contra Hepatite B – Esquemas Especiais Para resposta imunológica rápida Imunodeprimidos: dose dobrada e recomendação de pesquisa sorológica, trinta à sessenta dias após a terceira dose e, posteriormente, todos os anos (titulação ideal acima de 10mUI/ml); • Pacientes expostos a alto risco (por exemplo os politransfundidos): 4 doses : 0,1,2,12 meses. • Pacientes usuários de hemodiálise: geralmente são mal respondedores e expostos a alto risco, necessitando de 4 doses dobradas (20 ou 40 µg) : 0,1,2,12 meses. • Recém-nascidos de mães HIV e HBsAg +: 0,1,2,6 meses (Fazer Ig Hep.B junto com a 1ª dose) • Crianças prematuras com peso de nascimento igual ou inferior a 2 Kg ou idade gestacional igual ou inferior a 33 semanas: 0,1,2,6 meses.
  21. 21. Vacina Contra Hepatite B Adultos com maior risco de infecção pelo VHB: vítimas de acidentes com material biológico positivo ou fortemente suspeito de infecção por VHB; comunicantes sexuais de portadores de VHB; profissionais de saúde; hepatopatias crônicas e portadores de hepatite C; doadores de sangue; transplantados de órgãos sólidos ou de medula óssea; doadores de órgãos sólidos ou de medula óssea; potenciais receptores de múltiplas transfusões de sangue ou politransfundidos; nefropatias crônicas/dialisados/síndrome nefrótica; convívio domiciliar contínuo com pessoas portadoras de VHB; asplenia anatômica ou funcional e doenças relacionadas; fibrose cística (mucoviscidose); doença de depósito; imunodeprimidos.
  22. 22. Vacina Contra Hepatite B Vacinar outros grupos vulneráveis à Hepatite B: Pessoal das forças armadas; Policiais civis e militares; População penitenciária; População institucionalizada (abrigo de menores e psiquiatria); Profissionais responsáveis pelo preparo de corpos; Profissionais de coleta de lixo domiciliar e hospitalar; Podólogos e manicures/pedicure; Tatuadores; Auxiliares de necrópsia e dos IML.
  23. 23. Vacina Contra Hepatite B Precaução: Doenças agudas febris moderadas ou graves, recomenda-se adiar a vacinação até a resolução do quadro com o intuito de não se atribuir a vacina as manifestações da doença. Contra Indicações: - Anafilaxia prévia a qualquer componente da vacina contra- indica o seu uso. - Púrpura trombocitopênica pós-vacinal.
  24. 24. Eventos Adversos Pós Vacina contra Hepatite B Febre, dor, enduração, rubor, irritabilidade, fadiga, tontura, cefaléia, desconforto gastrintestinal leve, Púrpura trombocitopênica, reação anafilática.
  25. 25. FONTE: MANUAL CRIE 06
  26. 26. FONTE: MANUAL CRIE 06
  27. 27. Vacina Oral Contra Poliemielite – Cobertura ideal: 95%. Proteção: Paralisia Infantil Constituição da Vacina: Três sorotipos de poliovírus atenuados (Tipos I, II, III) Efigácia:90 a 95% após a 3ª dose Indicação: a partir de 2 meses Esquema básico: 3 doses (2º, 4º e 6º m) com intervalos de 2 meses e reforço 1 reforços (15 meses) . Início do esquema aos 2 meses de idade Dose e Via de Administração: 2 gotas via oral Conservação e validade: +2º C a + 8º C e depois de aberto o frasco utilizar por 5 (cinco) dias. Contra Indicações: Não existem contra indicações absolutas, contudo, nos casos abaixo, encaminhar a criança ao CRIE para receber a vacina contra poliomielite inativada (VIP) ou Salk: - Crianças imunodeprimidas - Crianças que são contatos domiciliares de pessoas imunodeprimidas - Pessoas submetidas a transplante de medula óssea
  28. 28. Eventos Adversos Pós VOP EVENT DESCRIÇ TEMPO FREQUÊNCI CONDUTA EXAME O ÃO APLICAÇÃO / A ADVER EVENTO SO - - Doença - Vacinado: 4- 40 Por dose - Notificar e -Fezes: Poliomie aguda dias administrada investigar. colher 1 lite febril, com -Comunicante geral: 1/ 2,4 a -Tratamento de amostra nos associad déficit de vacinado: 4- 1/1 3 milhões suporte. primeiros 14 a à motor 85 dias após a - Encaminhar aos dias após o vacina flácido de vacinação. - na 1ª dose: Centros de início da intensidad 1/ 0,7 a 1/ 2,4 Referência para deficiência e variável, milhões continuar a motora. geralmente vacinação com - assimétric vacina inativada. Eletroneuro o, e que miografia. deixa seqüela neurológic a
  29. 29. www.institutoconscienciago.com.br

×