comercialização de energia

596 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
596
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

comercialização de energia

  1. 1. Conferência 11ª EDIÇÃO COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA 22 e 23 de fevereiro de 2011 Paulista Plaza Hotel ‐ São Paulo – SP Planejamento de Contratação de Energia e Principais Setores que Alavancarão o Consumo de Energia em 2011 Expansão da Demanda dos Autoprodutores até 2020 Perspectivas para Comercialização dos Excedentes Variações de clima, Volume de Água nos Reservatórios e os Impactos no Valor do Megawatt/hora Reflexos das Operações de Térmicas nos Preços de Energia Vantagens da Compra de Energia Incentivada Dinâmica das Operações nos Dois Ambientes de Contratação, Avaliação de Risco, Comparativo de Taxas e Custos Estudos de Casos de Grandes Consumidores de EnergiaWorkshop Pós‐conferência ‐ COMO A REGULAMENTAÇÃO NO MERCADO LIVRE E CATIVO INFLUENCIA AS RELAÇÕESCOMERCIAIS COM OS CONSUMIDORES DE ENERGIADaniel Venâncio, Gerente de EnergiaGLEP ENERGIAS RENOVÁVEIS E PARTICIPAÇÕES S/AFabrizio Sasdelli, SócioFELSBERG, PEDRETTI, MANNRICH E AIDAR ADVOGADOS E CONSULTORES LEGAIS ASSOCIADOSBruno Gandolfo Damico, AdvogadoODEBRECHT ENERGIA
  2. 2. ConferênciaPalestrantes e debatedores confirmados:ABIAPEABRACEABRACEELAES ELETROPAULOANACECCEECOOMEX – Uma empresa do Grupo BTG PactualECOM ENERGIAENGENHO PESQUISA, CONSULTORIA & DESENVOLVIMENTOERSA ‐ ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A.ETH BIOENERGIAHOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FMUSPODEBRECHT ENERGIAROBERT BOSCHSOMAR METEOROLOGIATEMPO PRESENTEProgramaTerça‐feira, 22 de fevereiro de 201108h30 Recepção dos Participantes e Credenciamento08h50 Abertura do Encontro pelo Presidente de Mesa
  3. 3. ConferênciaDEMANDA DE ENERGIA E COMERCIALIZAÇÃO DE EXCEDENTES9h00 Previsão de Consumo de Energia em 2011, Planejamento de Contratação a Longo Prazo na Indústria e Perspectivaspara Comercialização dos Excedentes‐ Panorama do mercado de energia elétrica em 2010 e perspectivas para 2011Luiz Henrique Alves Pazzini, Assessor Técnico e Econômico do Conselho de AdministraçãoCCEE‐ Demanda estimada de energia em 2011‐ Principais setores da indústria que alavancarão o consumo de energia‐ Projeções para compra de energia o médio e longo prazo‐ Definição de regras e efetivação da comercialização de excedentes de energia na indústria, PCHs, plantas de cogeração eautoprodutores em geralAlexandre Lopes, Assessor TécnicoABRACEEL ‐ Associação Brasileira dos Agentes Comercializadores de Energia Elétrica10h00 Intervalo para Café e Troca de Cartões10h20 O Mercado de Energia Elétrica e os Grandes Consumidores‐ A disponibilidade de energia elétrica versus a evolução das tarifas e encargos‐ As tarifas industriais de energia no contexto internacional‐ O custo da segurança energéticaFernando Umbria, Assessor em Energia ElétricaABRACE ‐ Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres10h45 Desafios a Serem Enfrentados pelos Consumidores‐ Ampliação do Mercado Livre‐ Acesso à energia – equilíbrio e isonomia‐ Venda de excedentes – comercialização e operacionalizaçãoCarlos Faria, PresidenteANACE ‐ Associação Nacional dos Consumidores de EnergiaPREÇOS DE ENERGIA E MERCADO FUTURO11h20 Análise dos Preços de Energia, Gestão dos Fatores de Influência e Reflexos nas Contratações‐ Variações de clima, volume de água nos reservatórios e os impactos no valor do megawatt/hora (MWh)‐ Tecnologia e conhecimento da modelagem atmosférica, com previsão de precipitação de longo prazo
  4. 4. ‐ Ferramentas de modelagem que convertem as projeções de chuva em Energia Natural Afluente (ENA), além de vazãopara os postos e usinas de todo o Brasil Conferência‐ Utilização da metodologia de projeção de ENAPaulo Etchuchury, Diretor TécnicoSOMAR METEOROLOGIA‐ Perspectivas para o preço de energia ao longo de 2011‐ Critérios para precificação de energia‐ Oscilações do PLD: como minimizar os riscos no mercado spot?‐ Acompanhamento do nível dos reservatórios nos submercados e energia armazenada‐ Transferência de energia entre regiões‐ Regras para despacho das térmicas‐ Influência das térmicas sobre o custo da energia‐ Demais fatores de influência no comportamento de preços‐ Tendências na participação da energia térmica, hidráulica‐ Projeções de preços a médio e longo prazoLeontina Pinto, DiretoraENGENHO PESQUISA, CONSULTORIA & DESENVOLVIMENTODebatedor:Ricardo Lima, Sócio‐diretorTEMPO PRESENTE12h45 AlmoçoASPECTOS GERAIS SOBRE FONTE INCENTIVADA14h00 Conceito de Fontes de Energia Incentivadas e Diferencial nas Operações para o Consumidor‐ O que muda nas operações‐Vantagens da compra de energia incentivada e perspectivas de oferta‐ Diferenças entre a energia incentivada e energia especialCesar Lucio Corrêa de Sá Jr., Gerente de Comercialização de EnergiaETH BIOENERGIARodolfo Coli, Gerente de Comercialização de EnergiaERSA ‐ ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A.COMPARAÇÕES ENTRE O MERCADO LIVRE E CATIVO15h10 Exposição da Dinâmica das Operações nos Dois Ambientes de Contratação e Avaliação de Risco‐ Desafios, benefícios: Mercado Livre x Cativo‐ Comparativo de taxas e custos nos ambientes de contratação
  5. 5. ConferênciaLuís Fernando Manzano, DiretorCOOMEX – Uma empresa do Grupo BTG Pactual16h00 Intervalo para Café e Troca de Cartões16h20 Relacionamento com os Grandes Consumidores e Programas de Eficiência Energética no Mercado Livre e CativoExposição da Distribuidora e Seu Cliente:‐ Modelo de atuação‐ Parceria nos projetos de eficiência energética‐ Padronização de medidores pelas distribuidoras, projeto de aquisição e custo de adequação para o consumidorJorge Alberto Lopes Fernandes, Diretor de Infraestrutura e Supply ChainHOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FMUSPRicardo Gedra, Analista Comercial SêniorAES ELETROPAULOExposição da Comercializadora:‐ Papel da comercializadora de energia na gestão de consumidores‐ Parceria nos projetos de eficiência energética‐ Novos serviços ao consumidorLeandro Parizotto. Diretor ComercialECOM ENERGIA18h20 Encerramento do Primeiro Dia de ConferênciaQuarta‐feira, 23 de fevereiro de 201108h30 Recepção dos Participantes e Credenciamento09h00 Abertura do Segundo Dia do Encontro pelo Presidente de MesaAVALIAÇÃO DE FATORES DE MIGRAÇÃO09h10 Exposição do Ponto de Vista do Consumidor sobre os Fatores Decisivos para Migração entre Ambientes deContratação de Energia‐ Análise técnica‐ Volume de contratação‐ Preços‐ Energia convencional x incentivada
  6. 6. ConferênciaAna Carla Petti, Gerente Comercial e RegulatóriaODEBRECHT ENERGIA10h10 Intervalo para Café e Troca de Cartões10h40 O Papel da Autoprodução na Gestão Energética de Grandes Consumidores‐ A gestão energética dos grandes consumidores‐ Expansão da demanda dos autoprodutores até 2020‐ Perspectivas da autoproduçãoTiago Leite Ferreira, Coordenador de EnergiaABIAPE – Associação Brasileira dos Investidores em Autoprodução de EnergiaGESTÃO DE SOBRAS OU DÉFICIT DE ENERGIA11h40 Gerenciamento de Contratos de Energia em Casos de Sobra ou Déficit e Tomada de Decisão para Operar noMercado Spot‐ Desafios na previsibilidade de volumes de energia, de acordo com o segmento de mercado‐ Avaliação da compra de energia no Mercado Spot e medidas para minimizar riscos diante do aumento do PLD‐ Contratos de comercialização de sobras de energia nos consumidoresAdriano Ferraz da Silveira, Chefe de ComprasROBERT BOSCH LTDA.12h40 Encerramento da ConferênciaWorkshop Pós‐conferência – COMO A REGULAMENTAÇÃO NO MERCADO LIVRE E CATIVO INFLUENCIA AS RELAÇÕESCOMERCIAIS COM OS CONSUMIDORES DE ENERGIA‐ Formalizando Contratos de Compra e Venda de Energia – Principais Questões LegaisFabrizio Sasdelli, SócioFELSBERG, PEDRETTI, MANNRICH E AIDAR ADVOGADOS E CONSULTORES LEGAIS ASSOCIADOSBruno Gandolfo Damico, AdvogadoODEBRECHT ENERGIAMERCADO CATIVO‐ Regras gerais para os leilões de energia‐ Quais são as penalidades nas relações comerciais entre concessionárias e consumidores‐ Resolução 414/2010: ‐ Em que se diferencia ao ser comparada com a resolução 456 ‐ O que muda nas relações comerciais entre distribuidoras com os consumidores?
  7. 7. ‐ Medidas previstas na norma e seus impactos ConferênciaMERCADO LIVRE‐ Legislação que rege o Mercado Livre‐ Incentivos para adesões ao Mercado Livre‐ Implicações jurídicas da Resolução 247 e Portaria 73Daniel Venâncio, Gerente de EnergiaGLEP ENERGIAS RENOVÁVEIS E PARTICIPAÇÕES S/AAgenda13h40 Recepção dos Participantes e Credenciamento14h00 Início15h30 Intervalo para Café e Relacionamento17h30 Encerramento

×