Consumidor ines soares 1

317 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
317
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Consumidor ines soares 1

  1. 1.  Nova Economia vs Velha Economia; Vantagens e Desvantagens do e-commerce; Legislação e Regulação do Comércio Electrónico; Protecção e Segurança do Consumidor Evolução do Comércio Electrónico em Portugal Perspectivas e Tendências2
  2. 2.  Comércio electrónico:“todo o tipo de transacção comercial feita através de um equipamentoelectrónico, como, por exemplo, um computador “ Nova Economia:“sistema socioeconómico que resulta do estádio evolutivo alcançadopelas tecnologias telemáticas, as quais, potenciam significativamente osmeios de comunicação e distribuição de intangíveis e a interacção entreos agentes económicos”3
  3. 3.  Novo Consumidor:“conjunto de consumidores que efectuam compras ou outro tipo detransacções pela Internet, utilizando obviamente o computador, comotodos os que efectuam compras à distância.” Marketing Electrónico: Business to Business - B2B Business to Consumer - B2C Consumer to Consumer - C2C4
  4. 4.  Alguns Conceitos Básicos:• Confidencialidade: É o processo utilizado para proteger informaçõessecretas de serem reveladas por pessoas não autorizadas. Os dadossecretos devem ser protegidos recorrendo ao uso da criptografia.• Identificação: Os utilizadores são identificados perante umaaplicação através de uma identificação do utilizador ou user ID.5
  5. 5. • Autorização: É o processo de atribuir os acessos permitidos para outilizador. A permissão de acessos inclui uma especificação, tal como,se o utilizador possui permissão para ler, escrever, ou alterar um dadoficheiro.• Integridade dos dados: A integridade dos dados permite a detecção demodificações não autorizadas nos dados. Vulgarmente, a integridade dosdados permite detectar se os dados foram modificados ou corrompidosdurante a transmissão. Esta modificação pode ser resultado de umataque ou de um erro na transmissão. A integridade dos dados pode serconseguida através da implementação de uma função one-way hash.6
  6. 6. • Autenticação: É o processo usado para verificar a identidadereivindicada por um utilizador ou programa. A autenticação pode serfeita através do uso de passwords por parte do utilizador ou através datroca de chaves e poderá eventualmente envolver uma terceira entidadede confiança.• Não repudiamento: É a capacidade de provar tecnicamente a origemdos dados e provar a distribuição dos dados, ou seja, demonstra-se que atransmissão ocorreu de facto, entre o remetente e o receptor. Destaforma, impede o remetente negar o envio dos dados, ou o receptor negara recepção dos dados, e também impede que as entidades envolvidaspossam alterar o conteúdo dos dados.7
  7. 7. • Rejeição de serviço: O ataque de rejeição de serviços, é um ataque doqual, o atacante toma posse, ou consome recursos, para que ninguémmais possa usá-lo. Exemplos desses ataques, incluem um vírus, queconsome a memória do sistema, ou um ataque na Internet, onde o hostatacante toma posse do host legítimo.8
  8. 8. Comportamento do ConsumidorPráticas FraudulentasSão consideradas práticas fraudulentas: Toda a prática que consista em fornecer informações inexactas esusceptíveis de induzir em erro e que prejudiquem de forma significativa osinteresseseconómicos dos consumidores lesados; Toda a prática que consista em não entregar os produtos ou não fornecer osserviços aos consumidores depois de já terem sido pagos; Toda a prática que consista em debitar as contas bancárias, telefónicas ououtras dos consumidores sem a sua autorização.
  9. 9.  Aumenta o número de contactos da empresa com fornecedores e comoutras empresas do mesmo ramo, e também o número de possíveisclientes; A empresa pode estabelecer diálogos com empresas internacionais assimcomo efectua habitualmente com empresas da sua localidade; A empresa tem a possibilidade de fornecer informação, receberencomendas, fazer demonstrações dos seus produtos 24 horas por dia;10
  10. 10.  Pode reduzir os custos resultantes do lançamento de um novo produto ouserviço, pois é-lhe mais fácil e envolve menos custos fazer um estudo demercado através da Internet e através desse mesmo estudo a empresa tema possibilidade de saber a opinião dos consumidores sobre os produtos equais as preferências do cliente. Os clientes têm de forma imediata, acesso à informação sobre a empresae os seus produtos e serviços; A Internet fornece informação de uma forma eficiente;11
  11. 11.  Visto que este tipo de comércio funciona 24 horas por dia, haverá ummaior número de visitas do que a uma loja tradicional em determinadaregião; Comodidade no processo de compra; Grande variedade de produtos apresentados; Preços mais baixos e competitivos, em alguns produtos, com um leque deescolha muito mais abrangente, onde há também mais concorrência; Acessibilidade global e alcance de vendas: as empresas podem expandirsua base de clientes e sua linha de produtos, visto que à Internet se podeaceder de qualquer lugar do mundo;12
  12. 12.  Relacionamento mais próximo entre empresa e fornecedores: transacçõesB2B podem gerar relacionamentos mais próximos pela facilidadeexistente no novo canal de comunicação; Testes gratuitos: produtos podem ser testados na Web de forma rápida,fácil e sem custos; Redução de custos: empresas podem reduzir seus custos de produçãoadequando dinamicamente os seus preços; Mudanças no meio de comunicação: com a Internet há uma redução nonúmero de meios de comunicação usada para realização de um pedido;13
  13. 13.  Tempo para comercialização: a Internet está 24 horas on-line, 7 dias porsemana, leva-se um tempo menor para comercializar há também umganho no tempo de resposta em relação às mudanças da procura domercado; Lealdade dos clientes: melhoria na lealdade dos clientes e nos serviçosuma vez que o site sempre tenha as suas informações actualizadas esempre disponíveis de maneira que seja fácil o entendimento pelo cliente(interface amigável).14
  14. 14.  O contacto directo com o cliente não é feito de forma frequente; Pode surgir desconfiança por parte dos clientes; Redução da capacidade de inspeccionar produtos em locaisgeograficamente dispersos; Existem determinados produtos que os consumidores não confiam a umvendedor virtual, como a escolha de bens alimentares frescos (fruta,legumes, peixe ou carne);15
  15. 15.  A venda/compra de casas, carros, terrenos e outros bens de elevado valoré um tipo de comércio menos realizado, pois para além de envolvergrandes somas de dinheiro, o processo actual de compra burocráticoainda não se transferiu para a Internet. A Internet é demasiado pública e a muitas pessoas não lhes agrada ofacto de se verem forçados a enviar dados confidenciais pelo fio paraefectuar as suas compras; Conflito de canal: revendedores e comerciantes temem que com ocontacto directo entre empresa e consumidor haja prejuízo para as partesenvolvidas na negociação.16
  16. 16.  CompetiçãoCompetição: da mesma forma que se tem a vantagem de secomercializar em qualquer lugar do mundo, a competição que até entãoera local torna-se agora mundial; Direitos de autorDireitos de autor: uma vez publicada a informação na Internet, torna-sefácil a sua cópia; Aceitação do clienteAceitação do cliente: as empresas têm receio se os consumidores irãoaceitar essa nova forma de negócio;17
  17. 17.  Aspectos legaisAspectos legais: não existe uma estrutura legal a nível mundial; Não LealdadeNão Lealdade; PreçoPreço: os preços podem diminuir, visto que o custo pode ser reduzido,mas o que realmente é diferenciado são os serviços prestados aosconsumidores; SegurançaSegurança: a segurança é algo muito importante e pode tornar-se umabarreira, tanto para consumidores, como para parceiros.18
  18. 18.  ServiçoServiço: é muito mais fácil e rápido comparar os produtos de umaempresa com os de outra. O serviço prestado pela empresa pode ser ogrande diferencial e é necessário investir neste ponto; ViabilidadeViabilidade: muitas empresas estão inseguras no investimento que deveser feito para a concretização do comércio electrónico em virtude dasconsequências que este tipo de negócio pode acarretar para ela; Barreiras ao utilizadorBarreiras ao utilizador: o lado dos consumidores deve ser considerado,pois o mesmo terá um custo de acesso a essa nova forma de negócio. Atecnologia está em constantes avanços – haverá sempre a aquisição denovas máquinas, e a incerteza sobre a nova economia além do temponecessário para a aprendizagem da nova forma de negócio.19
  19. 19. 20
  20. 20. Numa altura em que rapidamente se impõe a “Nova Economia”, fruto daexpansão incessante do Comércio Electrónico, nasce também, um NovoDireito.A.Comércio ElectrónicoTranspõe para a ordem jurídica nacional a Directiva 2000/31/CE, doParlamento Europeu e do Conselho, de 8 de Junho de 2000, relativa a aspectoslegais dos serviços da sociedade da informação, em especial do comércioelectrónico, no mercado interno.21
  21. 21. Decreto-Lei n.º 7/2004, de 7 de JaneiroIniciativa Nacional para o Comércio Electrónico.Resolução do Conselho de Ministros n.º115/98, de 1 de SetembroDocumento Orientador da Iniciativa Nacional para o Comércio ElectrónicoResolução do Conselho de Ministros n.º 94/99, de 25 de AgostoAprova o Plano de Acção para a sociedade da Informação.22
  22. 22.  Resolução do Conselho de Ministros n.º 107/2003, de 12 de AgostoAutorização para o Governo legislar sobre certos aspectos do comércioelectrónico Lei n.º 7/2003, de 9 de MaioExistem ainda outras Directrizes e Decretos-Lei que protegem o ComércioElectrónico e que não mencionámos:B) Assinatura Electrónica;C) Factura Electrónica;D) Moeda Electrónica;E) Dados Pessoais;F)Diversos.23
  23. 23.  São programas de computador que permitem identificar e eliminar vírusdos computadores e outro tipo de software “malicioso” Criação de novos vírus - provocam danos nos computadores e prejuízosavultados. Uma vez descoberta a falha de segurança, o vírus é lançado e instalado. As técnicas que o antivírus utiliza são as seguintes:1. Examinação de vírus conhecidos (scanarização)2. Verificação de programas24
  24. 24.  A Criptografia (encriptação) é a conversão dos dados dentro de um padrão,chamado cipher (codificação), que não pode ser entendido nem visualizado porpessoas não autorizadas. Os dados são embaralhados e não podem servisualizados e nem manipulados sem que sejam descodificados. Quatro grandes objectivos:1. Confidencialidade da mensagem2. Integridade da mensagem3. Autenticação do remetente4. Não-repúdio do remetente25
  25. 25.  A Firewall é uma tecnologia utilizada para proteger o sistema contraacessos indevidos e não autorizados, garantindo também aconfidencialidade das informações prestadas pelos clientes. Os sistemas de firewall podem ser classificados da seguinte forma:1. Filtro de Pacotes2. Proxy Firewall3. Firewall de aplicação ;4. Stateful Firewall26
  26. 26.  Criação de métodos para trazer segurança às transacções de pagamento via cartãode crédito sobre redes abertas como a Internet. O SET assenta em sete grandes requisitos:1. Confidencialidade2. Integridade3. Autenticação do proprietário do cartão4. Autenticação do comerciante5. Assegurar o uso das melhores práticas de segurança6. Criar um protocolo7. Interoperabilidade27
  27. 27.  O SSL é um padrão de comunicação, utilizado para permitir a transferênciasegura de informações através da Internet. Uma das aplicações directa destatecnologia prende-se com a utilização e acesso a páginas WEB: que seidentifica por : https://endereço_web. A tecnologia SSL emprega as funções essenciais de autenticação mútua,criptografia e integridade de dados para transacções seguras e mesmo queseja interceptada por terceiros, os dados não poderão ser lidos poisencontram-se codificados.28
  28. 28.  Os PINs são os mais usados frequentemente em Multibancos pois são códigosque permitem uma relação entre um utilizador e um sistema, que por sua vezgarante ao utilizador do código, pessoal e intransmissível, um acesso a umdeterminado serviço. Os PINs mais usuais, aqueles que são utilizados nos Multibancos, são geralmenteformados a partir da conjugação de quatro algarismos, que vão desde o 0000 ao9999, o que quer dizer que existem cerca de 10000 possibilidades diferentes paraformar um código.29
  29. 29. O Comércio Electrónico em Portugal O que os portugueses mais compram na Internet são livros, CD’s e DVD’s. Também compram produtos informáticos, viagens, obras de arte,alimentação e bebidas. Pertence a quadros superiores ou estudantes na faixa etária entre os 20 e os29 anos. No ano passado os portugueses gastaram mais de 1 milhão de contos emcompras on-line, a maioria delas em sites estrangeiros.30
  30. 30. Estudo Nesonda/ACEP Verificou-se um aumento do volume de vendas na Internet.31
  31. 31.  Aumento do número de clientes on-line.32
  32. 32.  Os principais produtos e serviços transaccionados foram produtos de electrónica,informática e ainda casa/arte/decoração.33
  33. 33.  Aumentou o investimento nos sites.34
  34. 34. Caso Webboom É uma livraria virtual da Porto Editora que disponibilizou on-line várias“prateleiras” com livros nacionais e estrangeiros. Além de livros é possível encontrar-se produtos multimédia. O pagamento pode ser efectuado através de Visa, vale postal outransferência bancária.35
  35. 35. Dicas para compras on-line Certificarem-se se a loja oferece outros meios de contacto. Imprimir todos os procedimentos realizados. Solicitar uma confirmação por escrito. Cuidado com as promoções. Conferir a política de troca e devolução do produto. Ter em atenção as taxas de importação e o valor da deslocação. E nunca enviar informações do pagamento via e-mail.36
  36. 36. Inês Soares 9º7 nº1

×