SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
ECOLOGIA



       Ecologia (do grego oikos, casa; logos, ciência) é a
parte da biologia que estuda o relacionamento dos seres
vivos entre si e deles com seu meio ou ambiente.
Espécie
População
Comunidade
Ecossistema
Alelobiose

       Designa, exclusivamente, as relações dos seres
vivos entre si.
       Divide-se em:

        Cenobiose, que compreende as relações entre
indi-víduos da mesma espécie;

       Aloiobiose, em que se estudam as relações entre
indivíduos de espé-cies diferentes.
Relações entre seres vivos - cenobioses



       As diversas associações e rela-ções entre seres
vivos são as cenobioses, que podem ser harmônicas ou
desarmônicas e intraespecíficas ou interespecíficas.
 Relações harmônicas ou bila-terais - sem prejuízo
  para nenhum dos associados, que trocam benefí-cios
  mútuos.

 Relações desarmônicas ou unilaterais - um dos
  associados leva vantagem, e outro, desvantagem
  (vantagem unilateral).

 Intraespecíficas ou homotípi-cas - ocorrem entre
  seres de uma mesma espécie.

 Interespecíficas ou heterotípi-cas - ocorrem entre
  seres de es-pécies diferentes.
RELAÇÕES INTRAESPECÍFICAS
             HARMÔNICAS
Colônias
        Associações entre indivíduos de mesma espécie, com
interdepen-dência orgânica e continuidade morfológica. Tais indivíduos
não podem viver isoladamente.
Sociedades

 Agrupamentos permanentes de animais de mesma espécie;
 Não interligados morfologicamente;
 Trabalham para o bem da comunida-de, havendo ou não
  especialização funcional.
Competição intra-específica
                     Competição e o princípio de Gause
         Segundo essa premissa, os nichos ecológicos são mutuamente
exclusivos e a coexistência de duas ou mais espécies em um mesmo habitat
requer que seus nichos sejam suficientemente diferentes, se não duas ou mais
espécies ocuparem exatamente o mesmo nicho ecológico, a competição entre
elas será tãosevera que não poderão conviver.
RELAÇÃO INTRAESPECÍFICA
                    DESARMÔNICA
Canibalismo




          Fêmea de aranha da espécie Nephila clavata devora o macho após a cópula. O
canibalismo sexual é bastante comum em aranhas e escorpiões.
                                                    (foto: flickr.com/kumon - CC BY 2.0).

         Entre mamíferos também é frequente              o   canibalismo;   ratos,   por
exemplo, devoram os próprios filhos recém-nascidos.
RELAÇÕES INTERESPECÍFICAS
           HARMÔNICAS
Protocooperação
Mutualismo
Comensalismo
        O indivíduo aproveita os restos da alimentação de outro de
espécie diferente.
Epibiose
       A associação caracterizada pelo desenvolvimento de
certos organis-mos sobre o corpo de outro ser vivo é a epibiose.




Quando um organismo se desenvolve sobre um vegetal, a relação é de
epifitismo.
Quando o desenvolvimento se faz sobre um animal, há epizoísmo.
Inquilinismo

          Associação em uma espécie busca abrigo ou substrato no
corpo de outra, sem causar prejuízos e sem relações de natureza
fisiológica, é o inquilinismo.




  Peixes do gênero Fierasfer e pepino-do-mar; anêmona-do-mar e alguns peixinhos.

Obs: O epifitismo é considerado um caso geral de inquilinismo.
Saprobiose

        Fenômeno pelo qual o organis-mo sapróbio se nutre de
matéria or-gânica em decomposição no meio, sem causar danos
a outro organis-mo.
 São saprobiontes alguns protozoá-rios, certos fungos e
   algumas bac-térias.
Forésia
Transporte de um indivíduo per-tencente a uma espécie por outro de espécie
diferente é forésia ou diaco-mismo.




Transporte dos pseudo-escorpiões por moscas, formigas e besouros;

Exem-plos: transporte de grãos de pólen, sementes e frutos, pelos animais;

Trans-porte da actínea pelo bernardo (ere-mita).

Outro exemplo é o da mosca Neivamia lutzi (neiva), que transporta ovos de
outra mosca, a Dermatobia hominis (berne).
RELAÇÕES INTERESPECÍFICAS
                 DESARMÔNICAS
Predatismo




A propor-ção corpórea presa-predador é im-portante para o rendimento e a efi-ciência da
caçada.

Isso não se aplica aos animais peçonhentos.
Esclavagismo ou sinfilia




Al-gumas formigas fazem pilhagens de outras sociedades, roubando larvas
(ninfas) que, ao atingirem o estado adulto, servem de escravas.
Antibiose ou amensalismo




          O fungo Penicyllium sp elabora a penicilina (bactericida).




Os dinoflagelados, pertencente ao grupo das microalgas chamadas pirrófitas.
Competição interespecíficas
Parasitismo




É o caso dos vírus da Aids, da tuberculose e da ascaridíase.
Hóspede ou bionte - nome genérico que se dá ao parasita.
Hospedeiro ou biosado - -nome genérico do ser parasitado.
VALEU GALERA, MUITO OBRIGADO!
 NÃO DEIXEM DE CURTIR A PÁGINA!




https://www.facebook.com/professorilzo?ref=hl

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Antimicrobianos mecanismos-de-resistencia
Antimicrobianos mecanismos-de-resistenciaAntimicrobianos mecanismos-de-resistencia
Antimicrobianos mecanismos-de-resistenciaGlauce Trevisan
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protistaNelson Costa
 
Apresentação sobre Transgênicos (UFBA)
Apresentação sobre Transgênicos (UFBA)Apresentação sobre Transgênicos (UFBA)
Apresentação sobre Transgênicos (UFBA)Cassio Leal
 
Espécies exóticas
Espécies exóticasEspécies exóticas
Espécies exóticasunesp
 
QUESTIONÁRIO VÍRUS
QUESTIONÁRIO VÍRUSQUESTIONÁRIO VÍRUS
QUESTIONÁRIO VÍRUS45123
 
Biologia lamarckismo vs darwinismo
Biologia lamarckismo vs darwinismoBiologia lamarckismo vs darwinismo
Biologia lamarckismo vs darwinismoLaylis Amanda
 
1capitulo 1-primeira-lei-de-mendel
1capitulo 1-primeira-lei-de-mendel1capitulo 1-primeira-lei-de-mendel
1capitulo 1-primeira-lei-de-mendelvaniele17
 
Tecnologia do DNA recombinante
Tecnologia do DNA recombinanteTecnologia do DNA recombinante
Tecnologia do DNA recombinanteShaline Araújo
 
3S_ exercicios genetica com resposta
3S_ exercicios genetica  com resposta3S_ exercicios genetica  com resposta
3S_ exercicios genetica com respostaIonara Urrutia Moura
 
Exerc. protozoarios-e-algas2010-a-2013
Exerc. protozoarios-e-algas2010-a-2013Exerc. protozoarios-e-algas2010-a-2013
Exerc. protozoarios-e-algas2010-a-2013Juarez Silva
 
Meio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismosMeio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismosUERGS
 

Mais procurados (20)

Antimicrobianos mecanismos-de-resistencia
Antimicrobianos mecanismos-de-resistenciaAntimicrobianos mecanismos-de-resistencia
Antimicrobianos mecanismos-de-resistencia
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 
Apresentação sobre Transgênicos (UFBA)
Apresentação sobre Transgênicos (UFBA)Apresentação sobre Transgênicos (UFBA)
Apresentação sobre Transgênicos (UFBA)
 
Focas Agua
Focas AguaFocas Agua
Focas Agua
 
Espécies exóticas
Espécies exóticasEspécies exóticas
Espécies exóticas
 
53292193 aula-de-meios-de-cultura
53292193 aula-de-meios-de-cultura53292193 aula-de-meios-de-cultura
53292193 aula-de-meios-de-cultura
 
Exercícios sobre Divisão Celular
Exercícios sobre Divisão Celular Exercícios sobre Divisão Celular
Exercícios sobre Divisão Celular
 
QUESTIONÁRIO VÍRUS
QUESTIONÁRIO VÍRUSQUESTIONÁRIO VÍRUS
QUESTIONÁRIO VÍRUS
 
Biologia lamarckismo vs darwinismo
Biologia lamarckismo vs darwinismoBiologia lamarckismo vs darwinismo
Biologia lamarckismo vs darwinismo
 
atividade-mitose-pdf
atividade-mitose-pdfatividade-mitose-pdf
atividade-mitose-pdf
 
1capitulo 1-primeira-lei-de-mendel
1capitulo 1-primeira-lei-de-mendel1capitulo 1-primeira-lei-de-mendel
1capitulo 1-primeira-lei-de-mendel
 
55 exercícios ecologia enem
55 exercícios ecologia enem55 exercícios ecologia enem
55 exercícios ecologia enem
 
Tecnologia do DNA recombinante
Tecnologia do DNA recombinanteTecnologia do DNA recombinante
Tecnologia do DNA recombinante
 
Tabela comparativa invertebrados
Tabela comparativa invertebradosTabela comparativa invertebrados
Tabela comparativa invertebrados
 
3S_ exercicios genetica com resposta
3S_ exercicios genetica  com resposta3S_ exercicios genetica  com resposta
3S_ exercicios genetica com resposta
 
Exerc. protozoarios-e-algas2010-a-2013
Exerc. protozoarios-e-algas2010-a-2013Exerc. protozoarios-e-algas2010-a-2013
Exerc. protozoarios-e-algas2010-a-2013
 
Plantas medicinais
Plantas medicinaisPlantas medicinais
Plantas medicinais
 
Meio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismosMeio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismos
 

Semelhante a Aula colégio de aplicação

Relações Ecológicas
Relações EcológicasRelações Ecológicas
Relações EcológicasVictor_DCAG
 
Apres RelaçõEs EcolóGicas Bioloja V2
Apres RelaçõEs EcolóGicas Bioloja V2Apres RelaçõEs EcolóGicas Bioloja V2
Apres RelaçõEs EcolóGicas Bioloja V2Diego Yamazaki Bolano
 
Ecologia com exercícios
Ecologia com exercíciosEcologia com exercícios
Ecologia com exercícioshelder raposo
 
Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicasHigor Souza
 
população, Biologia, 4° Bimestre Professora Raquel
 população, Biologia,  4° Bimestre Professora Raquel população, Biologia,  4° Bimestre Professora Raquel
população, Biologia, 4° Bimestre Professora RaquelRaquel Alves
 
Aula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.ppt
Aula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.pptAula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.ppt
Aula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.pptEwerthonGomes1
 
Relacoes entre-seres-vivos-pdf2
Relacoes entre-seres-vivos-pdf2Relacoes entre-seres-vivos-pdf2
Relacoes entre-seres-vivos-pdf2Eduardo Henrique
 
Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos Vanessa Anzolin
 
Relacoes ecológicas
Relacoes ecológicasRelacoes ecológicas
Relacoes ecológicasEstude Mais
 
Ecologia-Relações Ecológicas
Ecologia-Relações Ecológicas Ecologia-Relações Ecológicas
Ecologia-Relações Ecológicas Antonio Fernandes
 
Rela es ecol_gicas_alunos
Rela es ecol_gicas_alunosRela es ecol_gicas_alunos
Rela es ecol_gicas_alunosÉrika Cardozo
 
Interação entre os seres vivos
Interação entre os seres vivosInteração entre os seres vivos
Interação entre os seres vivosvvanessa
 

Semelhante a Aula colégio de aplicação (20)

Didática 2
Didática 2Didática 2
Didática 2
 
Relações Ecológicas
Relações EcológicasRelações Ecológicas
Relações Ecológicas
 
Apres RelaçõEs EcolóGicas Bioloja V2
Apres RelaçõEs EcolóGicas Bioloja V2Apres RelaçõEs EcolóGicas Bioloja V2
Apres RelaçõEs EcolóGicas Bioloja V2
 
Ecologia com exercícios
Ecologia com exercíciosEcologia com exercícios
Ecologia com exercícios
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Relacoes Bioticas
Relacoes BioticasRelacoes Bioticas
Relacoes Bioticas
 
Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicas
 
população, Biologia, 4° Bimestre Professora Raquel
 população, Biologia,  4° Bimestre Professora Raquel população, Biologia,  4° Bimestre Professora Raquel
população, Biologia, 4° Bimestre Professora Raquel
 
Aula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.ppt
Aula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.pptAula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.ppt
Aula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.ppt
 
Relacoes entre-seres-vivos-pdf2
Relacoes entre-seres-vivos-pdf2Relacoes entre-seres-vivos-pdf2
Relacoes entre-seres-vivos-pdf2
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Interações ecológicas lara 1ano
Interações ecológicas lara 1anoInterações ecológicas lara 1ano
Interações ecológicas lara 1ano
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos
 
2 relações ecológicas
2   relações ecológicas2   relações ecológicas
2 relações ecológicas
 
Relacoes ecológicas
Relacoes ecológicasRelacoes ecológicas
Relacoes ecológicas
 
Ecologia-Relações Ecológicas
Ecologia-Relações Ecológicas Ecologia-Relações Ecológicas
Ecologia-Relações Ecológicas
 
Interações ecológicas
Interações ecológicasInterações ecológicas
Interações ecológicas
 
Rela es ecol_gicas_alunos
Rela es ecol_gicas_alunosRela es ecol_gicas_alunos
Rela es ecol_gicas_alunos
 
Interação entre os seres vivos
Interação entre os seres vivosInteração entre os seres vivos
Interação entre os seres vivos
 

Mais de IFRR

2. citologia
2. citologia2. citologia
2. citologiaIFRR
 
Destino dos folhetos germinativos
Destino dos folhetos germinativosDestino dos folhetos germinativos
Destino dos folhetos germinativosIFRR
 
13h15 francisco-norbeto
13h15 francisco-norbeto13h15 francisco-norbeto
13h15 francisco-norbetoIFRR
 
1. embriologia 2015.2
1. embriologia 2015.21. embriologia 2015.2
1. embriologia 2015.2IFRR
 
Genética de populações
Genética de populaçõesGenética de populações
Genética de populaçõesIFRR
 
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSCMetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSCIFRR
 
IlzoCostaPessoa
IlzoCostaPessoaIlzoCostaPessoa
IlzoCostaPessoaIFRR
 

Mais de IFRR (7)

2. citologia
2. citologia2. citologia
2. citologia
 
Destino dos folhetos germinativos
Destino dos folhetos germinativosDestino dos folhetos germinativos
Destino dos folhetos germinativos
 
13h15 francisco-norbeto
13h15 francisco-norbeto13h15 francisco-norbeto
13h15 francisco-norbeto
 
1. embriologia 2015.2
1. embriologia 2015.21. embriologia 2015.2
1. embriologia 2015.2
 
Genética de populações
Genética de populaçõesGenética de populações
Genética de populações
 
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSCMetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
 
IlzoCostaPessoa
IlzoCostaPessoaIlzoCostaPessoa
IlzoCostaPessoa
 

Último

trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Susana Stoffel
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 

Último (20)

trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 

Aula colégio de aplicação

  • 1. ECOLOGIA Ecologia (do grego oikos, casa; logos, ciência) é a parte da biologia que estuda o relacionamento dos seres vivos entre si e deles com seu meio ou ambiente.
  • 2.
  • 3.
  • 8. Alelobiose Designa, exclusivamente, as relações dos seres vivos entre si. Divide-se em: Cenobiose, que compreende as relações entre indi-víduos da mesma espécie; Aloiobiose, em que se estudam as relações entre indivíduos de espé-cies diferentes.
  • 9. Relações entre seres vivos - cenobioses As diversas associações e rela-ções entre seres vivos são as cenobioses, que podem ser harmônicas ou desarmônicas e intraespecíficas ou interespecíficas.
  • 10.  Relações harmônicas ou bila-terais - sem prejuízo para nenhum dos associados, que trocam benefí-cios mútuos.  Relações desarmônicas ou unilaterais - um dos associados leva vantagem, e outro, desvantagem (vantagem unilateral).  Intraespecíficas ou homotípi-cas - ocorrem entre seres de uma mesma espécie.  Interespecíficas ou heterotípi-cas - ocorrem entre seres de es-pécies diferentes.
  • 11. RELAÇÕES INTRAESPECÍFICAS HARMÔNICAS Colônias Associações entre indivíduos de mesma espécie, com interdepen-dência orgânica e continuidade morfológica. Tais indivíduos não podem viver isoladamente.
  • 12. Sociedades  Agrupamentos permanentes de animais de mesma espécie;  Não interligados morfologicamente;  Trabalham para o bem da comunida-de, havendo ou não especialização funcional.
  • 13. Competição intra-específica Competição e o princípio de Gause Segundo essa premissa, os nichos ecológicos são mutuamente exclusivos e a coexistência de duas ou mais espécies em um mesmo habitat requer que seus nichos sejam suficientemente diferentes, se não duas ou mais espécies ocuparem exatamente o mesmo nicho ecológico, a competição entre elas será tãosevera que não poderão conviver.
  • 14. RELAÇÃO INTRAESPECÍFICA DESARMÔNICA Canibalismo Fêmea de aranha da espécie Nephila clavata devora o macho após a cópula. O canibalismo sexual é bastante comum em aranhas e escorpiões. (foto: flickr.com/kumon - CC BY 2.0). Entre mamíferos também é frequente o canibalismo; ratos, por exemplo, devoram os próprios filhos recém-nascidos.
  • 15. RELAÇÕES INTERESPECÍFICAS HARMÔNICAS Protocooperação
  • 17. Comensalismo O indivíduo aproveita os restos da alimentação de outro de espécie diferente.
  • 18. Epibiose A associação caracterizada pelo desenvolvimento de certos organis-mos sobre o corpo de outro ser vivo é a epibiose. Quando um organismo se desenvolve sobre um vegetal, a relação é de epifitismo. Quando o desenvolvimento se faz sobre um animal, há epizoísmo.
  • 19. Inquilinismo Associação em uma espécie busca abrigo ou substrato no corpo de outra, sem causar prejuízos e sem relações de natureza fisiológica, é o inquilinismo. Peixes do gênero Fierasfer e pepino-do-mar; anêmona-do-mar e alguns peixinhos. Obs: O epifitismo é considerado um caso geral de inquilinismo.
  • 20. Saprobiose Fenômeno pelo qual o organis-mo sapróbio se nutre de matéria or-gânica em decomposição no meio, sem causar danos a outro organis-mo.  São saprobiontes alguns protozoá-rios, certos fungos e algumas bac-térias.
  • 21. Forésia Transporte de um indivíduo per-tencente a uma espécie por outro de espécie diferente é forésia ou diaco-mismo. Transporte dos pseudo-escorpiões por moscas, formigas e besouros; Exem-plos: transporte de grãos de pólen, sementes e frutos, pelos animais; Trans-porte da actínea pelo bernardo (ere-mita). Outro exemplo é o da mosca Neivamia lutzi (neiva), que transporta ovos de outra mosca, a Dermatobia hominis (berne).
  • 22. RELAÇÕES INTERESPECÍFICAS DESARMÔNICAS Predatismo A propor-ção corpórea presa-predador é im-portante para o rendimento e a efi-ciência da caçada. Isso não se aplica aos animais peçonhentos.
  • 23. Esclavagismo ou sinfilia Al-gumas formigas fazem pilhagens de outras sociedades, roubando larvas (ninfas) que, ao atingirem o estado adulto, servem de escravas.
  • 24. Antibiose ou amensalismo O fungo Penicyllium sp elabora a penicilina (bactericida). Os dinoflagelados, pertencente ao grupo das microalgas chamadas pirrófitas.
  • 26. Parasitismo É o caso dos vírus da Aids, da tuberculose e da ascaridíase. Hóspede ou bionte - nome genérico que se dá ao parasita. Hospedeiro ou biosado - -nome genérico do ser parasitado.
  • 27. VALEU GALERA, MUITO OBRIGADO! NÃO DEIXEM DE CURTIR A PÁGINA! https://www.facebook.com/professorilzo?ref=hl