SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Corte de Azimute: fatia da esfera de radiação onde as propriedades radiantes da antena são
verificadas no plano x ou y (Horizontal);
Corte de Elevação: fatia da esfera de radiação onde as propriedades irradiantes da antena são
verificadas nos planos z ou y (Vertical).
Transmissão de Dados Digitais: Um sinal digital possui um número finito de estados (níveis)
com transições bruscas (descontinuas) entre estados.
As operações de colocação e extração dos dados do sinal são conhecidas por codificação e
descodificação. Os dispositivos que realizam estas operações são conhecidos por CODEC.
Um sinal analógico: É por definição continuo podendo tomar qualquer valor intermédio,
tipicamente são utilizadas ondas sinusoidas.
As operações de colocação e extração dos dados do sinal são conhecidas por modulação e
demodulação. Os dispositivos que realizam estas operações são conhecidos por MODEM.
Potência de sinal e atenuação: São normalmente expressas em Watt.
Para que a informação que o sinal transporta seja extraída pelo receptor em boas condições é
necessário que a potência de recepção do sinal seja superior a um dado valor mínimo.
Largura de Banda: Invariavelmente os sinais incluem variações cíclicas de intensidade (sinais
periódicos).
Potência de ruído: Os meios de transmissão estão sujeitos a diversos tipos de ruído com
diversas origens. Designamos por ruído todos os sinais presentes que não transportam
informação útil.
Atenuação e frequência: A atenuação de um dado meio físico esta diretamente relacionada
com a frequência do sinal. Para um sinal periódico, quando a frequência aumenta a atenuação
também aumenta. Dependendo dos meios de transmissão usados, também podem existir
valores de atenuação elevados para as frequências baixa. Resumindo, um canal de
comunicação comporta-se como um filtro de frequências.
Modulação: A modulação consiste na colocação de dados digitais num sinal analógico. A
transmissão de dados sobre sinais analógicos justifica-se pela necessidade de aproveitar
algumas infra-estruturas analógicas, o exemplo mais corrente é a rede telefónica publica.
As técnicas básicas de modulação são:
ASK (“Amplitude Shift Keying”) a cada valor binário dos dados vai ser associada uma amplitude
distinta para a portadora.
FSK (“Frequency Shift Keying”) para cada valor binário dos dados é produzido um desvio na
frequência da portadora, geralmente em dois sentidos diferentes.
PSK (“Phase Shift Keying”) para cada valor binário dos dados é produzido um desvio na fase da
portadora.
Causas do Desvanecimento (Fading): Nas ligações com visada direta, as variações lentas estão,
refração da atmosfera a diminuição do raio efetivo da Terra e o aparecimento de obstáculos.
Para frequências superiores a cerca de 8 - 10 GHz, sobretudo nos percursos mais longos, a
chuva pode provocar atenuações suplementares durante períodos mais ou menos longos;
Comunicações móveis: As variações lentas estão associadas à variação das perdas por difração
devido à movimentação do próprio terminal.
Desvanecimento por multipercurso: É a sua dependência, por um lado da frequência de
trabalho e por outro da localização exata das antenas de emissão e recepção.
Antenas – Conceitos Gerais: É um objeto metálico, frequentemente um fio ou conjunto de
fios, usada para converter corrente de radiofrequência em ondas eletromagnéticas e vice-
versa;
Ou qualquer dispositivo conectado a uma fonte de energia que produza campos
eletromagnéticos em uma região externa é um sistema radiante.
As Antenas podem variar conforme o fim a que se destina: Numa forma mais geral, é um
dispositivo projetado de maneira a transmitir ou receber energia.
Quando no modo recepção de uma Antena: Converte ondas eletromagnéticas em correntes
elétricas, na transmissão, ocorre o contrário, transforma corrente elétrica em onda
eletromagnética.
A teoria das antenas: Admite que ela esteja acoplada a uma fonte de energia não-radiante por
meio de uma linha de transmissão também não-radiante.
As funções de Antena: Transmissoras e Receptoras comportam-se de modo idêntico, isto é,
seus comportamentos são recíprocos.
Em um sistema de radiocomunicação: A informação a ser transmitida é inserida em uma
portadora de radiofrequência (RF) no equipamento transmissor.
A energia associada à portadora de RF modulada é enviada: Por meio de uma linha de
transmissão, para a antena transmissora, onde é, finalmente, irradiada para o espaço na forma
de uma onda eletromagnética.
As antenas receptoras: Quando colocadas no caminho da onda eletromagnética, absorvem
parte da sua energia e a enviam para um equipamento receptor, que recupera a informação.
Componentes básicos de um sistema de comunicações via rádio: Antena Transmissor
receptor fica entre a Atmosfera e Antena Transmissor receptor, Distancia, linha de
transmissão.
Sinais interferentes: Podem impossibilitar a recepção durante algum intervalo de tempo e
ruídos e perdas presentes na linha de transmissão dificultam a identificação do sinal.
As antenas são utilizadas em várias aplicações: como sistemas de rádio, televisão, sistemas de
comunicações móveis, comunicação ponto a ponto, radar, exploração do espaço, dentre
outras.
Frente de Onda
Uma onda eletromagnética: Tem duas componentes vetoriais mutuamente perpendiculares:
um campo elétrico e um campo magnético;
Esses dois campos são normais à direção de propagação, o que caracteriza uma onda
transverso eletromagnética (TEM).
Os campos elétrico e magnético interagem um com o outro: Um campo magnético variante
induz um campo elétrico e um campo elétrico variante induz um campo magnético.
Causas do Desvanecimento (Fading): Existem diversas causas para a ocorrência do
desvanecimento. Nas ligações com visada direta, as variações lentas estão, em geral,
associadas a variações do índice de refração da atmosfera que provocam a diminuição
do raio efetivo da Terra e o consequente aparecimento de obstáculos.
A característica essencial do desvanecimento por multipercurso: É a sua dependência, por um
lado da frequência de trabalho e por outro da localização exata das antenas de emissão e
recepção.
Duplexação (Direcionalidade): A duplexação tem haver com a direção da comunicação,
quando a comunicação ocorre apenas em um sentido, por exemplo como ocorre com as redes
de broadcast de TV digital a duplexação é classificada como Simplex.
As redes de broadcast de TV digital: A duplexação é classificada como Simplex.
As redes Wi-Fi: A duplexação é classificada como Half-Duplex.
Telefonia celular tipo GSM: A duplexação é classificada como Full-Duplex.
Orthogonal Frequency Division Multiplexing: Utilizada na primeira WLAN de alta velocidade, a
802.11a este método de modulação é utilizado em diversas tecnologias como xDSL.
O OFDM: Divide a largura de banda disponível em várias faixas estreitas e modula cada uma
com uma taxa de dados (bits) menor, em vez de transmitir mais dados em uma única
portadora.
A banda é dividida em 52 sub-canais, sendo 48 utilizados para transmissão de dados e 4 para
controle.
O OFDM: Pode utilizar modulação BPSK, QPSK, 16 QAM e 64 QAM.
O espalhamento espectral: É uma técnica que distribui a informação a ser transmitida por
uma largura de banda maior que a necessária para sua transmissão. Envolve a utilização de
múltiplas portadoras (frequência) com o objetivo de aumentar a confiabilidade na recepção.
O espalhamento do sinal: Pode ser obtido de várias formas, como por sequência direta, por
salto de frequência ou formas híbridas.
As técnicas de espalhamento espectral podem ser:
Com salto de frequência (FHSS).
Com sequência direta (DSSS).
Frequency Hopping Spread Spectrum:
O espectro de dispersão de saltos de frequência, em sistemas WLAN que operam na faixa de
2.400 a 2.483MHz, divide a banda em 79 canais com 1 MHz de largura cada um.
Os dados são transmitidos por canais escolhidos por uma sequência pseudo-randômica e
utilizada pelo transmissor e que deve ser conhecida do receptor para que a informação seja
totalmente recuperada.
Analisar e comentar as principais recomendações da Resolução 365 da ANATEL com
referência aos Limites de potência para transmissão em 2,4/5,0 GHz.
Art. 1º Este Regulamento tem por objetivo caracterizar os equipamentos de radiação restrita
e estabelecer as condições de uso de radiofrequência para que possam ser utilizados com
dispensa da licença de funcionamento de estação e independentes de outorga de autorização
de uso de radiofrequência, conforme previsto no art. 163, § 2º, inciso I da Lei no 9.472, de
16 de julho de 1997. Art. 2º Para os efeitos deste Regulamento, são adotadas as seguintes
definições e conceitos:
CAPÍTULO II - DAS CONDIÇÕES GERAIS:
Parágrafo único. Quando o funcionamento das estações de radiocomunicações
caracterizarem exploração de serviço de telecomunicações, o prestador do serviço está
sujeito ao disposto no Regulamento dos Serviços de Telecomunicações, aprovado pela
Resolução no 73, de 25 de novembro de 1998, da Anatel ou outro que venha substituí-lo.
Art. 4º As estações de radiocomunicação correspondentes a equipamentos de radiação
restrita operam em caráter secundário, isto é, não têm direito a proteção contra interferências
prejudiciais provenientes de qualquer outra estação de radiocomunicação nem podem causar
interferência em qualquer sistema operando em caráter primário.
Art. 7º Exceto quando explicitamente estabelecido o contrário neste Regulamento, todo
equipamento de radiação restrita deve ser projetado para assegurar que nenhuma outra
antena além daquela com ele fornecida possa ser usada.
§ 1º O uso de uma antena incorporada (com conexões permanentes) ao equipamento é
considerado suficiente como atendimento ao disposto no caput deste artigo.
§ 2º O uso de conectores genéricos de antenas ou elétricos não é permitido.
Art. 8º Nas faixas de frequências da Tabela I não é admitida a utilização de equipamentos de
radiação restrita. Nestas frequências, admitem-se somente emissões espúrias provenientes
dos mencionados equipamentos que estejam operando em outra faixa.
Parágrafo único. Os equipamentos de radiação restrita que façam uso de radiofrequências na
faixa de 2400-2483,5 MHz e cujas estações correspondentes utilizem potência e.i.r.p.
superior a 400 mW, em localidades com população superior a 500.000 habitantes, deverão
atender a regulamentação específica aplicável para tais condições.
1. Conhecer os Fundamentos de Rádio Comunicação.
As primeiras transmissões de voz por ondas de rádio: surgiram no final do século 19 e,
desde então, elas passaram a ser desenvolvidas e usadas das mais diversas formas. Hoje,
além das ligações feitas entre centrais telefônicas, a comunicação por rádio é utilizada em
telefones celulares, internet sem fio, televisão digital, GPS e até nas comunicações por
satélite. Para se realizar essas transmissões, é preciso dispor de uma estrutura que depende
muito do tipo de comunicação que se quer realizar. "Entretanto, a estrutura básica é sempre a
mesma. São necessários um transdutor, um modulador, um amplificador e uma antena".
As ondas de rádio: São conhecidas por ondas de radiofrequências ou, simplesmente,
radiofrequência. Essas ondas são campos eletromagnéticos utilizados nas comunicações sem
fio.
Como essas ondas levam energia de um ponto ao outro: Isso permite a comunicação sem
a necessidade de fios, como nas transmissões de televisão, rádio e celulares.
Radiofrequência são sinais que se propagam por um condutor cabeado: Normalmente
cobre, e são irradiados no ar através de uma antena. Uma antena converte um sinal do meio
cabeado em um sinal Wireless (sem fio) e vice-versa.
Os sinais irradiados no ar livre: Em forma de ondas eletromagnéticas, propagam-se em
linha reta e em todas as direções.
Anatomia da Forma da Onda: Uma onda é uma perturbação ou variação que transfere
energia progressivamente de ponto para ponto num meio e que pode tomar a forma de uma
deformação elástica ou uma variação de pressão, intensidade elétrica ou magnética, potencial
elétrico, ou temperatura.
2. Compreender as técnicas de modulação e codificação de sinais.
Modulação é o processo o qual voz, música, e outro sinal "inteligível" é adicionado às
ondas de rádio produzidas por um transmissor. Um sinal de rádio não modulado é
conhecido como portadora. Quando se escuta uma lacuna entre músicas ou anúncios em
uma estação de rádio, na realidade, o que se "escuta" é a portadora. Enquanto a portadora
não contém nenhuma mensagem, pode-se dizer que está sendo transmitida porque anula o
ruído de fundo no seu rádio.
A portadora é um sinal analógico em forma de onda, tipicamente senoidal, que será
modulado, ou seja, é alterado para representar a informação a ser transmitida. A portadora
é, geralmente, de frequência inferior à do sinal que contém a informação (modulador).
Podemos resumir: a modulação é necessária para "casar" o sinal com o meio de
transmissão.
Este "casamento" envolve algumas considerações importantes, detalhadas nos itens que
seguem.
Modulação para facilidade de irradiação - Redução dos tamanhos das antenas - Modulação
para redução de ruído e interferência - Reduzir o ruído de transmissão usando mais banda -
Modulação para designação de frequência - Separação da transmissão pela frequência
usada - Modulação para multiplexação - Uso de um único canal para transmitir várias
informações - Tipos De Modulação – Analógica - Na Modulação Analógica, também
classificada como modulação de onda contínua (CW), a portadora é uma onda cosenoidal
e o sinal modulante é um sinal analógico ou contínuo.
Normalmente, a onda portadora possui uma frequência muito maior do que qualquer um
dos componentes de frequência contidos no sinal modulante. O processo de modulação é,
então, caracterizado por uma translação em frequência em que o espectro de frequências
da mensagem é deslocado para uma nova e maior banda de frequências.
Sinal Modulado - Analógica x Digital. A diferença fundamental entre os sistemas de
comunicação de dados digitais e analógicos (dados contínuos) é bastante óbvia. No caso
dos dados digitais, envolve a transmissão e detecção de uma dentre um número finito de
formas de onda conhecidas (no presente caso a presença ou ausência de um pulso),
enquanto nos sistemas contínuos há um número infinitamente grande de mensagens cujas
formas de onda correspondentes não são todas conhecidas.
Modulação Analógica - Devido à portadora senoidal possuir três parâmetros, Amplitude,
Frequência e Fase, existe três formas básicas de modulação: Modulação em Amplitude
(AM) - Modulação em Frequência (FM) - Modulação em Fase (PM Phase Modulation).
Tipos De Modulação – Digital - A Modulação Digital, também denominada modulação
discreta ou codificada, é utilizada em casos em que há interesse em transmitir uma forma
de onda ou mensagem, que faz parte de um conjunto finito de valores discretos,
representando um código.
As técnicas de modulação para sinais digitais mais utilizadas atualmente são:
Modulação em amplitude por chaveamento – ASK
Modulação em frequência por chaveamento – FSK
Modulação em fase por chaveamento – PSK
Modulação ASK
Basicamente, a ASK - Modulação por Chaveamento ou Desvio de Amplitude, como o
próprio nome já diz, consiste em alterar a amplitude da portadora de acordo com a
informação a ser transmitida (a frequência é mantida).
A modulação FSK: (Modulação por Chaveamento ou Desvio de Freqüência) consiste em
alterar a freqüência da portadora de acordo com a informação a ser transmitida.
Modulação PSK - Phase-shiftkeying - (Modulação por Chaveamento ou Desvio de Fase)
consiste em variar a fase da portadora de acordo com os dados a serem transmitidos. Por
exemplo, ao bit "0" corresponde a fase 0º (zero graus) e ao bit "1" corresponde a fase 180º
(cento e oitenta graus) da portadora, conforme figura abaixo: BPSK - BinaryPhase-
ShiftKeying.
Na modulação BPSK: a fase da portadora sofre uma inversão de 180º mediante a
mudança do fluxo binário. Qualquer mudança do estado binário dos bits acarretará
mudança de fase na modulação.
QPSK - Quadraturephase-shiftkeying - O termo “quadratura” significa que a portadora
pode ter quatro fases em um dado instante separadas de 90 graus. Cada fase pode carregar
dois bits.QPSK usa duas funções básicas, uma seno e uma cosseno, enquanto o BPSK usa
apenas uma. Variando a fase de cada uma dessas portadoras. Por isso, o QPSK tem maior
eficiência na largura de banda do que o BPSK. Isso significa dizer que a modulação QPSK
requer menos largura de banda para transmitir do que a modulação BPSK.
QAM - Quadratura Amplitude Modulation – QAM. É simplesmente a combinação de
modulação por amplitude e modulação por desvio de fase (PhaseShiftKeying).
Em QAM, podemos ter 16 estados possíveis para a portadora. Quatro bits por símbolo são
enviados. Logo, produz um formato de modulação com maior eficiência espectral do que o
QPSK ou o BPSK.
DESENVOLVIMENTO:
Atividade Estruturada
O aluno deverá apresentar os comentários sobre os padrões da ANATEL citados acima, incluindo as
fontes de pesquisa.
Referências Bibliográficas
• STALLINGS, William. Wireless Communication sand Networks. Prentice Hall. 2002.
• RAPPAPORT, Theodores S. Wireless Communications – Principlesand Practice. PrenticeHall. 1996.
• BATEMAN, Andy. Digital Communications. Addison Wesley. 1999.
• COUCHII, Leon. Digitaland Analog Communication Systems. PrenticeHall. 5ed. 1997.
• Site ANATEL

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

fundamentos de radio frequência
 fundamentos de radio frequência fundamentos de radio frequência
fundamentos de radio frequência
Carlos Melo
 
Comunicacao LongasDistancias
Comunicacao LongasDistanciasComunicacao LongasDistancias
Comunicacao LongasDistancias
PauloMaiaCampos
 
12 comunicacoes longa distancia
12  comunicacoes longa distancia12  comunicacoes longa distancia
12 comunicacoes longa distancia
daniela pinto
 
Apostila wireless
Apostila wirelessApostila wireless
Apostila wireless
EMSNEWS
 

Mais procurados (20)

fundamentos de radio frequência
 fundamentos de radio frequência fundamentos de radio frequência
fundamentos de radio frequência
 
Comunicacao LongasDistancias
Comunicacao LongasDistanciasComunicacao LongasDistancias
Comunicacao LongasDistancias
 
Rede sem fio - Radiofrequência
Rede sem fio - RadiofrequênciaRede sem fio - Radiofrequência
Rede sem fio - Radiofrequência
 
Antenas log periodicas
Antenas log periodicasAntenas log periodicas
Antenas log periodicas
 
Doc1
Doc1Doc1
Doc1
 
12 comunicacoes longa distancia
12  comunicacoes longa distancia12  comunicacoes longa distancia
12 comunicacoes longa distancia
 
Cap5 2012
Cap5 2012Cap5 2012
Cap5 2012
 
Antenas1
Antenas1Antenas1
Antenas1
 
Trasmissão de sinal de Tv
Trasmissão de sinal de TvTrasmissão de sinal de Tv
Trasmissão de sinal de Tv
 
Curso satélite
Curso satéliteCurso satélite
Curso satélite
 
Apostila wireless
Apostila wirelessApostila wireless
Apostila wireless
 
Antenas e suas aplicações caps1&2 270114_17h55m (1)
Antenas e suas aplicações caps1&2 270114_17h55m (1)Antenas e suas aplicações caps1&2 270114_17h55m (1)
Antenas e suas aplicações caps1&2 270114_17h55m (1)
 
Camada fisica
Camada fisicaCamada fisica
Camada fisica
 
Palestra Proeletronic - Congresso Ceitel
Palestra Proeletronic - Congresso CeitelPalestra Proeletronic - Congresso Ceitel
Palestra Proeletronic - Congresso Ceitel
 
Spectrum day-2009-star one-pb
Spectrum day-2009-star one-pbSpectrum day-2009-star one-pb
Spectrum day-2009-star one-pb
 
Componentes da camada fisica do modelo OSI - redes de comunicação
Componentes da camada fisica do modelo OSI - redes de comunicaçãoComponentes da camada fisica do modelo OSI - redes de comunicação
Componentes da camada fisica do modelo OSI - redes de comunicação
 
Instalações eletricas cabos e afins
Instalações eletricas cabos e afinsInstalações eletricas cabos e afins
Instalações eletricas cabos e afins
 
Capítulo 4 do CCNA
Capítulo 4 do CCNACapítulo 4 do CCNA
Capítulo 4 do CCNA
 
Redes Teórico - Capítulo 02 Tanenbaum
Redes Teórico - Capítulo 02 TanenbaumRedes Teórico - Capítulo 02 Tanenbaum
Redes Teórico - Capítulo 02 Tanenbaum
 
Instalações elétricas industriais_slides_parte_i
Instalações elétricas industriais_slides_parte_iInstalações elétricas industriais_slides_parte_i
Instalações elétricas industriais_slides_parte_i
 

Semelhante a Resumo prova para v2 redes sem fio

Aula03 transmissão de dados em redes wireless
Aula03   transmissão de dados em redes wirelessAula03   transmissão de dados em redes wireless
Aula03 transmissão de dados em redes wireless
Carlos Veiga
 
Cabeamento 3 limitação de sinais nos meios de transmissão
Cabeamento 3   limitação de sinais nos meios de transmissãoCabeamento 3   limitação de sinais nos meios de transmissão
Cabeamento 3 limitação de sinais nos meios de transmissão
Paulo Fonseca
 
Atividade 2_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdf
Atividade 2_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdfAtividade 2_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdf
Atividade 2_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdf
LuizZeni
 
Atividade 1_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdf
Atividade 1_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdfAtividade 1_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdf
Atividade 1_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdf
LuizZeni
 

Semelhante a Resumo prova para v2 redes sem fio (15)

Aula03 transmissão de dados em redes wireless
Aula03   transmissão de dados em redes wirelessAula03   transmissão de dados em redes wireless
Aula03 transmissão de dados em redes wireless
 
Formação TDT
Formação TDTFormação TDT
Formação TDT
 
Cabeamento 3 limitação de sinais nos meios de transmissão
Cabeamento 3   limitação de sinais nos meios de transmissãoCabeamento 3   limitação de sinais nos meios de transmissão
Cabeamento 3 limitação de sinais nos meios de transmissão
 
Artigo malcon santos internet via radio
Artigo malcon santos internet via radio Artigo malcon santos internet via radio
Artigo malcon santos internet via radio
 
Prova 1 Telemática.docx
Prova 1 Telemática.docxProva 1 Telemática.docx
Prova 1 Telemática.docx
 
Redes opticas
Redes opticasRedes opticas
Redes opticas
 
Mr7
Mr7Mr7
Mr7
 
Treinamento antenas
Treinamento antenasTreinamento antenas
Treinamento antenas
 
Cabeamento 5 componentes do cabeamento estruturado
Cabeamento 5   componentes do cabeamento estruturadoCabeamento 5   componentes do cabeamento estruturado
Cabeamento 5 componentes do cabeamento estruturado
 
Transmissão de rádio terrestre e por satélite
Transmissão de rádio terrestre e por satéliteTransmissão de rádio terrestre e por satélite
Transmissão de rádio terrestre e por satélite
 
Atividade 2_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdf
Atividade 2_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdfAtividade 2_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdf
Atividade 2_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdf
 
Antenas unicep 2015
Antenas unicep 2015Antenas unicep 2015
Antenas unicep 2015
 
Atividade 1_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdf
Atividade 1_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdfAtividade 1_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdf
Atividade 1_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdf
 
Wireless 1
Wireless 1Wireless 1
Wireless 1
 
Rede sem fio 2.ppt
Rede sem fio 2.pptRede sem fio 2.ppt
Rede sem fio 2.ppt
 

Resumo prova para v2 redes sem fio

  • 1. Corte de Azimute: fatia da esfera de radiação onde as propriedades radiantes da antena são verificadas no plano x ou y (Horizontal); Corte de Elevação: fatia da esfera de radiação onde as propriedades irradiantes da antena são verificadas nos planos z ou y (Vertical). Transmissão de Dados Digitais: Um sinal digital possui um número finito de estados (níveis) com transições bruscas (descontinuas) entre estados. As operações de colocação e extração dos dados do sinal são conhecidas por codificação e descodificação. Os dispositivos que realizam estas operações são conhecidos por CODEC. Um sinal analógico: É por definição continuo podendo tomar qualquer valor intermédio, tipicamente são utilizadas ondas sinusoidas. As operações de colocação e extração dos dados do sinal são conhecidas por modulação e demodulação. Os dispositivos que realizam estas operações são conhecidos por MODEM. Potência de sinal e atenuação: São normalmente expressas em Watt. Para que a informação que o sinal transporta seja extraída pelo receptor em boas condições é necessário que a potência de recepção do sinal seja superior a um dado valor mínimo. Largura de Banda: Invariavelmente os sinais incluem variações cíclicas de intensidade (sinais periódicos). Potência de ruído: Os meios de transmissão estão sujeitos a diversos tipos de ruído com diversas origens. Designamos por ruído todos os sinais presentes que não transportam informação útil. Atenuação e frequência: A atenuação de um dado meio físico esta diretamente relacionada com a frequência do sinal. Para um sinal periódico, quando a frequência aumenta a atenuação também aumenta. Dependendo dos meios de transmissão usados, também podem existir valores de atenuação elevados para as frequências baixa. Resumindo, um canal de comunicação comporta-se como um filtro de frequências. Modulação: A modulação consiste na colocação de dados digitais num sinal analógico. A transmissão de dados sobre sinais analógicos justifica-se pela necessidade de aproveitar algumas infra-estruturas analógicas, o exemplo mais corrente é a rede telefónica publica. As técnicas básicas de modulação são: ASK (“Amplitude Shift Keying”) a cada valor binário dos dados vai ser associada uma amplitude distinta para a portadora. FSK (“Frequency Shift Keying”) para cada valor binário dos dados é produzido um desvio na frequência da portadora, geralmente em dois sentidos diferentes. PSK (“Phase Shift Keying”) para cada valor binário dos dados é produzido um desvio na fase da portadora.
  • 2. Causas do Desvanecimento (Fading): Nas ligações com visada direta, as variações lentas estão, refração da atmosfera a diminuição do raio efetivo da Terra e o aparecimento de obstáculos. Para frequências superiores a cerca de 8 - 10 GHz, sobretudo nos percursos mais longos, a chuva pode provocar atenuações suplementares durante períodos mais ou menos longos; Comunicações móveis: As variações lentas estão associadas à variação das perdas por difração devido à movimentação do próprio terminal. Desvanecimento por multipercurso: É a sua dependência, por um lado da frequência de trabalho e por outro da localização exata das antenas de emissão e recepção. Antenas – Conceitos Gerais: É um objeto metálico, frequentemente um fio ou conjunto de fios, usada para converter corrente de radiofrequência em ondas eletromagnéticas e vice- versa; Ou qualquer dispositivo conectado a uma fonte de energia que produza campos eletromagnéticos em uma região externa é um sistema radiante. As Antenas podem variar conforme o fim a que se destina: Numa forma mais geral, é um dispositivo projetado de maneira a transmitir ou receber energia. Quando no modo recepção de uma Antena: Converte ondas eletromagnéticas em correntes elétricas, na transmissão, ocorre o contrário, transforma corrente elétrica em onda eletromagnética. A teoria das antenas: Admite que ela esteja acoplada a uma fonte de energia não-radiante por meio de uma linha de transmissão também não-radiante. As funções de Antena: Transmissoras e Receptoras comportam-se de modo idêntico, isto é, seus comportamentos são recíprocos. Em um sistema de radiocomunicação: A informação a ser transmitida é inserida em uma portadora de radiofrequência (RF) no equipamento transmissor. A energia associada à portadora de RF modulada é enviada: Por meio de uma linha de transmissão, para a antena transmissora, onde é, finalmente, irradiada para o espaço na forma de uma onda eletromagnética. As antenas receptoras: Quando colocadas no caminho da onda eletromagnética, absorvem parte da sua energia e a enviam para um equipamento receptor, que recupera a informação. Componentes básicos de um sistema de comunicações via rádio: Antena Transmissor receptor fica entre a Atmosfera e Antena Transmissor receptor, Distancia, linha de transmissão. Sinais interferentes: Podem impossibilitar a recepção durante algum intervalo de tempo e ruídos e perdas presentes na linha de transmissão dificultam a identificação do sinal.
  • 3. As antenas são utilizadas em várias aplicações: como sistemas de rádio, televisão, sistemas de comunicações móveis, comunicação ponto a ponto, radar, exploração do espaço, dentre outras. Frente de Onda Uma onda eletromagnética: Tem duas componentes vetoriais mutuamente perpendiculares: um campo elétrico e um campo magnético; Esses dois campos são normais à direção de propagação, o que caracteriza uma onda transverso eletromagnética (TEM). Os campos elétrico e magnético interagem um com o outro: Um campo magnético variante induz um campo elétrico e um campo elétrico variante induz um campo magnético. Causas do Desvanecimento (Fading): Existem diversas causas para a ocorrência do desvanecimento. Nas ligações com visada direta, as variações lentas estão, em geral, associadas a variações do índice de refração da atmosfera que provocam a diminuição do raio efetivo da Terra e o consequente aparecimento de obstáculos. A característica essencial do desvanecimento por multipercurso: É a sua dependência, por um lado da frequência de trabalho e por outro da localização exata das antenas de emissão e recepção. Duplexação (Direcionalidade): A duplexação tem haver com a direção da comunicação, quando a comunicação ocorre apenas em um sentido, por exemplo como ocorre com as redes de broadcast de TV digital a duplexação é classificada como Simplex. As redes de broadcast de TV digital: A duplexação é classificada como Simplex. As redes Wi-Fi: A duplexação é classificada como Half-Duplex. Telefonia celular tipo GSM: A duplexação é classificada como Full-Duplex. Orthogonal Frequency Division Multiplexing: Utilizada na primeira WLAN de alta velocidade, a 802.11a este método de modulação é utilizado em diversas tecnologias como xDSL. O OFDM: Divide a largura de banda disponível em várias faixas estreitas e modula cada uma com uma taxa de dados (bits) menor, em vez de transmitir mais dados em uma única portadora. A banda é dividida em 52 sub-canais, sendo 48 utilizados para transmissão de dados e 4 para controle. O OFDM: Pode utilizar modulação BPSK, QPSK, 16 QAM e 64 QAM. O espalhamento espectral: É uma técnica que distribui a informação a ser transmitida por uma largura de banda maior que a necessária para sua transmissão. Envolve a utilização de múltiplas portadoras (frequência) com o objetivo de aumentar a confiabilidade na recepção.
  • 4. O espalhamento do sinal: Pode ser obtido de várias formas, como por sequência direta, por salto de frequência ou formas híbridas. As técnicas de espalhamento espectral podem ser: Com salto de frequência (FHSS). Com sequência direta (DSSS). Frequency Hopping Spread Spectrum: O espectro de dispersão de saltos de frequência, em sistemas WLAN que operam na faixa de 2.400 a 2.483MHz, divide a banda em 79 canais com 1 MHz de largura cada um. Os dados são transmitidos por canais escolhidos por uma sequência pseudo-randômica e utilizada pelo transmissor e que deve ser conhecida do receptor para que a informação seja totalmente recuperada. Analisar e comentar as principais recomendações da Resolução 365 da ANATEL com referência aos Limites de potência para transmissão em 2,4/5,0 GHz. Art. 1º Este Regulamento tem por objetivo caracterizar os equipamentos de radiação restrita e estabelecer as condições de uso de radiofrequência para que possam ser utilizados com dispensa da licença de funcionamento de estação e independentes de outorga de autorização de uso de radiofrequência, conforme previsto no art. 163, § 2º, inciso I da Lei no 9.472, de 16 de julho de 1997. Art. 2º Para os efeitos deste Regulamento, são adotadas as seguintes definições e conceitos: CAPÍTULO II - DAS CONDIÇÕES GERAIS: Parágrafo único. Quando o funcionamento das estações de radiocomunicações caracterizarem exploração de serviço de telecomunicações, o prestador do serviço está sujeito ao disposto no Regulamento dos Serviços de Telecomunicações, aprovado pela Resolução no 73, de 25 de novembro de 1998, da Anatel ou outro que venha substituí-lo. Art. 4º As estações de radiocomunicação correspondentes a equipamentos de radiação restrita operam em caráter secundário, isto é, não têm direito a proteção contra interferências prejudiciais provenientes de qualquer outra estação de radiocomunicação nem podem causar interferência em qualquer sistema operando em caráter primário. Art. 7º Exceto quando explicitamente estabelecido o contrário neste Regulamento, todo equipamento de radiação restrita deve ser projetado para assegurar que nenhuma outra antena além daquela com ele fornecida possa ser usada. § 1º O uso de uma antena incorporada (com conexões permanentes) ao equipamento é considerado suficiente como atendimento ao disposto no caput deste artigo. § 2º O uso de conectores genéricos de antenas ou elétricos não é permitido. Art. 8º Nas faixas de frequências da Tabela I não é admitida a utilização de equipamentos de radiação restrita. Nestas frequências, admitem-se somente emissões espúrias provenientes dos mencionados equipamentos que estejam operando em outra faixa.
  • 5. Parágrafo único. Os equipamentos de radiação restrita que façam uso de radiofrequências na faixa de 2400-2483,5 MHz e cujas estações correspondentes utilizem potência e.i.r.p. superior a 400 mW, em localidades com população superior a 500.000 habitantes, deverão atender a regulamentação específica aplicável para tais condições. 1. Conhecer os Fundamentos de Rádio Comunicação. As primeiras transmissões de voz por ondas de rádio: surgiram no final do século 19 e, desde então, elas passaram a ser desenvolvidas e usadas das mais diversas formas. Hoje, além das ligações feitas entre centrais telefônicas, a comunicação por rádio é utilizada em telefones celulares, internet sem fio, televisão digital, GPS e até nas comunicações por satélite. Para se realizar essas transmissões, é preciso dispor de uma estrutura que depende muito do tipo de comunicação que se quer realizar. "Entretanto, a estrutura básica é sempre a mesma. São necessários um transdutor, um modulador, um amplificador e uma antena". As ondas de rádio: São conhecidas por ondas de radiofrequências ou, simplesmente, radiofrequência. Essas ondas são campos eletromagnéticos utilizados nas comunicações sem fio. Como essas ondas levam energia de um ponto ao outro: Isso permite a comunicação sem a necessidade de fios, como nas transmissões de televisão, rádio e celulares. Radiofrequência são sinais que se propagam por um condutor cabeado: Normalmente cobre, e são irradiados no ar através de uma antena. Uma antena converte um sinal do meio cabeado em um sinal Wireless (sem fio) e vice-versa. Os sinais irradiados no ar livre: Em forma de ondas eletromagnéticas, propagam-se em linha reta e em todas as direções. Anatomia da Forma da Onda: Uma onda é uma perturbação ou variação que transfere energia progressivamente de ponto para ponto num meio e que pode tomar a forma de uma deformação elástica ou uma variação de pressão, intensidade elétrica ou magnética, potencial elétrico, ou temperatura. 2. Compreender as técnicas de modulação e codificação de sinais. Modulação é o processo o qual voz, música, e outro sinal "inteligível" é adicionado às ondas de rádio produzidas por um transmissor. Um sinal de rádio não modulado é conhecido como portadora. Quando se escuta uma lacuna entre músicas ou anúncios em uma estação de rádio, na realidade, o que se "escuta" é a portadora. Enquanto a portadora não contém nenhuma mensagem, pode-se dizer que está sendo transmitida porque anula o ruído de fundo no seu rádio. A portadora é um sinal analógico em forma de onda, tipicamente senoidal, que será modulado, ou seja, é alterado para representar a informação a ser transmitida. A portadora é, geralmente, de frequência inferior à do sinal que contém a informação (modulador). Podemos resumir: a modulação é necessária para "casar" o sinal com o meio de transmissão.
  • 6. Este "casamento" envolve algumas considerações importantes, detalhadas nos itens que seguem. Modulação para facilidade de irradiação - Redução dos tamanhos das antenas - Modulação para redução de ruído e interferência - Reduzir o ruído de transmissão usando mais banda - Modulação para designação de frequência - Separação da transmissão pela frequência usada - Modulação para multiplexação - Uso de um único canal para transmitir várias informações - Tipos De Modulação – Analógica - Na Modulação Analógica, também classificada como modulação de onda contínua (CW), a portadora é uma onda cosenoidal e o sinal modulante é um sinal analógico ou contínuo. Normalmente, a onda portadora possui uma frequência muito maior do que qualquer um dos componentes de frequência contidos no sinal modulante. O processo de modulação é, então, caracterizado por uma translação em frequência em que o espectro de frequências da mensagem é deslocado para uma nova e maior banda de frequências. Sinal Modulado - Analógica x Digital. A diferença fundamental entre os sistemas de comunicação de dados digitais e analógicos (dados contínuos) é bastante óbvia. No caso dos dados digitais, envolve a transmissão e detecção de uma dentre um número finito de formas de onda conhecidas (no presente caso a presença ou ausência de um pulso), enquanto nos sistemas contínuos há um número infinitamente grande de mensagens cujas formas de onda correspondentes não são todas conhecidas. Modulação Analógica - Devido à portadora senoidal possuir três parâmetros, Amplitude, Frequência e Fase, existe três formas básicas de modulação: Modulação em Amplitude (AM) - Modulação em Frequência (FM) - Modulação em Fase (PM Phase Modulation). Tipos De Modulação – Digital - A Modulação Digital, também denominada modulação discreta ou codificada, é utilizada em casos em que há interesse em transmitir uma forma de onda ou mensagem, que faz parte de um conjunto finito de valores discretos, representando um código. As técnicas de modulação para sinais digitais mais utilizadas atualmente são: Modulação em amplitude por chaveamento – ASK Modulação em frequência por chaveamento – FSK Modulação em fase por chaveamento – PSK Modulação ASK Basicamente, a ASK - Modulação por Chaveamento ou Desvio de Amplitude, como o próprio nome já diz, consiste em alterar a amplitude da portadora de acordo com a informação a ser transmitida (a frequência é mantida). A modulação FSK: (Modulação por Chaveamento ou Desvio de Freqüência) consiste em alterar a freqüência da portadora de acordo com a informação a ser transmitida. Modulação PSK - Phase-shiftkeying - (Modulação por Chaveamento ou Desvio de Fase) consiste em variar a fase da portadora de acordo com os dados a serem transmitidos. Por exemplo, ao bit "0" corresponde a fase 0º (zero graus) e ao bit "1" corresponde a fase 180º (cento e oitenta graus) da portadora, conforme figura abaixo: BPSK - BinaryPhase- ShiftKeying.
  • 7. Na modulação BPSK: a fase da portadora sofre uma inversão de 180º mediante a mudança do fluxo binário. Qualquer mudança do estado binário dos bits acarretará mudança de fase na modulação. QPSK - Quadraturephase-shiftkeying - O termo “quadratura” significa que a portadora pode ter quatro fases em um dado instante separadas de 90 graus. Cada fase pode carregar dois bits.QPSK usa duas funções básicas, uma seno e uma cosseno, enquanto o BPSK usa apenas uma. Variando a fase de cada uma dessas portadoras. Por isso, o QPSK tem maior eficiência na largura de banda do que o BPSK. Isso significa dizer que a modulação QPSK requer menos largura de banda para transmitir do que a modulação BPSK. QAM - Quadratura Amplitude Modulation – QAM. É simplesmente a combinação de modulação por amplitude e modulação por desvio de fase (PhaseShiftKeying). Em QAM, podemos ter 16 estados possíveis para a portadora. Quatro bits por símbolo são enviados. Logo, produz um formato de modulação com maior eficiência espectral do que o QPSK ou o BPSK. DESENVOLVIMENTO: Atividade Estruturada O aluno deverá apresentar os comentários sobre os padrões da ANATEL citados acima, incluindo as fontes de pesquisa. Referências Bibliográficas • STALLINGS, William. Wireless Communication sand Networks. Prentice Hall. 2002. • RAPPAPORT, Theodores S. Wireless Communications – Principlesand Practice. PrenticeHall. 1996. • BATEMAN, Andy. Digital Communications. Addison Wesley. 1999. • COUCHII, Leon. Digitaland Analog Communication Systems. PrenticeHall. 5ed. 1997. • Site ANATEL