Internet     MultimídiaInternet     ImpressoraMultimídiaImpressora digital     Câmara     MicroscópioCâmara digital     Ví...
Metodologia       No início da aula retomamos oralmente a aula sobre hábitos de higiene emicrorganismo abordando a relação...
diálogo com as gotinhas da água que a ensina como prevenir a proliferação dosmicrorganismos. Será feita uma discussão com ...
para observar a formação, ou não, de culturas de microrganismos: a professora discutiucom as crianças os locais que seriam...
queriam falar! Foi difícil encontrar espaços para que as muitas ideias e concepçõesfossem expostas ao grupo, demonstrando ...
preocupação com tantas bactérias e fungos que perceberam durante a observação (figura10). Segundo relatos de uma mãe: “Min...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Atividade 4.5 final

198 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
198
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
38
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Atividade 4.5 final

  1. 1. Internet MultimídiaInternet ImpressoraMultimídiaImpressora digital Câmara MicroscópioCâmara digital VídeosMicroscópioVídeos Tempo de duração: 3 horas Conteúdo: Higiene pessoal; Espécies de microrganismos; Proliferação de microrganismos. Objetivo: Compreender a importância da higiene no combate aos microrganismos causadores de doenças.
  2. 2. Metodologia No início da aula retomamos oralmente a aula sobre hábitos de higiene emicrorganismo abordando a relação para se evitar doenças transmissíveis de uma pessoapara outra e a proliferação dos mesmos. Em seguida foram apresentadas em Power Point algumas espécies demicrorganismos( o vírus causador da gripe (figura 4) e foi pedido que modelassem ovibrião colérico outra forma bacterina comentada durante a apresentação destacando suaforma, onde podem ser encontrados e o que eles causam em nosso organismo (Abactéria se instala no intestino provocando grave infecção com os seguintes sintomas:diarreia, vômitos, cólicas intestinais, cãibras musculares).Durante a apresentação, quando a transmissão viral foi explicitada a atividade “MãosLimpas?” foi retomada e os resultados mostrados.Nesse momento, ressaltamos que medidas de higienepessoal, como lavar as mãos, evita uma série dedoenças que poderiam ser transmitidas por contato éno caso da gripe A H1N1, figura 1: Segundo oMinistério da Saúde recomenda a lavagem frequentedas mãos com água e sabonete como umas das Figura 1 A H1N1maneiras mais eficientes de evitar o contágio da gripe A H1N1, além de, evitar tocar osolhos, boca e nariz após contato com superfícies, não compartilhar objetos de usopessoal e cobrir a boca e o nariz com lenço descartável ao tossir ou espirrar. Apóscontrair a doença, os principais motivos de morte são a pneumonia causada pelo vírusou a pneumonia bacteriana. Os alunos prestaram atenção e discutiram sobre o assunto. Cólera Aluno A: “ Figura 2 Figura 3 Figura 4 Professora você sabia que já morreu gente aqui em cascavel da gripe”? Após as discussões assistimos ao vídeo:http://www.youtube.com/watch?v=k2z0ppvRqEY. Nesse filme a menina, Clarinha, faz um
  3. 3. diálogo com as gotinhas da água que a ensina como prevenir a proliferação dosmicrorganismos. Será feita uma discussão com alunos sobre o vídeo. Vocês tem ohábito de lavar as mãos antes das refeições? E escovar os dentes? O que pode acontecercom quem não mantém esses hábitos de higiene? A utilização do filme como recurso didático pode facilitar aprendizagem,fazendo com que o aluno encontre uma nova maneira de pensar e entender a história,uma opção interessantemotivadora, que não sejameramente ilustrativa enemsubstitua o professor, mas, queseja um momento crítico e reflexivo de aprofundamentda história. Diante do exposto, pode-se entender que o filme é umaferramenta detrabalho motivadora, inovadora, Figura 5bem como instrumento capaz de envolver várias disciplinas e conteúdosprogramáticos num mesmo momento. A utilização do filme como recurso didático pode facilitar aprendizagem,fazendo com que o aluno encontre uma nova maneira de pensar e entender história,uma opção interessante motivadora, que não seja meramente ilustrativa e nemsubstitua o professor, mas, que seja um momento crítico e reflexivo de aprofundamentoda história. Diante do exposto, pode-seentender que o filme é umaferramenta de trabalho motivadora, inovadora, bem comoinstrumento capaz de envolvervárias disciplinas e conteúdosprogramáticos num mesmomomento. De acordo com No dia seguinte, foram Figura 6realizados os seguintes procedimentos
  4. 4. para observar a formação, ou não, de culturas de microrganismos: a professora discutiucom as crianças os locais que seriam passadas as hastes flexíveis para verificar apresença de microrganismos e foi feita uma lista com o nome dos locais e o número,indicando a quantidade de placas, que seriam usadas no experimento. As placas foramidentificadas como mostra das mãos sujas, do lápis, amostra da boca. A metodologia utilizada no desenvolvimento das atividades propostasdemonstrou que a criança é movida por sua curiosidade e pelo desejo de conhecer.Nesse sentido, ao investigar a participação dos alunos, a situação ficou evidenciada emdiversos momentos, pois tanto na atividade inicial, quanto no momento da realizaçãodas atividades experimentais, as crianças se mostravam dinâmicas e eufóricas, causandomomentos de difícil controle, situação normal em se tratando de crianças na faixa etáriaenvolvida (7 a 8 anos). A participação ativa era caracterizada não apenas pelo manuseiodas placas petri, mas também no momento em que a criança se sentia ativamentalmente, pois ela era instigada a refletir, discutir e propor alternativas as situaçõesapresentadas. Conforme Rangel (2002) ser ativo não representa estar sempreenvolvendo os sentidos na busca pelo conhecimento, mas estar ativamente em contatocom esse conhecimento seja na forma de pensamento, de hipóteses ou mesmo revendocertezas. O material tem de ser escolhido e utilizado de acordo com o propósito e emdeterminada direção. “O professor não pode ficar passivo, assistindo às tentativas e aoserros de seus alunos. Ele precisa questionar reconduzir em determinadas direções e nãodeixa-los totalmente livres” (Rangel, 2002; p. 57). Outro aspecto investigado durante a realização das atividades e que representoumomento significativo no desenvolvimento das atividades experimentais, está associadaao envolvimento com o objeto do conhecimento e com a atividade proposta. Oenvolvimento da criança com o conhecimento a ser abordado era evidenciado a cadamomento, pois elas se mostravam dispostas e inquietas sempre que algo estava poracontecer, mostrando que sua atenção estava direcionada para as atividades propostas.O envolvimento das crianças pôde ser identificado em diferentes momentos daatividade, tanto na abordagem dialogada do primeiro encontro, como nodesenvolvimento das experiências. A busca dos estudantes por espaços para falar,relatar seus conhecimentos prévios, suas hipótese sobre determinada situação era provade que estavam envolvidos com a atividade. A mesma situação foi observada nomomento em que deveriam compartilhar com o grande grupo seus resultados. Todos
  5. 5. queriam falar! Foi difícil encontrar espaços para que as muitas ideias e concepçõesfossem expostas ao grupo, demonstrando que as crianças estavam suficientementeenvolvidas com o objeto do conhecimento e com a atividade em si. Segundo observaçãoda coordenadora pedagógica daturma, que acompanhava a atividade,os estudantes nunca haviam semanifestado de tal forma, com talentusiasmo e envolvimento frente auma atividade, demonstrando que oensino pode e deve ser prazeroso. No laboratório de ciências osalunos fizeram as atividades com Figura 7experimentos mediados pela professora (figura 7), iniciamos com a coleta do lápis decor, considerando que o lápis de cor é muito utilizado em sala e que as crianças oscolocam na boca, foi passada nesses materiais, uma haste flexível de algodão eposteriormente aplicado na placa., após esfregar levemente sobre o meio de cultura naplaca petri para contaminá-lo, repetindo o mesmo processo entre os dentes, e nas mãos.Tampamos as placas de petri e marcamos na tampa com a caneta que tipo decontaminação foi feita. Após a montagem das placas, estas foram colocadas na estufapara acelerar a formação de colônias.Por um período de 8 dias, todos os dias, observamos as placas para verificar se houveou não proliferação de microrganismos, ou seja,formação de colônias(Figura 8). Após amontagem das placas, estas foram colocadas naestufa para acelerar a formação de colônias. As crianças se envolveram com o projetodesde o princípio, quando fizemos oplaqueamento de microrganismo, porém quandocomeçaram a aparecer os microrganismos nasplacas é que elas entenderam qual era o objetivodo experimento. Elas ficaram entusiasmadas Figura 8todo o tempo da observação e queriamparticipar de tudo. O mais importante é que as crianças compreenderam a importânciade cuidar da higiene, espanto diante das amostras, percebeu-se até certa demostraram Figura 10
  6. 6. preocupação com tantas bactérias e fungos que perceberam durante a observação (figura10). Segundo relatos de uma mãe: “Minha filha fica com alguns cuidados que antes elanão tinha... nem precisei mandar lavar as mãos antes das refeições e escovar os dentes”.Outras mães que acompanham os filhos até a fila também estavam curiosas para ver asditas bactérias que os filhos relatam em casa. Em vários momentos os alunos relataram sobre o vírus H1N1, que ouviram falarna televisão, rádio, perceberam a relação da importância dos cuidados de higiene paraevitar este vírus. Mas sabemos que temos que ficar retomando o assunto, pois a casos nasala que precisam ser relembrados e monitorados constantemente. As crianças demonstraram interesse pelas aulas e eram bastantes críticas nas discussões que realizávamos ponto positivo que me estimulou a criar aulas realmente interessantes, que prendessem a atenção e levassem em conta o interesse da turma e, isso, sem dúvida, exigiu muito de mim e do meu Figura 9 tempo. Para que essas aulasacontecessem busquei usar de diálogo com as crianças, ouvindo o que elas tinham adizer, deixando que suas vozes aparecessem na sala de aula, pois acreditamos naimportância de que elas sejam ouvidas. A Prática de Ensino de Ciências nos tem proporcionado ricos momentos deaprendizagem e de interação com a realidade dos alunos. Observando as atividadesrealizadas pelos alunos antes da aplicação do projeto com os conhecimentos prévios edepois das atividades desenvolvidas, com o uso da tecnologia da informação ecomunicação mudaram nossas vidas como vídeos, laboratório de informática, multimídia,experimentos, texto informativo, foi visível à mudança nas concepções dos mesmos,observando o desempenho das atividades propostas.

×