SlideShare uma empresa Scribd logo
VIDA VEGETAL: Caracterização dos
        principais grupos




Eduardo Carvalho de Almeida, MSc.
Introdução

        REINO PLANTAE (METAPHYTA)


• Seres autótrofos fotossintetizantes, que
  diferem das algas por apresentar o corpo
  constituído por tecidos e órgãos bem
  diferenciados.
• São conhecidas mais de 320 mil espécies.
Classificação

• Criptógamas – órgãos reprodutores
  escondidos (sem flores e sementes).

• Fanerógamas – órgãos reprodutivos
  aparentes (sementes e/ou flores)
Organização

                          Plantas




       Criptógamas                    Fanerógamas




Briófitas      Pteridófitas    Gimnospermas   Angiospermas
Briófitas
           (bryon = musgo e phyton = planta)



São organismos eucariontes, pluricelulares, onde
apenas os elementos reprodutivos são unicelulares,
enquadrando-se no Reino Plantae, como todos os
demais grupos de plantas terrestres.
Briófitas

• Plantas sem sementes (criptógamas) e
  sem sistema condutor (avasculares).

• Podem apresentar talo ereto (musgos) ou
  prostrado (hepáticas e antoceros).

• Reprodução sexuada e assexuada.
Briófitas
• Primórdios de tecidos condutores;

• Fecundação em presença de água. Só o
  gameta masculino é flagelado. Os
  gametas    femininos são   protegidos
  (arquegônios);

• Presença de pirenóides só em Anthoceros
  sp.
Briófitas
• Existência de cutícula;

• Existência de     estomas   (exceto   nas
  hepáticas);

• Geração gametófita mais desenvolvida
  que a esporófita;

• Coexistência das duas gerações durante
  parte do ciclo de vida.
Briófitas
-Clorofila a e b. - Material de reserva: amido.

-Parede celular de celulose. - Presença de cutícula*.

-Histórico de vida diplobionte heteromórfico, esporófito parcial ou
completamente dependente do gametófito*.

-Reprodução oogâmica.

-Esporófito não ramificado, com um único esporângio terminal*.

-Gametângio e esporângios envolvidos por camada de células
estéreis*.

*Características que permitem a distinção entre algas e
MUSGOS
MUSGOS
REPRODUÇÃO

Além da reprodução gamética e espórica, as briófitas podem apresentar algumas
   formas de reprodução vegetativa:

•   Fragmentação - desenvolvimento de fragmentos do talo em outro indivíduo.

2. Gemas (ou propágulos) - estruturas especialmente diferenciadas, com forma
definida que darão origem a um novo indivíduo. As gemas são produzidas dentro
    de estruturas em forma de taça denominadas conceptáculos.

3. Aposporia - desenvolvimento do esporófito em gametófito sem que ocorra
meiose. Normalmente ocorre a partir de um fragmento da seta cuja regeneração
    origina um gametófito. Pode resultar na formação de organismos poliplóides.

4. Apogamia - desenvolvimento do gametófito em esporófito sem que haja
fecundação. Pode ocorrer não apenas a partir de gametas, mas também de
    filídios ou do próprio protonema.
CICLO DE VIDA DOS MUSGOS


Zigoto (2n)       Esporófito (2n)     Cápsula (2n) (Esporângio)
                      ou
                  esporogônio




  Fecundação                                    Meiose
  Gameta             Órgão sexual
 masculino            masculino
Anterozóide (n)       Anterídio (n)     Gametófito ♂ (n)

   Gameta           Órgão sexual                                   Esporos (n)
   feminino           feminino                                     Protonema
  Oosfera (n)        Arquegônio (n)     Gametófito ♀(n)           (germinação
                                                                  dos esporos)
Comparação de algumas características dos filos
IMPORTÂNCIA




As briófitas são ecologicamente importantes por serem
  espécies pioneiras na colonização, criando condições
  para a instalação posterior de outros organismos. Por
  esse motivo, são plantadas em locais sujeitos a erosão.

O gênero Sphagnum é aproveitado por sua capacidade de
  absorção e retenção de líquidos sendo utilizado, por
  exemplo, na horticultura ou em derrames de petróleo.
IMPORTÂNCIA




A turfa, utilizada como combustível, é proveniente da
deposição de Sphagnum em lagos de origem glacial no
hemisfério norte. A parede celular desse gênero possui
grande capacidade de absorção de bases, ao mesmo
tempo em que libera íons H+ levando, em locais onde sua
quantidade é grande, a acidificação do meio (ate pH 3,0), e
impedindo a existência de organismos decompositores. A
deposição de sucessivas camadas desses vegetais mortos
leva assim a formação das turfeiras. O uso de turfa na
destilação do uísque escocês dá a essa bebida seu aroma
característico.
Plantas vasculares
Existência de verdadeiros tecidos condutores


          SEM SEMENTES (Pteridófitas)
      Geração esporófita mais desenvolvida
     Fecundação semelhante à das Briófitas
     Existência de homosporia e heterosporia


        COM SEMENTES (Espermatófitas)
          Aparecimento de estruturas:
                     - Óvulo
               - grãos de pólen
                   - semente
As Criptógamas vasculares são assim chamadas por possuir
tecidos vasculares que permitem a condução de água, sais
minerais e outras substâncias através do vegetal. As
características que permitem sua diferenciação das briófitas
podem ser assim resumidas:

-Presença de tecidos vasculares.

-Lignificação de parte das células (parede celular).

-Histórico de vida diplobionte, com alternância de gerações
heteromórfica onde o esporófito, dependente apenas na fase
inicial de seu desenvolvimento, é dominante e o gametófito,
embora diminuto, é independente.

-Grande numero de estômatos em todas as partes
fotossintetizantes do vegetal.
As criptógamas vasculares, assim como as briófitas, possuem
ainda em comum com as algas verdes o tipo de pigmentos
(clorofilas a e b, carotenóides - luteínas, β-caroteno), amido como
substância de reserva, parede celulósica e a presença de flagelos
(no caso das Criptógamas terrestres apenas no gameta
masculino).

As criptógamas vasculares mantêm ainda a reprodução
oogâmica, cutícula, gametângio e esporângio envolvidos por
camadas de células vegetativas e histórico de vida diplobionte
heteromórfico, adaptações já encontradas nas briófitas. São
eucariontes, pluricelulares e fotossintetizantes, pertencendo,
portando, ao Reino Plantae (Whittaker, 1969).
DIVISÕES



           1. Psilophyta,
           2. Lycopodophyta,
           3. Arthrophyta
           4. Pterophyta
Pteridófitas
• Plantas sem sementes (criptógamas),
  dotadas de vasos condutores de seiva
  (vasculares ou traqueófitas).

• Corpo organizado em raiz, caule (rizoma)
  e folhas.
Habitat

• Muitas pteridófitas vivem em ambientes úmidos,
  semelhantes ao das briófitas, mas algumas
  podem habitar ambientes relativamente secos.

• Existem algumas espécies que vivem em água
  doce.
Classificação


• A classe mais conhecida é a Filicinae, que
  reúne as samambaias e avencas.
Reprodução
• Assexuada e sexuada
• Algumas samambaias se reproduzem
  assexuadamente por meio de estolões
  (brotos do rizoma)
• Na reprodução sexuada, há alternância
  de gerações.
SAMAMBAIAS
Soro




Esporângio
Fanerógamas
• Plantas com sementes (espermatófitas),
  dotadas de vasos condutores de seiva
  (vasculares).

• Têm ramos reprodutivos especializados
  (estróbilos em gimnospermas e flores em
  angiospermas).
Habitat

• As fanerógamas são encontradas em
  todos os ambientes terrestres.

• Há poucas espécies aquáticas, de água
  doce.
Classificação


• Gimnospermas (do grego gymnos,nu,e
  esperma,semente), sementes expostas
  (nuas)
GIMNOSPERMAS



• Semente: óvulo maduro contendo um embrião

•Importância da semente:sobrevivência do embrião (proteção e
nutrição)

• Óvulo: megasporângio revestido por uma ou duas camadas
de tecido.
Partes do óvulo:

3. Tegumento
4. Micrópila
5. Nucelo (megasporângio)
6. megásporo
Evolução do óvulo

 Retenção do megásporo no megasporângio (nucelo) = esporos não são
dispersos.

 Redução do       número   de   células-mães   de   megásporos    em   cada
megasporângio.

 Apenas 1 megásporo dos 4 germina.

 Megagametófito endospórico altamente reduzido = perde a vida livre.

 Embrião retido no megasporângio (semente).

Tegumento envolvendo o megasporângio (exceto no ápice = micrópila).

 Ápice do megasporângio adaptado para receber micrósporos (pólen).
Reprodução


1) Gametas ciliados (anterozóides)

2) Sifonogamia
Gametas não ciliados
(núcleos ou células espermáticas)
Ciclo Reprodutivo das Coníferas
(Divisão Pinophyta ou Coniferófitos)
•Angiospermas (do grego aggeion,vaso),
apresentam sementes alojadas dentro de
frutos.
        DIVISÃO MAGNOLIOPHYTA
Elementos do vaso
Grupos Vegetais
Grupos Vegetais

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
Nelson Costa
 
Filo nematoda
Filo nematodaFilo nematoda
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
profatatiana
 
Reprodução Animal
Reprodução AnimalReprodução Animal
Reprodução Animal
César Milani
 
Plano de aula 3 moluscos e anelideos
Plano de aula  3 moluscos e anelideosPlano de aula  3 moluscos e anelideos
Plano de aula 3 moluscos e anelideos
familiaestagio
 
Reino protoctista
Reino protoctistaReino protoctista
Reino protoctista
Marcia Bantim
 
Cnidários ( Power Point ) 1
Cnidários ( Power Point ) 1Cnidários ( Power Point ) 1
Cnidários ( Power Point ) 1
Bio
 
Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)
Leonardo Kaplan
 
II.4 Reino Fungi
II.4 Reino FungiII.4 Reino Fungi
II.4 Reino Fungi
Rebeca Vale
 
Aula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres VivosAula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres Vivos
Plínio Gonçalves
 
Gnasthostomulida
GnasthostomulidaGnasthostomulida
Gnasthostomulida
Rafael Rodrigues
 
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e NematelmintosIII.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
Rebeca Vale
 
Anelídeos (Power Point)
Anelídeos (Power Point)Anelídeos (Power Point)
Anelídeos (Power Point)
Bio
 
Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)
Bio
 
Plano de aula 1
Plano de aula 1Plano de aula 1
Plano de aula 1
familiaestagio
 
Reino Animal
Reino AnimalReino Animal
1 introdução à botânica
1 introdução à botânica1 introdução à botânica
1 introdução à botânica
Cristóvão Lopes
 
Reino Plantas
Reino PlantasReino Plantas
Reino Plantas
infoeducp2
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
Killer Max
 
As Algas
As AlgasAs Algas
As Algas
thaysribeiro
 

Mais procurados (20)

Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
 
Filo nematoda
Filo nematodaFilo nematoda
Filo nematoda
 
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
 
Reprodução Animal
Reprodução AnimalReprodução Animal
Reprodução Animal
 
Plano de aula 3 moluscos e anelideos
Plano de aula  3 moluscos e anelideosPlano de aula  3 moluscos e anelideos
Plano de aula 3 moluscos e anelideos
 
Reino protoctista
Reino protoctistaReino protoctista
Reino protoctista
 
Cnidários ( Power Point ) 1
Cnidários ( Power Point ) 1Cnidários ( Power Point ) 1
Cnidários ( Power Point ) 1
 
Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)
 
II.4 Reino Fungi
II.4 Reino FungiII.4 Reino Fungi
II.4 Reino Fungi
 
Aula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres VivosAula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres Vivos
 
Gnasthostomulida
GnasthostomulidaGnasthostomulida
Gnasthostomulida
 
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e NematelmintosIII.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
 
Anelídeos (Power Point)
Anelídeos (Power Point)Anelídeos (Power Point)
Anelídeos (Power Point)
 
Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)
 
Plano de aula 1
Plano de aula 1Plano de aula 1
Plano de aula 1
 
Reino Animal
Reino AnimalReino Animal
Reino Animal
 
1 introdução à botânica
1 introdução à botânica1 introdução à botânica
1 introdução à botânica
 
Reino Plantas
Reino PlantasReino Plantas
Reino Plantas
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
As Algas
As AlgasAs Algas
As Algas
 

Destaque

Aula 3 Prof. Guth Berger
Aula 3 Prof. Guth BergerAula 3 Prof. Guth Berger
Aula 3 Prof. Guth Berger
Matheus Yuri
 
Revisão de reprodução nos vegetais respondido
Revisão de reprodução nos vegetais  respondidoRevisão de reprodução nos vegetais  respondido
Revisão de reprodução nos vegetais respondido
Ionara Urrutia Moura
 
Ativ 2 8andreia
Ativ 2 8andreiaAtiv 2 8andreia
Ativ 2 8andreia
Escola Nelso Alquieri
 
Grupo 1
Grupo 1Grupo 1
Reino Plantae
Reino PlantaeReino Plantae
Reino Plantae
AleSclearuc
 
Semi reino vegetal
Semi reino vegetalSemi reino vegetal
Semi reino vegetal
aulasdotubao
 
Tecido de revestimento celula vegetal
Tecido de revestimento   celula vegetalTecido de revestimento   celula vegetal
Tecido de revestimento celula vegetal
Shirlane Macedo Silva
 
Talófitas
TalófitasTalófitas
Aula características dos vegetais
Aula características dos vegetaisAula características dos vegetais
Aula características dos vegetais
Grupo Escolar Carlos de Paula Seára
 
Taxonomia Vegetal E A Conquista Do Ambiente Terreste Pelas
Taxonomia Vegetal E A Conquista Do Ambiente Terreste PelasTaxonomia Vegetal E A Conquista Do Ambiente Terreste Pelas
Taxonomia Vegetal E A Conquista Do Ambiente Terreste Pelas
Diego Yamazaki Bolano
 
Introdução ao reino vegetal
Introdução ao reino vegetalIntrodução ao reino vegetal
Introdução ao reino vegetal
aulasdotubao
 
Plantas vasculares 1
Plantas  vasculares 1Plantas  vasculares 1
Plantas vasculares 1
SESI 422 - Americana
 
Biologia 2 - Aula 1 - Embriologia
Biologia 2 - Aula 1 - EmbriologiaBiologia 2 - Aula 1 - Embriologia
Biologia 2 - Aula 1 - Embriologia
Curisnho Popular Comunitário
 
Estudo do ferro, cobalto e cobre
Estudo do ferro, cobalto e cobreEstudo do ferro, cobalto e cobre
Estudo do ferro, cobalto e cobre
Lucas Valente
 
Botânica classificação dos vegetais
Botânica   classificação dos vegetaisBotânica   classificação dos vegetais
Botânica classificação dos vegetais
Paulo Henrique Alencar Nunes
 
Vegetais
VegetaisVegetais
Vegetais
Atami Santos
 
Botanica
BotanicaBotanica
Gimnosperma e angiosperma
Gimnosperma e angiospermaGimnosperma e angiosperma
Gimnosperma e angiosperma
LarissaVian
 
Fanerógamas
FanerógamasFanerógamas
Fanerógamas
Bio Sem Limites
 
Gimnospermas e angiospermas
Gimnospermas e angiospermasGimnospermas e angiospermas
Gimnospermas e angiospermas
aulasdotubao
 

Destaque (20)

Aula 3 Prof. Guth Berger
Aula 3 Prof. Guth BergerAula 3 Prof. Guth Berger
Aula 3 Prof. Guth Berger
 
Revisão de reprodução nos vegetais respondido
Revisão de reprodução nos vegetais  respondidoRevisão de reprodução nos vegetais  respondido
Revisão de reprodução nos vegetais respondido
 
Ativ 2 8andreia
Ativ 2 8andreiaAtiv 2 8andreia
Ativ 2 8andreia
 
Grupo 1
Grupo 1Grupo 1
Grupo 1
 
Reino Plantae
Reino PlantaeReino Plantae
Reino Plantae
 
Semi reino vegetal
Semi reino vegetalSemi reino vegetal
Semi reino vegetal
 
Tecido de revestimento celula vegetal
Tecido de revestimento   celula vegetalTecido de revestimento   celula vegetal
Tecido de revestimento celula vegetal
 
Talófitas
TalófitasTalófitas
Talófitas
 
Aula características dos vegetais
Aula características dos vegetaisAula características dos vegetais
Aula características dos vegetais
 
Taxonomia Vegetal E A Conquista Do Ambiente Terreste Pelas
Taxonomia Vegetal E A Conquista Do Ambiente Terreste PelasTaxonomia Vegetal E A Conquista Do Ambiente Terreste Pelas
Taxonomia Vegetal E A Conquista Do Ambiente Terreste Pelas
 
Introdução ao reino vegetal
Introdução ao reino vegetalIntrodução ao reino vegetal
Introdução ao reino vegetal
 
Plantas vasculares 1
Plantas  vasculares 1Plantas  vasculares 1
Plantas vasculares 1
 
Biologia 2 - Aula 1 - Embriologia
Biologia 2 - Aula 1 - EmbriologiaBiologia 2 - Aula 1 - Embriologia
Biologia 2 - Aula 1 - Embriologia
 
Estudo do ferro, cobalto e cobre
Estudo do ferro, cobalto e cobreEstudo do ferro, cobalto e cobre
Estudo do ferro, cobalto e cobre
 
Botânica classificação dos vegetais
Botânica   classificação dos vegetaisBotânica   classificação dos vegetais
Botânica classificação dos vegetais
 
Vegetais
VegetaisVegetais
Vegetais
 
Botanica
BotanicaBotanica
Botanica
 
Gimnosperma e angiosperma
Gimnosperma e angiospermaGimnosperma e angiosperma
Gimnosperma e angiosperma
 
Fanerógamas
FanerógamasFanerógamas
Fanerógamas
 
Gimnospermas e angiospermas
Gimnospermas e angiospermasGimnospermas e angiospermas
Gimnospermas e angiospermas
 

Semelhante a Grupos Vegetais

Reino Plantae Total
Reino Plantae TotalReino Plantae Total
Reino Plantae Total
NAPNE
 
Grupos vegetais ensino médio
Grupos vegetais ensino médioGrupos vegetais ensino médio
Grupos vegetais ensino médio
Pedro Alberto Machado
 
Bri
BriBri
Reino vegetal aprofundamento
Reino vegetal aprofundamentoReino vegetal aprofundamento
Reino vegetal aprofundamento
letyap
 
Classificacao e reproducao das plantas
Classificacao e reproducao das plantasClassificacao e reproducao das plantas
Classificacao e reproducao das plantas
biroskaa
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitas
jcrrios
 
Reino das plantas
Reino das plantasReino das plantas
Excelente material para ministra aulas sobre vegetais indico aos colegas.
Excelente material para ministra aulas sobre vegetais indico aos colegas.Excelente material para ministra aulas sobre vegetais indico aos colegas.
Excelente material para ministra aulas sobre vegetais indico aos colegas.
diasferraciolli
 
Reprodução das plantas
Reprodução das plantasReprodução das plantas
Reprodução das plantas
supertrabalhos4
 
Botânica­
Botânica­ Botânica­
Botânica­
Murilo Serviuc
 
2S Reino vegetal completo - reprodução
2S Reino vegetal completo - reprodução 2S Reino vegetal completo - reprodução
2S Reino vegetal completo - reprodução
Ionara Urrutia Moura
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitas
URCA
 
Botânica
BotânicaBotânica
Botânica
familiaestagio
 
Briófitas
BriófitasBriófitas
Briófitas
João Silva
 
Classificação do reino plantae
Classificação do reino plantaeClassificação do reino plantae
Classificação do reino plantae
francisco sergio costa e souza
 
Briófitas
BriófitasBriófitas
Briofitas pteridofitas bioloja
Briofitas pteridofitas biolojaBriofitas pteridofitas bioloja
Briofitas pteridofitas bioloja
Joseane Pasini CB
 
3 - morfologia e fisiologia vegetal
3 - morfologia e fisiologia vegetal3 - morfologia e fisiologia vegetal
3 - morfologia e fisiologia vegetal
Marcus Magarinho
 
BotâNicaquasecompleto
BotâNicaquasecompletoBotâNicaquasecompleto
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
Julianalfaria
 

Semelhante a Grupos Vegetais (20)

Reino Plantae Total
Reino Plantae TotalReino Plantae Total
Reino Plantae Total
 
Grupos vegetais ensino médio
Grupos vegetais ensino médioGrupos vegetais ensino médio
Grupos vegetais ensino médio
 
Bri
BriBri
Bri
 
Reino vegetal aprofundamento
Reino vegetal aprofundamentoReino vegetal aprofundamento
Reino vegetal aprofundamento
 
Classificacao e reproducao das plantas
Classificacao e reproducao das plantasClassificacao e reproducao das plantas
Classificacao e reproducao das plantas
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitas
 
Reino das plantas
Reino das plantasReino das plantas
Reino das plantas
 
Excelente material para ministra aulas sobre vegetais indico aos colegas.
Excelente material para ministra aulas sobre vegetais indico aos colegas.Excelente material para ministra aulas sobre vegetais indico aos colegas.
Excelente material para ministra aulas sobre vegetais indico aos colegas.
 
Reprodução das plantas
Reprodução das plantasReprodução das plantas
Reprodução das plantas
 
Botânica­
Botânica­ Botânica­
Botânica­
 
2S Reino vegetal completo - reprodução
2S Reino vegetal completo - reprodução 2S Reino vegetal completo - reprodução
2S Reino vegetal completo - reprodução
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitas
 
Botânica
BotânicaBotânica
Botânica
 
Briófitas
BriófitasBriófitas
Briófitas
 
Classificação do reino plantae
Classificação do reino plantaeClassificação do reino plantae
Classificação do reino plantae
 
Briófitas
BriófitasBriófitas
Briófitas
 
Briofitas pteridofitas bioloja
Briofitas pteridofitas biolojaBriofitas pteridofitas bioloja
Briofitas pteridofitas bioloja
 
3 - morfologia e fisiologia vegetal
3 - morfologia e fisiologia vegetal3 - morfologia e fisiologia vegetal
3 - morfologia e fisiologia vegetal
 
BotâNicaquasecompleto
BotâNicaquasecompletoBotâNicaquasecompleto
BotâNicaquasecompleto
 
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
 

Último

Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 

Último (20)

Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 

Grupos Vegetais

  • 1. VIDA VEGETAL: Caracterização dos principais grupos Eduardo Carvalho de Almeida, MSc.
  • 2. Introdução REINO PLANTAE (METAPHYTA) • Seres autótrofos fotossintetizantes, que diferem das algas por apresentar o corpo constituído por tecidos e órgãos bem diferenciados. • São conhecidas mais de 320 mil espécies.
  • 3. Classificação • Criptógamas – órgãos reprodutores escondidos (sem flores e sementes). • Fanerógamas – órgãos reprodutivos aparentes (sementes e/ou flores)
  • 4. Organização Plantas Criptógamas Fanerógamas Briófitas Pteridófitas Gimnospermas Angiospermas
  • 5. Briófitas (bryon = musgo e phyton = planta) São organismos eucariontes, pluricelulares, onde apenas os elementos reprodutivos são unicelulares, enquadrando-se no Reino Plantae, como todos os demais grupos de plantas terrestres.
  • 6. Briófitas • Plantas sem sementes (criptógamas) e sem sistema condutor (avasculares). • Podem apresentar talo ereto (musgos) ou prostrado (hepáticas e antoceros). • Reprodução sexuada e assexuada.
  • 7. Briófitas • Primórdios de tecidos condutores; • Fecundação em presença de água. Só o gameta masculino é flagelado. Os gametas femininos são protegidos (arquegônios); • Presença de pirenóides só em Anthoceros sp.
  • 8. Briófitas • Existência de cutícula; • Existência de estomas (exceto nas hepáticas); • Geração gametófita mais desenvolvida que a esporófita; • Coexistência das duas gerações durante parte do ciclo de vida.
  • 9. Briófitas -Clorofila a e b. - Material de reserva: amido. -Parede celular de celulose. - Presença de cutícula*. -Histórico de vida diplobionte heteromórfico, esporófito parcial ou completamente dependente do gametófito*. -Reprodução oogâmica. -Esporófito não ramificado, com um único esporângio terminal*. -Gametângio e esporângios envolvidos por camada de células estéreis*. *Características que permitem a distinção entre algas e
  • 11. MUSGOS REPRODUÇÃO Além da reprodução gamética e espórica, as briófitas podem apresentar algumas formas de reprodução vegetativa: • Fragmentação - desenvolvimento de fragmentos do talo em outro indivíduo. 2. Gemas (ou propágulos) - estruturas especialmente diferenciadas, com forma definida que darão origem a um novo indivíduo. As gemas são produzidas dentro de estruturas em forma de taça denominadas conceptáculos. 3. Aposporia - desenvolvimento do esporófito em gametófito sem que ocorra meiose. Normalmente ocorre a partir de um fragmento da seta cuja regeneração origina um gametófito. Pode resultar na formação de organismos poliplóides. 4. Apogamia - desenvolvimento do gametófito em esporófito sem que haja fecundação. Pode ocorrer não apenas a partir de gametas, mas também de filídios ou do próprio protonema.
  • 12. CICLO DE VIDA DOS MUSGOS Zigoto (2n) Esporófito (2n) Cápsula (2n) (Esporângio) ou esporogônio Fecundação Meiose Gameta Órgão sexual masculino masculino Anterozóide (n) Anterídio (n) Gametófito ♂ (n) Gameta Órgão sexual Esporos (n) feminino feminino Protonema Oosfera (n) Arquegônio (n) Gametófito ♀(n) (germinação dos esporos)
  • 13.
  • 14. Comparação de algumas características dos filos
  • 15. IMPORTÂNCIA As briófitas são ecologicamente importantes por serem espécies pioneiras na colonização, criando condições para a instalação posterior de outros organismos. Por esse motivo, são plantadas em locais sujeitos a erosão. O gênero Sphagnum é aproveitado por sua capacidade de absorção e retenção de líquidos sendo utilizado, por exemplo, na horticultura ou em derrames de petróleo.
  • 16. IMPORTÂNCIA A turfa, utilizada como combustível, é proveniente da deposição de Sphagnum em lagos de origem glacial no hemisfério norte. A parede celular desse gênero possui grande capacidade de absorção de bases, ao mesmo tempo em que libera íons H+ levando, em locais onde sua quantidade é grande, a acidificação do meio (ate pH 3,0), e impedindo a existência de organismos decompositores. A deposição de sucessivas camadas desses vegetais mortos leva assim a formação das turfeiras. O uso de turfa na destilação do uísque escocês dá a essa bebida seu aroma característico.
  • 17. Plantas vasculares Existência de verdadeiros tecidos condutores SEM SEMENTES (Pteridófitas) Geração esporófita mais desenvolvida Fecundação semelhante à das Briófitas Existência de homosporia e heterosporia COM SEMENTES (Espermatófitas) Aparecimento de estruturas: - Óvulo - grãos de pólen - semente
  • 18. As Criptógamas vasculares são assim chamadas por possuir tecidos vasculares que permitem a condução de água, sais minerais e outras substâncias através do vegetal. As características que permitem sua diferenciação das briófitas podem ser assim resumidas: -Presença de tecidos vasculares. -Lignificação de parte das células (parede celular). -Histórico de vida diplobionte, com alternância de gerações heteromórfica onde o esporófito, dependente apenas na fase inicial de seu desenvolvimento, é dominante e o gametófito, embora diminuto, é independente. -Grande numero de estômatos em todas as partes fotossintetizantes do vegetal.
  • 19. As criptógamas vasculares, assim como as briófitas, possuem ainda em comum com as algas verdes o tipo de pigmentos (clorofilas a e b, carotenóides - luteínas, β-caroteno), amido como substância de reserva, parede celulósica e a presença de flagelos (no caso das Criptógamas terrestres apenas no gameta masculino). As criptógamas vasculares mantêm ainda a reprodução oogâmica, cutícula, gametângio e esporângio envolvidos por camadas de células vegetativas e histórico de vida diplobionte heteromórfico, adaptações já encontradas nas briófitas. São eucariontes, pluricelulares e fotossintetizantes, pertencendo, portando, ao Reino Plantae (Whittaker, 1969).
  • 20. DIVISÕES 1. Psilophyta, 2. Lycopodophyta, 3. Arthrophyta 4. Pterophyta
  • 21. Pteridófitas • Plantas sem sementes (criptógamas), dotadas de vasos condutores de seiva (vasculares ou traqueófitas). • Corpo organizado em raiz, caule (rizoma) e folhas.
  • 22. Habitat • Muitas pteridófitas vivem em ambientes úmidos, semelhantes ao das briófitas, mas algumas podem habitar ambientes relativamente secos. • Existem algumas espécies que vivem em água doce.
  • 23. Classificação • A classe mais conhecida é a Filicinae, que reúne as samambaias e avencas.
  • 24. Reprodução • Assexuada e sexuada • Algumas samambaias se reproduzem assexuadamente por meio de estolões (brotos do rizoma) • Na reprodução sexuada, há alternância de gerações.
  • 27.
  • 28. Fanerógamas • Plantas com sementes (espermatófitas), dotadas de vasos condutores de seiva (vasculares). • Têm ramos reprodutivos especializados (estróbilos em gimnospermas e flores em angiospermas).
  • 29. Habitat • As fanerógamas são encontradas em todos os ambientes terrestres. • Há poucas espécies aquáticas, de água doce.
  • 30. Classificação • Gimnospermas (do grego gymnos,nu,e esperma,semente), sementes expostas (nuas)
  • 31. GIMNOSPERMAS • Semente: óvulo maduro contendo um embrião •Importância da semente:sobrevivência do embrião (proteção e nutrição) • Óvulo: megasporângio revestido por uma ou duas camadas de tecido.
  • 32. Partes do óvulo: 3. Tegumento 4. Micrópila 5. Nucelo (megasporângio) 6. megásporo
  • 33. Evolução do óvulo  Retenção do megásporo no megasporângio (nucelo) = esporos não são dispersos.  Redução do número de células-mães de megásporos em cada megasporângio.  Apenas 1 megásporo dos 4 germina.  Megagametófito endospórico altamente reduzido = perde a vida livre.  Embrião retido no megasporângio (semente). Tegumento envolvendo o megasporângio (exceto no ápice = micrópila).  Ápice do megasporângio adaptado para receber micrósporos (pólen).
  • 34. Reprodução 1) Gametas ciliados (anterozóides) 2) Sifonogamia Gametas não ciliados (núcleos ou células espermáticas)
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45. Ciclo Reprodutivo das Coníferas (Divisão Pinophyta ou Coniferófitos)
  • 46. •Angiospermas (do grego aggeion,vaso), apresentam sementes alojadas dentro de frutos. DIVISÃO MAGNOLIOPHYTA