SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
PESSOAS JURÍDICAS:
ASSOCIAÇÕES,
FUNDAÇÕES
SOCIEDADES
Prof. MSc. Ilda Valentim
PESSOA JURÍDICA
 Doutrina: Capanema, 2010.
 Conjunto de seres humanos ou de bens
constituídos sob a forma da lei e aos quais se
confere uma personalidade distinta da
personalidade dos seus integrantes.
 Pessoas Jurídicas constituídas por bens?
 As fundações são pessoas jurídicas representando um
conjunto de bens e não de seres humanos. É claro que
as fundações são administradas por seres humanos,
mas, na verdade, a fundação é um conjunto de bens o
qual a lei confere uma personalidade própria. Ex.
Fundação Roberto Marinho. É uma pessoa jurídica
com personalidade própria, é um conjunto de
bens alocados para um determinado propósito.
PESSOA JURÍDICA
 Resumindo: toda pessoa jurídica ou é um
conjunto de seres humanos e a isso
chamamos de “Universitas personarum” ou
são conjuntos de bens – “Universitas
bonorum” (são as fundações).
 Nas pessoas jurídicas que se constituem por
seres humanos há bens, e, esses bens, estão
a serviço dos seres humanos que integram a
pessoa jurídica. Nas fundações os seres
humanos estão a serviço dos bens.
PESSOA JURÍDICA
 Fundação é quando alguém destaca de seu
patrimônio particular determinados bens e
aloca esses bens a um fim determinado pela
fundação. Por ex: proteção a criança;
incentivo a cultura etc.
 Esses bens são administrados por pessoas
naturais que irão retirar desses bens
rendimentos e frutos civis para poder
atender a finalidade da fundação.
PESSOA JURÍDICA
 Não basta organizar um conjunto de
pessoas ou de bens, sob a forma da lei, para
fazer nascer uma pessoa jurídica. É preciso
que o objetivo dessa pessoa jurídica seja
lícito e moral. Não se pode, por ex, criar
uma associação dos apontadores de jogo de
bicho, nem se pode estabelecer um sindicato
dos exploradores das prostitutas.
 
PESSOA JURÍDICA
 Historicamente o que teria feito nascer
as pessoas jurídicas?
 A origem das pessoas jurídicas está na pré
história, porque o homem primitivo
percebeu, intuitivamente, que se ele se
reunisse a outros seres humanos, dividindo
tarefas do dia a dia, eles teriam muito mais
facilidade para sobreviver. E o que é uma
pessoa jurídica, a rigor, senão isto? Uma
reunião de seres humanos que têm
ideais comuns para que se torne mais
fácil alcançar suas metas e sobreviver.
JURÍDICA
 Muito se escreveu para saber a natureza
jurídica da pessoa jurídica.
 Até o séc. XIX prevaleceram as chamadas
teorias ficcionistas das quais a maior e
mais importante foi a Teoria de Savigny.
Para ele a pessoa jurídica é uma ficção
jurídica, ela não existe na realidade,
aliás no direito existe uma série de
ficções.
JURÍDICA
 Dizia Savigny que só o ser humano é capaz de
pensar, querer, ter sentimentos. A vontade da
pessoa jurídica nada mais seria que a projeção da
vontade de seus integrantes. Ou seja, a pessoa
jurídica não existia no plano da realidade, só
existindo na inteligência dos seres humanos.
Esta ficção jurídica é necessária para permitir que
estes conjuntos de seres humanos pudessem se
tornar sujeitos de direitos, facilitando assim a
aquisição e a transferência desses direitos.
 Para Savigny a única personalidade real, era a
natural. No século XIX isto era uma verdade
absoluta.
JURÍDICA
 Hoje prevalecem as teorias realistas. As teorias
ficcionistas foram inteiramente abandonadas.
 P J é uma realidade e não uma ficção. Elas existem,
assim como os seres humanos existem. Elas estão
inseridas no plano da existência.
 A teoria hoje dominante, é a de um europeu
chamado Hauriou, constitucionalista francês que
criou a teoria da realidade das instituições
jurídicas. Ele raciocinou assim: não foram as
instituições jurídicas que atribuíram aos seres
humanos uma personalidade? Claro pois, no
passado, haviam seres humanos que não eram
pessoas. Foi a lei que atribuiu a todos os seres
humanos uma personalidade.
JURÍDICA
 de conferir aos seres humanos uma
personalidade jurídica, também é capaz de
conferir a um conjunto de pessoas ou bens,
uma personalidade.
 É uma questão de conveniência da vida social.
 Portanto, a personalidade jurídica é mais um fruto
da própria ordem jurídica, das instituições
jurídicas.
PERSONALIDADE JURÍDICA
 Durante muito tempo prevaleceu como regra, quase
absoluta, essa dicotomia entre personalidade jurídica e
a personalidade natural de seus integrantes – CC/1916
– art. 20.
 Este artigo do Código Bevilácqua (1916), era claro ao
informar que não se confundia a personalidade de
seus integrantes, assim como o patrimônio de
seus integrantes.
 As obrigações da PJ= patrimônio da PJ
 Teoria Mitigada = desconsideração da
personalidade jurídica, = CDC e agora consagrada
no Artigo 50 CC.
 A regra geral, que continua prevalecendo, é a que a
personalidade jurídica da P J não se confunde com a
personalidade natural de seus integrantes.
PERSONALIDADE JURÍDICA
 Há uma profunda identidade entre as PJ e as pessoas
naturais.
 Ambas têm nome; ambas nascem, crescem,
envelhecem e morrem; ambas têm registros de
nascimento e de morte; ambas têm domicílio; ambas
têm patrimônio.
 É por isso, portanto, que as teorias realistas
acabaram derrotando as teorias ficcionistas.
PERSONALIDADE JURÍDICA
 A doutrina moderna, quase que pacificamente,
sustenta que a PJ tem alma. Alma objetiva, não
subjetiva; mas tem alma.
 Tem conceito, credibilidade, tanto que hoje se admite
dano moral para a PJ, desde que seja para proteger
sua honra objetiva, dado o conceito que essa PJ tem na
sociedade.
 Claro que a PJ não pode ter honra subjetiva, que é
aquela formada pelos sentimentos íntimos que só as
pessoas naturais possuem. O fato de as P J não terem
vontade própria, ou seja, não pensar, não amar etc.
não quer dizer que elas não existam.
  
PERSONALIDADE JURÍDICA
 Entre todas as classificações, a mais importante é a
que divide as pessoas jurídicas em Direito Público e
Direito Privado, porque o regime jurídico das PJ de
Direito Público é completamente diferente do regime
jurídico das PJ de Direito Privado.
 Nossa primeira preocupação diante de uma PJ é saber
se ela é de Direito Público ou Privado.
 As P J de Direito Público ainda se dividem em P J
de D. Público Interno e P J de D. Público Externo.
 Artigo 41 – Interno : “... A União, os Estados
membros da Federação, os Municípios, o DF, os
Territórios Federais, as Autarquias e todos os
demais entes da Administração Direta, além das
Fundações Públicas”.
 Artigo 42 – Externo: “....São os estados
estrangeiros, os organismos internacionais, tais
como: a ONU, OEA, etc.”
 As P J de Direito Público são submetidas a um
controle rígido. São fiscalizadas
permanentemente pelas leis. Criaram-se
órgãos de controle apenas para esta
finalidade.
 Já as P J de Direito Privado, têm uma liberdade de
ação muito maior; se auto delimitam; podem exercer
seus próprios controles.
 Artigo 44 – “São pessoas jurídicas de direito
privado: As Associações, as Sociedades, as
Fundações particulares, os Partidos políticos, as
Igrejas, as Organizações religiosas”
PERSONALIDADE JURÍDICA
 O Código anterior falava em Associações,
Sociedades Civis e Sociedades Comerciais.
 As Associações eram um conjunto de seres humanos
que se reuniam sem fins lucrativos.
 As Sociedades Civis tinham interesse econômico.
 As Sociedades Comerciais eram aquelas que também
perseguiam o lucro, só que praticando os atos do
comércio.
 Então um colégio, um hospital seriam uma Sociedade
Civil e não uma Sociedade Comercial, mas também
não seriam uma Associação, porque aferem lucro.
 Hoje porém, (Artigo 44) mudou tudo. Não há mais
Sociedade Civil, esta desapareceu.
PERSONALIDADE JURÍDICA
 O Código Civil de 2002 só fala em Associação e
Sociedade, porque fez-se a união das Sociedades Civis e
Comerciais.
 Associação não tem fins lucrativos, mas sociedade tem,
seja ela destinada ao comércio ou não.
 Vigora como garantia constitucional o direito de
associar-se, independente de alegação do motivo. É
possível criar qualquer associação, destinada a
qualquer fim, desde que lícito e moral.
 Também, não há como compelir alguém a permanecer
associado. Isto é garantia constitucional, está no art. 5º
o direito de se associar e de se desligar de uma
associação.
PERSONALIDADE JURÍDICA
 O Código Civil de 2002 só fala em Associação e
Sociedade, porque fez-se a união das Sociedades Civis e
Comerciais.
 Associação não tem fins lucrativos, mas sociedade tem,
seja ela destinada ao comércio ou não.
 Vigora como garantia constitucional o direito de
associar-se, independente de alegação do motivo. É
possível criar qualquer associação, destinada a
qualquer fim, desde que lícito e moral.
 Também, não há como compelir alguém a permanecer
associado. Isto é garantia constitucional, está no art. 5º
o direito de se associar e de se desligar de uma
associação.
ENTES DESPERSONALIZADOS
 Há situações em que encontraremos grupos de seres
humanos e de bens aos quais a ordem jurídica não
confere uma personalidade própria. Chamam-se
entes despersonalizados ou pessoas formais. Ou
seja, têm aparência de PJ, apresentam
características de PJ, mas não são.  Exemplos
conhecidos:
 - a família;
 - o espólio;
 - a massa falida;
 - a herança jacente;
 - as sociedades de fato;
 - o condomínio;
 - os grupos de consórcio.
ENTES DESPERSONALIZADOS
 Se não têm personalidade, não podem adquirir ou
transmitir direitos, nem contrair obrigações,
exatamente porque lhes falta personalidade, não
sendo, portanto, sujeitos de direito.
 Mas, como podem estar em juízo se não possuem
personalidade? Ex: condomínios edilícios que
contratam empregados e não pagam...  
 Essas pessoas formais são desprovidas de
personalidade, mas são dotadas de legitimidade ad
causam e ad processum para que possam exatamente
defender direitos e interesses que são de seus
integrantes. Assim, por ex, credores e devedores são
os condôminos e não o condomínio; são os herdeiros
do espólio e não o próprio espólio.
ENTES DESPERSONALIZADOS
 Por que se nega a essas pessoas formais uma
personalidade autônoma, distinta de seus
integrantes?
 Porque lhes falta o substrato da personalidade
jurídica, a sua razão de ser que se chama affectio
societatis.
 A força que leva a constituição de uma P J chama-se
affectio societatis.
 Affectio societatis é um sentimento comum que leva
as pessoas a se unirem, perseguindo um determinado
objetivo. As pessoas identificam um interesse comum
e através da forma prevista em lei constituem uma
PJ. Tanto isso é verdade que se romper a affectio
societatis não há como se manter a P J.
QUANDO HÁ AQUISIÇÃO DA
PERSONALIDADE JURÍDICA?
 Art. 45 – Começa a existência legal das pessoas
jurídicas de direito privado com a inscrição do ato
constitutivo no respectivo registro, precedida, quando
necessário, de autorização ou aprovação do poder
executivo, averbando-se no registro todas as alterações
por que passar o ato constitutivo.
 Parágrafo único. Decai em três anos o direito de
anular a constituição das pessoas jurídicas de direito
privado, por defeito do ato respectivo, contado o prazo
da publicação de sua inscrição no registro.
 Basicamente é um estatuto ou um contrato social que
é levado ao registro.
QUANDO HÁ AQUISIÇÃO DA
PERSONALIDADE JURÍDICA?
 Deve constar no ato constitutivo os requisitos do art. 46 do CC,
além daqueles referidos em norma específica:
 Art. 46. O registro declarará:
 I - a denominação, os fins, a sede, o tempo de duração e o fundo
social, quando houver;
 II - o nome e a individualização dos fundadores ou instituidores, e
dos diretores;
 III - o modo por que se administra e representa, ativa e
passivamente, judicial e extrajudicialmente;
 IV - se o ato constitutivo é reformável no tocante à administração,
e de que modo;
 V - se os membros respondem, ou não, subsidiariamente, pelas
obrigações sociais;
 VI - as condições de extinção da pessoa jurídica e o destino do seu
patrimônio, nesse caso.
CLASSIFICAÇÃO DAS PESSOAS
JURÍDICAS
 Quanto à nacionalidade: Nacional ou
Estrangeira
 Art. 11. As organizações destinadas a fins de
interesse coletivo, como as sociedades e as
fundações, obedecem à lei do Estado em que se
constituirem. LINDB:
 Quanto à estrutura: Corporações (universitas
personarum) – prevalece a soma de pessoas
(universalidade de pessoas).
 Dividem-se em:
 a) Sociedades
 > Simples – são as antigas civis.
 > Empresárias – são as antigas comerciais.
CLASSIFICAÇÃO DAS PESSOAS
JURÍDICAS
 # Sociedade entre cônjuges: (art. 977) é
possível. A restrição imposta é de que não tenha
casado no regime de comunhão universal de bens
ou no da separação obrigatória.
 Art. 977. Faculta-se aos cônjuges contratar
sociedade, entre si ou com terceiros, desde que não
tenham casado no regime da comunhão universal
de bens, ou no da separação obrigatória.
ASSOCIAÇÕES
 Art. 53 – Constituem-se as associações pela união
de pessoas que se organizem para fins
nãoeconômicos.
 Art. 55. Os associados devem ter iguais direitos,
mas o estatuto poderá instituir categorias com
vantagens especiais.
 A associação é formada por um:
 I) conselho deliberativo;
 II) um conselho fiscal;
 III) uma presidência;
 IV) a assembléia geral de associados
ASSOCIAÇÕES
 O ato constitutivo é o estatuto (art. 54 CC). De
acordo com o Código Civil, o estatuto das associações
conterá, sob pena de nulidade (art.54):
 I - a denominação, os fins e a sede da associação;
 II - os requisitos para a admissão, demissão e exclusão dos
associados;
 III - os direitos e deveres dos associados;
 IV - as fontes de recursos para sua manutenção;
 V – o modo de constituição e de funcionamento dos órgãos
deliberativos; (Redação dada pela Lei nº11.127, de 2005)
 VI - as condições para a alteração das disposições estatutárias
e para a dissolução.
 VII – a forma de gestão administrativa e de aprovação das
respectivas contas. (Incluído pela Lei nº11.127, de 2005)
ASSOCIAÇÕES
 Interessante a exigência de devido processo
legal para exclusão de um associado: (art. 57)
 Art. 57. A exclusão do associado só é admissível
havendo justa causa, assim reconhecida em
procedimento que assegure direito de defesa e de
recurso, nos termos previstos no estatuto.
ASSOCIAÇÕES
 Quando da extinção de uma associação, qual a
destinação de seus bens?
 Art. 61. Dissolvida a associação, o remanescente do seu
patrimônio líquido, depois de deduzidas, se for o caso,
as quotas ou frações ideais referidas no parágrafo
único do art. 56, será destinado à entidade de fins não
econômicos designada no estatuto, ou, omisso este, por
deliberação dos associados, à instituição municipal,
estadual ou federal, de fins idênticos ou semelhantes.
 § 2º Não existindo no Município, no Estado, no Distrito
Federal ou no Território, em que a associação tiver
sede, instituição nas condições indicadas neste artigo,
o que remanescer do seu patrimônio se devolverá à
Fazenda do Estado, do Distrito Federal ou da União.
FUNDAÇÕES (UNIVERSITAS
BONORUM) –(UNIVERSALIDADE DE
BENS)
 Art. 62. Para criar uma fundação, o seu instituidor
fará, por escritura pública ou testamento,
dotação especial de bens livres, especificando o fim a
que se destina, e declarando, se quiser, a maneira de
administrá- la.
 Parágrafo único. A fundação somente poderá
constituir-se para fins religiosos, morais, culturais
ou de assistência.
FUNDAÇÕES
 Esse rol de finalidades previstos no art. 62 e
taxativo ou exemplificativo?
 Art. 62, parágrafo único: a constituição de
fundação para fins científicos, educacionais ou de
promoção do meio ambiente está compreendida
no CC, art. 62, parágrafo único.
 Art. 62, parágrafo único: o art. 62, parágrafo
único, deve ser interpretado de modo a excluir
apenas as fundações com fins lucrativos.
 Posicionamento para Prova: Taxativo.
FUNDAÇÕES
 Etapas para a criação de uma fundação - há uma série
ordenada de etapas que devem ser observadas:
 1º) Afetação de Bens Livres por meio do Ato de
Dotação Patrimonial, seja mediante Escritura Pública
(para atos inter vivos) ou Testamento.
 O instituidor está obrigado a indicar a finalidade
fundacional, mas indicará se quiser o modo de
administrá-la.
 O ato de instituição, acaso realizado por mecanismo
inter vivos, é irretratável.
 Art. 64. Constituída a fundação por negócio jurídico
entre vivos, o instituidor é obrigado a transferir-lhe a
propriedade, ou outro direito real, sobre os bens
dotados, e, se não o fizer, serão registrados, em nome
dela, por mandado judicial. ou semelhante.
FUNDAÇÕES
 Caso o patrimônio afetado seja insuficiente – art. 63
do CC/2002:
 Art. 63. Quando insuficientes para constituir a
fundação, os bens a ela destinados serão, se de outro
modo não dispuser o instituidor, incorporados em
outra fundação que se proponha a fim igual ou
semelhante.
FUNDAÇÕES
 2º) Elaboração dos Estatutos (não é contrato
social);
 - Pode ser:
 a) Direta: feita pelo próprio instituidor.
 b) Indireta ou Fiduciária: quando nomeia alguém para
fazê-lo.
 3º) Aprovação dos Estatutos
 Quem aprova é o MP
 Art. 65. Aqueles a quem o instituidor cometer a
aplicação do patrimônio, em tendo ciência do encargo,
formularão logo, de acordo com as suas bases (art. 62),
o estatuto da fundação projetada, submetendo-o, em
seguida, à aprovação da autoridade competente, com
recurso ao juiz.
 4º) Realização do Registro Civil (no Cartório
de Pessoa Jurídica) – é a partir daí que a
fundação terá personalidade, podendo praticar
atos jurídicos.
 A Alteração do Estatuto já registrado apenas
poderá ser feita se presente os seguintes
requisitos disciplinados no Código Civil (art. 67):
 Art. 67. Para que se possa alterar o estatuto da
fundação é mister que a reforma:
 I - seja deliberada por dois terços dos competentes
para gerir e representar a fundação;
 II - não contrarie ou desvirtue o fim desta;
 III - seja aprovada pelo órgão do Ministério
Público, e, caso este a denegue, poderá o juiz
supri-la, a requerimento do interessado.
 A minoria de gestores vencida (aqueles 1/3 que
opinaram em desfavor da alteração), terão o
prazo de 10 dias para impugnar a modificação
estatutária. Esse prazo é decadencial (art. 68).
 Art. 68. Quando a alteração não houver sido
aprovada por votação unânime, os
administradores da fundação, ao submeterem o
estatuto ao órgão do Ministério Público,
requererão que se dê ciência à minoria vencida
para impugná-la, se quiser, em dez dias.
 A Fiscalização (§2°, art. 66) das fundações deve
ser feita pelo MP Estadual, ainda que as
referidas as Fundações tenham abrangência
nacional, sendo a competência a da localização da
fundação.
 “Art. 66. Velará pelas fundações o Ministério
Público do Estado onde situadas.
 § 1º. Se funcionarem no Distrito Federal, ou no
Território, caberá o encargo ao Ministério Público
Federal.
 § 2º. Se estenderem a atividade por mais de um
Estado, caberá o encargo, em cada um deles, ao
respectivo Ministério Público”.
 Diga-se que o §1º do art. 66 foi declarado inconstitucional pelo
ADI 2794, proposta pela ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS
MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO – CONAMP.
 No caso de extinção da fundação – art. 69 do
CC:
 Art. 69. Tornando-se ilícita, impossível ou inútil a
finalidade a que visa a fundação, ou vencido o
prazo de sua existência, o órgão do Ministério
Público, ou qualquer interessado, lhe promoverá a
extinção, incorporando- se o seu patrimônio, salvo
disposição em contrário no ato constitutivo, ou no
estatuto, em outra fundação, designada pelo juiz,
que se proponha a fim igual ou semelhante.
QUESTÃO:
 Para que uma fundação particular adquira
personalidade jurídica será preciso:
 a) elaboração de seu estatuto pelo instituidor ou
por aquele a quem ele cometer a aplicação do
patrimônio.
 b) aprovação do seu estatuto pelo Ministério
Público.
 c) dotação e aprovação da autoridade competente
com recurso ao juiz.
 d) dotação e registro do seu estatuto.
 e) dotação, elaboração e aprovação dos estatutos,
e registro.
QUESTÃO:
 Para que uma fundação particular adquira
personalidade jurídica será preciso:
 a) elaboração de seu estatuto pelo instituidor ou
por aquele a quem ele cometer a aplicação do
patrimônio.
 b) aprovação do seu estatuto pelo Ministério
Público.
 c) dotação e aprovação da autoridade competente
com recurso ao juiz.
 d) dotação e registro do seu estatuto.
 e) dotação, elaboração e aprovação dos
estatutos, e registro.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Rosana Júlia Binda - Responsabilidade Civil
Rosana Júlia Binda - Responsabilidade CivilRosana Júlia Binda - Responsabilidade Civil
Rosana Júlia Binda - Responsabilidade CivilJordano Santos Cerqueira
 
Aula 2 historia e psicologia juridica
Aula 2  historia e psicologia juridicaAula 2  historia e psicologia juridica
Aula 2 historia e psicologia juridicamonteiro2014
 
Introdução ao estudo do direito aula
Introdução ao estudo do direito   aulaIntrodução ao estudo do direito   aula
Introdução ao estudo do direito aulajovenniu
 
Antropologia jurídica.
Antropologia jurídica. Antropologia jurídica.
Antropologia jurídica. Direito2012sl08
 
Processo Civil (Litisconsórcio, Assistência e Intervenção de Terceiros)
Processo Civil (Litisconsórcio, Assistência e  Intervenção de Terceiros)Processo Civil (Litisconsórcio, Assistência e  Intervenção de Terceiros)
Processo Civil (Litisconsórcio, Assistência e Intervenção de Terceiros)Antonio Pereira
 
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia 2014 pdf
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia  2014 pdfA invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia  2014 pdf
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia 2014 pdfJonia Lacerda
 
Direito civil pessoas juridicas
Direito civil pessoas juridicasDireito civil pessoas juridicas
Direito civil pessoas juridicasPitágoras
 
Apostila hermenêutica jurídica.
Apostila hermenêutica jurídica.Apostila hermenêutica jurídica.
Apostila hermenêutica jurídica.Direito2012sl08
 
Direito internacional (introdução)
 Direito internacional (introdução) Direito internacional (introdução)
Direito internacional (introdução)Laisy Quesado
 

Mais procurados (20)

Rosana Júlia Binda - Responsabilidade Civil
Rosana Júlia Binda - Responsabilidade CivilRosana Júlia Binda - Responsabilidade Civil
Rosana Júlia Binda - Responsabilidade Civil
 
Aula 2 historia e psicologia juridica
Aula 2  historia e psicologia juridicaAula 2  historia e psicologia juridica
Aula 2 historia e psicologia juridica
 
Av2 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO
Av2   INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO  Av2   INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO
Av2 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO
 
Introdução ao estudo do direito aula
Introdução ao estudo do direito   aulaIntrodução ao estudo do direito   aula
Introdução ao estudo do direito aula
 
Civil IV - direitos reais
Civil IV - direitos reaisCivil IV - direitos reais
Civil IV - direitos reais
 
Antropologia jurídica.
Antropologia jurídica. Antropologia jurídica.
Antropologia jurídica.
 
Mecanismos de defesa
Mecanismos de defesaMecanismos de defesa
Mecanismos de defesa
 
Processo Civil (Litisconsórcio, Assistência e Intervenção de Terceiros)
Processo Civil (Litisconsórcio, Assistência e  Intervenção de Terceiros)Processo Civil (Litisconsórcio, Assistência e  Intervenção de Terceiros)
Processo Civil (Litisconsórcio, Assistência e Intervenção de Terceiros)
 
slides da história da psicologia
slides da história da psicologiaslides da história da psicologia
slides da história da psicologia
 
Direitos Trabalhistas
Direitos TrabalhistasDireitos Trabalhistas
Direitos Trabalhistas
 
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia 2014 pdf
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia  2014 pdfA invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia  2014 pdf
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia 2014 pdf
 
Direito civil pessoas juridicas
Direito civil pessoas juridicasDireito civil pessoas juridicas
Direito civil pessoas juridicas
 
AULA PDE - INATISMO E EMPIRISMO.pdf
AULA PDE - INATISMO E EMPIRISMO.pdfAULA PDE - INATISMO E EMPIRISMO.pdf
AULA PDE - INATISMO E EMPIRISMO.pdf
 
Fenomenologia
FenomenologiaFenomenologia
Fenomenologia
 
Apostila hermenêutica jurídica.
Apostila hermenêutica jurídica.Apostila hermenêutica jurídica.
Apostila hermenêutica jurídica.
 
Direitos fundamentais
Direitos fundamentaisDireitos fundamentais
Direitos fundamentais
 
Hermenêutica jurídica slide.pptx
Hermenêutica jurídica slide.pptxHermenêutica jurídica slide.pptx
Hermenêutica jurídica slide.pptx
 
Direito internacional (introdução)
 Direito internacional (introdução) Direito internacional (introdução)
Direito internacional (introdução)
 
Introdução ao Direito Civil
Introdução ao Direito CivilIntrodução ao Direito Civil
Introdução ao Direito Civil
 
Justiça+e..
Justiça+e..Justiça+e..
Justiça+e..
 

Destaque

2012.1 semana 2 a pessoa natural-personalidade
2012.1 semana 2   a pessoa natural-personalidade2012.1 semana 2   a pessoa natural-personalidade
2012.1 semana 2 a pessoa natural-personalidadeNilo Tavares
 
2012.1 semana 5 pessoa jurídica
2012.1 semana 5 pessoa jurídica2012.1 semana 5 pessoa jurídica
2012.1 semana 5 pessoa jurídicaNilo Tavares
 
Teste Personalidade
Teste PersonalidadeTeste Personalidade
Teste Personalidadeppmateus
 
A concepção skinneriana de personalidade (Comunicação oral XXIII Encontro da ...
A concepção skinneriana de personalidade (Comunicação oral XXIII Encontro da ...A concepção skinneriana de personalidade (Comunicação oral XXIII Encontro da ...
A concepção skinneriana de personalidade (Comunicação oral XXIII Encontro da ...Iara Andriele Carvalho
 
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos BásicosFelipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Teorias da personalidade adler e horney
Teorias da personalidade adler e horneyTeorias da personalidade adler e horney
Teorias da personalidade adler e horneyMicaella Gomes
 
Direito do Consumidor - Mod 1 -_aula_1 - artigo.stj.cdc.min.nancy[1]
Direito do Consumidor - Mod 1 -_aula_1 - artigo.stj.cdc.min.nancy[1]Direito do Consumidor - Mod 1 -_aula_1 - artigo.stj.cdc.min.nancy[1]
Direito do Consumidor - Mod 1 -_aula_1 - artigo.stj.cdc.min.nancy[1]Leandro Andrade
 
Desconsideração da Pessoa Jurídica é Medida Extraordinária
Desconsideração da Pessoa Jurídica é Medida ExtraordináriaDesconsideração da Pessoa Jurídica é Medida Extraordinária
Desconsideração da Pessoa Jurídica é Medida ExtraordináriaAlfredo Júnior
 
antonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil II
antonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil IIantonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil II
antonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil IIANTONIO INACIO FERRAZ
 
antonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil I
antonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil Iantonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil I
antonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil IANTONIO INACIO FERRAZ
 
Palestra NOVO CPC - Desconsideração da Personalidade Jurídica
Palestra NOVO CPC - Desconsideração da Personalidade JurídicaPalestra NOVO CPC - Desconsideração da Personalidade Jurídica
Palestra NOVO CPC - Desconsideração da Personalidade JurídicaAlberto Bezerra
 

Destaque (20)

Pessoa Jurídica - Aula 004
Pessoa Jurídica - Aula 004Pessoa Jurídica - Aula 004
Pessoa Jurídica - Aula 004
 
Das Pessoas
Das Pessoas Das Pessoas
Das Pessoas
 
Pessoa Jurídica
Pessoa JurídicaPessoa Jurídica
Pessoa Jurídica
 
2012.1 semana 2 a pessoa natural-personalidade
2012.1 semana 2   a pessoa natural-personalidade2012.1 semana 2   a pessoa natural-personalidade
2012.1 semana 2 a pessoa natural-personalidade
 
2012.1 semana 5 pessoa jurídica
2012.1 semana 5 pessoa jurídica2012.1 semana 5 pessoa jurídica
2012.1 semana 5 pessoa jurídica
 
Teste Personalidade
Teste PersonalidadeTeste Personalidade
Teste Personalidade
 
A concepção skinneriana de personalidade (Comunicação oral XXIII Encontro da ...
A concepção skinneriana de personalidade (Comunicação oral XXIII Encontro da ...A concepção skinneriana de personalidade (Comunicação oral XXIII Encontro da ...
A concepção skinneriana de personalidade (Comunicação oral XXIII Encontro da ...
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
 
Teorias da personalidade adler e horney
Teorias da personalidade adler e horneyTeorias da personalidade adler e horney
Teorias da personalidade adler e horney
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Direito do Consumidor - Mod 1 -_aula_1 - artigo.stj.cdc.min.nancy[1]
Direito do Consumidor - Mod 1 -_aula_1 - artigo.stj.cdc.min.nancy[1]Direito do Consumidor - Mod 1 -_aula_1 - artigo.stj.cdc.min.nancy[1]
Direito do Consumidor - Mod 1 -_aula_1 - artigo.stj.cdc.min.nancy[1]
 
Desconsideração da Pessoa Jurídica é Medida Extraordinária
Desconsideração da Pessoa Jurídica é Medida ExtraordináriaDesconsideração da Pessoa Jurídica é Medida Extraordinária
Desconsideração da Pessoa Jurídica é Medida Extraordinária
 
antonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil II
antonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil IIantonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil II
antonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil II
 
antonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil I
antonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil Iantonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil I
antonio inacio ferraz-resumo da personalidade civil I
 
Palestra NOVO CPC - Desconsideração da Personalidade Jurídica
Palestra NOVO CPC - Desconsideração da Personalidade JurídicaPalestra NOVO CPC - Desconsideração da Personalidade Jurídica
Palestra NOVO CPC - Desconsideração da Personalidade Jurídica
 
Revisão av1 (2)
Revisão av1 (2)Revisão av1 (2)
Revisão av1 (2)
 
Portfólio Pessoa Jurídica
Portfólio Pessoa JurídicaPortfólio Pessoa Jurídica
Portfólio Pessoa Jurídica
 
Direito, 12º ano
Direito, 12º anoDireito, 12º ano
Direito, 12º ano
 

Semelhante a Slides personalidade jurídica

Pessoas empresariais como pessoas jurídicas.pptx
Pessoas empresariais como pessoas jurídicas.pptxPessoas empresariais como pessoas jurídicas.pptx
Pessoas empresariais como pessoas jurídicas.pptxKelvespires
 
Direito civil meu resumo parte geral
Direito civil meu resumo parte geralDireito civil meu resumo parte geral
Direito civil meu resumo parte geralAndre Vieira
 
Resumo direito civil parte geral
Resumo direito civil   parte geralResumo direito civil   parte geral
Resumo direito civil parte geralMateus Ranieri
 
Resumo.doc introdução ao direito
Resumo.doc introdução ao direitoResumo.doc introdução ao direito
Resumo.doc introdução ao direitonissinho
 
NOÇÃO DE DIREITO
NOÇÃO DE DIREITONOÇÃO DE DIREITO
NOÇÃO DE DIREITOURCAMP
 
História do direito 03 out 2012
História do direito   03 out 2012História do direito   03 out 2012
História do direito 03 out 2012gabriela_eiras
 
Nhandereko, o Direito Guarani
Nhandereko, o Direito GuaraniNhandereko, o Direito Guarani
Nhandereko, o Direito Guaraniusesolues
 
Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...
Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...
Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...A. Rui Teixeira Santos
 
Lei de introdução ao código civil
Lei de introdução ao código civilLei de introdução ao código civil
Lei de introdução ao código civilProfessorRogerioSant
 
Apostila de direito Geral
Apostila de direito GeralApostila de direito Geral
Apostila de direito GeralItamar Maia
 
Direito Civil - Conceito e divisão do direito
Direito Civil - Conceito e divisão do direitoDireito Civil - Conceito e divisão do direito
Direito Civil - Conceito e divisão do direitoDiegoBayer2
 
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Direitos Humanos - 01
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Direitos Humanos - 01Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Direitos Humanos - 01
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Direitos Humanos - 01Jordano Santos Cerqueira
 
Apostila de-direito-civil
Apostila de-direito-civilApostila de-direito-civil
Apostila de-direito-civilMaycon Santos
 
Apostila de-direito-civil
Apostila de-direito-civilApostila de-direito-civil
Apostila de-direito-civilMaycon Santos
 
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...A. Rui Teixeira Santos
 

Semelhante a Slides personalidade jurídica (20)

Pessoas empresariais como pessoas jurídicas.pptx
Pessoas empresariais como pessoas jurídicas.pptxPessoas empresariais como pessoas jurídicas.pptx
Pessoas empresariais como pessoas jurídicas.pptx
 
Direito civil meu resumo parte geral
Direito civil meu resumo parte geralDireito civil meu resumo parte geral
Direito civil meu resumo parte geral
 
Civil.ipessoa.juridica
Civil.ipessoa.juridicaCivil.ipessoa.juridica
Civil.ipessoa.juridica
 
Resumo direito civil parte geral
Resumo direito civil   parte geralResumo direito civil   parte geral
Resumo direito civil parte geral
 
Resumo.doc introdução ao direito
Resumo.doc introdução ao direitoResumo.doc introdução ao direito
Resumo.doc introdução ao direito
 
NOÇÃO DE DIREITO
NOÇÃO DE DIREITONOÇÃO DE DIREITO
NOÇÃO DE DIREITO
 
História do direito 03 out 2012
História do direito   03 out 2012História do direito   03 out 2012
História do direito 03 out 2012
 
Idpp
IdppIdpp
Idpp
 
Nhandereko, o Direito Guarani
Nhandereko, o Direito GuaraniNhandereko, o Direito Guarani
Nhandereko, o Direito Guarani
 
Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...
Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...
Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...
 
Lei de introdução ao código civil
Lei de introdução ao código civilLei de introdução ao código civil
Lei de introdução ao código civil
 
Apostila de direito Geral
Apostila de direito GeralApostila de direito Geral
Apostila de direito Geral
 
Direito Civil - Conceito e divisão do direito
Direito Civil - Conceito e divisão do direitoDireito Civil - Conceito e divisão do direito
Direito Civil - Conceito e divisão do direito
 
UNIDADE 06.ppt
UNIDADE 06.pptUNIDADE 06.ppt
UNIDADE 06.ppt
 
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Direitos Humanos - 01
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Direitos Humanos - 01Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Direitos Humanos - 01
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Direitos Humanos - 01
 
Apostila de-direito-civil
Apostila de-direito-civilApostila de-direito-civil
Apostila de-direito-civil
 
Apostila de-direito-civil
Apostila de-direito-civilApostila de-direito-civil
Apostila de-direito-civil
 
2º resumo fabiola
2º resumo fabiola2º resumo fabiola
2º resumo fabiola
 
2º resumo fabiola
2º resumo fabiola2º resumo fabiola
2º resumo fabiola
 
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
 

Mais de ILDA VALENTIM

Direitos pessoa com deficiencia
Direitos pessoa com deficiencia Direitos pessoa com deficiencia
Direitos pessoa com deficiencia ILDA VALENTIM
 
Imprescritibilidade acidente trabalho
Imprescritibilidade acidente trabalhoImprescritibilidade acidente trabalho
Imprescritibilidade acidente trabalhoILDA VALENTIM
 
Questoes de direito_da_infancia_e_da_juventude
Questoes de direito_da_infancia_e_da_juventudeQuestoes de direito_da_infancia_e_da_juventude
Questoes de direito_da_infancia_e_da_juventudeILDA VALENTIM
 
Acao indenizacao-contra-seguradora
Acao indenizacao-contra-seguradoraAcao indenizacao-contra-seguradora
Acao indenizacao-contra-seguradoraILDA VALENTIM
 
Reposição ao erário artigo do adv marcelo ávila
Reposição ao erário   artigo do adv marcelo ávilaReposição ao erário   artigo do adv marcelo ávila
Reposição ao erário artigo do adv marcelo ávilaILDA VALENTIM
 
Reposição ao erário artigo do adv marcelo ávila
Reposição ao erário   artigo do adv marcelo ávilaReposição ao erário   artigo do adv marcelo ávila
Reposição ao erário artigo do adv marcelo ávilaILDA VALENTIM
 
Direitos ppds senador
Direitos ppds senadorDireitos ppds senador
Direitos ppds senadorILDA VALENTIM
 
Monografia sobre tempo rural
Monografia sobre tempo ruralMonografia sobre tempo rural
Monografia sobre tempo ruralILDA VALENTIM
 
Apostila pablo stolze
Apostila pablo stolzeApostila pablo stolze
Apostila pablo stolzeILDA VALENTIM
 

Mais de ILDA VALENTIM (16)

Direitos pessoa com deficiencia
Direitos pessoa com deficiencia Direitos pessoa com deficiencia
Direitos pessoa com deficiencia
 
Tráfico de gente
Tráfico de genteTráfico de gente
Tráfico de gente
 
Guiadedefesa
GuiadedefesaGuiadedefesa
Guiadedefesa
 
Imprescritibilidade acidente trabalho
Imprescritibilidade acidente trabalhoImprescritibilidade acidente trabalho
Imprescritibilidade acidente trabalho
 
Questoes de direito_da_infancia_e_da_juventude
Questoes de direito_da_infancia_e_da_juventudeQuestoes de direito_da_infancia_e_da_juventude
Questoes de direito_da_infancia_e_da_juventude
 
Acao indenizacao-contra-seguradora
Acao indenizacao-contra-seguradoraAcao indenizacao-contra-seguradora
Acao indenizacao-contra-seguradora
 
Aula bens públicos
Aula bens públicosAula bens públicos
Aula bens públicos
 
Reposição ao erário artigo do adv marcelo ávila
Reposição ao erário   artigo do adv marcelo ávilaReposição ao erário   artigo do adv marcelo ávila
Reposição ao erário artigo do adv marcelo ávila
 
Reposição ao erário artigo do adv marcelo ávila
Reposição ao erário   artigo do adv marcelo ávilaReposição ao erário   artigo do adv marcelo ávila
Reposição ao erário artigo do adv marcelo ávila
 
Direitos ppds senador
Direitos ppds senadorDireitos ppds senador
Direitos ppds senador
 
Guiadedefesa
GuiadedefesaGuiadedefesa
Guiadedefesa
 
Tráfico de gente
Tráfico de genteTráfico de gente
Tráfico de gente
 
Monografia sobre tempo rural
Monografia sobre tempo ruralMonografia sobre tempo rural
Monografia sobre tempo rural
 
Jurisp rural
Jurisp ruralJurisp rural
Jurisp rural
 
Abnt 10520
Abnt 10520Abnt 10520
Abnt 10520
 
Apostila pablo stolze
Apostila pablo stolzeApostila pablo stolze
Apostila pablo stolze
 

Slides personalidade jurídica

  • 2. PESSOA JURÍDICA  Doutrina: Capanema, 2010.  Conjunto de seres humanos ou de bens constituídos sob a forma da lei e aos quais se confere uma personalidade distinta da personalidade dos seus integrantes.  Pessoas Jurídicas constituídas por bens?  As fundações são pessoas jurídicas representando um conjunto de bens e não de seres humanos. É claro que as fundações são administradas por seres humanos, mas, na verdade, a fundação é um conjunto de bens o qual a lei confere uma personalidade própria. Ex. Fundação Roberto Marinho. É uma pessoa jurídica com personalidade própria, é um conjunto de bens alocados para um determinado propósito.
  • 3. PESSOA JURÍDICA  Resumindo: toda pessoa jurídica ou é um conjunto de seres humanos e a isso chamamos de “Universitas personarum” ou são conjuntos de bens – “Universitas bonorum” (são as fundações).  Nas pessoas jurídicas que se constituem por seres humanos há bens, e, esses bens, estão a serviço dos seres humanos que integram a pessoa jurídica. Nas fundações os seres humanos estão a serviço dos bens.
  • 4. PESSOA JURÍDICA  Fundação é quando alguém destaca de seu patrimônio particular determinados bens e aloca esses bens a um fim determinado pela fundação. Por ex: proteção a criança; incentivo a cultura etc.  Esses bens são administrados por pessoas naturais que irão retirar desses bens rendimentos e frutos civis para poder atender a finalidade da fundação.
  • 5. PESSOA JURÍDICA  Não basta organizar um conjunto de pessoas ou de bens, sob a forma da lei, para fazer nascer uma pessoa jurídica. É preciso que o objetivo dessa pessoa jurídica seja lícito e moral. Não se pode, por ex, criar uma associação dos apontadores de jogo de bicho, nem se pode estabelecer um sindicato dos exploradores das prostitutas.  
  • 6. PESSOA JURÍDICA  Historicamente o que teria feito nascer as pessoas jurídicas?  A origem das pessoas jurídicas está na pré história, porque o homem primitivo percebeu, intuitivamente, que se ele se reunisse a outros seres humanos, dividindo tarefas do dia a dia, eles teriam muito mais facilidade para sobreviver. E o que é uma pessoa jurídica, a rigor, senão isto? Uma reunião de seres humanos que têm ideais comuns para que se torne mais fácil alcançar suas metas e sobreviver.
  • 7. JURÍDICA  Muito se escreveu para saber a natureza jurídica da pessoa jurídica.  Até o séc. XIX prevaleceram as chamadas teorias ficcionistas das quais a maior e mais importante foi a Teoria de Savigny. Para ele a pessoa jurídica é uma ficção jurídica, ela não existe na realidade, aliás no direito existe uma série de ficções.
  • 8. JURÍDICA  Dizia Savigny que só o ser humano é capaz de pensar, querer, ter sentimentos. A vontade da pessoa jurídica nada mais seria que a projeção da vontade de seus integrantes. Ou seja, a pessoa jurídica não existia no plano da realidade, só existindo na inteligência dos seres humanos. Esta ficção jurídica é necessária para permitir que estes conjuntos de seres humanos pudessem se tornar sujeitos de direitos, facilitando assim a aquisição e a transferência desses direitos.  Para Savigny a única personalidade real, era a natural. No século XIX isto era uma verdade absoluta.
  • 9. JURÍDICA  Hoje prevalecem as teorias realistas. As teorias ficcionistas foram inteiramente abandonadas.  P J é uma realidade e não uma ficção. Elas existem, assim como os seres humanos existem. Elas estão inseridas no plano da existência.  A teoria hoje dominante, é a de um europeu chamado Hauriou, constitucionalista francês que criou a teoria da realidade das instituições jurídicas. Ele raciocinou assim: não foram as instituições jurídicas que atribuíram aos seres humanos uma personalidade? Claro pois, no passado, haviam seres humanos que não eram pessoas. Foi a lei que atribuiu a todos os seres humanos uma personalidade.
  • 10. JURÍDICA  de conferir aos seres humanos uma personalidade jurídica, também é capaz de conferir a um conjunto de pessoas ou bens, uma personalidade.  É uma questão de conveniência da vida social.  Portanto, a personalidade jurídica é mais um fruto da própria ordem jurídica, das instituições jurídicas.
  • 11. PERSONALIDADE JURÍDICA  Durante muito tempo prevaleceu como regra, quase absoluta, essa dicotomia entre personalidade jurídica e a personalidade natural de seus integrantes – CC/1916 – art. 20.  Este artigo do Código Bevilácqua (1916), era claro ao informar que não se confundia a personalidade de seus integrantes, assim como o patrimônio de seus integrantes.  As obrigações da PJ= patrimônio da PJ  Teoria Mitigada = desconsideração da personalidade jurídica, = CDC e agora consagrada no Artigo 50 CC.  A regra geral, que continua prevalecendo, é a que a personalidade jurídica da P J não se confunde com a personalidade natural de seus integrantes.
  • 12. PERSONALIDADE JURÍDICA  Há uma profunda identidade entre as PJ e as pessoas naturais.  Ambas têm nome; ambas nascem, crescem, envelhecem e morrem; ambas têm registros de nascimento e de morte; ambas têm domicílio; ambas têm patrimônio.  É por isso, portanto, que as teorias realistas acabaram derrotando as teorias ficcionistas.
  • 13. PERSONALIDADE JURÍDICA  A doutrina moderna, quase que pacificamente, sustenta que a PJ tem alma. Alma objetiva, não subjetiva; mas tem alma.  Tem conceito, credibilidade, tanto que hoje se admite dano moral para a PJ, desde que seja para proteger sua honra objetiva, dado o conceito que essa PJ tem na sociedade.  Claro que a PJ não pode ter honra subjetiva, que é aquela formada pelos sentimentos íntimos que só as pessoas naturais possuem. O fato de as P J não terem vontade própria, ou seja, não pensar, não amar etc. não quer dizer que elas não existam.   
  • 14. PERSONALIDADE JURÍDICA  Entre todas as classificações, a mais importante é a que divide as pessoas jurídicas em Direito Público e Direito Privado, porque o regime jurídico das PJ de Direito Público é completamente diferente do regime jurídico das PJ de Direito Privado.  Nossa primeira preocupação diante de uma PJ é saber se ela é de Direito Público ou Privado.
  • 15.  As P J de Direito Público ainda se dividem em P J de D. Público Interno e P J de D. Público Externo.  Artigo 41 – Interno : “... A União, os Estados membros da Federação, os Municípios, o DF, os Territórios Federais, as Autarquias e todos os demais entes da Administração Direta, além das Fundações Públicas”.  Artigo 42 – Externo: “....São os estados estrangeiros, os organismos internacionais, tais como: a ONU, OEA, etc.”  As P J de Direito Público são submetidas a um controle rígido. São fiscalizadas permanentemente pelas leis. Criaram-se órgãos de controle apenas para esta finalidade.
  • 16.  Já as P J de Direito Privado, têm uma liberdade de ação muito maior; se auto delimitam; podem exercer seus próprios controles.  Artigo 44 – “São pessoas jurídicas de direito privado: As Associações, as Sociedades, as Fundações particulares, os Partidos políticos, as Igrejas, as Organizações religiosas”
  • 17. PERSONALIDADE JURÍDICA  O Código anterior falava em Associações, Sociedades Civis e Sociedades Comerciais.  As Associações eram um conjunto de seres humanos que se reuniam sem fins lucrativos.  As Sociedades Civis tinham interesse econômico.  As Sociedades Comerciais eram aquelas que também perseguiam o lucro, só que praticando os atos do comércio.  Então um colégio, um hospital seriam uma Sociedade Civil e não uma Sociedade Comercial, mas também não seriam uma Associação, porque aferem lucro.  Hoje porém, (Artigo 44) mudou tudo. Não há mais Sociedade Civil, esta desapareceu.
  • 18. PERSONALIDADE JURÍDICA  O Código Civil de 2002 só fala em Associação e Sociedade, porque fez-se a união das Sociedades Civis e Comerciais.  Associação não tem fins lucrativos, mas sociedade tem, seja ela destinada ao comércio ou não.  Vigora como garantia constitucional o direito de associar-se, independente de alegação do motivo. É possível criar qualquer associação, destinada a qualquer fim, desde que lícito e moral.  Também, não há como compelir alguém a permanecer associado. Isto é garantia constitucional, está no art. 5º o direito de se associar e de se desligar de uma associação.
  • 19. PERSONALIDADE JURÍDICA  O Código Civil de 2002 só fala em Associação e Sociedade, porque fez-se a união das Sociedades Civis e Comerciais.  Associação não tem fins lucrativos, mas sociedade tem, seja ela destinada ao comércio ou não.  Vigora como garantia constitucional o direito de associar-se, independente de alegação do motivo. É possível criar qualquer associação, destinada a qualquer fim, desde que lícito e moral.  Também, não há como compelir alguém a permanecer associado. Isto é garantia constitucional, está no art. 5º o direito de se associar e de se desligar de uma associação.
  • 20. ENTES DESPERSONALIZADOS  Há situações em que encontraremos grupos de seres humanos e de bens aos quais a ordem jurídica não confere uma personalidade própria. Chamam-se entes despersonalizados ou pessoas formais. Ou seja, têm aparência de PJ, apresentam características de PJ, mas não são.  Exemplos conhecidos:  - a família;  - o espólio;  - a massa falida;  - a herança jacente;  - as sociedades de fato;  - o condomínio;  - os grupos de consórcio.
  • 21. ENTES DESPERSONALIZADOS  Se não têm personalidade, não podem adquirir ou transmitir direitos, nem contrair obrigações, exatamente porque lhes falta personalidade, não sendo, portanto, sujeitos de direito.  Mas, como podem estar em juízo se não possuem personalidade? Ex: condomínios edilícios que contratam empregados e não pagam...    Essas pessoas formais são desprovidas de personalidade, mas são dotadas de legitimidade ad causam e ad processum para que possam exatamente defender direitos e interesses que são de seus integrantes. Assim, por ex, credores e devedores são os condôminos e não o condomínio; são os herdeiros do espólio e não o próprio espólio.
  • 22. ENTES DESPERSONALIZADOS  Por que se nega a essas pessoas formais uma personalidade autônoma, distinta de seus integrantes?  Porque lhes falta o substrato da personalidade jurídica, a sua razão de ser que se chama affectio societatis.  A força que leva a constituição de uma P J chama-se affectio societatis.  Affectio societatis é um sentimento comum que leva as pessoas a se unirem, perseguindo um determinado objetivo. As pessoas identificam um interesse comum e através da forma prevista em lei constituem uma PJ. Tanto isso é verdade que se romper a affectio societatis não há como se manter a P J.
  • 23. QUANDO HÁ AQUISIÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA?  Art. 45 – Começa a existência legal das pessoas jurídicas de direito privado com a inscrição do ato constitutivo no respectivo registro, precedida, quando necessário, de autorização ou aprovação do poder executivo, averbando-se no registro todas as alterações por que passar o ato constitutivo.  Parágrafo único. Decai em três anos o direito de anular a constituição das pessoas jurídicas de direito privado, por defeito do ato respectivo, contado o prazo da publicação de sua inscrição no registro.  Basicamente é um estatuto ou um contrato social que é levado ao registro.
  • 24. QUANDO HÁ AQUISIÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA?  Deve constar no ato constitutivo os requisitos do art. 46 do CC, além daqueles referidos em norma específica:  Art. 46. O registro declarará:  I - a denominação, os fins, a sede, o tempo de duração e o fundo social, quando houver;  II - o nome e a individualização dos fundadores ou instituidores, e dos diretores;  III - o modo por que se administra e representa, ativa e passivamente, judicial e extrajudicialmente;  IV - se o ato constitutivo é reformável no tocante à administração, e de que modo;  V - se os membros respondem, ou não, subsidiariamente, pelas obrigações sociais;  VI - as condições de extinção da pessoa jurídica e o destino do seu patrimônio, nesse caso.
  • 25. CLASSIFICAÇÃO DAS PESSOAS JURÍDICAS  Quanto à nacionalidade: Nacional ou Estrangeira  Art. 11. As organizações destinadas a fins de interesse coletivo, como as sociedades e as fundações, obedecem à lei do Estado em que se constituirem. LINDB:  Quanto à estrutura: Corporações (universitas personarum) – prevalece a soma de pessoas (universalidade de pessoas).  Dividem-se em:  a) Sociedades  > Simples – são as antigas civis.  > Empresárias – são as antigas comerciais.
  • 26. CLASSIFICAÇÃO DAS PESSOAS JURÍDICAS  # Sociedade entre cônjuges: (art. 977) é possível. A restrição imposta é de que não tenha casado no regime de comunhão universal de bens ou no da separação obrigatória.  Art. 977. Faculta-se aos cônjuges contratar sociedade, entre si ou com terceiros, desde que não tenham casado no regime da comunhão universal de bens, ou no da separação obrigatória.
  • 27. ASSOCIAÇÕES  Art. 53 – Constituem-se as associações pela união de pessoas que se organizem para fins nãoeconômicos.  Art. 55. Os associados devem ter iguais direitos, mas o estatuto poderá instituir categorias com vantagens especiais.  A associação é formada por um:  I) conselho deliberativo;  II) um conselho fiscal;  III) uma presidência;  IV) a assembléia geral de associados
  • 28. ASSOCIAÇÕES  O ato constitutivo é o estatuto (art. 54 CC). De acordo com o Código Civil, o estatuto das associações conterá, sob pena de nulidade (art.54):  I - a denominação, os fins e a sede da associação;  II - os requisitos para a admissão, demissão e exclusão dos associados;  III - os direitos e deveres dos associados;  IV - as fontes de recursos para sua manutenção;  V – o modo de constituição e de funcionamento dos órgãos deliberativos; (Redação dada pela Lei nº11.127, de 2005)  VI - as condições para a alteração das disposições estatutárias e para a dissolução.  VII – a forma de gestão administrativa e de aprovação das respectivas contas. (Incluído pela Lei nº11.127, de 2005)
  • 29. ASSOCIAÇÕES  Interessante a exigência de devido processo legal para exclusão de um associado: (art. 57)  Art. 57. A exclusão do associado só é admissível havendo justa causa, assim reconhecida em procedimento que assegure direito de defesa e de recurso, nos termos previstos no estatuto.
  • 30. ASSOCIAÇÕES  Quando da extinção de uma associação, qual a destinação de seus bens?  Art. 61. Dissolvida a associação, o remanescente do seu patrimônio líquido, depois de deduzidas, se for o caso, as quotas ou frações ideais referidas no parágrafo único do art. 56, será destinado à entidade de fins não econômicos designada no estatuto, ou, omisso este, por deliberação dos associados, à instituição municipal, estadual ou federal, de fins idênticos ou semelhantes.  § 2º Não existindo no Município, no Estado, no Distrito Federal ou no Território, em que a associação tiver sede, instituição nas condições indicadas neste artigo, o que remanescer do seu patrimônio se devolverá à Fazenda do Estado, do Distrito Federal ou da União.
  • 31. FUNDAÇÕES (UNIVERSITAS BONORUM) –(UNIVERSALIDADE DE BENS)  Art. 62. Para criar uma fundação, o seu instituidor fará, por escritura pública ou testamento, dotação especial de bens livres, especificando o fim a que se destina, e declarando, se quiser, a maneira de administrá- la.  Parágrafo único. A fundação somente poderá constituir-se para fins religiosos, morais, culturais ou de assistência.
  • 32. FUNDAÇÕES  Esse rol de finalidades previstos no art. 62 e taxativo ou exemplificativo?  Art. 62, parágrafo único: a constituição de fundação para fins científicos, educacionais ou de promoção do meio ambiente está compreendida no CC, art. 62, parágrafo único.  Art. 62, parágrafo único: o art. 62, parágrafo único, deve ser interpretado de modo a excluir apenas as fundações com fins lucrativos.  Posicionamento para Prova: Taxativo.
  • 33. FUNDAÇÕES  Etapas para a criação de uma fundação - há uma série ordenada de etapas que devem ser observadas:  1º) Afetação de Bens Livres por meio do Ato de Dotação Patrimonial, seja mediante Escritura Pública (para atos inter vivos) ou Testamento.  O instituidor está obrigado a indicar a finalidade fundacional, mas indicará se quiser o modo de administrá-la.  O ato de instituição, acaso realizado por mecanismo inter vivos, é irretratável.  Art. 64. Constituída a fundação por negócio jurídico entre vivos, o instituidor é obrigado a transferir-lhe a propriedade, ou outro direito real, sobre os bens dotados, e, se não o fizer, serão registrados, em nome dela, por mandado judicial. ou semelhante.
  • 34. FUNDAÇÕES  Caso o patrimônio afetado seja insuficiente – art. 63 do CC/2002:  Art. 63. Quando insuficientes para constituir a fundação, os bens a ela destinados serão, se de outro modo não dispuser o instituidor, incorporados em outra fundação que se proponha a fim igual ou semelhante.
  • 35. FUNDAÇÕES  2º) Elaboração dos Estatutos (não é contrato social);  - Pode ser:  a) Direta: feita pelo próprio instituidor.  b) Indireta ou Fiduciária: quando nomeia alguém para fazê-lo.  3º) Aprovação dos Estatutos  Quem aprova é o MP  Art. 65. Aqueles a quem o instituidor cometer a aplicação do patrimônio, em tendo ciência do encargo, formularão logo, de acordo com as suas bases (art. 62), o estatuto da fundação projetada, submetendo-o, em seguida, à aprovação da autoridade competente, com recurso ao juiz.
  • 36.  4º) Realização do Registro Civil (no Cartório de Pessoa Jurídica) – é a partir daí que a fundação terá personalidade, podendo praticar atos jurídicos.  A Alteração do Estatuto já registrado apenas poderá ser feita se presente os seguintes requisitos disciplinados no Código Civil (art. 67):  Art. 67. Para que se possa alterar o estatuto da fundação é mister que a reforma:  I - seja deliberada por dois terços dos competentes para gerir e representar a fundação;  II - não contrarie ou desvirtue o fim desta;  III - seja aprovada pelo órgão do Ministério Público, e, caso este a denegue, poderá o juiz supri-la, a requerimento do interessado.
  • 37.  A minoria de gestores vencida (aqueles 1/3 que opinaram em desfavor da alteração), terão o prazo de 10 dias para impugnar a modificação estatutária. Esse prazo é decadencial (art. 68).  Art. 68. Quando a alteração não houver sido aprovada por votação unânime, os administradores da fundação, ao submeterem o estatuto ao órgão do Ministério Público, requererão que se dê ciência à minoria vencida para impugná-la, se quiser, em dez dias.
  • 38.  A Fiscalização (§2°, art. 66) das fundações deve ser feita pelo MP Estadual, ainda que as referidas as Fundações tenham abrangência nacional, sendo a competência a da localização da fundação.  “Art. 66. Velará pelas fundações o Ministério Público do Estado onde situadas.  § 1º. Se funcionarem no Distrito Federal, ou no Território, caberá o encargo ao Ministério Público Federal.  § 2º. Se estenderem a atividade por mais de um Estado, caberá o encargo, em cada um deles, ao respectivo Ministério Público”.  Diga-se que o §1º do art. 66 foi declarado inconstitucional pelo ADI 2794, proposta pela ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO – CONAMP.
  • 39.  No caso de extinção da fundação – art. 69 do CC:  Art. 69. Tornando-se ilícita, impossível ou inútil a finalidade a que visa a fundação, ou vencido o prazo de sua existência, o órgão do Ministério Público, ou qualquer interessado, lhe promoverá a extinção, incorporando- se o seu patrimônio, salvo disposição em contrário no ato constitutivo, ou no estatuto, em outra fundação, designada pelo juiz, que se proponha a fim igual ou semelhante.
  • 40. QUESTÃO:  Para que uma fundação particular adquira personalidade jurídica será preciso:  a) elaboração de seu estatuto pelo instituidor ou por aquele a quem ele cometer a aplicação do patrimônio.  b) aprovação do seu estatuto pelo Ministério Público.  c) dotação e aprovação da autoridade competente com recurso ao juiz.  d) dotação e registro do seu estatuto.  e) dotação, elaboração e aprovação dos estatutos, e registro.
  • 41. QUESTÃO:  Para que uma fundação particular adquira personalidade jurídica será preciso:  a) elaboração de seu estatuto pelo instituidor ou por aquele a quem ele cometer a aplicação do patrimônio.  b) aprovação do seu estatuto pelo Ministério Público.  c) dotação e aprovação da autoridade competente com recurso ao juiz.  d) dotação e registro do seu estatuto.  e) dotação, elaboração e aprovação dos estatutos, e registro.