SlideShare uma empresa Scribd logo
Câmara de
                                              Dirigentes
                                              Lojistas de Ijuí
ASSOC ÃO C ERC E INDUSTRIAL DE IJUÍ
     IAÇ  OM IAL




                              CARTA DE IJUÍ – UNIÃO POR UMA SOLUÇÃO




                                                          Ijuí/RS, 01 de julho de 2011.



Excelentíssimo Senhor
Deputado Federal Jerônimo Goergen
M. D. Relator da Sub-Comissão das Micro e Pequenas
Empresas da Comissão de Finanças e Tributação da
Câmara dos Deputados
Brasilia-DF


Prezado Senhor.



                  As Associações Comerciais e Industriais e demais
Congêneres da Região Noroeste do Estado, juntamente com os Sindicatos
do Comércio Varejista e das Câmaras de Dirigentes Lojistas, que
representam as micros e pequenas empresas de nossa região, ao
cumprimentá-lo cordialmente, vêem, respeitosamente, agradecer a V. Exa.,
pela atenção dedicada ao assunto tributário das ME e EPP, que visa buscar
um novo rumo para uma diferenciação tributária que beneficie essas
empresas de pequeno porte, através de projeto de vossa autoria junto a
Câmara dos Deputados.
Câmara de
                                      Dirigentes
                                      Lojistas de Ijuí
ASSOC ÃO C ERC E INDUSTRIAL DE IJUÍ
     IAÇ  OM IAL




Estas entidades representativas da classe patronal, apresentam a V. Exa.,
uma Carta de Reivindicações e propostas para debater ações que possam
ser realizadas afim de sensibilizar o Governo Federal para a busca de uma
solução.


                   Assim, as entidades signatárias, vem através desta,
manifestar preocupação referente a carga tributária imposta as micro e
pequenas empresas de nosso Estado, pois mais de 5 mil empresas que
representamos na região noroeste, a grande maioria é formada por
estabelecimentos deste porte. Sabemos que no Rio Grande do Sul, esses
empreendimentos representam mais de 80% das empresas do Estado e que
ao longo dos anos, através de muito diálogo conquistaram os benefícios do
“SIMPLES GAÚCHO”, o qual foi extinto a partir de 01 de julho de 2007,
com a entrada do SIMPLES NACIONAL, provocando um retrocesso
histórico, responsável pelo aumento da carga tributária, fechamento de
empresas e até a ida de muitos destes empreendedores para a
informalidade, causando desemprego e diminuição do poder de
concorrência por parte das micro e pequenas empresas, em suas
comunidades locais, diante da concorrências de grandes empresas que não
foram afetadas por esta situação, aumentando ainda mais as dificuldades
destes empreendedores.


                  É nosso dever ressaltar que as micro e pequenas
empresas vêm sendo há muito tempo alvo de atenção de análise
econômicas devido ao seu potencial de geração de emprego e renda. Esta
atenção se intensifica á medida em que os atributos de flexibilidade e
rapidez de adaptação ás demandas do mercado tornam-se mais necessárias
em mundo globalizado, que assim sendo, faz necessário políticas voltadas a
criação e manutenção destas, através de diferenciação tributária, para que
estas empresas possam ter um instrumento de estímulo e crescimento e à
competitividade dentro das comunidades em que atuam.
Câmara de
                                      Dirigentes
                                      Lojistas de Ijuí
ASSOC ÃO C ERC E INDUSTRIAL DE IJUÍ
     IAÇ  OM IAL




                 Na verdade, a luta por redução de impostos dos micro e
pequenos empresários, está na recuperação dos benefícios perdidos entre o

sistema em vigor de tributação e o anterior, que foi revogado a partir de
01/07/2007.

                 - Até 1º de julho de 2007, havia o Simples Gaúcho, com
redução das alíquotas do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e
Serviços (ICMS) e o Simples Federal, com benefícios em impostos
federais;

                  - A partir de julho, passou a vigorar o Simples Nacional,
conhecido como Supersimples, unificando impostos federais, estaduais e
municipais. Com isso, automaticamente, o Simples Gaúcho terminou;


                  - Restaram duas opções: o Supersimples e o Sistema
Geral de Lucro Presumido ou Lucro Real;

                 - As alíquotas do ICMS do Supersimples foram maiores
do que o antigo Simples Gaúcho, gerando um impacto sobre as micro e
pequenas empresas, além de perderem direito a isenção fiscais no ICMS,
por causa disso;

                  - Para restabelecer parte dos antigos benefícios para as
pequenas empresas estabelecidas do Estado, desde, que estejam
enquadradas no Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos
(Supersimples), o Governo Estadual, instituiu por Lei Estadual, percentuais
de redução do ICMS, de acordo com o faturamento dos 12 meses
anteriores;


                  - O impacto maior sobre as micro e pequenas empresas
está naquelas empresas que não conseguiram se enquadrar a partir de julho
de 2007 no Simples Nacional (Unificação dos impostos federais, estaduais
e municipais) em face da restrição vinculada a atividade exercida, nem nos
benefícios concedidos pela Lei Estadual, que possibilitou redução do ICMS
nos moldes do extinto Simples Gaúcho.
Câmara de
                                      Dirigentes
                                      Lojistas de Ijuí
ASSOC ÃO C ERC E INDUSTRIAL DE IJUÍ
     IAÇ  OM IAL




                   Na verdade, são estas empresas que vem lutando há
mais de três anos, de forma desesperada por uma sobrevivência digna, ao
invés do fechamento de empresas, causando assim o desemprego e a
diminuição de renda em suas comunidades.


                  Diversos são os setores que enfrentam um grande
desafio para se manter e até expandir. Para exemplificar, usamos a classe
das Microcervejarias, que se caracterizam por produzir cervejas regionais e
chopes, em pequenos volumes, explorando sabores e estilos que não são
produzidos pelas grandes industrias cervejeiras.

                    A carga tributária, por exemplo, de uma cervejaria que
produzir dez mil litros por mês é de seis mil litros, sobrando quatro mil
litros para pagar matéria-prima, funcionários, instalações, remuneração do
investimento, etc... o que torna inviável o negócio.


                  Apesar de as microcervejarias se enquadrarem
perfeitamente como micro empresas e ou empresas de pequeno porte, elas
são impedidas de optarem pelo Sistema Tributário do “Simples”, da mesma
forma de que as distribuidoras de cervejas, prejudicando mortalmente a sua
sobrevivência financeira.

                  Outros setores de atividades econômicas não
enquadradas no Simples Nacional, aonde a carga tributária nos diversos
segmentos de atividades impeditivas de enquadramento do Simples
Nacional chega a média de 46% a 48% do seu faturamento bruto, tomando-
se também inviável a continuidade destes setores produtivos.




DAS REIVINDICAÇÕES POSTULADAS:

                As entidades de classe: ASSOCIAÇÃO COMERCIAL
E INDUSTRIAL, SINDILOJAS e CDL, da região noroeste do Estado,
em DEFESA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, acreditando
que através de um Projeto de Lei apresentado ao Governo Federal e
Câmara de
                                                        Dirigentes
                                                        Lojistas de Ijuí
ASSOC ÃO C ERC E INDUSTRIAL DE IJUÍ
     IAÇ  OM IAL




discutido entre as lideranças que realmente representam os micro e
pequenos empresários do Rio Grande do Sul, como é o caso que está sendo
lançado hoje em Ijuí, junto ao Excelentíssimo Senhor Deputado Federal
Jerônimo Goergen, é o que se pode mudar o quadro acima descrito.


                   Isto posto, remetem a V. Exa., as seguintes
reivindicações, inclusive as postas em anexo, para que sirvam como
subsídio para elaboração do Projeto de Lei de sua autoria. Lembramos
que essas sugestões foram elencadas em reuniões locais em entidades dos
municípios da região. Como meio de manter a competitividade e as portas
abertas de nossas micro e pequenas empresas, desde já agradecemos a
atenção dispensada e nos colocamos a inteira disposição para auxiliar na
busca de alternativas que possam vir ao encontro de todos, pois só assim
construiremos um país melhor,

                                      Requerendo que:


                   - Seja possibilitado o enquadramento das micro e
pequenas empresas no Sistema do Simples Nacional tão somente com
base no faturamento, indistintamente do ramo de atividade, que é a
definição considerada e prevista na Lei Geral das Micro e Pequenas
Empresas que foi promulgado em dezembro de 2006, com base no
faturamento anual, no máximo de R$ 240 mil para as ME e R$ 2,4 milhões
anualmente para as EPPs, como meio do corrigir a discriminação existente
no sistema de tributação, a nível nacional, restabelecendo a construção de
uma matriz tributária justa e digna aos pequenos empreendedores.


                  - Possibilidade do aumento do limite de enquadramento
do Simples Nacional, tão somente com base no faturamento anual para as
Micros Empresas de R$ 240.000,00 para R$ 360.000,00 e das Empresas de
Pequeno Porte de R$ 2.400.000,00 para R$ 3.600.000,00 anualmente. A
partir do faturamento anual de R$ 3.600.000,00 até R$ 6.000.000,00 por
um período de transição, seja mantida as EPPs do Simples Nacional sem
perder o enquadramento no Sistema de Arrecadação Unificada, mediante
Câmara de
                                                      Dirigentes
                                                      Lojistas de Ijuí
ASSOC ÃO C ERC E INDUSTRIAL DE IJUÍ
     IAÇ  OM IAL




aplicação de alíquotas diferenciadas como meio de possibilitar o
desenvolvimento destas empresas.




Renovamos nossos votos de estima e distintas considerações.



                                      _________________________________

          Associação Comercial e Industrial de Ijuí representando as demais



                                      ______________________________

                            Câmara Dir. Lojista de Ijuí representando as demais



                                      _____________________________

            Sindicato do Comércio Varejista de Ijuí representando as demais




                                                ANEXO
      RESUMO DAS REIVINDICAÇÕES DE ENTIDADES DA REGIÃO
        NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL QUE
      ADERIRAM COM MAIOR FREQUÊNCIA NAS REUNIÕES DAS
                         ENTIDADES
Câmara de
                                       Dirigentes
                                       Lojistas de Ijuí
ASSOC ÃO C ERC E INDUSTRIAL DE IJUÍ
     IAÇ  OM IAL




1.Atualização monetária automática ANUAL, a partir de 2012, dos valores
das faixas de tributação e limites de enquadramentos das ME e EPP no
SIMPLES NACIONAL, pelos índices de inflação (INPC ou IGPM);

Para 2012 (enquadramentos):

-Aumento da receita da ME de R$ 240 mil para R$ 360 mil;

-Aumento do intervalo de receita da EPP de passando de (maior que R$
240 mil e menor que R$ 2,4 milhões) para (maior que R$ 360 mil e menor
que R$ 3,6 milhões);

2. Políticas de acesso as ME e EPP nas compras governamentais;

3. Políticas para capacitação e inovação empreendedora e tecnológica para
proprietários de ME e EPP, com incentivos fiscais para o empresário
participante;

4. Redução total de taxas, emolumentos e demais custos relativos à
abertura, à inscrição, ao registro, ao funcionamento, ao alvará, à licença, às
fiscalizações, ao cadastro, alterações e procedimentos de baixa e
encerramento em qualquer órgão, tanto municipal, estadual ou federal;

5. Microempreendedor Individual – MEI: Possibilidade de inscrição
estadual para emissão de Nota Fiscal para venda de mercadoria;

6. Substituição Tributária: Os bens e serviços adquiridos, tomados,
produzidos, revendidos ou prestados ME ou EPP optante pelo Simples
Nacional não serão sujeitos a Substituição Tributária ou a Retenção na
Fonte;

7. Aquisições em outros Estados: não haverá o recolhimento do diferencial
de alíquota do ICMS (5%);

8. Não vedação de opção ao SIMPLES NACIONAL de qualquer atividade
prestadora de serviço com receita bruta dentro dos limites da EPP;

9. Programa Simplificado para parcelamento de débitos de empresas
inscritas no Simples Nacional, tanto municipal, estadual e federal; REFIS-
Câmara de
                                      Dirigentes
                                      Lojistas de Ijuí
ASSOC ÃO C ERC E INDUSTRIAL DE IJUÍ
     IAÇ  OM IAL




Refinanciamento de débitos em atraso desde 01/07/2007 até a presente
data, com os mesmos descontos de multa e juros obtidas pela Lei 11.941;

10. Abatimento dos gastos com a compra de Equipamentos para emissão de
nota fiscal eletrônica ou cupom fiscal nos tributos do Simples Nacional;

11. Que seja incluído o ramo de Representação Comercial no SIMPLES;

12. Aumento do faturamento anual de R$ 2.400.000 para R$ 3.000.000, e
redução dos percentuais da tabela do simples nacional;

13. A inclusão de todas as atividades pelo faturamento e não pela atividade
que exerce.

14. A ampliação da faixa limite do faturamento anual para um Milhão para
as micro empresas, e cinco milhões para pequenas empresas.

15. Alteração do artigo que exclui as micro empresas as empresas
prestadores de serviços compostas por profissionais com profissões
regulamentadas permitindo que todas as empresas micro e pequenas
empresas prestadoras de serviços possam ser optantes do simples.




                     DEMAIS ANSEIOS E QUESTIONAMENTOS
                     LEVANTADOS EM REUNIÕES REGIONAIS
Câmara de
                                      Dirigentes
                                      Lojistas de Ijuí
ASSOC ÃO C ERC E INDUSTRIAL DE IJUÍ
     IAÇ  OM IAL




1.Foi instituído o EFD Pis/Cofins, onde exige que cada empresa contabilize
os seus livros fiscais, produto por produto, com toda a cadeia de cálculo de
Pis e Cofins, ICMS, IPI, ETC..., produto por produto. Em janeiro começou
para o Lucro Real das empresas de grande porte; em julho para todas de
Lucro Real e a partir de janeiro do ano que vem para todas as do Lucro
Presumido e Arbitrado.



QUESTIONAMENTO: *A pergunta é:* Se todas (ou a grande parte) as
notas são emitidas por sistema eletrônico, onde o produto está na nota
fiscal, porque temos que fazer novamente este processo? Porque a receita
não busca no banco de notas fiscais eletrônicas em vez de passar para
empresa este tremendo ônus? Quem vai pagar este custo? Todas estas
empresas terão seus honorários dobrados. A multa mensal pela não entrega
é R$ 5.000,00. É um absurdo. A maioria dos escritórios não estão mais
aceitando fazer escritas de lucro real por isto.



2.Foi instituída na ditadura fiscal, o envio da SEFIP só com a Certificação
Digital. Dentro as novidades é que todas as empresas ou pessoas físicas que
tenham funcionários terão que fazer certificação digital. Até mesmo um
empregador de doméstica ou Microempreendedor Individual, que pague
FGTS terá que fazer certificação digital para poder remeter a SEFIP. É
Brincadeira. A Caixa que tem em seus produtos a venda de certificação
quer faturar pesado este ano com a venda compulsória de certificação
digital.




QUESTIONAMENTO: Por que não instituir uma procuração eletrônica
nos moldes da Receita Federal onde o cliente presencialmente outorga seu
contador a efetuar as transferências? Afinal é ele que preenche e é ele quem
transmite a SEFIP.
Câmara de
                                      Dirigentes
                                      Lojistas de Ijuí
ASSOC ÃO C ERC E INDUSTRIAL DE IJUÍ
     IAÇ  OM IAL




Outra novidade é a cobrança de multas por retificação de SEFIP. Se por
algum motivo eu omiti um recolhimento de um autônomo e tiver que
retificar, além da multa por atraso no recolhimento, tenho que pagar multa
retificação da SEFIP? A Caixa deixou de ser social e passou a procurar
meios fáceis de faturar.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A distribuição da água no planeta
A distribuição da água no planetaA distribuição da água no planeta
A distribuição da água no planeta
Mariana Cerveira
 
Ata de fundação e Estatuto oscipa
Ata de fundação e Estatuto oscipaAta de fundação e Estatuto oscipa
Ata de fundação e Estatuto oscipa
Mult3000
 
Modelo de carta de adesao
Modelo de carta de adesaoModelo de carta de adesao
Modelo de carta de adesao
carlosneder
 
Como escrever uma carta
Como escrever uma cartaComo escrever uma carta
Como escrever uma carta
23palmela
 
Oficio pedindo brindes
Oficio pedindo brindesOficio pedindo brindes
Oficio pedindo brindes
Marconildo Viegas
 
Exercicios contabilidade gabarito resolucao
Exercicios contabilidade gabarito resolucaoExercicios contabilidade gabarito resolucao
Exercicios contabilidade gabarito resolucao
capitulocontabil
 
Aula territorio e fronteiras do Brasil
Aula territorio e fronteiras do BrasilAula territorio e fronteiras do Brasil
Aula territorio e fronteiras do Brasil
tyromello
 
Cerimônia de posse
Cerimônia de posseCerimônia de posse
Cerimônia de posse
cejad
 
A inter relação entre espaço urbano e espaço rural
A inter relação entre espaço urbano e espaço ruralA inter relação entre espaço urbano e espaço rural
A inter relação entre espaço urbano e espaço rural
Idalina Leite
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
Geografia .
 
Módulo II - Cordel
Módulo II - CordelMódulo II - Cordel
Módulo II - Cordel
Bruna Maria
 
Solicita a instalação de um psf posto de saude de família no bairro união
Solicita  a   instalação de um psf   posto de saude de  família no bairro uniãoSolicita  a   instalação de um psf   posto de saude de  família no bairro união
Solicita a instalação de um psf posto de saude de família no bairro união
drtaylorjr
 
Modelo de requerimento de UC de usuários com autonomia limitada.
Modelo de requerimento de UC de usuários com autonomia limitada.Modelo de requerimento de UC de usuários com autonomia limitada.
Modelo de requerimento de UC de usuários com autonomia limitada.
apfheob
 
Ementa eletiva coracao
Ementa eletiva coracaoEmenta eletiva coracao
Ementa eletiva coracao
Janelindinha Sempre
 
Requerimento
RequerimentoRequerimento
Requerimento
secractualidade
 
Modelo de requerimento de desligamento de associado
Modelo de requerimento de desligamento de associadoModelo de requerimento de desligamento de associado
Modelo de requerimento de desligamento de associado
Associação dos Enfermeiros AECGR
 
IDH - Índice de Desenvolvimento Humano
IDH - Índice de Desenvolvimento HumanoIDH - Índice de Desenvolvimento Humano
IDH - Índice de Desenvolvimento Humano
Idalina Leite
 
2º ofício de solicitação de estagiário para consolidação de leis
2º ofício de solicitação de estagiário para consolidação de leis2º ofício de solicitação de estagiário para consolidação de leis
2º ofício de solicitação de estagiário para consolidação de leis
Heloisa Cerri
 
Evolução da população
Evolução da populaçãoEvolução da população
Evolução da população
elisabarbosa
 
Autorização de viagem para menores (modelo)
Autorização de viagem para menores (modelo)Autorização de viagem para menores (modelo)
Autorização de viagem para menores (modelo)
De Turista a Viajante
 

Mais procurados (20)

A distribuição da água no planeta
A distribuição da água no planetaA distribuição da água no planeta
A distribuição da água no planeta
 
Ata de fundação e Estatuto oscipa
Ata de fundação e Estatuto oscipaAta de fundação e Estatuto oscipa
Ata de fundação e Estatuto oscipa
 
Modelo de carta de adesao
Modelo de carta de adesaoModelo de carta de adesao
Modelo de carta de adesao
 
Como escrever uma carta
Como escrever uma cartaComo escrever uma carta
Como escrever uma carta
 
Oficio pedindo brindes
Oficio pedindo brindesOficio pedindo brindes
Oficio pedindo brindes
 
Exercicios contabilidade gabarito resolucao
Exercicios contabilidade gabarito resolucaoExercicios contabilidade gabarito resolucao
Exercicios contabilidade gabarito resolucao
 
Aula territorio e fronteiras do Brasil
Aula territorio e fronteiras do BrasilAula territorio e fronteiras do Brasil
Aula territorio e fronteiras do Brasil
 
Cerimônia de posse
Cerimônia de posseCerimônia de posse
Cerimônia de posse
 
A inter relação entre espaço urbano e espaço rural
A inter relação entre espaço urbano e espaço ruralA inter relação entre espaço urbano e espaço rural
A inter relação entre espaço urbano e espaço rural
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
Módulo II - Cordel
Módulo II - CordelMódulo II - Cordel
Módulo II - Cordel
 
Solicita a instalação de um psf posto de saude de família no bairro união
Solicita  a   instalação de um psf   posto de saude de  família no bairro uniãoSolicita  a   instalação de um psf   posto de saude de  família no bairro união
Solicita a instalação de um psf posto de saude de família no bairro união
 
Modelo de requerimento de UC de usuários com autonomia limitada.
Modelo de requerimento de UC de usuários com autonomia limitada.Modelo de requerimento de UC de usuários com autonomia limitada.
Modelo de requerimento de UC de usuários com autonomia limitada.
 
Ementa eletiva coracao
Ementa eletiva coracaoEmenta eletiva coracao
Ementa eletiva coracao
 
Requerimento
RequerimentoRequerimento
Requerimento
 
Modelo de requerimento de desligamento de associado
Modelo de requerimento de desligamento de associadoModelo de requerimento de desligamento de associado
Modelo de requerimento de desligamento de associado
 
IDH - Índice de Desenvolvimento Humano
IDH - Índice de Desenvolvimento HumanoIDH - Índice de Desenvolvimento Humano
IDH - Índice de Desenvolvimento Humano
 
2º ofício de solicitação de estagiário para consolidação de leis
2º ofício de solicitação de estagiário para consolidação de leis2º ofício de solicitação de estagiário para consolidação de leis
2º ofício de solicitação de estagiário para consolidação de leis
 
Evolução da população
Evolução da populaçãoEvolução da população
Evolução da população
 
Autorização de viagem para menores (modelo)
Autorização de viagem para menores (modelo)Autorização de viagem para menores (modelo)
Autorização de viagem para menores (modelo)
 

Destaque

Carta Agradecimento ao Deputado Veloso
Carta Agradecimento ao Deputado VelosoCarta Agradecimento ao Deputado Veloso
Carta Agradecimento ao Deputado Veloso
pmdbilheus
 
Modelo de carta formal e informal com exemplos
Modelo de carta formal e informal com exemplosModelo de carta formal e informal com exemplos
Modelo de carta formal e informal com exemplos
DicasFree
 
Ofício ao ministro da integração nacional
Ofício ao ministro da integração nacionalOfício ao ministro da integração nacional
Ofício ao ministro da integração nacional
Claudio Figueiredo
 
1008 modelo-de-ofício-versão-fiinal
1008 modelo-de-ofício-versão-fiinal1008 modelo-de-ofício-versão-fiinal
1008 modelo-de-ofício-versão-fiinal
luketes20
 
Carta formal e informal
Carta formal e informalCarta formal e informal
Carta formal e informal
Murtinheira1964
 
Email de agradecimento ao Deputado Veloso
Email de agradecimento ao Deputado VelosoEmail de agradecimento ao Deputado Veloso
Email de agradecimento ao Deputado Velosopmdbilheus
 
Carta Despedida Vivace
Carta Despedida VivaceCarta Despedida Vivace
Carta Despedida Vivace
Jamildo Melo
 
Curso Grátis Concurso INSS (Modelos de redações oficiais estruturas e funções)
Curso Grátis Concurso INSS (Modelos de redações oficiais estruturas e funções)Curso Grátis Concurso INSS (Modelos de redações oficiais estruturas e funções)
Curso Grátis Concurso INSS (Modelos de redações oficiais estruturas e funções)
Cris Marini
 
Livro 4ª edição
Livro 4ª ediçãoLivro 4ª edição
Livro 4ª edição
DEPUTADO CABO JULIO
 

Destaque (9)

Carta Agradecimento ao Deputado Veloso
Carta Agradecimento ao Deputado VelosoCarta Agradecimento ao Deputado Veloso
Carta Agradecimento ao Deputado Veloso
 
Modelo de carta formal e informal com exemplos
Modelo de carta formal e informal com exemplosModelo de carta formal e informal com exemplos
Modelo de carta formal e informal com exemplos
 
Ofício ao ministro da integração nacional
Ofício ao ministro da integração nacionalOfício ao ministro da integração nacional
Ofício ao ministro da integração nacional
 
1008 modelo-de-ofício-versão-fiinal
1008 modelo-de-ofício-versão-fiinal1008 modelo-de-ofício-versão-fiinal
1008 modelo-de-ofício-versão-fiinal
 
Carta formal e informal
Carta formal e informalCarta formal e informal
Carta formal e informal
 
Email de agradecimento ao Deputado Veloso
Email de agradecimento ao Deputado VelosoEmail de agradecimento ao Deputado Veloso
Email de agradecimento ao Deputado Veloso
 
Carta Despedida Vivace
Carta Despedida VivaceCarta Despedida Vivace
Carta Despedida Vivace
 
Curso Grátis Concurso INSS (Modelos de redações oficiais estruturas e funções)
Curso Grátis Concurso INSS (Modelos de redações oficiais estruturas e funções)Curso Grátis Concurso INSS (Modelos de redações oficiais estruturas e funções)
Curso Grátis Concurso INSS (Modelos de redações oficiais estruturas e funções)
 
Livro 4ª edição
Livro 4ª ediçãoLivro 4ª edição
Livro 4ª edição
 

Semelhante a Carta ao Deputado Jerônimo Goergen

Tributos para pequenas empresas
Tributos para pequenas empresasTributos para pequenas empresas
Tributos para pequenas empresas
custos contabil
 
O simples nacional provoca o recolhimento de tributos sobre a renda nas micro...
O simples nacional provoca o recolhimento de tributos sobre a renda nas micro...O simples nacional provoca o recolhimento de tributos sobre a renda nas micro...
O simples nacional provoca o recolhimento de tributos sobre a renda nas micro...
berbone
 
Lei Geral Monte Alegre- Pará - 2015
Lei  Geral Monte Alegre- Pará - 2015Lei  Geral Monte Alegre- Pará - 2015
Lei Geral Monte Alegre- Pará - 2015
Sebrae-PA
 
Abc sala empreendedor
Abc sala empreendedorAbc sala empreendedor
Abc sala empreendedor
Adriana Rigoni
 
MEI - Microempreendedor Individual
MEI - Microempreendedor IndividualMEI - Microempreendedor Individual
MEI - Microempreendedor Individual
Isabella Aragão Araújo
 
2050 sebraemg-palestras sebrae-mg - lei geral os novos benefícios da lei geral
2050 sebraemg-palestras sebrae-mg - lei geral os novos benefícios da lei geral2050 sebraemg-palestras sebrae-mg - lei geral os novos benefícios da lei geral
2050 sebraemg-palestras sebrae-mg - lei geral os novos benefícios da lei geral
zairazaira
 
Palestra Planejando A Abertura de sua Empresa 2009
Palestra Planejando A Abertura de sua Empresa 2009Palestra Planejando A Abertura de sua Empresa 2009
Palestra Planejando A Abertura de sua Empresa 2009
SEBRAE MS
 
Fevereiro e março de 2017
Fevereiro e março de 2017Fevereiro e março de 2017
Fevereiro e março de 2017
Aportesol
 
Simples[1]
Simples[1]Simples[1]
Simples[1]
Davi Jabes Lobo
 
Moção distrital jsd santarém xxi congresso nacional da jsd
Moção distrital jsd santarém   xxi congresso nacional da jsdMoção distrital jsd santarém   xxi congresso nacional da jsd
Moção distrital jsd santarém xxi congresso nacional da jsd
jsdstr
 
Impostos 04
Impostos 04Impostos 04
Impostos 04
razonetecontabil
 
O simples nacional
O simples nacionalO simples nacional
O simples nacional
Alberto Campos
 
aula diversa.pptx
aula diversa.pptxaula diversa.pptx
aula diversa.pptx
CleytonMoura3
 
Pronunciamento efeitos danosos da st sobre as micro e pequenas empresas
Pronunciamento efeitos danosos da st sobre as micro e pequenas empresasPronunciamento efeitos danosos da st sobre as micro e pequenas empresas
Pronunciamento efeitos danosos da st sobre as micro e pequenas empresas
armandosenador
 
Montarempresa
MontarempresaMontarempresa
Montarempresa
Penttágono
 
Cartilha Mei - Micro Empreendedor Individual
Cartilha Mei - Micro Empreendedor Individual Cartilha Mei - Micro Empreendedor Individual
Cartilha Mei - Micro Empreendedor Individual
Chico Macena
 
Material Escrito - Trabalho Acadêmico Simples Nacional
Material Escrito - Trabalho Acadêmico Simples NacionalMaterial Escrito - Trabalho Acadêmico Simples Nacional
Material Escrito - Trabalho Acadêmico Simples Nacional
ERICK THALIS SANTOS PINTO
 
Agente de Desenvolvimento Local, na economia de Guajará-AM
Agente de Desenvolvimento Local, na economia de Guajará-AMAgente de Desenvolvimento Local, na economia de Guajará-AM
Agente de Desenvolvimento Local, na economia de Guajará-AM
Augusto Rocha
 
Apostila adm pm es
Apostila  adm pm esApostila  adm pm es
Apostila adm pm es
José Carlos de Sousa Júnior
 
Aperfeçoamento do programa Super Simples
Aperfeçoamento do programa Super SimplesAperfeçoamento do programa Super Simples
Aperfeçoamento do programa Super Simples
Rafael Wiethorn
 

Semelhante a Carta ao Deputado Jerônimo Goergen (20)

Tributos para pequenas empresas
Tributos para pequenas empresasTributos para pequenas empresas
Tributos para pequenas empresas
 
O simples nacional provoca o recolhimento de tributos sobre a renda nas micro...
O simples nacional provoca o recolhimento de tributos sobre a renda nas micro...O simples nacional provoca o recolhimento de tributos sobre a renda nas micro...
O simples nacional provoca o recolhimento de tributos sobre a renda nas micro...
 
Lei Geral Monte Alegre- Pará - 2015
Lei  Geral Monte Alegre- Pará - 2015Lei  Geral Monte Alegre- Pará - 2015
Lei Geral Monte Alegre- Pará - 2015
 
Abc sala empreendedor
Abc sala empreendedorAbc sala empreendedor
Abc sala empreendedor
 
MEI - Microempreendedor Individual
MEI - Microempreendedor IndividualMEI - Microempreendedor Individual
MEI - Microempreendedor Individual
 
2050 sebraemg-palestras sebrae-mg - lei geral os novos benefícios da lei geral
2050 sebraemg-palestras sebrae-mg - lei geral os novos benefícios da lei geral2050 sebraemg-palestras sebrae-mg - lei geral os novos benefícios da lei geral
2050 sebraemg-palestras sebrae-mg - lei geral os novos benefícios da lei geral
 
Palestra Planejando A Abertura de sua Empresa 2009
Palestra Planejando A Abertura de sua Empresa 2009Palestra Planejando A Abertura de sua Empresa 2009
Palestra Planejando A Abertura de sua Empresa 2009
 
Fevereiro e março de 2017
Fevereiro e março de 2017Fevereiro e março de 2017
Fevereiro e março de 2017
 
Simples[1]
Simples[1]Simples[1]
Simples[1]
 
Moção distrital jsd santarém xxi congresso nacional da jsd
Moção distrital jsd santarém   xxi congresso nacional da jsdMoção distrital jsd santarém   xxi congresso nacional da jsd
Moção distrital jsd santarém xxi congresso nacional da jsd
 
Impostos 04
Impostos 04Impostos 04
Impostos 04
 
O simples nacional
O simples nacionalO simples nacional
O simples nacional
 
aula diversa.pptx
aula diversa.pptxaula diversa.pptx
aula diversa.pptx
 
Pronunciamento efeitos danosos da st sobre as micro e pequenas empresas
Pronunciamento efeitos danosos da st sobre as micro e pequenas empresasPronunciamento efeitos danosos da st sobre as micro e pequenas empresas
Pronunciamento efeitos danosos da st sobre as micro e pequenas empresas
 
Montarempresa
MontarempresaMontarempresa
Montarempresa
 
Cartilha Mei - Micro Empreendedor Individual
Cartilha Mei - Micro Empreendedor Individual Cartilha Mei - Micro Empreendedor Individual
Cartilha Mei - Micro Empreendedor Individual
 
Material Escrito - Trabalho Acadêmico Simples Nacional
Material Escrito - Trabalho Acadêmico Simples NacionalMaterial Escrito - Trabalho Acadêmico Simples Nacional
Material Escrito - Trabalho Acadêmico Simples Nacional
 
Agente de Desenvolvimento Local, na economia de Guajará-AM
Agente de Desenvolvimento Local, na economia de Guajará-AMAgente de Desenvolvimento Local, na economia de Guajará-AM
Agente de Desenvolvimento Local, na economia de Guajará-AM
 
Apostila adm pm es
Apostila  adm pm esApostila  adm pm es
Apostila adm pm es
 
Aperfeçoamento do programa Super Simples
Aperfeçoamento do programa Super SimplesAperfeçoamento do programa Super Simples
Aperfeçoamento do programa Super Simples
 

Mais de ijuicom

Sentenca latrocinio
Sentenca latrocinioSentenca latrocinio
Sentenca latrocinio
ijuicom
 
Lei Orçamentária 2013
Lei Orçamentária 2013 Lei Orçamentária 2013
Lei Orçamentária 2013
ijuicom
 
Ijui rede vereador
Ijui rede vereadorIjui rede vereador
Ijui rede vereador
ijuicom
 
Ijui rede prefeito
Ijui rede prefeitoIjui rede prefeito
Ijui rede prefeito
ijuicom
 
Lei n-12619-de-30-de-abril-de-2012
Lei n-12619-de-30-de-abril-de-2012Lei n-12619-de-30-de-abril-de-2012
Lei n-12619-de-30-de-abril-de-2012
ijuicom
 
Alunos aprovados no vestibular 1
Alunos aprovados no vestibular 1Alunos aprovados no vestibular 1
Alunos aprovados no vestibular 1
ijuicom
 
Nota oficial (prefeitura)
Nota oficial (prefeitura)Nota oficial (prefeitura)
Nota oficial (prefeitura)ijuicom
 
Nota oficial (prefeitura)
Nota oficial (prefeitura)Nota oficial (prefeitura)
Nota oficial (prefeitura)ijuicom
 
Emendas do plano diretor 1
Emendas do plano diretor 1Emendas do plano diretor 1
Emendas do plano diretor 1
ijuicom
 
Projeto de lei plano diretor
Projeto de lei   plano diretorProjeto de lei   plano diretor
Projeto de lei plano diretor
ijuicom
 
Emendas do plano diretor
Emendas do plano diretorEmendas do plano diretor
Emendas do plano diretor
ijuicom
 
6.855 Revisão Servidores Câmara
6.855   Revisão Servidores Câmara6.855   Revisão Servidores Câmara
6.855 Revisão Servidores Câmara
ijuicom
 
6.854 Revisao Subsídio Vereadores
6.854   Revisao Subsídio Vereadores6.854   Revisao Subsídio Vereadores
6.854 Revisao Subsídio Vereadores
ijuicom
 
6.853 revisao subsidio prefeito e vice
6.853   revisao subsidio prefeito e vice6.853   revisao subsidio prefeito e vice
6.853 revisao subsidio prefeito e vice
ijuicom
 
6.852 revisao subsidio secretarios
6.852   revisao subsidio secretarios6.852   revisao subsidio secretarios
6.852 revisao subsidio secretarios
ijuicom
 
6.851 fixa valor padr+úo 1 demei
6.851   fixa valor padr+úo 1 demei6.851   fixa valor padr+úo 1 demei
6.851 fixa valor padr+úo 1 demei
ijuicom
 
Salários março 2012 2
Salários março 2012 2Salários março 2012 2
Salários março 2012 2ijuicom
 
Vestibular dezembro 2011_ufsm_lista_dos_classificados
Vestibular dezembro 2011_ufsm_lista_dos_classificadosVestibular dezembro 2011_ufsm_lista_dos_classificados
Vestibular dezembro 2011_ufsm_lista_dos_classificados
ijuicom
 
Relatrio social expo 2011
Relatrio social expo 2011 Relatrio social expo 2011
Relatrio social expo 2011
ijuicom
 
Classificados vv 2012 presencial pdf 1
Classificados vv 2012 presencial pdf 1Classificados vv 2012 presencial pdf 1
Classificados vv 2012 presencial pdf 1ijuicom
 

Mais de ijuicom (20)

Sentenca latrocinio
Sentenca latrocinioSentenca latrocinio
Sentenca latrocinio
 
Lei Orçamentária 2013
Lei Orçamentária 2013 Lei Orçamentária 2013
Lei Orçamentária 2013
 
Ijui rede vereador
Ijui rede vereadorIjui rede vereador
Ijui rede vereador
 
Ijui rede prefeito
Ijui rede prefeitoIjui rede prefeito
Ijui rede prefeito
 
Lei n-12619-de-30-de-abril-de-2012
Lei n-12619-de-30-de-abril-de-2012Lei n-12619-de-30-de-abril-de-2012
Lei n-12619-de-30-de-abril-de-2012
 
Alunos aprovados no vestibular 1
Alunos aprovados no vestibular 1Alunos aprovados no vestibular 1
Alunos aprovados no vestibular 1
 
Nota oficial (prefeitura)
Nota oficial (prefeitura)Nota oficial (prefeitura)
Nota oficial (prefeitura)
 
Nota oficial (prefeitura)
Nota oficial (prefeitura)Nota oficial (prefeitura)
Nota oficial (prefeitura)
 
Emendas do plano diretor 1
Emendas do plano diretor 1Emendas do plano diretor 1
Emendas do plano diretor 1
 
Projeto de lei plano diretor
Projeto de lei   plano diretorProjeto de lei   plano diretor
Projeto de lei plano diretor
 
Emendas do plano diretor
Emendas do plano diretorEmendas do plano diretor
Emendas do plano diretor
 
6.855 Revisão Servidores Câmara
6.855   Revisão Servidores Câmara6.855   Revisão Servidores Câmara
6.855 Revisão Servidores Câmara
 
6.854 Revisao Subsídio Vereadores
6.854   Revisao Subsídio Vereadores6.854   Revisao Subsídio Vereadores
6.854 Revisao Subsídio Vereadores
 
6.853 revisao subsidio prefeito e vice
6.853   revisao subsidio prefeito e vice6.853   revisao subsidio prefeito e vice
6.853 revisao subsidio prefeito e vice
 
6.852 revisao subsidio secretarios
6.852   revisao subsidio secretarios6.852   revisao subsidio secretarios
6.852 revisao subsidio secretarios
 
6.851 fixa valor padr+úo 1 demei
6.851   fixa valor padr+úo 1 demei6.851   fixa valor padr+úo 1 demei
6.851 fixa valor padr+úo 1 demei
 
Salários março 2012 2
Salários março 2012 2Salários março 2012 2
Salários março 2012 2
 
Vestibular dezembro 2011_ufsm_lista_dos_classificados
Vestibular dezembro 2011_ufsm_lista_dos_classificadosVestibular dezembro 2011_ufsm_lista_dos_classificados
Vestibular dezembro 2011_ufsm_lista_dos_classificados
 
Relatrio social expo 2011
Relatrio social expo 2011 Relatrio social expo 2011
Relatrio social expo 2011
 
Classificados vv 2012 presencial pdf 1
Classificados vv 2012 presencial pdf 1Classificados vv 2012 presencial pdf 1
Classificados vv 2012 presencial pdf 1
 

Último

Orientações para utilizar Drone no espaço Brasil
Orientações para utilizar Drone no espaço BrasilOrientações para utilizar Drone no espaço Brasil
Orientações para utilizar Drone no espaço Brasil
EliakimArajo2
 
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptxComo fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
tnrlucas
 
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Annelise Gripp
 
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdfPor que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Ian Oliveira
 
Gestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefíciosGestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefícios
Rafael Santos
 
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product ownerPRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
anpproferick
 
Teoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .docTeoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .doc
anpproferick
 

Último (7)

Orientações para utilizar Drone no espaço Brasil
Orientações para utilizar Drone no espaço BrasilOrientações para utilizar Drone no espaço Brasil
Orientações para utilizar Drone no espaço Brasil
 
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptxComo fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
 
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
 
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdfPor que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
 
Gestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefíciosGestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefícios
 
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product ownerPRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
 
Teoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .docTeoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .doc
 

Carta ao Deputado Jerônimo Goergen

  • 1. Câmara de Dirigentes Lojistas de Ijuí ASSOC ÃO C ERC E INDUSTRIAL DE IJUÍ IAÇ OM IAL CARTA DE IJUÍ – UNIÃO POR UMA SOLUÇÃO Ijuí/RS, 01 de julho de 2011. Excelentíssimo Senhor Deputado Federal Jerônimo Goergen M. D. Relator da Sub-Comissão das Micro e Pequenas Empresas da Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados Brasilia-DF Prezado Senhor. As Associações Comerciais e Industriais e demais Congêneres da Região Noroeste do Estado, juntamente com os Sindicatos do Comércio Varejista e das Câmaras de Dirigentes Lojistas, que representam as micros e pequenas empresas de nossa região, ao cumprimentá-lo cordialmente, vêem, respeitosamente, agradecer a V. Exa., pela atenção dedicada ao assunto tributário das ME e EPP, que visa buscar um novo rumo para uma diferenciação tributária que beneficie essas empresas de pequeno porte, através de projeto de vossa autoria junto a Câmara dos Deputados.
  • 2. Câmara de Dirigentes Lojistas de Ijuí ASSOC ÃO C ERC E INDUSTRIAL DE IJUÍ IAÇ OM IAL Estas entidades representativas da classe patronal, apresentam a V. Exa., uma Carta de Reivindicações e propostas para debater ações que possam ser realizadas afim de sensibilizar o Governo Federal para a busca de uma solução. Assim, as entidades signatárias, vem através desta, manifestar preocupação referente a carga tributária imposta as micro e pequenas empresas de nosso Estado, pois mais de 5 mil empresas que representamos na região noroeste, a grande maioria é formada por estabelecimentos deste porte. Sabemos que no Rio Grande do Sul, esses empreendimentos representam mais de 80% das empresas do Estado e que ao longo dos anos, através de muito diálogo conquistaram os benefícios do “SIMPLES GAÚCHO”, o qual foi extinto a partir de 01 de julho de 2007, com a entrada do SIMPLES NACIONAL, provocando um retrocesso histórico, responsável pelo aumento da carga tributária, fechamento de empresas e até a ida de muitos destes empreendedores para a informalidade, causando desemprego e diminuição do poder de concorrência por parte das micro e pequenas empresas, em suas comunidades locais, diante da concorrências de grandes empresas que não foram afetadas por esta situação, aumentando ainda mais as dificuldades destes empreendedores. É nosso dever ressaltar que as micro e pequenas empresas vêm sendo há muito tempo alvo de atenção de análise econômicas devido ao seu potencial de geração de emprego e renda. Esta atenção se intensifica á medida em que os atributos de flexibilidade e rapidez de adaptação ás demandas do mercado tornam-se mais necessárias em mundo globalizado, que assim sendo, faz necessário políticas voltadas a criação e manutenção destas, através de diferenciação tributária, para que estas empresas possam ter um instrumento de estímulo e crescimento e à competitividade dentro das comunidades em que atuam.
  • 3. Câmara de Dirigentes Lojistas de Ijuí ASSOC ÃO C ERC E INDUSTRIAL DE IJUÍ IAÇ OM IAL Na verdade, a luta por redução de impostos dos micro e pequenos empresários, está na recuperação dos benefícios perdidos entre o sistema em vigor de tributação e o anterior, que foi revogado a partir de 01/07/2007. - Até 1º de julho de 2007, havia o Simples Gaúcho, com redução das alíquotas do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e o Simples Federal, com benefícios em impostos federais; - A partir de julho, passou a vigorar o Simples Nacional, conhecido como Supersimples, unificando impostos federais, estaduais e municipais. Com isso, automaticamente, o Simples Gaúcho terminou; - Restaram duas opções: o Supersimples e o Sistema Geral de Lucro Presumido ou Lucro Real; - As alíquotas do ICMS do Supersimples foram maiores do que o antigo Simples Gaúcho, gerando um impacto sobre as micro e pequenas empresas, além de perderem direito a isenção fiscais no ICMS, por causa disso; - Para restabelecer parte dos antigos benefícios para as pequenas empresas estabelecidas do Estado, desde, que estejam enquadradas no Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos (Supersimples), o Governo Estadual, instituiu por Lei Estadual, percentuais de redução do ICMS, de acordo com o faturamento dos 12 meses anteriores; - O impacto maior sobre as micro e pequenas empresas está naquelas empresas que não conseguiram se enquadrar a partir de julho de 2007 no Simples Nacional (Unificação dos impostos federais, estaduais e municipais) em face da restrição vinculada a atividade exercida, nem nos benefícios concedidos pela Lei Estadual, que possibilitou redução do ICMS nos moldes do extinto Simples Gaúcho.
  • 4. Câmara de Dirigentes Lojistas de Ijuí ASSOC ÃO C ERC E INDUSTRIAL DE IJUÍ IAÇ OM IAL Na verdade, são estas empresas que vem lutando há mais de três anos, de forma desesperada por uma sobrevivência digna, ao invés do fechamento de empresas, causando assim o desemprego e a diminuição de renda em suas comunidades. Diversos são os setores que enfrentam um grande desafio para se manter e até expandir. Para exemplificar, usamos a classe das Microcervejarias, que se caracterizam por produzir cervejas regionais e chopes, em pequenos volumes, explorando sabores e estilos que não são produzidos pelas grandes industrias cervejeiras. A carga tributária, por exemplo, de uma cervejaria que produzir dez mil litros por mês é de seis mil litros, sobrando quatro mil litros para pagar matéria-prima, funcionários, instalações, remuneração do investimento, etc... o que torna inviável o negócio. Apesar de as microcervejarias se enquadrarem perfeitamente como micro empresas e ou empresas de pequeno porte, elas são impedidas de optarem pelo Sistema Tributário do “Simples”, da mesma forma de que as distribuidoras de cervejas, prejudicando mortalmente a sua sobrevivência financeira. Outros setores de atividades econômicas não enquadradas no Simples Nacional, aonde a carga tributária nos diversos segmentos de atividades impeditivas de enquadramento do Simples Nacional chega a média de 46% a 48% do seu faturamento bruto, tomando- se também inviável a continuidade destes setores produtivos. DAS REIVINDICAÇÕES POSTULADAS: As entidades de classe: ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL, SINDILOJAS e CDL, da região noroeste do Estado, em DEFESA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, acreditando que através de um Projeto de Lei apresentado ao Governo Federal e
  • 5. Câmara de Dirigentes Lojistas de Ijuí ASSOC ÃO C ERC E INDUSTRIAL DE IJUÍ IAÇ OM IAL discutido entre as lideranças que realmente representam os micro e pequenos empresários do Rio Grande do Sul, como é o caso que está sendo lançado hoje em Ijuí, junto ao Excelentíssimo Senhor Deputado Federal Jerônimo Goergen, é o que se pode mudar o quadro acima descrito. Isto posto, remetem a V. Exa., as seguintes reivindicações, inclusive as postas em anexo, para que sirvam como subsídio para elaboração do Projeto de Lei de sua autoria. Lembramos que essas sugestões foram elencadas em reuniões locais em entidades dos municípios da região. Como meio de manter a competitividade e as portas abertas de nossas micro e pequenas empresas, desde já agradecemos a atenção dispensada e nos colocamos a inteira disposição para auxiliar na busca de alternativas que possam vir ao encontro de todos, pois só assim construiremos um país melhor, Requerendo que: - Seja possibilitado o enquadramento das micro e pequenas empresas no Sistema do Simples Nacional tão somente com base no faturamento, indistintamente do ramo de atividade, que é a definição considerada e prevista na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas que foi promulgado em dezembro de 2006, com base no faturamento anual, no máximo de R$ 240 mil para as ME e R$ 2,4 milhões anualmente para as EPPs, como meio do corrigir a discriminação existente no sistema de tributação, a nível nacional, restabelecendo a construção de uma matriz tributária justa e digna aos pequenos empreendedores. - Possibilidade do aumento do limite de enquadramento do Simples Nacional, tão somente com base no faturamento anual para as Micros Empresas de R$ 240.000,00 para R$ 360.000,00 e das Empresas de Pequeno Porte de R$ 2.400.000,00 para R$ 3.600.000,00 anualmente. A partir do faturamento anual de R$ 3.600.000,00 até R$ 6.000.000,00 por um período de transição, seja mantida as EPPs do Simples Nacional sem perder o enquadramento no Sistema de Arrecadação Unificada, mediante
  • 6. Câmara de Dirigentes Lojistas de Ijuí ASSOC ÃO C ERC E INDUSTRIAL DE IJUÍ IAÇ OM IAL aplicação de alíquotas diferenciadas como meio de possibilitar o desenvolvimento destas empresas. Renovamos nossos votos de estima e distintas considerações. _________________________________ Associação Comercial e Industrial de Ijuí representando as demais ______________________________ Câmara Dir. Lojista de Ijuí representando as demais _____________________________ Sindicato do Comércio Varejista de Ijuí representando as demais ANEXO RESUMO DAS REIVINDICAÇÕES DE ENTIDADES DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL QUE ADERIRAM COM MAIOR FREQUÊNCIA NAS REUNIÕES DAS ENTIDADES
  • 7. Câmara de Dirigentes Lojistas de Ijuí ASSOC ÃO C ERC E INDUSTRIAL DE IJUÍ IAÇ OM IAL 1.Atualização monetária automática ANUAL, a partir de 2012, dos valores das faixas de tributação e limites de enquadramentos das ME e EPP no SIMPLES NACIONAL, pelos índices de inflação (INPC ou IGPM); Para 2012 (enquadramentos): -Aumento da receita da ME de R$ 240 mil para R$ 360 mil; -Aumento do intervalo de receita da EPP de passando de (maior que R$ 240 mil e menor que R$ 2,4 milhões) para (maior que R$ 360 mil e menor que R$ 3,6 milhões); 2. Políticas de acesso as ME e EPP nas compras governamentais; 3. Políticas para capacitação e inovação empreendedora e tecnológica para proprietários de ME e EPP, com incentivos fiscais para o empresário participante; 4. Redução total de taxas, emolumentos e demais custos relativos à abertura, à inscrição, ao registro, ao funcionamento, ao alvará, à licença, às fiscalizações, ao cadastro, alterações e procedimentos de baixa e encerramento em qualquer órgão, tanto municipal, estadual ou federal; 5. Microempreendedor Individual – MEI: Possibilidade de inscrição estadual para emissão de Nota Fiscal para venda de mercadoria; 6. Substituição Tributária: Os bens e serviços adquiridos, tomados, produzidos, revendidos ou prestados ME ou EPP optante pelo Simples Nacional não serão sujeitos a Substituição Tributária ou a Retenção na Fonte; 7. Aquisições em outros Estados: não haverá o recolhimento do diferencial de alíquota do ICMS (5%); 8. Não vedação de opção ao SIMPLES NACIONAL de qualquer atividade prestadora de serviço com receita bruta dentro dos limites da EPP; 9. Programa Simplificado para parcelamento de débitos de empresas inscritas no Simples Nacional, tanto municipal, estadual e federal; REFIS-
  • 8. Câmara de Dirigentes Lojistas de Ijuí ASSOC ÃO C ERC E INDUSTRIAL DE IJUÍ IAÇ OM IAL Refinanciamento de débitos em atraso desde 01/07/2007 até a presente data, com os mesmos descontos de multa e juros obtidas pela Lei 11.941; 10. Abatimento dos gastos com a compra de Equipamentos para emissão de nota fiscal eletrônica ou cupom fiscal nos tributos do Simples Nacional; 11. Que seja incluído o ramo de Representação Comercial no SIMPLES; 12. Aumento do faturamento anual de R$ 2.400.000 para R$ 3.000.000, e redução dos percentuais da tabela do simples nacional; 13. A inclusão de todas as atividades pelo faturamento e não pela atividade que exerce. 14. A ampliação da faixa limite do faturamento anual para um Milhão para as micro empresas, e cinco milhões para pequenas empresas. 15. Alteração do artigo que exclui as micro empresas as empresas prestadores de serviços compostas por profissionais com profissões regulamentadas permitindo que todas as empresas micro e pequenas empresas prestadoras de serviços possam ser optantes do simples. DEMAIS ANSEIOS E QUESTIONAMENTOS LEVANTADOS EM REUNIÕES REGIONAIS
  • 9. Câmara de Dirigentes Lojistas de Ijuí ASSOC ÃO C ERC E INDUSTRIAL DE IJUÍ IAÇ OM IAL 1.Foi instituído o EFD Pis/Cofins, onde exige que cada empresa contabilize os seus livros fiscais, produto por produto, com toda a cadeia de cálculo de Pis e Cofins, ICMS, IPI, ETC..., produto por produto. Em janeiro começou para o Lucro Real das empresas de grande porte; em julho para todas de Lucro Real e a partir de janeiro do ano que vem para todas as do Lucro Presumido e Arbitrado. QUESTIONAMENTO: *A pergunta é:* Se todas (ou a grande parte) as notas são emitidas por sistema eletrônico, onde o produto está na nota fiscal, porque temos que fazer novamente este processo? Porque a receita não busca no banco de notas fiscais eletrônicas em vez de passar para empresa este tremendo ônus? Quem vai pagar este custo? Todas estas empresas terão seus honorários dobrados. A multa mensal pela não entrega é R$ 5.000,00. É um absurdo. A maioria dos escritórios não estão mais aceitando fazer escritas de lucro real por isto. 2.Foi instituída na ditadura fiscal, o envio da SEFIP só com a Certificação Digital. Dentro as novidades é que todas as empresas ou pessoas físicas que tenham funcionários terão que fazer certificação digital. Até mesmo um empregador de doméstica ou Microempreendedor Individual, que pague FGTS terá que fazer certificação digital para poder remeter a SEFIP. É Brincadeira. A Caixa que tem em seus produtos a venda de certificação quer faturar pesado este ano com a venda compulsória de certificação digital. QUESTIONAMENTO: Por que não instituir uma procuração eletrônica nos moldes da Receita Federal onde o cliente presencialmente outorga seu contador a efetuar as transferências? Afinal é ele que preenche e é ele quem transmite a SEFIP.
  • 10. Câmara de Dirigentes Lojistas de Ijuí ASSOC ÃO C ERC E INDUSTRIAL DE IJUÍ IAÇ OM IAL Outra novidade é a cobrança de multas por retificação de SEFIP. Se por algum motivo eu omiti um recolhimento de um autônomo e tiver que retificar, além da multa por atraso no recolhimento, tenho que pagar multa retificação da SEFIP? A Caixa deixou de ser social e passou a procurar meios fáceis de faturar.