SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Baixar para ler offline
A Área de Organização e Métodos

1. Introdução
Em decorrência do crescimento das organizações em termos de tamanho e de
complexidade, foram surgindo problemas estruturais de difícil solução, desvios em relação
aos objetivos previamente determinados, além de defasagem de técnicas e processos.
Tal constatação passou a exigir dessas organizações uma atitude de constante atenção
aos anseios da sociedade paralelamente à revisão e ao controle interno.
Embora a Revolução Industrial tenha incutido na mente dos administradores uma
relativa preocupação com técnicas e processos incrementadores da produtividade e da
produção - uma espécie de organização da produção, o tratamento científico dessas
questões só tomou pulso a partir do final do século passado, notadamente através dos
estudos de Taylor e Fayol e de outros precursores da área.
Desde cedo, verificou-se que os estudos científicos voltados para a elevação dos
níveis de produtividade e de eficiência organizacionais tinham que se concentrar no
elemento fundamental de qualquer processo produtivo: o homem. Deveriam ser criadas
condições que lhe permitissem o máximo do seu rendimento físico e intelectual;
condições capazes, principalmente, de mantê-lo satisfeito, por um lado, e motivado, por
outro.
Tudo isso visava a um objetivo: criar organizações consistentes e mantê-las
funcionando harmonicamente.
Esses fatos engendraram o surgimento de uma nova área de especialização entre
as funções administrativas chamadas Organização e Métodos.
Essa expressão, usada, inicialmente, pelo norte-americano Thomas W. Wilson, foi
difundida na Inglaterra e em outros países europeus, chegando ao Brasil em 1955.

2. A Necessária Efetividade
Organização e Métodos, ou simplesmente O&M, como tem sido chamada, traz em
bojo a idéia de efetividade das coisas.
Tal idéia traduz a preocupação com o sentido lógico de cada operação e de cada
sistema; é o questionamento do:
•

Porquê;
Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas
Organização, Sistemas e Métodos
José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-1
•

Para quê.

Todo e qualquer empreendimento deve ter efetividade, precisa possuir razoes
lógicas de ser e conduzir a uma série de resultados esperados.
Seguindo a linha de raciocínio cartesiana, onde se alia uma atitude de constante
questionamento com a decomposição do todo em partes, o analista de O & M está
mentalmente armado de uma eficaz ferramenta para a análise organizacional.
Como roteiro que poderá ser seguido, sugerimos o quadro ao lado proposto
inicialmente, por Rudyard Kipling, aprimorado por César Cantanhece e expandido, depois
por A. Nogueira de Faria, entre outros.
Acrescentamos ao mesmo quadro algumas sugestões, tendo em vista,
principalmente, que as variáveis custo e qualidade tornaram-se, hoje fundamentais para a
preservação das empresas. Aqueles, devido às dificuldades econômicas por que passa o
mundo e, em particular, o nosso Pais, esta, devido à elevada concorrência que tem
havido entre empresas altamente especializadas, disputando um mercado ainda escasso.

3. Roteiro cartesiano para análise organizacional.
O que?

O que fazer?

Por que se faz?

Para que fazer?

O que deveria ser feito?
Cada elemento é necessário?

Quem?

Onde deveria ser feito?
Para onde se deveria enviar?

Quando se faz?

Quando deveria ser feito?
Qual o melhor instante?

Quanto se faz?

Quanto deveria ser feito?

Em quanto tempo se faz?

Como?

Onde se faz?

É feito a tempo?

Quanto?

Para quem deveria ser feito?

Para onde enviar?

Quando?

Por quem deveria ser feito?

Para quem faz?

Onde?

Quem faz?

Em quanto tempo deveria ser feito?

Como se faz?

Como deveria ser feito?
Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas
Organização, Sistemas e Métodos
José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-2
O método é prático?

Que método deveria ter sido usado?

Qual o custo? Quanto custa o que se faz?

Porque custa isto?

É o mínimo que poderia
custar?

Qualidade?

Quanto deveria custar?

O que se faz é de boa
qualidade?

Pode ser feito melhor?

A qualidade tem-se mantido ou Quais os meios para melhorar
melhorado?

a qualidade?

4. Função de Organização e Métodos (O&M)
É uma das funções especializadas de administração e uma das principais
responsáveis pela modelagem da empresa, envolvendo a institucionalização de uma
infra-estrutura compatível com os propósitos do empreendimento (= 0) e, completamente,
a definição e/ou redefinição dos processos e métodos de trabalho, mecanizado ou não,
indispensável à efetividade organizacional (= M).
Sendo assim a função de O&M tem como objetivo final à renovação organizacional,
através da manipulação da empresa como um sistema social, aberto, em permanente
sintonia com as demandas de seu ambiente, externo e/ou interno.

5. Visão holística
Essa abordagem da função de O&M é denominada de visão holística por
entendermos indispensável pelo enfoque da empresa em seu todo e não em suas partes
– tem-se que considerar que o todo é mais do que a soma das partes.
De acordo com STEINER & MINER (1981) essa perspectiva global permite um
melhor entendimento da empresa, de seus sistemas, de seus ambientes e da
interdependência existente entre eles. Concluíram, ainda que, alem do relacionamento
entre ambiente e mudança organizacional, que as organizações não funcionam em um
único ambiente e que as forças desses ambientes podem afetar a empresa em diversas
partes e ainda que as respostas a essas mudanças não são tão óbvias.
THOMPSON (1976) ao conceber que a organização complexa como um sistema
aberto, indeciso e confrontado pela incerteza, porém sujeito a critérios de racionalidade e
Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas
Organização, Sistemas e Métodos
José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-3
necessitando de certeza. As incertezas impõem desafios à racionalidade e tecnologias e
ambientes constituem fontes básicas de incerteza.
Sendo assim, para que a função de O&M possa atingir sua efetividade, é
fundamental sua institucionalização, dentro da empresa, de forma que ela tenha
condições de atuar nos três cenários que compõe uma organização complexa, sendo
essas i institucional, o dos processos organizacionais e dos processos e métodos de
trabalho conforme esquematizado na Tabela 1
Em sua essência, a função de Organização & Métodos (O&M) tem graves
responsabilidades quanto à efetividade de uma organização em larga escala, desde que,
é obvio, assim seja entendido seu papel pelos articuladores da organização. Devendo,
portanto ser definido a sua área de abrangência, suas atribuições e responsabilidade, sua
estruturação orgânica e seus recursos.
Pesquisando modelos existentes, nas empresas e na literatura tem colocado o
órgão de O&M como staff não linha, geralmente vinculado à cúpula administrativa,
verifica-se em alguns casos se juntar à área de sistemas, com resultados não tão
satisfatórios.
E por fim, em outras organizações é comum encontrar o analista de organização &
métodos espalhado pelos diversos órgãos, sem vinculo a um órgão centralizador, portanto
sem coordenação, padronização.
Uma das principais dificuldades enfrentadas pelo analista de O&M é a crença que
os gerentes de uma área setorial são os únicos responsáveis pelas mudanças nos órgãos
componentes de sua estrutura interna.

6. Estrutura de O&M
Basicamente, dois são os profissionais que compõem os quadros de O&M das
organizações: ANALISTA DE O&M e ANALISTA DE SISTEMAS.
As atribuições desses profissionais têm por objetivo:
•

organizar,

•

padronizar,

•

documentar e

•

automatizar o processo produtivo nas organizações.

Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas
Organização, Sistemas e Métodos
José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-4
Tabela 1 – A função de O&M e seus cenários de atuação nas organizações.
Metodologia Cenários de atuação Principais indicadores
de Trabalho
•

• Áreas de políticas & estratégias;
• Elementos-chave que determinam respostas
impactos ambientais
• Forças-chave dos ambientes: interno e externo
• Etc.
• Processos
• Processo decisório
organizacionais
• Centralização x descentralização
• Relações gerenciais
• Cultura organizacional
• Burocracia x adhocracia
• Novas tecnologias
• Estrutura organizacional
• Enfoque sistema aberto
• Etc.
• Processos & Métodos • Estudos de tempos & métodos
de trabalho
• Analise e racionalização do trabalho
• Fluxogramas
• Layout
• Formulários: analise e delineamento
• Comunicações administrativas
• QDT
• Etc.
Fonte: CURY, 1995
Institucional

aos

ANÁLISE ADMINISTRATIVA

6.1.

Analista de O&M
A função do analista de O&M é conseguir a eficiência e a eficácia da estrutura

administrativa através da aplicação de certas técnicas científicas de redução de tempo,
esforços e custos.
Atualmente, nas empresas em que o cargo/função Analista de O&M existe, suas
atribuições estão intimamente relacionadas com o objetivo final da empresa, com a
Missão Empresarial1.

Obs: cuidados a serem tomados pelo o Analista de O&M:
•

Não ter a visão do processo como um todo - por ser, numa visão
conservadora, um desenhista de fluxogramas e rotinas, o analista de
O&M corre o risco de passar todo o tempo enxergando apenas parte do

1

Missão – verdadeira razão de existência da empresa; motivo pelo qual a empresa foi constituída e é mantida. A

missão apresenta-se como um ponto de convergência no sentido de orientar e integrar as partes que a compõe
delineando o objetivo permanente e fundamental para sua atuação.

Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas
Organização, Sistemas e Métodos
José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-5
processo, apenas aquela pequena parte com a qual está, em
determinado momento, preocupando-se. Perde a visão do todo, do
processo interagindo com os outros sistemas da empresa. Acaba
considerando que sua obrigação acaba ao desenhar o processo,
independentemente de estar trabalhando um processo que interessa ou
não para o sucesso da organização e sem utilizar os melhores recursos
da empresa.
•

Não ter uma formação definida - é comum às empresas aproveitarem
profissionais de seu próprio corpo de funcionários, aqueles que
conhecem muito bem à parte do processo a ser desenhado e controlado.
Normalmente, não importa a formação desse profissional.

•

Ser apenas um criador de formulários, que nunca são seguidos, pois não
auxiliam no objetivo principal da empresa : servir o cliente. Excesso de
formulários e rotinas podem levar a inflexibilização da organização, tirar o
poder de decisão e, principalmente, a criatividade dos colaboradores.

•

Analista de O&M deve ter em mente que o importante é saber se o que
está sendo feito é o que deve ser feito.

•

Os formulários não podem ser um fim em si mesmos. Eles não garantem
nada; nem mesmo que serão seguidos.

•

Analista de O&M deve ter uma formação específica na área. Deve ser um
administrador ou ter noções básicas para suportar suas atividades.

Na maioria das empresas, o cargo antes ocupado pelo Analista de O&M, foi
substituído pelo Analista de Processo.

6.2.

Analista de Sistemas
A função básica do Analista de Sistemas é automatizar as rotinas de trabalho

elaboradas pelo pessoal de O&M.
Tem por finalidade atender as necessidades do usuário, seus problemas, suas
dificuldades, e, através do projeto, desenho e programação de um sistema de informação,
resolver todas elas.
Atualmente, além do papel de automatizar processos, o Analista de sistemas deve
ter a preocupação de melhorar o processo em análise.

Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas
Organização, Sistemas e Métodos
José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-6
Obs: cuidados a serem tomados pelo Analista de Sistemas:
•

Não automatizar o erro,

•

Não se divinizar,

•

Ter um fim útil,

•

Entender que os sistemas são propriedades dos usuários,

•

Usar a arma poderosa, que é a informática, de forma racional,

•

Ter formação na área de processamento de dados ou projetos de
processos e conhecimento em banco de dados.

Na grande maioria das empresas, O&M continua com algumas das antigas funções
e responsabilidades, mas, atualmente, cuida principalmente da:
•

MELHORIA CONTÍNUA DOS PROCESSOS,

•

DA REORGANIZAÇÃO,

•

E DA REENGENHARIA DOS PROCESSOS.

Assim, também mudou o perfil do profissional de O&M: o que antes era um Analista
de O&M, passou a ser um ANALISTA DE PROCESSO.
Sendo assim, O&M tem hoje, 03 (três) profissionais em seus quadros :
ANALISTA DE NEGÓCIOS (O QUE FAZER) - cujo objetivo é pesquisar
continuamente o mercado a fim de constatar o que a empresa deve fazer e
se o que tem feito atende às exigências e necessidades constatadas; é o
responsável pela descoberta de oportunidades e novos negócios, novos
produtos, etc.
ANALISTA DE PROCESSO (COMO FAZER) - devem formalizar o início,
o meio e o fim do conjunto de atividades que produzem, transformam ou
montam o produto ou serviço : fazer com que existam apenas atividades que
agreguem valor ou resultado e
ANALISTA DE SISTEMAS (COMO AUTOMATIZAR) - automatizam o
fluxo de produção e informações.

7. Atividades de O & M nas Organizações
Se procurarmos, dentro de uma empresa, pelo analista de O & M, provavelmente
encontraremos esse profissional à frente de uma das seguintes funções:
Montando e reformulando estruturas organizacionais, visando à sua
eficiência e eficácia;
Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas
Organização, Sistemas e Métodos
José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-7
Racionalizando e simplificando métodos de trabalho;
Fazendo estudos de arranjo físico, de tempos e movimentos e de
distribuição de trabalho;
Elaborando documentos referentes a normas e estruturas;
Elaborando, racionalizando e padronizando formulários;
Efetuando cálculos de lotação pessoal;
Elaborando e mantendo atualizados manuais de serviços, guias de
instrução

e

gráficos

organizacionais

(organogramas,

fluxogramas,

diagramas etc);
Implantando e controlando métodos voltados para a elevação da
produtividade;
Definindo atribuições e áreas de competência de órgãos e pessoas;
Introduzindo processos automatizados onde haja a necessidade e a
disponibilidade de viabilizá-los.

Descrição das tarefas de O & M
Desenvolve estudos, junto aos usuários, para elaborar, analisar e manter
atualizada

a

distribuição

do

trabalho,

através

de

processos

desburocratizantes e próprios dos tempos de Reengenharia.
Elaborar, em conjunto com a área de Arquitetura, o layout adequado para
o desenvolvimento das atividades dos usuários.
Elaborar e manter atualizados o organograma e demais instrumentos de
visualização, buscando disseminar e conscientizar para a diminuição dos
níveis hierárquicos.
Promover a racionalizarão e a modernização das rotinas operacionais.
Ministrar programas de educação e treinamento pertinentes aos sistemas
de desenvolvimento organizacional.
Desenvolver instrumentos organizacionais, em conjunto com os usuários,
para a implantação e a manutenção dos sistemas.
Identificar

problemas

e

disfunções

organizacionais,

bem

como

necessidades de informatização e treinamento, e propor às respectivas
áreas a sua viabilização.
Assessorar e propor, junto aos usuários, estratégias, planos, programas e
Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas
Organização, Sistemas e Métodos
José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-8
metas.
Disseminar a visão sistêmica da organização em todos os níveis e a
horizontalização das comunicações.
Desenvolver e propor metodologias necessárias e adequadas ao
desempenho das atividades das diversas áreas.
Levantar dados para promover diagnósticos, sugerir modificações e
auxiliar no aperfeiçoamento de métodos e processos de trabalho.
Desenvolver mecanismos e auxiliar os usuários no controle de qualidade
dos serviços organizacionais.
Promover estudos para a verificação da compatibilidade entre funções,
áreas

e

nível

hierárquicos

e

propor

alterações

na

estrutura

organizacional.
Definir,

em

conjunto

com

os

usuários,

a

normalização

da

operacionalização das rotinas adequadas a todos os sistemas da
organização.
Promover a integração entre O & M e informática através da
racionalização, da uniformização e da sistematização de procedimentos e
da terminologia técnica.
Manter-se atualizado sobre a evolução tecnológica e os lançamentos de
literatura técnica, equipamentos, software e acessórios relacionados com
o desempenho de suas atividades, bem como propor as suas aquisições.
Acompanhar , analisar e propor os devidos ajustes em projetos
elaborados e implantados.
Levantar; pesquisar e analisar recursos materiais e tecnológicos
adequados aos sistemas organizacionais e operacionais.
Analisar, projetar e implantar procedimentos e sistemas com o usuário e
não para o usuário.
Elaborar, padronizar, racionalizar e controlar formulários, impressos
documentos normativos.
Participar da elaboração de instruções normativas, manuais e demais
instrumentos de organização que norteiem os seus procedimentos
operacionais.
Realizar estudos e pesquisas visando à definição, à atualização, à
Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas
Organização, Sistemas e Métodos
José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-9
padronização e à racionalização dos sistemas em consonância com
atualizados paradigmas organizacionais.
Redesenhar processos organizacionais.
Disseminar novos paradigmas de O & M.

8. Visão de O&M - Passado X Presente
Durante muito tempo, O&M foi concebido como o caminho para que a organização
atingisse a eficiência empresarial. Neste sentido, estava preocupada apenas com a
Racionalização dos processos.
O objetivo de O&M estava diretamente ligado à racionalização dos meios de
produção, ou seja, garantir que, sendo mostrado onde se quer chegar, estruturar os
processos de tal maneira que se chegue lá da melhor maneira possível. Portanto, dizia
respeito à eficiência das organizações.
Esta eficiência é atingida de diversos modos. Um dos principais caminhos antes
utilizados pela Organização e Métodos era a elaboração de normas para o fluxo de
informações com o emprego de :
formulários;
organização de móveis (layout); e
até qual cor os formulários utilizariam.
Portanto, ao lado da necessidade de se uniformizar todos os processos da
empresa, estava o imenso poder de quem diz como as coisas devem acontecer. Quem
dita normas, dita procedimentos. Com isso, a organização perdia muito em criatividade.
Era mais fácil fazer as coisas como mandavam os procedimentos do que fazer as coisas
de tal forma que a empresa trabalhasse em seu grau de excelência.
O&M ditava as regras sem, no entanto, saber ou se preocupar com a utilidade
delas e se o pessoal responsável pelo desenvolvimento de sistemas fazia o que e como
era determinado.
O mundo globalizado impede que empresas incompetentes progridam e mesmo
sobrevivam. Há necessidade de por toda a criatividade de seus funcionários a serviço da
organização a fim de que ela atinja o máximo de seu potencial. Assim, e somente assim,
é possível vencer a competição mundial que se estende sobre todos os tipos de bens e
serviços.
Dentro desta visão, não era possível que as empresas continuassem com uma
Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas
Organização, Sistemas e Métodos
José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-10
Unidade interna que se preocupasse, o tempo todo, em dizer como cada coisa deveria ser
feita em qualquer momento, como se não houvesse mudanças que justificassem
alterações de posturas adequadas a cada nova situação. Com isso, O&M foi mudando e,
na maioria das empresas, acabando.
A tendência mundial dificulta o desempenho de Unidade que tem por princípio
básico e como fim em si mesma a produção de normas.
Hoje, as empresas buscam a independência funcional de cada Departamento que
a compõe. Quase todas estão organizadas em Unidades de Negócio, separadas por
centro de competência ou conforme determinados processos, mas com grande autonomia
para decisões que é incompatível com a existência de um órgão regulador. Cobram-se
resultados das Unidades de Negócio.
Com isso, não é difícil entender porque O&M está em baixa na maioria das
empresas do mundo.
No entanto, O&M volta aos currículos de todas as Universidades do país. Por que ?
Várias são as razões.

Ainda hoje e, provavelmente, por muito tempo, as

transações entre as empresas são melhor aproveitadas quando negociadas em bloco.
Uma Unidade de Negócio não tem o poder de transacionar com um fornecedor como tem
a Unidade Centralizada. Portanto, se há essas interações entre as Unidades
independentes e uma Centralizadora, várias normas devem ser seguidos, vários
caminhos devem ser uniformizados. Com o cuidado de não enrijecer a organização.
Há necessidade de conciliar criatividade e fluxogramas, geração de energia e
aproveitamento racional, recursos com desperdícios, terceirização e domínio dos
processos, conhecimento dos processos e domínio das atividades empresariais.
Descobre-se o grande poder da informação, quando bem utilizada. O&M tem por
grande objetivo, proporcionar um fluxo de informações que adicione, agregue, valor ao
desenvolvimento dos processos. As informações não devem ser privilégios de quem as
descobre ou produz, mas, no menor espaço de tempo possível, para todos os
componentes da organização.
Neste ponto da análise de O&M, processo deve ser entendido como “a maneira
pela qual se realiza uma operação segundo determinadas normas."

9. Paradigmas em Extinção
A divisão do trabalho aumenta a produtividade
Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas
Organização, Sistemas e Métodos
José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-11
Autoridade organizacional deve ser centralizada
Quem executa não pode controlar
Para que haja controle é preciso haver normas oficiais
A finalidade de qualquer negocio é o lucro
A preocupação maior é a concorrência
Estrutura organizacional rígida, com linhas de autoridades bem definidas.
Forte controle orçamentário sobre a gerência, empregados e contas.
Descrição de cargos rigidamente elaborada para cada membro da
organização.
Promoção à base da competição entre colegas.

Considerações
A função de O & M tem sofrido modificações ao longo dos tempos, exigindo do seu
órgão um novo posicionamento diante da realidade e dos novos paradigmas.
O tratamento tópico das questões administrativas, que caracterizou os primórdios
da atividade de O&M, deu lugar a um tratamento integrado, sistêmico; a preocupação
puramente técnica acrescentou às soluções um novo ingrediente: o homem; o caráter
intransigente e arbitrário foi substituído por uma atitude de conciliação e de diálogo; a
automatização vista, antes, com reservas, transformou-se numa realidade aceita e
desejada.
Um detalhe fundamental que não pode ser esquecido é que as próprias restrições
do órgão de O & M. Ele é apenas um dos órgãos da empresa e sua função é assessorar e
facilitar o trabalho dos demais órgãos, e não, ditar normas.
É um erro grosseiro fazer rápidas visitas a um setor da empresa, colher opiniões e
informações a esmo e, depois, retornar com um sistema já montado, pronto para ser
implantado.
O caráter autoritário de outrora foi substituído pela discussão participativa.

Bibliografia
CHIAVENATO, I. Teoria Geral da Administração . 4. ed. São Paulo: McGraw-Hill, v. 1,
1993. 651p.

CURY, A. Organização & Métodos – Uma visão holística. 6. ed rev e amp. São Paulo:
Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas
Organização, Sistemas e Métodos
José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-12
Atlas, 1995. 576p.

STEINER, G. A.; MINER, J. B. Política e estratégia administrativa. Rio de Janeiro:
Interciência, 1981. p. 46-47.

CHINELATO, J. F., O&M Integrado à Informática. Rio de Janeiro: LTC, 1999.

Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas
Organização, Sistemas e Métodos
José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-13

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação S.I.M Sistema de Informação de Marketing
Apresentação S.I.M Sistema de Informação de MarketingApresentação S.I.M Sistema de Informação de Marketing
Apresentação S.I.M Sistema de Informação de MarketingSINPROJA
 
O Perfil Do Administrador
O Perfil Do AdministradorO Perfil Do Administrador
O Perfil Do AdministradorKenneth Corrêa
 
Comunicação interpessoal e comunicação assertiva
Comunicação interpessoal e comunicação assertivaComunicação interpessoal e comunicação assertiva
Comunicação interpessoal e comunicação assertivafernandosantos7272
 
Aula 11 noções sobre gerenciamento de documentos animada
Aula 11   noções sobre gerenciamento de documentos animadaAula 11   noções sobre gerenciamento de documentos animada
Aula 11 noções sobre gerenciamento de documentos animadaLuiz Siles
 
Capítulo 2 - A comunicação e a negociação
Capítulo 2 - A comunicação e a negociaçãoCapítulo 2 - A comunicação e a negociação
Capítulo 2 - A comunicação e a negociaçãoJulio Kyosen Nakatani
 
E book em-pdf-ufcd-0649--estrutura-e-comunicacao-organizacional
E book em-pdf-ufcd-0649--estrutura-e-comunicacao-organizacionalE book em-pdf-ufcd-0649--estrutura-e-comunicacao-organizacional
E book em-pdf-ufcd-0649--estrutura-e-comunicacao-organizacionalMaria Santos
 
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS - SENAC - TÉC - LOGÍSTICA.ppt
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS - SENAC - TÉC - LOGÍSTICA.pptPROCESSOS ORGANIZACIONAIS - SENAC - TÉC - LOGÍSTICA.ppt
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS - SENAC - TÉC - LOGÍSTICA.pptGlegson souza
 
Slides módulo 3 (fpif)
Slides módulo 3 (fpif)Slides módulo 3 (fpif)
Slides módulo 3 (fpif)Isabel Grazina
 
Jogos empresariais apresentação
Jogos empresariais apresentaçãoJogos empresariais apresentação
Jogos empresariais apresentaçãoElielba Chapermann
 
As barreiras à comunicação humana e sua minimização
As barreiras à comunicação humana e sua minimizaçãoAs barreiras à comunicação humana e sua minimização
As barreiras à comunicação humana e sua minimizaçãoMaria Teresa Vasconcelos
 
Processos de comunicação
Processos de comunicaçãoProcessos de comunicação
Processos de comunicaçãoCarina Duarte
 
Consultoria em gestão de pessoas
Consultoria em gestão de pessoasConsultoria em gestão de pessoas
Consultoria em gestão de pessoasJúnior Medeiros
 
Resumo geral auxiliar administrativo. senac
Resumo geral auxiliar administrativo. senacResumo geral auxiliar administrativo. senac
Resumo geral auxiliar administrativo. senacMaximus Maylson
 
PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E BENEFÍCIOS
PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E BENEFÍCIOSPLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E BENEFÍCIOS
PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E BENEFÍCIOSMarco Aurélio Borges
 
Organização da Rotina de Trabalho
Organização da Rotina de TrabalhoOrganização da Rotina de Trabalho
Organização da Rotina de TrabalhoGrupo E. Fabris
 
Ferramentas e Aplicativos da Adm
Ferramentas e Aplicativos da AdmFerramentas e Aplicativos da Adm
Ferramentas e Aplicativos da AdmMarcos Alves
 

Mais procurados (20)

Apresentação S.I.M Sistema de Informação de Marketing
Apresentação S.I.M Sistema de Informação de MarketingApresentação S.I.M Sistema de Informação de Marketing
Apresentação S.I.M Sistema de Informação de Marketing
 
O Perfil Do Administrador
O Perfil Do AdministradorO Perfil Do Administrador
O Perfil Do Administrador
 
Redação Comercial.ppt
Redação Comercial.pptRedação Comercial.ppt
Redação Comercial.ppt
 
Comunicação interpessoal e comunicação assertiva
Comunicação interpessoal e comunicação assertivaComunicação interpessoal e comunicação assertiva
Comunicação interpessoal e comunicação assertiva
 
Aula 11 noções sobre gerenciamento de documentos animada
Aula 11   noções sobre gerenciamento de documentos animadaAula 11   noções sobre gerenciamento de documentos animada
Aula 11 noções sobre gerenciamento de documentos animada
 
Acolhimento e Integração
Acolhimento e IntegraçãoAcolhimento e Integração
Acolhimento e Integração
 
Capítulo 2 - A comunicação e a negociação
Capítulo 2 - A comunicação e a negociaçãoCapítulo 2 - A comunicação e a negociação
Capítulo 2 - A comunicação e a negociação
 
E book em-pdf-ufcd-0649--estrutura-e-comunicacao-organizacional
E book em-pdf-ufcd-0649--estrutura-e-comunicacao-organizacionalE book em-pdf-ufcd-0649--estrutura-e-comunicacao-organizacional
E book em-pdf-ufcd-0649--estrutura-e-comunicacao-organizacional
 
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS - SENAC - TÉC - LOGÍSTICA.ppt
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS - SENAC - TÉC - LOGÍSTICA.pptPROCESSOS ORGANIZACIONAIS - SENAC - TÉC - LOGÍSTICA.ppt
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS - SENAC - TÉC - LOGÍSTICA.ppt
 
Plano de Marketing
Plano de MarketingPlano de Marketing
Plano de Marketing
 
Slides módulo 3 (fpif)
Slides módulo 3 (fpif)Slides módulo 3 (fpif)
Slides módulo 3 (fpif)
 
Jogos empresariais apresentação
Jogos empresariais apresentaçãoJogos empresariais apresentação
Jogos empresariais apresentação
 
As barreiras à comunicação humana e sua minimização
As barreiras à comunicação humana e sua minimizaçãoAs barreiras à comunicação humana e sua minimização
As barreiras à comunicação humana e sua minimização
 
Negociação_Prof.Randes
Negociação_Prof.RandesNegociação_Prof.Randes
Negociação_Prof.Randes
 
Processos de comunicação
Processos de comunicaçãoProcessos de comunicação
Processos de comunicação
 
Consultoria em gestão de pessoas
Consultoria em gestão de pessoasConsultoria em gestão de pessoas
Consultoria em gestão de pessoas
 
Resumo geral auxiliar administrativo. senac
Resumo geral auxiliar administrativo. senacResumo geral auxiliar administrativo. senac
Resumo geral auxiliar administrativo. senac
 
PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E BENEFÍCIOS
PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E BENEFÍCIOSPLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E BENEFÍCIOS
PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E BENEFÍCIOS
 
Organização da Rotina de Trabalho
Organização da Rotina de TrabalhoOrganização da Rotina de Trabalho
Organização da Rotina de Trabalho
 
Ferramentas e Aplicativos da Adm
Ferramentas e Aplicativos da AdmFerramentas e Aplicativos da Adm
Ferramentas e Aplicativos da Adm
 

Destaque

Aula organização e métodos 2013 1
Aula organização e métodos 2013 1Aula organização e métodos 2013 1
Aula organização e métodos 2013 1Michael Batista
 
Aulas - Organizações, Sistemas e Métodos - Prof. Sergio Seloti.Jr - 2010
Aulas - Organizações, Sistemas e Métodos - Prof. Sergio Seloti.Jr - 2010Aulas - Organizações, Sistemas e Métodos - Prof. Sergio Seloti.Jr - 2010
Aulas - Organizações, Sistemas e Métodos - Prof. Sergio Seloti.Jr - 2010Sergio Luis Seloti Jr
 
Como fazer esquema de um texto
Como fazer esquema de um textoComo fazer esquema de um texto
Como fazer esquema de um textoleokapllan
 
ABNT NBR 14724 Trabalhos acadêmicos: esquema
ABNT NBR 14724 Trabalhos acadêmicos: esquemaABNT NBR 14724 Trabalhos acadêmicos: esquema
ABNT NBR 14724 Trabalhos acadêmicos: esquemaLígia 'lilly' Freitas
 
Apostila organização de empresa
Apostila organização de empresaApostila organização de empresa
Apostila organização de empresaFabio Aguiar
 
Survey on Energy mapping - results
Survey on Energy mapping - resultsSurvey on Energy mapping - results
Survey on Energy mapping - resultsPiergiorgio Cipriano
 
Fundamento Hardware - Aula001
Fundamento Hardware - Aula001Fundamento Hardware - Aula001
Fundamento Hardware - Aula001Cláudio Amaral
 
Estudo do método de trabalho
Estudo do método de trabalhoEstudo do método de trabalho
Estudo do método de trabalhoMauro Enrique
 
Analise da distribuicao do trabalho o&m
Analise da distribuicao do trabalho o&mAnalise da distribuicao do trabalho o&m
Analise da distribuicao do trabalho o&mtembito
 
Abordagem sociotecnica
Abordagem sociotecnicaAbordagem sociotecnica
Abordagem sociotecnicatiagonb4
 
Como fazer um esquema
Como fazer um esquemaComo fazer um esquema
Como fazer um esquemanelsonesim
 
Como fazer esquemas
Como fazer esquemasComo fazer esquemas
Como fazer esquemasSandra Alves
 

Destaque (20)

ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSMORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
 
Aula organização e métodos 2013 1
Aula organização e métodos 2013 1Aula organização e métodos 2013 1
Aula organização e métodos 2013 1
 
Aulas - Organizações, Sistemas e Métodos - Prof. Sergio Seloti.Jr - 2010
Aulas - Organizações, Sistemas e Métodos - Prof. Sergio Seloti.Jr - 2010Aulas - Organizações, Sistemas e Métodos - Prof. Sergio Seloti.Jr - 2010
Aulas - Organizações, Sistemas e Métodos - Prof. Sergio Seloti.Jr - 2010
 
Como fazer esquema de um texto
Como fazer esquema de um textoComo fazer esquema de um texto
Como fazer esquema de um texto
 
ABNT NBR 14724 Trabalhos acadêmicos: esquema
ABNT NBR 14724 Trabalhos acadêmicos: esquemaABNT NBR 14724 Trabalhos acadêmicos: esquema
ABNT NBR 14724 Trabalhos acadêmicos: esquema
 
Introdução a OSM
Introdução a OSMIntrodução a OSM
Introdução a OSM
 
Apostila organização de empresa
Apostila organização de empresaApostila organização de empresa
Apostila organização de empresa
 
Survey on Energy mapping - results
Survey on Energy mapping - resultsSurvey on Energy mapping - results
Survey on Energy mapping - results
 
Fundamento Hardware - Aula001
Fundamento Hardware - Aula001Fundamento Hardware - Aula001
Fundamento Hardware - Aula001
 
Estudo do método de trabalho
Estudo do método de trabalhoEstudo do método de trabalho
Estudo do método de trabalho
 
Sistema de Informações Gerenciais - OSM
Sistema de Informações Gerenciais - OSMSistema de Informações Gerenciais - OSM
Sistema de Informações Gerenciais - OSM
 
Analise da distribuicao do trabalho o&m
Analise da distribuicao do trabalho o&mAnalise da distribuicao do trabalho o&m
Analise da distribuicao do trabalho o&m
 
Abordagem sociotecnica
Abordagem sociotecnicaAbordagem sociotecnica
Abordagem sociotecnica
 
Administração participativa
Administração participativaAdministração participativa
Administração participativa
 
OSM : Formulários
OSM : FormuláriosOSM : Formulários
OSM : Formulários
 
Tutorial Visio Modelagem de Processos
Tutorial Visio Modelagem de ProcessosTutorial Visio Modelagem de Processos
Tutorial Visio Modelagem de Processos
 
Como fazer um esquema
Como fazer um esquemaComo fazer um esquema
Como fazer um esquema
 
Osm aula1
Osm aula1Osm aula1
Osm aula1
 
Sistemas de Informação 2 - Aula02 - Introdução aos sistemas de informação
Sistemas de Informação 2 - Aula02 - Introdução aos sistemas de informaçãoSistemas de Informação 2 - Aula02 - Introdução aos sistemas de informação
Sistemas de Informação 2 - Aula02 - Introdução aos sistemas de informação
 
Como fazer esquemas
Como fazer esquemasComo fazer esquemas
Como fazer esquemas
 

Semelhante a A area de organização e métodos

Planejamento sistemas e_metodos
Planejamento sistemas e_metodosPlanejamento sistemas e_metodos
Planejamento sistemas e_metodosDinarte Duarte
 
Apostila administracao
Apostila administracaoApostila administracao
Apostila administracaoThiago Lages
 
Atps adm competencias_profissionais
Atps adm competencias_profissionaisAtps adm competencias_profissionais
Atps adm competencias_profissionaisLena Meneses
 

Semelhante a A area de organização e métodos (7)

Planejamento sistemas e_metodos
Planejamento sistemas e_metodosPlanejamento sistemas e_metodos
Planejamento sistemas e_metodos
 
Fs006
Fs006Fs006
Fs006
 
Apostila administracao
Apostila administracaoApostila administracao
Apostila administracao
 
conti.ppt.pptx
conti.ppt.pptxconti.ppt.pptx
conti.ppt.pptx
 
Atps adm competencias_profissionais
Atps adm competencias_profissionaisAtps adm competencias_profissionais
Atps adm competencias_profissionais
 
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
 
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
AdministraçãO De Enfermagem Parte 1
 

Último

Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 

Último (20)

Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 

A area de organização e métodos

  • 1. A Área de Organização e Métodos 1. Introdução Em decorrência do crescimento das organizações em termos de tamanho e de complexidade, foram surgindo problemas estruturais de difícil solução, desvios em relação aos objetivos previamente determinados, além de defasagem de técnicas e processos. Tal constatação passou a exigir dessas organizações uma atitude de constante atenção aos anseios da sociedade paralelamente à revisão e ao controle interno. Embora a Revolução Industrial tenha incutido na mente dos administradores uma relativa preocupação com técnicas e processos incrementadores da produtividade e da produção - uma espécie de organização da produção, o tratamento científico dessas questões só tomou pulso a partir do final do século passado, notadamente através dos estudos de Taylor e Fayol e de outros precursores da área. Desde cedo, verificou-se que os estudos científicos voltados para a elevação dos níveis de produtividade e de eficiência organizacionais tinham que se concentrar no elemento fundamental de qualquer processo produtivo: o homem. Deveriam ser criadas condições que lhe permitissem o máximo do seu rendimento físico e intelectual; condições capazes, principalmente, de mantê-lo satisfeito, por um lado, e motivado, por outro. Tudo isso visava a um objetivo: criar organizações consistentes e mantê-las funcionando harmonicamente. Esses fatos engendraram o surgimento de uma nova área de especialização entre as funções administrativas chamadas Organização e Métodos. Essa expressão, usada, inicialmente, pelo norte-americano Thomas W. Wilson, foi difundida na Inglaterra e em outros países europeus, chegando ao Brasil em 1955. 2. A Necessária Efetividade Organização e Métodos, ou simplesmente O&M, como tem sido chamada, traz em bojo a idéia de efetividade das coisas. Tal idéia traduz a preocupação com o sentido lógico de cada operação e de cada sistema; é o questionamento do: • Porquê; Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas Organização, Sistemas e Métodos José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-1
  • 2. • Para quê. Todo e qualquer empreendimento deve ter efetividade, precisa possuir razoes lógicas de ser e conduzir a uma série de resultados esperados. Seguindo a linha de raciocínio cartesiana, onde se alia uma atitude de constante questionamento com a decomposição do todo em partes, o analista de O & M está mentalmente armado de uma eficaz ferramenta para a análise organizacional. Como roteiro que poderá ser seguido, sugerimos o quadro ao lado proposto inicialmente, por Rudyard Kipling, aprimorado por César Cantanhece e expandido, depois por A. Nogueira de Faria, entre outros. Acrescentamos ao mesmo quadro algumas sugestões, tendo em vista, principalmente, que as variáveis custo e qualidade tornaram-se, hoje fundamentais para a preservação das empresas. Aqueles, devido às dificuldades econômicas por que passa o mundo e, em particular, o nosso Pais, esta, devido à elevada concorrência que tem havido entre empresas altamente especializadas, disputando um mercado ainda escasso. 3. Roteiro cartesiano para análise organizacional. O que? O que fazer? Por que se faz? Para que fazer? O que deveria ser feito? Cada elemento é necessário? Quem? Onde deveria ser feito? Para onde se deveria enviar? Quando se faz? Quando deveria ser feito? Qual o melhor instante? Quanto se faz? Quanto deveria ser feito? Em quanto tempo se faz? Como? Onde se faz? É feito a tempo? Quanto? Para quem deveria ser feito? Para onde enviar? Quando? Por quem deveria ser feito? Para quem faz? Onde? Quem faz? Em quanto tempo deveria ser feito? Como se faz? Como deveria ser feito? Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas Organização, Sistemas e Métodos José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-2
  • 3. O método é prático? Que método deveria ter sido usado? Qual o custo? Quanto custa o que se faz? Porque custa isto? É o mínimo que poderia custar? Qualidade? Quanto deveria custar? O que se faz é de boa qualidade? Pode ser feito melhor? A qualidade tem-se mantido ou Quais os meios para melhorar melhorado? a qualidade? 4. Função de Organização e Métodos (O&M) É uma das funções especializadas de administração e uma das principais responsáveis pela modelagem da empresa, envolvendo a institucionalização de uma infra-estrutura compatível com os propósitos do empreendimento (= 0) e, completamente, a definição e/ou redefinição dos processos e métodos de trabalho, mecanizado ou não, indispensável à efetividade organizacional (= M). Sendo assim a função de O&M tem como objetivo final à renovação organizacional, através da manipulação da empresa como um sistema social, aberto, em permanente sintonia com as demandas de seu ambiente, externo e/ou interno. 5. Visão holística Essa abordagem da função de O&M é denominada de visão holística por entendermos indispensável pelo enfoque da empresa em seu todo e não em suas partes – tem-se que considerar que o todo é mais do que a soma das partes. De acordo com STEINER & MINER (1981) essa perspectiva global permite um melhor entendimento da empresa, de seus sistemas, de seus ambientes e da interdependência existente entre eles. Concluíram, ainda que, alem do relacionamento entre ambiente e mudança organizacional, que as organizações não funcionam em um único ambiente e que as forças desses ambientes podem afetar a empresa em diversas partes e ainda que as respostas a essas mudanças não são tão óbvias. THOMPSON (1976) ao conceber que a organização complexa como um sistema aberto, indeciso e confrontado pela incerteza, porém sujeito a critérios de racionalidade e Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas Organização, Sistemas e Métodos José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-3
  • 4. necessitando de certeza. As incertezas impõem desafios à racionalidade e tecnologias e ambientes constituem fontes básicas de incerteza. Sendo assim, para que a função de O&M possa atingir sua efetividade, é fundamental sua institucionalização, dentro da empresa, de forma que ela tenha condições de atuar nos três cenários que compõe uma organização complexa, sendo essas i institucional, o dos processos organizacionais e dos processos e métodos de trabalho conforme esquematizado na Tabela 1 Em sua essência, a função de Organização & Métodos (O&M) tem graves responsabilidades quanto à efetividade de uma organização em larga escala, desde que, é obvio, assim seja entendido seu papel pelos articuladores da organização. Devendo, portanto ser definido a sua área de abrangência, suas atribuições e responsabilidade, sua estruturação orgânica e seus recursos. Pesquisando modelos existentes, nas empresas e na literatura tem colocado o órgão de O&M como staff não linha, geralmente vinculado à cúpula administrativa, verifica-se em alguns casos se juntar à área de sistemas, com resultados não tão satisfatórios. E por fim, em outras organizações é comum encontrar o analista de organização & métodos espalhado pelos diversos órgãos, sem vinculo a um órgão centralizador, portanto sem coordenação, padronização. Uma das principais dificuldades enfrentadas pelo analista de O&M é a crença que os gerentes de uma área setorial são os únicos responsáveis pelas mudanças nos órgãos componentes de sua estrutura interna. 6. Estrutura de O&M Basicamente, dois são os profissionais que compõem os quadros de O&M das organizações: ANALISTA DE O&M e ANALISTA DE SISTEMAS. As atribuições desses profissionais têm por objetivo: • organizar, • padronizar, • documentar e • automatizar o processo produtivo nas organizações. Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas Organização, Sistemas e Métodos José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-4
  • 5. Tabela 1 – A função de O&M e seus cenários de atuação nas organizações. Metodologia Cenários de atuação Principais indicadores de Trabalho • • Áreas de políticas & estratégias; • Elementos-chave que determinam respostas impactos ambientais • Forças-chave dos ambientes: interno e externo • Etc. • Processos • Processo decisório organizacionais • Centralização x descentralização • Relações gerenciais • Cultura organizacional • Burocracia x adhocracia • Novas tecnologias • Estrutura organizacional • Enfoque sistema aberto • Etc. • Processos & Métodos • Estudos de tempos & métodos de trabalho • Analise e racionalização do trabalho • Fluxogramas • Layout • Formulários: analise e delineamento • Comunicações administrativas • QDT • Etc. Fonte: CURY, 1995 Institucional aos ANÁLISE ADMINISTRATIVA 6.1. Analista de O&M A função do analista de O&M é conseguir a eficiência e a eficácia da estrutura administrativa através da aplicação de certas técnicas científicas de redução de tempo, esforços e custos. Atualmente, nas empresas em que o cargo/função Analista de O&M existe, suas atribuições estão intimamente relacionadas com o objetivo final da empresa, com a Missão Empresarial1. Obs: cuidados a serem tomados pelo o Analista de O&M: • Não ter a visão do processo como um todo - por ser, numa visão conservadora, um desenhista de fluxogramas e rotinas, o analista de O&M corre o risco de passar todo o tempo enxergando apenas parte do 1 Missão – verdadeira razão de existência da empresa; motivo pelo qual a empresa foi constituída e é mantida. A missão apresenta-se como um ponto de convergência no sentido de orientar e integrar as partes que a compõe delineando o objetivo permanente e fundamental para sua atuação. Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas Organização, Sistemas e Métodos José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-5
  • 6. processo, apenas aquela pequena parte com a qual está, em determinado momento, preocupando-se. Perde a visão do todo, do processo interagindo com os outros sistemas da empresa. Acaba considerando que sua obrigação acaba ao desenhar o processo, independentemente de estar trabalhando um processo que interessa ou não para o sucesso da organização e sem utilizar os melhores recursos da empresa. • Não ter uma formação definida - é comum às empresas aproveitarem profissionais de seu próprio corpo de funcionários, aqueles que conhecem muito bem à parte do processo a ser desenhado e controlado. Normalmente, não importa a formação desse profissional. • Ser apenas um criador de formulários, que nunca são seguidos, pois não auxiliam no objetivo principal da empresa : servir o cliente. Excesso de formulários e rotinas podem levar a inflexibilização da organização, tirar o poder de decisão e, principalmente, a criatividade dos colaboradores. • Analista de O&M deve ter em mente que o importante é saber se o que está sendo feito é o que deve ser feito. • Os formulários não podem ser um fim em si mesmos. Eles não garantem nada; nem mesmo que serão seguidos. • Analista de O&M deve ter uma formação específica na área. Deve ser um administrador ou ter noções básicas para suportar suas atividades. Na maioria das empresas, o cargo antes ocupado pelo Analista de O&M, foi substituído pelo Analista de Processo. 6.2. Analista de Sistemas A função básica do Analista de Sistemas é automatizar as rotinas de trabalho elaboradas pelo pessoal de O&M. Tem por finalidade atender as necessidades do usuário, seus problemas, suas dificuldades, e, através do projeto, desenho e programação de um sistema de informação, resolver todas elas. Atualmente, além do papel de automatizar processos, o Analista de sistemas deve ter a preocupação de melhorar o processo em análise. Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas Organização, Sistemas e Métodos José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-6
  • 7. Obs: cuidados a serem tomados pelo Analista de Sistemas: • Não automatizar o erro, • Não se divinizar, • Ter um fim útil, • Entender que os sistemas são propriedades dos usuários, • Usar a arma poderosa, que é a informática, de forma racional, • Ter formação na área de processamento de dados ou projetos de processos e conhecimento em banco de dados. Na grande maioria das empresas, O&M continua com algumas das antigas funções e responsabilidades, mas, atualmente, cuida principalmente da: • MELHORIA CONTÍNUA DOS PROCESSOS, • DA REORGANIZAÇÃO, • E DA REENGENHARIA DOS PROCESSOS. Assim, também mudou o perfil do profissional de O&M: o que antes era um Analista de O&M, passou a ser um ANALISTA DE PROCESSO. Sendo assim, O&M tem hoje, 03 (três) profissionais em seus quadros : ANALISTA DE NEGÓCIOS (O QUE FAZER) - cujo objetivo é pesquisar continuamente o mercado a fim de constatar o que a empresa deve fazer e se o que tem feito atende às exigências e necessidades constatadas; é o responsável pela descoberta de oportunidades e novos negócios, novos produtos, etc. ANALISTA DE PROCESSO (COMO FAZER) - devem formalizar o início, o meio e o fim do conjunto de atividades que produzem, transformam ou montam o produto ou serviço : fazer com que existam apenas atividades que agreguem valor ou resultado e ANALISTA DE SISTEMAS (COMO AUTOMATIZAR) - automatizam o fluxo de produção e informações. 7. Atividades de O & M nas Organizações Se procurarmos, dentro de uma empresa, pelo analista de O & M, provavelmente encontraremos esse profissional à frente de uma das seguintes funções: Montando e reformulando estruturas organizacionais, visando à sua eficiência e eficácia; Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas Organização, Sistemas e Métodos José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-7
  • 8. Racionalizando e simplificando métodos de trabalho; Fazendo estudos de arranjo físico, de tempos e movimentos e de distribuição de trabalho; Elaborando documentos referentes a normas e estruturas; Elaborando, racionalizando e padronizando formulários; Efetuando cálculos de lotação pessoal; Elaborando e mantendo atualizados manuais de serviços, guias de instrução e gráficos organizacionais (organogramas, fluxogramas, diagramas etc); Implantando e controlando métodos voltados para a elevação da produtividade; Definindo atribuições e áreas de competência de órgãos e pessoas; Introduzindo processos automatizados onde haja a necessidade e a disponibilidade de viabilizá-los. Descrição das tarefas de O & M Desenvolve estudos, junto aos usuários, para elaborar, analisar e manter atualizada a distribuição do trabalho, através de processos desburocratizantes e próprios dos tempos de Reengenharia. Elaborar, em conjunto com a área de Arquitetura, o layout adequado para o desenvolvimento das atividades dos usuários. Elaborar e manter atualizados o organograma e demais instrumentos de visualização, buscando disseminar e conscientizar para a diminuição dos níveis hierárquicos. Promover a racionalizarão e a modernização das rotinas operacionais. Ministrar programas de educação e treinamento pertinentes aos sistemas de desenvolvimento organizacional. Desenvolver instrumentos organizacionais, em conjunto com os usuários, para a implantação e a manutenção dos sistemas. Identificar problemas e disfunções organizacionais, bem como necessidades de informatização e treinamento, e propor às respectivas áreas a sua viabilização. Assessorar e propor, junto aos usuários, estratégias, planos, programas e Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas Organização, Sistemas e Métodos José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-8
  • 9. metas. Disseminar a visão sistêmica da organização em todos os níveis e a horizontalização das comunicações. Desenvolver e propor metodologias necessárias e adequadas ao desempenho das atividades das diversas áreas. Levantar dados para promover diagnósticos, sugerir modificações e auxiliar no aperfeiçoamento de métodos e processos de trabalho. Desenvolver mecanismos e auxiliar os usuários no controle de qualidade dos serviços organizacionais. Promover estudos para a verificação da compatibilidade entre funções, áreas e nível hierárquicos e propor alterações na estrutura organizacional. Definir, em conjunto com os usuários, a normalização da operacionalização das rotinas adequadas a todos os sistemas da organização. Promover a integração entre O & M e informática através da racionalização, da uniformização e da sistematização de procedimentos e da terminologia técnica. Manter-se atualizado sobre a evolução tecnológica e os lançamentos de literatura técnica, equipamentos, software e acessórios relacionados com o desempenho de suas atividades, bem como propor as suas aquisições. Acompanhar , analisar e propor os devidos ajustes em projetos elaborados e implantados. Levantar; pesquisar e analisar recursos materiais e tecnológicos adequados aos sistemas organizacionais e operacionais. Analisar, projetar e implantar procedimentos e sistemas com o usuário e não para o usuário. Elaborar, padronizar, racionalizar e controlar formulários, impressos documentos normativos. Participar da elaboração de instruções normativas, manuais e demais instrumentos de organização que norteiem os seus procedimentos operacionais. Realizar estudos e pesquisas visando à definição, à atualização, à Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas Organização, Sistemas e Métodos José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-9
  • 10. padronização e à racionalização dos sistemas em consonância com atualizados paradigmas organizacionais. Redesenhar processos organizacionais. Disseminar novos paradigmas de O & M. 8. Visão de O&M - Passado X Presente Durante muito tempo, O&M foi concebido como o caminho para que a organização atingisse a eficiência empresarial. Neste sentido, estava preocupada apenas com a Racionalização dos processos. O objetivo de O&M estava diretamente ligado à racionalização dos meios de produção, ou seja, garantir que, sendo mostrado onde se quer chegar, estruturar os processos de tal maneira que se chegue lá da melhor maneira possível. Portanto, dizia respeito à eficiência das organizações. Esta eficiência é atingida de diversos modos. Um dos principais caminhos antes utilizados pela Organização e Métodos era a elaboração de normas para o fluxo de informações com o emprego de : formulários; organização de móveis (layout); e até qual cor os formulários utilizariam. Portanto, ao lado da necessidade de se uniformizar todos os processos da empresa, estava o imenso poder de quem diz como as coisas devem acontecer. Quem dita normas, dita procedimentos. Com isso, a organização perdia muito em criatividade. Era mais fácil fazer as coisas como mandavam os procedimentos do que fazer as coisas de tal forma que a empresa trabalhasse em seu grau de excelência. O&M ditava as regras sem, no entanto, saber ou se preocupar com a utilidade delas e se o pessoal responsável pelo desenvolvimento de sistemas fazia o que e como era determinado. O mundo globalizado impede que empresas incompetentes progridam e mesmo sobrevivam. Há necessidade de por toda a criatividade de seus funcionários a serviço da organização a fim de que ela atinja o máximo de seu potencial. Assim, e somente assim, é possível vencer a competição mundial que se estende sobre todos os tipos de bens e serviços. Dentro desta visão, não era possível que as empresas continuassem com uma Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas Organização, Sistemas e Métodos José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-10
  • 11. Unidade interna que se preocupasse, o tempo todo, em dizer como cada coisa deveria ser feita em qualquer momento, como se não houvesse mudanças que justificassem alterações de posturas adequadas a cada nova situação. Com isso, O&M foi mudando e, na maioria das empresas, acabando. A tendência mundial dificulta o desempenho de Unidade que tem por princípio básico e como fim em si mesma a produção de normas. Hoje, as empresas buscam a independência funcional de cada Departamento que a compõe. Quase todas estão organizadas em Unidades de Negócio, separadas por centro de competência ou conforme determinados processos, mas com grande autonomia para decisões que é incompatível com a existência de um órgão regulador. Cobram-se resultados das Unidades de Negócio. Com isso, não é difícil entender porque O&M está em baixa na maioria das empresas do mundo. No entanto, O&M volta aos currículos de todas as Universidades do país. Por que ? Várias são as razões. Ainda hoje e, provavelmente, por muito tempo, as transações entre as empresas são melhor aproveitadas quando negociadas em bloco. Uma Unidade de Negócio não tem o poder de transacionar com um fornecedor como tem a Unidade Centralizada. Portanto, se há essas interações entre as Unidades independentes e uma Centralizadora, várias normas devem ser seguidos, vários caminhos devem ser uniformizados. Com o cuidado de não enrijecer a organização. Há necessidade de conciliar criatividade e fluxogramas, geração de energia e aproveitamento racional, recursos com desperdícios, terceirização e domínio dos processos, conhecimento dos processos e domínio das atividades empresariais. Descobre-se o grande poder da informação, quando bem utilizada. O&M tem por grande objetivo, proporcionar um fluxo de informações que adicione, agregue, valor ao desenvolvimento dos processos. As informações não devem ser privilégios de quem as descobre ou produz, mas, no menor espaço de tempo possível, para todos os componentes da organização. Neste ponto da análise de O&M, processo deve ser entendido como “a maneira pela qual se realiza uma operação segundo determinadas normas." 9. Paradigmas em Extinção A divisão do trabalho aumenta a produtividade Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas Organização, Sistemas e Métodos José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-11
  • 12. Autoridade organizacional deve ser centralizada Quem executa não pode controlar Para que haja controle é preciso haver normas oficiais A finalidade de qualquer negocio é o lucro A preocupação maior é a concorrência Estrutura organizacional rígida, com linhas de autoridades bem definidas. Forte controle orçamentário sobre a gerência, empregados e contas. Descrição de cargos rigidamente elaborada para cada membro da organização. Promoção à base da competição entre colegas. Considerações A função de O & M tem sofrido modificações ao longo dos tempos, exigindo do seu órgão um novo posicionamento diante da realidade e dos novos paradigmas. O tratamento tópico das questões administrativas, que caracterizou os primórdios da atividade de O&M, deu lugar a um tratamento integrado, sistêmico; a preocupação puramente técnica acrescentou às soluções um novo ingrediente: o homem; o caráter intransigente e arbitrário foi substituído por uma atitude de conciliação e de diálogo; a automatização vista, antes, com reservas, transformou-se numa realidade aceita e desejada. Um detalhe fundamental que não pode ser esquecido é que as próprias restrições do órgão de O & M. Ele é apenas um dos órgãos da empresa e sua função é assessorar e facilitar o trabalho dos demais órgãos, e não, ditar normas. É um erro grosseiro fazer rápidas visitas a um setor da empresa, colher opiniões e informações a esmo e, depois, retornar com um sistema já montado, pronto para ser implantado. O caráter autoritário de outrora foi substituído pela discussão participativa. Bibliografia CHIAVENATO, I. Teoria Geral da Administração . 4. ed. São Paulo: McGraw-Hill, v. 1, 1993. 651p. CURY, A. Organização & Métodos – Uma visão holística. 6. ed rev e amp. São Paulo: Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas Organização, Sistemas e Métodos José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-12
  • 13. Atlas, 1995. 576p. STEINER, G. A.; MINER, J. B. Política e estratégia administrativa. Rio de Janeiro: Interciência, 1981. p. 46-47. CHINELATO, J. F., O&M Integrado à Informática. Rio de Janeiro: LTC, 1999. Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas Organização, Sistemas e Métodos José Celso Sobreiro Dias, MSc – M01-13