O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Kilose - O que é?

297 visualizações

Publicada em

Kilose -“Conhecendo um pouco mais”, é um modesto trabalho onde se pretende divulgar o conhecimento sobre parte do “Material Litúrgico” utilizado dentro da Religião Tradicional Indígena Africana e Afro descendente. Tendo como firme propósito, sanar dúvidas exemplificando visualmente cada item. A idéia é agregar constantemente novos itens facilitando-se assim a identificação dos mesmos. Seu conteúdo se consiste de: Animais - Minerais - Favas - Líquidos - Utensílios - Ervas – Raízes, Temperos, etc.

Publicada em: Espiritual
  • Seja o primeiro a comentar

Kilose - O que é?

  1. 1. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 1
  2. 2. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 2 “Conhecendo um pouco mais”, é um modesto trabalho onde se pretende divulgar o conhecimento sobre parte do “Material Litúrgico” utilizado dentro da Religião Tradicional Indígena Africana e Afro descendente. Tendo como firme propósito, sanar dúvidas exemplificando visualmente cada item. A idéia é agregar constantemente novos itens facilitando-se assim a identificação dos mesmos. Seu conteúdo se consiste de: Animais - Minerais - Favas - Líquidos - Utensílios - Ervas – Raízes, Temperos, etc. Esta idéia surgiu da necessidade de se catalogar toda a parafernália litúrgica criando-se assim uma fonte de informação dinâmica que beneficiará toda a comunidade, participe você também enviando-nos novas informações e imagens, colaborando com o crescimento da boa informação para a coletividade. Teremos imenso prazer em acrescentar seu nome ao nosso Grupo de Pesquisa e Aprimoramento, participe enviando-nos um E-mail. Òpèlé Schrebera arborea A.Chev. [family OLEACEAE] A deciduous tree to 30 m high, bole buttressed, or fluted to 2½ m high, clear above, straight, to 2½ m girth; of dry deciduous forest and forest margins; from Senegal disjunctedly to N and S Nigeria, and in Sudan, Zaïre and Uganda. (1, 2, 4, 5, 8.)
  3. 3. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 3 Schrebera arborea A Chev – Fava do Okpele / Òpèlé Schrebera arborea A Chev - Folha
  4. 4. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 4 Schrebera arborea - Fruto verde Schrebera arborea - Tronco Ori / Limo da Costa Butyrospermum parkii (G. Don) Kotschy.
  5. 5. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 5 Chamado também de banha de Ori, é uma manteiga extraída do fruto de Karité. Aframomum melegueta, Zimgiberaceae –Ataré (Amomo) – Pimenta da Costa
  6. 6. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 6
  7. 7. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 7 Aframomum melegueta, Zimgiberaceae (Amomo) Planta do Oeste Africano, contendo sementes picantes (synonym) grains of paradise, Guinea grains, Guinea pepper, melagueta pepper. Elais guineensis- O Dendezeiro Da polpa externa do fruto se extrai o Óleo de Palma ou Azeite de Dendê, da parte interna (branca) do fruto se extrai o Adin. Das folhas novas e tenras retira-se o Márìwó, do cerne de seu tronco se prepara uma bebida fermentada denominada Emú ou Vinho de Palma. Tronco simples, ereto, espesso na juventude, nas plantas velhas torna-se mais fino e marcado por cicatrizes, com 15 a 20m de altura e 35cm de diâmetro. Destinados á indústria e a culinária. Origem: Africa Central e Tropical. Dendezeiro Ikin
  8. 8. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 8 Fruto do Dendê Dendê, parte interna se extrai o Adin. Epo Pupa– Azeite de Dendê O Acarajé É um quitute da culinária afro-brasileira feito de massa de feijão-fradinho, cebola e sal, frito em azeite-de-dendê, podendo ser servido com pimenta, camarão seco, vatapá, caruru, salada.
  9. 9. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 9 O Abará Tem a mesma massa que o acarajé: a única diferença é que o abará é cozido, enquanto o acarajé é frito. O preparo da massa é feito com feijão fradinho, que deve ser quebrado em um moinho em pedaços grandes e colocado de molho na água para soltar a casca. Após retirada toda a casca, passa-se novamente no moinho, desta vez deverá ficar uma massa bem fina. A essa massa acrescentam-se cebola ralada, um pouco de sal, duas colheres de “Azeite de dendê ou Óleo de Palma”. Quando for comida de ritual, coloca-se um pouco de pó de camarão, e, quando fizer parte da culinária baiana, colocam-se camarões secos previamente escaldados para tirar o sal, que podem ser moído junto com o feijão, além de alguns inteiros. Essa massa deve ser envolvida em pequenos pedaços de folha de bananeira, semelhante ao processo usado para fazer o acaçá, e deve ser cozido no vapor em banho-maria. É servido na própria folha. Preparo do Emú / Vinho de Palma Extraído do Igí Opé(Dendezeiro)
  10. 10. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 10
  11. 11. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 11 A seiva é muito doce, constituindo uma fonte de energia e acabando com a necessidade de comer durante o dia. Tanto homens como mulheres bebem o Emú (Vinho de Palma). Obì– Cola nitida (Vent.) Schott & Endl.
  12. 12. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 12 Kola nitida (Gbanja; Golo; Obi Gbanjà) Este atin dá frutos que possuem dois gomos, a cola ou “obi”, é muito conhecido no Brasil como Obi Banjá, em Fon é Golo, em Gun é Gbanja, e em Yorùbá seu nome é Obi Gbanjà. Possui propriedades medicamentosas e nutritivas, é um alimento muito apreciado, e oferecido em rituais de voduns. Da cola se obtém um extrato utilizado na fabricação de certas bebidas que são muito apreciadas e ganharam o mercado internacional. A comunidade de Allada (Ayou), pronuncia-se Ayú, é uma das comunidades que se baseiam comercialmente no plantio de Gbanja. Kola acuminata (Avi; Vi; Obi Abàtà) Este atin dá um obi que possui quatro gomos, algumas espécies dão de cinco, o qual é oferecido a Gu, os de quatro além de serem oferecidos a certos voduns em certos rituais, e de possuírem propriedades medicamentosas e nutritivas, também servem para consultá-los e consultar os antepassados, é o tipo mais consumido de cola no Benin e na Nigéria, seu extrato segue a mesma utilização do extrato de Kola nitida à nível industrial. A denominação que os guns lhe conferem é Avi, os fons lhe conhecem por simplesmente Vi e os nagôs e iorubas lhe denominam por Obi Abàtà ou Awedi.
  13. 13. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 13 Outros nomes populares: abaja, café-de-sudão, cola-africana, cola-de-balayi, cola- medicinal, cola-vera, colaeira, colateira, coleira, goucou, guru, mangone, nangone, noz-de-guran, noz-de-sudão, noz-degondja, obi, orobo, oubi, riquezu, kola nut (inglês), nuez de cola (espanhol), noix de cola (francês), cola (italiano), kola (alemão). Constituintes químicos: amido, cafeína, catequina, epicatequina, flavonóides, taninos, teobromina, teofilina, potássio, proantocianidinas. Propriedades medicinais: antidiarréica, cardiotônica, estimulante, excitante e tonificante do sistema nervoso e muscular, tônica. Indicações: diarréia, convalescença de doenças graves, perturbações funcionais do coração, problemas estomacais, regularizar a circulação, revigorar o sistema nervoso e muscular. Parte utilizada: amêndoas. Contra-indicações/cuidados: gestantes, crianças, pessoas ansiosas, hipertensas, com taquicardia, com insônia e úlceras estomacais ou duodenais. Efeitos colaterais: hiper- excitabilidade, insônia, problemas estomacais, taquicardia. Modo de usar: comer o fruto in natura. Orógbó - Garcinia kola Heckel
  14. 14. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 14
  15. 15. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 15 Orogbo ou orobô, nome científico Garcinia kola Heckel, é o nome de um fruto sagrado de origem africana, muito utilizado nos rituais do candomblé. Pertence a família da Garcinia. Garcinia kola (Ahowe'tin; Orogbo) O ahowe'tin (Fon e Gun) ou Orogbo (Nagô e Yorùbá) é o atin do fruto muito conhecido no Brasil como orogbo e em Candomblé Jeje por ahowe. Este fruto é consumido como alimento, e utilisado nos rituais de voduns com muitas finalidades. Tem muitas propriedades medicamentosas, como no tratamento natural da diabetes, angina, icterícias, cefaléias, tipos de anemias, etc. Esta árvore é mencionada em Fá, no dù Di Medji como a árvore dos que procuram pela fortuna, como descrito por Verger na Trajetória de Iya mi Odù do céu à terra. “O Orogbo é a Falsa Noz de Cola”.
  16. 16. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 16 Animais utilizados na Medicina Tradicional Yorùbá: Nome Comum: Cagado Nome Científico: Kinixys spp Nome Local: Ajapa (Fada da Cabeça Pelada) Nome Comum: Sapo Nome Científico: Bufo regularis Reuss Nome Local: Opolo
  17. 17. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 17 Nome Comum: Rã Nome Científico: Rana Temporaria Nome Local: Konko Nome Comum: Caramujo Nome Científico: Archachatina marginata Nome Local: Igbin
  18. 18. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 18 Nome Comum: Serpente Nome Científico: Naja spp Nome Local: Agbagi Nome Comum: Lagarto Monitor Nome Científico: Varanus niloticus Nome Local: Awonriwon
  19. 19. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 19 Nome Comum: Pyton Nome Científico: Python sebae Nome Local: Ere Nome Comum: Camaleão do Senegal Nome Científico: Chamaeleo senegalensis
  20. 20. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 20 Nome Local: Oga Nome Comum: Crocodilo do Nilo Nome Científico: Crocodylus niloticus Nome Local: Oni
  21. 21. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 21 Nome Comum: Víbora do Gabão Nome Científico: Bitis gabonica Nome Local: Paramole Nome Comum: Mamba Nome Científico: Dendroaspis spp Nome Local: Sebe Nome Comum: Pombo do Olho Vermelho - Juriti (Red-eyed Dove)
  22. 22. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 22 Nome Científico: Streptoprelia semitorquata Nome Local: Adaba Nome Comum: Melro (Blue-eared glossy starling) Nome Científico: Lamprotornis chalybaeus Nome Local: Agbe Nome Comum: Corvo Branco Nome Científico: Corvus albus Nome Local: Akalamagbo
  23. 23. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 23 Nome Comum: Mergulhão Pequeno ( Little grebe ) Nome Científico: Tachybaptus ruficollis Nome Local: Ako Nome Comum:Abelharuco rosado (Carmine bee-eater ) Nome Científico: Merops nubicus Nome Local: Aluko
  24. 24. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 24 Nome Comum: Codorniz (Double-spurred francolin) Nome Científico: Francolinus bicalcaratus Nome Local: Aparo Nome Comum: Milhafre-preto ( Black kite) Nome Científico: Milvus migrans Nome Local: Asa
  25. 25. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 25 Nome Comum: Falcão Africano, espécie de ave de rapina da família Accipitridae. (Harrier hawk) Nome Científico: Polyboroides radiatus Nome Local: Awodi Nome Comum: Papagaio cinzento africano ( African grey parrot) Nome Científico: Psittacus erithacus (*). OBS: - As penas de sua cauda são denominadas EKODIDE. Nome Local: Ayekooto (Ayekoto) / Odidere
  26. 26. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 26 Nome Comum: (Hooded vulture) Nome Científico: Necrosyrtes monachus Nome Local: Igun Nome Comum: (Cattle egret) Nome Científico: Ardeola ibis Nome Local: Lekeleke
  27. 27. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 27 Nome Comum: Pavão ( Indian peafowl ) Nome Científico: Pavo cristatus Nome Local: Okin Nome Comum: Coruja da Cara Branca (Barn owl) Nome Científico: Tyto Alba Nome Local: Owiwi
  28. 28. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 28 Nome Comum: Coruja (Spotted eagle owl) Nome Científico: Bubo africanus Nome Local: Owiwi
  29. 29. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 29 Nome Comum: Morcego Frutívoro ( Straw-coloured fruit bat ) Nome Científico: Eidolon helvum Nome Local: Adan Nome Comum: ( Savanna gerbil ) Nome Científico: Tatera valida Nome Local: Afe Nome Comum: Antílope Africano ( Roan antelope ) Nome Científico: Hippotragus equines Nome Local: Agbagudu
  30. 30. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 30 Nome Comum: (Spotted grass mouse) Nome Científico: Lemniscomys striatus Nome Local: Ago Nome Comum: ( Whit-bellied pangolin ) Nome Científico: Manis tricuspis Nome Local: Aika
  31. 31. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 31 Nome Comum: Leopardo (Leopard ) Nome Científico: Panthera pardus Nome Local: Amotekun Nome Comum: ( Shrew ) Nome Científico: Crocidura spp Nome Local: Asin
  32. 32. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 32 Nome Comum: Marmota (Beecrot's hyrax ) Nome Científico: Dendrohyrax dorsalis Nome Local: Awawa Nome Comum: Multimamate rat Nome Científico: Mastomys natalensis Nome Local: Eda
  33. 33. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 33 Nome Comum: Colobus monkey Nome Científico: Colobus spp Nome Local: Edun Nome Comum: Búfalo Africano (African buffalo ) Nome Científico: Syncerus caffer Nome Local: Efon
  34. 34. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 34 Nome Comum: Gato do Serval (Serval Cat) Nome Científico: Leptailurus serval Nome Local: Ekun Nome Comum: Rato Piguimeu (Pigmy mouse) Nome Científico: Mus minutoides Nome Local: Eliri
  35. 35. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 35 (*).O genero Mus inclui espécies a que normalmente se apelida de ratos, como o camundongo. Nome Comum: Rato do Nilo (Nile rat) Nome Científico: Arvicanthis niloticus Nome Local: Emo
  36. 36. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 36 Nome Comum: Civeta-africana ( African civet) Nome Científico: Civettictis civetta Nome Local: Eta (*). OBS: é provido de uma glândula que secreta uma substância odorífera denominada almíscar. Nome Comum: Maxwell's duiker Nome Científico: Cephalophus maxwelli Nome Local: Etu
  37. 37. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 37 Nome Comum: Bushbuck Nome Científico: Tragelaphus scriptus Nome Local: Igala Nome Comum: Patas monkey Nome Científico: Erythrocebus patas Nome Local: Ijimere
  38. 38. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 38 Nome Comum: Hiena ( Spotted hyena) Nome Científico: Crocuta crocuta Nome Local: Ikooko Nome Comum: Geoffroy's ground squirrel Nome Científico: Xerus erythropus Nome Local: Ikun
  39. 39. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 39 Nome Comum: Gorilla Nome Científico: Gorilla gorilla Nome Local: Inaki Nome Comum: Slender mongoose Nome Científico: Herpestes sanguineus Nome Local: Kolokolo
  40. 40. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 40 Nome Comum: Chimpanzee Nome Científico: Pan troglodytes Nome Local: Obo Nome Comum: Tree squirrel Nome Científico: Funisciurus pyrrhopus Nome Local: Okere
  41. 41. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 41 Nome Comum: Rato Gigante Africano (Giant rat) Nome Científico: Cricetomys gambianus Nome Local: Okete Nome Comum: Wild cat Nome Científico: Felis silvestris Nome Local: Ologbo-oko
  42. 42. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 42 Nome Comum: Rufous-bellied rat Nome Científico: Lophuromys sikapusi Nome Local: Olose Nome Comum: Porco Espinho (Crested porcupine) Nome Científico: Hystrix cristata Nome Local: Oore
  43. 43. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 43 Nome Comum: Ratazana-do-capim (Greater cane rat) Nome Científico: Thryonomys swinderianus Nome Local: Oya Nome Comum: Stripped mouse Nome Científico: Hybomys trivirgatus Nome Local: Eku onilakan (*). OBS: O Hybomys trivirgatus é uma espécie de roedor da família Muridae. Nome Comum: Elefante Africano ( Elephant ) Nome Científico: Loxodonta africana Nome Local: Àjanakú
  44. 44. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 44 Nome Comum: Leão ( Lion ) Nome Científico: Panthera leo Nome Local: Kiniun Nome Comum: Galinha d’Angola, Galinha-do-mato,
  45. 45. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 45 Guiné ou Pintada, Gallina de guinea. Nome Local: Etu Nome Científico: Numida meleagris galeata Pallas Nome Comum: ÀKÀSA ( Acaçá / Ekó ) – Bolinhos de massa fina de milho ou farinha de arroz cozidos em ponto de gelatina e envoltos, ainda quentes, em pedacinhos de folha de bananeira.
  46. 46. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 46 Nome Comum: Anis-estrelado Nome científico: Illicium verum Hook. f. Família: Magnoliaceae. Sinônimos botânicos: Illicium san-ki Perr. Outros nomes populares: anis-verdadeiro, anis-da-sibéria, badiana, badiana-de-cheiro, funcho-da-china, anise star, badiane-anis, étoilé. Constituintes químicos: anetol, felandreno, safrol, terpinol, 1,4 cineol. Propriedades medicinais: o chá realizado com o anis-estrelado, além de saboroso e aromático, age como estimulante gastrintestinal no combate a azias, eólicas estomacais e catarros crônicos. Anti-séptica, aromática, calmante, carminativo, digestiva, diurética, estimulante, estomáquico, expectorante. Indicações: bronquites, cansaço, digestão, doenças da bexiga, gases, hérnia, inflamação, lumbago, náuseas, tosses. Parte utilizada: frutos. Contra-indicações/cuidados: não encontrados na literatura consultada. Modo de usar: - Infusão a 1% - dose máxima diária: 150 ml.; - Infusão: uma colher, das de café, de anis estrelado em uma xícara de água fervente. Deixar esfriar e coar. Beber uma ou duas xícara por dia. - Tintura - dose máxima diária: 20 ml. É chamado de anis por ter aroma similar ao anis verdadeiro, assim como o manjericão-anis. Mas, indo a fundo no seu perfume, percebe-se um blend de anis com alcaçuz, aromático e amargo. No seu habitat, em bosques tropicais do sul da China e norte do Vietnã, a árvore da badiana ou badiana-de-cheiro, que pode chegar a 9 metros de altura, tem folhas elípticas, relativamente côncavas e as flores variam de amarelas a vermelhas. Já a estrela lenhosa que conhecemos é o fruto de coloração marrom, com 5 a 8 pontas que, por uma fenda, deixam aparecer as sementes lisas e brilhantes. Ambos podem ser usados pra aromatizar, sendo que as sementes são mais suaves.
  47. 47. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 47 Ata Ina / Ata – Pimenta Malagueta Ifá Iroke
  48. 48. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 48 ISINKU – Cerimônia Funebre Batakari – Jaqueta utilizada pelos Caçadores com propriedades Mágicas
  49. 49. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 49 Nome Comum: Indigo, Anil, Pastel-dos-tintureiros, Hierba pastel Nome Científico: Indigofera arrecta Hochst. [family LEGUMINOSAE-PAPILIONOIDEAE]. Nome Local: Wàjì Nome Comum: Senegal Rosewood, West African Kino, West African Rosewood Nome Científico: Pterocarpus erinaceus Poir. [family LEGUMINOSAE- PAPILIONOIDEAE]. Nome Local: Osun
  50. 50. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 50 Nome Local: Efun Nome Comum: Giz (*).Òbú (Sal da Terra) é um tipo de giz nativo encontrado na Cidade de Obú, localizada ao sul da Nigéria Ocidental.(Efun) e é comestível - Sendo usado para temperar comida, era um dos temperos principais,utilizado muito antes do sal. Òbú kò to iyò (Òbú, não pode ser comparado a um verdadeiro sal)
  51. 51. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 51 Nome Local: Abélà Nome Comum: vela
  52. 52. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 52 O Cará não é Inhame.. Nome Científico do Inhame - (Dioscorea cayennensis) Nome Científico do Taro(Cará) - (Colocasia esculenta) Plantas e túberas de inhame da costa (Dioscorea cayennensis) Plantas e rizomas de taro ou Cará (Colocasia esculenta)
  53. 53. Maricá / Estado do Rio de Janeiro - Brasil fagbenusola@gmail.com 53 O nome científico do Cará é “Colocasia esculenta”, enquqnto que o nome Científico do Inhame é “Dioscorea cayennensis”. Ao que tudo indica o nome deste tubérculo é derivado da palavra senegalesa ñam, que significa ''para comer''. Ele foi trazido para o Brasil das ilhas de Cabo Verde e São Tomé ainda no período colonial e se adaptou muito bem ao nosso clima . O alto teor de amido e vitaminas do complexo B conferem ao inhame a fama de ser um alimento altamente energético. (*). Devido a regionalismos brasileiros há uma grande confusão entre o “cará”(Taro) e o“inhame”. O que chamamos realmente de inhame é um tubérculo grande, bem maior que o do “cará”.

×