<ul><li>Programada a vinda de Jesus-Cristo  à  Terra, as Coortes espirituais apresentaram-se espontaneamente para contribu...
<ul><li>Na pol í tica, na arte, na filosofia, tomaram o corpo f í sico esp í ritos nobres que deveriam desempenhar papel d...
<ul><li>O Imp é rio Romano ainda se encontrava em plena gl ó ria, a grandeza das conquistas e o fausto deslumbrante domina...
<ul><li>As antes famosas cidades gregas, ora em decl í nio, contribu í am com filhos ilustres para a grandeza de Roma, na ...
<ul><li>Éfeso erguia-se suntuosa, derramando-se pr ó xima das  á guas azuis-turquesa do Egeu, em pleno fausto da J ô nia, ...
<ul><li>As grandiosas colunas que o ornavam, produziam deslumbramento nos visitantes e podiam ser notadas desde o mar, a q...
<ul><li>Destru í do e reconstru í do varias vezes, incendiado por um louco, os seus escombros denotam, ainda hoje, a aud á...
<ul><li>A deusa era elaborada em m á rmore polido e ornada de ouro, apresentando as caracter í sticas da exuber â ncia... ...
<ul><li>Por  É feso passaram fil ó sofos, que l á  viveram e legaram  à  humanidade p á ginas de inconfund í vel beleza, q...
<ul><li>Situada em um ponto importante, que liga o oriente ao ocidente, era um local de cruzamento entre Mileto e a J ô ni...
<ul><li>A cidade, envolvente e tumultuada, nas terras de Esmirna, repousava desde ent ã o, em verdejante vale cercado de m...
<ul><li>Suas festividades em abril chegavam a atrair um milh ã o de pessoas, embora fosse habitada por umas duzentas e cin...
<ul><li>Foi embelezada por atenienses, espartanos, romanos e conquistadores diversos, entre os quais o rei Creso da L í di...
<ul><li>Durante o cruel reinado de Cl á udio, que expulsou os judeus de Roma, Paulo, que se encontrava em Atenas, desceu n...
<ul><li>Depois, embora solicitado para que ficasse por mais tempo, prometeu retornar, dali seguindo a Cesar é ia de onde r...
<ul><li>Nesse ínterim, um erudito judeu chamado Apolo, natural de Alexandria, trouxe o verbo inflamado a Éfeso, iluminando...
<ul><li>A cidade-capital foi beneficiada pelo apostolado de Paulo, que ali viveu por v á rios anos e, posteriormente por J...
<ul><li>A casinha de pedras foi erguida nos arredores da cidade, em uma encosta, a 350 metros acima do n í vel do mar, ent...
<ul><li>Os enfrentamentos entre os pensadores gregos, efésios e outros, aferrados aos deuses ancestrais do seu panteão e o...
<ul><li>Ao mesmo tempo, o farisa í smo, que predominava nas sinagogas erguidas em toda parte onde viviam os judeus, sempre...
<ul><li>Paulo de Tarso, que ali esteve por diversas vezes, demonstrou com eloqü ê ncia incomum a grandeza da palavra do Cr...
<ul><li>Numa dessas ocasi õ es, no auge do entusiasmo, o ap ó stolo dos gentios declarou que Jesus se encontrava acima de ...
<ul><li>Um joalheiro famoso de nome Dem é trio, que produzia miniaturas de prata da deusa, tomando conhecimento de que os ...
<ul><li>Logo depois, Jo ã o deu in í cio ali ao seu minist é rio de amor, atraindo verdadeiras multid õ es que o ouviam fa...
<ul><li>Ele e Paulo tornaram-se os ministros do  Reino  de Deus , enfrentando as v ã s filosofias e apresentando a incompa...
<ul><li>A coragem desses her ó is da Era Nova constitui um dos grandes e fascinantes est í mulos para todos quantos deseja...
<ul><li>Humilha çõ es, supl í cios, c á rcere e morte n ã o lhes constitu í am impedimento  à  divulga çã o da verdade, t ...
<ul><li>Foram eles e muitos outros que se olvidaram de si mesmos para permitirem que Jesus prosseguisse arrebanhando as mu...
<ul><li>Nenhuma edifica çã o do Bem alcan ç a a sua gloriosa destina çã o dispensando os her ó is da abnega çã o e da ren ...
<ul><li>O Cristianismo  é  a saga de homens e mulheres admir á veis que, fascinados por Jesus, tudo abandonaram para melho...
<ul><li>Sucederam-se os s é culos, e, periodicamente, eles retornaram  à s grandes  É fesos terrestres, sacudindo a comodi...
<ul><li>Com o advento do Espiritismo, trazendo Jesus e Sua mensagem de volta, os desafios fizeram-se inadi á veis e, desde...
<ul><li>Pagando altos pre ç os de incompreens õ es e cal ú nias perversas, de competi çõ es desastrosas e persegui çõ es d...
<ul><li>Eles sabem que s ã o os desbravadores, os audazes desmatadores da ignor â ncia e que o seu minist é rio  é  o de q...
<ul><li>Incans á veis, prosseguem, an ô nimos uns, conhecidos outros, todos, por é m, unidos na Causa comum da Doutrina Es...
<ul><li>Esses her ó is que se consomem, na condi çã o de combust í vel do lume que derrama claridade por onde passam, enco...
<ul><li>P á gina psicografada pelo m é dium Divaldo Pereira Franco, no dia 22 de maio de 2007, quando de sua visita a  É f...
Templo de Ártemis, com 80 m de comprimento e 50 m de largura.
Pórtico de entrada da Catedral erguida em homenagem a João Evangelista, onde ele pregava o cristianismo após a crucificaçã...
Túmulo de São João Evangelista.
Nilson e Divaldo diante do monumento erguido em homenagem a São João Evangelista.
 
Manuel Vianna de Carvalho Divaldo Pereira Franco Fonte: Revista Presença Espírita 2007 – Julho/Agosto
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Os Heróis da Era Nova

1.204 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.204
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
168
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
36
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os Heróis da Era Nova

  1. 3. <ul><li>Programada a vinda de Jesus-Cristo à Terra, as Coortes espirituais apresentaram-se espontaneamente para contribuir da melhor maneira poss í vel em favor do messianato divino. </li></ul>
  2. 4. <ul><li>Na pol í tica, na arte, na filosofia, tomaram o corpo f í sico esp í ritos nobres que deveriam desempenhar papel de relev â ncia, a fim de que a doutrina do amor encontrasse resson â ncia na sociedade sedenta de alucina çõ es e prazeres. </li></ul>
  3. 5. <ul><li>O Imp é rio Romano ainda se encontrava em plena gl ó ria, a grandeza das conquistas e o fausto deslumbrante dominavam quase toda a Terra conhecida, demonstrando o poder da for ç a das legi õ es e da habilidade do governo central. </li></ul>
  4. 6. <ul><li>As antes famosas cidades gregas, ora em decl í nio, contribu í am com filhos ilustres para a grandeza de Roma, na condi çã o de pedagogos, m é dicos e servidores, embora ainda ostentassem as magn í ficas edifica çõ es do passado e a sua cultura permanecesse esplendorosa, apesar da aus ê ncia dos grandes fil ó sofos de outrora. </li></ul>
  5. 7. <ul><li>Éfeso erguia-se suntuosa, derramando-se pr ó xima das á guas azuis-turquesa do Egeu, em pleno fausto da J ô nia, na Anat ó lia, visitada pelos romanos ilustres e outros povos que vinham negociar habilmente e distrair-se nos seus banhos e teatros espetaculares... </li></ul>
  6. 8. <ul><li>As grandiosas colunas que o ornavam, produziam deslumbramento nos visitantes e podiam ser notadas desde o mar, a quase cinco quil ô metros de dist â ncia... </li></ul>
  7. 9. <ul><li>Destru í do e reconstru í do varias vezes, incendiado por um louco, os seus escombros denotam, ainda hoje, a aud á cia e a beleza dos seus construtores, inclusive Prax í teles e Escopas, dois dos mais famosos do mundo que o enriqueceram com est á tuas extraordin á rias e perfeitas. </li></ul>
  8. 10. <ul><li>A deusa era elaborada em m á rmore polido e ornada de ouro, apresentando as caracter í sticas da exuber â ncia... </li></ul>
  9. 11. <ul><li>Por É feso passaram fil ó sofos, que l á viveram e legaram à humanidade p á ginas de inconfund í vel beleza, quais foram Her á clito (de É feso) e Tales de Mileto... </li></ul>
  10. 12. <ul><li>Situada em um ponto importante, que liga o oriente ao ocidente, era um local de cruzamento entre Mileto e a J ô nia. </li></ul>
  11. 13. <ul><li>A cidade, envolvente e tumultuada, nas terras de Esmirna, repousava desde ent ã o, em verdejante vale cercado de montanhas altaneiras e protetoras, proporcionando-lhe temperaturas agrad á veis, embora ú midas, nas diferentes é pocas do ano. </li></ul>
  12. 14. <ul><li>Suas festividades em abril chegavam a atrair um milh ã o de pessoas, embora fosse habitada por umas duzentas e cinqüenta mil, que vinham das redondezas, assim como, de distantes terras, quais Jerusal é m e Atenas... </li></ul>
  13. 15. <ul><li>Foi embelezada por atenienses, espartanos, romanos e conquistadores diversos, entre os quais o rei Creso da L í dia, eg í pcios, persas, Alexandre Magno da Maced ô nia, vencida e ressuscitada por turcos, bizantinos, otomanos, havendo exercido, no seu esplendor, uma grande import â ncia para o Cristianismo nascente, com quase dois mil anos desde quando fundada, antes que os j ô nios a dominassem no s é culo XI a.C. </li></ul>
  14. 16. <ul><li>Durante o cruel reinado de Cl á udio, que expulsou os judeus de Roma, Paulo, que se encontrava em Atenas, desceu na dire çã o de Jerusal é m, passando por Corinto, onde se fez acompanhar pelos amigos queridos Á quila e Prisca, visitando outras cidades, e chegando a É feso, ali apresentando a sua primeira exposi çã o sobre Jesus, na sinagoga local. </li></ul>
  15. 17. <ul><li>Depois, embora solicitado para que ficasse por mais tempo, prometeu retornar, dali seguindo a Cesar é ia de onde rumou a Jerusal é m... </li></ul>
  16. 18. <ul><li>Nesse ínterim, um erudito judeu chamado Apolo, natural de Alexandria, trouxe o verbo inflamado a Éfeso, iluminando as consciências que se lhe acercavam, dando-lhes conhecimento da mensagem de Jesus. </li></ul>
  17. 19. <ul><li>A cidade-capital foi beneficiada pelo apostolado de Paulo, que ali viveu por v á rios anos e, posteriormente por Jo ã o, que iniciou, nas suas terras, a escrita das suas mem ó rias, que passou à posteridade como o seu Evangelho, tendo erguido sua resid ê ncia num dos montes perif é ricos da cidade, onde, mais tarde, passou a residir at é a sua desencarna çã o, a M ã e Sant í ssima da Humanidade. </li></ul>
  18. 20. <ul><li>A casinha de pedras foi erguida nos arredores da cidade, em uma encosta, a 350 metros acima do n í vel do mar, entre oliveiras e verdejante relva, mas de onde se podia v ê -lo... </li></ul>
  19. 21. <ul><li>Os enfrentamentos entre os pensadores gregos, efésios e outros, aferrados aos deuses ancestrais do seu panteão e os ministros do Evangelho nascente, fizeram-se formosos dialeticamente e agressivos emocionalmente. </li></ul>
  20. 22. <ul><li>Ao mesmo tempo, o farisa í smo, que predominava nas sinagogas erguidas em toda parte onde viviam os judeus, sempre se levantava com ferocidade para combater Jesus e, naturalmente aqueles que se Lhe fizeram mensageiros, conduzindo ao c á rcere, muitas vezes, esses not á veis esp í ritos que jamais desfaleciam nas refregas ou temiam qualquer tipo de hostilidade. </li></ul>
  21. 23. <ul><li>Paulo de Tarso, que ali esteve por diversas vezes, demonstrou com eloqü ê ncia incomum a grandeza da palavra do Crucificado nazareno, sensibilizando os ouvintes que se multiplicavam, dando in í cio à constru çã o das primeiras c é lulas de disc í pulos crist ã os, conforme os denominara Lucas... </li></ul>
  22. 24. <ul><li>Numa dessas ocasi õ es, no auge do entusiasmo, o ap ó stolo dos gentios declarou que Jesus se encontrava acima de todos os deuses, naturalmente incluindo Á rtemis, que era fonte de renda para a cidade e para artes ã os, funcion á rios, sacerdotes e exploradores em geral... </li></ul>
  23. 25. <ul><li>Um joalheiro famoso de nome Dem é trio, que produzia miniaturas de prata da deusa, tomando conhecimento de que os deuses fabricados pelos humanos n ã o eram sagrados, conforme Paulo proclamara, receou que a deusa perdesse o prest í gio e, por conseqü ê ncia, ele e os demais artes ã os ficassem seriamente prejudicados, deu in í cio a um movimento que atraiu tanta gente ao grande teatro, gritando Á rtemis de É feso é grande , recitando ora çõ es e homenagens, que o ato redundou num pleito, quando as autoridades, por fim, convidaram o ap ó stolo a abandonar a cidade... </li></ul>
  24. 26. <ul><li>Logo depois, Jo ã o deu in í cio ali ao seu minist é rio de amor, atraindo verdadeiras multid õ es que o ouviam fascinadas. </li></ul>
  25. 27. <ul><li>Ele e Paulo tornaram-se os ministros do Reino de Deus , enfrentando as v ã s filosofias e apresentando a incompar á vel mensagem do amor do Mestre, atitudes essas que os levaram ao testemunho por diversas vezes, sem os abater ou atemorizar. </li></ul>
  26. 28. <ul><li>A coragem desses her ó is da Era Nova constitui um dos grandes e fascinantes est í mulos para todos quantos desejam servir ao Bem, porquanto nada havia que os intimidasse ou lhes diminu í sse o entusiasmo no trabalho a que se entregavam. </li></ul>
  27. 29. <ul><li>Humilha çõ es, supl í cios, c á rcere e morte n ã o lhes constitu í am impedimento à divulga çã o da verdade, t ã o impregnados se encontravam da certeza da imortalidade do esp í rito, que as suas vidas ainda hoje constituem modelos de abnega çã o e de sacrif í cio comovedores. </li></ul>
  28. 30. <ul><li>Foram eles e muitos outros que se olvidaram de si mesmos para permitirem que Jesus prosseguisse arrebanhando as multidões, que a Mensagem de Luz chegou aos dias modernos, embora as alterações que sofreu, conservando, no entanto, a sua pulcritude nos conteúdos insuperáveis do amor, da compaixão, da humildade, do perdão, da caridade e da sobrevivência espiritual, ainda conduzindo milhões de vidas na direção do Mestre Insuperado. </li></ul>
  29. 31. <ul><li>Nenhuma edifica çã o do Bem alcan ç a a sua gloriosa destina çã o dispensando os her ó is da abnega çã o e da ren ú ncia. Incompreendidos, no in í cio, suportam as dificuldades mais s é rias confiantes no resultado dos esfor ç os, vencendo as intemp é ries de todo tipo e os enfrentamentos mais covardes e rudes, trai ç oeiros e ign ó beis, firmes na decis ã o, at é o momento em que o triunfo do ideal os aureola com o mart í rio demorado... </li></ul>
  30. 32. <ul><li>O Cristianismo é a saga de homens e mulheres admir á veis que, fascinados por Jesus, tudo abandonaram para melhor O servirem, vencendo dist â ncias imensas sob o Sol inclemente e as chuvas torrenciais, dominados pela presen ç a d’Aquele que nunca os abandonou, conforme lhes houvera prometido. </li></ul>
  31. 33. <ul><li>Sucederam-se os s é culos, e, periodicamente, eles retornaram à s grandes É fesos terrestres, sacudindo a comodidade e revolucionando as idéias, firmes no convite à transforma çã o moral e ao amor em plenitude, pagando o alto pre ç o da aud á cia da f é que n ã o se mancomuna com os interesses s ó rdidos dos comensais da ilus ã o. </li></ul>
  32. 34. <ul><li>Com o advento do Espiritismo, trazendo Jesus e Sua mensagem de volta, os desafios fizeram-se inadi á veis e, desde os dias de Allan Kardec, esp í ritos portadores de grande vigor moral tomaram a indument á ria carnal para levar a Nova Revela çã o à humanidade distra í da e desinteressada do Reino de Deus... </li></ul>
  33. 35. <ul><li>Pagando altos pre ç os de incompreens õ es e cal ú nias perversas, de competi çõ es desastrosas e persegui çõ es doentias, ei-los seguindo altaneiros com os sentimentos colocados no Mestre de amor, superando-se a si mesmos e pondo marcos definidores dos tempos, a fim de que aqueles que vir ã o depois deles d ê em prosseguimento ao programa de liberta çã o e de felicidade. </li></ul>
  34. 36. <ul><li>Eles sabem que s ã o os desbravadores, os audazes desmatadores da ignor â ncia e que o seu minist é rio é o de quebrar os tabus, vencer as hostilidades, suportar o peso das injun çõ es penosas, facilitando a tarefa dos porvindouros ap ó stolos do Bem. </li></ul>
  35. 37. <ul><li>Incans á veis, prosseguem, an ô nimos uns, conhecidos outros, todos, por é m, unidos na Causa comum da Doutrina Esp í rita, de forma a torn á -la conhecida pelas suas palavras l ú cidas e s á bias, respeitada pelos seus atos desataviados e transparentes, pela sua coragem de n ã o revidar o mal! com outro mal, uma com outra cal ú nia, n ã o se permitindo transformar em inimigo de outrem, mesmo que esse lhe seja inimigo, felizes e certos da vit ó ria final. </li></ul>
  36. 38. <ul><li>Esses her ó is que se consomem, na condi çã o de combust í vel do lume que derrama claridade por onde passam, encontram-se sob o amparo do seu Senhor, conforme Paulo, Jo ã o evangelista, Barnab é , Pedro, Tiago... e todos os pioneiros da nascente doutrina de Jesus que modificou a hist ó ria da sociedade, preparando o campo de lutas para este momento de ci ê ncia, de tecnologia, de conhecimentos filos ó ficos e é ticos, de arte e beleza, de telecomunica çõ es e conviv ê ncia virtual, quando o Espiritismo implantar á na Terra, com os seus paradigmas grandiosos, a sociedade feliz e livre da ignor â ncia para sempre. </li></ul>
  37. 39. <ul><li>P á gina psicografada pelo m é dium Divaldo Pereira Franco, no dia 22 de maio de 2007, quando de sua visita a É feso (Esmirna, Turquia.) </li></ul>FONTE: PRESENÇA ESPÍRITA JULHO/AGOSTO DE 2007
  38. 40. Templo de Ártemis, com 80 m de comprimento e 50 m de largura.
  39. 41. Pórtico de entrada da Catedral erguida em homenagem a João Evangelista, onde ele pregava o cristianismo após a crucificação do Cristo.
  40. 42. Túmulo de São João Evangelista.
  41. 43. Nilson e Divaldo diante do monumento erguido em homenagem a São João Evangelista.
  42. 45. Manuel Vianna de Carvalho Divaldo Pereira Franco Fonte: Revista Presença Espírita 2007 – Julho/Agosto

×