Manifesto de apoiadores e apoiadoras da pré-candidatura

194 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
194
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Manifesto de apoiadores e apoiadoras da pré-candidatura

  1. 1. MANIFESTO DOS APOIADORES E APOIADORAS DA PRÉ-CANDIDATURA DE FRANÇA AO SENADO FEDERAL PELA BAHIA. CENÁRIO POLÍTICO 1. No Brasil o governo Lula vem apresentando em sucessivas pesquisas um respaldo apoiador que revela sua força na sociedade, e para que se entenda como o governo do PT consegue esta façanha, a definição do projeto petista deve ser melhor destrinchada: o PT consegue ser o carro chefe de um projeto burguês de acumulação, unindo setores industriais, agroexportadores, banqueiros e com capacidade de manter, pelo menos até o momento, uma estabilidade política e redução da polarização de classe à medida que conseguiu amalgamar interesses burgueses com interesses da burocracia sindical. 2. Diante do enfraquecimento do imperialismo na América Latina, esta unidade entre setores burocráticos e burgueses, num país que logrou um importante crescimento industrial, permitiu que as classes dominantes no mundo resolvessem apostar no papel do Lula como um bombeiro no continente. Um acerto substituto do papel norte-americano para estabilizar o regime do capital e evitar uma integração plenamente independente da América Latina. Por isso o imperialismo, tanto o europeu quanto o norte-americano, apóiam o governo Lula. 3. Ao mesmo tempo, o povo mais pobre não nutre ódio pelo governo, e na sua maioria lhe presta apoio, embora sem entusiasmo. Isso é assim porque ao longo dos últimos anos o PT expandiu sua rede de apoio com programas sociais. Estes elementos confirmam o deslocamento do eixo de maior apoio eleitoral ao PT, principalmente aqui no Nordeste. 4. Tomando o governo de conjunto, o núcleo fundamental de poder segue estando nas mãos da aliança entre o setor financeiro, os exportadores e o agronegócio. A proximidade também com a burocracia sindical via PDT/Força e Cut é um traço do governo; ainda que não façam parte deste núcleo duro, há setores com os quais Lula mantém um dialogo privilegiado, na constante capitulação a setores mais retrógrados como latifúndios e a cúpula das forças
  2. 2. armadas. Também têm sido fundamental seus acordos com a grande mídia do país, encabeçada pela Rede Globo. 5. Já no movimento de massas, de modo sistemático, o governo contou com a colaboração das direções da Cut e da Une. Mesmo o Mst, embora em contradição clara e muitas vezes aberta com o modelo econômico defendido pelo governo, aceitou não disputar na sociedade de modo claro, com seu real peso, não desencadeou lutas nacionais fortes. 6. Esse debilitamento foi facilitado porque à medida que o PT aceitou o realismo da política e da economia dominadas pelos monopólios capitalistas e por seu regime, a lógica que acaba se impondo é a de não insistir nas ações diretas, na busca de um novo modelo. Ou seja, com a vitória de Lula e sua traição, enfraqueceu-se no Brasil a realização de políticas que anunciem e defendam mudanças estruturais. Um Senado de verdade 7. Denunciar a farsa petista, a falsa polarização entre o PT e PSDB que assumem a mesma política diferenciando-se apenas nos seus agentes de interlocução, será uma tarefa extremamente difícil e passa pelo candidato que representará o PSOL nacionalmente afirmando seu caráter combativo, coerente e de luta perpassados desde os momentos do rompimento dos radicais e o dialogo originário do partido. 8. Contudo, reafirmar este projeto de Brasil significa ir além da eleição de nosso candidato à presidência. Exigirá também a construção das condições objetivas para que possamos intervir em favor da classe trabalhadora, denunciar a farsa deste governo, deste sistema e deste regime engendrado na corrupção. 9. E para nós, um dos espaços fundamentais para a constituição desta realidade é o Senado Federal. A Casa onde os grandes temas federativos deveriam ser tratados. A Casa por onde deveriam passar todos os debates no sentido da construção de consensos pelo desenvolvimento econômico e social do Brasil, mas que, infelizmente, nos últimos anos, tem se ocupado com temas menores da disputa político-eleitoral e político-personalista, ou ainda, dispensado tempo e esforço para curar suas próprias feridas. O Senado Federal, para nós, é um tribuno importante na construção da nossa democracia, contudo, precisa da dimensão constitucional que foi instituído, sua vocação de seara dos grandes debates de interesse público e de elaboração de alternativas para a solução dos grandes e verdadeiros problemas nacionais. 10. Para que isto ocorra é fundamental a realização de uma ampla reforma política através de uma Assembléia Constituinte exclusiva. Uma reforma onde o Senado se coloque realmente como uma Casa revisora. Uma reforma que acabe com a figura do suplente de senador e que permita apenas uma reeleição, assim como ocorre com outros cargos majoritários. Enfim, uma reforma que inclua, em seu bojo, a revisão do papel do senado e sua relação com a sociedade. 11. Por isso – independente de como se configurarem as alianças para a disputa ao Governo do Estado, acreditando na composição da Frente de Esquerda com o PSTU e o PCB, caminharemos coesos/as e fraternos/as em torno de uma pré-candidatura capaz de representar o PSOL na coerência e luta reconhecida.
  3. 3. FRANÇA Pré-candidato a Senador “o meu voto é na mudança, o meu voto é FRANÇA” 12. E o fazemos por entender que França, indicado como candidato ao Senado Federal, reúne todas as condições para atuar num mandato de união em defesa dos interesses da Bahia; o faz por entender que os seus compromissos partidários e de vida o credenciam a ser um dos melhores representantes de nosso estado no Senado. 13. É por estes aspectos que conclamamos o PSOL Bahia a discutir a pré- candidatura de França ao Senado Federal por entender, também, que a sua capacidade política que é testada e aprovada como dirigente da Cut estadual, dirigente da Comissão Nacional de Combate ao Racismo por dois mandatos (Cut), representante eleito pelos trabalhadores e trabalhadoras da Dataprev que discutiu tecnologia da informação, por ser atualmente, diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Tecnologia da Informação – Sindados e diretor da Federação Nacional dos trabalhadores em Tecnologia da Informação – Fenadados além de ser representante nacional pela Fenadados, dos trabalhadores e trabalhadoras terceirizados e de empresas particulares, o credenciam para um grande mandato em defesa dos interesses do Estado e do Brasil. 14. Observamos ainda que um projeto de Brasil que inclua e amplie de forma livre e plural saberes, controvérsias, potencialidades e demandas dos movimentos sociais, organizados ou não, exige um respaldo e político em sua representação no Congresso Nacional, representação essa com capacidade de articulação, em bases éticas, estratégicas e democráticas, que faça do debate e dos textos propostos caminhos seguros em direção a ações legislativas revolucionarias. 15. Estamos, desde já, ao lado de França na pré-candidatura do PSOL Bahia ao Senado, convictos que sua experiência na vida política lançará um novo olhar sobre a conjuntura, apostando no devido enfrentamento, na defesa intransigente da classe trabalhadora e na coerência como forma de defender o nosso Estado em Brasília.

×