SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
Técnico/a Auxiliar de Saúde
U. 20 – Cuidados na Saúde do Idoso
Trabalho elaborado por Jacinta Fernandes, Francisco Ferreira e Isabel Braz 23-08-2013
Página 1
Caracterizar as novas estruturas de apoio à saúde do idoso
emergente no mercado e respetiva oferta de serviços.
Objetivos e funcionamento de estruturas de apoio domiciliário e
abrigos/residências para idosos.
Apoio domiciliário
O que é:
O Serviço de Apoio Domiciliário é uma resposta social que consiste
na prestação de cuidados individualizados e personalizados no
domicilio a indivíduos ou famílias, quando por motivo de doença,
deficiência ou outros impedimentos, não possam assegurar,
temporária ou permanentemente, a satisfação das necessidades
básicas e/ou atividades da vida diária.
O apoio domiciliário pode ser prestado através de uma instituição,
ou cuidador/a individual, com vista a melhorar a sua qualidade de
vida e segurança.
Objetivos:
Contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos indivíduos
e famílias;
Contribuir para a redução do isolamento social e da solidão de
pessoas idosas;
Contribuir para a conciliação da vida familiar e profissional do
agregado familiar;
Contribuir para a manutenção, durante o maior tempo
possível, do idoso no seu meio ambiente, retardando ou
evitando a sua institucionalização;
Técnico/a Auxiliar de Saúde
U. 20 – Cuidados na Saúde do Idoso
Trabalho elaborado por Jacinta Fernandes, Francisco Ferreira e Isabel Braz 23-08-2013
Página 2
Reduzir e/ou atenuar situações de incapacidade física e/ou
mental e de isolamento;
Prestar cuidados de ordem física e apoio psicossocial aos
utentes e famílias, de modo a contribuir para o seu equilíbrio e
bem-estar;
Prevenir situações de dependência e promover a autonomia;
Apoiar os utentes e famílias na satisfação das necessidades
básicas e atividades da vida diária;
Colaborar e/ou assegurar o acesso à prestação de cuidados
de saúde.
Funcionamento:
Dispondo de veículos apropriados e devidamente equipados, a
instituição ou o/a prestador de cuidados e apoio ao domicilio, pode
deslocar-se ao domicilio do idoso para prestar os seguintes
serviços/cuidados:
Cuidados de higiene e conforto pessoal;
Fornecimento e apoio nas refeições, respeitando as dietas
constantes em prescrição médica;
Higiene habitacional;
Tratamento de roupas;
Atividades de animação e socialização;
Acompanhamento em deslocações de rotina como: consultas,
exames, pagamentos de serviços etc.
Técnico/a Auxiliar de Saúde
U. 20 – Cuidados na Saúde do Idoso
Trabalho elaborado por Jacinta Fernandes, Francisco Ferreira e Isabel Braz 23-08-2013
Página 3
Abrigos/residências para idosos
O que são:
Os abrigos ou residências para idosos, em geral, são locais com
disponibilidade para acolher, em regime de permanência
prolongada ou temporária, idosos com diferentes graus de
dependência existindo as Residências Assistidas, e as
Residências Temporárias.
Estes abrigos ou residências para idosos regem-se por regras e
horários de funcionamento estabelecidos por cada um deles, sendo
que por exemplo, na “Residência Sénior Solar Martins” de Mafra, o
acompanhamento do idoso é feito através de uma equipa
multidisciplinar, disponível durante 24h.
Objetivos:
O principal objetivo de um abrigo ou residência para idosos, é
o de proporcionar uma melhor e maior qualidade de vida, com
atendimento personalizado, respondendo às necessidades
dos utentes.
Os abrigos/residências para idosos, podem oferecer soluções
de longo prazo, com objetivos terapêuticos de reabilitação,
manutenção e prevenção, permitindo estadias temporárias ou
permanentes onde os utentes podem usufruir de:
Alojamento temporário ou permanente;
Lavandaria;
Alimentação;
Cuidados de higiene e conforto;
Acompanhamento médico;
Acompanhamento psicológico;
Cuidados de enfermagem;
Técnico/a Auxiliar de Saúde
U. 20 – Cuidados na Saúde do Idoso
Trabalho elaborado por Jacinta Fernandes, Francisco Ferreira e Isabel Braz 23-08-2013
Página 4
Gestão da agenda médica;
Acompanhamento ao hospital sempre que necessário;
Análises clínicas;
Aulas de manutenção e reabilitação física;
Atividades de animação sociocultural;
Em alguns casos são ainda oferecidos cuidados de estética,
manicura e pédicure.
Funcionamento:
O funcionamento dos abrigos/residências para idosos, têm um
funcionamento idêntico ao das casas de repouso, sendo que a
admissão é feita através de candidatura e posterior seleção.
A seleção dos candidatos é feita em concordância com critérios de
prioridade estabelecidos baseados no grau de incapacidade do
idoso, na sua condição socioeconómica e no seu grau de
isolamento.
Residência Assistida
Residência Assistida é uma unidade residencial com oferta de
serviços comuns de utilização facultativa, disponibilizados por uma
Equipa Interdisciplinar.
Dirige-se a pessoas idosas autónomas ou com pequenos défices de
autonomia, proporcionando um meio seguro e de qualidade, onde é
estimulada a manutenção da participação ativa.
Constitui uma resposta intermédia e alternativa em termos
habitacionais, situada entre os meios sociais naturais com
ambientes protetores não assistidos (caso da família) e a
institucionalização.
A Residência Assistida possibilita a preservação e manutenção dos
laços sociais e afetivos do idoso, assumindo uma natureza de
proximidade territorial.
Técnico/a Auxiliar de Saúde
U. 20 – Cuidados na Saúde do Idoso
Trabalho elaborado por Jacinta Fernandes, Francisco Ferreira e Isabel Braz 23-08-2013
Página 5
Residência Temporária
Residência Temporária é uma estrutura de acolhimento temporário
para idosos que, provisoriamente, necessitem de vigilância
sistemática, mas não de cuidados médicos e de enfermagem
permanentes.
Bibliografia
http://www.scml.pt/areas_de_intervencao/acao_social/pessoas_idos
as/
http://www.cnsn.pt/portal/index.php?id=1156

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

UFCD - 6561 -Equipas Multidisciplinares .pptx
UFCD - 6561 -Equipas Multidisciplinares  .pptxUFCD - 6561 -Equipas Multidisciplinares  .pptx
UFCD - 6561 -Equipas Multidisciplinares .pptxNome Sobrenome
 
Modelo apresentação formação profissional versão final
Modelo apresentação  formação profissional versão finalModelo apresentação  formação profissional versão final
Modelo apresentação formação profissional versão finalConsulges
 
Trabalho em equipas multidisciplinares de saúde
Trabalho em equipas multidisciplinares de saúdeTrabalho em equipas multidisciplinares de saúde
Trabalho em equipas multidisciplinares de saúdeSusana Cardoso
 
Reflexão Final da Unidade Curricular – Ana Carvalho
Reflexão Final da Unidade Curricular – Ana CarvalhoReflexão Final da Unidade Curricular – Ana Carvalho
Reflexão Final da Unidade Curricular – Ana CarvalhoAnaAndreia
 
UFCD - 6583 - Manual dos Cuidados de Saúde Mental.PPT
UFCD - 6583 - Manual  dos Cuidados de Saúde Mental.PPTUFCD - 6583 - Manual  dos Cuidados de Saúde Mental.PPT
UFCD - 6583 - Manual dos Cuidados de Saúde Mental.PPTNome Sobrenome
 
UFCD-6570 Abordagem Geral de Noções Básicas de Primeiros.pptx
UFCD-6570 Abordagem Geral de Noções Básicas de Primeiros.pptxUFCD-6570 Abordagem Geral de Noções Básicas de Primeiros.pptx
UFCD-6570 Abordagem Geral de Noções Básicas de Primeiros.pptxNome Sobrenome
 
10 OrientaçãO Para A ElaboraçãO Do Pra
10 OrientaçãO Para A ElaboraçãO Do Pra10 OrientaçãO Para A ElaboraçãO Do Pra
10 OrientaçãO Para A ElaboraçãO Do PraJoão Lima
 
Cidadania e Profissionalidade 4 organismos institucionais
Cidadania e Profissionalidade 4 organismos institucionaisCidadania e Profissionalidade 4 organismos institucionais
Cidadania e Profissionalidade 4 organismos institucionaisClamar6480
 
ReflexãO Individual Ana Santos
ReflexãO Individual   Ana SantosReflexãO Individual   Ana Santos
ReflexãO Individual Ana SantosAnaSAnaO
 
Metodos e tecnicas_pedagogicos
Metodos e tecnicas_pedagogicosMetodos e tecnicas_pedagogicos
Metodos e tecnicas_pedagogicosVeronica Gur Be
 
Planos de sessão
Planos de sessãoPlanos de sessão
Planos de sessãoAna Narciso
 
Tarefas do tas higiene seguranca e saude
Tarefas do tas higiene seguranca e saudeTarefas do tas higiene seguranca e saude
Tarefas do tas higiene seguranca e saudeLurdesmartins17
 
Manual ufcd 6576_-_cuidados_na_saude_do_idoso
Manual ufcd 6576_-_cuidados_na_saude_do_idosoManual ufcd 6576_-_cuidados_na_saude_do_idoso
Manual ufcd 6576_-_cuidados_na_saude_do_idosoMaria Clara Ventura
 
Atitudes perante-a-morte-e-sentido-de-vida-em-profissionais-de-saude[1]
Atitudes perante-a-morte-e-sentido-de-vida-em-profissionais-de-saude[1]Atitudes perante-a-morte-e-sentido-de-vida-em-profissionais-de-saude[1]
Atitudes perante-a-morte-e-sentido-de-vida-em-profissionais-de-saude[1]Teresa Andrade
 
Animaçao para Idosos
Animaçao para IdososAnimaçao para Idosos
Animaçao para Idososanimaclub
 

Mais procurados (20)

UFCD - 6561 -Equipas Multidisciplinares .pptx
UFCD - 6561 -Equipas Multidisciplinares  .pptxUFCD - 6561 -Equipas Multidisciplinares  .pptx
UFCD - 6561 -Equipas Multidisciplinares .pptx
 
Modelo apresentação formação profissional versão final
Modelo apresentação  formação profissional versão finalModelo apresentação  formação profissional versão final
Modelo apresentação formação profissional versão final
 
Trabalho em equipas multidisciplinares de saúde
Trabalho em equipas multidisciplinares de saúdeTrabalho em equipas multidisciplinares de saúde
Trabalho em equipas multidisciplinares de saúde
 
Reflexão Final da Unidade Curricular – Ana Carvalho
Reflexão Final da Unidade Curricular – Ana CarvalhoReflexão Final da Unidade Curricular – Ana Carvalho
Reflexão Final da Unidade Curricular – Ana Carvalho
 
UFCD - 6583 - Manual dos Cuidados de Saúde Mental.PPT
UFCD - 6583 - Manual  dos Cuidados de Saúde Mental.PPTUFCD - 6583 - Manual  dos Cuidados de Saúde Mental.PPT
UFCD - 6583 - Manual dos Cuidados de Saúde Mental.PPT
 
UFCD-6570 Abordagem Geral de Noções Básicas de Primeiros.pptx
UFCD-6570 Abordagem Geral de Noções Básicas de Primeiros.pptxUFCD-6570 Abordagem Geral de Noções Básicas de Primeiros.pptx
UFCD-6570 Abordagem Geral de Noções Básicas de Primeiros.pptx
 
10 OrientaçãO Para A ElaboraçãO Do Pra
10 OrientaçãO Para A ElaboraçãO Do Pra10 OrientaçãO Para A ElaboraçãO Do Pra
10 OrientaçãO Para A ElaboraçãO Do Pra
 
Cidadania e Profissionalidade 4 organismos institucionais
Cidadania e Profissionalidade 4 organismos institucionaisCidadania e Profissionalidade 4 organismos institucionais
Cidadania e Profissionalidade 4 organismos institucionais
 
Privacidade e segredo profissional
Privacidade e segredo profissional Privacidade e segredo profissional
Privacidade e segredo profissional
 
ReflexãO Individual Ana Santos
ReflexãO Individual   Ana SantosReflexãO Individual   Ana Santos
ReflexãO Individual Ana Santos
 
Metodos e tecnicas_pedagogicos
Metodos e tecnicas_pedagogicosMetodos e tecnicas_pedagogicos
Metodos e tecnicas_pedagogicos
 
2º ata reunião encarregados de educação
2º ata   reunião  encarregados de educação2º ata   reunião  encarregados de educação
2º ata reunião encarregados de educação
 
Planos de sessão
Planos de sessãoPlanos de sessão
Planos de sessão
 
Regras De Aulas
Regras De AulasRegras De Aulas
Regras De Aulas
 
Tarefas do tas higiene seguranca e saude
Tarefas do tas higiene seguranca e saudeTarefas do tas higiene seguranca e saude
Tarefas do tas higiene seguranca e saude
 
Manual ufcd 6576_-_cuidados_na_saude_do_idoso
Manual ufcd 6576_-_cuidados_na_saude_do_idosoManual ufcd 6576_-_cuidados_na_saude_do_idoso
Manual ufcd 6576_-_cuidados_na_saude_do_idoso
 
Atitudes perante-a-morte-e-sentido-de-vida-em-profissionais-de-saude[1]
Atitudes perante-a-morte-e-sentido-de-vida-em-profissionais-de-saude[1]Atitudes perante-a-morte-e-sentido-de-vida-em-profissionais-de-saude[1]
Atitudes perante-a-morte-e-sentido-de-vida-em-profissionais-de-saude[1]
 
Portefólio
Portefólio Portefólio
Portefólio
 
Animaçao para Idosos
Animaçao para IdososAnimaçao para Idosos
Animaçao para Idosos
 
Plano de sessão
Plano de sessãoPlano de sessão
Plano de sessão
 

Destaque

Solidão e Isolamento Social - Bate-Papo LIPSAM 2014
Solidão e Isolamento Social - Bate-Papo LIPSAM 2014Solidão e Isolamento Social - Bate-Papo LIPSAM 2014
Solidão e Isolamento Social - Bate-Papo LIPSAM 2014Daniel Luccas Arenas
 
Animação de Idosos no Domicílio
Animação de Idosos no DomicílioAnimação de Idosos no Domicílio
Animação de Idosos no DomicílioAndreLeite1
 
Isolamento Social
Isolamento SocialIsolamento Social
Isolamento Socialguest3bc9a9
 
Apresentação+vida, apoio ao domicílio e assessorias
Apresentação+vida, apoio ao domicílio e assessoriasApresentação+vida, apoio ao domicílio e assessorias
Apresentação+vida, apoio ao domicílio e assessoriasmais vida apoio ao domicílio
 
Aula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularAula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularIsmael Costa
 
Relatorio de intervencao - comportamento sexual
Relatorio de intervencao - comportamento sexualRelatorio de intervencao - comportamento sexual
Relatorio de intervencao - comportamento sexualRute Duarte
 
PESQUISA BELO HORIZONTE | Empresas mais admiradas em Home Care
PESQUISA BELO HORIZONTE | Empresas mais admiradas em Home CarePESQUISA BELO HORIZONTE | Empresas mais admiradas em Home Care
PESQUISA BELO HORIZONTE | Empresas mais admiradas em Home CareConexão Home Care
 
Cuidaddo com idoso
Cuidaddo com idosoCuidaddo com idoso
Cuidaddo com idosoCarla Pires
 
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica Amanda Amate
 
VirgíLio Garcia AvaliaçãO Funcional Aula VersãO Do Editor 02 02 2008
VirgíLio Garcia   AvaliaçãO Funcional   Aula   VersãO Do Editor   02 02 2008VirgíLio Garcia   AvaliaçãO Funcional   Aula   VersãO Do Editor   02 02 2008
VirgíLio Garcia AvaliaçãO Funcional Aula VersãO Do Editor 02 02 2008agemais
 
Idosos em Portugal - Pobreza e Solidão
Idosos em Portugal - Pobreza e SolidãoIdosos em Portugal - Pobreza e Solidão
Idosos em Portugal - Pobreza e Solidãoctome
 
O papel da família ou outros cuidadores informais
O papel da família ou outros cuidadores informaisO papel da família ou outros cuidadores informais
O papel da família ou outros cuidadores informaisDaniela
 

Destaque (20)

Idosos
IdososIdosos
Idosos
 
Solidão e Isolamento Social - Bate-Papo LIPSAM 2014
Solidão e Isolamento Social - Bate-Papo LIPSAM 2014Solidão e Isolamento Social - Bate-Papo LIPSAM 2014
Solidão e Isolamento Social - Bate-Papo LIPSAM 2014
 
Animação de Idosos no Domicílio
Animação de Idosos no DomicílioAnimação de Idosos no Domicílio
Animação de Idosos no Domicílio
 
Isolamento Social
Isolamento SocialIsolamento Social
Isolamento Social
 
Apresentação+vida, apoio ao domicílio e assessorias
Apresentação+vida, apoio ao domicílio e assessoriasApresentação+vida, apoio ao domicílio e assessorias
Apresentação+vida, apoio ao domicílio e assessorias
 
Solidao
SolidaoSolidao
Solidao
 
Velhice
VelhiceVelhice
Velhice
 
Aula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularAula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regular
 
Números de idosos no brasil
Números de idosos no brasilNúmeros de idosos no brasil
Números de idosos no brasil
 
Relatorio de intervencao - comportamento sexual
Relatorio de intervencao - comportamento sexualRelatorio de intervencao - comportamento sexual
Relatorio de intervencao - comportamento sexual
 
PESQUISA BELO HORIZONTE | Empresas mais admiradas em Home Care
PESQUISA BELO HORIZONTE | Empresas mais admiradas em Home CarePESQUISA BELO HORIZONTE | Empresas mais admiradas em Home Care
PESQUISA BELO HORIZONTE | Empresas mais admiradas em Home Care
 
Revista "Prevenção Sénior"
Revista "Prevenção Sénior"Revista "Prevenção Sénior"
Revista "Prevenção Sénior"
 
Cuidaddo com idoso
Cuidaddo com idosoCuidaddo com idoso
Cuidaddo com idoso
 
Ética
Ética Ética
Ética
 
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
 
VirgíLio Garcia AvaliaçãO Funcional Aula VersãO Do Editor 02 02 2008
VirgíLio Garcia   AvaliaçãO Funcional   Aula   VersãO Do Editor   02 02 2008VirgíLio Garcia   AvaliaçãO Funcional   Aula   VersãO Do Editor   02 02 2008
VirgíLio Garcia AvaliaçãO Funcional Aula VersãO Do Editor 02 02 2008
 
Idosos em Portugal - Pobreza e Solidão
Idosos em Portugal - Pobreza e SolidãoIdosos em Portugal - Pobreza e Solidão
Idosos em Portugal - Pobreza e Solidão
 
O papel da família ou outros cuidadores informais
O papel da família ou outros cuidadores informaisO papel da família ou outros cuidadores informais
O papel da família ou outros cuidadores informais
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
 
Aplicação da medida de independência funcional mif
Aplicação da medida de independência funcional   mifAplicação da medida de independência funcional   mif
Aplicação da medida de independência funcional mif
 

Semelhante a U. 20 - Apoio domiciliário e abrigos/residências para idosos.

Modelos assistenciais terapêuticos direcionados ao idoso vs2
Modelos assistenciais terapêuticos direcionados ao idoso vs2Modelos assistenciais terapêuticos direcionados ao idoso vs2
Modelos assistenciais terapêuticos direcionados ao idoso vs2Anna Paula Tenorio
 
Apostila do Cuidador de Idosos.pdf
Apostila do Cuidador de Idosos.pdfApostila do Cuidador de Idosos.pdf
Apostila do Cuidador de Idosos.pdfFlavioDuccini
 
Acção social, pessoas idosas, pessoas com deficiência e RSI
Acção social, pessoas idosas, pessoas com deficiência e RSIAcção social, pessoas idosas, pessoas com deficiência e RSI
Acção social, pessoas idosas, pessoas com deficiência e RSIsusanamota
 
AULA 01 CUIDADOR DE IDOSOS - Fundamentos da profissão.pdf
AULA 01 CUIDADOR DE IDOSOS - Fundamentos da profissão.pdfAULA 01 CUIDADOR DE IDOSOS - Fundamentos da profissão.pdf
AULA 01 CUIDADOR DE IDOSOS - Fundamentos da profissão.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Centro De Noite
Centro De NoiteCentro De Noite
Centro De Noiteafac9a
 
Cartilha Viver sem Limites
Cartilha Viver sem LimitesCartilha Viver sem Limites
Cartilha Viver sem LimitesLaura Limons
 
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoSeminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoLaíz Coutinho
 
Outros Olhares sobre a Vida
Outros Olhares sobre a VidaOutros Olhares sobre a Vida
Outros Olhares sobre a VidaJosé Augusto
 
aula 9 Modalidades de atenção ao idoso.pdf
aula 9 Modalidades de atenção ao idoso.pdfaula 9 Modalidades de atenção ao idoso.pdf
aula 9 Modalidades de atenção ao idoso.pdfLucianaFilicio
 
aula 9 Modalidades de atenção ao idoso.pdf
aula 9 Modalidades de atenção ao idoso.pdfaula 9 Modalidades de atenção ao idoso.pdf
aula 9 Modalidades de atenção ao idoso.pdfLucianaFilicio
 
Conceitos++básico geriatria
Conceitos++básico geriatriaConceitos++básico geriatria
Conceitos++básico geriatriaMadaisa Sousa
 
0.803176001366390261 5 servico_de_protecao_social_basica_no_domicilio_para_pe...
0.803176001366390261 5 servico_de_protecao_social_basica_no_domicilio_para_pe...0.803176001366390261 5 servico_de_protecao_social_basica_no_domicilio_para_pe...
0.803176001366390261 5 servico_de_protecao_social_basica_no_domicilio_para_pe...Ana Paula Santos
 

Semelhante a U. 20 - Apoio domiciliário e abrigos/residências para idosos. (20)

Modelos assistenciais terapêuticos direcionados ao idoso vs2
Modelos assistenciais terapêuticos direcionados ao idoso vs2Modelos assistenciais terapêuticos direcionados ao idoso vs2
Modelos assistenciais terapêuticos direcionados ao idoso vs2
 
Apostila do Cuidador de Idosos.pdf
Apostila do Cuidador de Idosos.pdfApostila do Cuidador de Idosos.pdf
Apostila do Cuidador de Idosos.pdf
 
Gesf Visita domiciliar
Gesf Visita domiciliarGesf Visita domiciliar
Gesf Visita domiciliar
 
Acção social, pessoas idosas, pessoas com deficiência e RSI
Acção social, pessoas idosas, pessoas com deficiência e RSIAcção social, pessoas idosas, pessoas com deficiência e RSI
Acção social, pessoas idosas, pessoas com deficiência e RSI
 
Ilpi puc - outubro 2013
Ilpi   puc - outubro 2013Ilpi   puc - outubro 2013
Ilpi puc - outubro 2013
 
AULA 01 CUIDADOR DE IDOSOS - Fundamentos da profissão.pdf
AULA 01 CUIDADOR DE IDOSOS - Fundamentos da profissão.pdfAULA 01 CUIDADOR DE IDOSOS - Fundamentos da profissão.pdf
AULA 01 CUIDADOR DE IDOSOS - Fundamentos da profissão.pdf
 
Centro De Noite
Centro De NoiteCentro De Noite
Centro De Noite
 
Centro De Noite
Centro De NoiteCentro De Noite
Centro De Noite
 
Cartilha Viver sem Limites
Cartilha Viver sem LimitesCartilha Viver sem Limites
Cartilha Viver sem Limites
 
Ana ufcd 8900
Ana ufcd 8900Ana ufcd 8900
Ana ufcd 8900
 
Lar São Salvador
Lar São SalvadorLar São Salvador
Lar São Salvador
 
Lar São Salvador
Lar São SalvadorLar São Salvador
Lar São Salvador
 
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoSeminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
 
Outros Olhares sobre a Vida
Outros Olhares sobre a VidaOutros Olhares sobre a Vida
Outros Olhares sobre a Vida
 
Visita domiciliar
Visita domiciliarVisita domiciliar
Visita domiciliar
 
Programa Acompanhante de Idosos
Programa Acompanhante de IdososPrograma Acompanhante de Idosos
Programa Acompanhante de Idosos
 
aula 9 Modalidades de atenção ao idoso.pdf
aula 9 Modalidades de atenção ao idoso.pdfaula 9 Modalidades de atenção ao idoso.pdf
aula 9 Modalidades de atenção ao idoso.pdf
 
aula 9 Modalidades de atenção ao idoso.pdf
aula 9 Modalidades de atenção ao idoso.pdfaula 9 Modalidades de atenção ao idoso.pdf
aula 9 Modalidades de atenção ao idoso.pdf
 
Conceitos++básico geriatria
Conceitos++básico geriatriaConceitos++básico geriatria
Conceitos++básico geriatria
 
0.803176001366390261 5 servico_de_protecao_social_basica_no_domicilio_para_pe...
0.803176001366390261 5 servico_de_protecao_social_basica_no_domicilio_para_pe...0.803176001366390261 5 servico_de_protecao_social_basica_no_domicilio_para_pe...
0.803176001366390261 5 servico_de_protecao_social_basica_no_domicilio_para_pe...
 

Mais de I.Braz Slideshares

Breve análise do documentário “China Blue”
Breve análise do documentário “China Blue”Breve análise do documentário “China Blue”
Breve análise do documentário “China Blue”I.Braz Slideshares
 
Qualidade, conceitos e definições
Qualidade, conceitos e definiçõesQualidade, conceitos e definições
Qualidade, conceitos e definiçõesI.Braz Slideshares
 
Reflexão sobre a reportagem orfãos da idade
Reflexão sobre a reportagem orfãos da idadeReflexão sobre a reportagem orfãos da idade
Reflexão sobre a reportagem orfãos da idadeI.Braz Slideshares
 
Apoio domiciliário e abrigos-residências para idosos
Apoio domiciliário e abrigos-residências para idososApoio domiciliário e abrigos-residências para idosos
Apoio domiciliário e abrigos-residências para idososI.Braz Slideshares
 
Sistema Português de Qualidade
Sistema Português de QualidadeSistema Português de Qualidade
Sistema Português de QualidadeI.Braz Slideshares
 
Prevenção e Controlo da Infeção: Esterilização
Prevenção e Controlo da Infeção: EsterilizaçãoPrevenção e Controlo da Infeção: Esterilização
Prevenção e Controlo da Infeção: EsterilizaçãoI.Braz Slideshares
 
C.L.C. 5 - Reflexão crítica sobre o computador
C.L.C. 5 - Reflexão crítica sobre o computadorC.L.C. 5 - Reflexão crítica sobre o computador
C.L.C. 5 - Reflexão crítica sobre o computadorI.Braz Slideshares
 
C.P. 1 - Direitos Liberdades e Garantias dos Trabalhadores
C.P. 1 - Direitos  Liberdades e Garantias dos Trabalhadores C.P. 1 - Direitos  Liberdades e Garantias dos Trabalhadores
C.P. 1 - Direitos Liberdades e Garantias dos Trabalhadores I.Braz Slideshares
 
C.L.C. 6 Imigração em Portugal
C.L.C.  6   Imigração em PortugalC.L.C.  6   Imigração em Portugal
C.L.C. 6 Imigração em PortugalI.Braz Slideshares
 
Mecatrónica Automóvel - Sistemas de climatização
Mecatrónica Automóvel - Sistemas de climatizaçãoMecatrónica Automóvel - Sistemas de climatização
Mecatrónica Automóvel - Sistemas de climatizaçãoI.Braz Slideshares
 
Mecatrónica Automóvel - Sistema Mono-Jectrónic
Mecatrónica Automóvel - Sistema Mono-JectrónicMecatrónica Automóvel - Sistema Mono-Jectrónic
Mecatrónica Automóvel - Sistema Mono-JectrónicI.Braz Slideshares
 
Mecatrónica Automóvel - Manutenção e reparação do sistema de transmissão auto...
Mecatrónica Automóvel - Manutenção e reparação do sistema de transmissão auto...Mecatrónica Automóvel - Manutenção e reparação do sistema de transmissão auto...
Mecatrónica Automóvel - Manutenção e reparação do sistema de transmissão auto...I.Braz Slideshares
 
C.L.C. 7 - Roteiro de visualização do filme "Crash"
C.L.C. 7 - Roteiro de visualização do filme "Crash"C.L.C. 7 - Roteiro de visualização do filme "Crash"
C.L.C. 7 - Roteiro de visualização do filme "Crash"I.Braz Slideshares
 
C.L.C.7 - Valores da família - A verdadeira felicidade está na própria casa
C.L.C.7 - Valores da família - A verdadeira felicidade está na própria casaC.L.C.7 - Valores da família - A verdadeira felicidade está na própria casa
C.L.C.7 - Valores da família - A verdadeira felicidade está na própria casaI.Braz Slideshares
 
C.P. 4 Diferenças - (deficiências físicas e psíquicas)
C.P. 4   Diferenças - (deficiências físicas e psíquicas)C.P. 4   Diferenças - (deficiências físicas e psíquicas)
C.P. 4 Diferenças - (deficiências físicas e psíquicas)I.Braz Slideshares
 
C.P. 5 - Mass Media - Globalização
C.P. 5 - Mass Media - GlobalizaçãoC.P. 5 - Mass Media - Globalização
C.P. 5 - Mass Media - GlobalizaçãoI.Braz Slideshares
 

Mais de I.Braz Slideshares (20)

Desnutrição
DesnutriçãoDesnutrição
Desnutrição
 
Breve análise do documentário “China Blue”
Breve análise do documentário “China Blue”Breve análise do documentário “China Blue”
Breve análise do documentário “China Blue”
 
Qualidade, conceitos e definições
Qualidade, conceitos e definiçõesQualidade, conceitos e definições
Qualidade, conceitos e definições
 
Exemplo de uma Reclamação
Exemplo de uma ReclamaçãoExemplo de uma Reclamação
Exemplo de uma Reclamação
 
Reflexão sobre a reportagem orfãos da idade
Reflexão sobre a reportagem orfãos da idadeReflexão sobre a reportagem orfãos da idade
Reflexão sobre a reportagem orfãos da idade
 
Apoio domiciliário e abrigos-residências para idosos
Apoio domiciliário e abrigos-residências para idososApoio domiciliário e abrigos-residências para idosos
Apoio domiciliário e abrigos-residências para idosos
 
Sistema Português de Qualidade
Sistema Português de QualidadeSistema Português de Qualidade
Sistema Português de Qualidade
 
Prevenção e Controlo da Infeção: Esterilização
Prevenção e Controlo da Infeção: EsterilizaçãoPrevenção e Controlo da Infeção: Esterilização
Prevenção e Controlo da Infeção: Esterilização
 
C.L.C. 7 - Memórias...
C.L.C. 7 -  Memórias...C.L.C. 7 -  Memórias...
C.L.C. 7 - Memórias...
 
C.L.C. 5 - Reflexão crítica sobre o computador
C.L.C. 5 - Reflexão crítica sobre o computadorC.L.C. 5 - Reflexão crítica sobre o computador
C.L.C. 5 - Reflexão crítica sobre o computador
 
C.L.C. 5 - Telemóveis
C.L.C. 5 - TelemóveisC.L.C. 5 - Telemóveis
C.L.C. 5 - Telemóveis
 
C.P. 1 - Direitos Liberdades e Garantias dos Trabalhadores
C.P. 1 - Direitos  Liberdades e Garantias dos Trabalhadores C.P. 1 - Direitos  Liberdades e Garantias dos Trabalhadores
C.P. 1 - Direitos Liberdades e Garantias dos Trabalhadores
 
C.L.C. 6 Imigração em Portugal
C.L.C.  6   Imigração em PortugalC.L.C.  6   Imigração em Portugal
C.L.C. 6 Imigração em Portugal
 
Mecatrónica Automóvel - Sistemas de climatização
Mecatrónica Automóvel - Sistemas de climatizaçãoMecatrónica Automóvel - Sistemas de climatização
Mecatrónica Automóvel - Sistemas de climatização
 
Mecatrónica Automóvel - Sistema Mono-Jectrónic
Mecatrónica Automóvel - Sistema Mono-JectrónicMecatrónica Automóvel - Sistema Mono-Jectrónic
Mecatrónica Automóvel - Sistema Mono-Jectrónic
 
Mecatrónica Automóvel - Manutenção e reparação do sistema de transmissão auto...
Mecatrónica Automóvel - Manutenção e reparação do sistema de transmissão auto...Mecatrónica Automóvel - Manutenção e reparação do sistema de transmissão auto...
Mecatrónica Automóvel - Manutenção e reparação do sistema de transmissão auto...
 
C.L.C. 7 - Roteiro de visualização do filme "Crash"
C.L.C. 7 - Roteiro de visualização do filme "Crash"C.L.C. 7 - Roteiro de visualização do filme "Crash"
C.L.C. 7 - Roteiro de visualização do filme "Crash"
 
C.L.C.7 - Valores da família - A verdadeira felicidade está na própria casa
C.L.C.7 - Valores da família - A verdadeira felicidade está na própria casaC.L.C.7 - Valores da família - A verdadeira felicidade está na própria casa
C.L.C.7 - Valores da família - A verdadeira felicidade está na própria casa
 
C.P. 4 Diferenças - (deficiências físicas e psíquicas)
C.P. 4   Diferenças - (deficiências físicas e psíquicas)C.P. 4   Diferenças - (deficiências físicas e psíquicas)
C.P. 4 Diferenças - (deficiências físicas e psíquicas)
 
C.P. 5 - Mass Media - Globalização
C.P. 5 - Mass Media - GlobalizaçãoC.P. 5 - Mass Media - Globalização
C.P. 5 - Mass Media - Globalização
 

U. 20 - Apoio domiciliário e abrigos/residências para idosos.

  • 1. Técnico/a Auxiliar de Saúde U. 20 – Cuidados na Saúde do Idoso Trabalho elaborado por Jacinta Fernandes, Francisco Ferreira e Isabel Braz 23-08-2013 Página 1 Caracterizar as novas estruturas de apoio à saúde do idoso emergente no mercado e respetiva oferta de serviços. Objetivos e funcionamento de estruturas de apoio domiciliário e abrigos/residências para idosos. Apoio domiciliário O que é: O Serviço de Apoio Domiciliário é uma resposta social que consiste na prestação de cuidados individualizados e personalizados no domicilio a indivíduos ou famílias, quando por motivo de doença, deficiência ou outros impedimentos, não possam assegurar, temporária ou permanentemente, a satisfação das necessidades básicas e/ou atividades da vida diária. O apoio domiciliário pode ser prestado através de uma instituição, ou cuidador/a individual, com vista a melhorar a sua qualidade de vida e segurança. Objetivos: Contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos indivíduos e famílias; Contribuir para a redução do isolamento social e da solidão de pessoas idosas; Contribuir para a conciliação da vida familiar e profissional do agregado familiar; Contribuir para a manutenção, durante o maior tempo possível, do idoso no seu meio ambiente, retardando ou evitando a sua institucionalização;
  • 2. Técnico/a Auxiliar de Saúde U. 20 – Cuidados na Saúde do Idoso Trabalho elaborado por Jacinta Fernandes, Francisco Ferreira e Isabel Braz 23-08-2013 Página 2 Reduzir e/ou atenuar situações de incapacidade física e/ou mental e de isolamento; Prestar cuidados de ordem física e apoio psicossocial aos utentes e famílias, de modo a contribuir para o seu equilíbrio e bem-estar; Prevenir situações de dependência e promover a autonomia; Apoiar os utentes e famílias na satisfação das necessidades básicas e atividades da vida diária; Colaborar e/ou assegurar o acesso à prestação de cuidados de saúde. Funcionamento: Dispondo de veículos apropriados e devidamente equipados, a instituição ou o/a prestador de cuidados e apoio ao domicilio, pode deslocar-se ao domicilio do idoso para prestar os seguintes serviços/cuidados: Cuidados de higiene e conforto pessoal; Fornecimento e apoio nas refeições, respeitando as dietas constantes em prescrição médica; Higiene habitacional; Tratamento de roupas; Atividades de animação e socialização; Acompanhamento em deslocações de rotina como: consultas, exames, pagamentos de serviços etc.
  • 3. Técnico/a Auxiliar de Saúde U. 20 – Cuidados na Saúde do Idoso Trabalho elaborado por Jacinta Fernandes, Francisco Ferreira e Isabel Braz 23-08-2013 Página 3 Abrigos/residências para idosos O que são: Os abrigos ou residências para idosos, em geral, são locais com disponibilidade para acolher, em regime de permanência prolongada ou temporária, idosos com diferentes graus de dependência existindo as Residências Assistidas, e as Residências Temporárias. Estes abrigos ou residências para idosos regem-se por regras e horários de funcionamento estabelecidos por cada um deles, sendo que por exemplo, na “Residência Sénior Solar Martins” de Mafra, o acompanhamento do idoso é feito através de uma equipa multidisciplinar, disponível durante 24h. Objetivos: O principal objetivo de um abrigo ou residência para idosos, é o de proporcionar uma melhor e maior qualidade de vida, com atendimento personalizado, respondendo às necessidades dos utentes. Os abrigos/residências para idosos, podem oferecer soluções de longo prazo, com objetivos terapêuticos de reabilitação, manutenção e prevenção, permitindo estadias temporárias ou permanentes onde os utentes podem usufruir de: Alojamento temporário ou permanente; Lavandaria; Alimentação; Cuidados de higiene e conforto; Acompanhamento médico; Acompanhamento psicológico; Cuidados de enfermagem;
  • 4. Técnico/a Auxiliar de Saúde U. 20 – Cuidados na Saúde do Idoso Trabalho elaborado por Jacinta Fernandes, Francisco Ferreira e Isabel Braz 23-08-2013 Página 4 Gestão da agenda médica; Acompanhamento ao hospital sempre que necessário; Análises clínicas; Aulas de manutenção e reabilitação física; Atividades de animação sociocultural; Em alguns casos são ainda oferecidos cuidados de estética, manicura e pédicure. Funcionamento: O funcionamento dos abrigos/residências para idosos, têm um funcionamento idêntico ao das casas de repouso, sendo que a admissão é feita através de candidatura e posterior seleção. A seleção dos candidatos é feita em concordância com critérios de prioridade estabelecidos baseados no grau de incapacidade do idoso, na sua condição socioeconómica e no seu grau de isolamento. Residência Assistida Residência Assistida é uma unidade residencial com oferta de serviços comuns de utilização facultativa, disponibilizados por uma Equipa Interdisciplinar. Dirige-se a pessoas idosas autónomas ou com pequenos défices de autonomia, proporcionando um meio seguro e de qualidade, onde é estimulada a manutenção da participação ativa. Constitui uma resposta intermédia e alternativa em termos habitacionais, situada entre os meios sociais naturais com ambientes protetores não assistidos (caso da família) e a institucionalização. A Residência Assistida possibilita a preservação e manutenção dos laços sociais e afetivos do idoso, assumindo uma natureza de proximidade territorial.
  • 5. Técnico/a Auxiliar de Saúde U. 20 – Cuidados na Saúde do Idoso Trabalho elaborado por Jacinta Fernandes, Francisco Ferreira e Isabel Braz 23-08-2013 Página 5 Residência Temporária Residência Temporária é uma estrutura de acolhimento temporário para idosos que, provisoriamente, necessitem de vigilância sistemática, mas não de cuidados médicos e de enfermagem permanentes. Bibliografia http://www.scml.pt/areas_de_intervencao/acao_social/pessoas_idos as/ http://www.cnsn.pt/portal/index.php?id=1156