SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Tosse

Cólicas

Febre

Vómitos

Diarreia
Lesões
Cutânes
Tosse
O que é
É um mecanismo de defesa do
organismo que se manifesta através de
um impulso brusco e repentino de ar, na
maioria das vezes involuntário, que serve
para limpar e desobstruir as vias
respiratórias de mucosidades e resíduos.

1
Sintomas
No caso da tosse comum pode surgir
sensação de ardor no peito,
No caso da tosse convulsa, os sintomas
podem ser mais agudos e persistentes,
podendo levar à fatiga e a espasmos de
tosse que podem persistir durante
semanas,

Possíveis causas
 Infeções do aparelho respiratório;
 Obstrução das vias respiratórias;
 Inalação de fumos ou vapores
agressivos para as vias respiratórias;
 Asma, Rinite, Sinusite;
 Tensão emocional;
 Refluxo gástrico…

2
Tratamento
 Beber bastantes líquidos, de
preferência quentes;
 Manter a cabeça elevada à
noite;
 Aumentar o grau de humidade
nos locais que a criança
frequenta;
 Fazer inalações com soro
fisiológico ou vaporizador;
 Em
último
caso,
alguns
medicamentos podem ajudar,
mas sempre sob orientação
médica…

3
Cólicas
O que é
Dor intensa, mais frequente nas crianças e
lactentes, que se pode manifestar através de
contrações ou espasmos violentos do Cólon
e outros órgãos abdominais.

Sintomas
 Choro vigoroso e persistente;
 Inchaço, rigidez e distenção abdominal;
 A criança arqueia as costas, encolhe as
pernas na direção do peito, cerra os
punhos e agita os braços e as pernas
vigorosamente.

4
Possíveis Causas
 Imaturidade do aparelho digestivo;
 Flatulência devido ao ar que a
criança engole enquanto está a
ser amamentada/alimentada e
também devido ao choro;
 Intolerância à lactose (quando o
açúcar que existe no leite não é
digerido e leva à fermentação no
intestino;

 Alergia ao leite de vaca ou a outro
componente da alimentação da
mãe (e que passa para o bebé se
estiver a ser amamentado);
 Interação entre os pais e o bebé (o
choro gera stress na família, o
qual por sua vez, é sentido pelo
bebé e faz com que chore mais) …

5
 Colocar a criança numa posição
que facilite a expulsão do ar
engolido pode contribuir para a
redução da flatulência;
 Massajar a barriga no sentido
dos ponteiros do relógio, ou
colocar a criança de barriga para
baixo favorece bastante a
expulsão de ar diminuindo o
desconforto;

6
 O tradicional “banho de balde”,
mergulhando a criança dentro
de um recipiente próprio com
água morna, que o mantem em
segurança e numa posição
bastante
confortável
que
favorece o alívio dos sintomas;
 Em último recurso, alguns
medicamentos podem ajudar,
mas sempre sob orientação
médica.

7
Febre
O que é
É o aumento da temperatura corporal,
geralmente em decorrência de doença,
podemos considerar que uma criança
tem febre se tiver uma temperatura retal
superior a 38 ºC, timpânica superior a
37,6 ºC e axilar superior a 37,4 ºC, tendo
em atenção que não nos devemos
basear num valor único, porque cada
caso é um caso e nem todas as crianças
reagem da mesma forma sob influência
de febre.

8
Possíveis causas
O aparecimento de febre é um indicador
de que algo não está bem no organismo
da criança, agindo como alerta de
infeções que podem derivar das mais
variadas doenças, tal como:









9

Otites;
Gripes;
Amigdalites;
Dentição;
Efeito colateral de vacinas;
Meningite;
Bronquite;
E muitas outras…
Sintomas
E porque cada caso é um caso, os
sinais e sintomas de febre podem ser
óbvios ou subtis, consoante a idade da
criança, sendo mais difícil de avaliar nas
crianças mais pequenas e podendo
apresentar:









Aumento da temperatura corporal;
Olhos avermelhados;
Dor de cabeça;
Arrepios e suores frios;
Dores musculares;
Falta de apetite;
Mãos e pés frios;
Indisposição generalizada…

10
Tratamento
 Manter a criança vestida com
roupas leves e de preferência
com as mãos e pés destapados;
 Manter a criança hidratada com a
ingestão de líquidos;
 Usar panos ou compressas
humedecidas para fazer descer a
temperatura;
 Dar um banho tépido;
 Se necessário recorrer aos
antipiréticos, como o paracetamol
ou o ibuprofeno;
 Se a febre persistir consultar um
médico.

11
Vómitos
O que são
É
a
expulsão
de
conteúdo
gastrointestinal através da boca,
seguido de contrações musculares
abdominais.

Os sintomas, tal como o próprio nome
indica,
manifestam-se
através
de
vómitos, os quais habitualmente são
seguidos por:





Indisposição;
Prostração;
Falta de apetite;
Apatia…
12
Diarreia
O que é
É a evacuação repentina e frequente de
fezes que podem ser líquidas.

Sintomas
 Dores abdominais;
 Necessidade repentina e frequente
de defecar;
 Dor de cabeça;
 Náuseas e vómitos;
 Desidratação (em alguns casos);
 Febre (em alguns casos) …

13
Possíveis causas
 Vírus (rotavírus);
 Bactérias, o consumo de alimentos
ou líquidos em mau estado de
conservação, ou contaminados com
as bactérias Salmonela ou E. Cóli;
 Contato com animais contaminados
com as bactérias Salmonela ou E.
Cóli;
 Efeito colateral de medicamentos;
 Intolerância ou alergia alimentar;
 Vermes intestinais;
 Consumo excessivo de citrinos ou
bebidas à base de citrinos…

14
Tratamento
Quando a criança está com diarreia,
hidratação e alimentação, são a base de um
bom tratamento, assim, para além da
ingestão de bastantes líquidos, a criança
deve seguir uma dieta que tenha como
base:








Papas de arroz;
Puré de cenoura;
Maçã cozida;
Banana madura;
Iogurte natural;
Pão torrado;
Bolachas de água e sal…

Se a diarreia persistir ou se associarem
outros sintomas como vómitos ou febre,
deve consultar um médico.

15
Lesões Cutâneas
O que são
São pequenas erupções cutâneas de cor
rosada, às vezes em forma de bolha que
geralmente aparecem na nuca, pescoço,
peito e costas, quando o tempo está
húmido e quente ou como manifestação
de algumas doenças infeciosas.

Sintomas
 Prurido;
 Sensação de ardor ou de picada;
 Febre em alguns casos, quando
surgem em consequência de
doença infeciosa…

18
Possíveis causas
 Calor;
 Reação alérgica (alimentos
ou outras substâncias);
 Efeito secundário de
medicamentos;
 Picada de inseto;
 Parasitas (piolhos e lêndeas);
 Eritema das fraldas;
 Dermatite de contato;
 Febre;
 Urticária;
 Vacinação;
 Varicela;
 Sarampo;
 Escarlatina;
 Rubéola;
 Meningite…

19
Tratamento
Como cada caso é um caso, não existe
um tratamento específico para as
lesões cutâneas infantis, visto que
dependendo das causas, assim será o
seu tratamento.
Não é aconselhável a automedicação
uma vez que existem várias patologias
que têm como sintoma o aparecimento
de lesões cutâneas muito idênticas, e o
que é indicado para o tratamento de
uma, pode não ser indicado para o
tratamento de outra, pelo qual é sempre
bom consultar um médico, que poderá
prescrever um simples creme para o
controle e alivo do prurido e cicatrização
das lesões, se a causa for por exemplo
a picada de um inseto (melga), como
poderá prescrever medicamentos mais
fortes ou até mesmo antibióticos e
isolamento, se a causa for uma doença
infecto contagiosa como a varicela ou o
sarampo entre outras.

20
Em todo caso, se a criança apresentar
lesões cutâneas leves que não sejam
acompanhadas de outros sintomas
deverá tomar as seguintes precauções:
 Banho morno rápido;
 Aplicação de creme hidratante
neutro logo após o banho;
 Não usar roupas de tecidos que
possam ser irritantes para a pele
(lã, fibras sintéticas);
 Evitar locais cuja temperatura
ambiental seja muito baixa ou
demasiado elevada;
 Controlar a temperatura corporal
e em caso de febre ou
agravamento
dos
sintomas
deverá sempre consultar um
médico.

21
Trabalho elaborado por Mª Isabel Braz
Curso de Técnico/a Auxiliar de Saúde 2013/14
Centro de Formação Profissional de Portalegre
U. 20 – Cuidados de Saúde Infantil
Formadora: Dr.ª Manuela Fonseca

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Úlcera Por Pressão
Úlcera Por PressãoÚlcera Por Pressão
Úlcera Por PressãoCíntia Costa
 
Biossegurança controle infecções servicos saude
Biossegurança controle infecções servicos saudeBiossegurança controle infecções servicos saude
Biossegurança controle infecções servicos saudeLetícia Spina Tapia
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Ana Hollanders
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentosJanaína Lassala
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Proqualis
 
Seguranca do Paciente - Medicamentos
Seguranca do Paciente - MedicamentosSeguranca do Paciente - Medicamentos
Seguranca do Paciente - MedicamentosEmmanuel Souza
 
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.luzienne moraes
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idosomorgausesp
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilAlexandre Donha
 
Prevenção de Acidentes Com Idosos
Prevenção de Acidentes Com IdososPrevenção de Acidentes Com Idosos
Prevenção de Acidentes Com IdososCarlos Lima
 
Manual do Bebê: Cuidados, orientações e dicas
Manual do Bebê: Cuidados, orientações e dicasManual do Bebê: Cuidados, orientações e dicas
Manual do Bebê: Cuidados, orientações e dicasblogped1
 

Mais procurados (20)

Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
 
Úlcera Por Pressão
Úlcera Por PressãoÚlcera Por Pressão
Úlcera Por Pressão
 
Biossegurança controle infecções servicos saude
Biossegurança controle infecções servicos saudeBiossegurança controle infecções servicos saude
Biossegurança controle infecções servicos saude
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)
 
Aula Diabetes
Aula  DiabetesAula  Diabetes
Aula Diabetes
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
 
Cuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascidoCuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascido
 
Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso
 
Seguranca do Paciente - Medicamentos
Seguranca do Paciente - MedicamentosSeguranca do Paciente - Medicamentos
Seguranca do Paciente - Medicamentos
 
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
 
Cartilha saúde trabalhador
Cartilha saúde trabalhadorCartilha saúde trabalhador
Cartilha saúde trabalhador
 
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saberIMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
 
Prevenção de Acidentes Com Idosos
Prevenção de Acidentes Com IdososPrevenção de Acidentes Com Idosos
Prevenção de Acidentes Com Idosos
 
Saude do homem
Saude do homem Saude do homem
Saude do homem
 
Manual do Bebê: Cuidados, orientações e dicas
Manual do Bebê: Cuidados, orientações e dicasManual do Bebê: Cuidados, orientações e dicas
Manual do Bebê: Cuidados, orientações e dicas
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
 

Semelhante a Sintomas infantis

Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anosDoenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anosKarineRibeiro57
 
Doenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infânciaDoenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infânciaRúben Freitas
 
1183895152 116.doencas e_primeiro_socorro1parte
1183895152 116.doencas e_primeiro_socorro1parte1183895152 116.doencas e_primeiro_socorro1parte
1183895152 116.doencas e_primeiro_socorro1partePelo Siro
 
Critérios de alerta na criança com febre (CAF)
Critérios de alerta na criança com febre (CAF)Critérios de alerta na criança com febre (CAF)
Critérios de alerta na criança com febre (CAF)salgadokk
 
Critérios de alerta na criança com febre (CAF)
Critérios de alerta na criança com febre (CAF)Critérios de alerta na criança com febre (CAF)
Critérios de alerta na criança com febre (CAF)salgadokk
 
Doenças sazonais típicas do inverno
Doenças sazonais típicas do invernoDoenças sazonais típicas do inverno
Doenças sazonais típicas do invernoDaniela Simões
 
Aula 7- Doenças prevalentes na Infância.pdf
Aula 7- Doenças prevalentes na Infância.pdfAula 7- Doenças prevalentes na Infância.pdf
Aula 7- Doenças prevalentes na Infância.pdfDiogoSouza688960
 
Atendimento de Urgência da Criança com Febre Professor Robson
Atendimento de Urgência da Criança com Febre   Professor RobsonAtendimento de Urgência da Criança com Febre   Professor Robson
Atendimento de Urgência da Criança com Febre Professor RobsonProfessor Robson
 
Cuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higieneCuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higieneJoanaPaiva16
 
Dengue e malaria
Dengue e malariaDengue e malaria
Dengue e malariacrishmuler
 
AULA DISTURBIOS DIGESTORIOS.pptx
AULA DISTURBIOS DIGESTORIOS.pptxAULA DISTURBIOS DIGESTORIOS.pptx
AULA DISTURBIOS DIGESTORIOS.pptxJordaniGugel
 
PRINCIPAIS DOENÇAS ATENDIDAS EM FÁRMACIA.pptx
PRINCIPAIS DOENÇAS ATENDIDAS EM FÁRMACIA.pptxPRINCIPAIS DOENÇAS ATENDIDAS EM FÁRMACIA.pptx
PRINCIPAIS DOENÇAS ATENDIDAS EM FÁRMACIA.pptxdanielapqt
 

Semelhante a Sintomas infantis (20)

PES 3.1 Gripes e Resfriados
PES 3.1 Gripes e ResfriadosPES 3.1 Gripes e Resfriados
PES 3.1 Gripes e Resfriados
 
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anosDoenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
 
Doenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infânciaDoenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infância
 
PES 3.4 Faringite
PES 3.4 FaringitePES 3.4 Faringite
PES 3.4 Faringite
 
Amigladalite
AmigladaliteAmigladalite
Amigladalite
 
1183895152 116.doencas e_primeiro_socorro1parte
1183895152 116.doencas e_primeiro_socorro1parte1183895152 116.doencas e_primeiro_socorro1parte
1183895152 116.doencas e_primeiro_socorro1parte
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Critérios de alerta na criança com febre (CAF)
Critérios de alerta na criança com febre (CAF)Critérios de alerta na criança com febre (CAF)
Critérios de alerta na criança com febre (CAF)
 
Critérios de alerta na criança com febre (CAF)
Critérios de alerta na criança com febre (CAF)Critérios de alerta na criança com febre (CAF)
Critérios de alerta na criança com febre (CAF)
 
Febre
FebreFebre
Febre
 
Doenças sazonais típicas do inverno
Doenças sazonais típicas do invernoDoenças sazonais típicas do inverno
Doenças sazonais típicas do inverno
 
Aula 7- Doenças prevalentes na Infância.pdf
Aula 7- Doenças prevalentes na Infância.pdfAula 7- Doenças prevalentes na Infância.pdf
Aula 7- Doenças prevalentes na Infância.pdf
 
Dermatite atopica
Dermatite atopicaDermatite atopica
Dermatite atopica
 
Atendimento de Urgência da Criança com Febre Professor Robson
Atendimento de Urgência da Criança com Febre   Professor RobsonAtendimento de Urgência da Criança com Febre   Professor Robson
Atendimento de Urgência da Criança com Febre Professor Robson
 
Cuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higieneCuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higiene
 
Dengue e malaria
Dengue e malariaDengue e malaria
Dengue e malaria
 
C.pdf
C.pdfC.pdf
C.pdf
 
AULA DISTURBIOS DIGESTORIOS.pptx
AULA DISTURBIOS DIGESTORIOS.pptxAULA DISTURBIOS DIGESTORIOS.pptx
AULA DISTURBIOS DIGESTORIOS.pptx
 
PRINCIPAIS DOENÇAS ATENDIDAS EM FÁRMACIA.pptx
PRINCIPAIS DOENÇAS ATENDIDAS EM FÁRMACIA.pptxPRINCIPAIS DOENÇAS ATENDIDAS EM FÁRMACIA.pptx
PRINCIPAIS DOENÇAS ATENDIDAS EM FÁRMACIA.pptx
 
saude_da_criana_9184.pptx
saude_da_criana_9184.pptxsaude_da_criana_9184.pptx
saude_da_criana_9184.pptx
 

Mais de I.Braz Slideshares

Breve análise do documentário “China Blue”
Breve análise do documentário “China Blue”Breve análise do documentário “China Blue”
Breve análise do documentário “China Blue”I.Braz Slideshares
 
Qualidade, conceitos e definições
Qualidade, conceitos e definiçõesQualidade, conceitos e definições
Qualidade, conceitos e definiçõesI.Braz Slideshares
 
Reflexão sobre a reportagem orfãos da idade
Reflexão sobre a reportagem orfãos da idadeReflexão sobre a reportagem orfãos da idade
Reflexão sobre a reportagem orfãos da idadeI.Braz Slideshares
 
Apoio domiciliário e abrigos-residências para idosos
Apoio domiciliário e abrigos-residências para idososApoio domiciliário e abrigos-residências para idosos
Apoio domiciliário e abrigos-residências para idososI.Braz Slideshares
 
Tarefas e funções do Técnico Auxiliar de Saúde no Bloco Operatório e no Servi...
Tarefas e funções do Técnico Auxiliar de Saúde no Bloco Operatório e no Servi...Tarefas e funções do Técnico Auxiliar de Saúde no Bloco Operatório e no Servi...
Tarefas e funções do Técnico Auxiliar de Saúde no Bloco Operatório e no Servi...I.Braz Slideshares
 
Sistema Português de Qualidade
Sistema Português de QualidadeSistema Português de Qualidade
Sistema Português de QualidadeI.Braz Slideshares
 
Prevenção e Controlo da Infeção: Esterilização
Prevenção e Controlo da Infeção: EsterilizaçãoPrevenção e Controlo da Infeção: Esterilização
Prevenção e Controlo da Infeção: EsterilizaçãoI.Braz Slideshares
 
C.L.C. 5 - Reflexão crítica sobre o computador
C.L.C. 5 - Reflexão crítica sobre o computadorC.L.C. 5 - Reflexão crítica sobre o computador
C.L.C. 5 - Reflexão crítica sobre o computadorI.Braz Slideshares
 
C.P. 1 - Direitos Liberdades e Garantias dos Trabalhadores
C.P. 1 - Direitos  Liberdades e Garantias dos Trabalhadores C.P. 1 - Direitos  Liberdades e Garantias dos Trabalhadores
C.P. 1 - Direitos Liberdades e Garantias dos Trabalhadores I.Braz Slideshares
 
C.L.C. 6 Imigração em Portugal
C.L.C.  6   Imigração em PortugalC.L.C.  6   Imigração em Portugal
C.L.C. 6 Imigração em PortugalI.Braz Slideshares
 
Mecatrónica Automóvel - Sistemas de climatização
Mecatrónica Automóvel - Sistemas de climatizaçãoMecatrónica Automóvel - Sistemas de climatização
Mecatrónica Automóvel - Sistemas de climatizaçãoI.Braz Slideshares
 
Mecatrónica Automóvel - Sistema Mono-Jectrónic
Mecatrónica Automóvel - Sistema Mono-JectrónicMecatrónica Automóvel - Sistema Mono-Jectrónic
Mecatrónica Automóvel - Sistema Mono-JectrónicI.Braz Slideshares
 
Mecatrónica Automóvel - Manutenção e reparação do sistema de transmissão auto...
Mecatrónica Automóvel - Manutenção e reparação do sistema de transmissão auto...Mecatrónica Automóvel - Manutenção e reparação do sistema de transmissão auto...
Mecatrónica Automóvel - Manutenção e reparação do sistema de transmissão auto...I.Braz Slideshares
 
C.L.C. 7 - Roteiro de visualização do filme "Crash"
C.L.C. 7 - Roteiro de visualização do filme "Crash"C.L.C. 7 - Roteiro de visualização do filme "Crash"
C.L.C. 7 - Roteiro de visualização do filme "Crash"I.Braz Slideshares
 
C.L.C.7 - Valores da família - A verdadeira felicidade está na própria casa
C.L.C.7 - Valores da família - A verdadeira felicidade está na própria casaC.L.C.7 - Valores da família - A verdadeira felicidade está na própria casa
C.L.C.7 - Valores da família - A verdadeira felicidade está na própria casaI.Braz Slideshares
 
C.P. 4 Diferenças - (deficiências físicas e psíquicas)
C.P. 4   Diferenças - (deficiências físicas e psíquicas)C.P. 4   Diferenças - (deficiências físicas e psíquicas)
C.P. 4 Diferenças - (deficiências físicas e psíquicas)I.Braz Slideshares
 

Mais de I.Braz Slideshares (20)

Desnutrição
DesnutriçãoDesnutrição
Desnutrição
 
Breve análise do documentário “China Blue”
Breve análise do documentário “China Blue”Breve análise do documentário “China Blue”
Breve análise do documentário “China Blue”
 
Qualidade, conceitos e definições
Qualidade, conceitos e definiçõesQualidade, conceitos e definições
Qualidade, conceitos e definições
 
Exemplo de uma Reclamação
Exemplo de uma ReclamaçãoExemplo de uma Reclamação
Exemplo de uma Reclamação
 
Reflexão sobre a reportagem orfãos da idade
Reflexão sobre a reportagem orfãos da idadeReflexão sobre a reportagem orfãos da idade
Reflexão sobre a reportagem orfãos da idade
 
Apoio domiciliário e abrigos-residências para idosos
Apoio domiciliário e abrigos-residências para idososApoio domiciliário e abrigos-residências para idosos
Apoio domiciliário e abrigos-residências para idosos
 
Tarefas e funções do Técnico Auxiliar de Saúde no Bloco Operatório e no Servi...
Tarefas e funções do Técnico Auxiliar de Saúde no Bloco Operatório e no Servi...Tarefas e funções do Técnico Auxiliar de Saúde no Bloco Operatório e no Servi...
Tarefas e funções do Técnico Auxiliar de Saúde no Bloco Operatório e no Servi...
 
Sistema Português de Qualidade
Sistema Português de QualidadeSistema Português de Qualidade
Sistema Português de Qualidade
 
Prevenção e Controlo da Infeção: Esterilização
Prevenção e Controlo da Infeção: EsterilizaçãoPrevenção e Controlo da Infeção: Esterilização
Prevenção e Controlo da Infeção: Esterilização
 
C.L.C. 7 - Memórias...
C.L.C. 7 -  Memórias...C.L.C. 7 -  Memórias...
C.L.C. 7 - Memórias...
 
C.L.C. 5 - Reflexão crítica sobre o computador
C.L.C. 5 - Reflexão crítica sobre o computadorC.L.C. 5 - Reflexão crítica sobre o computador
C.L.C. 5 - Reflexão crítica sobre o computador
 
C.L.C. 5 - Telemóveis
C.L.C. 5 - TelemóveisC.L.C. 5 - Telemóveis
C.L.C. 5 - Telemóveis
 
C.P. 1 - Direitos Liberdades e Garantias dos Trabalhadores
C.P. 1 - Direitos  Liberdades e Garantias dos Trabalhadores C.P. 1 - Direitos  Liberdades e Garantias dos Trabalhadores
C.P. 1 - Direitos Liberdades e Garantias dos Trabalhadores
 
C.L.C. 6 Imigração em Portugal
C.L.C.  6   Imigração em PortugalC.L.C.  6   Imigração em Portugal
C.L.C. 6 Imigração em Portugal
 
Mecatrónica Automóvel - Sistemas de climatização
Mecatrónica Automóvel - Sistemas de climatizaçãoMecatrónica Automóvel - Sistemas de climatização
Mecatrónica Automóvel - Sistemas de climatização
 
Mecatrónica Automóvel - Sistema Mono-Jectrónic
Mecatrónica Automóvel - Sistema Mono-JectrónicMecatrónica Automóvel - Sistema Mono-Jectrónic
Mecatrónica Automóvel - Sistema Mono-Jectrónic
 
Mecatrónica Automóvel - Manutenção e reparação do sistema de transmissão auto...
Mecatrónica Automóvel - Manutenção e reparação do sistema de transmissão auto...Mecatrónica Automóvel - Manutenção e reparação do sistema de transmissão auto...
Mecatrónica Automóvel - Manutenção e reparação do sistema de transmissão auto...
 
C.L.C. 7 - Roteiro de visualização do filme "Crash"
C.L.C. 7 - Roteiro de visualização do filme "Crash"C.L.C. 7 - Roteiro de visualização do filme "Crash"
C.L.C. 7 - Roteiro de visualização do filme "Crash"
 
C.L.C.7 - Valores da família - A verdadeira felicidade está na própria casa
C.L.C.7 - Valores da família - A verdadeira felicidade está na própria casaC.L.C.7 - Valores da família - A verdadeira felicidade está na própria casa
C.L.C.7 - Valores da família - A verdadeira felicidade está na própria casa
 
C.P. 4 Diferenças - (deficiências físicas e psíquicas)
C.P. 4   Diferenças - (deficiências físicas e psíquicas)C.P. 4   Diferenças - (deficiências físicas e psíquicas)
C.P. 4 Diferenças - (deficiências físicas e psíquicas)
 

Último

geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 

Último (20)

geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 

Sintomas infantis

  • 2. Tosse O que é É um mecanismo de defesa do organismo que se manifesta através de um impulso brusco e repentino de ar, na maioria das vezes involuntário, que serve para limpar e desobstruir as vias respiratórias de mucosidades e resíduos. 1
  • 3. Sintomas No caso da tosse comum pode surgir sensação de ardor no peito, No caso da tosse convulsa, os sintomas podem ser mais agudos e persistentes, podendo levar à fatiga e a espasmos de tosse que podem persistir durante semanas, Possíveis causas  Infeções do aparelho respiratório;  Obstrução das vias respiratórias;  Inalação de fumos ou vapores agressivos para as vias respiratórias;  Asma, Rinite, Sinusite;  Tensão emocional;  Refluxo gástrico… 2
  • 4. Tratamento  Beber bastantes líquidos, de preferência quentes;  Manter a cabeça elevada à noite;  Aumentar o grau de humidade nos locais que a criança frequenta;  Fazer inalações com soro fisiológico ou vaporizador;  Em último caso, alguns medicamentos podem ajudar, mas sempre sob orientação médica… 3
  • 5. Cólicas O que é Dor intensa, mais frequente nas crianças e lactentes, que se pode manifestar através de contrações ou espasmos violentos do Cólon e outros órgãos abdominais. Sintomas  Choro vigoroso e persistente;  Inchaço, rigidez e distenção abdominal;  A criança arqueia as costas, encolhe as pernas na direção do peito, cerra os punhos e agita os braços e as pernas vigorosamente. 4
  • 6. Possíveis Causas  Imaturidade do aparelho digestivo;  Flatulência devido ao ar que a criança engole enquanto está a ser amamentada/alimentada e também devido ao choro;  Intolerância à lactose (quando o açúcar que existe no leite não é digerido e leva à fermentação no intestino;  Alergia ao leite de vaca ou a outro componente da alimentação da mãe (e que passa para o bebé se estiver a ser amamentado);  Interação entre os pais e o bebé (o choro gera stress na família, o qual por sua vez, é sentido pelo bebé e faz com que chore mais) … 5
  • 7.  Colocar a criança numa posição que facilite a expulsão do ar engolido pode contribuir para a redução da flatulência;  Massajar a barriga no sentido dos ponteiros do relógio, ou colocar a criança de barriga para baixo favorece bastante a expulsão de ar diminuindo o desconforto; 6
  • 8.  O tradicional “banho de balde”, mergulhando a criança dentro de um recipiente próprio com água morna, que o mantem em segurança e numa posição bastante confortável que favorece o alívio dos sintomas;  Em último recurso, alguns medicamentos podem ajudar, mas sempre sob orientação médica. 7
  • 9. Febre O que é É o aumento da temperatura corporal, geralmente em decorrência de doença, podemos considerar que uma criança tem febre se tiver uma temperatura retal superior a 38 ºC, timpânica superior a 37,6 ºC e axilar superior a 37,4 ºC, tendo em atenção que não nos devemos basear num valor único, porque cada caso é um caso e nem todas as crianças reagem da mesma forma sob influência de febre. 8
  • 10. Possíveis causas O aparecimento de febre é um indicador de que algo não está bem no organismo da criança, agindo como alerta de infeções que podem derivar das mais variadas doenças, tal como:         9 Otites; Gripes; Amigdalites; Dentição; Efeito colateral de vacinas; Meningite; Bronquite; E muitas outras…
  • 11. Sintomas E porque cada caso é um caso, os sinais e sintomas de febre podem ser óbvios ou subtis, consoante a idade da criança, sendo mais difícil de avaliar nas crianças mais pequenas e podendo apresentar:         Aumento da temperatura corporal; Olhos avermelhados; Dor de cabeça; Arrepios e suores frios; Dores musculares; Falta de apetite; Mãos e pés frios; Indisposição generalizada… 10
  • 12. Tratamento  Manter a criança vestida com roupas leves e de preferência com as mãos e pés destapados;  Manter a criança hidratada com a ingestão de líquidos;  Usar panos ou compressas humedecidas para fazer descer a temperatura;  Dar um banho tépido;  Se necessário recorrer aos antipiréticos, como o paracetamol ou o ibuprofeno;  Se a febre persistir consultar um médico. 11
  • 13. Vómitos O que são É a expulsão de conteúdo gastrointestinal através da boca, seguido de contrações musculares abdominais. Os sintomas, tal como o próprio nome indica, manifestam-se através de vómitos, os quais habitualmente são seguidos por:     Indisposição; Prostração; Falta de apetite; Apatia… 12
  • 14. Diarreia O que é É a evacuação repentina e frequente de fezes que podem ser líquidas. Sintomas  Dores abdominais;  Necessidade repentina e frequente de defecar;  Dor de cabeça;  Náuseas e vómitos;  Desidratação (em alguns casos);  Febre (em alguns casos) … 13
  • 15. Possíveis causas  Vírus (rotavírus);  Bactérias, o consumo de alimentos ou líquidos em mau estado de conservação, ou contaminados com as bactérias Salmonela ou E. Cóli;  Contato com animais contaminados com as bactérias Salmonela ou E. Cóli;  Efeito colateral de medicamentos;  Intolerância ou alergia alimentar;  Vermes intestinais;  Consumo excessivo de citrinos ou bebidas à base de citrinos… 14
  • 16. Tratamento Quando a criança está com diarreia, hidratação e alimentação, são a base de um bom tratamento, assim, para além da ingestão de bastantes líquidos, a criança deve seguir uma dieta que tenha como base:        Papas de arroz; Puré de cenoura; Maçã cozida; Banana madura; Iogurte natural; Pão torrado; Bolachas de água e sal… Se a diarreia persistir ou se associarem outros sintomas como vómitos ou febre, deve consultar um médico. 15
  • 17. Lesões Cutâneas O que são São pequenas erupções cutâneas de cor rosada, às vezes em forma de bolha que geralmente aparecem na nuca, pescoço, peito e costas, quando o tempo está húmido e quente ou como manifestação de algumas doenças infeciosas. Sintomas  Prurido;  Sensação de ardor ou de picada;  Febre em alguns casos, quando surgem em consequência de doença infeciosa… 18
  • 18. Possíveis causas  Calor;  Reação alérgica (alimentos ou outras substâncias);  Efeito secundário de medicamentos;  Picada de inseto;  Parasitas (piolhos e lêndeas);  Eritema das fraldas;  Dermatite de contato;  Febre;  Urticária;  Vacinação;  Varicela;  Sarampo;  Escarlatina;  Rubéola;  Meningite… 19
  • 19. Tratamento Como cada caso é um caso, não existe um tratamento específico para as lesões cutâneas infantis, visto que dependendo das causas, assim será o seu tratamento. Não é aconselhável a automedicação uma vez que existem várias patologias que têm como sintoma o aparecimento de lesões cutâneas muito idênticas, e o que é indicado para o tratamento de uma, pode não ser indicado para o tratamento de outra, pelo qual é sempre bom consultar um médico, que poderá prescrever um simples creme para o controle e alivo do prurido e cicatrização das lesões, se a causa for por exemplo a picada de um inseto (melga), como poderá prescrever medicamentos mais fortes ou até mesmo antibióticos e isolamento, se a causa for uma doença infecto contagiosa como a varicela ou o sarampo entre outras. 20
  • 20. Em todo caso, se a criança apresentar lesões cutâneas leves que não sejam acompanhadas de outros sintomas deverá tomar as seguintes precauções:  Banho morno rápido;  Aplicação de creme hidratante neutro logo após o banho;  Não usar roupas de tecidos que possam ser irritantes para a pele (lã, fibras sintéticas);  Evitar locais cuja temperatura ambiental seja muito baixa ou demasiado elevada;  Controlar a temperatura corporal e em caso de febre ou agravamento dos sintomas deverá sempre consultar um médico. 21
  • 21. Trabalho elaborado por Mª Isabel Braz Curso de Técnico/a Auxiliar de Saúde 2013/14 Centro de Formação Profissional de Portalegre U. 20 – Cuidados de Saúde Infantil Formadora: Dr.ª Manuela Fonseca