DEVANEIOS DE UMA ALMA Yedda Maria Finamore Ferraz
Em dias assim, como este, nevoento, Minha alma despe seu manto colorido, E num gesto manso e lento, Veste um novo vestido ...
E o vento que passa, gelado, Num vórtice bravio levando tudo, Leva-a também, num consentimento mudo Para os páramos sem fi...
Quando raia, porém, um novo dia E o sol vermelho tinge o céu de sangue, Ela desperta, exausta e ainda exangue, Já ensaia u...
E no sereno negro-azul da noite clara, Quando a lua surge com seu véu de prata, Minha alma os laços de mil sonhos Ao léu d...
Que dir-se-ia (se alguém pudesse vê-la), Que nunca houve no escrínio do céu Tão constelado, Mais fulgurante e radiosa estr...
Imagem: 2180258890099651178EACUpR_fs  (webshots)  Texto cedido pela autora: Yedda Maria Finamore Ferraz (25.10.l952)  Músi...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Devaneios De Uma Alma

914 visualizações

Publicada em

Poema

Publicada em: Educação, Tecnologia
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • As reflexões de uma alma....Apresentação Magnífico!...bela música.Parabéns!!!Obrigado por compartilhar. Bernard (França)
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
914
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Devaneios De Uma Alma

  1. 1. DEVANEIOS DE UMA ALMA Yedda Maria Finamore Ferraz
  2. 2. Em dias assim, como este, nevoento, Minha alma despe seu manto colorido, E num gesto manso e lento, Veste um novo vestido Muito triste feito de brumas, Sepulcral como um lamento...
  3. 3. E o vento que passa, gelado, Num vórtice bravio levando tudo, Leva-a também, num consentimento mudo Para os páramos sem fim dos desesperados...
  4. 4. Quando raia, porém, um novo dia E o sol vermelho tinge o céu de sangue, Ela desperta, exausta e ainda exangue, Já ensaia um riso de alegria... Quando afinal o sol a pino resplandece, Minha alma a vibrar toda se aquece E brilha mais do que o clarão do dia...
  5. 5. E no sereno negro-azul da noite clara, Quando a lua surge com seu véu de prata, Minha alma os laços de mil sonhos Ao léu desata, E voa atrás da lua que destila Gotas de amor, de paz e de saudade... E, minha pobre alma, feliz tanto cintila,
  6. 6. Que dir-se-ia (se alguém pudesse vê-la), Que nunca houve no escrínio do céu Tão constelado, Mais fulgurante e radiosa estrela...
  7. 7. Imagem: 2180258890099651178EACUpR_fs (webshots) Texto cedido pela autora: Yedda Maria Finamore Ferraz (25.10.l952) Música: E. Cortazar – Sicilian romance Formatação: adsrcatyb@terra.com.br Site: www.momentos-pps.com.br Respeite os direitos autorais e de quem formatou este trabalho

×