O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Pôster: A Era Do Mobile Marketing

685 visualizações

Publicada em

Pôster intitulado A Era do Mobile Marketing: cadê o up da publicidade nos dispositivos móveis?, apresentado no Seminário Interativo Ensino, Pesquisa e Extensão. (Carga horária: 25h). Pró-reitoria de Extensão da Universidade Federal da Bahia. 2008.

Publicada em: Negócios
  • Seja o primeiro a comentar

Pôster: A Era Do Mobile Marketing

  1. 1. a era do MOBILE cadê o up da publicidade marketing nos dispositivos móveis? Ian Castro de Souza Bolsista de Iniciação científica (PIBIC - UFBA) Faculdade de Comunicação Universidade Federal da Bahia Introdução e objetivos O presente trabalho disserta sobre os novos ambientes de comunicação e as novas formas de interagir com eles no âmbito da publicidade. Estes novos meios, e formas de comunicar, criam, modi cam e rede nem espaços sociais consolidados – como o dito “horário nobre” da televisão, que já não mais concentra a plena atenção dos lares brasileiros. As possibilidades de um mundo interconectado e interativo demarcam a passagem de uma era baseada na massi cação para uma nova realidade cuja a perspectiva da individualização se mostra bem mais sedutora. E há então a questão que não cala: como, efetivamente, chamar atenção? São apresentados aí conceitos como o Mobile Marketing, que se utiliza de todas as possibilidades das tecnologias móveis e altamente individualizadas para atingir o target, e a transição do próprio formato das mensagens – o foco começa a migrar do coletivo para o indivíduo; um movimento natural quando se considera que a internet, por exemplo, apesar de interconectar todo o mundo é acessada de modo individual. Metodologia: análise de casos A utilização do Bluetooth Marketing é um ótimo destes novos conceitos de abordagem – até porque grandes anunciantes já investem neste tipo de interação. Em Salvador a estratégia já foi adotada pelo Festival de Verão, que disponibilizou ringtones, papéis de parede e a programação do evento via bluetooth para os transeuntes nas proximidades de sua loja no shopping Iguatemi. A campanha, que tinha como objetivo estreitar o relacionamento com o público interessado, conseguiu admiráveis 1.864 downloads durante seus 14 dias de duração. O Salvador Prime também brincou com esses novos meios e distribuiu seu folder, com informações bastante especí cas sobre o empreendimento, via bluetooth para aqueles que estavam próximos ao seu stand de vendas, tendo ao nal de 4 meses de campanha atingido o número de 1.114 downloads. Quantos milhares de pan etos seriam distribuídos (e posteriormente descartados) para que o mesmo número de pessoas interessadas no empreendimento fossem efetivamente atingidas? E para o Festival de Verão, que tem um público-alvo muito maior e mais abrangente? Segmentar a comunicação é seguir as tendências já estabelecidas pela nova era informacional da segmentação dos interesses, uma tendência natural (e inevitável). Resultados e conclusões Os meios de atingir um possível consumidor são muitos, mas se encontram hoje subutilizados pela maneira que esse alcance é buscado – vide o iPint. O que é o iPint? É um jogo, simples e gratuito, para iPhones e iPods Touch cujo objetivo é fazer um copo de cerveja chegar ao outro lado do balcão de um bar, sem se chocar com obstáculos ao longo do percurso. Seu real objetivo? Marketing, é óbvio. Patrocinado pela Carling, uma cervejaria britânica, o jogo é repleto de referências que são a real fonte do lucro para a Illusion Labs, empresa sueca de so ware que recebeu o patrocínio da cervejaria para a feitura do jogo. O jogo é medíocre, mas o mérito da Carling foi reconhecer as diversas formas de interação que os supracitados gadgets proporcionam e como os usuários estão se apropriando dessas formas – e ainda mais: ver nelas um meio de dialogar com seu consumidor. Este trabalho parte da premissa que, com a existência de novos ambientes de comunicação, há novos formatos de interação. A partir desta constatação, se faz necessário perceber como são consumidos e apropriados (os novos formatos) por seus usuários, indaga: porque insistir em aplicar as mesmas fórmulas obsoletas e saturadas a novas situações-problema? http://altcore.blogspot.com

×