SlideShare uma empresa Scribd logo

Fontes de energia

1 de 29
Baixar para ler offline
Fontes de energia
Fontes de energia
Anteriormente a descoberta do Pré-sal.
A história do petróleo no
                                                                   Brasil começa quando o
                                                                      Marquês de Olinda
                                                                 concedeu a José de Barros
                                                                     Pimentel o direito de
                                                                extrair betume em terrenos
                                                                situados nas margens do rio
                                                                 Maraú, na Bahia, em 1858.
                                                                 Em 1892 ocorre a primeira
                                                                   sondagem profunda no
                                                                   Brasil, em Bofete (SP). é
                                                                   inaugurada a prática da
                                                                    exploração no Brasil. O
                                                                     poço, perfurado por
                                                                      Eugênio Ferreira de
                                                                     Camargo, atinge 488
                                                                  metros de profundidade.
                                                                  Encontra-se apenas água
                                                                           sulfurosa.

O engenheiro agrônomo Manoel Inácio Bastos toma conhecimento de
que os moradores de Lobato (BA) usam uma “lama preta”, oleosa, para
    iluminar suas residências. Realiza várias pesquisas e coletas de
 amostras da lama oleosa. Não obtém êxito em chamar a atenção de
            pessoas influentes. é considerado “maníaco”.
Na década de 1930, a questão da nacionalização dos recursos do subsolo entra na pauta das
discussões. Em 1938, toda a atividade petrolífera passa, por lei, a ser obrigatoriamente realizada
 por brasileiros. é criado o Conselho Nacional do Petróleo (CNP), que avalia pedidos de pesquisa
                                   e lavra de jazidas de petróleo.
  Lobato, na Bahia, foi cenário da descoberta da primeira jazida de petróleo no País. Em 21 de
 janeiro de 1939, o poço DNPM-163 atinge camada petrolífera e o petróleo ocupa parte de sua
  coluna de perfuração, constituindo-se na primeira descoberta de petróleo no Brasil. O poço,
     apesar de ter sido considerado antieconômico, foi de importância fundamental para o
   desenvolvimento da atividade petrolífera na Bahia. A partir do resultado desse poço, houve
uma grande concentração de esforços na Bacia do Recôncavo. Em 1941, é descoberta a primeira
         acumulação comercial de petróleo do País, no município de Candeias, na Bahia
O País ganha uma nova Constituição em 1946 e também tem início a campanha nacionalista em
    defesa da soberania brasileira sobre o recurso natural, com o chamamento “O Petróleo é
                                               Nosso!”.
O presidente da República Getúlio Vargas assina a Lei No. 2004 durante cerimônia no Palácio do
                   Catete, em 3 de outubro de 1953, criando a Petrobras.

                                               1968
                                               A Primeira Descoberta
                                               no Mar




     Plataforma elevatória P-1, primeira
     plataforma móvel de perfuração da
   Petrobras construída nos anos de 1967 e
                    1968




                                              A P-1 deu início às atividades de perfuração no
                                               estado de Sergipe e foi a primeira plataforma
                                               de perfuração flutuante construída no Brasil,
                                                equipada com uma sonda capaz de perfurar
                                                        poços de até 4 mil metros

Recomendados

Pre sal marco reg
Pre sal marco regPre sal marco reg
Pre sal marco regisraelfrois
 
Aula 11 - Desastre de Mariana - MG, Brasil
Aula 11 - Desastre de Mariana - MG, BrasilAula 11 - Desastre de Mariana - MG, Brasil
Aula 11 - Desastre de Mariana - MG, BrasilIsabela Espíndola
 
Telecurso 2000 aula 42 o manguezal
Telecurso 2000 aula 42   o manguezalTelecurso 2000 aula 42   o manguezal
Telecurso 2000 aula 42 o manguezalnetoalvirubro
 
13977 72308-1-pb - artigo revista
13977 72308-1-pb - artigo revista13977 72308-1-pb - artigo revista
13977 72308-1-pb - artigo revistaRenata E Rilner
 
Seminário stab 2013 agrícola - 07. influência do corte de cana crua na adub...
Seminário stab 2013   agrícola - 07. influência do corte de cana crua na adub...Seminário stab 2013   agrícola - 07. influência do corte de cana crua na adub...
Seminário stab 2013 agrícola - 07. influência do corte de cana crua na adub...STAB Setentrional
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Poster Bosquete Chapim-real
Poster Bosquete Chapim-realPoster Bosquete Chapim-real
Poster Bosquete Chapim-realFrancisco Areias
 
Capítulo17 arqueologia camposgerais
Capítulo17 arqueologia camposgeraisCapítulo17 arqueologia camposgerais
Capítulo17 arqueologia camposgeraisDaniela Lopes Pereira
 
Gpapaterra_artigo_presal_2014_emprelo
Gpapaterra_artigo_presal_2014_empreloGpapaterra_artigo_presal_2014_emprelo
Gpapaterra_artigo_presal_2014_empreloGuilherme Papaterra
 
Questões ambientais buraco ozônio e poluição das águas
Questões ambientais buraco ozônio e poluição das águasQuestões ambientais buraco ozônio e poluição das águas
Questões ambientais buraco ozônio e poluição das águasFernanda Lopes
 
Solos do RS para disciplina Introdução à Agronomia do Curso de Agronomia da U...
Solos do RS para disciplina Introdução à Agronomia do Curso de Agronomia da U...Solos do RS para disciplina Introdução à Agronomia do Curso de Agronomia da U...
Solos do RS para disciplina Introdução à Agronomia do Curso de Agronomia da U...Elvio Giasson
 
Fenicafe 2011 impactos da adubação e fertirrigação do cafeeiro no solo (canta...
Fenicafe 2011 impactos da adubação e fertirrigação do cafeeiro no solo (canta...Fenicafe 2011 impactos da adubação e fertirrigação do cafeeiro no solo (canta...
Fenicafe 2011 impactos da adubação e fertirrigação do cafeeiro no solo (canta...Revista Cafeicultura
 
Teores foliares de macronutrientes secundários da macaúba ) sob diferentes do...
Teores foliares de macronutrientes secundários da macaúba ) sob diferentes do...Teores foliares de macronutrientes secundários da macaúba ) sob diferentes do...
Teores foliares de macronutrientes secundários da macaúba ) sob diferentes do...AcessoMacauba
 
Allis Ubba 2ªEdiçãO[1]
Allis Ubba   2ªEdiçãO[1]Allis Ubba   2ªEdiçãO[1]
Allis Ubba 2ªEdiçãO[1]lontra guloso
 
Estrutura geologica relevo2
Estrutura geologica relevo2Estrutura geologica relevo2
Estrutura geologica relevo2Laudo Santos
 

Mais procurados (19)

Poster Bosquete Chapim-real
Poster Bosquete Chapim-realPoster Bosquete Chapim-real
Poster Bosquete Chapim-real
 
Capítulo17 arqueologia camposgerais
Capítulo17 arqueologia camposgeraisCapítulo17 arqueologia camposgerais
Capítulo17 arqueologia camposgerais
 
Página7
Página7Página7
Página7
 
Gpapaterra_artigo_presal_2014_emprelo
Gpapaterra_artigo_presal_2014_empreloGpapaterra_artigo_presal_2014_emprelo
Gpapaterra_artigo_presal_2014_emprelo
 
1° aula fertilizantes
1° aula   fertilizantes1° aula   fertilizantes
1° aula fertilizantes
 
O mar de minas
O mar de minasO mar de minas
O mar de minas
 
06cie
06cie06cie
06cie
 
Fertilidade-do-solo-adubacao
Fertilidade-do-solo-adubacaoFertilidade-do-solo-adubacao
Fertilidade-do-solo-adubacao
 
Adubação de fosfato nas plantas
Adubação de fosfato nas plantas Adubação de fosfato nas plantas
Adubação de fosfato nas plantas
 
Ve
VeVe
Ve
 
Questões ambientais buraco ozônio e poluição das águas
Questões ambientais buraco ozônio e poluição das águasQuestões ambientais buraco ozônio e poluição das águas
Questões ambientais buraco ozônio e poluição das águas
 
Solos do RS para disciplina Introdução à Agronomia do Curso de Agronomia da U...
Solos do RS para disciplina Introdução à Agronomia do Curso de Agronomia da U...Solos do RS para disciplina Introdução à Agronomia do Curso de Agronomia da U...
Solos do RS para disciplina Introdução à Agronomia do Curso de Agronomia da U...
 
Fenicafe 2011 impactos da adubação e fertirrigação do cafeeiro no solo (canta...
Fenicafe 2011 impactos da adubação e fertirrigação do cafeeiro no solo (canta...Fenicafe 2011 impactos da adubação e fertirrigação do cafeeiro no solo (canta...
Fenicafe 2011 impactos da adubação e fertirrigação do cafeeiro no solo (canta...
 
Teores foliares de macronutrientes secundários da macaúba ) sob diferentes do...
Teores foliares de macronutrientes secundários da macaúba ) sob diferentes do...Teores foliares de macronutrientes secundários da macaúba ) sob diferentes do...
Teores foliares de macronutrientes secundários da macaúba ) sob diferentes do...
 
Fertilidade do solo potássio
Fertilidade do solo   potássioFertilidade do solo   potássio
Fertilidade do solo potássio
 
Allis Ubba 2ªEdiçãO[1]
Allis Ubba   2ªEdiçãO[1]Allis Ubba   2ªEdiçãO[1]
Allis Ubba 2ªEdiçãO[1]
 
Estrutura geologica relevo2
Estrutura geologica relevo2Estrutura geologica relevo2
Estrutura geologica relevo2
 
Apostila da disciplina de fertilidade e adubação
Apostila da disciplina de fertilidade e adubaçãoApostila da disciplina de fertilidade e adubação
Apostila da disciplina de fertilidade e adubação
 
Latossolo
Latossolo Latossolo
Latossolo
 

Semelhante a Fontes de energia

Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energiarobertobraz
 
01 Aula a História do Petróleo no Brasil
01 Aula a História do Petróleo no Brasil01 Aula a História do Petróleo no Brasil
01 Aula a História do Petróleo no BrasilHomero Alves de Lima
 
Petróleo parte 2 pré sal prof Ivanise Meyer
Petróleo parte 2 pré sal  prof Ivanise MeyerPetróleo parte 2 pré sal  prof Ivanise Meyer
Petróleo parte 2 pré sal prof Ivanise MeyerIvanise Meyer
 
HIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIA
HIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIAHIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIA
HIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIAmnmaill
 
Pre sal marco reg
Pre sal marco regPre sal marco reg
Pre sal marco regisraelfrois
 
Pre sal marco reg
Pre sal marco regPre sal marco reg
Pre sal marco regisraelfrois
 
6 11-2012-geopolitica-do-petroleo
6 11-2012-geopolitica-do-petroleo6 11-2012-geopolitica-do-petroleo
6 11-2012-geopolitica-do-petroleoAlexandre Quadrado
 
trabalho-120613201048-phpapp02.pdf
trabalho-120613201048-phpapp02.pdftrabalho-120613201048-phpapp02.pdf
trabalho-120613201048-phpapp02.pdfAntonioMarcos839221
 
Trabalho de quimica - EXTRAÇÃO E REFINO DE PRETOLEO
Trabalho de quimica - EXTRAÇÃO E REFINO DE PRETOLEOTrabalho de quimica - EXTRAÇÃO E REFINO DE PRETOLEO
Trabalho de quimica - EXTRAÇÃO E REFINO DE PRETOLEOTom Souza
 
ApresentaçãO Pé Quente
ApresentaçãO Pé QuenteApresentaçãO Pé Quente
ApresentaçãO Pé Quenteguest69b7e44
 
Aula - A industria do Petroleo.pptx
Aula - A industria do Petroleo.pptxAula - A industria do Petroleo.pptx
Aula - A industria do Petroleo.pptxCarineMattos4
 
Aula 2 profº pedro- ibrapeq
Aula 2  profº pedro- ibrapeqAula 2  profº pedro- ibrapeq
Aula 2 profº pedro- ibrapeqPedro Monteiro
 
Perfis eletricosepesquisadepetroleo
Perfis eletricosepesquisadepetroleoPerfis eletricosepesquisadepetroleo
Perfis eletricosepesquisadepetroleoPetroleoecologia
 
Corrida para o mar - os desafios tecnológicos e ambientais do pré-sal
Corrida para o mar -  os desafios tecnológicos e ambientais do pré-salCorrida para o mar -  os desafios tecnológicos e ambientais do pré-sal
Corrida para o mar - os desafios tecnológicos e ambientais do pré-salRobson Peixoto
 

Semelhante a Fontes de energia (20)

Matrizes energéticas do brasil
Matrizes energéticas do brasilMatrizes energéticas do brasil
Matrizes energéticas do brasil
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
 
01 Aula a História do Petróleo no Brasil
01 Aula a História do Petróleo no Brasil01 Aula a História do Petróleo no Brasil
01 Aula a História do Petróleo no Brasil
 
Petróleo parte 2 pré sal prof Ivanise Meyer
Petróleo parte 2 pré sal  prof Ivanise MeyerPetróleo parte 2 pré sal  prof Ivanise Meyer
Petróleo parte 2 pré sal prof Ivanise Meyer
 
Trabalho de Geografia
Trabalho de GeografiaTrabalho de Geografia
Trabalho de Geografia
 
HIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIA
HIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIAHIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIA
HIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIA
 
Pre sal marco reg
Pre sal marco regPre sal marco reg
Pre sal marco reg
 
Pre sal marco reg
Pre sal marco regPre sal marco reg
Pre sal marco reg
 
6 11-2012-geopolitica-do-petroleo
6 11-2012-geopolitica-do-petroleo6 11-2012-geopolitica-do-petroleo
6 11-2012-geopolitica-do-petroleo
 
Geopolitica do petróleo
Geopolitica do petróleoGeopolitica do petróleo
Geopolitica do petróleo
 
trabalho-120613201048-phpapp02.pdf
trabalho-120613201048-phpapp02.pdftrabalho-120613201048-phpapp02.pdf
trabalho-120613201048-phpapp02.pdf
 
G5 energia
G5   energiaG5   energia
G5 energia
 
Trabalho de quimica - EXTRAÇÃO E REFINO DE PRETOLEO
Trabalho de quimica - EXTRAÇÃO E REFINO DE PRETOLEOTrabalho de quimica - EXTRAÇÃO E REFINO DE PRETOLEO
Trabalho de quimica - EXTRAÇÃO E REFINO DE PRETOLEO
 
ApresentaçãO Pé Quente
ApresentaçãO Pé QuenteApresentaçãO Pé Quente
ApresentaçãO Pé Quente
 
Trabalho petróleo
Trabalho petróleoTrabalho petróleo
Trabalho petróleo
 
Aula - A industria do Petroleo.pptx
Aula - A industria do Petroleo.pptxAula - A industria do Petroleo.pptx
Aula - A industria do Petroleo.pptx
 
Aula 2 profº pedro- ibrapeq
Aula 2  profº pedro- ibrapeqAula 2  profº pedro- ibrapeq
Aula 2 profº pedro- ibrapeq
 
1º Ma Grupo 06
1º Ma   Grupo 061º Ma   Grupo 06
1º Ma Grupo 06
 
Perfis eletricosepesquisadepetroleo
Perfis eletricosepesquisadepetroleoPerfis eletricosepesquisadepetroleo
Perfis eletricosepesquisadepetroleo
 
Corrida para o mar - os desafios tecnológicos e ambientais do pré-sal
Corrida para o mar -  os desafios tecnológicos e ambientais do pré-salCorrida para o mar -  os desafios tecnológicos e ambientais do pré-sal
Corrida para o mar - os desafios tecnológicos e ambientais do pré-sal
 

Mais de Cássio Marcelo (11)

Máscaras
MáscarasMáscaras
Máscaras
 
Roma, império
Roma, impérioRoma, império
Roma, império
 
Revolução francesa.
Revolução francesa.Revolução francesa.
Revolução francesa.
 
Revolução cubana
Revolução cubanaRevolução cubana
Revolução cubana
 
Maias, astecas incas 1
Maias, astecas incas 1Maias, astecas incas 1
Maias, astecas incas 1
 
O egito antigo.
O egito antigo.O egito antigo.
O egito antigo.
 
O egito antigo.
O egito antigo.O egito antigo.
O egito antigo.
 
Festa junina.
Festa junina.Festa junina.
Festa junina.
 
éPoca do ouro
éPoca do ouroéPoca do ouro
éPoca do ouro
 
Cangaço 1
Cangaço 1Cangaço 1
Cangaço 1
 
1ª guerra
1ª guerra1ª guerra
1ª guerra
 

Fontes de energia

  • 4. A história do petróleo no Brasil começa quando o Marquês de Olinda concedeu a José de Barros Pimentel o direito de extrair betume em terrenos situados nas margens do rio Maraú, na Bahia, em 1858. Em 1892 ocorre a primeira sondagem profunda no Brasil, em Bofete (SP). é inaugurada a prática da exploração no Brasil. O poço, perfurado por Eugênio Ferreira de Camargo, atinge 488 metros de profundidade. Encontra-se apenas água sulfurosa. O engenheiro agrônomo Manoel Inácio Bastos toma conhecimento de que os moradores de Lobato (BA) usam uma “lama preta”, oleosa, para iluminar suas residências. Realiza várias pesquisas e coletas de amostras da lama oleosa. Não obtém êxito em chamar a atenção de pessoas influentes. é considerado “maníaco”.
  • 5. Na década de 1930, a questão da nacionalização dos recursos do subsolo entra na pauta das discussões. Em 1938, toda a atividade petrolífera passa, por lei, a ser obrigatoriamente realizada por brasileiros. é criado o Conselho Nacional do Petróleo (CNP), que avalia pedidos de pesquisa e lavra de jazidas de petróleo. Lobato, na Bahia, foi cenário da descoberta da primeira jazida de petróleo no País. Em 21 de janeiro de 1939, o poço DNPM-163 atinge camada petrolífera e o petróleo ocupa parte de sua coluna de perfuração, constituindo-se na primeira descoberta de petróleo no Brasil. O poço, apesar de ter sido considerado antieconômico, foi de importância fundamental para o desenvolvimento da atividade petrolífera na Bahia. A partir do resultado desse poço, houve uma grande concentração de esforços na Bacia do Recôncavo. Em 1941, é descoberta a primeira acumulação comercial de petróleo do País, no município de Candeias, na Bahia O País ganha uma nova Constituição em 1946 e também tem início a campanha nacionalista em defesa da soberania brasileira sobre o recurso natural, com o chamamento “O Petróleo é Nosso!”.
  • 6. O presidente da República Getúlio Vargas assina a Lei No. 2004 durante cerimônia no Palácio do Catete, em 3 de outubro de 1953, criando a Petrobras. 1968 A Primeira Descoberta no Mar Plataforma elevatória P-1, primeira plataforma móvel de perfuração da Petrobras construída nos anos de 1967 e 1968 A P-1 deu início às atividades de perfuração no estado de Sergipe e foi a primeira plataforma de perfuração flutuante construída no Brasil, equipada com uma sonda capaz de perfurar poços de até 4 mil metros
  • 7. 1988 Produção no Alto Amazonas Em 1994 começa a operar a primeira plataforma semissubmersível (P-18) totalmente desenvolvida pelos técnicos da Petrobras, no Campo de Marlim, na Bacia de Campos (RJ). Petrobrás produz petróleo a 1.877 metros de profundidade, no Campo de Roncador. é um recorde mundial.
  • 8. 2005 2003 Os Primeiros Indícios de Petróleo no A Maior Jazida de Gás Pré-Sal Natural Sala de visualização sísmica 3D da Base de Imbetiba – Unidade da Bacia de Campos O Brasil atinge a autossuficiência sustentável na produção de petróleo, com a entrada em operação do navio-plataforma P-50 nas novas descobertas, ocorridas em águas cada vez mais profundas.
  • 10. O que é a camada pré-sal? É uma faixa que se estende ao longo de 800 quilômetros entre os Estados do Espírito Santo e Santa Catarina, abaixo do leito do mar, e engloba três bacias sedimentares (Espírito Santo, Campos e Santos). O petróleo encontrado nesta área está a profundidades que superam os 7 mil metros, abaixo de uma extensa camada de sal que, segundo geólogos, conservam a qualidade do petróleo
  • 14. É um dos combustíveis fósseis, e por isso é um combustível não-renovável que se encontra na natureza em quantidades limitadas e que se extingue com a sua utilização
  • 16. Lewis Hine A humanidade utiliza o carvão desde o século II a.C. Embora seja o mais poluidor dos combustíveis fósseis, continua a ser explorado como fonte de energia, prejudicando a saúde de milhares de pessoas que trabalham nas minas subterrâneas, em condições precárias. Devido ao aumento de gases no ambiente de trabalho, seus pulmões são afetados, levando- as à morte precoce.
  • 17. Devido aos atuais problemas ambientais e a futura escassez do petróleo, fontes alternativas de energia são cada vez mais necessárias. Dentre estas, a solar merece grande destaque, principalmente por ser uma fonte limpa, renovável e de grande potencial futuro.
  • 18. O lugar menos ensolarado do Brasil (Florianópolis) recebe 40% mais energia solar do que o lugar mais ensolarado da Alemanha No Brasil, o uso da energia solar ainda se resume a aquecedores para água de chuveiro. O uso de sistemas fotovoltaicos para produção de eletricidade é bastante limitado. Mas o potencial é enorme. “Se a área do lago de Itaipu fosse coberta com painéis solares, isso produziria mais do que o dobro da energia que é produzida pela via hidrelétrica“, afirma Rüther (Prof. Da UFSC). No lugar dos atuais 25%, a usina produziria 50% da eletricidade consumida no Brasil
  • 19. A energia eólica é a energia cinética do deslocamentos de massas de ar, gerados pelas diferenças de temperatura na superfície do planeta. Resultado da associação da radiação solar incidente no planeta com o movimento de rotação da terra, fenômenos naturais que se repetem. Por isso é considerada energia renovável.
  • 21. O Brasil ocupa uma posição discreta – o 24° lugar – no ranking mundial dos produtores de Energia Eólica. O primeiro lugar é dos Estados Unidos, com 25 mil MW, seguido por Alemanha, China, Espanha e Índia. Portugal, que, embora muito menor que o Brasil e com muito menos vento, produz 2,8 mil MW. Parque Eólico Eco Energy, na cidade de Beberibe, Ceará (aerogeradores) do Parque Eólico de Osório, RS.
  • 23. Utilizar a força das ondas é também uma boa opção de geração de energia, mas como toda forma de utilização de fontes energéticas é necessário fazer um estudo sobre os possíveis impactos ambientais no meio submarino.
  • 26. Sete Quedas Cânions do Rio São Francisco – Em 1994, quando foram fechadas as comportas da Usina Hidrelétrica do Xingó, na divisa entre Alagoas e Sergipe, a paisagem se transformou. A barragem mudou o leito do rio, fez submergir metade da fenda de alguns cânions e sete painéis de arte rupestre. A obra também acarretou problemas sociais. O custo de remoção das famílias, de indenizações e de recuperação da fauna e flora foi quase tão alto quanto o da usina propriamente dita. Até hoje os moradores reclamam de falta de irrigação na agrovila para onde foram remanejados.
  • 29. Comparação das fontes de energia Hidrelétrica Vantagens: É barata e relativamente farta no Brasil Desvantagens: A construção da usina tem alto impacto ambiental Gás Natural Vantagens: Não contribui tanto para o aquecimento da Terra comparado ao petróleo Desvantagens: Usina e preço da energia são ainda mais caras que a hidrelétrica Nuclear Vantagens: Baixíssimo impacto ambiental (se não houver acidente) Desvantagens: É a energia mais cara de todas; traz risco de acidentes graves e de efeitos prolongados Eólica Vantagens: Não causa impacto no ambiente; custo ligeiramente maior que o da hidrelétrica Desvantagens: Só pode ser instalada onde há vento forte e constante Solar Vantagens: Inofensiva ao ambiente e inesgotável Desvantagens: É ainda mais cara que a eólica e exige insolação intensa