Argumentos informais

519 visualizações

Publicada em

Fil

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
519
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
351
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Argumentos informais

  1. 1. Distinção entre argumentos dedutivos e não- dedutivos:  A validade de um argumento dedutivo depende exclusivamente da sua forma lógica. Num argumento dedutivamente válido, se as premissas forem verdadeiras, é impossível que a conclusão seja falsa.  Num argumento não-dedutivo válido, a verdade das premissas torna apenas provável a verdade da conclusão.
  2. 2. EXEMPLO CADA UM DOS CISNES OBSERVADOS ATÉ AGORA É BRANCO. LOGO, TODOS OS CISNES SÃO BRANCOS.
  3. 3. ALGUNS A SÃO B. LOGO, TODOS OS A SÃO B.
  4. 4. É um argumento com uma conclusão geral ou universal extraída de casos particulares.
  5. 5. EXEMPLO CADA UM DOS CISNES OBSERVADOS ATÉ AGORA É BRANCO. LOGO, O PRÓXIMO CISNE QUE OBSERVARMOS SERÁ BRANCO.
  6. 6. FORMA LÓGICA ALGUNS A SÃO B. LOGO, O PRÓXIMO A SERÁ B.
  7. 7. As previsões são argumentos que também partem de casos particulares, mas a conclusão extraída é a de que algo ocorrerá no futuro.
  8. 8. As generalizações e as previsões devem obedecer às seguintes regras Regra 1. A amostra deve ser ampla. Quanto maior for a amostra observada mais forte o argumento será. EX: 100 cisnes/10.000 cisnes Regra 2. A amostra deve ser representativa (diversificada). A informação deve ser relevante. EX: Observar cisnes em regiões diferentes Regra 3 – A amostra não deve omitir informação relevante. Ao não cumprir estas ou alguma destas regras, incorremos na falácia da generalização apressada.
  9. 9. • Um argumento indutivo é válido porque é mais provável do que improvável que a verdade das premissas sustente a verdade da conclusão. • No entanto, nunca é impossível que as premissas sejam verdadeiras e a conclusão falsa. Argumento indutivo válido
  10. 10. CONSIDERE OS ARGUMENTOS INDUTIVOS SEGUINTES: 1. ATÉ À DATA, NENHUM SÍRIO FOI À LUA. LOGO, EM 2017, NENHUM SÍRIO IRÁ À LUA. 2. ATÉ À DATA, NENHUM SÍRIO FOI À LUA. LOGO, NUNCA UM SÍRIO IRÁ À LUA.
  11. 11. EM QUALQUER DOS ARGUMENTOS, É PROVÁVEL QUE, DADAS AS PREMISSAS, A CONCLUSÃO SEJA VERDADEIRA (EMBORA, COMO SABE, NÃO SEJA IMPOSSÍVEL QUE EM TODOS A CONCLUSÃO SEJA FALSA). MAS ESSA PROBABILIDADE ASSUME GRAUS.
  12. 12. 1. ATÉ À DATA, NENHUM SÍRIO FOI À LUA. LOGO, EM 2017, NENHUM SÍRIO IRÁ À LUA. NO ARGUMENTO 1., DADO A HISTÓRIA DO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO, É MUITÍSSIMO PROVÁVEL SER VERDADE QUE EM 2017 NENHUM PORTUGUÊS VÁ À LUA.
  13. 13. 2. ATÉ À DATA, NENHUM SÍRIO FOI À LUA. LOGO, NUNCA UM SÍRIO IRÁ À LUA. A CONCLUSÃO TEM UM ALTÍSSIMO GRAU DE PROBABILIDADE DE SER FALSA. NO QUE RESTA DE HISTÓRIA À HUMANIDADE, É PERFEITAMENTE ADMISSÍVEL QUE SURJA UM ASTRONAUTA SÍRIO.
  14. 14. OS MERCEDES SÃO SEMELHANTES AOS BMW. OS MERCEDES TÊM A CARATERÍSTICA DE SEREM SEGUROS. LOGO, OS BMW SÃO CARROS SEGUROS.
  15. 15. A É SEMELHANTE A B. A TEM A CARATERÍSTICA C. LOGO, B TEM A CARATERÍSTICA C. Forma lógica do argumento.
  16. 16. Um argumento por analogia baseia-se numa comparação Tira-se uma conclusão acerca de uma coisa (A) comparando-a com outra (B).
  17. 17. As analogias devem obedecer às seguintes regras Regra 1. A amostra deve ser suficiente. A força da conclusão aumenta quando o número de objetos comparados. Regra 2. O número de semelhanças deve ser suficiente. A força da analogia cresce com o aumento do número de semelhanças verificadas. Regra 3 – As semelhanças verificadas devem ser relevantes. Ao não cumprir estas ou alguma destas regras, incorremos na falácia da falsa analogia.
  18. 18. Exemplo: «Aristóteles disse que a Terra é plana; logo, a Terra é plana»
  19. 19. A disse que P é verdade. Logo, P é verdadeiro.
  20. 20. Num argumento de autoridade conclui-se que uma determinada proposição é verdadeira porque uma certa autoridade (um ou vários indivíduos/uma ou várias organizações) defendem que é verdadeira.
  21. 21. Os argumentos de autoridade devem obedecer às seguintes regras Regra 1. Regra 1. As pessoas ou organizações citadas têm de ser reconhecidos especialistas nas matérias em questão. Regra 2. Deve haver consenso entre os especialistas sobre as matérias em questão. Regra 3 – As pessoas reconhecidas como autoridades devem ser imparciais. Ao não cumprir estas ou alguma destas regras, incorremos no apelo falacioso à autoridade.

×