Evento de GC no IPEA - Palestra de Abertura: Andre Saito

1.238 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.238
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Evento de GC no IPEA - Palestra de Abertura: Andre Saito

  1. 1. IPEA16 de junho de 2011Gestão do Conhecimento:Por onde começar?André Saitoandre.saito@sbgc.org.br
  2. 2. O que é GC?Para que serve?Como começar?
  3. 3. Estamos deixandoa era industrial... ... e entrando na era do conhecimento
  4. 4. Crescimento exponencial da informação
  5. 5. Valorização do talento e da competência
  6. 6. O que é gestão do conhecimento?
  7. 7. base de dados livro Isto é conhecimento?
  8. 8. Complexidade Hierarquia DICSCompreensão
  9. 9. Práticas de GC:informação que gera conhecimento Inteligência de negócios Inteligência competitiva
  10. 10. livro autorOnde está o conhecimento?
  11. 11. Conhecimento explícito e tácito Reside em objetos Reside nas pessoasO significado é o que está O significado é construído através representado no objeto de pensamentos e conversasAdquirir conhecimento = Criar conhecimento =encontrar os objetos de criar maneiras de resolver conhecimento corretos os problemas concretos Fonte: Choo, 2004
  12. 12. Práticas de GC: Conteúdo Gestão de documentosCodificação e documentação Portais corporativos Memória organizacional
  13. 13. Práticas de GC: Pessoas Cultura de colaboração Comunidades de práticaRedes sociais Educação corporativa
  14. 14. Pesquisador Empreendedor Quem conhece mais?
  15. 15. “Saber que” e “saber como” Saber que Saber como Conceitos HabilidadesTeorias, modelos Técnicas, métodos Princípios Procedimentos Entender Desempenhar Explicar Realizar Pensamento Ação Raciocínio Prática Estudo Experiência
  16. 16. Práticas de gestão do conhecimento Lições aprendidas Compartilhamento de boas práticas Storytelling
  17. 17. Definindo GC...Gestão intencional de processos decompartilhamento, uso e criação de conhecimento para melhoria de performance e geração valor.
  18. 18. Para que GC?
  19. 19. Tipicamente:“Conhecimento tem valor estratégico e devemos gerenciá-lo...”
  20. 20. Ciclo de conversão do conhecimento Fonte: Takeuchi & Nonaka (2008). Gestão do Conhecimento.
  21. 21. Ciclos e processos de conhecimento... Aplicar IdentificarProteger Reter Capturar Captura Disseminar Compartilhar Retenção Disseminação
  22. 22. Aplicações da GCUso eficaz de conhecimento existente: Disseminação de conhecimento e informação (p. ex., treinamento) Retenção de conhecimento (p. ex., pessoas deixando a organização) Troca de conhecimento e experiência (entre equipes, unidades, projetos, etc.) Acesso a conhecimento especializado
  23. 23. Outras aplicações da GC Apoio à tomada de decisão (p. ex., business intelligence) Gestão de ativos intangíveis (p. ex., mensuração de capital intelectual) Inovação (p. ex., roadmapping tecnológico)
  24. 24. Como começar?
  25. 25. Abordagens à implementação de GC Abordagem tradicional  Formulação e implementação controladas de forma centralizada; decisões técnicas e racionais sobre GC. Abordagem contingencial  Considera diversas variáveis externas e internas no desenho de iniciativas que implementam GC. Abordagem comportamental  Motivação e engajamento das pessoas são fatores determinantes; GC como mudança de cultura. Abordagem política  GC depende do poder relativo de diferentes grupos; conflitos de interesses e negociação são esperados. Fonte: Dufour & Steane, 2005. Reviewing KM implementation approaches.
  26. 26. Abordagem tradicionalFonte: Josef Hofer-Alfeis, Siemens
  27. 27. Abordagem contingencial
  28. 28. Abordagem comportamental
  29. 29. Abordagem políticaPara cá Para lá OK
  30. 30. Algumas falhas comuns Foco excessivo em captura/codificação Foco em implantação de ferramentas Implementação formal, ‘burocrática’ GC restrita a um pequeno grupo
  31. 31. Algumas reflexões... Não subestime a importância do conhecimento tácito  Mais que isso, não subestime o veículo do conhecimento tácito: os encontros, interações, diálogos, relações. O conhecimento tácito que importa não é só aquele que gera valor para o negócio, para as operações.  Importa também aquele que interpreta o conhecimento explícito, que o contextualiza, que preenche as lacunas. Talvez o mais importante não seja o conhecimento em si, mas a atitude em relação a ele.  Querer criar/ trocar/ usar conhecimento é tão ou mais importante do que saber criar/ trocar/ usar conhecimento.
  32. 32. Obrigado!andre.saito@sbgc.org.br
  33. 33. Mantenedores Associados Institucionais 11 3063 4360 - info@sbgc.org.br

×