Tuberculose

1.776 visualizações

Publicada em

Apresentação de diapositivos sobre tuberculose com base nas diretrizes brasileiras expostas no Programa Brasileiro de Combate à Tuberculose.

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.776
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tuberculose

  1. 1. TUBERCULOSE ASPECTOS CLÍNICOS E EPIDEMIOLÓGICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO
  2. 2. DISCENTES Afrânio José da Silva Borges; Álisson Luã Vale Mina; Amanda Laina Pereira Santos; Einart Eudes Guedes de Souza; Francílio Araújo Almeida; Hugo Eduardo Azevedo Fialho; Larisse Brito da Silva; Leonildes Segundo Carvalho Godinho; Letícia de Melo Barros; Luiz Rodrigues Porto Neto; Nayara Corrêa Lobo Moura; Wysterkimbo Silva Rodrigues.
  3. 3. ASPECTOS CLÍNICOS Atinge todos grupos etários, principalmente homens da PEA. Dois tipos de tuberculose (TB) Tuberculose primária Primoinfecção Tuberculose pós-primária TB pulmonar TB extrapulmonar Foco pulmonar Foco ganglionar Disseminação hematogênica Reativação endógena Reinfecção exógena BRASIL. Doenças Infecciosas e Parasitárias: Guia de Bolso. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/doen_infecciosas_guia_bolso_8ed.pdf>. Acessado em: 31 mai 2013. BRASIL. Guia de Vigilância Epidemiológica. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/gve_7ed_web_atual.pdf>. Acessado em: 31 mai 2013>. Acessado em: 31 mai 2013.
  4. 4. ASPECTOS CLÍNICOS Agente etiológico: bacilo de Koch (BK) Complexo M. tuberculosis Reservatório principal: homem; por vezes, primatas, aves e outros mamíferos. Modo de transmissão: núcleos de Wells expelidos por portadores de TB pulmonar bacilífera ao ar atmosférico, contendo 1 ou 2 BK. M. tuberculosis M. bovis M. africanum M. microti Fala EspirroTosse BRASIL. Doenças Infecciosas e Parasitárias: Guia de Bolso. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/doen_infecciosas_guia_bolso_8ed.pdf>. Acessado em: 31 mai 2013. BRASIL. Guia de Vigilância Epidemiológica. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/gve_7ed_web_atual.pdf>. Acessado em: 31 mai 2013>. Acessado em: 31 mai 2013.
  5. 5. ASPECTOS CLÍNICOS Período de incubação: 4 - 12 semanas para detecção de lesões primárias ou até 12 meses após infecção inicial. Período de transmissibilidade: enquanto o portador de TB pulmonar bacilífera não iniciar o tratamento. Complicações da TB Hemoptise Distúrbios ventilatórios Infecções respiratórias Empiema pleural Atelectasia BRASIL. Doenças Infecciosas e Parasitárias: Guia de Bolso. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/doen_infecciosas_guia_bolso_8ed.pdf>. Acessado em: 31 mai 2013. BRASIL. Guia de Vigilância Epidemiológica. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/gve_7ed_web_atual.pdf>. Acessado em: 31 mai 2013>. Acessado em: 31 mai 2013.
  6. 6. EMPIEMA PLEURAL GAILLARD, Frank. Pleural Empyema. Disponível em: <BRASIL. Guia de Vigilância Epidemiológica. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/doen_infecciosas_guia_bolso_8ed.pdf>. Acessado em: 1 jun 2013.f>. Acessado em: 1 jun 2013.
  7. 7. DIAGNÓSTICO Febre baixa vespertina Sudorese noturna Inapetência Emagrecimento Clínico Laboratorial Baciloscopia direta do escarro (2 amostras) Cultura de escarro ou outras secreções Imagem Tomografia computadorizada (TC) do tórax Exame radiológico (abreugrafia, radiografia) Broncoscopia Prova tuberculínica (PT) ou teste de Mantoux Aplicação de 0,1mL da tuberculina PPD RT23 e milimetrar Solicitar exame sorológico anti-HIV BRASIL. Doenças Infecciosas e Parasitárias: Guia de Bolso. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/doen_infecciosas_guia_bolso_8ed.pdf>. Acessado em: 31 mai 2013. BRASIL. Guia de Vigilância Epidemiológica. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/gve_7ed_web_atual.pdf>. Acessado em: 31 mai 2013>. Acessado em: 31 mai 2013.
  8. 8. RADIOGRAFIA EM TB TREATMENT ACTION CAMPAIGN. Scientific Development in HIV and TB. Disponível em: < http://www.tac.org.za/community/taxonomy/term/58 >. Acessado em: 2 jun 2013.
  9. 9. PT EMEDICINEHEALTH. Tuberculosis Causes, Symptoms, Treatment. Disponível em: < http://images.emedicinehealth.com/images/4453/4453-4482-17621-21208.jpg >. Acessado em: 1 jun 2013.
  10. 10. DIAGNÓSTICO Tuberculose extrapulmonar Exame anátomo-patológico Exame bioquímico Exame sorológico e de biologia molecular BRASIL. Doenças Infecciosas e Parasitárias: Guia de Bolso. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/doen_infecciosas_guia_bolso_8ed.pdf>. Acessado em: 31 mai 2013. BRASIL. Guia de Vigilância Epidemiológica. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/gve_7ed_web_atual.pdf>. Acessado em: 31 mai 2013>. Acessado em: 31 mai 2013.
  11. 11. TRATAMENTO Tratamento diretamente observado (TDO) Doses fixas combinadas (DFC) Primeira fase ou fase de ataque por 2 meses Segunda fase ou fase de manutenção por 4 meses ou até 7 meses Isoniazida (H) Rifampicina (R) Pirazinamida (Z) Etambutol (E) H R 7 - 9 meses de tratamento ininterrupto BRASIL. Doenças Infecciosas e Parasitárias: Guia de Bolso. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/doen_infecciosas_guia_bolso_8ed.pdf>. Acessado em: 31 mai 2013. BRASIL. Guia de Vigilância Epidemiológica. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/gve_7ed_web_atual.pdf>. Acessado em: 31 mai 2013>. Acessado em: 31 mai 2013.
  12. 12. TRATAMENTO Falência ao esquema básico Monorresistência Polirresistência: a mais de um fármaco, exceto R e H Multirresistência: a ao menos R e H Resistência extensiva aos fármacos: a R e H, além de fluoroquinolona e medicamento de tratamento de segunda linha Reações adversas ao uso de drogas antituberculose Efeitos menores: sem modificação imediata do esquema padronizado Efeitos maiores: com interrupção ou alteração imediata do esquema padronizado BRASIL. Doenças Infecciosas e Parasitárias: Guia de Bolso. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/doen_infecciosas_guia_bolso_8ed.pdf>. Acessado em: 31 mai 2013. BRASIL. Guia de Vigilância Epidemiológica. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/gve_7ed_web_atual.pdf>. Acessado em: 31 mai 2013>. Acessado em: 31 mai 2013.
  13. 13. VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Notificação Notificação compulsória e investigação obrigatória Definição de caso Suspeito Sintomatologia clínica sugestiva adicionada de tosse produtiva por ao menos 3 semanas Exames de imagem compatíveis Tão-somente tosse produtiva por ao menos 3 semanas Confirmado TB pulmonar bacilífera TB pulmonar escarro negativo TB extrapulmonar Critério clínico-laboratorial Critério clínico-epidemiológico BRASIL. Doenças Infecciosas e Parasitárias: Guia de Bolso. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/doen_infecciosas_guia_bolso_8ed.pdf>. Acessado em: 31 mai 2013. BRASIL. Guia de Vigilância Epidemiológica. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/gve_7ed_web_atual.pdf>. Acessado em: 31 mai 2013>. Acessado em: 31 mai 2013.
  14. 14. VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA BRASIL. Ficha de Informação de Agravos de Notificação - Ficha de Notificação/Investigação de Tuberculose. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/tb_ficha_de_notificacao_3_9_10.pdf>. Acessado em: 31 mai 2013.>. Acessado em: 4 jun 2013.
  15. 15. VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Medidas de controle Primo-índice Controle bacteriológica mensal ou bimensal Contatos Prevenção da infecção latente da tuberculose (ILTB) ou quimioprofilaxia primária Tratamento da infecção latente da tuberculose (ILTB) ou quimioprofilaxia secundária RN: inicialmente H, para então imunizar 180 - 270 doses de H de 6 - 9 meses Bacilo de Calmette-Guérin (BCG) Obrigatório para crianças menores de 1 ano de idade; facultativa para crianças entre 0 e 4 anos de idade BRASIL. Doenças Infecciosas e Parasitárias: Guia de Bolso. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/doen_infecciosas_guia_bolso_8ed.pdf>. Acessado em: 31 mai 2013. BRASIL. Guia de Vigilância Epidemiológica. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/gve_7ed_web_atual.pdf>. Acessado em: 31 mai 2013>. Acessado em: 31 mai 2013.
  16. 16. DADOS EM SÃO LUÍS, MA 0 2 4 6 8 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Número de internações por tuberculoses respiratórias em São Luís, MA, no período de janeiro de 2012 a fevereiro de 2013 2012 2013 Não houve informações para maio de 2012 e dezembro de 2012; ademais, os dados de 2013 estendem-se tão- somente ao mês de fevereiro. BRASIL. Informações de Saúde (TABNET) - DATASUS. Disponível em: <http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0203>. Acessado em: 1 jun 2013.
  17. 17. DADOS NO MARANHÃO 0 1000 2000 3000 4000 1990 1991 1992 1993 1944 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 Número de casos novos totais de tuberculose no Maranhão entre 1990 e 2012 BRASIL. Série História do Número de Casos Novos de Tuberculose. Brasil, Regiões e Unidades Federadas de Residência Por Ano de Diagnóstico. Disponível em: <http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/arquivos/pdf/2013/Mar/25/casos_novos_tuberculose_1990_2012_base_22_02_2013.pdf>. Acessado em: 31 mai 2013.
  18. 18. DADOS NO BRASIL 0 25000 50000 75000 100000 1990 1991 1992 1993 1944 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 Número de casos novos totais de tuberculose no Brasil entre 1990 e 2012 BRASIL. Série História do Número de Casos Novos de Tuberculose. Brasil, Regiões e Unidades Federadas de Residência Por Ano de Diagnóstico. Disponível em: <http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/arquivos/pdf/2013/Mar/25/casos_novos_tuberculose_1990_2012_base_22_02_2013.pdf>. Acessado em: 31 mai 2013.
  19. 19. ASPECTOS LEGAIS 24 de março: Dia Mundial de Luta Contra a Tuberculose. Semana de 24 de março: Semana Nacional de Mobilização e Luta Contra a Tuberculose. 24 de março de 1882: descoberta do BK por Koch. Programa Nacional de Controle da Tuberculose (PNCT). BRASIL. Dia 24 de Março - Dia Mundial de Luta Contra a Tuberculose . Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/visualizar_texto.cfm?idtxt=31110>. Acessado em: 4 jun 2013. BRASIL. Portaria No 21, de 21 de Novembro de 2001. Disponível em: <hhttp://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/portaria2181.pdf>. Acessado em: 4 jun 2013.
  20. 20. BRASIL. Tuberculose. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/area.cfm?id_area=1527>. Acessado em: 4 jun 2013. BRASIL. Programa Nacional de Controle da Tuberculose. Disponível em: <http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/arquivos/pdf/2013/Mar/25/apres_padrao_base_22_02_2013_site.pdf>. Acessado em: 4 jun 2013.

×