Os 5 sentidos do cão

21.139 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
1 comentário
8 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
21.139
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5.186
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
226
Comentários
1
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Os órgãos dos sentidos estabelecem a comunicação do mundo exterior com o sistema nervoso.
  • Os 5 sentidos do cão

    1. 1. Os cinco sentidos do cão <br />Trabalho realizado por:Filipa Araújo<br />Curso de Auxiliar Técnico de VeterináriaHVP, Dezembro 2010<br />
    2. 2. Tudo o que um animal faz, está dependente da recepção e da forma como interpreta a informação obtida do meio ambiente que o rodeia. Esta informação acerca do meio envolvente é essencial para que um animal decida o que irá fazer a seguir. <br />Os órgãos dos sentidos estão constantemente a recolher informação do ambiente envolvente, que após ser interpretada pelo sistema nervoso é armazenada, dando assim origem ao “conhecimento” do animal. <br />Os cães partilham os mesmos sentidos básicos que os humanos:<br />sistema nervoso<br />órgãos dos sentidos <br />mundo exterior <br />
    3. 3. O OLFACTO dos cães é o principal dos cinco sentidos. É referido como sendo cerca de cem mil vezes mais poderoso que o dos humanos. Os cães usam também o olfacto para comunicar, como por exemplo para as marcações territoriais e na detecção de amigos e inimigos.<br /> A AUDIÇÃO dos cães é altamente desenvolvida. Eles possuem orelhas móveis que capturam sons provenientes de todas as direcções. Podem usar apenas uma orelha para rastrear a origem do som, usando depois as duas para captar um maior número de ondas sonoras .<br /> A VISÃO dos cães é similar à dos humanos, no entanto a visão de um cão é geralmente inferior à do Homem. Contrariamente ao que muita gente pensa, os cães conseguem ver cor, visualizar formas estáticas e são muito sensíveis ao movimento, mas as imagens captadas não têm grande detalhe .<br /> O TACTO é o primeiro sentido que os cães desenvolvem. Tal como os humanos, os cães possuem receptores tácteis por todo o seu corpo. <br /> O PALADAR está directamente relacionado com o olfactoe apesar de os cães terem um paladar menos desenvolvido que o dos humanos, eles conseguem saborear o doce, o amargo e o ácido .<br />
    4. 4. A ordem de eficiência dos sentidos de um cão adulto e saudável é:<br /> Nos cachorros, a ordem varia de acordo com a idade, pois eles nascem com os ouvidos e olhos totalmente fechados e rastejam em direcção aos objectos que emitem calor (termotropismo). Destes, o mais próximo, sem dúvida alguma, é mama de sua mãe que, nesta fase de sua vida reprodutiva, apresenta-se mais quente do que as outras partes do seu próprio corpo. <br /> Com o decorrer dos dias, o sentido do olfacto supera, definitivamente, o sentido do tacto e podemos presenciar o filhote a farejar tudo que se encontra à sua frente.<br />
    5. 5. Percepção Sensorial<br />Ao estudar os órgãos dos sentidos é necessário analisar as propriedades das suas células, e o modo como estas transformam os estímulos ambientais em informação nervosa.<br />Qualquer um dos órgãos dos sentidos actua da mesma forma básica, iniciando-se com a detecção do estímulo, seguido da amplificação do sinal e posterior transmissão para o sistema nervoso. <br />
    6. 6. Percepção Sensorial<br /> A recepção sensorial começa nos órgãos que possuem células especializadas para responder aos diferentes tipos de estímulos, denominadas de células receptoras. <br />estímulos<br />células receptoras <br />mecano-receptores<br />foto-receptores<br />quimio-receptores<br />termo-receptores<br />electro-receptores <br />
    7. 7. Os receptores especializados dos órgãos dos sentidos são específicos para reconhecer e responder apenas a certos estímulos. <br /> De uma forma genérica, podemos resumir o processo de interpretação dos sinais obtidos da seguinte forma: <br />Percepção Sensorial<br />
    8. 8. Olfacto<br /> O nariz dos cães é formado por um par de narinas e pela cavidade nasal. As células receptoras do olfacto estão presentes por toda a camada do epitélio especializado existente na cavidade nasal.<br /> O epitélio olfactivo contém vários tipos de células olfactivas (permite a percepção de um número elevado de odores). <br /> Os cães possuem ainda uma cavidade chamada de vomeronasal, mais conhecida por órgão de Jacobson, que consiste num par de sacos alongados que conectam com a boca e nariz. Esta estrutura possui células receptoras distintas da cavidade nasal.<br />
    9. 9. Olfacto<br /> O nariz dos cães está normalmente frio e húmido (razão pela qual os cães estão constantemente a lamber o nariz). <br /> O muco segregado pelas glândulas mucosas da cavidade nasal captura e dissolve as moléculas presentes no ar e obriga-as a entrarem em contacto com o epitélio olfactivo especializado, que no caso dos cães é muito desenvolvido, contendo mais de 220 milhões de receptores olfactivos em contraste com os cerca de 5 milhões que o ser humano possui.<br />
    10. 10. Olfacto<br /> O acto de farejaré utilizado para maximizar a detecção dos odores, uma vez que força o ar a entrar na cavidade nasal (devido as sucessivas inspirações e expirações) e a contactar com o epitélio especializado. <br /> As moléculas de odor que estão dentro da cavidade nasal sãoabsorvidas pelos receptores especializadosaté à camada mucosa e posteriormente difundidos até aos neurónios. Esta interacção gera um impulso nervoso que é transmitido através dos nervos olfactivos até ao centro olfactivo do cérebro.<br /> As células do órgão de Jacobson, para além de participarem no processo normal do olfacto, enviam também impulsos para a região do hipotálamo, que estão associados a comportamentos sexuais e sociais. Acredita-se ainda que este órgão é fundamental na detecção das feromonas .<br />
    11. 11. Olfacto<br />A sensibilidade olfactiva depende da área desenvolvida do centro olfactivo do cérebro, sendo em média, nos cães, cerca de 10% do total do cérebro (nos humanos ronda os 0,3%). Os cães possuem ainda receptores infravermelhos que são sensíveis à temperatura.<br />Em determinadas experiências, ficou demonstrado que os cães conseguem detectarcertos tumores, prever ataques epilépticos e até níveis anormais de glucose no sangue em humanos através do cheiro.<br />
    12. 12. Olfacto<br /> O mundo que existe em redor do cão é rico em diferentes odores, que se<br />sobrepõem e cruzam, no ambiente. O cão consegue separá-los adequadamente, identificando, desta maneira, pessoas e coisas. <br /> Tudo isso ocorre devido aos seus órgãos especializados. A área do cérebro<br />canino encarregada da sensibilidade ao cheiro possui 40 x mais células que a mesma área do cérebro humano.<br /> As células sensitivas do cão estão bem mais juntas e formam uma área que se dobra várias vezes sobre si mesma, criando sulcos e cristas que aumentam a<br />capacidade de captação de odores. <br /> Estima-se que o olfacto do cão é quarenta vezes mais sensível do que o do homem. <br /> O homem aproveita esta sensibilidade olfactiva do cão para treiná-lo a procurar pessoas, objectos, bombas, drogas, etc. Os animais de determinadas raças possuem sensibilidade maior e são conhecidos como cães farejadores, utilizados pelos exércitos e polícias de vários países.<br />
    13. 13. Audição<br />Os cães, comparativamente com os humanos, possuem uma audição muito mais apurada. São capazes de captar frequências baixas entre os 16 e 20Hz (os humanos captam entre 20 e 70Hz) e altas entre os 70000 a 100000Hz (comparando com os 20000Hz humanos). <br />Os cães são ainda capazes de ouvir ultra-some são excelentes a distinguir sons, o que lhes permite “compreender” as palavras pronunciadas pelos donos, embora neste caso seja também importante o tom de voz e os gestos usados.<br />
    14. 14. Audição<br /> O ouvido é formado por três compartimentos:<br /> O ouvido externoé uma estrutura cartilagínea coberta por músculos e pele, formando a orelha que possui uma abertura para o interior constituindo o canal auditivo externo, que se estende até ao tímpano. <br /> O ouvido médio consiste numa câmara de ressonância que contém três ossículos. <br /> O ouvido interno é formado pela cóclea, pelo aparelho vestibular e pelo tubo auditivo. <br /> A função da orelha é captar os sons que depois serão conduzidos pelo canal auditivo externo. No ouvido médio, os ossículos convertem mecanicamente as vibrações do tímpano em ondas de pressão que são amplificadas na cóclea. <br />
    15. 15. Audição<br /> No sistema vestibular, o vestíbulo, é uma componente especializada do ouvido interno que fornece informações essenciais para o sentido de equilíbrio e para a coordenação dos movimentos da cabeça com movimentos posturais e dos olhos. <br />
    16. 16. Audição<br /> As orelhas do cão possuem formas variadas, de acordo com a raça. <br /> São bastante móveis e giram em diferentes direcções àprocura dos sons que penetram no canal auditivo. <br /> Apesar das diferenças que ocorrem no pavilhão auricular, as estruturas e as funções do ouvido médio e interno do cão permanecem as mesmas. <br /> Muitas vezes nós precisamos virar a cabeça para ouvir melhor alguns sons, enquanto que o cão movimenta somente as orelhas. Um som emitido a 4 metros e audível para nós, será audível para um cão, na mesma intensidade, a 25 metros.<br />
    17. 17. Audição<br /> Outra capacidade impressionante do cão é a identificação da origem do som. Ele conhece o passo de todas as pessoas de uma casa e consegue identificar os ruídos do carro do seu proprietário, entre outros da mesma marca, cilindrada etc. <br /> O cão possui excelente audição e capta sons inaudíveis para nós. O uso de apitos que emitem sons de alta frequência são, às vezes, utilizados para comando de cães polícias e militares à distância, sem que as pessoas que se encontram próximas dos mesmos captem tais sons.<br />
    18. 18. Visão<br />O olho dos canídeos tem a mesma morfologia básica que o olho humano e pode ser comparado com uma máquina de filmar, possuindo:<br />abertura (pupila) <br />lente (córnea e cristalino)<br />superfície de recepção (retina). <br />Tal como nas câmaras, asestruturas do olhos podem ser ajustadas e modificadas fisiologicamente mediante as diferentes condições de luz existentes.<br />A luz penetra no olho através da pupila, sendo a quantidade controlada e regulada pela íris. Quanto mais a pupila estiver aberta, maior a quantidade de luz que penetra pelo olho, sendo esta uma importante característica para a visão nocturna. <br />A luz, após atravessar a pupila, passa pelo cristalino e é absorvida pela retina.<br />
    19. 19. Visão<br />Rodopsina<br />Detecção do movimento<br />80% <br />Adaptados para condições em que há pouca luz<br />20% <br />Percepção de cor e do detalhe<br /> Ao contrário dos humanos em que a retina possui três tipos de cones, o olho canídeo apenas possui dois tipos. Esta condição faz com que cães não consigam ver todas as cores do espectro visível, não identificando o verde, o laranja e o vermelho, porque os cones que eles possuem,apenascaptam comprimentos de onda entre os 429nm e 555nm, zona correspondente ao azul, violeta e amarelo.<br />
    20. 20. Visão<br /> A característica que torna a visão dos cães excelente no escuro, é o tapetum lucidum que corresponde a uma camada de células altamente reflectoras localizadas por trás dos foto-receptores. <br /> Esta camada reflectora é responsável pelo brilho nos olhos dos cães (e outras espécies) quando uma luz brilhante atinge os olhos no escuro. Esta camada amplia e reflecte a luz, mesmo quando ela for de pequena intensidade. <br />
    21. 21. Visão<br /> Por conseguirem captar melhor o movimento do que os humanos, para os cães a televisão não passa de uma série de imagens que piscam rapidamente, enquanto que os humanos não se apercebem das transições e vêem as imagens numa sequência contínua. <br /> Quando os cães olham para a televisão, geralmente respondem mais a sons e mudanças bruscas de luz do que propriamente à imagem.<br /> O posicionamento dos olhos do cão dá-lhe um campo de visão mais alargado do que o dos seres humanos, apesar de a sua visão binocular ser reduzida.<br /> A visão periféricavaria entre raças, dependendo da posição e da inclinação dos olhos.<br />
    22. 22. Tacto<br />As sensações tácteis são primordiais para o desenvolvimento normal dos<br />animais. Na fase inicial da vida dos cães o tacto é o sentido mais importante, sendo<br />fundamental o contacto com a progenitora.<br />Através do tacto, os cães podem diferenciar sensações de pressão e contacto,<br />sensações térmicas e sensações dolorosas, dependendo do tipo de estímulo.<br />As sensações térmicas apenas são captadas em determinadas zonas: <br />superfície cutânea <br />cavidade nasal<br />cavidade bucal<br />ânus<br />Existem dois tipos principais de termo-receptores, os de calor e os de frio.<br />
    23. 23. Tacto<br /> Os receptores para as sensações de pressão encontram-se espalhados praticamente por todo o organismo.<br /> Os receptores para as sensações de contacto (disco de Merkel; terminação de Ruffini; corpúsculo de Meissner; corpúsculo de Pacini) encontram-se logo abaixo da superfície cutânea. <br /> As sensações de pressão e contacto são perceptíveis por todo o corpo, pois os nervos estão localizados na base dos pêlos. <br /> Para as sensações dolorosas existem receptores especiais (terminações livres não-mielinizadas de neurónios aferentes) que estão presentes na pele, nos músculos, tendões e articulações, dentes, etc. A maioria das vísceras, como, rins e pulmões não possuem receptores para a dor.<br />
    24. 24. Tacto<br /> Além das terminações nervosas sensoriais existentes em todo o corpo, os cães possuem pêlos especiais, denominados vibrissas, que se localizam acima dos olhos, debaixo da mandíbula e no focinho. Os vibrissas são fortemente irrigados por vasos sanguíneos e possuem um elevado número de terminações nervosas, conferindo-lhe uma sensibilidade especial.<br /> Os bigodes ou vibrissas funcionam como verdadeiras antenas. São elas as responsáveis pela manutenção da distância, quase constante, do focinho do cão dos objectos cheirados. Quando o animal está a farejar um rasto, ele mantém o focinho a uma pequena distância do chão, sem o tocar. <br />
    25. 25. Paladar<br />O paladar é considerado o sentido menos eficiente do cão. É um sentido pouco desenvolvido e está directamente relacionado com o olfacto.<br />A língua é um músculo em que a superfície é coberta por epitélio especializado que contém as células especializadas denominadas de papilas gustativas. <br />O cão tem à volta de 12x menos papilas gustativas que o ser humano.<br />.<br />
    26. 26. Paladar<br /> O paladar está ligado às papilas gustativaspresentes nas mucosas da língua, do palato e da faringe. Os nervos glossofaringeo e lingual, originados nas pupilas gustativas transmitem os sinais recebidos pelas mesmas até ao cérebro. <br /> Tal como no olfacto, esta informação gustativa surge através da interacção das substâncias químicas da comida que são dissolvidas na saliva e captadasdepois pelas papilas gustativas.<br />
    27. 27. Paladar<br /> A língua nos cães, para além de ser responsável pela resposta ao paladar, desempenha a vital tarefa de dissipar o calor do animal, sendo ainda usada com função terapêutica em caso de feridas externas.<br />
    28. 28. Obrigada <br />

    ×