07 aula armazenagem l

1.310 visualizações

Publicada em

;

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.310
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
91
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

07 aula armazenagem l

  1. 1. AULA 13 ARMAZENAGEM I
  2. 2. Noções Básicas de Almoxarifado O almoxarifado se constituía em um depósito, quase sempre o pior e mais inadequado local da empresa, onde os materiais eram acumulados de qualquer forma, utilizando mão-de-obra desqualificada. Com o tempo surgiram sistemas de manuseio e de armazenagem bastante sofisticados, o que acarretou aumento da produtividade, maior segurança nas operações de controle e rapidez na obtenção das informações. O termo Almoxarifado é derivado de um vocábulo árabe que significa " depositar". é
  3. 3. Almoxarifado - Conceituação O Almoxarifado é o local destinado à guarda e conservação de materiais, em recinto coberto ou não, adequado à sua natureza, tendo a função de destinar espaços onde permanecerá cada item aguardando a necessidade do seu uso, ficando sua localização, equipamentos e disposição interna acondicionados à política geral de estoques da empresa.
  4. 4. Almoxarifado – Deve : 1.assegurar que o material adequado esteja, na quantidade devida, no local certo, quando necessário; 2.impedir que haja divergências de inventário e perdas de qualquer natureza; 3.preservar a qualidade e as quantidades exatas; 4.possuir instalações adequadas e recursos de movimentação e distribuição suficientes a um atendimento rápido e eficiente;
  5. 5. Exemplo Depositar materiais em um almoxarifado é o mesmo que depositar dinheiro em um banco. Portanto pode-se comparar o esquema de funcionamento do almoxarifado ao de um banco, conforme esquema abaixo : BANCO ALMOXARIFADO - Entrada para estoque - Ficha de depósito bancário - Nota fiscal de compra - Saída do estoque - Cheque - Requisição de material
  6. 6. Almoxarifado Eficiência um almoxarifadoA eficiência de fundamentalmente: depende : 1.da redução das distâncias internas percorridas pela carga e do conseqüente aumento do número das viagens de ida e volta; 2.do aumento do tamanho médio das unidades armazenadas; 3.da melhor utilização de sua capacidade volumétrica;
  7. 7. Almoxarifado - Organização do almoxarifado estáO organograma funcional demonstrado na figura abaixo Analisando o organograma funcional de um almoxarifado podemos resumir as suas principais atribuições : 1.Receber para guarda e proteção os materiais adquiridos pela empresa; 2.Entregar os materiais mediante requisições autorizadas aos usuários da empresa; 3.Manter atualizados os registros necessários; Vamos analisar os setores componentes da estrutura funcional do almoxarifado :
  8. 8. Almoxarifado - Controle Embora não haja menção na estrutura organizacional do almoxarifado, o controle deve fazer parte do conjunto de atribuições de cada setor recebimento, armazenagem envolvido, qual seja, e distribuição. O controle deve fornecer a qualquer momento as quantidades que se encontram à disposição em processo de recebimento, as devoluções ao fornecedor e as compras recebidas e aceitas.
  9. 9. Almoxarifado - Recebimento As atividades de recebimento abrangem desde a recepção do material na entrega pelo fornecedor até a entrada nos estoques. A função de recebimento de materiais é módulo de um sistema global integrado com as áreas de contabilidade, compras e transportes e é caracterizada como uma interface entre o atendimento do pedido pelo fornecedor e os estoques físico e contábil. O recebimento compreende quatro fases : 1a fase : Entrada de materiais; 2a fase : Conferência quantitativa; 3a fase : Conferência qualitativa; 4a fase : Regularização
  10. 10. Almoxarifado - Armazenagem A guarda dos materiais no Almoxarifado obedece a cuidados especiais, que devem ser definidos no sistema de instalação e no layout adotado, proporcionando condições físicas que preservem a qualidade dos materiais, objetivando a ocupação plena do edifício e a ordenação da arrumação
  11. 11. Fases 1A FASE Verificação das condições de recebimento do material; 2A FASE Identificação do material; 3A FASE Guarda na localização adotada; 4A FASE Informação da localização física de guarda ao controle; 5A FASE Verificação periódica das condições de proteção e armazenamento; 6A FASE Separação para distribuição;
  12. 12. Documentos Utilizados 1.Ficha de controle de estoque (para empresas ainda não informatizadas) : documento destinado a controlar manualmente o estoque, por meio da anotação das quantidades de entradas e saídas, visando o seu ressuprimento; 2.Ficha de Localização (também para empresas ainda não informatizadas) : documento utilizado para indicar as localizações, através de códigos, onde o material está guardado; 3.Comunicação de Irregularidades : documento utilizado para esclarecer ao fornecedor os motivos da devolução, quanto os aspectos qualitativo e quantitativo; Os seguintes documentos são utilizados no Almoxarifado para atendimento das diversas rotinas de trabalho :
  13. 13. Documentos Utilizados Os seguintes documentos são utilizados no Almoxarifado para atendimento das diversas rotinas de trabalho : Relatório técnico de inspeção : documento utilizado para definir, sob o aspecto qualitativo, o aceite ou a recusa do material comprado do fornecedor; Requisição de material : documento utilizado para a retirada de materiais do almoxarifado; Devolução de material : documento utilizado para devolver ao estoque do almoxarifado as quantidades de material porventura requisitadas além do necessário;
  14. 14. Recebimentos - Conceitos O Conceituação Recebimento é a atividade intermediária entre as tarefas de compra e pagamento ao fornecedor, sendo de sua responsabilidade a conferência dos materiais destinados à empresa.
  15. 15. Recebimentos - Atribuições Básicas 1.coordenar e controlar as atividades de recebimento e devolução de materiais; 2.analisar a documentação recebida, verificando se a compra está autorizada; 3.controlar os volumes declarados na Nota Fiscal e no Manifesto de Transporte com os volumes a serem efetivamente recebidos; 4.proceder a conferência visual, verificando as condições de embalagem quanto a possíveis avarias na carga transportada e, se for o caso, apontando as ressalvas de praxe nos respectivos documentos;
  16. 16. Recebimentos - Atribuições Básicas 5.proceder a conferência quantitativa e qualitativa dos materiais recebidos; 6.decidir pela recusa, aceite ou devolução, conforme o caso; 7.providenciar a regularização da recusa, devolução ou da liberação de pagamento ao fornecedor; 8.liberar o material desembaraçado para estoque no almoxarifado;
  17. 17. Recebimentos – Análise de Fluxo A análise do Fluxo de Recebimento de Materiais permite dividir a função em quatro fases : 1a fase - entrada de materiais ; 2a fase - conferência quantitativa; 3a fase - conferência qualitativa; 4a fase - regularização;
  18. 18. Recebimentos – 1ª Fase Entrada de Materiais A recepção dos veículos transportadores efetuada na portaria da empresa representa o início do processo de Recebimento e tem os seguintes objetivos : -A recepção dos veículos transportadores; - A triagem da documentação suporte do recebimento; -Constatação se a compra, objeto da Nota Fiscal em análise, está autorizada pela empresa; -Constatação se a compra autorizada está no prazo de entrega contratual; - Constatação se o número do documento de compra consta na Nota Fiscal; -Cadastramento no sistema das informações referentes a compras autorizadas, para as quais se inicia o processo de recebimento; - O encaminhamento desses veículos para a descarga;
  19. 19. Recebimentos – 1ª Fase Entrada de Materiais As compras não desacordo com a programação de autorizadas entrega ou em devem transcrevendo-se os motivos no verso ser recusadas, da Nota Fiscal. Outro documento que serve para as operações de análise de avarias e conferência de volumes é o "Conhecimento de Transporte Rodoviário de Carga", que é emitido quando do recebimento da mercadoria a ser transportada.
  20. 20. Recebimentos – 1ª Fase Entrada de Materiais As divergências e irregularidades insanáveis constatadas em relação às condições de contrato devem motivar a recusa do recebimento, anotando-se no verso da 1a via da Nota Fiscal as circunstâncias que motivaram a recusa, bem como nos documentos do transportador. O exame para constatação das avarias é feito através da análise da disposição das cargas, da observação das embalagens, quanto a evidências de quebras, umidade e amassados.
  21. 21. Recebimentos – 1ª Fase Entrada de Materiais Os materiais que passaram por essa primeira etapa devem ser encaminhados ao Almoxarifado. Para efeito de descarga do material no Almoxarifado, a recepção é voltada para a conferência de volumes, confrontando-se a Nota Fiscal com os respectivos registros e controles de compra. Para a descarga do veículo transportador é necessária a utilização de equipamentos especiais, quais sejam : paleteiras, talhas, empilhadeiras e pontes rolantes.
  22. 22. Recebimentos – 1ª Fase Entrada de Materiais O cadastramento dos dados necessários ao registro do recebimento do material compreende a atualização dos seguintes sistemas : *Sistema de Administração de Materiais e gestão de estoques: dados necessários à entrada dos materiais em estoque, visando ao seu controle; *Sistema de Contas a pagar : dados referentes à liberação de pendências com fornecedores, dados necessários à atualização da posição de fornecedores; *Sistema de Compras : dados necessários à atualização de saldos e baixa dos processos de compras;
  23. 23. Recebimentos – 2a fase - Conferência Quantitativa O É a atividade que verifica se a quantidade declarada pelo fornecedor na Nota Fiscal corresponde efetivamente à recebida. A conferência por acusação também conhecida como " contagem cega " é aquela no qual o conferente aponta a quantidade recebida, desconhecendo a quantidade faturada pelo fornecedor. A confrontação do recebido versus faturado é efetuada a posteriori por meio do Regularizador que analisa as distorções e providencia a recontagem.
  24. 24. Recebimentos – 2a fase - Conferência Quantitativa Dependendo da natureza dos materiais envolvidos, estes podem ser contados utilizando os seguintes métodos : *Manual : para o caso de pequenas quantidades; *Por meio de cálculos : para o caso que envolvem embalagens padronizadas com grandes quantidades; *Por meio de balanças contadoras pesadoras: para casos que envolvem grande quantidade de pequenas peças como parafusos , porcas, arruelas; *Pesagem : para materiais de maior peso ou volume, a pesagem pode ser feita através de balanças rodoviárias ou ferroviárias; *Medição : em geral as medições são feitas por meio de trenas;;
  25. 25. Interfaces do Sistema de recebimento de Materiais A correta utilização do espaço disponível demanda estudo exaustivo das cargas a armazenar, dos níveis de armazenamento, das estruturas para armazenagem e dos meios mecânicos a utilizar. Para entendermos plenamente a utilização do espaço vertical, há que se analisar a utilidade de paletes para a movimentação, manuseio e armazenagem de materiais. A paletização vem sendo utilizada em empresas que demandam manipulação rápida e armazenagem racional, envolvendo grandes quantidades. A paletização tem como objetivo realizar, de uma só vez, a movimentação de um número maior de unidades.
  26. 26. Interfaces do Sistema de recebimento de Materiais Ao pallet é atribuído o aumento da capacidade de estocagem, economia de mão-de-obra, tempo e redução de custos. O emprego de empilhadeiras e pallets já proporcionou a muitas empresas economia de até 80 % do capital despendido com o sistema de transporte interno. Inicialmente os pallets eram empregados na manipulação interna de armazéns e depósitos e hoje acompanham a carga, da linha de produção à estocagem, embarque e distribuição. Em razão da padronização das medidas do pallet pelos países como Estados Unidos e Inglaterra, eles passaram a ser utilizados através dos continentes em caminhões, vagões ferroviários e embarcações marítimas.
  27. 27. O que é um Pallet A Trata-se de uma plataforma disposta horizontalmente para carregamento, constituída de vigas, blocos ou uma simples face sobre os apoios, cuja altura é compatível com a introdução dos garfos da emplilhadeira, e que permite o agrupamento de materiais, possibilitando o manuseio, a estocagem, a movimentação e o transporte num único carregamento. Medidas : 1,20m x 1,00 padrão Os pallets são plataformas, nas quais as mercadorias são empilhadas, servindo para unitizar, ou seja, transformar a carga numa única unidade de movimentação.
  28. 28. Facilidade de Transportar varias unidades de Caixas de uma só vez graças ao uso de carga Paletizada
  29. 29. Vantagens de um Pallet 1.Melhor aproveitamento do espaço disponível para armazenamento, utilizando-se totalmente do espaço vertical disponível, por meio do empilhamento máximo; 2.Economia nos custos de manuseio de materiais, por meio da redução do custo da mão-de-obra e do tempo necessário para as operações braçais; 3.Possibilidade de utilização de embalagens plásticas ou amarração por meio de fitas de aço da carga unitária, formando uma só embalagem individual;
  30. 30. Vantagens de um Pallet 4. Compatibilidade com todos os meios de transporte (marítimo, terrestre, aéreo); 5.Facilita a carga, descarga e distribuição nos locais acessíveis aos equipamentos de manuseio de materiais; 6.Permite a disposição uniforme de materiais, o que concorre para a desobstrução dos corredores do armazém e dos pátios de descarga; 7. Os paletes podem ser manuseados por uma grande variedade de equipamentos, transportadores,como empilhadeiras, elevadores de carga e até sistemas automáticos de armazenagem;
  31. 31. Equipamentos para mover um Pallet Carrinho Hidráulico para movimentação de Pallets
  32. 32. Equipamentos para mover um Pallet Carga totalmente paletizada, a de observe facilidade movimentar vários sacos de uma só vez com o uso de uma empilhadeira
  33. 33. Estudos de Lay Out do Armazém Lay Out significa disposição. A planta baixa de um armazém, como está localizado cada item no armazém. Alguns cuidados devem ser tomados durante o projeto do layout de que se possa obter as seguintesum almoxarifado, de forma condições : 1.máxima utilização do espaço; disponíveis (mão de obra e2.efetiva utilização dos recursos equipamentos ); 3.pronto acesso a todos os itens; 4.máxima proteção aos itens estocados; 5.boa organização; 6.satisfação das necessidades dos clientes.
  34. 34. Projetos de Lay Out do Armazém No projeto de um almoxarifado devem ser verificados os seguintes aspectos : 1.itens a serem estocados ( itens de grande circulação, grande peso e volume); 2.corredores (facilidades de acesso); 3.portas de acesso (altura, largura); 4.prateleiras e estruturas (altura x peso ); 5.piso (resistência).
  35. 35. Critério de Armazenagem Dependendo das características do material, a armazenagem pode dar-se em função dos seguintes parâmetros : 1.fragilidade a) combustibilidade; b) volatilização; c) oxidação; d) explosividade;
  36. 36. Critério de Armazenagem Dependendo das características do material, a armazenagem pode dar-se em função dos seguintes parâmetros : 2.intoxicação; 3.radiação; 4.corrosão; 5.inflamabilidade; 6.volume; 7.peso; 8.forma;
  37. 37. Critério de Armazenagem Os materiais sujeitos à armazenagem não obedecem regras taxativas que regulem o modo como os materiais devem ser dispostos no Almoxarifado. Por essa razão, deve-se analisar, em conjunto, os parâmetros citados anteriormente, para depois decidir pelo tipo de arranjo físico mais conveniente, selecionando a alternativa que melhor atenda ao fluxo de materiais:
  38. 38. Critério de Armazenagem 1.armazenagem por tamanho : esse critério permite bom aproveitamento do espaço; 2.armazenamento por freqüência : esse critério implica armazenar próximo da saída do almoxarifado os materiais que tenham maior freqüência de movimento; 3.armazenagem especial, onde destacam-se : 3.1.os ambientes climatizados; 2. os produtos inflamáveis, que são armazenados sob rígidas normas de segurança; 3. os produtos perecíveis ( método FIFO)
  39. 39. Método F.I.F.O. O conceito é muito simples. A prática nem tanto. A dificuldade está na organização física dos itens, na sua localização, nos controles, e namovimentação, “disciplina”. A maioria desses aspectos deve ser devidamente considerada já no projeto da área, no lay-out. Normalmente requerem em torno de 10% a 20% da área, do espaço total; que devem ser mantidos permanentemente desocupados, livres, para permitir a movimentação necessária. Para a disposição física podem ser usados muitos modos. Aquele que for planejado e adotado deve ficar muito bem entendido e conhecido por todos os envolvidos.
  40. 40. Método F.I.F.O. Itens novos devem ser colocados atrás dos já estocados. Para retirar (consumir), o primeiro é sempre o mais próximo: FIFO! First In First Out = Primeiro que entra Primeiro que sai Em portugues = P.E.P.S. Um aspecto a destacar é que o estoque não precisa necessariamente ser movimentado...! Funciona muito bem para Almoxarifados de Manutenção, Prateleiras de Mercado (farmácias, etc.), Armazéns de Matéria Prima e Produto Acabado não a granel, Despensa de Mantimentos, etc..
  41. 41. Detalhes do Método F.I.F.O. “Detalhes” importantes: 1.O prazo de validade real de cada item deve prevalecer sobre a ordem de recebimento. 2. Itens críticos e sujeitos a “confusão” (mistura, etc.) devem ser identificados (etiquetados) individualmente. 3.Como num texto, convém ter no estoque um “Índice”: endereço dos itens, com número das prateleiras e/ou corredores, etc. 4.Uma “agenda” (planilha) para controle e alerta (antecipado) de vencimento de prazos de validade é muito útil; ... um mantimento próximo do fim da validade pode sugerir até uma alteração do cardápio ! 5.Para o FIFO funcionar bem devem ser mínimas as ocorrências de falta ou excesso de itens. Um bom dimensionamento de estoque de reposição – com valores adequados de estoque mínimo e máximo – é muito importante.
  42. 42. Armazenagem em Área externa Devido à sua natureza, muitos materiais podem ser armazenados em áreas externas, o que diminui os custos e amplia o espaço interno para materiais que necessitam de proteção em área coberta. Podem ser colocados nos pátios externos os materiais a granel, tambores e “containers” , peças fundidas e chapas metálicas.
  43. 43. Armazenagem em Área externa 2.Coberturas alternativas : não sendo possível a expansão do almoxarifado, a solução é a utilização de galpões plásticos, que dispensam fundações, permitindo a armazenagem a um menor custo. Independentemente do critério ou método de armazenamento adotado é oportuno observar as indicações contidas nas embalagens em geral, conforme mostram as figuras abaixo :
  44. 44. Armazenagem em Área externa
  45. 45. QUESTIONÁRIO 1)Qual o organograma do armazém? 2)Qual o tamanho de um pallet padrão? 3)Quais as fases do recebimento? 4)O que é um pallet e qual sua vantagem? 5)O que FIFO? 6)por que usar um armazém externo?
  46. 46. FIM

×