Duvidasangustias

1.317 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina, Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.317
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
240
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Duvidasangustias

  1. 1. Como viver com este corpo em mudança? Se há coisa que se possa dizer acerca do corpo, é que não existem dois corpos iguais. Crescemos de forma diferente e em ritmos diferentes e embora por vezes pareça complicado, o importante é sentirmo-nos bem com aquilo que somos. Se assim for, conseguimos transmitir uma imagem positiva às pessoas que conhecemos e que nos rodeiam. Hoje em dia, é difícil não ficarmos desiludidos com o nosso corpo, visto que somos constantemente influenciados, quer pela TV quer pelas revistas, com imagens e silhuetas de caras lindas e corpos perfeitos que nos levam a questionar: “porque é que eu não sou assim?”.
  2. 2. Existem pessoas que se acham demasiado altas e outras baixas demais, umas acham-se uns palitos e outras com uns quilitos a mais, ainda há quem se ache bonito, assim como há quem se ache horrível, mas é preciso não esquecer que o conceito de beleza varia de pessoa para pessoa e também de época para época. Aquilo que é desagradável para um, pode ser altamente atraente para outro. No entanto, embora hajam coisas que pareçam não ter solução dando a sensação de se estar num “beco sem saída”, existem alguns “truques” que podem ajudar, como por exemplo: praticar exercício físico, evitar comidas rápidas (fast-food), ir a um dermatologista e utilizar determinados cremes para o acne, assim como evitar hábitos pouco saudáveis (fumar, bebidas alcoólicas, ambientes poluídos, etc.) e obviamente ter tempo de lazer.
  3. 3. O desporto uma questão de equilíbrio • A actividade desportiva liberta-te das tensões e contribui para uma harmonia física e psíquica. Oferece-te ainda: – Uma melhor imagem de ti – ficas com linhas mais definidas, com um corpo mais musculoso… – Sentido de pertença a um grupo: - desenvolves o espírito de camaradagem, cresce na responsabilidade individual tendo em vista o sucesso colectivo – Aquisição de novos modelos de adultos – conheces novos adultos e crias com eles laços afectivos. – Controlo da agressividade – aprendes a ver os teus adversários como companheiros e amigos e não como um inimigo. – Melhora o teu estado de saúde – sentes-te de um modo geral mais feliz e satisfeito.
  4. 4. • Quanto melhor conheceres e valorizares o teu corpo, melhor te sentirás nele.
  5. 5. Afinal de contas, esse corpo é o teu! É importante conversar acerca dos nossos problemas e dúvidas com as pessoas que nos são mais próximas e aprender a sentirmo-nos bem connosco próprios, integrando na nossa personalidade os aspectos que consideramos defeitos, qualidades, vantagens e diferenças. Se não aceitarmos o corpo que temos e não aprendermos a tirar partido dele, nunca conseguiremos ser verdadeiramente felizes.
  6. 6. Não são apenas as dificuldades sentidas a nível físico que preocupam o adolescente. Toda a sua estrutura de pensamento também sofre enormes transformações: O cérebro sofre um aumento considerável e com isso surgem novas capacidades até então escondidas: – Maior entendimento das coisas; – Mais memória; – Aumento da capacidade de raciocínio e de relacionar conceitos; – Surge a capacidade de crítica; – Nasce a capacidade de abstracção; – Maior conhecimento do mundo e da realidade.
  7. 7. A nível afectivo • À medida que o adolescente cresce, a despreocupada segurança da meninice abandona-o, a sua crescente maturidade mental prepara-o para encarar a realidade de forma mais consciente e adulta… • Como lhe falta experiência que lhe dê perspectiva e estabilidade que modere os seus impulsos, sente alguma falta de equilíbrio. Então alterna entre o medo e a esperança, tendendo a exagerar os problemas e a não se sentir seguro.
  8. 8. A nível afectivo • Pode haver desencontros afectivos que se relacionam com a capacidade de atrair e ser atraído, de amar e ser amado. Um desgosto de amor tende a fazer diminuir a nossa auto-estima; por vezes, os nossos amigos e familiares fazem observações que ainda pioram a situação, podendo provocar problemas emocionais e relacionais. • Podem surgir dúvidas relativas à capacidade de desempenho das funções físicas, orgânicas, psicológicas e sociais da sexualidade. Ter relações sexuais, amar e ser amado, ser pai ou mãe, são desafios importantes que podem ser sentidos como obstáculos quase impossíveis de ultrapassar. • Estar triste é um direito, tão natural como estar alegre. Muitos sentimentos não têm explicação satisfatória, mas é importante reflectir sobre as suas verdadeiras causas. No entanto, se a tristeza se mantém durante muito tempo é preciso pedir ajuda.
  9. 9. A nível social • O modo como o adolescente se relaciona com os outros também sofre alterações. • Muitas vezes quer ser respeitado e estimado, mas ainda tem comportamentos que aos olhos dos adultos já não se adequam à idade. Podendo mesmo surgir situações de confronto entre os adolescentes e os adultos (pais e professores). • Gera-se instabilidade quando se sente com capacidades iguais à dos adultos e não lhe são dadas oportunidades para se afirmar. • Pode com isto surgir algum desvio pelo facto de se refugiar sobre si mesmo ou se fechar num circulo de amigos que sente a mesma incapacidade de afirmação perante a sociedade. • O adolescente deve ser capaz de fazer as suas opções firmes e seguras de acordo com uma consciência formada e perseguir os seus ideais, os seus objectivos de forma coerente e responsável. • Cada pessoa constrói a sua própria vida e não deve viver em função dos pais, dos professores ou dos colegas.
  10. 10. Todos os adolescentes aspiram a merecer a aprovação dos que são um pouco mais velhos; perturba-os e preocupa-os tudo o que se refere ao desempenho do seu papel masculino ou feminino, acerca do que fazer e não fazer, do dizer e não dizer, para se mostrarem quot;masculinos' ou quot;femininasquot;; sentem atracção e medo perante o sexo e possuem um sentimento de forte lealdade e devoção para com o grupo. É bom ter emoções… É bom ter sentimentos… Poder amar, ter prazer, rir ou chorar… vibrar com uma vitória, sentir o conforto de um amigo… Encontramos sempre maneira de viver com as nossas emoções. A sexualidade é algo que se aprende em cada emoção vivida com intensidade. Nascemos com nossa sexualidade e temos a nossa existência inteira para aprender a lidar com ela.
  11. 11. Adolescência grandes transformações dúvidas e angústias desafios Físicas e fisiológicas Psico-afectivas Sociais Maturação do aparelho Formação da personalidade Amizades reprodutivo Descoberta de novos Primeiros namoros Crescimento acelerado sentimentos Insegurança Encontros ou desencontros Desarmonia no crescimento Tristeza / timidez afectivos corporal Ansiedade Relação difícil com os adultos Aceitação do seu corpo Responsabilidade Maturidade Alimentação cuidada Autonomia Opção por valores Prática desportiva Segurança Reflexão Pessoal – Diálogo Aceitação de ajuda
  12. 12. Não há estrelas no céu A doirar o meu caminho Por mais amigos que tenha Sinto-me sempre sozinho De que vale ter a chave De casa para entrar Ter uma nota no bolso Para cigarros e bilhar A Primavera da vida é bonita de viver Tão depressa o sol brilha como a seguir está a chover Para mim hoje é Janeiro está um frio de rachar Parece que o mundo inteiro se uniu para me tramar Passo horas no café Vou por aí às escondidas Não vês como isto é duro Sem saber para onde ir A espreitar às janelas Ser Jovem não é um posto Tudo à volta é tão feio Perdido nas avenidas Ter de encarar o futuro Só me apetece fugir E achado nas vielas Com borbulhas no rosto Vejo-me à noite ao espelho Mãe o meu primeiro amor Porque é que tudo é incerto O corpo sempre a mudar Foi um trapézio sem rede Não pode ser sempre assim De manhã ouço o conselho Sai da frente por favor Se não fosse o rock and roll Que o velho tem para me dar Estou entre a espada e a parede O que seria de mim?
  13. 13. Actividade 1. Indica três motivos de angústia referidos na canção e regista as atitudes que devem ser assumidas perante elas. • Motivos de angústia • Atitudes a assumir 2. Assinala a resposta correcta. Qual o significado da expressão “a Primavera da vida”? Justifica a tua resposta.  A pessoa está a chegar ao fim da sua vida.  Na primavera não se pode sair à rua  A adolescência é como a primavera  Na primavera está frio. 3. Explica a frase: “Mãe, o meu primeiro amor foi um trapézio sem rede”.

×