SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 56
A Idade Média :
Formação da Europa
Feudal
Prof. Douglas Barraqui
A sociedade
medieval segundo
Adalberão de Laon:
“Os que rezam”,
“Os que lutam”,
“Aqueles que
trabalham”
Expansão e consolidação de duas
religiões monoteístas:
Cristianismo Islamismo
cruzadas
Cap. 01- deCadênCia do império romano
do oCidente
 Grandiosismo de
Roma;
 Corrupção;
 Dificuldade de
guardar as
fronteiras;
 Invasão dos povos
bárbaros;
 Processo de
Ruralização;
Povos bárbaros eram povos que viviam
nos limites do império Romano e não
falavam o Latim
GERMANOS
TARTAROS
MONGOIS
ESLAVOS
FRANCOS
SAXÕES
GODOS
VANDALOS
VIKINGS
ALAMANOS
RUSSOS
TCHECOS
POLONESES
HUNOS
TURCOS
 O processo de
Ruralização do
Império:
- Falta de escravos;
- Diminuição das
atividades econômicas;
- Alto custo de vida nas
cidades romanas;
- Insegurança causada
pelas invasões
bárbaras;
 Lei do Colonato:
- Os grandes proprietários
cediam parte de suas
terras para pessoas pobres
dos campos e das cidades.
- Em alguns casos, escravos
também eram convertidos à
condição de colonos, pois
seus donos não tinham
condições de sustentá-los.
- Em troca do lote de terras
e da proteção do
proprietário, os colonos
deveriam ceder parte de
sua produção agrícola.
os povos BárBaros “vizinhos” de roma
Amiano Marcelino, historiador romano do século
IV, descreveu os hunos:
“...o povo dos hunos... tem membros compactos e
firmes, pescoços grossos e são tão
prodigiosamente disformes e feios que os
poderíamos tomar por animais bípedes...Tendo
porém o aspecto de homens, embora
desagradáveis, são rudes no seu modo de vida...,
não têm necessidade nem de fogo nem de
comida saborosa; comem as raízes das plantas
selvagens e a carne semi-crua de qualquer
espécie de animais que colocam entre as suas
coxas e os dorsos dos cavalos para aquecer um
pouco. Ninguém entre eles lavra a terra ou toca
um arado. Todos vivem sem um lugar fixo, sem
Lar nem lei ou uma forma de vida
estabilizada....”
ANGLO
SAXÕES
FRANCOS
BERGUNDIOS
ALAMANOS
VANDALOS
VISIGODOS
SUEVOS
Germanos
VIKINGS
Germanos
Organização:
Clãs:
Tribos:
Ex:
Francos
Saxões
Godos
Vandalos
Vikings
Alamanos
Nação:
Germanos
 Organização Tribal
 Semi-nomades
 Cultivavam de cereais: trigo,
feijão, cevada, ervilha.
 Criavam gado
 Guerras: como forma de saquear
riquezas e alimentos.
 Liderança militar: mérito.
Germanos
A tradição guerreira dos germanos
COMITATUS
 Assembléia de guerreiros
 relação de fidelidade
 Divisão do espólio de guerra;
Germanos
Religião:
Politeísta:
Odin:
Thor:
Freya:
Cap. 02 – a FORMaÇÃO DO
REINO FRaNCO
CLOVIS (482-511)
 Dinastia:
 Sua contribuição:
O batismo de Clovis Óleo sobre
painel, 1500, Mestre de Saint G.
CaRlOs MaRtEl: O
“MORDOMO” DO paláCIO
 Divisão do reino:
 Período de instabilidade
Política;
 Ascensão de Carlos Martel.
Os “mordomos” do palácio
A designação do cargo tem origem no
latim "major domus" (maior ou superior
da casa). Escolhidos pelo rei, esses
aristocratas atuavam como “prefeitos ou
mordomos” do palácio. Carlos Martel foi
um desses mordomos.
REIs E papas
 Após a morte de Carlos Martel, o filho Pepino, o breve, assumiu o
cargo de administrador;
 Com apoio do papa Zacarias, afastou o último rei merovíngio e foi
consagrado rei dos francos;
 Carlos Magno, filho de Pepino, transformou o reino franco em um
grande império;
 Tinha início a dinastia Carolígia;
Carlos Magno coroado
Imperador pelo papa Leão
III, no ano 800.
REIs E papas
REIs papas
Legitimava o poder dos
reis;
Apoio político e
espiritual;
Concediam autoridade
moral e política à Igreja;
Pagavam tributos;
Adotavam o cristianismo
como religião oficial;
O IMpéRIO CaROlíNgIO
Carlos Magno dividiu o Império e entregou
territórios a administradores de confiança;
Marcas –
Ducados –
Condados –
O IMpéRIO CaROlíNgIO
 Para fiscalizar o cumprimento
das leis:
Missi dominici
(emissários do senhor)
 Para evitar agitações e
traições:
Vassalagem
O RENasCIMENtO CaROlíNgIO
 Na área educacional, o monge inglês Alcuíno foi o responsável pelo
desenvolvimento do projeto escolar de Carlos Magno.
 A manutenção dos conhecimentos clássicos (gregos e romanos)
tornou-se o objetivo principal desta reforma educacional papel
dado aos monges copistas.
Nestas escolas eram ensinadas as sete artes
liberais: aritmética, geometria, astronomia,
música, gramática, retórica e dialética.
Escolas monacais
Escolas catedrais
Escolas palatinas
tRataDO DE VERDuM:
ENFRaquECIMENtO DO IMpéRIO
 Luís, o Piedoso
 Influencia da igreja;
 Crise com os vassalos;
 Após sua morte:
FEuDalIsMO
modo de organização
social, econômico,
político e cultural
fundamentado na
propriedade sobre a
terra (feudo).
sOCIEDaDE FEuDal
SOCIEDADE ESTAMENTAL
REI
CLEROSENHOR FEUDAL
CAMPONESES
POSSUEM TERRAS
PODER MILITAR E RELIGIOSO
COBRAM IMPOSTOS E APLICAM
A JUSTIÇA
CONDIÇÃO DE SERVOS
TRABALHAM NA TERRA
PAGAM IMPOSTOS
DIVIsÃO sOCIal EM ORDENs
sOCIEDaDE FEuDal
• Relação social Horizontal:
• Relação social Vertical:
as RElaÇõEs DE susERaNIa E
VassalagEM
As relAções de suserAniA e
vAssAlAgem
DEVERES DO VASSALO
Fidelidade;
Auxílio militar;
Ajuda econômica;
DEVERES DO SUSERANO
Fidelidade;
Concessão do feudo;
Proteção;
As relAções entre nobre
e servo
Tributos que recaiam sobre os
servos:
 Corveia;
 Talha;
 Capitação;
 Banalidade;
 Mão-morta;
 Formarriage;
 Albergagem;
 Dízimo;
 Tostão de Pedro;
Pesquisa para casa:
Quais os impostos que recaem
sobre o bolso dos brasileiros
hoje?
economiA feudAl
 Economia de subsistência;
 Base da economia era a
agricultura;
 Comércio do tipo
amonetário;
políticA feudAl
 Poder descentralizado;
 Fonte de poder:
TERRAS NASCIMENTO
culturA medievAl
 Mistura entre
costumes romanos e
germânicos;
 Poder da Igreja
culturA medievAl
Ensino:
 Trívio:
Gramática,
Retórica
Dialética
 Quadrívio:
Aritmética,
Geometria,
Astronomia
Música
 Apenas para membros
do clero e nobres.
culturA medievAl
Literatura medieval:
 Latim: principal forma de
escrita;
 O latim foi se misturando as
diferentes línguas;
 Novelas de Cavalaria:
(primeiros romances)
 Valores medievais:
D. Quixote e Sancho Pança
HONRA
LEALDADE
CORAGEM
ArquiteturA medievAl
CASTELO MEDIEVAL:
 Serviam de fortalezas e residência.
Castelo medieval Sully-sur-loire, Franca
Atalaia – torre de vigia
Torre de franqueio
Muralhas
Portão de Entrada
Castelo Medieval Belga Wallpaper
Castelo de Bodiam, na Inglaterra, construído a mando do rei Ricardo II em 1388
CULTURA MEDIEVAL
Cidade Medieval:
 Com ruas estreitas, sinuosas,
escuras e com poucos
cruzamentos;
 Moradias variavam de acordo
com a condição social;
 Muitas cidades eram sujas
com esgoto correndo a céu
aberto e animais transitando
junto com as pessoas;
Cidade de Bruges (Bélgica)
IgREjA MEDIEVAL
 391 - religião cristã foi transformada
em religião oficial do Império
Romano.
 Sobreviveu a queda de Roma
 A igreja atuou na conversão dos
povos bárbaros;
 Acumulou poderes:
- econômico: posses de terras;
- Político: influência nas decisões
políticas;
- Jurídico: interferência na criação de
leis;
- Poder social: estabelecia padrões de
comportamento moral para a
sociedade
IgREjA MEDIEVAL
Como religião única e oficial:
 a Igreja Católica não permitia
opiniões e posições contrárias aos
seus dogmas (verdades
incontestáveis).
 Herege: Aqueles que
desrespeitavam ou questionavam as
decisões da Igreja eram
perseguidos e punidos.
 Séc. XIII - Tribunal do Santo Ofício
(Inquisição) para combater os
hereges.
 Igreja Católica foi
extremamente
importantes para a
preservação da cultura,
através dos monges
copistas;
 Conteve a violência dos
povos bárbaros;
 A cultura na Idade
Média foi muito
influenciada pela religião
católica. As pinturas,
esculturas e livros eram
marcados pela temática
religiosa.
IgREjA MEDIEVAL
REfERênCIAs:
• CAPELLARI, Marcos Alexandre; NOGUEIRA, Fausto Henrique
Gomes. História: ser protagonista - Volume único. Ensino Médio.
1ª Ed. São Paulo: SM. 2010.
• COTRIM, Gilberto. História Global – Brasil e Geral. Volume
Único. Ensino Médio. 8ª Ed. São Paulo: Saraiva 2005.
• Projeto Araribá: História – 7º ano. /Obra coletiva/ São Paulo:
Editora Moderna, 2010. Editora Responsável: Maria Raquel
Apolinário Melani.
• AZEVEDO, Gislane Campos; SERIACOPI, Reinaldo. Projeto
Teláris: história 7 º ano. São Paulo: Ática, 1º ed., 2012.
• Uno – ensino Fundamental. 7º ano;

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Idade média: Alta Idade Média (séc. v- x)
Idade média:   Alta Idade Média (séc. v- x)Idade média:   Alta Idade Média (séc. v- x)
Idade média: Alta Idade Média (séc. v- x)
 
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda GuerraPeríodo Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
 
7º anos - Idade Moderna e suas transformações
7º anos - Idade Moderna e suas transformações7º anos - Idade Moderna e suas transformações
7º anos - Idade Moderna e suas transformações
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
2° ano Primeiro Reinado e Regências
2° ano   Primeiro Reinado e Regências2° ano   Primeiro Reinado e Regências
2° ano Primeiro Reinado e Regências
 
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
 
O imperialismo na Ásia e na África
O imperialismo na Ásia e na ÁfricaO imperialismo na Ásia e na África
O imperialismo na Ásia e na África
 
Crise do sistema colonial
Crise do sistema colonialCrise do sistema colonial
Crise do sistema colonial
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
Império bizantino
Império bizantinoImpério bizantino
Império bizantino
 
Roma Antiga - 6ºAno
Roma Antiga - 6ºAno Roma Antiga - 6ºAno
Roma Antiga - 6ºAno
 
Revoltas Coloniais
Revoltas ColoniaisRevoltas Coloniais
Revoltas Coloniais
 
Colonização da América
Colonização da AméricaColonização da América
Colonização da América
 

Destaque

Neolítico revolução agrícola e as primeiras cidades
Neolítico   revolução agrícola e as primeiras cidadesNeolítico   revolução agrícola e as primeiras cidades
Neolítico revolução agrícola e as primeiras cidadesDouglas Barraqui
 
Da espada a república oligarquica
Da espada a república oligarquicaDa espada a república oligarquica
Da espada a república oligarquicaDouglas Barraqui
 
PERÍODO DEMOCRÁTICO DA HISTÓRIA DO BRASIL 1985 A 2013
PERÍODO DEMOCRÁTICO DA HISTÓRIA DO BRASIL 1985 A 2013PERÍODO DEMOCRÁTICO DA HISTÓRIA DO BRASIL 1985 A 2013
PERÍODO DEMOCRÁTICO DA HISTÓRIA DO BRASIL 1985 A 2013Douglas Barraqui
 

Destaque (7)

Neolítico revolução agrícola e as primeiras cidades
Neolítico   revolução agrícola e as primeiras cidadesNeolítico   revolução agrícola e as primeiras cidades
Neolítico revolução agrícola e as primeiras cidades
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
Governos democráticos
Governos democráticosGovernos democráticos
Governos democráticos
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
Da espada a república oligarquica
Da espada a república oligarquicaDa espada a república oligarquica
Da espada a república oligarquica
 
PERÍODO DEMOCRÁTICO DA HISTÓRIA DO BRASIL 1985 A 2013
PERÍODO DEMOCRÁTICO DA HISTÓRIA DO BRASIL 1985 A 2013PERÍODO DEMOCRÁTICO DA HISTÓRIA DO BRASIL 1985 A 2013
PERÍODO DEMOCRÁTICO DA HISTÓRIA DO BRASIL 1985 A 2013
 

Semelhante a Idade Média

A queda do imperio romano do ocidente
A queda do imperio romano do ocidenteA queda do imperio romano do ocidente
A queda do imperio romano do ocidente222050sandro
 
A queda do imperio romano do ocidente
A queda do imperio romano do ocidenteA queda do imperio romano do ocidente
A queda do imperio romano do ocidente222050sandro
 
Povos Bárbaros e Feudalismo
Povos Bárbaros e FeudalismoPovos Bárbaros e Feudalismo
Povos Bárbaros e FeudalismoREYSDS
 
A civilização romana (continuação)
A civilização romana (continuação)A civilização romana (continuação)
A civilização romana (continuação)historiajovem2011
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade médiaKerol Brombal
 
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011andrecarlosocosta
 
A queda do imperio romano do ocidente
A queda do imperio romano do ocidenteA queda do imperio romano do ocidente
A queda do imperio romano do ocidente222050sandro
 
A queda do imperio romano do ocidente
A queda do imperio romano do ocidenteA queda do imperio romano do ocidente
A queda do imperio romano do ocidente222050sandro
 
A queda do imperio romano do ocidente
A queda do imperio romano do ocidenteA queda do imperio romano do ocidente
A queda do imperio romano do ocidente222050sandro
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdfVítor Santos
 
Semi extensivo - frente 2 módulos 3 e 4
Semi extensivo - frente 2 módulos 3 e 4Semi extensivo - frente 2 módulos 3 e 4
Semi extensivo - frente 2 módulos 3 e 4Lú Carvalho
 
3° ano - Civilização Romana - aula 2
3° ano - Civilização Romana - aula 23° ano - Civilização Romana - aula 2
3° ano - Civilização Romana - aula 2Daniel Alves Bronstrup
 
1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf
1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf
1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdfHelderCastro22
 
1ano aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01
1ano aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp011ano aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01
1ano aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01edson lopes diniz
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade médiaKerol Brombal
 
Invasões bárbaras e formação da europa moderna
Invasões bárbaras e formação da europa modernaInvasões bárbaras e formação da europa moderna
Invasões bárbaras e formação da europa modernaFatima Freitas
 

Semelhante a Idade Média (20)

1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
 
1° ano - Idade Média Ocidental
1° ano  - Idade Média Ocidental1° ano  - Idade Média Ocidental
1° ano - Idade Média Ocidental
 
A queda do imperio romano do ocidente
A queda do imperio romano do ocidenteA queda do imperio romano do ocidente
A queda do imperio romano do ocidente
 
A queda do imperio romano do ocidente
A queda do imperio romano do ocidenteA queda do imperio romano do ocidente
A queda do imperio romano do ocidente
 
Povos Bárbaros e Feudalismo
Povos Bárbaros e FeudalismoPovos Bárbaros e Feudalismo
Povos Bárbaros e Feudalismo
 
A civilização romana (continuação)
A civilização romana (continuação)A civilização romana (continuação)
A civilização romana (continuação)
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
 
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
 
A queda do imperio romano do ocidente
A queda do imperio romano do ocidenteA queda do imperio romano do ocidente
A queda do imperio romano do ocidente
 
A queda do imperio romano do ocidente
A queda do imperio romano do ocidenteA queda do imperio romano do ocidente
A queda do imperio romano do ocidente
 
A queda do imperio romano do ocidente
A queda do imperio romano do ocidenteA queda do imperio romano do ocidente
A queda do imperio romano do ocidente
 
Capítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de Roma
Capítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de RomaCapítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de Roma
Capítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de Roma
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
Semi extensivo - frente 2 módulos 3 e 4
Semi extensivo - frente 2 módulos 3 e 4Semi extensivo - frente 2 módulos 3 e 4
Semi extensivo - frente 2 módulos 3 e 4
 
3° ano - Civilização Romana - aula 2
3° ano - Civilização Romana - aula 23° ano - Civilização Romana - aula 2
3° ano - Civilização Romana - aula 2
 
1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf
1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf
1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf
 
1ano aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01
1ano aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp011ano aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01
1ano aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
 
Invasões bárbaras e formação da europa moderna
Invasões bárbaras e formação da europa modernaInvasões bárbaras e formação da europa moderna
Invasões bárbaras e formação da europa moderna
 

Mais de Douglas Barraqui

FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?Douglas Barraqui
 
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLADouglas Barraqui
 
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADESOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADEDouglas Barraqui
 
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃOA BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃODouglas Barraqui
 
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGAOS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGADouglas Barraqui
 
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTASFORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTASDouglas Barraqui
 
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBERSOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBERDouglas Barraqui
 
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIALMÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIALDouglas Barraqui
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?Douglas Barraqui
 
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINAHIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINADouglas Barraqui
 
História da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônicaHistória da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônicaDouglas Barraqui
 
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do VietnãRevolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do VietnãDouglas Barraqui
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilDouglas Barraqui
 
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento AvanzaReleitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento AvanzaDouglas Barraqui
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasDouglas Barraqui
 
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDas Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDouglas Barraqui
 

Mais de Douglas Barraqui (20)

FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
 
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
 
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADESOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
 
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃOA BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
 
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGAOS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
 
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTASFORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
 
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBERSOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIALMÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
 
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINAHIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
 
SEGUNDA GRANDE GUERRA
SEGUNDA GRANDE GUERRASEGUNDA GRANDE GUERRA
SEGUNDA GRANDE GUERRA
 
História da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônicaHistória da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônica
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
 
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do VietnãRevolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Grandes Navegações
Grandes NavegaçõesGrandes Navegações
Grandes Navegações
 
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento AvanzaReleitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
 
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDas Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
 

Último

QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 

Último (20)

QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 

Idade Média

  • 1. A Idade Média : Formação da Europa Feudal Prof. Douglas Barraqui
  • 2.
  • 3. A sociedade medieval segundo Adalberão de Laon: “Os que rezam”, “Os que lutam”, “Aqueles que trabalham”
  • 4. Expansão e consolidação de duas religiões monoteístas: Cristianismo Islamismo
  • 6. Cap. 01- deCadênCia do império romano do oCidente  Grandiosismo de Roma;  Corrupção;  Dificuldade de guardar as fronteiras;  Invasão dos povos bárbaros;  Processo de Ruralização; Povos bárbaros eram povos que viviam nos limites do império Romano e não falavam o Latim GERMANOS TARTAROS MONGOIS ESLAVOS FRANCOS SAXÕES GODOS VANDALOS VIKINGS ALAMANOS RUSSOS TCHECOS POLONESES HUNOS TURCOS
  • 7.
  • 8.  O processo de Ruralização do Império: - Falta de escravos; - Diminuição das atividades econômicas; - Alto custo de vida nas cidades romanas; - Insegurança causada pelas invasões bárbaras;  Lei do Colonato: - Os grandes proprietários cediam parte de suas terras para pessoas pobres dos campos e das cidades. - Em alguns casos, escravos também eram convertidos à condição de colonos, pois seus donos não tinham condições de sustentá-los. - Em troca do lote de terras e da proteção do proprietário, os colonos deveriam ceder parte de sua produção agrícola.
  • 9. os povos BárBaros “vizinhos” de roma Amiano Marcelino, historiador romano do século IV, descreveu os hunos: “...o povo dos hunos... tem membros compactos e firmes, pescoços grossos e são tão prodigiosamente disformes e feios que os poderíamos tomar por animais bípedes...Tendo porém o aspecto de homens, embora desagradáveis, são rudes no seu modo de vida..., não têm necessidade nem de fogo nem de comida saborosa; comem as raízes das plantas selvagens e a carne semi-crua de qualquer espécie de animais que colocam entre as suas coxas e os dorsos dos cavalos para aquecer um pouco. Ninguém entre eles lavra a terra ou toca um arado. Todos vivem sem um lugar fixo, sem Lar nem lei ou uma forma de vida estabilizada....”
  • 12. Germanos  Organização Tribal  Semi-nomades  Cultivavam de cereais: trigo, feijão, cevada, ervilha.  Criavam gado  Guerras: como forma de saquear riquezas e alimentos.  Liderança militar: mérito.
  • 13. Germanos A tradição guerreira dos germanos COMITATUS  Assembléia de guerreiros  relação de fidelidade  Divisão do espólio de guerra;
  • 15. Cap. 02 – a FORMaÇÃO DO REINO FRaNCO CLOVIS (482-511)  Dinastia:  Sua contribuição: O batismo de Clovis Óleo sobre painel, 1500, Mestre de Saint G.
  • 16. CaRlOs MaRtEl: O “MORDOMO” DO paláCIO  Divisão do reino:  Período de instabilidade Política;  Ascensão de Carlos Martel. Os “mordomos” do palácio A designação do cargo tem origem no latim "major domus" (maior ou superior da casa). Escolhidos pelo rei, esses aristocratas atuavam como “prefeitos ou mordomos” do palácio. Carlos Martel foi um desses mordomos.
  • 17. REIs E papas  Após a morte de Carlos Martel, o filho Pepino, o breve, assumiu o cargo de administrador;  Com apoio do papa Zacarias, afastou o último rei merovíngio e foi consagrado rei dos francos;  Carlos Magno, filho de Pepino, transformou o reino franco em um grande império;  Tinha início a dinastia Carolígia; Carlos Magno coroado Imperador pelo papa Leão III, no ano 800.
  • 18. REIs E papas REIs papas Legitimava o poder dos reis; Apoio político e espiritual; Concediam autoridade moral e política à Igreja; Pagavam tributos; Adotavam o cristianismo como religião oficial;
  • 19. O IMpéRIO CaROlíNgIO Carlos Magno dividiu o Império e entregou territórios a administradores de confiança; Marcas – Ducados – Condados –
  • 20. O IMpéRIO CaROlíNgIO  Para fiscalizar o cumprimento das leis: Missi dominici (emissários do senhor)  Para evitar agitações e traições: Vassalagem
  • 21. O RENasCIMENtO CaROlíNgIO  Na área educacional, o monge inglês Alcuíno foi o responsável pelo desenvolvimento do projeto escolar de Carlos Magno.  A manutenção dos conhecimentos clássicos (gregos e romanos) tornou-se o objetivo principal desta reforma educacional papel dado aos monges copistas. Nestas escolas eram ensinadas as sete artes liberais: aritmética, geometria, astronomia, música, gramática, retórica e dialética. Escolas monacais Escolas catedrais Escolas palatinas
  • 22. tRataDO DE VERDuM: ENFRaquECIMENtO DO IMpéRIO  Luís, o Piedoso  Influencia da igreja;  Crise com os vassalos;  Após sua morte:
  • 23. FEuDalIsMO modo de organização social, econômico, político e cultural fundamentado na propriedade sobre a terra (feudo).
  • 24.
  • 25. sOCIEDaDE FEuDal SOCIEDADE ESTAMENTAL REI CLEROSENHOR FEUDAL CAMPONESES POSSUEM TERRAS PODER MILITAR E RELIGIOSO COBRAM IMPOSTOS E APLICAM A JUSTIÇA CONDIÇÃO DE SERVOS TRABALHAM NA TERRA PAGAM IMPOSTOS
  • 27. sOCIEDaDE FEuDal • Relação social Horizontal: • Relação social Vertical:
  • 28. as RElaÇõEs DE susERaNIa E VassalagEM
  • 29.
  • 30. As relAções de suserAniA e vAssAlAgem DEVERES DO VASSALO Fidelidade; Auxílio militar; Ajuda econômica; DEVERES DO SUSERANO Fidelidade; Concessão do feudo; Proteção;
  • 31. As relAções entre nobre e servo Tributos que recaiam sobre os servos:  Corveia;  Talha;  Capitação;  Banalidade;  Mão-morta;  Formarriage;  Albergagem;  Dízimo;  Tostão de Pedro; Pesquisa para casa: Quais os impostos que recaem sobre o bolso dos brasileiros hoje?
  • 32. economiA feudAl  Economia de subsistência;  Base da economia era a agricultura;  Comércio do tipo amonetário;
  • 33. políticA feudAl  Poder descentralizado;  Fonte de poder: TERRAS NASCIMENTO
  • 34. culturA medievAl  Mistura entre costumes romanos e germânicos;  Poder da Igreja
  • 35. culturA medievAl Ensino:  Trívio: Gramática, Retórica Dialética  Quadrívio: Aritmética, Geometria, Astronomia Música  Apenas para membros do clero e nobres.
  • 36.
  • 37. culturA medievAl Literatura medieval:  Latim: principal forma de escrita;  O latim foi se misturando as diferentes línguas;  Novelas de Cavalaria: (primeiros romances)  Valores medievais: D. Quixote e Sancho Pança HONRA LEALDADE CORAGEM
  • 38.
  • 39. ArquiteturA medievAl CASTELO MEDIEVAL:  Serviam de fortalezas e residência. Castelo medieval Sully-sur-loire, Franca
  • 40.
  • 41. Atalaia – torre de vigia
  • 46. Castelo de Bodiam, na Inglaterra, construído a mando do rei Ricardo II em 1388
  • 47. CULTURA MEDIEVAL Cidade Medieval:  Com ruas estreitas, sinuosas, escuras e com poucos cruzamentos;  Moradias variavam de acordo com a condição social;  Muitas cidades eram sujas com esgoto correndo a céu aberto e animais transitando junto com as pessoas;
  • 48. Cidade de Bruges (Bélgica)
  • 49.
  • 50.
  • 51. IgREjA MEDIEVAL  391 - religião cristã foi transformada em religião oficial do Império Romano.  Sobreviveu a queda de Roma  A igreja atuou na conversão dos povos bárbaros;  Acumulou poderes: - econômico: posses de terras; - Político: influência nas decisões políticas; - Jurídico: interferência na criação de leis; - Poder social: estabelecia padrões de comportamento moral para a sociedade
  • 52. IgREjA MEDIEVAL Como religião única e oficial:  a Igreja Católica não permitia opiniões e posições contrárias aos seus dogmas (verdades incontestáveis).  Herege: Aqueles que desrespeitavam ou questionavam as decisões da Igreja eram perseguidos e punidos.  Séc. XIII - Tribunal do Santo Ofício (Inquisição) para combater os hereges.
  • 53.
  • 54.
  • 55.  Igreja Católica foi extremamente importantes para a preservação da cultura, através dos monges copistas;  Conteve a violência dos povos bárbaros;  A cultura na Idade Média foi muito influenciada pela religião católica. As pinturas, esculturas e livros eram marcados pela temática religiosa. IgREjA MEDIEVAL
  • 56. REfERênCIAs: • CAPELLARI, Marcos Alexandre; NOGUEIRA, Fausto Henrique Gomes. História: ser protagonista - Volume único. Ensino Médio. 1ª Ed. São Paulo: SM. 2010. • COTRIM, Gilberto. História Global – Brasil e Geral. Volume Único. Ensino Médio. 8ª Ed. São Paulo: Saraiva 2005. • Projeto Araribá: História – 7º ano. /Obra coletiva/ São Paulo: Editora Moderna, 2010. Editora Responsável: Maria Raquel Apolinário Melani. • AZEVEDO, Gislane Campos; SERIACOPI, Reinaldo. Projeto Teláris: história 7 º ano. São Paulo: Ática, 1º ed., 2012. • Uno – ensino Fundamental. 7º ano;