SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
DESCOLONIZAÇÃODESCOLONIZAÇÃO
DA ÁFRICA E DADA ÁFRICA E DA
ÁSIAÁSIA
PROF. DOUGLAS BARRAQUI
Imperialismo ou neocolonialismoImperialismo ou neocolonialismo
- Processo de dominação
política e econômica
estabelecido pelas
potências capitalistas
emergentes ao longo do
século XIX e início do
século XX.
 Objetivo:
- Partilha da África e da
Ásia.
A Revolução Industrial e as MudançasA Revolução Industrial e as Mudanças
na Europa: avanços tecnológicosna Europa: avanços tecnológicos
Desenvolvimento do capitalismo;
Crescimento das empresas;
Aumento da Produção;
Aumento populacional
EXIGÊNCIA CADA VEZ MAIOR DE MERCADO
E MATÉRIA PRIMA
FERRO
CARVÃO
PETRÓLEO
MÃO-DE-OBRA
MADEIRA
OURO
PRATA
DIAMANTE
COBRE
MERCADO
CONSUMIDORES
TERRAS
CAPITAL
PESSOAS
Conferência de BerlinConferência de Berlin
A Conferência de
Berlim realizada
entre 19 de
Novembro de 1884
e 26 de fevereiro de
1885 – partilha da
África:
MISSÃO
CIVILIZADORA
MoçambiqueAngola
Guiné-Bissau
São Tomé e Príncipe
Cabo Verde
Darwin e a origem das espéciesDarwin e a origem das espécies
No livro “A origem das
espécies”, Darwin
apresenta evidências
abundantes da evolução
das espécies, mostrando
que a diversidade biológica
é o resultado de um
processo de descendência
com modificação, onde os
organismos vivos se
adaptam gradualmente
através da seleção natural.
Charles Darwin
O percurso da viagem do HMS Beagle
Darwin e a origem das espéciesDarwin e a origem das espécies
 Alguns pensadores do século XIX adaptaram as idéias
de Darwin para entender a sociedade humana.
Segundo eles, a humanidade seria formada por
diferentes raças e a raça branca européia seria superior
às outras, pois era civilizada graças ao progresso
demonstrado na sua tecnologia.
Processo de DescolonizaçãoProcesso de Descolonização
A descolonização afro-asiática não foi um
processo homogêneo, ocorrendo de duas
maneiras:
PACÍFICA
VIOLENTA
A independência da colônia era realizada progressivamente pela
metrópole, com a concessão da autonomia político-
administrativa, mantendo-se o controle econômico do novo país,
criando, dessa forma, um novo tipo de dependência.
Resultado da intransigência das metrópoles em conceder a
autonomia às colônias. Surgiam as lutas de emancipação,
geralmente vinculadas ao socialismo, que levaram a cabo as
independências. Geraram guerras civis, violência e genocídio.
Processo de DescolonizaçãoProcesso de Descolonização
Pan-africanismo:
“União dos povos
africanos”
Lema:
“A África
para os
africanos”
Jomo Kenyatta foi primeiro-ministro (entre 1963 e
1964) e presidente (1964-1978) do Quênia. Uma
das principais lideranças do pan-africanismo;
kufi
A África do Sul e o ApartheidA África do Sul e o Apartheid
XVII – Chegaram os holandeses
(chamados de bôeres ou africâneres);
XVIII – Chegaram os ingleses;
Guerras dos Bôeres (1880-1881 / 1899-
1902)
Vitória dos ingleses.
A África do Sul e o ApartheidA África do Sul e o Apartheid
O apartheid - Pronúncia em africâner
(separação)
Regime de segregação racial adotado de
1948 a 1994 pelos sucessivos governos
do Partido Nacional na África do Sul,
NATIVOS
MESTIÇOS
BRANCOS
NEGROS
NEGROS NATIVOS
A África do Sul e o ApartheidA África do Sul e o Apartheid
O apartheid impedia os
negros de utilizar os
mesmos ônibus,
hospitais, frequentar as
mesmas escolas, morar
em mesmas áreas
residenciais,
Os serviços voltados
para os negros eram
em sua grande maioria
de qualidade inferior;
Crianças Brancas brincam em
lagoa de um parque público na
África do Sul. A placa indica que a
lagoa é “apenas para crianças
européias”
“Ninguém nasce odiando
outra pessoa pela cor de
sua pele, por sua origem ou
ainda por sua religião. Para
odiar, as pessoas precisam
aprender, e se podem
aprender a odiar, podem
ser ensinadas a amar”.
Nelson Mandela
Nelson MandelaNelson Mandela
 Rolihlahla Dalibhunga Mandela;
 1925 - passa a frequentar a escola primária
existente na vila próxima de Qunu. É lá que
recebe o nome "Nelson” , em homenagem
ao Almirante Horatio Nelson; também
conheceu seu melhor amigo Justice.
 Costume de dar nomes ingleses a todas as
crianças que frequentavam a escola;
 5 anos de idade começou a seguir outros
meninos nas lidas do campo, longe dos
pais, cuidando do gado
 Naqueles tempos, após o jantar, era
costume ter a mãe ou uma das tias a narrar
velhas histórias, mitos, fábulas ancestrais.
Ouvia então contarem de reis lendários e
heróis, como Bambata.
O rei Bambata, que chefiou
uma rebelião em 1906 - um dos
heróis que povoaram a infância
de Mandela.
Nelson MandelaNelson Mandela
1927 - Aos 9 anos de idade
seu pai morre e Mandela é
enviado para a vila do povo
Tembu;
1934 – aos 16 anos passou
pelo rito da circuncisão que
era um rito de passagem
dos jovens Tembu
1939 – ingressou na Fort
Hare, primeira universidade
da África do Sul;
Mandela, em 1937.
Nelson MandelaNelson Mandela
 No segundo ano, Mandela participou
de uma manifestação contra a baixa
qualidade da comida;
 Acabou eleito para o Conselho dos
Estudantes;
 Reitor Kerr deu a Mandela duas
únicas opções: assumir o cargo ou
sair da faculdade.
 Mandela decide por sair, retornando
para a vila Tembu;
 Jongintaba então concede-lhe um
casamento, segundo o costume
Tembu;
 Mandela e Justice fogem então para
Joanesburgo;
 1944 - Mandela se casou com
Evelyn Mase (com quem teve quatro
filhos),
Mandela e Evelyn, em 1944
Nelson MandelaNelson Mandela
 1944 - Criam a Liga Juvenil do
CNA (ANCY) (lançam o
manifesto "Um homem, um voto"
– denunciam: 2 milhões de
brancos dominam 8 milhões de
negros, além de deterem 87% do
território).
 1948 –foi eleito secretário
nacional da ANCYL, e executivo
nacional do CNA (Congresso
Nacional Africano).
 1949 – extrema-direita branca no
governo do país aprova o regime
segregacionista o apartheid.
Nelson MandelaNelson Mandela
 1951- Mandela é eleito presidente da
ANCYL e no ano seguinte presidente do
CNA.
 26 de junho de 1952 - Campanha de
Desafio, com o Dia do Protesto: por todo o
país os negros são convidados a usarem
os espaços reservados aos brancos - em
banheiros, escritórios públicos, correios,
etc. - resultando na prisão de Mandela por
dois dias;
 com base na Lei de Repressão ao
Comunismo, a uma pena de nove meses
de trabalhos forçados, que é suspensa por
dois anos; recebe também neste ano a
primeira de várias ordens de interdição,
proibindo-o de participar de atividades
políticas.
Mandela queima um passe
obrigatório, em 1960.
Nelson MandelaNelson Mandela
 1955 - A ordem de restrição de
Mandela expirou;
 1956 - sua casa é invadida pela
polícia, revistando-a por 45
minutos e apreendendo papéis; o
líder é levado preso, na frente da
mulher e dos filhos; outras 144
pessoas foram detidas no
mesmo dia acusadas de traição;
 1957 - quando tem início a
tramitação do Julgamento por
Traição, respondendo processo
em liberdade Mandela conhece
Winifred Zanyiwe Madikizela. (o
sogro, em discurso, brincou que
a filha se unia a um "prisioneiro“)
Nelson MandelaNelson Mandela
 1960 - A CNA foi proibido e Mandela
fica preso até o ano seguinte, quando
passa para a clandestinidade.
 1961 – Mandela cria a "Lança de uma
Nação" - também conhecido pela sigla
"MK” braço armado do CNA.
 No tribunal Mandela comparece
vestindo os trajes tribais,
 1964 a 1990 - Mandela permaneceu
preso, tornou-se o símbolo da luta anti-
apartheid na África do Sul. Mesmo na
prisão, conseguiu enviar cartas para
organizar e incentivar a luta pelo fim da
segregação racial no país. Neste
período de prisão, recebeu apoio de
vários segmentos sociais e governos
do mundo todo.
Nelson MandelaNelson Mandela
 1994 - Mandela tornou-se o
primeiro presidente negro da
África do Sul. Governou o país
até 1999.
 Responsável pelo fim do
regime segregacionista no país
e também pela reconciliação
de grupos internos.
 Com o fim do mandato de
presidente, Mandela afastou-
se da política dedicando-se a
causas de várias organizações
sociais em prol dos direito
humanos.
Descolonização da ÁsiaDescolonização da Ásia
A partir da Segunda Guerra;
Domínios principalmente Ingleses e
Holandeses;
Criança
trabalhando como
serviçal para um
britânico.
Possessão britânica
Zona de Influência britânica
Possessão Holandesa
Possessão Espanhola
Possessão Portuguesa
Possessão Francesa
Portos abertos ao comércio
britânico desde 1842
Colônias Japonesas
Descolonização da ÁsiaDescolonização da Ásia
Índia era uma colônia inglesa desde o séc. XIX;
A Revolta dos Cipaios - revolta popular armada ocorrida
entre 1857 e 1859, contra a dominação e exploração
britânica na Índia. Foi esmagada pelos ingleses.
Mahatma GandhiMahatma Gandhi
Mohandas Karamchand
Gandhi; mais conhecido
como Mahatma Gandhi (do
sânscrito "Mahatma", "A
Grande Alma");
Pai era o primeiro-ministro
local,
Gandhi nasceu no dia 2 de
outubro de 1869, na cidade
de Porbandar, na Índia
ocidental, hoje estado de
Gujarat. Gandhi aos 7 anos, em 1876.
Mahatma GandhiMahatma Gandhi
1883 - com a idade de 13
anos, a família de Gandhi
realizou seu casamento
arranjado adulto com a
mulher Kasturba Gandhi, de
14 anos,
Cursou a faculdade de Direito
em Londres.
Tornou-se vegetariano;
Devido a timidez não obteve
êxito a exercer sua profissão
legal de advogado. Gandhi durante a juventude
na Inglaterra, por volta de
1889.
Gandhi e sua esposa Kasturba Gandhi
em foto de 1902.
Mahatma GandhiMahatma Gandhi
 1893 - mudou-se para a África
do Sul para trabalhar como
advogado.
 Durante a "Segunda Guerra dos
Boers" (1899-1900) Gandhi entra
para a "Indian Ambulance Corps"
 Gandhi acabou permanecendo
vinte anos na África do Sul
defendendo a minoria hindu,
liderando a luta de seu povo
pelos seus direitos.
 1908 - quando já tinha quatro
filhos, separou-se da mulher para
viver com Hermann Kallenbach,
um médico alemão de origem
judaica
Gandhi com sua secretária Sra. Sonia
Schlesin e o Doutor Hermann
Kallenbach 1913
Gandhi com o "Indian Ambulance
Corps" durante a "Segunda Guerra dos
Boers" 1899-1900.
Mahatma GandhiMahatma Gandhi
 1914 retornou para a Índia, onde
começou uma campanha pela paz
entre hindus e muçulmanos, que
viviam em conflito.
 Atuou também contra o domínio
britânico na Índia.
 Gandhi defendia a criação de um
estado autônomo na Índia.
 Foi preso várias vezes pelos
britânicos.
 “Desobediência Civil” - Gandhi era
contra a violência, defendendo as
formas pacíficas de protesto como,
por exemplo, greves, passeatas,
retiros espirituais e jejuns.
Gandhi vestido como satyagrahi,
ativista da não-violência, em
1913.
Mahatma GandhiMahatma Gandhi
1. igualdade;
2. nenhum uso de
álcool ou droga;
unidade hindu-
muçulmano;
3. amizade;
4. igualdade para as
mulheres.
Apelo de Gandhi ao povo de Bombaim,
publicado em 1919 no semanário "Índia
Jovem" ("Young India").
Mahatma GandhiMahatma Gandhi
 1915, Gandhi passou a exercer o
papel de conscientizador da
sociedade hindu e muçulmana
na luta pacífica pela
independência indiana, baseada
no uso da não violência.
 O uso da não violência baseava-
se no uso da desobediência civil.
 1930 – Liderou a "Marcha do
Sal“ - marcha de 124 milhas para
o mar que duraria mais de vinte
e quatro dias.
Chaplin e Gandhi.
Mahatma GandhiMahatma Gandhi
 1942 - ele e outros líderes
foram presos. Ele decidiu jejuar
novamente, sendo que apenas
ele sobreviveu.
 1947 – a Índia se tornou
independente; porém a índia
seria dividida em dois
países:Índia (maioria Hindu) e o
Paquistão (maioria
muçulmano);
 1948 -foi assassinado em
Nova Délhi por Nathuram
Godse um extremista hindu.
Referências:Referências:
MASON, Anthony. Memórias do Século XX: Vol. 1 - O
Surgimento da Era Moderna. Tradução de Maria Clara de
Mello Motta. Rio de Janeiro: Reader's Digest, 2003.
Projeto Araribá 9º ano
Projeto Telaris 9º ano

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América EspanholaAulas de História
 
Imperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXImperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXRodrigo Luiz
 
Crise do império e proclamação da república
Crise do império e proclamação da repúblicaCrise do império e proclamação da república
Crise do império e proclamação da repúblicaRodrigo Luiz
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaMarcos Oliveira
 
Imperialismo: Aula 01> África
Imperialismo:  Aula 01> ÁfricaImperialismo:  Aula 01> África
Imperialismo: Aula 01> Áfricacarlosbidu
 
Imperialismo: A Partilha da África
Imperialismo: A Partilha da ÁfricaImperialismo: A Partilha da África
Imperialismo: A Partilha da ÁfricaCarlos Benjoino Bidu
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoImperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoPaulo Alexandre
 
E.U.A no século XIX.
E.U.A no século XIX.E.U.A no século XIX.
E.U.A no século XIX.Privada
 
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º anoAula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano7 de Setembro
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaPortal do Vestibulando
 
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismoPeríodo entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismoPortal do Vestibulando
 
8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx
8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx
8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptxProfessor de História
 

Mais procurados (20)

Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Imperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXImperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIX
 
Crise do império e proclamação da república
Crise do império e proclamação da repúblicaCrise do império e proclamação da república
Crise do império e proclamação da república
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
 
Napoleão
NapoleãoNapoleão
Napoleão
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
 
Imperialismo: Aula 01> África
Imperialismo:  Aula 01> ÁfricaImperialismo:  Aula 01> África
Imperialismo: Aula 01> África
 
Hegemonia estadunidense
Hegemonia estadunidenseHegemonia estadunidense
Hegemonia estadunidense
 
Imperialismo: A Partilha da África
Imperialismo: A Partilha da ÁfricaImperialismo: A Partilha da África
Imperialismo: A Partilha da África
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoImperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismo
 
E.U.A no século XIX.
E.U.A no século XIX.E.U.A no século XIX.
E.U.A no século XIX.
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º anoAula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
 
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismoPeríodo entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
 
8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx
8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx
8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 

Semelhante a Descolonização da Áfria e da Ásia

A guerra fria na áfrica e no oriente médio
A guerra fria na áfrica e no oriente médioA guerra fria na áfrica e no oriente médio
A guerra fria na áfrica e no oriente médioNelia Salles Nantes
 
"Mandela celebra 94 anos com festa por toda a Africa do sul."
"Mandela celebra 94 anos com festa por toda a Africa do sul." "Mandela celebra 94 anos com festa por toda a Africa do sul."
"Mandela celebra 94 anos com festa por toda a Africa do sul." Nilberte
 
A DESCOLONIZAÇÃO DA ÁFRICA - Aula Didática.pdf
A DESCOLONIZAÇÃO DA ÁFRICA - Aula Didática.pdfA DESCOLONIZAÇÃO DA ÁFRICA - Aula Didática.pdf
A DESCOLONIZAÇÃO DA ÁFRICA - Aula Didática.pdfWanderleiMenezes7
 
Nelson mandela um legado de luta e conciliação
Nelson mandela um legado de luta e conciliaçãoNelson mandela um legado de luta e conciliação
Nelson mandela um legado de luta e conciliaçãoMauricio da Silva
 
Nelson Mandela e o apartheid
Nelson Mandela e o apartheidNelson Mandela e o apartheid
Nelson Mandela e o apartheidElton Zanoni
 
Fotobiografia de Nelson Mandela
Fotobiografia de Nelson MandelaFotobiografia de Nelson Mandela
Fotobiografia de Nelson MandelaMargarida Dias
 
Descolonização africana
Descolonização africanaDescolonização africana
Descolonização africanaCamila Brito
 
A figura providencial de nelson mandela na áfrica do sul
A figura providencial de nelson mandela na áfrica do sulA figura providencial de nelson mandela na áfrica do sul
A figura providencial de nelson mandela na áfrica do sulRoberto Rabat Chame
 
A figura providencial de nelson mandela na áfrica do sul
A figura providencial de nelson mandela na áfrica do sulA figura providencial de nelson mandela na áfrica do sul
A figura providencial de nelson mandela na áfrica do sulFernando Alcoforado
 
A resistência negra na Africa do Sul
A resistência negra na Africa do SulA resistência negra na Africa do Sul
A resistência negra na Africa do SulDonaRayane
 
Descolonização da África
Descolonização da ÁfricaDescolonização da África
Descolonização da Áfricacarlosbidu
 
Africa vidas separadas II
Africa vidas separadas IIAfrica vidas separadas II
Africa vidas separadas IIAlvaro Cardoso
 

Semelhante a Descolonização da Áfria e da Ásia (20)

A guerra fria na áfrica e no oriente médio
A guerra fria na áfrica e no oriente médioA guerra fria na áfrica e no oriente médio
A guerra fria na áfrica e no oriente médio
 
ÁFRICA - Apartheid
ÁFRICA - ApartheidÁFRICA - Apartheid
ÁFRICA - Apartheid
 
"Mandela celebra 94 anos com festa por toda a Africa do sul."
"Mandela celebra 94 anos com festa por toda a Africa do sul." "Mandela celebra 94 anos com festa por toda a Africa do sul."
"Mandela celebra 94 anos com festa por toda a Africa do sul."
 
Nelson mandela
Nelson  mandelaNelson  mandela
Nelson mandela
 
A DESCOLONIZAÇÃO DA ÁFRICA - Aula Didática.pdf
A DESCOLONIZAÇÃO DA ÁFRICA - Aula Didática.pdfA DESCOLONIZAÇÃO DA ÁFRICA - Aula Didática.pdf
A DESCOLONIZAÇÃO DA ÁFRICA - Aula Didática.pdf
 
Nelson Mandela
Nelson MandelaNelson Mandela
Nelson Mandela
 
Nelson mandela um legado de luta e conciliação
Nelson mandela um legado de luta e conciliaçãoNelson mandela um legado de luta e conciliação
Nelson mandela um legado de luta e conciliação
 
Nelson Mandela e o apartheid
Nelson Mandela e o apartheidNelson Mandela e o apartheid
Nelson Mandela e o apartheid
 
Movimento negro
Movimento negro Movimento negro
Movimento negro
 
Nelson mandela
Nelson mandelaNelson mandela
Nelson mandela
 
Fotobiografia de Nelson Mandela
Fotobiografia de Nelson MandelaFotobiografia de Nelson Mandela
Fotobiografia de Nelson Mandela
 
Nelson mandela
Nelson mandelaNelson mandela
Nelson mandela
 
Descolonização africana
Descolonização africanaDescolonização africana
Descolonização africana
 
Apartheid
ApartheidApartheid
Apartheid
 
A figura providencial de nelson mandela na áfrica do sul
A figura providencial de nelson mandela na áfrica do sulA figura providencial de nelson mandela na áfrica do sul
A figura providencial de nelson mandela na áfrica do sul
 
A figura providencial de nelson mandela na áfrica do sul
A figura providencial de nelson mandela na áfrica do sulA figura providencial de nelson mandela na áfrica do sul
A figura providencial de nelson mandela na áfrica do sul
 
A resistência negra na Africa do Sul
A resistência negra na Africa do SulA resistência negra na Africa do Sul
A resistência negra na Africa do Sul
 
Descolonização da África
Descolonização da ÁfricaDescolonização da África
Descolonização da África
 
Africa vidas separadas II
Africa vidas separadas IIAfrica vidas separadas II
Africa vidas separadas II
 
Descolonização afro-asiática
Descolonização afro-asiáticaDescolonização afro-asiática
Descolonização afro-asiática
 

Mais de Douglas Barraqui

FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?Douglas Barraqui
 
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLADouglas Barraqui
 
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADESOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADEDouglas Barraqui
 
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃOA BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃODouglas Barraqui
 
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGAOS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGADouglas Barraqui
 
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTASFORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTASDouglas Barraqui
 
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBERSOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBERDouglas Barraqui
 
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIALMÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIALDouglas Barraqui
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?Douglas Barraqui
 
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINAHIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINADouglas Barraqui
 
História da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônicaHistória da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônicaDouglas Barraqui
 
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do VietnãRevolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do VietnãDouglas Barraqui
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilDouglas Barraqui
 
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento AvanzaReleitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento AvanzaDouglas Barraqui
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasDouglas Barraqui
 
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda GuerraPeríodo Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda GuerraDouglas Barraqui
 
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDas Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDouglas Barraqui
 

Mais de Douglas Barraqui (20)

FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
 
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
 
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADESOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
 
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃOA BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
 
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGAOS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
 
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTASFORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
 
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBERSOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIALMÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
 
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINAHIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
 
SEGUNDA GRANDE GUERRA
SEGUNDA GRANDE GUERRASEGUNDA GRANDE GUERRA
SEGUNDA GRANDE GUERRA
 
História da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônicaHistória da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônica
 
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do VietnãRevolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Grandes Navegações
Grandes NavegaçõesGrandes Navegações
Grandes Navegações
 
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento AvanzaReleitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
 
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda GuerraPeríodo Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
 
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDas Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
 

Último

HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 

Último (20)

HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 

Descolonização da Áfria e da Ásia

  • 1. DESCOLONIZAÇÃODESCOLONIZAÇÃO DA ÁFRICA E DADA ÁFRICA E DA ÁSIAÁSIA PROF. DOUGLAS BARRAQUI
  • 2. Imperialismo ou neocolonialismoImperialismo ou neocolonialismo - Processo de dominação política e econômica estabelecido pelas potências capitalistas emergentes ao longo do século XIX e início do século XX.  Objetivo: - Partilha da África e da Ásia.
  • 3. A Revolução Industrial e as MudançasA Revolução Industrial e as Mudanças na Europa: avanços tecnológicosna Europa: avanços tecnológicos Desenvolvimento do capitalismo; Crescimento das empresas; Aumento da Produção; Aumento populacional EXIGÊNCIA CADA VEZ MAIOR DE MERCADO E MATÉRIA PRIMA FERRO CARVÃO PETRÓLEO MÃO-DE-OBRA MADEIRA OURO PRATA DIAMANTE COBRE MERCADO CONSUMIDORES TERRAS CAPITAL PESSOAS
  • 4. Conferência de BerlinConferência de Berlin A Conferência de Berlim realizada entre 19 de Novembro de 1884 e 26 de fevereiro de 1885 – partilha da África: MISSÃO CIVILIZADORA
  • 6.
  • 7. Darwin e a origem das espéciesDarwin e a origem das espécies No livro “A origem das espécies”, Darwin apresenta evidências abundantes da evolução das espécies, mostrando que a diversidade biológica é o resultado de um processo de descendência com modificação, onde os organismos vivos se adaptam gradualmente através da seleção natural. Charles Darwin
  • 8. O percurso da viagem do HMS Beagle
  • 9. Darwin e a origem das espéciesDarwin e a origem das espécies  Alguns pensadores do século XIX adaptaram as idéias de Darwin para entender a sociedade humana. Segundo eles, a humanidade seria formada por diferentes raças e a raça branca européia seria superior às outras, pois era civilizada graças ao progresso demonstrado na sua tecnologia.
  • 10. Processo de DescolonizaçãoProcesso de Descolonização A descolonização afro-asiática não foi um processo homogêneo, ocorrendo de duas maneiras: PACÍFICA VIOLENTA A independência da colônia era realizada progressivamente pela metrópole, com a concessão da autonomia político- administrativa, mantendo-se o controle econômico do novo país, criando, dessa forma, um novo tipo de dependência. Resultado da intransigência das metrópoles em conceder a autonomia às colônias. Surgiam as lutas de emancipação, geralmente vinculadas ao socialismo, que levaram a cabo as independências. Geraram guerras civis, violência e genocídio.
  • 11. Processo de DescolonizaçãoProcesso de Descolonização Pan-africanismo: “União dos povos africanos” Lema: “A África para os africanos” Jomo Kenyatta foi primeiro-ministro (entre 1963 e 1964) e presidente (1964-1978) do Quênia. Uma das principais lideranças do pan-africanismo; kufi
  • 12. A África do Sul e o ApartheidA África do Sul e o Apartheid XVII – Chegaram os holandeses (chamados de bôeres ou africâneres); XVIII – Chegaram os ingleses; Guerras dos Bôeres (1880-1881 / 1899- 1902) Vitória dos ingleses.
  • 13. A África do Sul e o ApartheidA África do Sul e o Apartheid O apartheid - Pronúncia em africâner (separação) Regime de segregação racial adotado de 1948 a 1994 pelos sucessivos governos do Partido Nacional na África do Sul,
  • 15.
  • 16. A África do Sul e o ApartheidA África do Sul e o Apartheid O apartheid impedia os negros de utilizar os mesmos ônibus, hospitais, frequentar as mesmas escolas, morar em mesmas áreas residenciais, Os serviços voltados para os negros eram em sua grande maioria de qualidade inferior; Crianças Brancas brincam em lagoa de um parque público na África do Sul. A placa indica que a lagoa é “apenas para crianças européias”
  • 17. “Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, por sua origem ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar”. Nelson Mandela
  • 18. Nelson MandelaNelson Mandela  Rolihlahla Dalibhunga Mandela;  1925 - passa a frequentar a escola primária existente na vila próxima de Qunu. É lá que recebe o nome "Nelson” , em homenagem ao Almirante Horatio Nelson; também conheceu seu melhor amigo Justice.  Costume de dar nomes ingleses a todas as crianças que frequentavam a escola;  5 anos de idade começou a seguir outros meninos nas lidas do campo, longe dos pais, cuidando do gado  Naqueles tempos, após o jantar, era costume ter a mãe ou uma das tias a narrar velhas histórias, mitos, fábulas ancestrais. Ouvia então contarem de reis lendários e heróis, como Bambata. O rei Bambata, que chefiou uma rebelião em 1906 - um dos heróis que povoaram a infância de Mandela.
  • 19. Nelson MandelaNelson Mandela 1927 - Aos 9 anos de idade seu pai morre e Mandela é enviado para a vila do povo Tembu; 1934 – aos 16 anos passou pelo rito da circuncisão que era um rito de passagem dos jovens Tembu 1939 – ingressou na Fort Hare, primeira universidade da África do Sul; Mandela, em 1937.
  • 20. Nelson MandelaNelson Mandela  No segundo ano, Mandela participou de uma manifestação contra a baixa qualidade da comida;  Acabou eleito para o Conselho dos Estudantes;  Reitor Kerr deu a Mandela duas únicas opções: assumir o cargo ou sair da faculdade.  Mandela decide por sair, retornando para a vila Tembu;  Jongintaba então concede-lhe um casamento, segundo o costume Tembu;  Mandela e Justice fogem então para Joanesburgo;  1944 - Mandela se casou com Evelyn Mase (com quem teve quatro filhos), Mandela e Evelyn, em 1944
  • 21. Nelson MandelaNelson Mandela  1944 - Criam a Liga Juvenil do CNA (ANCY) (lançam o manifesto "Um homem, um voto" – denunciam: 2 milhões de brancos dominam 8 milhões de negros, além de deterem 87% do território).  1948 –foi eleito secretário nacional da ANCYL, e executivo nacional do CNA (Congresso Nacional Africano).  1949 – extrema-direita branca no governo do país aprova o regime segregacionista o apartheid.
  • 22. Nelson MandelaNelson Mandela  1951- Mandela é eleito presidente da ANCYL e no ano seguinte presidente do CNA.  26 de junho de 1952 - Campanha de Desafio, com o Dia do Protesto: por todo o país os negros são convidados a usarem os espaços reservados aos brancos - em banheiros, escritórios públicos, correios, etc. - resultando na prisão de Mandela por dois dias;  com base na Lei de Repressão ao Comunismo, a uma pena de nove meses de trabalhos forçados, que é suspensa por dois anos; recebe também neste ano a primeira de várias ordens de interdição, proibindo-o de participar de atividades políticas. Mandela queima um passe obrigatório, em 1960.
  • 23. Nelson MandelaNelson Mandela  1955 - A ordem de restrição de Mandela expirou;  1956 - sua casa é invadida pela polícia, revistando-a por 45 minutos e apreendendo papéis; o líder é levado preso, na frente da mulher e dos filhos; outras 144 pessoas foram detidas no mesmo dia acusadas de traição;  1957 - quando tem início a tramitação do Julgamento por Traição, respondendo processo em liberdade Mandela conhece Winifred Zanyiwe Madikizela. (o sogro, em discurso, brincou que a filha se unia a um "prisioneiro“)
  • 24. Nelson MandelaNelson Mandela  1960 - A CNA foi proibido e Mandela fica preso até o ano seguinte, quando passa para a clandestinidade.  1961 – Mandela cria a "Lança de uma Nação" - também conhecido pela sigla "MK” braço armado do CNA.  No tribunal Mandela comparece vestindo os trajes tribais,  1964 a 1990 - Mandela permaneceu preso, tornou-se o símbolo da luta anti- apartheid na África do Sul. Mesmo na prisão, conseguiu enviar cartas para organizar e incentivar a luta pelo fim da segregação racial no país. Neste período de prisão, recebeu apoio de vários segmentos sociais e governos do mundo todo.
  • 25. Nelson MandelaNelson Mandela  1994 - Mandela tornou-se o primeiro presidente negro da África do Sul. Governou o país até 1999.  Responsável pelo fim do regime segregacionista no país e também pela reconciliação de grupos internos.  Com o fim do mandato de presidente, Mandela afastou- se da política dedicando-se a causas de várias organizações sociais em prol dos direito humanos.
  • 26. Descolonização da ÁsiaDescolonização da Ásia A partir da Segunda Guerra; Domínios principalmente Ingleses e Holandeses;
  • 28. Possessão britânica Zona de Influência britânica Possessão Holandesa Possessão Espanhola Possessão Portuguesa Possessão Francesa Portos abertos ao comércio britânico desde 1842 Colônias Japonesas
  • 29. Descolonização da ÁsiaDescolonização da Ásia Índia era uma colônia inglesa desde o séc. XIX; A Revolta dos Cipaios - revolta popular armada ocorrida entre 1857 e 1859, contra a dominação e exploração britânica na Índia. Foi esmagada pelos ingleses.
  • 30.
  • 31. Mahatma GandhiMahatma Gandhi Mohandas Karamchand Gandhi; mais conhecido como Mahatma Gandhi (do sânscrito "Mahatma", "A Grande Alma"); Pai era o primeiro-ministro local, Gandhi nasceu no dia 2 de outubro de 1869, na cidade de Porbandar, na Índia ocidental, hoje estado de Gujarat. Gandhi aos 7 anos, em 1876.
  • 32. Mahatma GandhiMahatma Gandhi 1883 - com a idade de 13 anos, a família de Gandhi realizou seu casamento arranjado adulto com a mulher Kasturba Gandhi, de 14 anos, Cursou a faculdade de Direito em Londres. Tornou-se vegetariano; Devido a timidez não obteve êxito a exercer sua profissão legal de advogado. Gandhi durante a juventude na Inglaterra, por volta de 1889.
  • 33. Gandhi e sua esposa Kasturba Gandhi em foto de 1902.
  • 34. Mahatma GandhiMahatma Gandhi  1893 - mudou-se para a África do Sul para trabalhar como advogado.  Durante a "Segunda Guerra dos Boers" (1899-1900) Gandhi entra para a "Indian Ambulance Corps"  Gandhi acabou permanecendo vinte anos na África do Sul defendendo a minoria hindu, liderando a luta de seu povo pelos seus direitos.  1908 - quando já tinha quatro filhos, separou-se da mulher para viver com Hermann Kallenbach, um médico alemão de origem judaica Gandhi com sua secretária Sra. Sonia Schlesin e o Doutor Hermann Kallenbach 1913
  • 35. Gandhi com o "Indian Ambulance Corps" durante a "Segunda Guerra dos Boers" 1899-1900.
  • 36. Mahatma GandhiMahatma Gandhi  1914 retornou para a Índia, onde começou uma campanha pela paz entre hindus e muçulmanos, que viviam em conflito.  Atuou também contra o domínio britânico na Índia.  Gandhi defendia a criação de um estado autônomo na Índia.  Foi preso várias vezes pelos britânicos.  “Desobediência Civil” - Gandhi era contra a violência, defendendo as formas pacíficas de protesto como, por exemplo, greves, passeatas, retiros espirituais e jejuns. Gandhi vestido como satyagrahi, ativista da não-violência, em 1913.
  • 37. Mahatma GandhiMahatma Gandhi 1. igualdade; 2. nenhum uso de álcool ou droga; unidade hindu- muçulmano; 3. amizade; 4. igualdade para as mulheres. Apelo de Gandhi ao povo de Bombaim, publicado em 1919 no semanário "Índia Jovem" ("Young India").
  • 38. Mahatma GandhiMahatma Gandhi  1915, Gandhi passou a exercer o papel de conscientizador da sociedade hindu e muçulmana na luta pacífica pela independência indiana, baseada no uso da não violência.  O uso da não violência baseava- se no uso da desobediência civil.  1930 – Liderou a "Marcha do Sal“ - marcha de 124 milhas para o mar que duraria mais de vinte e quatro dias.
  • 40. Mahatma GandhiMahatma Gandhi  1942 - ele e outros líderes foram presos. Ele decidiu jejuar novamente, sendo que apenas ele sobreviveu.  1947 – a Índia se tornou independente; porém a índia seria dividida em dois países:Índia (maioria Hindu) e o Paquistão (maioria muçulmano);  1948 -foi assassinado em Nova Délhi por Nathuram Godse um extremista hindu.
  • 41. Referências:Referências: MASON, Anthony. Memórias do Século XX: Vol. 1 - O Surgimento da Era Moderna. Tradução de Maria Clara de Mello Motta. Rio de Janeiro: Reader's Digest, 2003. Projeto Araribá 9º ano Projeto Telaris 9º ano