Gasometria arterial

723 visualizações

Publicada em

Trabalho elaborado durante rodízio em UTI oncológica

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
723
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
87
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gasometria arterial

  1. 1. Gasometria Arterial Enfº Residente (R1) em oncologia – Heverton Colaço
  2. 2. Objetivo  Descrever as técnicas de coleta para gasometria arterial;  Apresentar a gasometria arterial e seus principais parâmetros para enfermagem.
  3. 3.  Procedimento realizado através de punção arterial para a medição direta da concentração do íon hidrogênio (Ph), da pressão de oxigênio ( PaO2) e da pressão de dióxido de carbono (PCO2).  Avalia o estado de oxigenação, ventilação e condições ácido- básica. O que é gasometria arterial ?
  4. 4. Medidas Gerais  Confirmar a indicação/solicitação;  Esclarecer o paciente;  Escolher uma artéria para punção;  Lavar as mãos;  Usar os devidos EPI’s;  Limpar o local da punção com antisséptico;  Preparar o material;  Realizar a coleta;  Pressionar o local da punção por 10m min;  Realizar leitura no gasímetro;  Descartar o material.
  5. 5. Material
  6. 6. Punção  Radial - 30º – 45º graus  Femural - 90º graus  Compressão posterior por 10 min.
  7. 7.  Gasometria arterial (avaliação dos parâmetros ventilatórios).  Gasometria venosa (informação sobre o consumo ou a extração de oxigênio nos tecidos e, portanto, indiretamente, informa sobre o estado do metabolismo celular. Tipos de gasometria
  8. 8.  Índice criado para representar a concentração de íons hidrogênio (H+) existente em uma solução  Escala de Ph varia de 1 – 14  Acidez ( 1 – 7 )  Alcalinidade ( 7 – 14 )  Neutralidade ( 7 )  Solução Tampão – HCO3 Ph
  9. 9. Alterações do PH
  10. 10.  Condições normais:  97% do O2 transportado dos pulmões para os tecidos são carreados em combinação química com a Hb no interior das hemácias  3% do O2 encontram-se dissolvidos no plasma e nas células. Oxigenação
  11. 11.  PaO2 = pressão parcial de O2 no ar alveolar *** Refere-se APENAS ao oxigênio dissolvido no plasma e não reflete a disponibilidade total de O2 nos tecidos. *** Medida em mmHg Índices de oxigenação
  12. 12.  SaO2 = saturação de O2 na Hb do sangue arterial. *** Proporção que o O2 está ligado a Hb *** A SaO2 normal do sangue que alcança o átrio E é 98%. Índices de oxigenação
  13. 13.  PaCO2 = pressão parcial de dióxido de carbono no sangue arterial. *** CO2 produzido pelo metabolismo celular é dissolvido no sangue para ser eliminado do organismo através da respiração Índices de oxigenação
  14. 14.  Sempre que houver acúmulo de CO2, o mecanismos de ventilação tende a eliminar mais CO2 para manter o pH neutro.  Tendo redução de CO2, o mecanismo de ventilação reduz a FR e o CO2 se acumula para recompor os valores normais. Regulação respiratória
  15. 15.  Alteração primária: PCO2 PCO2 pH pH = HCO3 / PCO2 PCO2 pH Regulação respiratória
  16. 16.  Mecanismos metabólicos grupo de substâncias regulação do pH (sangue e demais líquidos) *** HCO3 = regulador metabólico Componente metabólico
  17. 17.  Com excessos de íons de hidrogênio livres, o HCO3 combina-se ao H+ e resulta no H2CO3 que por sua vez, se decompõe em CO2 e água. *** CO2 mecanismo respiratório *** água rins Regulação metabólica
  18. 18.  Alteração primária: HCO3- HCO3- pH HCO3- pH Regulação metabólica pH = HCO3 / PCO2
  19. 19.  Elevação do HCO3 = alcalose ou neutraliza acidose  Redução do HCO3 = acidose ou neutraliza alcalose Regulação metabólica
  20. 20.  Para as alterações nos níveis de gases arteriais: - FiO2 - PEEP - Pressão das vias aéreas - Ventilação (FR e VC) - Equilíbrio ácido básico ( administração de bicarbonato de sódio ou terapia com acetazolamida ou ainda, diálise) Respostas terapêuticas
  21. 21.  Ácidos do organismo Metabolismo celular Ácido carbônico Deriva CO2 + H2O Ácidos alimentares Ácidos fixos do Ácido lático organismo Ceto – ácidos Equilíbrio ácido-base
  22. 22.  Bases do organismo Bicarbonato derivado do metabolismo celular pela combinação de CO2 + H2O Fosfatos, proteínas e Hb. Equilíbrio ácido-base
  23. 23. Avaliação do pH pH = 7,40: [H+] = 40 nmol/L pH= - log [H+] = 7,40 pH < 7,35 : acidemia ( acidose) pH > 7,45 : alcalemia (alcalose) pH < 6,80 ou pH > 7,80: incompatível com a vida
  24. 24. Valores de referência  Ph = 7,35 a 7,45  pCo2 = 35 a 45  sPO2 % = 95 a 100  HCO3 = 22 a 26  EB = -2 a +2
  25. 25.  Definição pH < 7,35 PaCO2 > 45 mmHg  Etiologia  HIPOVENTILAÇÃO  Depressão do SNC: lesão neurológica, drogas.  Debilidade da musculatura respiratória.  Traumatismo torácico.  Distenção abdominal. Acidose Respiratória
  26. 26.  Definição pH >7,45 PaCO2 < 35 mmHg  Etiologia  HIPERVENTILAÇÃO  Resposta fisiológica a dor, ansiedade ou medo.  Aumento das demandas metabólicas: febre, sepse.  Estimulantes respiratórios.  Lesão do SNC.  Hipoxemia. Alcalose Respiratória
  27. 27.  Definição pH < 7,35 HCO3 < 22 mEq/L  Etiologia  Déficit de base ou excesso de ácido  Diarréias ou fístula intestinal.  Falha renal.  Cetoacidose diabética.  Acidose láctica: shock Acidose Metabólica
  28. 28.  Definição pH > 7,45 HCO3 > 26 mEq/L  Etiologia  Excesso de base ou perda de ácido  Uso excessivo de bicarbonato  Vômitos prolongados ou aspiração gástrica.  Uso de diuréticos. Alcalose Metabólica
  29. 29.  PRIMEIRA ETAPA  Avaliar o pH (Acidose ou alcalose ?)  SEGUNDA ETAPA  Avaliar a PaCO2 (Indica distúrbio respiratório ? ) Avaliação da gasometria
  30. 30.  TERCEIRA ETAPA  Avaliar o bicarbonato (HCO3-);  Descartando componente respiratório, a natureza do distúrbio é certamente metabólica. Avaliação da gasometria
  31. 31.  QUARTA ETAPA  Avaliar o excesso ou déficit de bases no sangue;  Valores maiores que -5 ou -10 acompanham acidoses leves e moderadas. Acidoses severas cursam com valores maiores;  Valores maiores que +5 acompanha as alcaloses leves a moderadas e quando maior que +10, geralmente houve uso excessivo de bicarbonato de sódio e/ou outros agentes alcalinos. Avaliação da gasometria
  32. 32.  QUINTA ETAPA  Observar a PaO2 e a SaO2;  SaO2 acima de 90% é satisfatória, abaixo de 80% indica hipóxia e abaixo de 78 a 76% pode surgir cianose dos lábios e extremidades. Avaliação da gasometria
  33. 33.  SEXTA ETAPA  Identificar a ação dos mecanismos de compensação;  Os distúrbios compensados são menos graves e, em geral, não requerem tratamento. Avaliação da gasometria
  34. 34.  Objetivo: retorno no pH a sua faixa normal.  Compensação respiratória de distúrbio metabólico: rápida (minutos)  Compensação metabólica de distúrbio respiratório: lenta (horas) Compensação do equilíbrio ácido-base
  35. 35. Compensação do equilíbrio ácido-base
  36. 36. Exercício A) pH= 7,4; pCO2 = 40 mmHg; HCO3 - = 24 mEq/l B) pH= 7,4; pCO2 = 25 mmHg; HCO3 - = 15 mEq/l C) pH= 7,48; pCO2 = 48 mmHg; HCO3 - = 36 mEq/l D) pH= 7,3; pCO2 = 60 mmHg; HCO3 - = 30 mEq/l E) pH= 7,52; pCO2 = 30 mmHg; HCO3 - = 24 mEq/ l
  37. 37. OBRIGADO!
  38. 38. Referências  Cintra EA. Assistência de enfermagem ao paciente gravemente enfermo. São Paulo: Atheneu, 2008.  Chulay M. Manual de elementos essenciais de enfermagem em cuidados críticos da AACN. Porto Alegre: AMGH, 209p, 2011.  Filgueira NA et col. Condutas em clínica médica. São Paulo: MEDSI, 2004.

×