Contabilidade - Receitas Despesas Ganhos

2.500 visualizações

Publicada em

Seminário apresentado na PUC-SP, Pontifícia Universidade Católica
Mestrado em Ciências Contábeis
Prof. Dr. José Carlos Marion

Apresentação: 28/04/2005
Grupo: Carlos Isao Momose
Claudio Rafael Bifi
Paulo da Silva Melo

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.500
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
41
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Contabilidade - Receitas Despesas Ganhos

  1. 1. Pontifícia Universidade Católica Mestrado em Ciências Contábeis Prof. Dr. José Carlos Marion Apresentação: 28/04/2005 Grupo: Carlos Isao Momose Claudio Rafael Bifi Paulo da Silva Melo
  2. 2. Conteúdo da Apresentação  Receitas;  Despesas;  Ganhos; e  Perdas.  Debates
  3. 3. RECEITAS Apresentação: Carlos Isao Momose
  4. 4. Definição de Receitas “Receita é o ingresso bruto de dinheiro, contas a receber ou outros valores que surgem no curso das atividades normais de uma empresa pela venda de mercadorias, prestação de serviços e pelo uso por terceiros de recursos da empresas, geradores de juros, royalties e dividendos” IASB – International Accounting Standards Board
  5. 5. Definição de Receitas “Receitas são entradas ou outros aumentos de ativos de uma entidade, ou liquidação de seus passivos (ou a combinação de ambos), durante um período, proveniente da entrega ou produção de mercadorias, prestação de serviços, ou outras atividades que constituem as principais operações em andamento da entidade”. FASB - Financial Accounting Standards Board,1980
  6. 6. Definição de Receitas “Receita corresponde a acréscimos nos ativos ou decréscimos nos passivos, reconhecidos e medidos em conformidade com princípios de contabilidade geralmente aceitos, resultantes dos diversos tipos de atividades e que possam alterar o Patrimônio Líquido”. IBRACON 1998
  7. 7. Definição de Receitas “Entende-se por receita a entrada de elementos para o ativo, sob forma de dinheiro ou direitos a receber, correspondentes, normalmente, à venda de mercadorias, de produtos ou à prestação de serviços. Uma receita também pode derivar de juros sobre depósitos bancários ou títulos e de outros ganhos eventuais”. Equipe de Professores FEA/USP - 1973
  8. 8. Definição de Receitas “Receita - Valor monetário, em determinado período, da produção de bens e serviços da entidade, em sentido lato, para o mercado, no mesmo período, validada, mediata ou imediatamente pelo mercado, provocando acréscimo de Patrimônio Líquido e simultâneo acréscimo de ativo, sem necessariamente provocar, ao mesmo tempo, um decréscimo do ativo ou do patrimônio líquido, caracterizado pela despesa”. José Carlos Marion e Sérgio de Iudícibus
  9. 9. Conceito de Valor “A receita, independente de como seja definida, deve ser medida, termos ideais, pela valor de troca do produto ou serviço da empresa. O valor de troca representa o valor de caixa, ou o valor presente de direitos monetários a serem recebidos, em conseqüência da transação que gera a receita.” Hendriksen
  10. 10. Receita Operacional “Receita operacional somente deveria englobar a parcela proveniente do produto principal e dos co-produtos da empresa (ou serviços)”. Ou seja, apenas os produtos e serviços que constituem finalidade fundamental da empresa deveriam ser incluídos na categoria de receita operacional.
  11. 11. Deduções de Receita Operacional “Receita operacional somente deveria englobar a parcela proveniente do produto principal e dos co-produtos da empresa (ou serviços)”. Ou seja, apenas os produtos e serviços que constituem finalidade fundamental da empresa deveriam ser incluídos na categoria de receita operacional.
  12. 12. Deduções de Receita Operacional Deveria ser reduzida da Receita Operacional todas aquelas diminuições do patrimônio líquido que na verdade são ajustes da receita operacional bruta.  Impostos proporcionais a receita  Descontos comerciais (desde de contabilizado separadamente)  Devoluções e abatimentos de vendas  Despesas de transporte de vendas (do vendedor)  Comissões sobre venda (% fixo sobre o volume de faturamento) ²  Provisão para devedores duvidosos ² 2 – considerado por alguns autores
  13. 13. Reconhecimento da Receita Em geral, de acordo com o IASB (IAS11, IAS 18): Satisfeitas as três seguintes exigências: - pode ser medida com segurança; - é provável que os benefícios econômicos da transação fluam para a empresa; - os custos (incorridos e futuros) podem ser medidos de modo confiável. Comparações entre práticas contábeis KPMG - 2001
  14. 14. Reconhecimento da Receita Em relação aos bens, de acordo com o IASB: - os riscos relevantes e benefícios foram transferidos para o comprador; - não há ingerência contínua pelo vendedor sobre os bens vendidos; - não há controle efetivo sobre os ativos vendidos. Comparações entre práticas contábeis KPMG - 2001
  15. 15. Reconhecimento da Receita Normas e Práticas EUA, em geral: - existir evidência persuasiva de um acordo; - houver entrega ou prestação de serviços; - o preço do vendedor para o comprador é fixo ou determinável; - o recebimento está razoalvelmente assegurado. Comparações entre práticas contábeis KPMG - 2001
  16. 16. Reconhecimento da Receita Em relação aos bens, as Normas e Práticas EUA: - Não há regra especifica, o quadro técnico da SEC estabelece que o despacho ocorre quando a propriedade legal, os riscos e os benefícios da posse do bem são transferidos para o comprador. Comparações entre práticas contábeis KPMG - 2001
  17. 17. Reconhecimento da Receita No Brasil, (Pronunciamento XIV do Ibracon) Em geral, a receita é obtida quando os seguintes critérios são atingidos: - o processo de realização de receita está virtualmente completo; - a transação ocorreu. Comparações entre práticas contábeis KPMG - 2001
  18. 18. Reconhecimento da Receita No Brasil, (Pronunciamento XIV do Ibracon) Em relação aos bens, a receita é reconhecida na data da venda que corresponde normalmente, à data na qual a propriedade do bem foi transferida ao comprador. A venda de produtos e serviços normalmente é reconhecida quando a nota fiscal é emitida. Comparações entre práticas contábeis KPMG - 2001
  19. 19. Realização da Receita - entrega do bem/serviço - antes entrega do bem/serviço ( exceção ) - depois entrega do bem/serviço ( exceção )
  20. 20. Realização da Receita Entrega do bem/serviço - O ato da entrega, em geral, tem representado o registro da receita. - No momento da entrega, a certeza, os custos e as despesas são quase que totalmente conhecidos. - Até mesmo com base em dados históricos é possível estimar despesas extraordinárias de cobranças e despesas com garantias.
  21. 21. Realização da Receita Antes do bem/serviço ( exceção ) - Normalmente envolvem serviços - O montante da receita é determinado por contrato ou acordo. - Embora o montante não seja faturado, cria-se um direito válido contra o cliente/inquilino.
  22. 22. Realização da Receita Antes do bem/serviço ( exceção ) Exemplos: - alugueis de longo prazo; - comissões de vendas; - contratos de longo prazo ( construção civil ); - crescimento ( reservas, florestais, gado, etc );
  23. 23. Realização da Receita Antes do bem/serviço ( exceção ) Metodos utilizado para Construção Civil: - porcentagem de acabamento; ( IASB, FASB ) - contrato acabado; - metodo do parcelamento ( recebimentos );
  24. 24. Realização da Receita Depois do bem/serviço ( exceção ) Ocorre basicamente em dois casos: a) quando é impossível medir com precisão razoável os ativos recebidos em troca da transação; b) é provável que haja despesas adicionais significativas associadas a transação, e estas não podem ser estimadas com preço razoável.
  25. 25. DESPESAS Apresentação: Claudio Rafael Bifi
  26. 26. Esquema - despesas Produtos ou Serviços Elaborados Custos DESPESAS Consumo associado à elaboração do produto ou serviço Consumo associado ao período Investimentos Gastos Demonstrativo de Resultado do Exercício
  27. 27. Definições  GASTO: Sacrifício financeiro que a entidade arca para a obtenção de um produto ou serviço qualquer, sacrifício esse representado por entrega ou promessa de entrega de ativos (normalmente dinheiro).  INVESTIMENTO: Gasto ativado em função de sua vida útil ou de benefícios atribuíveis a futuro (s) período (s). (E.Martins, ed. Atlas, Contab. de custos)
  28. 28. Definição de Despesas

×