1
“O sucesso não depende só dos outros,mas de sua confiança”. (ABRAHAM LINCOLN)         2
INTRODUÇÃO    A matéria apresentada e desenvolvida representa pesquisas na área de Economia,Contabilidade, Gestão Pública ...
AGRADECIMENTOS    Agradeço a DEUS a oportunidade de ter conseguido, o alcance da MaestriaProfissional . Aos professores qu...
HOMENAGENS IN MEMORIAN    Minhas sinceras homenagens ao Mestre Economista Celso Furtado, pessoa que tantocontribuiu para o...
SUMÁRIOINTRUDUÇÃO.....................................................................................................3CAP...
CAPITULO III............................................................................................27COMPOSIÇÃO SOCIE...
CAPITULO V.............................................................................................515.1. QUADRO ESTAT...
CAPÍTULO I                                   PLANEJAMENTO                               1.1.GESTÃO PUBLICA                ...
1.5. Loterias1.6.Receitas Financeiras1.6.1. Juros1.6.2. Variações Cambiais Ativas1.6.3. Variações Monetárias Ativas1.6.4. ...
1.3.BALANÇA COMERCIAL                              EXPRESSÃO EM MILHAR (R$)                    Componentes                ...
13.Educação14.Esporte15.Fazenda16.Integração Nacional17.Justiça18.Meio Ambiente19.Minas e Enérgia20.Planej.,Orç. E Gestão2...
1. AM - Amazonas2. PA - Pará3. AC - Acre4. RR - Roraima5. AP - Amapá6. TO - Tocantins7. RO - Roraima3.SUDESTE             ...
SulNe - Nordeste                  1.6.EVOLUÇÃO DO CUSTO DA MÃO-DE-OBRA                           EXPRESSÃO EM MILHAR      ...
1.7.RETROSPECTIVA ECONÕMICA                        EXPRESSÃO EM MILHAR (R$) E (%)                      COMPONENTES        ...
exercício. Necessário é que se faça o acompanhamento qualitativo e quantitativo, paraevitar variações, onde com isso a emp...
9 . MERCADO COMPETIDOR – As empresas quando elaboram seus preços de vendas,geralmente procuram saber qual o preço do conco...
1.2.3 Misto – Quando envolve os dois itens anteriores, tendo como exemplo acompra de mercadorias, e pagamento do título co...
DADOS - São informações de fatos expresso através de simbologia numérica queserve para conhecimento e tomada de decisõesCO...
10.406 de 2002, art 1.119). Com a fusão desaparecem todas as sociedades     anteriores para dar lugar a uma só, na qual to...
Componentes - I           Ativo   Passivo1 . Reserva Lega2. Variações Monetárias Ativas3. Abatimentos4. Lucros em Suspenso...
9. Duplicatas Descontadas10 Custo de Produção11. Aplicações Financeiras12. Edificação13 Venda de Produtos14 Depreciação Ac...
17. Venda de Produtos Agrícolas18 Safra em Formação19. Produtos Acabados20. Provisão de Férias                            ...
Com esses Resultados será emitido relatório qualitativo para tomada de decisões   administrativas, obedecendo a ordem de l...
1.8.3.5   Edificação1.8.3.6   Veículos1.8.4     Diferido1.8.4.1   Despesas de Reorganização1.8.4.2   Desp. de Pesquisa Cie...
8.2          C/ vendas8.3          Financeiras Líquidas8.4          N /Dedutíveis8.5          Depreciação9.           (=) ...
3.7           Vale Transporte3.8           Vale refeição3.9           OutrosTotalSomatório                                ...
3.3.ANÁLISE DE RESULTADO-2006                      COMPONENTES                             R$       AV %1. RECEITA BRUTA  ...
2.   RH – RECURSOS HUMANOS2.1. Seleção de Pessoal2.2. Admissão2.3. Registro de Empregados2.4. Demissão – Rescisões Contrat...
4 – ALMOXARIFADO4.1. Controle no recebimento de Materiais4.2. Controle nas Saídas4.3. Conferência de Pedido com documento ...
-AUDITORIA7.1. Contrato com Auditoria7.2. Planejamento para execução do Trabalho7.3. Análise por Departamento – Amostragem...
2, DOS DESCONTOS POR ATIVIDADES2.1. C- PC – INSS a Recolher2.2. C – PC - Credores Diversos             JK – Sociedade Priv...
SOGESTÕES CONTÁBEIS E FISCAIS        Sugerimos aos nossos Contribuintes de modo geral, que procurem fazer suascontabilizaç...
5. Caixa – Quando a empresa apresenta-se desordenada, e considera emissão de chequesdentro de caixa, provocando indícios d...
(-) Impostos(=) RECEITA OPERACIONAL LIQUIDA(-) Custo dos Serviços(=) LUCRO OPERACIONAL BRUTO(-) DESPESAS OPERACIONAISAdmin...
Contas de CompensaçãoReserva de Incentivo FiscalCusto dos ServiçosSafra FundadaPró-laborePrevidência a RecolherVariações M...
Financeiras LiquidaN/Dedutíveis(=) LOL – LUCRO OPERACIONAL LIQUIDO(-) Provisão Contribuição Social(-) Provisão Imposto de ...
Aplicações Financeiras-Liq.Imediata     xBanco do Brasil S.A.                        xBanco do Ne. Do Brasil              ...
Ações de Instituições Financeiras         xDepósito para Incentivo Fiscal            xMarcas e Patentes ( Bandeira )      ...
FGTS                                    xPrevidência Social                      xVale Transporte                         ...
Viagens e Estadas                             xDevedores Duvidosos                           xDepreciação                 ...
Dividendos a Pagar                           xEncargos Sociais a Pagar                 xPrevidência Social                ...
Res. De Reavaliação                         xRes.de Incentivo Fiscal                     xRes. De Contingência            ...
4.6.INTRODUÇÃO A AUDITORIA                             4.7.FRAUDES CONTÁBEIS     As empresas que não tem controles interno...
Uma das fraudes que existe no mercado é a fabricação de Balanços, semacompanhamento da Declaração do Imposto de Renda – pe...
4.10.BALANÇOS FRAUDADOS C/ REGISTRO PÚBLIÇO    A maioria das empresas que participam de Licitações, não apresentamDemonstr...
4.12.SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL    No ano de 1988 foi creada a nova Constituição Federal, onde em um de seusArtigos estab...
4.15.IMPOSTOS                               EMPRESA OU CONSUMIDOR ?           Levantamos sistematicamente algumas informaç...
Elabore nova planilha de Custo, definindo valores monetários e taxas (%), para seu   maior aprendizado, de acordo com os i...
(=) LUCRO LÍQUIDO(=) % Taxa Lucratividade1 . Análise de Tendência1.1. Compras para Comercialização1.2. Mês Atual x Mês Ant...
AbrilMaioJunhoJulhoAgostoSetembroOutubroNovembroDezembro         TOTAL                       4.18.ESTOQUE - MEMÓRIA DE CAL...
EXPRESSÃO EM MILHÕES -EXERCÍCIOS 2006/2005           COMPONENTES                       R$         %          R$        %  ...
5.3.QUANTITATIVO DE ESTADOS E MUNICÍPIOS                Região             Estado    %       Municipios    %Centro Oeste  ...
Ceará                                  184                            7.417.402Rio Grande do Norte                    167 ...
PiauíCearáRio G.do NorteParaíbaPernambucoAlagoasSergipeBahiaSomatório     Este quadro representa o desempenho Cultural do ...
CearáRio G.do NorteParaíbaPernambucoAlagoasSergipeBahiaSomatório    Este quadro representa a quantidade de professores ati...
CONCLUSÃO    Estamos aplicando uma metodologia, tanto Cientifica quanto Técnica, para lhesproporcionar aprendizado, e conh...
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASGOLDRATT, Eliyahu M. A Meta: um processo de melhoria contínua. 2ª ed. São Paulo:Nobel, 2002.LEIT...
59
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Abc 5 da contabilidade

513 visualizações

Publicada em

ABC Da Contabilidade - Vol 5 - Por Heretiano Henrique Pereira

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
513
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Abc 5 da contabilidade

  1. 1. 1
  2. 2. “O sucesso não depende só dos outros,mas de sua confiança”. (ABRAHAM LINCOLN) 2
  3. 3. INTRODUÇÃO A matéria apresentada e desenvolvida representa pesquisas na área de Economia,Contabilidade, Gestão Pública e legislação. Esperamos que tenha contribuído para seuaprendizado e aperfeiçoamento profissional neste ABC-5. 3
  4. 4. AGRADECIMENTOS Agradeço a DEUS a oportunidade de ter conseguido, o alcance da MaestriaProfissional . Aos professores que contribuíram para o aperfeiçoamento do conhecimento. 4
  5. 5. HOMENAGENS IN MEMORIAN Minhas sinceras homenagens ao Mestre Economista Celso Furtado, pessoa que tantocontribuiu para o desenvolvimento do Nordeste brasileiro. 5
  6. 6. SUMÁRIOINTRUDUÇÃO.....................................................................................................3CAPITULO I........................................................................................................9PLANEJAMENTO1.1. GESTÃO PÚBLICA1.2. TRANSFERÊNCIAS QUALITATIVAS1.3. BALANÇA COMERCIAL1.4. MINISTÉRIOS FEDERAIS1.5. ESTADOS DA FEDERAÇÃO1.6. EVOLUÇÃO DA MAO-DE-OBRACAPITULO II..............................................................................................15PLANEJAMENTO x CONTROLE2.1. DESEMPENHO OPERACIONAL2.2. CONTABILIDADE2.3. CONHECIMENTO DE LEGISLAÇÃO2.4. PLANEJAMENTO ESTRATEGICO2.5. EXERCÍCIO PARA AVALIAÇÃO2.6. AVALIAÇÃO DE EMPRESAS2.7. CUSTO OCULTO DE MÁ QUALIDADE2.8. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS2.9. ANÁLISE DA MAO-DE-OBRA POR ATIVIDADE 6
  7. 7. CAPITULO III............................................................................................27COMPOSIÇÃO SOCIETÁRIA3.1. QUADRO SOCIETÁRIO3.2. INTRODUÇÃO A ANÁLISE DE BALANÇO3.3. ANÁLISE DE RESULTADO3.4. ANÁLISE EMPRESARIAL3.5. ESCRITURAÇÃO CONTABIL E FISCALCAPITULO IV...............................................................................................34INSTITUÍÇÃO4.1.INSTITUÍÇÃO DE ENSINO4.2.DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ECONOMICO4.3 TESTE PARA AVALIAÇÃO4.4.DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADODO EXERCÍCIO4.5.PLANO DE CONTAS4.6.INTRODUÇÃO DE AUDITORIA4.7.FRAUDES CONTABEIS4.8.FRAUDES CONTÁBEIS E FISCAL4.9.FRAUDES NO SISTEMA PÚBLICO4.10. BALANÇOS FRAUDADOS C/REGISTRO PÚBLICO4.11.ESTOQUE x LUCRO4.12.SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL4.13.CONTABILIDADE AGROPECUÁRIA4.14. CONTABILIDADE DE COOPERATIVA4.15. IMPOSTOS4.16. ANÁLISE DE PRODUÇÃO4.17. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANÁLISE FISCAL4.18. ESTOQUE – MEMÓRIA DE CÁLCULOS 7
  8. 8. CAPITULO V.............................................................................................515.1. QUADRO ESTATÍSTICO BRASILEIRO5.2. TRANSFERÊNCIAS DE RECURSOS PARA AS REGIÕES5.3. QUANTITATIVO ESTADO E MUNICIPIOS5.4. COMPOSIÇÃO DAS REGIÕES ESTADOS MUNICIPIOS E POPULAÇÃO5.5. EVOLUÇÃO CULTURAL5.6. QUADRO DE PROFESSORES A NIVEL NACIONAL5.7. GOVERNO – ORGÃOS FISCALIZADORECONCLUSÃO 8
  9. 9. CAPÍTULO I PLANEJAMENTO 1.1.GESTÃO PUBLICA INTRODUÇÃO - MACROECONÕMIA ANÁLISE PARTE DA ECONOMIA NACIONAL EXPRESSÃO EM MILHAR (R$) Componentes 2006 2005 AH %1. PIBN – Produto .Interno Bruto Nacional2.PIBE- Produto. Interno Bruto Estadual3.PIBM- Produto. Interno Bruto MunicipalPIB – Corresponde as comercializações de vendas de Produtos, Mercadorias e Serviçosrealizadas no país. E que desmembramos, para efeito Estatistico UNIÃO – CAIXA FORTE COMPONENTES 2006 2005 AH %1. ARRECADAÇÃO NACIONAL1.1. Impostos1.2. Contribuíções1.3. Taxas1.4. Previdência Social 9
  10. 10. 1.5. Loterias1.6.Receitas Financeiras1.6.1. Juros1.6.2. Variações Cambiais Ativas1.6.3. Variações Monetárias Ativas1.6.4. Ganhos de Capital1.7. Outras 1.2.TRANSFERÊNCIAS QUALITATIVAS EXPRESSÃO EM MILHAR (R$) COMPONENTES 2006 2005 AH %1.TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS2.Executivo3. Congresso Nacional3.1. Senado Federal3.2. Câmara dos Deputados4.Ministérios5. Estados6. Municípios 10
  11. 11. 1.3.BALANÇA COMERCIAL EXPRESSÃO EM MILHAR (R$) Componentes 2006 2005 AH %1.Exportações – Receita/Lucro2.(-) Importações – Investimento/ Estoque/Custo3. (=) Superávit/Déficit4. (-) Efeito Inflácionário5. (=) Superávit/Déficit Real Estamos configurando característica de Economia Política, traduzidas em Pessoal eRecursos Monetários com expressão em milhar de reais, para análise de interesse de cadaEstado . A Pesquisa apresentada corresponde ao exercício de 2006. 1.4.MINISTÉRIOS FEDERAIS MINISTÉRIOS N PESSOAL AV % RECURSOS $ AV %1. Agric.,Pec.e Abastecimento2.Cidades3.Ciência e Tecnologia4.Comando da Aeronautica5.Comando da Marinha6.Comando do Exercito7.Comunicações8.Cultura9.Defesa10.Desenvolvimento Agrário11Des.Soc. e Combate a Fome12.Dês.Ind.e Com.Exterior 11
  12. 12. 13.Educação14.Esporte15.Fazenda16.Integração Nacional17.Justiça18.Meio Ambiente19.Minas e Enérgia20.Planej.,Orç. E Gestão21.Previdência Social22.Relações Exteriores23.Saúde24.Trabalho e Emprego25.Transporte26.Turismo TOTAL 100,00 100,00 1.5.ESTADOS DA FEDERAÇÃO Apresentando pesquisas que foram desenvolvidas para análises das Regiões eEstados, envolvendo População e Transferências de Recursos, expresso em milhar de reais,que serve de Estudos EstatísticosREGIÃO/ESTADO POPULAÇÃO AV % RECURSOS R$ AV %1.CENTROESTE 100,00 100,001.DF - Brasília2.MT – Mato Grosso3. MS- Mato Grosso do Sul4. GO - Góias2.NORTE 100,00 100,00 12
  13. 13. 1. AM - Amazonas2. PA - Pará3. AC - Acre4. RR - Roraima5. AP - Amapá6. TO - Tocantins7. RO - Roraima3.SUDESTE 100,00 100,001. MG – Minas Gerais2. ES – Espírito Santo3. RJ – Rio de Janeiro4. SP – São Paulo4.SUL 100,00 100,001. PR - Paraná2. SC – Santa Catarina3. RS – Rio Grande do Sul5.NE - NORDESTE 100,00 100,001. MA - Maranhão2. PI - Piauí3. CE - Ceará4. RN – Rio Grande no Norte5. PB - Paraíba6. PE - Pernambuco7. AL - Alagoas8. SE - Sergipe9. BA - BahiaTOTAL GERAL 100,00 100,00CentroesteNorteSudeste 13
  14. 14. SulNe - Nordeste 1.6.EVOLUÇÃO DO CUSTO DA MÃO-DE-OBRA EXPRESSÃO EM MILHAR Estamos apresentando Quadro para análise do desempenho da Mão-de-obra dosMinistérios, e logo em seguida observar em quanto compromete a Receita Interna daUnião, traduzido em Taxa (%) MINISTÉRIOS ATIVO INATIVO PENCIO. TOTAL1. MÃO-DE-OBRA 100,001.1. Justiça(%) Indicadores 100,001.2. Educação(%) Indicadores 100,001.3. Fazenda(%) Indicadores 100,001.4. Integração Nacional(%) Indicadores 100,00 14
  15. 15. 1.7.RETROSPECTIVA ECONÕMICA EXPRESSÃO EM MILHAR (R$) E (%) COMPONENTES 2006 2005 AH %1. UNIÃO – CAIXA FORTE1.1. (-) Transferências de Recursos para os Ministérios1.2. (-) Transferências de Recursos para Investimentos1.3. (-) Transferências de Recursos para os Estados1.4. (-) Transferências de Recursos para os Municípios1.5. (-) Dispendios1.6. (-) Outros1.7. (=) Superávit/Déficit Os tópicos apresentados, serve para Mensurar o Crescimento ou queda natransferências de Recursos na área econômica e Financeira. Definimos essas operaçõespara avaliar o comportamento da Gestão Pública. CAPÍTULO II PLANEJAMENTO x CONTROLE 2.1.DESEMPENHO OPERACIONAL1 . FLUXO DE CAIXA – Empresas e Entidades devem controlar as entradas e saídas deRecursos , para evitar enganos ou erros nas operações, a falta desse instrumento produzmuitas das vezes fraudes no fluxo de papéis, evite esses atropelos, onde com isso a empresaapresentará bons resultados operacionais.2 . ESTOQUE – INVENTÁRIADO – Os estoques de modo geral devem sofrer contagensnos seus itens, conhecidos como itens inventariados, tanto no mês como no final de 15
  16. 16. exercício. Necessário é que se faça o acompanhamento qualitativo e quantitativo, paraevitar variações, onde com isso a empresa apresentará bons resultados.3 . LUCRATIVIDADES – As empresas devem apresentarem as três (3) linhas delucratividade, como: LOB – Lucro Operacional Bruto: LOL – Lucro Operacional Líquidoe LL- Lucro Líquido. Deixamos de comentar sobre lucro não operacional e despesas nãooperacionais, que servem para cálculos de avaliações.4 . ROI – Retorno Operacional de Investimento – Na conclusão do exercício asempresas ou entidades devem elaborar seus Balanços, tanto Patrimonial quanto deResultados, sem a preparação dessas peças, ficamos sem condições de efetuar determinadoscálculos para mensuração de valores Monetários.5 . GARGALO DE PRODUÇÃO – Esta terminologia representa as restrições de algunsitens no segmento de produção, principalmente quando existe perdas ou variações de mão-de-obra e materiais no processo de fabricação.6 . NÃO GARGALO – Quando a empresa apresenta um desempenho eficiente, semdemonstrar variações relevantes no processo de produção, podemos dizer que não existegargalo, porque atinge a meta de produção desejada.7 . META EMPRESARIAL – Todo empresa apresenta, processo para obter RecursosFinanceiros, e logo em seguida multiplicar seus valores alcançando seus objetivos, tantono Investimento quanto nos Resultados, onde com isso devem demonstrar lucro e nuncaprejuízo, salvo dificuldades na comercialização de seus produtos, ou queda nas vendas.8 . PREÇO DE VENDA DE PRODUTOS – Existe nas empresas alguns critérios de comoelaborar preço de venda do produto, algumas empresas projetam seus preços baseado emcálculos tradicionais, multiplicando o custo por 1,5 ( um e meio); 2 ( dois) ou 3 ( três).vezes. Para as empresas organizadas, procuraram calcular seus preços, projetandoindicadores para obter lucratividade desejada, conhecido como MARK – UP. 16
  17. 17. 9 . MERCADO COMPETIDOR – As empresas quando elaboram seus preços de vendas,geralmente procuram saber qual o preço do concorrente, porque quem dita a regra depreço, é o mercado, e muita das vezes produz prejuízo na comercialização10.VARIAÇÕES DE ESTOQUE – Empresas organizadas, no início de exercício procuraelaborar seu Orçamento, e dentro do contexto registram valores que serão dados comovariação de estoque, tendo como exemplo: roubo, quebra e produtos vencidos. Portanto,aempresa deve levar em consideração um indicador para calcular o valor da contabilização elogo em seguida dá baixa no estoque. Debitando DESPESAS COM VENDAS - variaçõesde estoque e creditando ATIVO CIRCULANTE – Estoque de mercadorias11.CONTRIBUÍÇÕES E DOAÇÕES – Para as empresas que estão tributadas peloLUCRO REAL, que é conhecido como LUCRO FISCAL, esses valores são adicionadosao lucro para efeito fiscal, muito embora na contabilidade sofra dedução do lucro contábil.,de acordo com o que preceitua a legislação do Imposto de Renda. 2.2. CONTABILIDADE1. CONTABILIDADE – É uma ciência que estuda controla e pratica ATOS E FATOSAdministrativos e que classificamos da seguinte forma:1.1 ATO – É tudo que não altera o Patrimônio, tendo como exemplo, cotação de preço, istonão modifica o Patrimônio.1.2 FATO – É tudo que modifica o Patrimônio, diferente do ATO, e temos como exemplo os registros: 1.2.1 Permutativo – Quando existe troca entre bens e direitos 1.2.2 .Modificativo – Este quando altera o Patrimônio, tendo como exemplo: venda de produto ou mercadorias. 17
  18. 18. 1.2.3 Misto – Quando envolve os dois itens anteriores, tendo como exemplo acompra de mercadorias, e pagamento do título com atraso 2.3.CONHECIMENTO DE LEGISLAÇÃOContabilidade – Este estudo tem uma série de divisões, como: ContabilidadeComercial, Industrial, Geral, Custo ,Gerencial e outras. Onde para se ter domíniodessas disciplinas, deve-se procurar estudar pelo menos alguns itens de legislação,como: Código Civil; Código de Processo Civil; Código Penal; Código TributárioNacional; Direito Comercial; Lei das Contravenções Penas sendo que o interessedo estudo contábil, envolve outras disciplinas como Sociologia; EconomiaPolítica ;Matemática e outras de interesse da sociedade. 2.4..PLANEJAMENTO ESTRATEGICOPlanejamento Estratégico – É toda previsão baseada para utilização de Recursospara o futuro, definindo de forma clara suas aplicações.Orçamento – É um instrumento que serve de base para acompanhamento eaplicações dos Recursos, tanto na entrada quanto na saída.. Isso provocaequilíbrio econômico financeiro da empresa. Orçamento nada mais é do queprevisão para futuras realizações monetárias. Muita das vezes podemos qualificarem Curto e Longo Prazo, também encontramos o orçamento denominado deOBZ, ou seja Orçamento Base Zero, que é aquele que não deixa nenhumresultado 18
  19. 19. DADOS - São informações de fatos expresso através de simbologia numérica queserve para conhecimento e tomada de decisõesCONTROLE – É o sistema de comunicação ( FEEDBACK ), que persiste maioreficiência no acompanhamento de itens qualitativos e quantitativos.COMUNICAÇÃO – Os principais sistema são: Emissor, Imagem e Receptor.Emissor – Pode ser uma pessoa ou aparelho de comunicação etc.Imagem – É a comunicação transmitida de forma oral, visual ou por escrito.É aquele que recebe impressões, através de mensagens verbal ou por escrita.Receptor – É aquele que recebe impressões através de mensagens verbal ou porescritaPatrimônio – É um conjunto de Bens e Direitos, representados por valoresmonetários e que se divide em tangível e intangível ou corpóreos ou incorpóreos LEGISLAÇÃO – PESSOA JURIDICA1 .DISSOLUÇÃO DE PESSOA JURÍDICA - O art. 207 da Lei n/ 6.404/76 (Lei das S.A.),” A pessoa jurídica dissolvida causada a personalidade até aextensão, com o fim de proceder a liquidação”.A dissolução não extingue a personalidade jurídica de imediato, pois a pessoajurídica continua a existir até que se conclua as negociações, pendentes,procedendo-se a liquidação da ultimada conforme disposto no art. 51 da lei n/10.406 de 2002 ( Código Civil)2 . FUSÃO DE SOCIEDADES - A fusão é a operação pela qual se unem duas oumais sociedades para formar sociedade nova, que lhes sucederá em todos osdireitos e obrigações ( Lei das S.A – Lei n/ 6.404/76 art 228; Código Civil – Lei 19
  20. 20. 10.406 de 2002, art 1.119). Com a fusão desaparecem todas as sociedades anteriores para dar lugar a uma só, na qual todas elas se fundem extinguindo-se todas as pessoas jurídica existente, seguindo antes em seu lugar. A sociedade que surge assumirá todas as obrigações ativas e passivas da sociedade funcionada.3. TIPOS DE SOCIEDADE QUE PODIA PROCEDER INCORPORAÇÃO,FUSÃO OU CISÃO – A incorporação, fusão ou cisão podem ser operadas entresociedade de tipos iguais ou diferentes e deverão ser deliberadas na forma prevista paraa alteração dos respectivos estatutos ou contratos sociais.Nas operações em que houver criação de sociedade serão observada as regularidadesda constituição das sociedades do seu tipo ( Lei das S.A. Lei 6.404 de 1976, art. 223&& 3 e 4, acrescentados pela Lei n/ 9.457 de 1997)Notas: Com relação aos itens de registro de comércio não se aplicam às firmasindividuais, os processos de incorporação, fusão ou cisão de empresa.Fonte: Perguntas e Respostas – Pessoa Jurídica – Ano calendário 2004 – Ministério daFazenda – Secretaria da Receita Federal. 2.5.EXERCÍCIO PARA AVALIAÇÃO Apresentamos exercício para avaliação e desempenho do seu conhecimento,assinalando com (x) se Ativo ou Passivo Patrimonial e (xx) se conta de Resultado doAtivo ou Passivo, conforme indicamos em seguida:: 20
  21. 21. Componentes - I Ativo Passivo1 . Reserva Lega2. Variações Monetárias Ativas3. Abatimentos4. Lucros em Suspenso – DL-2627/405. Custo das Vendas6. Lucro ou Prejuízo Acumulado ( Lei – 6404/76)7. Variações de Estoque8. Custo Agrícola9. Provisão de Férias10 Resultado da Correção Monetária – DL-1598/7711. Duplicatas Descontas12. Custo de Fabricação13.Equivalência Patrimonial L- 6404/7614 Custo dos Produtos Vendidos15 Duplicatas Caucionadas16 Mercadorias para Revenda17 Sobras e Perdas – L – 5764/7118. Bancos c/ Movimentos19. Depreciação20. Lucros e Perdas ( DL – 2627/40 ) Componentes - II Ativo Passivo1 . Comissões2. Provisão para Depreciação3. D.R.E.4. Provisão para Comissões5. PIS a Pagar6. Reservas de Lucros7. Ações de Empresas8. Custo Fixo 21
  22. 22. 9. Duplicatas Descontadas10 Custo de Produção11. Aplicações Financeiras12. Edificação13 Venda de Produtos14 Depreciação Acumulada15 INSS a Pagar16 Av. Prévio e Indenizações17. Serviços Prestados18. Amortização19. Ativo Fixo20. Reservas Patrimoniais Componentes - III Ativo Passivo1 . Pró - labore2. Custo Direto3. Demonstração do Resultado Econômico4. Custo Indireto5. Imposto de Renda a Recuperar6. Custos Variáveis7. Perda de Capital8. Custos Indiretos9. Variações Cambiais Passivas10 Ganho de Capital11. Provisão 13 Salário12. Safra Fundada13 Custo dos Serviços14 Aplicações Financeiras15 ICMS a Recuperar16 Safra em Curso 22
  23. 23. 17. Venda de Produtos Agrícolas18 Safra em Formação19. Produtos Acabados20. Provisão de Férias 2.6.AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Quando a empresa passa por um processo de AVALIAÇÃO do seu PATRIMÔNIO, dar-se o nome de VALORIMETRIA, que é a Tecnologia de Avaliação, onde geralmente é usado pelos Contadores Peritos em Contabilidade. 2.7.CUSTO OCULTO DE MÁ QUALIDADE A indústria, quando no processo de fabricação apresenta variações, e que muita das vezes não é mensurado, produzindo assim o chamado Custo de Má Qualidade. .Portanto, podemos também defini-lo como Gargalo de Produção, que não deixa de ser também restrições na fabricação de Produtos. E em função a todo esse desenrolar, podemos observar, a Demanda e Fabricação de Produtos, que não atinge o equilíbrio 2.8.DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Os relatórios apresentados, denominados de Demonstrações Financeiras, estão baseados nos princípios geralmente aceitos de Contabilidade, de acordo com o que preceitua legislação, de forma Estática e Dinâmica, que serve para medir as Contas com eficiência na área Patrimonial e Resultado, de Ativos e Passivos, inclusive detectando indícios de fraudes, essa metodologia é denominada de análise de Estrutura , para definir situações relevantes nas Demonstrações Contábeis, através de indicadores. 23
  24. 24. Com esses Resultados será emitido relatório qualitativo para tomada de decisões administrativas, obedecendo a ordem de liquidez BALANÇO PATRIMONIAL (R$) COD. Componentes 2006 R$ AV % 2005 R$ AV %1. Ativo 100,00 100,001.1 Ativo Circulante1.1.1 Disponível1.1.1.1 Caixa1.2 Bancos c/ Movimentos1.3 Aplicações Financeiras – LI1.4 Créditos de Funcionamentos1.4.1 Clientes1.4.2 Dupl. em cobrança simples1.4.3 (-) Duplicatas descontadas14.4 Duplicatas Caucionadas1.4.5 (-) Prov. Créd. Lq. Duvidosa1.4.6 Desp. do Exercício Seguinte1.5 Estoques1.5.1 Estoque Inicial1.5.2 Compras para Revenda1.5.3 (-) Estoque Final1.6 Almoxarifado1.7 Realizável a Longo Prazo1.7.1 Clientes1.8 Ativo Permanente1.8.1 Investimentos – Incorpóreos1.8.1.1 Ações de empresas1.8.1.2 Marcas e Patentes1.8.2 Imobilizado – Corpóreos1.8.2.1 Móveis e Utensílios1.8.2.2 Máquinas e Equipamentos1.8.2.3 Computadores e Periféricos1.8.2.4 Instalações1.8.2.5 Edificação1.8.2.6 Veículos1.8.2.7 Linhas Telefônicas1.8.3 (-) Depreciação Acumulada1.8.3.1 Móveis e Utensílios1.8.3.2 Máquinas e Equipamentos1.8.3.3 Computadores e Periféricos1.8.3.4 Instalações 24
  25. 25. 1.8.3.5 Edificação1.8.3.6 Veículos1.8.4 Diferido1.8.4.1 Despesas de Reorganização1.8.4.2 Desp. de Pesquisa Científica1.8.5 (-) Amortização Acumulada1.8.5.1 Despesas de Reorganização1.8.5.2 Desp. de Pesquisa Científica2. Passivo + PL 100,00 100,002.1 Créditos de Financiamentos2.1.1 Passivo Circulante2.1.1.1 Fornecedores2.1.1.2 Credores Diversos2.1.1.3 Obrigações Sociais2.1.1.4 Obrigações Fiscais2.1.1.5 Empréstimos Bancários2.2 Exigível a Longo Prazo2.2.1 Fornecedores2.2.2 Financiamentos Bancários2.2.3 Receitas do Exercício Seguinte2.3 Patrimônio Líquido2.3.1 Capital social – Integralizado2.3.2 Reserva da Capital2.3.3 Reserva de Reavaliação2.3.4 Outras reservas2.3.5 Lucro/Prejuízo Acumulado3. Demonstração de Resultado3.1 Receita Bruta 100,00 100,003.2 Venda de Mercadorias3.3 Receitas de Serviços3.4 Receita Financeira4. (-) Deduções de Receitas4.1 Imposto de Renda - SIMPLES4.2 ICMS4.3 ISS4.4 Devoluções4.5 Outras5. (=) Receita Líquida6. (-) Custos6.1 Custos das Vendas6.2 Custos dos Serviços6.3 Outros7. (=) Lucro Bruto8. (-) Despesas Operacionais8.1 Administrativas 25
  26. 26. 8.2 C/ vendas8.3 Financeiras Líquidas8.4 N /Dedutíveis8.5 Depreciação9. (=) lucro Operacional Líquido10. (=) Lucro Líquido11. % Taxa de Lucratividade 2.9.ANÁLISE DA MÃO-DE-OBRA POR ATIVIDADE COD. Componentes 2006 R$ AV % 2005 R$ AV %1. Administração –1.1 Pró-Labore1.2 Salários1.3 FGTS1.4 Previdência1.5 13º Salário1.6 Férias1.7 Av. Pré. Indenização1.8 Vale Transporte1.9 Vale refeição1.10 OutrosTotal2. C/Vendas –2.1 Salários2.2 Comissão2.3 FGTS2.4 Previdência2.5 13º Salário2.6 Férias2.7 Av. Pré. Indenização2.8 Vale Transporte2.9 Vale refeição2.10 OutrosTotal3. Oficina –3.1 Salário3.2 FGTS3.3 Previdência3.4 13º Salário3.5 Férias3.6 Av. Pré. Indenização 26
  27. 27. 3.7 Vale Transporte3.8 Vale refeição3.9 OutrosTotalSomatório CAPÍTULO III COMPOSIÇÃO SOCIETÁRIA 3.1.QUADRO SOCIETÁRIO EXPESSÃO EM REAL (R$) SÓCIOS VALOR R$ AV. %1. João dos Santos 100.000,00 16,672. Maria da Silva 200.000,00 33,333 Antonio Vasconcelos 300.000,00 50,00TOTAL 600.000,00 100,00 3.2.INTRODUÇÃO A ANÁLISE DE BALANÇO (%)COD. COMPONENTES 2006 20051. Giro do estoque2. Giro do ativo - Operacional3. Liquidez Corrente4. Liquidez Global5. Taxa Retorno do investimento6. Taxa Retorno do PL - Capital7. Taxa de Solvência8. Lucro Operacional Bruto9. Lucro Operacional Líquido10 Lucro Líquido 27
  28. 28. 3.3.ANÁLISE DE RESULTADO-2006 COMPONENTES R$ AV %1. RECEITA BRUTA 148.000, 100,001.1 Vendas de Mercadorias 8.000, 5,411.2 Receita de Serviços 140.000, 94,592. (-) Custos Variáveis 33.818, 22,852.1 Custos das Vendas 4.800, 3,242.2 Custos do Serviços 16.778, 11,342.3 Impostos 12.240, 8,273. (-) Custos Fixos 80.889, 54,653.1 Administração 37.883, 25,603.2 C /Vendas 6.142, 4,153.3 financeiro 10.800, 7,303.4 Outros 26.064, 17,60(=) Superávit/ Déficit 33.293, 22,50 3.4.ANÁLISE EMPRESARIAL 1 . ADM – Administração 1.1. Contrato Social 1.2. Quadro Societário 1.3. Aditivos 1.4. CNPJ – Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica 1.5. Inscrição Estadual 1.6. Inscrição Municipal 1.7. Alvará de Funcionamento 1.8. Outros 28
  29. 29. 2. RH – RECURSOS HUMANOS2.1. Seleção de Pessoal2.2. Admissão2.3. Registro de Empregados2.4. Demissão – Rescisões Contratuais2.5. Folha de Pagamento – Mensal2.6. Folha de Pagamento 13 salário2.7. Registro no PIS2.8. DIF2.9. RAIS2.10 Planilha de Custo da Folha - Por Atividade2.11 Guia de Recolhimento – Previdência Social2.12 Guia do FGTS2.13 CAGEDE – Rotação de Pessoal2.14 Outros Informes 3– CARTEIRA FISCAL - ENCARGOS FISCAIS3.1. Registro de Entradas de Mercadorias3.2. Registro de Saídas de Mercadorias3.3. Apuração dos Impostos – IPI – ICMS3.4. Registro de ISS3.5. Registro de Talonários e Termo de Ocorrência3.6. Registro de Inventário3.7. Informações Fiscais3.7.1. Exatoria Federal3.7.2. Exatoria Estadual3.7.3. Exatoria Municipal3.7.4. Outros Informes 29
  30. 30. 4 – ALMOXARIFADO4.1. Controle no recebimento de Materiais4.2. Controle nas Saídas4.3. Conferência de Pedido com documento fiscal4.4. Controle no preço de custo4.5. Planilha Resumo do mês – por centro de custo4.6. Manter estoque mínimo4.7. Entrega de materiais com visto autorizado4.8. Outros informes. 5- REFEITORIO5.1. Controle de Equipamentos e Acessórios5.2. Controle no recebimento de alimentos5.3. Número de Refeições Servidas no mês5.4. Cálculo do preço de custo unitário5.5. Planilha do atendimento por atividade5.6. Planilha com estatística5.7. Outros informes 3.5.-ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL E FISCAL6.1. Balanço Patrimonial6.2. Demonstração de Resultado do Exercício ( DRE)6.3. Balancetes Preliminares6.4. Livro Razão6.5. Livro Diário – Registrar em Cartório ou Junta Comercial6.6. PJ – Declaração de Imposto de Renda6.7. PF – Declaração de Imposto de Renda dos Sócios6.8. Lançamentos Contábeis6.9. Outros 30
  31. 31. -AUDITORIA7.1. Contrato com Auditoria7.2. Planejamento para execução do Trabalho7.3. Análise por Departamento – Amostragem7.4. Outros Informes7.5. Parecer de Auditoria – DEPARTAMENTO COMERCIAL8.1. Ato – Cotação para compra Matéria Prima e materiais8.2. Controle nos Recebimento de compras8.3. Controle nas saídas de Produtos8.4. Planilha Resumo do mês sobre as vendas8.5. Cálculo do Preço de Custo e Venda8.6. Manter Estoque Mínimo – Produtos e Mercadorias8.7. Entrega de Mercadorias com visto autorizado8.8. Outros LANÇAMENTOS CONTÁBEIS DA FOLHA DE PAGAMENTO QUARTA (4 ª) FÓRMULA DE LANÇAMENTO1 . DOS RENDIMENTOS POR ATIVIDADE1.1. D – CR – Despesas Administrativas Ordenados e Salários1.2. D – CR – Despesas c/ Vendas Ordenados e Salários1.3. D – CR – Custo de Fabricação1.4. D – CR – Custo dos Serviços Ordenados e Salários 31
  32. 32. 2, DOS DESCONTOS POR ATIVIDADES2.1. C- PC – INSS a Recolher2.2. C – PC - Credores Diversos JK – Sociedade Privada2.3. C – AC – Adiantamento a Empregado – Descriminar2.4. C – CR – Receita Financeira Vale Transporte2.5. C – PC – INSS a Recolher Salário Família2.6. C- PC – Ordenados e Salários a Pagar Saldo da Folha2.7. C – AC – Caixa ou Bancos c/ MovimentoNota: As contabilizações das outras atividades, segue o mesmo critério dos primeiroslançamentos, muda apenas o departamento. . Se a folha não for paga no mês aparece comoOrdenados e salários a pagar e se for paga no mês aparece creditando a conta de caixa ouBancos conta movimento 32
  33. 33. SOGESTÕES CONTÁBEIS E FISCAIS Sugerimos aos nossos Contribuintes de modo geral, que procurem fazer suascontabilizações dos Fatos Contábeis, independente da forma de tributação, com essaprática qualquer gerente fica em condições de medir os Resultados apresentados, inclusiveobservar como está o desempenho da empresa, se está proporcionando lucro ou prejuízo;como também acompanhando suas contas a Receber e a pagar, tudo para evitar futurosatropelos com o Fisco Federal. Estadual e Municipal.1 . Resultados – Itens de fundamental importância, que deve ser analisado , para tomadade decisões Administrativas, de acordo com o que configuramos: 1.1. Faturamento ou Venda 1.2 Impostos – União – Estado e Município 1.3 .Custo das Vendas ou Serviços 1.4. Despesas de modo Geral 1.5. Lucratividade 1.6. Taxa de Lucratividade2.Cálculo da Taxa de Lucratividade : Temos como exemplo o seguinte cálculo para seuconhecimento: Taxa de lucratividade multiplicado ( 100 ) e dividido (:) pelo Faturamento.. 3. Patrimônio – Observe como anda o Patrimônio de sua empresa, se está tendo crescimento ou está comprometido com o capital de terceiro, ou seja fornecedores e bancos , evite esse tipo de comportamento .4 .Contadoria – Não espere somente informações do Contador, procure se inteirar de suasoperações, exigindo explicações, principalmente na área tributária ( Fiscal) 33
  34. 34. 5. Caixa – Quando a empresa apresenta-se desordenada, e considera emissão de chequesdentro de caixa, provocando indícios de fraudes e erros. É porque as operações, muita dasvezes estão erradas, onde consideramos desvio de Recursos, de acordo com o quepreceitua a legislação. Observe qual o saldo de caixa, mantenha cuidado com omissões,enganos ou erros, isso traz reflexo fiscal junto as Exatorias.; Federal, Estadual. EMunicipal.6 . Contas Bancárias – Mantenha o máximo de cuidado com as taxas financeiras junto aosistema bancário, isso muita das vezes leva a empresa a entrar em fase de endividamento7 . Balancete Preliminar - Solicite de seu Contador o balancete para analisar suas contas,sem essa peça se torna inviável qualquer comentário a respeito da Empresa ou Entidade.. CAPÍTULO IV INSTITUÍÇÕES 4.1. INSTITUÍÇÃO DE ENSINO 4.2.DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ECONÔMICO Componentes Valor R$ AV. %RECEITA OPERACIONAL BRUTA: 100,00Ensino InfantilEnsino Fundamental IEnsino Fundamental IIEnsino Médio IEnsino Médio IIEnsino Médio IIIPré-Vestibular 34
  35. 35. (-) Impostos(=) RECEITA OPERACIONAL LIQUIDA(-) Custo dos Serviços(=) LUCRO OPERACIONAL BRUTO(-) DESPESAS OPERACIONAISAdministrativasGeraisFinanceiras LíquidasN/Dedutíveis(=) LUCRO /PREJ. OPERACIONAL LÍQUIDO(-) Provisão Contribuição Social(-) Provisão Imposto de Renda(=) LUCRO LÍQUIDO(=) % Taxa de Lucratividade 4.3.TESTE PARA AVALIAÇÃO A matéria apresentada é para avaliar seu conhecimento de nomenclaturas contábeis,assinalando (x) se Ativo ou Passivo. DESCRIÇÃO ATIVO PASSIVOSobras e PerdasReserva MatemáticaVariações Monetárias PassivasCorreção MonetáriaProvisão para ComissõesCapital SubscritoSafra em FormaçãoPerda de Capital 35
  36. 36. Contas de CompensaçãoReserva de Incentivo FiscalCusto dos ServiçosSafra FundadaPró-laborePrevidência a RecolherVariações Monetárias AtivasVariações Cambiais AtivasICMS a PagarProvisão Imposto de RendaSalário FamíliaReserva de Incentivo Fiscal 4.4.DRE – DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO COMPONENTES VALOR R$ AV. %RECEITA BRUTA: 100,00Venda de Produtos a VistaVenda de Produtos a Prazo(-) Deduções de Vendas(=) RECEITA OPERACIONAL LIQUIDA(-) CPV – Custo dos Produtos Vendidos(=)LOB – LUCRO OPERACIONAL BRUTO(-) Despesas OperacionaisAdministrativasC/Vendas 36
  37. 37. Financeiras LiquidaN/Dedutíveis(=) LOL – LUCRO OPERACIONAL LIQUIDO(-) Provisão Contribuição Social(-) Provisão Imposto de Renda(-) Provisão Participação de Empregados(=) LUCRO LIQUIDO(=) % Lucro por Quota ou Ação 4.5.PLANO DE CONTAS PLANO DE CONTAS – EMPRESA INDUSTRIAL S.A. Elaboramos um Plano de Contas de Empresa S.A. de capital fechado, comnomenclaturas de fácil interpretação, baseado na Lei 6.404/76. Deixamos a codificaçãosobre sua responsabilidade.CODIF. DESCRIÇÃO ESTATICO DINAMICO ATIVO x ATIVO CIRCULANTE x Dispinível x Caixa x Fundo Fixo x Bancos c/ Movimentos x Banco do Brasil S.A. x Banco do Ne. Do Brasil x Banco Real S.A. x 37
  38. 38. Aplicações Financeiras-Liq.Imediata xBanco do Brasil S.A. xBanco do Ne. Do Brasil xBanco Real . S.A. x(AO) Créditos de Funcionamento xClientes – Descriminar x(-) Duplicatas Descontadas x(-) Provisão para Devedores Duvidosos xAdiantamento a Empregados xAdiantamento a Fornecedores xDespesas de Exercício Seguinte xAlmoxarifado xEstoque de Produtos xProdutos Elaborados xProdutos em Elaboração xEstoque Final Inventariado xEstoque de Materiais xMatéria Prima xMatéria Secundária xMaterial de Embalagens xOutras Contas xDevedores Diversos xRealizável a Longo Prazo xClientes – Descriminar xColigadas e Controladas xAdiantamento a Fornecedores xAdiantamento a Gestores xAtivo Permanente xInvestimento – Incorpóreos xAções de Empresas x 38
  39. 39. Ações de Instituições Financeiras xDepósito para Incentivo Fiscal xMarcas e Patentes ( Bandeira ) xImobilizado – Corpóreos xMáquinas e Equipamentos xEdificação xTerrenos xInstalações xComputadores e Periféricos xLinhas Telefônicas x(-) Depreciação Acumulada xMáquinas e Equipamentos xEdificação xInstalações xComputadores e Periféricos xDIFERIDO xDespesas Pré-Operacionais xDespesas de Reorganização xDespesas de Pesquisas Científicas x(-) Amortização Acumulada xDespesas Pré – Operacionais xDespesas de Reorganização xDespesas de Pesquisas Científicas x(-) CONTAS DE RESULTADOS –ATIVO xCusto dos Produtos xCusto dos Produtos Vendidos xCusto de Fabricação xOrdenados e Salários x13 Salário xFérias x 39
  40. 40. FGTS xPrevidência Social xVale Transporte xMatéria Prima xMatéria Secundária xMaterial de Embalagens xManutenção e Conservação xLuz e Força xÁgua xMaterial de Expediente xViagens e Estadas xAmortização xDepreciação xTransferência xDespesas Administrativas xPró- labore xOrdenados e Salários x13 Salário xFérias xPrevidência Social xFGTS xVale Transporte xAv. Prévio e Indenizações xImpostos e Taxas xManutenção e Conservação xAlugueis xCombustíveis e Lubrificantes xÁgua xLuz xTelefone x 40
  41. 41. Viagens e Estadas xDevedores Duvidosos xDepreciação xDespesas c/ Vendas xOrdenados e Salários xComissões x13 Salário xFérias xFGTS xPrevidência Social xVale Transportes xCombustíveis e Lubrificantes xAlugueis xManutenção e Conservação xMídia e Publicidade xDepreciação xDespesas Financeiras xJuros ou Incorridos xVariações Monetárias Passivas xVariações Cambiais Passivas xPerda ou Ganho de Capital xEstabilização Econômica xDespesas n/ Dedutíveis xMultas Fiscais - Autos xPASSIVO xPASSIVO CIRCULANTE xFornecedores Nacionais - Descriminar xFornecedores Estrangeiros - Descriminar xCredores Diversos xSAELPA AS - Energia x 41
  42. 42. Dividendos a Pagar xEncargos Sociais a Pagar xPrevidência Social xFGTS xVale Transportes xProvisões Diversas xProvisão 13 Salário xProvisão de Férias xProvisão Vale Transportes xEncargos Fiscais a Pagar xICMS – Imposto s/ Circ. De Mercadorias xPIS – Plano de Integração Social xCOFINS xOutros xEmpréstimos Bancários xBanco do Brasil S.A. xBanco do Ne. Do Brasil xBanco Real S.A. xExigível a Longo Prazo xColigadas e Controladas xFinanciamentos Bancários xBanco do Brasil S.A. xBanco do Ne.do Brasil xBanco Real S.A. xReceita de Exercício Seguinte xReceita de Exercício Futuro xPL- PATRIMÕNIO LÍQUIDO xCapital Social Integralizado x(+) Subscrição de Capital xRes. De Capital x 42
  43. 43. Res. De Reavaliação xRes.de Incentivo Fiscal xRes. De Contingência xRes. Legal xRes.de Lucros xLucro / Prejuízo Acumulado x(+) CONTAS DE RESULTADOS -Passivo xRECEITA BRUTA xVenda de Produtos à vista xVenda de Produtos à Prazo xOutras Vendas x(-) Deduções de Vendas xICMS – Imposto s/ Circ.de Mercadorias xPIS – Plano de Integração Social xCOFINS xDevoluções xAbatimentos ou Descontos xComissões xReceita Financeira xJuros Recebidos xVariações Monetárias Ativas xVariações Cambiais Ativas xGanho ou Perda de Capital xEstabilização Econômica x+/- DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO x+/ - Resultado Final x 43
  44. 44. 4.6.INTRODUÇÃO A AUDITORIA 4.7.FRAUDES CONTÁBEIS As empresas que não tem controles internos, geralmente é vítima de fraudes, muitadas vezes intencional, as contas que mais apresentam anomalias contábeis são: Clientes,depreciação, imobilizado, fornecedores, capital e empréstimos bancários. Tudo parareduzir a carga tributária, caso a empresa seja tributada pelo Lucro Real ( Fiscal), equando na visita de exatores, surge os Autos sobre as fraudes praticadas, deixando aEntidade em situação embaraçosa. Evite esses tipos de operações, lembramos que essassituações não ocorrem somente em nosso país, mas em todo o mundo. 4.8.FRAUDES CONTÁBEIS x FISCAIS Literalmente toda fraude por mais calculada que seja , sempre existe maiôs dedetectar, principalmente quando se começa levantar dados a nível de Auditoria ePerícia, através de indicadores, geralmente se encontra indícios. Vejamos uma fraude degrande relevância, onde temos como exemplo: Planilha demonstrando faturamentoexpressivo, sem definir o que foi vendido à vista ou a prazo, mas que não ocorreu ofato, usado de modo sistemático junto ao sistema financeiro, propondo adquirirRECURSOS para giro dos negócios, mas que no fundo a empresa não opera com asinformações produzidas, acarretando de imediato taxa de endividamento bastanterelevante, e que muitas das vezes apresenta falência EXTRAJUDICIAL OUJUDICIAL porque não existe capacidade de pagamento ( liquidez). Necessitamos que essas informações sejam emitidas corretamente, e que o receptorexija comprovação através da escrita fiscal, com suas formalidades, pelo menosapresentando recolhimento de algum tributo, onde de posse desse tópico, se calcula seexiste divergências nos valores. 44
  45. 45. Uma das fraudes que existe no mercado é a fabricação de Balanços, semacompanhamento da Declaração do Imposto de Renda – pessoa jurídica, paracomprovar a exatidão dos Fatos contábeis e Fiscais. Todo esse mecanismo queacabamos de apresentar é de responsabilidade criminal do contribuinte e contabilista,observe a legislação do nosso país. Atualmente os contabilistas para comprovar rendimentos de seus clientes, emitemdocumento que comprovam tais Recursos, que este deve ser informado paracontabilização dos fatos, caso exista escrita contábil. E muita das vezes isso nãoacontece, e que consideramos omissão de dados, podendo o contribuinte e oscontabilistas responder criminalmente, pela falsidade ideológica dos fatos apresentados 4.9.FRAUDES NO SISTEMA PÚBLICO. Atualmente, estamos vivendo os maiores escândalos que envolve fraudes nosSistemas Públicos como: Federal, Estadual e Municipal, principalmente sobre superfaturamento e Licitações Públicas, mesmo existindo Órgãos Fiscalizadores como:TCE- Tribunal de Contas do Estado ; TCU- Tribunal de Contas da União eoutros Órgãos Controladores, para coibir essas ações, e que muita das vezes não sechega ao julgamento final, porque o que predomina é efeito político , traduzido ematitudes criminosas. Essas decisões acarreta EVASÃO de divisas em nosso país, euma minoria se torna privilegiada com crimes arquitetados, prejudicando todasociedade. Evite essas operações, procurando trabalhar corretamente elevando asociedade e dando bons exemplos de seriedades. Temos a LC – 101/00 - Responsabilidade Fiscal, que procura corrigir uma série deenganos junto aos Gestores Públicos, isso precisa ser incrementado para evitar desviode Recursos. Os legisladores tiveram a responsabilidade de corrigir atropelosverificados nos Serviços Públicos. Assim sendo, contamos com sua colaboração nosentido de evitar fraudes. Essas atitudes esquisitas não são fatos isolados em nosso país,mas em todo o mundo. 45
  46. 46. 4.10.BALANÇOS FRAUDADOS C/ REGISTRO PÚBLIÇO A maioria das empresas que participam de Licitações, não apresentamDemonstrações Financeiras adequadas, e muitas das vezes está com registro emÓrgãos Públicos. Urgentemente necessitamos de coibir essas ações, e que acontece porfalta de análise correta dos dados apresentados, produzindo assim, fraudes relevantes,junto ao Sistema Público. As atitudes a serem tomadas são de caráter simplista, apenaso Órgão deve exigir do contribuinte sua Declaração de Imposto de Renda, para checarse as informações estão sendo verdadeiras ou não, caso o contribuinte apresentefalsidade ideológica poderá responder criminalmente. Assim sendo evitaremosdesembolso de Recursos Públicos. Esta matéria serve como título de orientação fiscal, para que não seja produzidoações de ordem criminosa e desrespeitosa a sociedade Esperamos contar com suacolaboração no sentido de contribuir com a sociedade para melhores dias.. 4.11.ESTOQUE x LUCRO ESTOQUE - Esta conta deve ser registrada no Ativo Circulante, que éreconhecida como item do Ativo Operacional ou Créditos de Funcionamento, ondese transforma em Recursos, depois em Custo e Lucro, consideramos o coração daempresa. Orientamos nossos contribuintes e leitores para que sempre mantenha autocontrole, caso contrário, provoca prejuízo, faça constantemente a composição dasmercadorias, para evitar enganos ou erros Observe qual o custo que está sendocalculado, se médio aritmético, médio aritmético ponderado ou custo reposição, depreferência o melhor.. Não deixe de elaborar seu inventário, sem este item não temcomo definir a lucratividade. Observe o cálculo do lucro: Vendas (-) Custo (=) Lucro 46
  47. 47. 4.12.SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL No ano de 1988 foi creada a nova Constituição Federal, onde em um de seusArtigos estabelece a cobrança de juros a uma taxa de 12% (doze por cento ) ao ano, deacordo com o que preceitua o Artigo 192 item VIII parágrafo 3º Muito embora hajaoutros tipos de juros no mercado, determinado pelo BANCEN, que consideramos deescopo inconstitucional, salvo Lei Complementar. Onde essa prática leva aoendividamento, tanto de pessoas jurídicas quanto de físicas 4.13.CONTABILIDADE AGROPECUÁRIA. Esta contabilidade apresenta as mesmas características da contabilidade industrial,apenas no Ativo Circulante encontramos algumas nomenclaturas diferentes como:Safra em Formação – Safra Fundada e Safra em Curso, que depois de concluído,deve-se transferir para Custo Agrícola ou Custo das Vendas, calculando-se alucratividade como de costume. A empresa deve controlar sua produtividade em tonelada, como também sua vendae definir o Custo..Quanto a elaboração do Custo Agrícola está embutido os seguintesitens: Sementes, Insumos, Mão-de-obra, combustíveis e lubrificantes, energia,depreciação e outros. Para os cálculos de lucratividades obedecem os mesmossistemas de empresas industriais. 4.14.CONTABILIDADE DE COOPERATIVAS A Contabilidade das cooperativas apresenta as mesmas características dasempresas comerciais, modificando um item no Patrimônio Líquido, que ao invés deser Lucro ou Prejuízo Acumulado, chama-se de Sobras ou Faltas Acumuladas.Quanto as contabilizações, obedecem os regimes de caixa e competência. Para asoperações de compras e vendas de associados não há tributação, quando com terceiros,sofre reflexos fiscais, de acordo com o que estabelece a Lei 5764/71 47
  48. 48. 4.15.IMPOSTOS EMPRESA OU CONSUMIDOR ? Levantamos sistematicamente algumas informações junto a algumas empresas, e constatamos que foram unânimes em afirmar que tinha uma carga tributária bastante relevante, inviabilizando a comercialização. E de acordo com estudos levantados na área tributária chegamos a conclusão de que nenhuma empresa pago tributo , apenas repassa para União , Estados e Municípios, porque na realidade quem paga os encargos fiscais são os Consumidores 4.16.ANÁLISE x PRODUÇÃO Todo processo de produção requer eficiência, para que não haja tantas variações ( Gargalo), com isso poderemos proceder análises nos resultados , inclusive detectando enganos ou erros provocado nesse segmento. Onde para melhor visualização criamos uma planilha para seu entendimento, como segue: Componentes Valor R$ AV %Salários 50.000,00 15,82Encargos Sociais 40.000,00 12,66Matéria Prima 120.000,00 37,97Material Secundário 60.000,00 18,98Material de Embalagens 20.000,00 6,33Luz e Força 20.000,00 6,33Amortização 2.000,00 0,63Depreciação 3.000,00 0,95Outros 1.000,00 0,33Total 316.000,00 100,00 48
  49. 49. Elabore nova planilha de Custo, definindo valores monetários e taxas (%), para seu maior aprendizado, de acordo com os itens que elaboramos em seguida: Mão-de-obra Horas trabalhadas: 48 Matéria Prima consumida Material Secundário Material de Embalagens Energia e Força Depreciação Outros Quantidade Produzida : 12 mil peças Custo de Produção 4.17.DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANÁLISE FISCAL COMPONENTES 2006 R$ AV % 2005 R$ AV %RECEITA BRUTA 100,00 100,00Venda de ProdutosVenda de MercadoriasOutras(-) CUSTO VARIAVEISImpostosCusto das VendasCusto FinanceiroCusto Oportunidade-Capital Próprio(=) LUCRO MARGINAL(-) CUSTO FIXOPró-laboreAdministraçãoC/VendasDepreciação 49
  50. 50. (=) LUCRO LÍQUIDO(=) % Taxa Lucratividade1 . Análise de Tendência1.1. Compras para Comercialização1.2. Mês Atual x Mês Anterior1.3. Exercício Atual x Exercício Anterior Meses Exer 2006 R$ % Exer 2005 R$ % Var. % +/-JaneiroFevereiroMarçoAbrilMaioJunhoJulhoAgostoSetembroOutubroNovembroDezembro TOTAL2 . Análise de Tendência2.1 Venda de Produtos e Mercadorias2.2. Mês Atual x Mês Anterior2.3. Exercício Atual x Exercício Anterior Meses Exer 2006 R$ % Exer 2005 R$ % Var. % +/-JaneiroFevereiroMarço 50
  51. 51. AbrilMaioJunhoJulhoAgostoSetembroOutubroNovembroDezembro TOTAL 4.18.ESTOQUE - MEMÓRIA DE CALCULOS EXPRESSÃO EM REAL (R$) COMPONENTES 2006 2005 AH %1.Estoque Inicial2.(+) Compras do período3. (-) Estoque Final(=) Custo das Vendas A apresentação deste quadro, corresponde a mercadorias Inventariadas, de acordo comcálculos aritméticos, observar qual o tipo de Custo praticado nos Estoques, lembrar que aempresa deve apresentar lucratividade de acordo com o que define a legislação, ao mesmotempo efetuar cálculos se houve evolução ou queda nos períodos. CAPITULO V 5.1. QUADRO ESTATISTÍCO BRASILEIRO Estamos apresentando introdução a macroeconomia para mensurar o PIB e Recursosda União transferidos para Estados e Municípios, onde com esses tópicos podemosobservar se houve crescimento ou queda no desempenho do desenvolvimento do país. 51
  52. 52. EXPRESSÃO EM MILHÕES -EXERCÍCIOS 2006/2005 COMPONENTES R$ % R$ % % AHPIBN-Prod.Int.Bruto Nacional 100,00 100,00PIBE-Prod.Int.Bruto Estadual 100,00 100,00PIBM –Prod.Int.Bruto Municipal 100,00 100,00Captação de Recursos - União O Quadro apresentado com tópicos diferenciados é para que haja estudos comprofundidades a respeito de cada segmento, só assim podemos verificar parte dodesempenho da economia Nacional. 5.2.TRANSFERÊNCIAS DE RECURSOS PARA AS REGIÕES Região/Estado População % Recursos %Centro Oeste 11.611.491Norte 12.919.949Sudeste 72.282.411Sul 25.071.211Nordeste 47.679.381 Total 169.564.443 100,00 100,00 A planilha apresentada é para analisar, os Recursos x população, concentrado porRegião, e se fazer profundo estudo dessas relações. Deixamos de inserir valoresmonetários, tendo em vista a falta de disponibilidade de informações econômicas.. 52
  53. 53. 5.3.QUANTITATIVO DE ESTADOS E MUNICÍPIOS Região Estado % Municipios %Centro Oeste 4 14,81 466Norte 7 25,93 449Sudeste 4 14,81 1.668Sul 3 11,11 1.188Nordeste 9 33,34 1.793TOTAL 27 100,00 5.564 100,00Fonte: www. CityBrazil 5.4.COMPOSIÇÃO DAS REGIÕES ESTADOS MUNICIPIOS E POPULAÇÃO REGIÃO/ESTADO MUNICIPIOS POPULAÇÃOCENTRO- OESTE 466 11.611.491Brasília (DF) 1 2.043.169Mato Grosso 139 2.498.150Mato Grosso do Sul 77 2.075.275Góias 246 4.994.897NORTE 449 12.919.949Amazonas 62 2.840.889Pará 143 6.188.685Acre 22 557.337Rondonia 52 1.377.792Amapá 16 475.843Tocantins 139 1.155.251Roraima 15 324.152SUDESTE 1.668 72.282.411Minas Gerais 853 17.835.488Espírito Santo 78 3.093.171Rio de Janeiro 92 14.387.225São Paulo 645 36.966.527SUL 1.188 25.071.211Paraná 399 9.558.126Santa Catarina 293 5.333.284Rio Grande do Sul 497 10.179.801NORDESTE 1.793 47.679.381Maranhão 217 5.638.381Piauí 222 2.840.969 53
  54. 54. Ceará 184 7.417.402Rio Grande do Norte 167 2.770.730Paraíba 223 3.436.718Pernambuco 185 7.910.992Alagoas 112 2.817.903Sergipe 75 1.779.522Bahia 417 13.066.764Somatório 5.564 169.564.443Fonte: www. CityBrazil .Em 01.02.2007 As informações apresentadas na tabela acima , serve para análises, com profundidade,tanto do Estado quanto dos Municípios, para se obter resultados analíticos para melhorestudos de desenvolvimentos econômicos e financeiro da Nação. Essas análises deverá sertransformada em indicadores para produzir maior relevância. 5.5.EVOLUÇÃO CULTURAL Reg/Est. PHD Doutor Mestrado Pós-Grad. Graduação TotalCENTRO OESTEBrasília (DF)Mato GrossoMato G.do SulGóiasNORTEAmazonasParáAcreRondoniaAmapáTocantinsRoraimaSUDESTEMinas GeraisEspírito SantoRio de JaneiroSão PauloSULParanáSta.CatarinaRio G.do SulNORDESTEMaranhão 54
  55. 55. PiauíCearáRio G.do NorteParaíbaPernambucoAlagoasSergipeBahiaSomatório Este quadro representa o desempenho Cultural do país, e que deve ser analisado porEstado e Município, onde com isso produz uma retrospectiva da Nação. Deixamos deinserir o nome dos municípios tendo em vista apresentar uma quantidade relevante paraanálises, ficando a critério de cada Município. 5.6.QUADRO DE PROFESSORES A NÍVEL NACIONAL PROFESSORES PHD Doutor Mestrado Pós-Grad. Graduação TotalCENTRO OESTEBrasília (DF)Mato GrossoMato G.do SulGóiasNORTEAmazonasParáAcreRondoniaAmapáTocantinsRoraimaSUDESTEMinas GeraisEspírito SantoRio de JaneiroSão PauloSULParanáSta.CatarinaRio G.do SulNORDESTEMaranhãoPiauí 55
  56. 56. CearáRio G.do NorteParaíbaPernambucoAlagoasSergipeBahiaSomatório Este quadro representa a quantidade de professores ativos em nosso país, servindopara elaborarmos análises através de indicadores com relação a população. 5.7.GOVERNO ORGÃOS FISCALIZADORES Descrição Federal Estadual Municipal PrivadoBanco Central x x xReceita Federal x x xTCU-Tribunal de C.da União x x xTCE-Tribunal de C.do Estado x xControladorias. x x xElaboração de Peças - 1- Autos de Infração : 2- Laudo de Auditoria : 3- Laudo Pericial. 56
  57. 57. CONCLUSÃO Estamos aplicando uma metodologia, tanto Cientifica quanto Técnica, para lhesproporcionar aprendizado, e conhecimento de Gestão Pública e empresas Privadas.Acreditamos, que todas essas informações tenha contribuído para seu sucesso profissional,inserido neste ABC-5. 57
  58. 58. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASGOLDRATT, Eliyahu M. A Meta: um processo de melhoria contínua. 2ª ed. São Paulo:Nobel, 2002.LEITE, José Alfredo A. Macroeconomia: teoria, modelo e instrumentos de PolíticaEconômica. São Paulo: Atlas, 1994.KAHAMA, Heilio. Contabilidade Pública: teoria e prática. 4ª ed. São Paulo: Atlas,1995.SÁ. Lopes de. Curso de Auditoria. 10ª ed. São Paulo: Atlas, 2002.PIOVEZANE. Pedro de Milanélo. Constituição da República Federativa do Brasil. SãoPaulo: Rideel LTDA.1988 58
  59. 59. 59

×