SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
Disciplina: Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Física -Disciplina: Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Física -
2010.22010.2
Professor: Raul Soares Lobato JúniorProfessor: Raul Soares Lobato Júnior
Douglas Araujo CostaDouglas Araujo Costa
Fernandes Santos SouzaFernandes Santos Souza
Herbert Santana SantosHerbert Santana Santos
Jamille Santos JustJamille Santos Just
Roberta Verônica dos SantosRoberta Verônica dos Santos
Thiago Lucas de Oliveira LeiteThiago Lucas de Oliveira Leite
Thuany Santos BezerraThuany Santos Bezerra
SÃO ATOS DE VILÊNCIA FÍSÍCA OU MENTALSÃO ATOS DE VILÊNCIA FÍSÍCA OU MENTAL
COMETIDAS POR ESTUDANTES DENTRO DOCOMETIDAS POR ESTUDANTES DENTRO DO
AMBIENTE ESCOLAR,AMBIENTE ESCOLAR,
CARACTERIZADOS POR ABUSOS DE PODER,CARACTERIZADOS POR ABUSOS DE PODER,
AGRESSÕES FÍSICAS, PALAVRAS OFENSIVAS,AGRESSÕES FÍSICAS, PALAVRAS OFENSIVAS,
ENTRE OUTROS.ENTRE OUTROS.
A palavra "Bully" é de origem inglesa eA palavra "Bully" é de origem inglesa e
significa "valentão". No entanto, essesignifica "valentão". No entanto, esse
conceito é mais amplo. Para o cientistaconceito é mais amplo. Para o cientista
norueguês Dan Owelus, o bullying senorueguês Dan Owelus, o bullying se
caracteriza por ser algo agressivo ecaracteriza por ser algo agressivo e
negativo, executado repetidamentenegativo, executado repetidamente ..
O BullyingO Bullying em três termos essenciais:em três termos essenciais:
1 - O comportamento é agressivo e1 - O comportamento é agressivo e
negativo;negativo;
2 - O comportamento é executado2 - O comportamento é executado
repetidamente;repetidamente;
3 - O comportamento ocorre num3 - O comportamento ocorre num
relacionamento onde há umrelacionamento onde há um
desequilíbrio de poder entre as partesdesequilíbrio de poder entre as partes
envolvidas.envolvidas.
TIPOS DE
BULLYING
Bullying pode ser dividido em
dois conjuntos maiores:
Bullying Direto – é a forma
mais comum entre os
agressores (bullies) masculinos.
Bullying Indireto – A agressão
social ou bullying indireto é a
forma mais comum em bullies
do sexo feminino e crianças
pequenas, e é caracterizada por
forçar a vítima ao isolamento
social através de
TIPOS DE BULLYING
VerbalVerbal : chamar: chamar
nomes, ser sarcástico,nomes, ser sarcástico,
lançar calúnias oulançar calúnias ou
gozar com algumagozar com alguma
característicacaracterística
particular do outroparticular do outro
(“gordo”, “caixa de(“gordo”, “caixa de
óculos”,…)óculos”,…)
FísicoFísico : puxar,: puxar,
pontapear, bater,pontapear, bater,
beliscar ou outro tipobeliscar ou outro tipo
de violência física.de violência física.
EmocionalEmocional : excluir,: excluir,
atormentar, ameaçar,atormentar, ameaçar,
manipular, amedrontar,manipular, amedrontar,
chantagear,chantagear,
ridicularizar, ignorarridicularizar, ignorar
RacistaRacista : toda a ofensa: toda a ofensa
que resulte da cor daque resulte da cor da
pele, de diferençaspele, de diferenças
culturais, étnicas ouculturais, étnicas ou
religiosas.religiosas.
Vítimas: Pessoas que apresentem algumas
diferenças em relação ao grupo no qual estão
inseridas, como por exemplo: obesidade,
baixa estatura, deficiência física, ou outros
aspectos culturais ou religiosos.
Autores (Bullies): personalidades
autoritárias, combinadas com uma forte
necessidade de controlar ou dominar.
Estudos afirmam que inveja e ressentimento podem ser
motivos para a prática do bullying sem falar na
preocupação com a auto-imagem e o empenho em
ações obsessivas ou rígidas, rapidez em se enraivecer e
usar a força, encarar as ações de outros!
Agressividade = Bullying?Agressividade = Bullying?
 Algumas crianças
apresentam uma
agressividade não
apenas transitória, mas
permanente.
 Motivos para que
crianças se tornem
agressores crônicos,
possíveis autores de
Bullying.
 Mal acostumadas,
esperam que façam
tudo por ela.
 Sensação de poder
 Dificuldade de
relacionamento
 Inseguras
 Vítimas de algum
tipo de abuso
 O estudante Cho Seung-Hiu, 23, autor do massacre que
resultou na morte de 32 pessoas na Universidade de
Tecnologia da Virgínia, nos Estados Unidos, foi vítima
de bullying escolar. Ele era ridicularizado durante
ensino médio por causa do excesso de timidez e "jeito
esquisito de falar“.
 Um dos casos mais chocantes de bullying escolar foi o
de Curtis Taylor. Curtis foi vítima do bullying durante
três anos consecutivos: era espancado nos vestiários da
escola, suas roupas eram sujas com leite achocolatado e
seus os pertences, vandalizados. Curtis não resistiu ao
sofrimento e humilhação e suicidou em 1993.
 Os estudantes da Columbine High School, Eric Harris,
18 anos, e Dylan Klebold, 17, mataram 12 colegas e
um professor e cometeram suicídio em seguida. A história
motivou o documentário ‘Tiros em Columbine’, de Michael
Moore, que ganhou o Oscar em 2003.
BULLYING - CASOS REAIS
Curtis Taylor. Vítima de
bullying, suicidou-se em 1993.
Dylan Klebold e Eric Harris,
Massacre de Columbine, 1999
 São Paulo, 2003
Edmar Aparecido Freitas, 18 anos, era motivo de zombaria dos colegas
de classe desde os sete anos de idade. Em 2003, ele foi ao colégio em
que estudou armado com um revólver, atingiu nove pessoas e depois
se matou.
• Caso de bullying termina em tragédia em Porto Alegre
Um adolescente de 15 anos foi baleado nas costas quando descia de um
ônibus. Ele chegou a pedir ajuda, mas não resistiu e morreu no local. A
mãe do jovem acredita que o filho tenha sido vítima de bullying. Ela
afirma que os alunos riam dele por ele ser alto e obeso.
Polícia de Araraquara (SP) instaura inquérito para investigar "Rodeio das
Gordas"
O objetivo do "Rodeio das Gordas" era agarrar alunas, de preferências as
obesas, e tentar simular um rodeio --ficando o maior tempo possível sobre
a presa. Um dos organizadores do "rodeio das gordas" e criador da
comunidade do Orkut sobre o tema, diz que a prática era "só uma
brincadeira".Caso de 'bullying' em escola de Petrópolis (RJ) termina em agressão entre
os pais
Um caso de bullying em uma escola de Petrópolis termina em agressão
entre os pais das crianças. A briga aconteceu numa galeria e foi
registrada por câmeras. A mãe diz que o filho é vítima constante do filho
do agressor.
BULLYING - CASOS REAIS
Cho Seung-Hiu
Geisy Arruda antes e depois do Bullying na UNIBAN
Pixação Na UNESP, no episódio do
“Rodeio das Gordas”
PESQUISAS EPESQUISAS E
ESTUDOS SOBREESTUDOS SOBRE
OO BULLYINGBULLYING
Pesquisa mais extensa sobre BULLYING, realizada na Grã Bretanha,Pesquisa mais extensa sobre BULLYING, realizada na Grã Bretanha,
registra que 37% dos alunos do primeiro grau e 10% do segundo grauregistra que 37% dos alunos do primeiro grau e 10% do segundo grau
admitem ter sofrido BULLYING, pelo menos, uma vez por semana.admitem ter sofrido BULLYING, pelo menos, uma vez por semana.
O levantamento realizado em 2002, envolvendo 5875 estudantes de 5a a 8aO levantamento realizado em 2002, envolvendo 5875 estudantes de 5a a 8a
séries, de onze escolas localizadas no município do Rio de Janeiro, revelouséries, de onze escolas localizadas no município do Rio de Janeiro, revelou
que 40,5% desses alunos admitiram ter estado diretamente envolvidos emque 40,5% desses alunos admitiram ter estado diretamente envolvidos em
atos de Bullying, naquele ano, sendo 16,9% alvos, 10,9% alvos/autores eatos de Bullying, naquele ano, sendo 16,9% alvos, 10,9% alvos/autores e
12,7% autores de Bullying.12,7% autores de Bullying.
Estudos em vários países mostram que os atos deEstudos em vários países mostram que os atos de bullyingbullying são comuns e quesão comuns e que
pelo menos 15% dos estudantes estão envolvidos nesses comportamentospelo menos 15% dos estudantes estão envolvidos nesses comportamentos
(Bosworth, Espelage & Simon, 1999; Olweus, 1998).(Bosworth, Espelage & Simon, 1999; Olweus, 1998).
Estudos recentes mostram que jovens vitimizados estão mais propensos aEstudos recentes mostram que jovens vitimizados estão mais propensos a
apresentarem problemas comportamentais e afetivos (Hodges, Boivin, Vitaroapresentarem problemas comportamentais e afetivos (Hodges, Boivin, Vitaro
& Bukowski, 1999).& Bukowski, 1999).
As vítimas de bullying, em geral, ficam amedrontadas e com baixa
autoestima,
podendo apresentar baixo desempenho escolar, déficit de concentração e
aprendizagem.
Estudos realizados por Olweus (1993) apontam que muitas crianças vítimas
de bullying desenvolvem medo, pânico, depressão e distúrbios
psicossomáticos. Com freqüência resistem ou recusam-se a freqüentar a
escola, chegando a trocar de colégio, podendo desenvolver fobia
escolar e social e, inclusive, abandonar efetivamente os estudos (evasão
escolar). As vítimas podem, então, isolar-se socialmente, chegando muitas
vezes ao ponto de tentarem ou cometerem suicídio (Lopes Neto & Saavedra,
2003; Olweus, 1993).
Em um estudo sobre bullying, Olweus (1991) identificou que os agressores
têm uma personalidade antissocial combinada com a força física, enquanto
que as vítimas mostram-se ansiosas e fracas fisicamente.
 Utilização de tecnologias
de informação e
comunicação (internet ou
tele móvel) para hostilizar,
deliberada e
repetidamente, uma
pessoa, com o intuito de
magoá-la.
 Muito recorrente nas
escolas devido à
facilidade de acesso a
essas tecnologias.
 Acontece todos os dias
no NÃO-ESPAÇO!
(Redes sociais, bate-
papo, etc.)
Evitar exposição excessivaEvitar exposição excessiva
na Internetna Internet -- "Inclusão no"Inclusão no
mundo virtual” – como nomundo virtual” – como no
presencial – implica empresencial – implica em
correr riscos, e é precisocorrer riscos, e é preciso
mostrar aos nossos alunosmostrar aos nossos alunos
como percorrer seuscomo percorrer seus
caminhoscaminhos..
Não divulgar seus dados pessoais, ou deNão divulgar seus dados pessoais, ou de
seus familiares ou fotos, tomando cuidadosseus familiares ou fotos, tomando cuidados
com essas divulgações até mesmo nascom essas divulgações até mesmo nas
conversas com amigos.conversas com amigos.
MantenhaMantenha
distância dodistância do
agressor e seusagressor e seus
ataques, semataques, sem
responder àsresponder às
provocações eprovocações e
alimentar aindaalimentar ainda
mais sua raiva,mais sua raiva,
pois é justamentepois é justamente
isso que eleisso que ele
espera da vítima!espera da vítima!
Outra coisa importante éOutra coisa importante é
não manter segredo danão manter segredo da
ofensa. Esse momentoofensa. Esse momento
pode se tornar umapode se tornar uma
oportunidade para ooportunidade para o
jovem agredido lidarjovem agredido lidar
com os próprioscom os próprios
complexos, e superá-loscomplexos, e superá-los
buscando ajuda.buscando ajuda.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dinâmicas para palestras sobre drogas
Dinâmicas para palestras sobre drogasDinâmicas para palestras sobre drogas
Dinâmicas para palestras sobre drogasValdenice Barreto
 
Aula 3 auto-estima e idealização
Aula 3   auto-estima e idealizaçãoAula 3   auto-estima e idealização
Aula 3 auto-estima e idealizaçãoariadnemonitoria
 
Psicodrama e dinamica_de_grupo
Psicodrama e dinamica_de_grupoPsicodrama e dinamica_de_grupo
Psicodrama e dinamica_de_grupoIvo Fonseca
 
Bullying palestra
Bullying palestraBullying palestra
Bullying palestraLugus
 
Bullying não é brincadeira! Saiba o que é bullying, quais suas consequências,...
Bullying não é brincadeira! Saiba o que é bullying, quais suas consequências,...Bullying não é brincadeira! Saiba o que é bullying, quais suas consequências,...
Bullying não é brincadeira! Saiba o que é bullying, quais suas consequências,...Daniela Moreira Ramos
 
Movimento LGBT no Brasil
Movimento LGBT no BrasilMovimento LGBT no Brasil
Movimento LGBT no BrasilPedro Oliveira
 
Bullying - Nao e Coisa de Crianca
Bullying - Nao e Coisa de CriancaBullying - Nao e Coisa de Crianca
Bullying - Nao e Coisa de Criancaflaviamazs
 
Palestras motivacionais para mulheres
Palestras motivacionais para mulheresPalestras motivacionais para mulheres
Palestras motivacionais para mulheresSolange Wittmann
 
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudoO relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudoAna Cristina Balthazar
 
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sSaúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaPrevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaLuciana França Cescon
 
Raça e etnicidade para aula de sociologia
Raça e etnicidade para aula de sociologiaRaça e etnicidade para aula de sociologia
Raça e etnicidade para aula de sociologiaJoão Cardoso
 

Mais procurados (20)

Dinâmicas para palestras sobre drogas
Dinâmicas para palestras sobre drogasDinâmicas para palestras sobre drogas
Dinâmicas para palestras sobre drogas
 
Bulllying
BulllyingBulllying
Bulllying
 
Um pouco de Bion: psicanálise de grupo
Um pouco de Bion: psicanálise de grupoUm pouco de Bion: psicanálise de grupo
Um pouco de Bion: psicanálise de grupo
 
Violência na escola
Violência na escolaViolência na escola
Violência na escola
 
Aula 3 auto-estima e idealização
Aula 3   auto-estima e idealizaçãoAula 3   auto-estima e idealização
Aula 3 auto-estima e idealização
 
Psicodrama e dinamica_de_grupo
Psicodrama e dinamica_de_grupoPsicodrama e dinamica_de_grupo
Psicodrama e dinamica_de_grupo
 
Bullying palestra
Bullying palestraBullying palestra
Bullying palestra
 
Bullying - Entre alunos
Bullying - Entre alunosBullying - Entre alunos
Bullying - Entre alunos
 
Bullying no ambiente escolar
Bullying no ambiente escolarBullying no ambiente escolar
Bullying no ambiente escolar
 
Bullying não é brincadeira! Saiba o que é bullying, quais suas consequências,...
Bullying não é brincadeira! Saiba o que é bullying, quais suas consequências,...Bullying não é brincadeira! Saiba o que é bullying, quais suas consequências,...
Bullying não é brincadeira! Saiba o que é bullying, quais suas consequências,...
 
Movimento LGBT no Brasil
Movimento LGBT no BrasilMovimento LGBT no Brasil
Movimento LGBT no Brasil
 
Bullying - Nao e Coisa de Crianca
Bullying - Nao e Coisa de CriancaBullying - Nao e Coisa de Crianca
Bullying - Nao e Coisa de Crianca
 
Bullying
Bullying Bullying
Bullying
 
Palestras motivacionais para mulheres
Palestras motivacionais para mulheresPalestras motivacionais para mulheres
Palestras motivacionais para mulheres
 
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudoO relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
 
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sSaúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
 
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaPrevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
 
Raça e etnicidade para aula de sociologia
Raça e etnicidade para aula de sociologiaRaça e etnicidade para aula de sociologia
Raça e etnicidade para aula de sociologia
 
Auto cuidado
Auto cuidadoAuto cuidado
Auto cuidado
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 

Semelhante a Estudo Aprofundado sobre o Bullying

Semelhante a Estudo Aprofundado sobre o Bullying (20)

Bullying
 Bullying Bullying
Bullying
 
Bullying na Escola.ppt
Bullying na Escola.pptBullying na Escola.ppt
Bullying na Escola.ppt
 
Bruno Hideki 6A
Bruno Hideki 6ABruno Hideki 6A
Bruno Hideki 6A
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Bullying - diferentes faces de um mesmo problema
Bullying - diferentes faces de um mesmo problemaBullying - diferentes faces de um mesmo problema
Bullying - diferentes faces de um mesmo problema
 
Bullying: Esta brincadeira não tem graça
Bullying: Esta brincadeira não tem graçaBullying: Esta brincadeira não tem graça
Bullying: Esta brincadeira não tem graça
 
Projeto anti bullyng
Projeto anti bullyngProjeto anti bullyng
Projeto anti bullyng
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Bullying: o que é e como combatê-lo?
Bullying: o que é e como combatê-lo?Bullying: o que é e como combatê-lo?
Bullying: o que é e como combatê-lo?
 
Projeto bullyng
Projeto bullyngProjeto bullyng
Projeto bullyng
 
O que é o bullying
O que é o bullyingO que é o bullying
O que é o bullying
 
A para quem ainda não sabe
A para quem ainda não sabeA para quem ainda não sabe
A para quem ainda não sabe
 
Bullying escolar cleo_fante
Bullying escolar cleo_fanteBullying escolar cleo_fante
Bullying escolar cleo_fante
 
Bullying escolar cleo_fante
Bullying escolar cleo_fanteBullying escolar cleo_fante
Bullying escolar cleo_fante
 
Bullying @@
Bullying @@Bullying @@
Bullying @@
 
O que é bullying ?
O que é bullying ?O que é bullying ?
O que é bullying ?
 

Mais de Herbert Santana

Psicologia Aplicada à Administração
Psicologia Aplicada à AdministraçãoPsicologia Aplicada à Administração
Psicologia Aplicada à AdministraçãoHerbert Santana
 
Estruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos Científicos
Estruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos CientíficosEstruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos Científicos
Estruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos CientíficosHerbert Santana
 
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação CorporalCineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação CorporalHerbert Santana
 
Introduçao à Apredizagem Motora
Introduçao à Apredizagem MotoraIntroduçao à Apredizagem Motora
Introduçao à Apredizagem MotoraHerbert Santana
 
Tendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Tendências Pedagógicas da Educação BrasileiraTendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Tendências Pedagógicas da Educação BrasileiraHerbert Santana
 
Fisiologia Humana 9 - Temperatura Corporal
Fisiologia Humana 9 - Temperatura CorporalFisiologia Humana 9 - Temperatura Corporal
Fisiologia Humana 9 - Temperatura CorporalHerbert Santana
 
Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema RespiratórioFisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema RespiratórioHerbert Santana
 
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema RenalFisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema RenalHerbert Santana
 
Fisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
Fisiologia Humana 5 - Sistema CardiovascularFisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
Fisiologia Humana 5 - Sistema CardiovascularHerbert Santana
 
Fisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
Fisiologia Humana 4 - Tecido MuscularFisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
Fisiologia Humana 4 - Tecido MuscularHerbert Santana
 
Fisiologia Humana 3 - Bioeletrogênese
Fisiologia Humana 3 - BioeletrogêneseFisiologia Humana 3 - Bioeletrogênese
Fisiologia Humana 3 - BioeletrogêneseHerbert Santana
 
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da MembranaFisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da MembranaHerbert Santana
 
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia HumanaFisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia HumanaHerbert Santana
 
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema EndócrinoFisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema EndócrinoHerbert Santana
 
Fundamentos da História da Educação
Fundamentos da História da EducaçãoFundamentos da História da Educação
Fundamentos da História da EducaçãoHerbert Santana
 

Mais de Herbert Santana (17)

Psicologia Aplicada à Administração
Psicologia Aplicada à AdministraçãoPsicologia Aplicada à Administração
Psicologia Aplicada à Administração
 
Estruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos Científicos
Estruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos CientíficosEstruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos Científicos
Estruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos Científicos
 
Sistemas de Disputa -
Sistemas de Disputa - Sistemas de Disputa -
Sistemas de Disputa -
 
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação CorporalCineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
 
Introduçao à Apredizagem Motora
Introduçao à Apredizagem MotoraIntroduçao à Apredizagem Motora
Introduçao à Apredizagem Motora
 
Tendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Tendências Pedagógicas da Educação BrasileiraTendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Tendências Pedagógicas da Educação Brasileira
 
Sistema Genital
Sistema GenitalSistema Genital
Sistema Genital
 
Fisiologia Humana 9 - Temperatura Corporal
Fisiologia Humana 9 - Temperatura CorporalFisiologia Humana 9 - Temperatura Corporal
Fisiologia Humana 9 - Temperatura Corporal
 
Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema RespiratórioFisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
 
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema RenalFisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
 
Fisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
Fisiologia Humana 5 - Sistema CardiovascularFisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
Fisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
 
Fisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
Fisiologia Humana 4 - Tecido MuscularFisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
Fisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
 
Fisiologia Humana 3 - Bioeletrogênese
Fisiologia Humana 3 - BioeletrogêneseFisiologia Humana 3 - Bioeletrogênese
Fisiologia Humana 3 - Bioeletrogênese
 
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da MembranaFisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
 
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia HumanaFisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
 
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema EndócrinoFisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
 
Fundamentos da História da Educação
Fundamentos da História da EducaçãoFundamentos da História da Educação
Fundamentos da História da Educação
 

Estudo Aprofundado sobre o Bullying

  • 1.
  • 2. Disciplina: Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Física -Disciplina: Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Física - 2010.22010.2 Professor: Raul Soares Lobato JúniorProfessor: Raul Soares Lobato Júnior Douglas Araujo CostaDouglas Araujo Costa Fernandes Santos SouzaFernandes Santos Souza Herbert Santana SantosHerbert Santana Santos Jamille Santos JustJamille Santos Just Roberta Verônica dos SantosRoberta Verônica dos Santos Thiago Lucas de Oliveira LeiteThiago Lucas de Oliveira Leite Thuany Santos BezerraThuany Santos Bezerra
  • 3. SÃO ATOS DE VILÊNCIA FÍSÍCA OU MENTALSÃO ATOS DE VILÊNCIA FÍSÍCA OU MENTAL COMETIDAS POR ESTUDANTES DENTRO DOCOMETIDAS POR ESTUDANTES DENTRO DO AMBIENTE ESCOLAR,AMBIENTE ESCOLAR, CARACTERIZADOS POR ABUSOS DE PODER,CARACTERIZADOS POR ABUSOS DE PODER, AGRESSÕES FÍSICAS, PALAVRAS OFENSIVAS,AGRESSÕES FÍSICAS, PALAVRAS OFENSIVAS, ENTRE OUTROS.ENTRE OUTROS.
  • 4. A palavra "Bully" é de origem inglesa eA palavra "Bully" é de origem inglesa e significa "valentão". No entanto, essesignifica "valentão". No entanto, esse conceito é mais amplo. Para o cientistaconceito é mais amplo. Para o cientista norueguês Dan Owelus, o bullying senorueguês Dan Owelus, o bullying se caracteriza por ser algo agressivo ecaracteriza por ser algo agressivo e negativo, executado repetidamentenegativo, executado repetidamente .. O BullyingO Bullying em três termos essenciais:em três termos essenciais: 1 - O comportamento é agressivo e1 - O comportamento é agressivo e negativo;negativo; 2 - O comportamento é executado2 - O comportamento é executado repetidamente;repetidamente; 3 - O comportamento ocorre num3 - O comportamento ocorre num relacionamento onde há umrelacionamento onde há um desequilíbrio de poder entre as partesdesequilíbrio de poder entre as partes envolvidas.envolvidas.
  • 5. TIPOS DE BULLYING Bullying pode ser dividido em dois conjuntos maiores: Bullying Direto – é a forma mais comum entre os agressores (bullies) masculinos. Bullying Indireto – A agressão social ou bullying indireto é a forma mais comum em bullies do sexo feminino e crianças pequenas, e é caracterizada por forçar a vítima ao isolamento social através de
  • 6. TIPOS DE BULLYING VerbalVerbal : chamar: chamar nomes, ser sarcástico,nomes, ser sarcástico, lançar calúnias oulançar calúnias ou gozar com algumagozar com alguma característicacaracterística particular do outroparticular do outro (“gordo”, “caixa de(“gordo”, “caixa de óculos”,…)óculos”,…) FísicoFísico : puxar,: puxar, pontapear, bater,pontapear, bater, beliscar ou outro tipobeliscar ou outro tipo de violência física.de violência física. EmocionalEmocional : excluir,: excluir, atormentar, ameaçar,atormentar, ameaçar, manipular, amedrontar,manipular, amedrontar, chantagear,chantagear, ridicularizar, ignorarridicularizar, ignorar RacistaRacista : toda a ofensa: toda a ofensa que resulte da cor daque resulte da cor da pele, de diferençaspele, de diferenças culturais, étnicas ouculturais, étnicas ou religiosas.religiosas.
  • 7. Vítimas: Pessoas que apresentem algumas diferenças em relação ao grupo no qual estão inseridas, como por exemplo: obesidade, baixa estatura, deficiência física, ou outros aspectos culturais ou religiosos. Autores (Bullies): personalidades autoritárias, combinadas com uma forte necessidade de controlar ou dominar.
  • 8. Estudos afirmam que inveja e ressentimento podem ser motivos para a prática do bullying sem falar na preocupação com a auto-imagem e o empenho em ações obsessivas ou rígidas, rapidez em se enraivecer e usar a força, encarar as ações de outros!
  • 9. Agressividade = Bullying?Agressividade = Bullying?  Algumas crianças apresentam uma agressividade não apenas transitória, mas permanente.  Motivos para que crianças se tornem agressores crônicos, possíveis autores de Bullying.  Mal acostumadas, esperam que façam tudo por ela.  Sensação de poder  Dificuldade de relacionamento  Inseguras  Vítimas de algum tipo de abuso
  • 10.  O estudante Cho Seung-Hiu, 23, autor do massacre que resultou na morte de 32 pessoas na Universidade de Tecnologia da Virgínia, nos Estados Unidos, foi vítima de bullying escolar. Ele era ridicularizado durante ensino médio por causa do excesso de timidez e "jeito esquisito de falar“.  Um dos casos mais chocantes de bullying escolar foi o de Curtis Taylor. Curtis foi vítima do bullying durante três anos consecutivos: era espancado nos vestiários da escola, suas roupas eram sujas com leite achocolatado e seus os pertences, vandalizados. Curtis não resistiu ao sofrimento e humilhação e suicidou em 1993.  Os estudantes da Columbine High School, Eric Harris, 18 anos, e Dylan Klebold, 17, mataram 12 colegas e um professor e cometeram suicídio em seguida. A história motivou o documentário ‘Tiros em Columbine’, de Michael Moore, que ganhou o Oscar em 2003.
  • 11. BULLYING - CASOS REAIS Curtis Taylor. Vítima de bullying, suicidou-se em 1993. Dylan Klebold e Eric Harris, Massacre de Columbine, 1999
  • 12.  São Paulo, 2003 Edmar Aparecido Freitas, 18 anos, era motivo de zombaria dos colegas de classe desde os sete anos de idade. Em 2003, ele foi ao colégio em que estudou armado com um revólver, atingiu nove pessoas e depois se matou. • Caso de bullying termina em tragédia em Porto Alegre Um adolescente de 15 anos foi baleado nas costas quando descia de um ônibus. Ele chegou a pedir ajuda, mas não resistiu e morreu no local. A mãe do jovem acredita que o filho tenha sido vítima de bullying. Ela afirma que os alunos riam dele por ele ser alto e obeso. Polícia de Araraquara (SP) instaura inquérito para investigar "Rodeio das Gordas" O objetivo do "Rodeio das Gordas" era agarrar alunas, de preferências as obesas, e tentar simular um rodeio --ficando o maior tempo possível sobre a presa. Um dos organizadores do "rodeio das gordas" e criador da comunidade do Orkut sobre o tema, diz que a prática era "só uma brincadeira".Caso de 'bullying' em escola de Petrópolis (RJ) termina em agressão entre os pais Um caso de bullying em uma escola de Petrópolis termina em agressão entre os pais das crianças. A briga aconteceu numa galeria e foi registrada por câmeras. A mãe diz que o filho é vítima constante do filho do agressor.
  • 13. BULLYING - CASOS REAIS Cho Seung-Hiu Geisy Arruda antes e depois do Bullying na UNIBAN Pixação Na UNESP, no episódio do “Rodeio das Gordas”
  • 14. PESQUISAS EPESQUISAS E ESTUDOS SOBREESTUDOS SOBRE OO BULLYINGBULLYING
  • 15. Pesquisa mais extensa sobre BULLYING, realizada na Grã Bretanha,Pesquisa mais extensa sobre BULLYING, realizada na Grã Bretanha, registra que 37% dos alunos do primeiro grau e 10% do segundo grauregistra que 37% dos alunos do primeiro grau e 10% do segundo grau admitem ter sofrido BULLYING, pelo menos, uma vez por semana.admitem ter sofrido BULLYING, pelo menos, uma vez por semana. O levantamento realizado em 2002, envolvendo 5875 estudantes de 5a a 8aO levantamento realizado em 2002, envolvendo 5875 estudantes de 5a a 8a séries, de onze escolas localizadas no município do Rio de Janeiro, revelouséries, de onze escolas localizadas no município do Rio de Janeiro, revelou que 40,5% desses alunos admitiram ter estado diretamente envolvidos emque 40,5% desses alunos admitiram ter estado diretamente envolvidos em atos de Bullying, naquele ano, sendo 16,9% alvos, 10,9% alvos/autores eatos de Bullying, naquele ano, sendo 16,9% alvos, 10,9% alvos/autores e 12,7% autores de Bullying.12,7% autores de Bullying. Estudos em vários países mostram que os atos deEstudos em vários países mostram que os atos de bullyingbullying são comuns e quesão comuns e que pelo menos 15% dos estudantes estão envolvidos nesses comportamentospelo menos 15% dos estudantes estão envolvidos nesses comportamentos (Bosworth, Espelage & Simon, 1999; Olweus, 1998).(Bosworth, Espelage & Simon, 1999; Olweus, 1998). Estudos recentes mostram que jovens vitimizados estão mais propensos aEstudos recentes mostram que jovens vitimizados estão mais propensos a apresentarem problemas comportamentais e afetivos (Hodges, Boivin, Vitaroapresentarem problemas comportamentais e afetivos (Hodges, Boivin, Vitaro & Bukowski, 1999).& Bukowski, 1999).
  • 16. As vítimas de bullying, em geral, ficam amedrontadas e com baixa autoestima, podendo apresentar baixo desempenho escolar, déficit de concentração e aprendizagem. Estudos realizados por Olweus (1993) apontam que muitas crianças vítimas de bullying desenvolvem medo, pânico, depressão e distúrbios psicossomáticos. Com freqüência resistem ou recusam-se a freqüentar a escola, chegando a trocar de colégio, podendo desenvolver fobia escolar e social e, inclusive, abandonar efetivamente os estudos (evasão escolar). As vítimas podem, então, isolar-se socialmente, chegando muitas vezes ao ponto de tentarem ou cometerem suicídio (Lopes Neto & Saavedra, 2003; Olweus, 1993). Em um estudo sobre bullying, Olweus (1991) identificou que os agressores têm uma personalidade antissocial combinada com a força física, enquanto que as vítimas mostram-se ansiosas e fracas fisicamente.
  • 17.  Utilização de tecnologias de informação e comunicação (internet ou tele móvel) para hostilizar, deliberada e repetidamente, uma pessoa, com o intuito de magoá-la.  Muito recorrente nas escolas devido à facilidade de acesso a essas tecnologias.  Acontece todos os dias no NÃO-ESPAÇO! (Redes sociais, bate- papo, etc.)
  • 18. Evitar exposição excessivaEvitar exposição excessiva na Internetna Internet -- "Inclusão no"Inclusão no mundo virtual” – como nomundo virtual” – como no presencial – implica empresencial – implica em correr riscos, e é precisocorrer riscos, e é preciso mostrar aos nossos alunosmostrar aos nossos alunos como percorrer seuscomo percorrer seus caminhoscaminhos.. Não divulgar seus dados pessoais, ou deNão divulgar seus dados pessoais, ou de seus familiares ou fotos, tomando cuidadosseus familiares ou fotos, tomando cuidados com essas divulgações até mesmo nascom essas divulgações até mesmo nas conversas com amigos.conversas com amigos. MantenhaMantenha distância dodistância do agressor e seusagressor e seus ataques, semataques, sem responder àsresponder às provocações eprovocações e alimentar aindaalimentar ainda mais sua raiva,mais sua raiva, pois é justamentepois é justamente isso que eleisso que ele espera da vítima!espera da vítima! Outra coisa importante éOutra coisa importante é não manter segredo danão manter segredo da ofensa. Esse momentoofensa. Esse momento pode se tornar umapode se tornar uma oportunidade para ooportunidade para o jovem agredido lidarjovem agredido lidar com os próprioscom os próprios complexos, e superá-loscomplexos, e superá-los buscando ajuda.buscando ajuda.