SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
As estruturas do relevo
brasileiro
Professor Herbert Galeno
Contexto – estrutura geológica do
Brasil
• A localização do território brasileiro na porção
centro-oriental da América do Sul não o coloca
na zona de choque de placas tectônicas.
• Tal origem geomorfológica e a ação da erosão
fizeram que o país apresentasse relevo de
contornos suaves ou aplainados.
Estrutura do relevo brasileiro
• Apenas 0,5% do relevo brasileiro
ultrapassa os 1.200m de altitude.
• Os pontos mais elevados estão
esculpidos no Escudo das
Guianas, como o Pico da Neblina
(2.994m) e o Pico 31 de Março
(2.973m).
Estrutura geológica do Brasil
• O território brasileiro é formado
basicamente por duas estruturas
geológicas: Escudos cristalinos
(36%), e, Bacias Sedimentares (64%).
• O Brasil não apresenta Dobramentos
Modernos
Escudos Cristalinos no Brasil
• No Brasil temos 3 áreas de Escudos
Cristalinos que se destacam, a das
Guianas, a Sul-Amazônica e a do São
Francisco.
• Esses territórios são de grande importância
econômica para o Brasil, pois estão associados
a riquezas minerais como minério de ferro,
manganês, bauxita, entre outros.
Bacias sedimentares no Brasil
• As bacias sedimentares ocupam a
maior parte do território brasileiro.
• Como o nome sugere, trata-se de uma
área rebaixada em relação aos Escudos
Cristalinos e que recebe sedimentos do
processo do intemperismo e erosão.
• Esses sedimentos datam das Eras
Paleozoica, Mesozoica e Cenozoica.
A terra roxa
• No fim da Era Mesozoica, pequenas
fraturas se formaram na superfície,
com extravasamento de lavas
basálticas.
• O basalto e o diabásio, formados
pela solidificação, foram submetidos
a processos de intemperismo e
erosivo.
• Essa decomposição deu origem a solos
avermelhados, os nitossolos vermelhos,
conhecidos como terra roxa e os
latossolos vermelhos.
As formas de relevo
A superfície terrestre apresenta algumas fisionomias de relevo
predominantes. Essas unidades têm articulação com o relevo,
com o soerguimento do continente sul-americano e com os
processos erosivos atuantes.
Planalto
• Predomina o processo de erosão
sobre a sedimentação. Têm altitude
que varia de 200m a 2.000m.
Normalmente têm topos retos,
superfícies topográficas que podem
ser regulares ou não.
Planície
• Superfície plana, com pequenas
ondulações caracterizada pela
deposição de sedimentos de origem
marinha, lacustre ou fluvial.
Predomina o processo de
sedimentação sobre o de erosão.
Depressão
• Área gerada por intensos processos
erosivos nas bordas das bacias
sedimentares ao longo do tempo.
Pode ser absoluta (abaixo do nível
do mar), ou, relativa (acima do
nível do mar).
Escarpas
• Porção do relevo extremamente
íngreme, podendo apresentar-se
retilínea ou sinuosa em grandes ou
pequenas extensões.
Montanhas
• São áreas de grande altitude
formada pelo encontro entre placas
tectônicas. As cadeias montanhosas
são chamadas de cordilheiras. São
relativamente jovem, de acordo
com o tempo geológico.
Relevo Submarino
Classificação do relevo
brasileiro
O território brasileiro conta com uma grande variedade de
formas e estruturas de relevo, em virtude das intensas ações
dos agentes externos. Diferentes geógrafos estudaram esse
assunto segundo critérios específicos ao longo do tempo.
Essa classificação, década de 1940,
levava em consideração as cotas
altimétricas. Planícies (até 200m) e
Planaltos (acima de 200m).
Essa classificação (1958), levava em
consideração, além da altitude, os aspectos
morfoclimático, onde explica a ação do
relevo sobre o clima. Baseou-se no processo
de desgaste (erosão) e sedimentação para
diferenciar os planaltos e as planícies.
Com base nas análises de Aziz
Ab’saber e em proposições
geológicas, geomorfológicas
do solo, hidrográficas e da
vegetação, Jurandyr Ross,
liderando o Projeto Radam,
elaborou uma classificação
mais próxima da realidade.
6ª parte
Agora vamos às atividades

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Classificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasilClassificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasil
 
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIROLOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
 
As paisagens e o relevo
As paisagens e o relevoAs paisagens e o relevo
As paisagens e o relevo
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Slide 1- Regionalização do Brasil - terceiro Ano
Slide 1-  Regionalização do Brasil - terceiro AnoSlide 1-  Regionalização do Brasil - terceiro Ano
Slide 1- Regionalização do Brasil - terceiro Ano
 
Tipos De Clima
Tipos De ClimaTipos De Clima
Tipos De Clima
 
Geografia - Oriente Médio
Geografia - Oriente MédioGeografia - Oriente Médio
Geografia - Oriente Médio
 
Regionalização da américa
Regionalização da américaRegionalização da américa
Regionalização da américa
 
Oceania
OceaniaOceania
Oceania
 
Geografia da América do Sul
Geografia da América do SulGeografia da América do Sul
Geografia da América do Sul
 
PARALELOS / MERIDIANOS - LATITUDE E LONGITUDE
PARALELOS / MERIDIANOS - LATITUDE E LONGITUDEPARALELOS / MERIDIANOS - LATITUDE E LONGITUDE
PARALELOS / MERIDIANOS - LATITUDE E LONGITUDE
 
Estrutura Geológica
Estrutura GeológicaEstrutura Geológica
Estrutura Geológica
 
Estruturas geológicas
Estruturas geológicasEstruturas geológicas
Estruturas geológicas
 
População da Europa
População da EuropaPopulação da Europa
População da Europa
 
Asia
AsiaAsia
Asia
 
Domínios morfoclimáticos
Domínios morfoclimáticosDomínios morfoclimáticos
Domínios morfoclimáticos
 
Geopolítica dos Recursos Naturais
Geopolítica dos Recursos NaturaisGeopolítica dos Recursos Naturais
Geopolítica dos Recursos Naturais
 
Povoamento da américa
Povoamento da américaPovoamento da américa
Povoamento da américa
 
Demografia brasileira.
Demografia brasileira.Demografia brasileira.
Demografia brasileira.
 
América: Vegetação
América: VegetaçãoAmérica: Vegetação
América: Vegetação
 

Semelhante a As estruturas do relevo brasileiro

Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasilGeologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasilProf.Paulo/geografia
 
Estruturaerochas
EstruturaerochasEstruturaerochas
EstruturaerochasProfessor
 
Os grandes compartimentos do relevo brasileiro
Os grandes compartimentos do relevo brasileiroOs grandes compartimentos do relevo brasileiro
Os grandes compartimentos do relevo brasileirojrcruzoficial
 
Estrutura e rochas
Estrutura e rochasEstrutura e rochas
Estrutura e rochasProfessor
 
Principais formas de relevo e os Relevos do Brasil.
Principais formas de relevo e os Relevos do Brasil.Principais formas de relevo e os Relevos do Brasil.
Principais formas de relevo e os Relevos do Brasil.Lara Lídia
 
Atividade 02 curso geografia aplicada
Atividade 02 curso geografia aplicadaAtividade 02 curso geografia aplicada
Atividade 02 curso geografia aplicadanairaeliza
 
Formas de relevo e solos.pptx
Formas de relevo e solos.pptxFormas de relevo e solos.pptx
Formas de relevo e solos.pptxKelvin Sousa
 
Trabalho sobre relevo - Rafaelle
Trabalho sobre relevo - RafaelleTrabalho sobre relevo - Rafaelle
Trabalho sobre relevo - RafaelleTânia Regina
 
Morfologia Dos Continentese Fundos Oceanicos
Morfologia Dos Continentese Fundos OceanicosMorfologia Dos Continentese Fundos Oceanicos
Morfologia Dos Continentese Fundos Oceanicosguest638ae3a
 
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacaoRelevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacaodanielcpacheco2
 
Morfologia dos continentes e dos fundos oceânicos
Morfologia dos continentes e dos fundos oceânicosMorfologia dos continentes e dos fundos oceânicos
Morfologia dos continentes e dos fundos oceânicosLeonardo Alves
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileirokarolpoa
 
Aula de relevo
Aula de relevoAula de relevo
Aula de relevoGoogle
 
Relevooficialwendel
RelevooficialwendelRelevooficialwendel
RelevooficialwendelWendel Costa
 
Relevo do Brasil - Formações Geomorfológicas do Brasil.
Relevo do Brasil - Formações Geomorfológicas do Brasil.Relevo do Brasil - Formações Geomorfológicas do Brasil.
Relevo do Brasil - Formações Geomorfológicas do Brasil.Hevan Schultz
 

Semelhante a As estruturas do relevo brasileiro (20)

Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasilGeologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
 
Estruturaerochas
EstruturaerochasEstruturaerochas
Estruturaerochas
 
Os grandes compartimentos do relevo brasileiro
Os grandes compartimentos do relevo brasileiroOs grandes compartimentos do relevo brasileiro
Os grandes compartimentos do relevo brasileiro
 
Relevo
RelevoRelevo
Relevo
 
Estrutura e rochas
Estrutura e rochasEstrutura e rochas
Estrutura e rochas
 
Relevos do planeta.pdf
Relevos do planeta.pdfRelevos do planeta.pdf
Relevos do planeta.pdf
 
Principais formas de relevo e os Relevos do Brasil.
Principais formas de relevo e os Relevos do Brasil.Principais formas de relevo e os Relevos do Brasil.
Principais formas de relevo e os Relevos do Brasil.
 
Atividade 02 curso geografia aplicada
Atividade 02 curso geografia aplicadaAtividade 02 curso geografia aplicada
Atividade 02 curso geografia aplicada
 
Formas de relevo e solos.pptx
Formas de relevo e solos.pptxFormas de relevo e solos.pptx
Formas de relevo e solos.pptx
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
 
Trabalho sobre relevo - Rafaelle
Trabalho sobre relevo - RafaelleTrabalho sobre relevo - Rafaelle
Trabalho sobre relevo - Rafaelle
 
Morfologia Dos Continentese Fundos Oceanicos
Morfologia Dos Continentese Fundos OceanicosMorfologia Dos Continentese Fundos Oceanicos
Morfologia Dos Continentese Fundos Oceanicos
 
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacaoRelevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
 
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacaoRelevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
 
Morfologia dos continentes e dos fundos oceânicos
Morfologia dos continentes e dos fundos oceânicosMorfologia dos continentes e dos fundos oceânicos
Morfologia dos continentes e dos fundos oceânicos
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Aula de relevo
Aula de relevoAula de relevo
Aula de relevo
 
Relevooficialwendel
RelevooficialwendelRelevooficialwendel
Relevooficialwendel
 
Relevo do Brasil - Formações Geomorfológicas do Brasil.
Relevo do Brasil - Formações Geomorfológicas do Brasil.Relevo do Brasil - Formações Geomorfológicas do Brasil.
Relevo do Brasil - Formações Geomorfológicas do Brasil.
 

Mais de Colégio Nova Geração COC

A nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundial
A nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundialA nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundial
A nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundialColégio Nova Geração COC
 

Mais de Colégio Nova Geração COC (20)

China comunismo e economia
China   comunismo e economiaChina   comunismo e economia
China comunismo e economia
 
A nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundial
A nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundialA nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundial
A nova ordem mundial - Os novos atores da economia mundial
 
A desordem mundial
A desordem mundialA desordem mundial
A desordem mundial
 
A crise de 1929 e o keynesianismo
A crise de 1929 e o keynesianismoA crise de 1929 e o keynesianismo
A crise de 1929 e o keynesianismo
 
Filosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidadeFilosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidade
 
Filosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidadeFilosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidade
 
Filosofia e arte no medievo
Filosofia e arte no medievoFilosofia e arte no medievo
Filosofia e arte no medievo
 
Filosofia e arte na antiguidade
Filosofia e arte na antiguidadeFilosofia e arte na antiguidade
Filosofia e arte na antiguidade
 
John Rawls
John RawlsJohn Rawls
John Rawls
 
Michel Foucalt e o biopoder
Michel Foucalt e o biopoderMichel Foucalt e o biopoder
Michel Foucalt e o biopoder
 
Immanuel Kant e o criticismo kantiano
Immanuel Kant e o criticismo kantianoImmanuel Kant e o criticismo kantiano
Immanuel Kant e o criticismo kantiano
 
Guerrilhas, terrorismo e conflitos regionais
Guerrilhas, terrorismo e conflitos regionaisGuerrilhas, terrorismo e conflitos regionais
Guerrilhas, terrorismo e conflitos regionais
 
Estados Unidos economia
Estados Unidos economiaEstados Unidos economia
Estados Unidos economia
 
Francis Bacon
Francis BaconFrancis Bacon
Francis Bacon
 
Direitos e cidadania no Brasil
Direitos e cidadania no BrasilDireitos e cidadania no Brasil
Direitos e cidadania no Brasil
 
David Hume
David HumeDavid Hume
David Hume
 
O conceito de homem na antropologia
O conceito de homem na antropologiaO conceito de homem na antropologia
O conceito de homem na antropologia
 
Fenomenologia
FenomenologiaFenomenologia
Fenomenologia
 
Nietzsche - tragédia e existência
Nietzsche - tragédia e existênciaNietzsche - tragédia e existência
Nietzsche - tragédia e existência
 
Schopenhauer: a vontade irrracional
Schopenhauer: a vontade irrracionalSchopenhauer: a vontade irrracional
Schopenhauer: a vontade irrracional
 

Último

HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Susana Stoffel
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 

As estruturas do relevo brasileiro

  • 1. As estruturas do relevo brasileiro Professor Herbert Galeno
  • 2. Contexto – estrutura geológica do Brasil • A localização do território brasileiro na porção centro-oriental da América do Sul não o coloca na zona de choque de placas tectônicas. • Tal origem geomorfológica e a ação da erosão fizeram que o país apresentasse relevo de contornos suaves ou aplainados.
  • 3. Estrutura do relevo brasileiro • Apenas 0,5% do relevo brasileiro ultrapassa os 1.200m de altitude. • Os pontos mais elevados estão esculpidos no Escudo das Guianas, como o Pico da Neblina (2.994m) e o Pico 31 de Março (2.973m).
  • 4.
  • 5.
  • 6. Estrutura geológica do Brasil • O território brasileiro é formado basicamente por duas estruturas geológicas: Escudos cristalinos (36%), e, Bacias Sedimentares (64%). • O Brasil não apresenta Dobramentos Modernos
  • 7. Escudos Cristalinos no Brasil • No Brasil temos 3 áreas de Escudos Cristalinos que se destacam, a das Guianas, a Sul-Amazônica e a do São Francisco. • Esses territórios são de grande importância econômica para o Brasil, pois estão associados a riquezas minerais como minério de ferro, manganês, bauxita, entre outros.
  • 8.
  • 9. Bacias sedimentares no Brasil • As bacias sedimentares ocupam a maior parte do território brasileiro. • Como o nome sugere, trata-se de uma área rebaixada em relação aos Escudos Cristalinos e que recebe sedimentos do processo do intemperismo e erosão. • Esses sedimentos datam das Eras Paleozoica, Mesozoica e Cenozoica.
  • 10. A terra roxa • No fim da Era Mesozoica, pequenas fraturas se formaram na superfície, com extravasamento de lavas basálticas. • O basalto e o diabásio, formados pela solidificação, foram submetidos a processos de intemperismo e erosivo. • Essa decomposição deu origem a solos avermelhados, os nitossolos vermelhos, conhecidos como terra roxa e os latossolos vermelhos.
  • 11. As formas de relevo A superfície terrestre apresenta algumas fisionomias de relevo predominantes. Essas unidades têm articulação com o relevo, com o soerguimento do continente sul-americano e com os processos erosivos atuantes.
  • 12. Planalto • Predomina o processo de erosão sobre a sedimentação. Têm altitude que varia de 200m a 2.000m. Normalmente têm topos retos, superfícies topográficas que podem ser regulares ou não.
  • 13. Planície • Superfície plana, com pequenas ondulações caracterizada pela deposição de sedimentos de origem marinha, lacustre ou fluvial. Predomina o processo de sedimentação sobre o de erosão.
  • 14. Depressão • Área gerada por intensos processos erosivos nas bordas das bacias sedimentares ao longo do tempo. Pode ser absoluta (abaixo do nível do mar), ou, relativa (acima do nível do mar).
  • 15. Escarpas • Porção do relevo extremamente íngreme, podendo apresentar-se retilínea ou sinuosa em grandes ou pequenas extensões.
  • 16. Montanhas • São áreas de grande altitude formada pelo encontro entre placas tectônicas. As cadeias montanhosas são chamadas de cordilheiras. São relativamente jovem, de acordo com o tempo geológico.
  • 17.
  • 18.
  • 20. Classificação do relevo brasileiro O território brasileiro conta com uma grande variedade de formas e estruturas de relevo, em virtude das intensas ações dos agentes externos. Diferentes geógrafos estudaram esse assunto segundo critérios específicos ao longo do tempo.
  • 21. Essa classificação, década de 1940, levava em consideração as cotas altimétricas. Planícies (até 200m) e Planaltos (acima de 200m).
  • 22. Essa classificação (1958), levava em consideração, além da altitude, os aspectos morfoclimático, onde explica a ação do relevo sobre o clima. Baseou-se no processo de desgaste (erosão) e sedimentação para diferenciar os planaltos e as planícies.
  • 23. Com base nas análises de Aziz Ab’saber e em proposições geológicas, geomorfológicas do solo, hidrográficas e da vegetação, Jurandyr Ross, liderando o Projeto Radam, elaborou uma classificação mais próxima da realidade.
  • 24. 6ª parte Agora vamos às atividades