Slide v mp

878 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
878
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
35
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Slide v mp

  1. 1. Unidade V Disciplinaridade e Multidisciplinaridade Interdisciplinaridade eInterdisciplinaridade e Transdisciplinaridade Profª Silmara Maria Machado
  2. 2. O paradigma da disciplinaridade O desenvolvimento do conhecimento no mundo ocidental moderno foi consolidado pelo paradigma da racionalidade científica e técnica que ipassou a exercer supremacia nos territórios de nossa cultura.
  3. 3. O que é um Paradigma? Paradigma é a representação do padrão de modelos a serem seguidos. É um pressuposto filosófico matriz, ou seja, uma teoria, um conhecimento que origina o estudo de um campo científico;origina o estudo de um campo científico; uma realização científica com métodos e valores que são concebidos como modelo; uma referência inicial como base de modelo para estudos e pesquisas. http://pt.wikipedia.org/wiki/Paradigma
  4. 4. Disciplinaridade Também conhecida como monodisciplinaridade ou disciplinaridade restrita, para Nicolescu (2005), a disciplina preocupa-se, no máximo, com um mesmo e único nível da realidade. Para Gallo (2000), a organização curricular das disciplinas termina por colocá-las como realidades estanques, sem interconexão, dificultando para os alunos a compreensão do conhecimentoalunos a compreensão do conhecimento como um todo integrado.
  5. 5. Multidisciplinaridade Conjunto de disciplinas a serem trabalhadas simultaneamente, sem fazer aparecer as relações que possam existir entre elas, destinando-se a um sistema de um só nível e de objetivos únicos, sem nenhuma cooperação.
  6. 6. Multidisciplinaridade Cada matéria contribui com informações próprias do seu campo de conhecimento, sem considerar que existe uma integração entre elas. Essa forma de relacionamento entre as disciplinas é considerada pouco eficaz para a absorção de conhecimentos , já que impede uma relação entre eles.
  7. 7. A proposta Interdisciplinar A segunda metade do século vinte vai cobrar de forma mais intensa a necessidade de comunicação, de conexão entre as especialidades, o que significa que os saberes estãosignifica que os saberes estão envolvidos numa trama mais complexa, indo além das especificidades.
  8. 8. O conhecimento: paradigma arborescente versus paradigma rizomático Paradigma arborescente A metáfora tradicional da estrutura do conhecimento é a arbórea: ele é tomado como uma grande árvore, cujas extensas raízes devem estar fincadas em solo firme (as premissas verdadeiras), com um tronco sólido que se ramifica em galhos e mais galhos, estendendo-se assim pelos mais diversos aspectos da realidaderealidade.
  9. 9. Paradigma arborescente O paradigma arborescente implica numa hierarquização do saber como forma de mediatizar e regular o fluxo de informações pelos caminhos da árvore do conhecimento.
  10. 10. Pergunta Sobre a proposta interdisciplinar de conhecimento, podemos afirmar que: a) Trata-se da decomposição do objeto em diversas partes para que seja observado e investigado pelo método analítico. Éb) É um conjunto de disciplinas a serem trabalhadas simultaneamente, sem fazer aparecer as relações que possam existir entre elas. c) Surge de uma forma mais intensa da necessidade de comunicação, de conexão entre as especialidades, o que significa que os saberes tã l id t i lestão envolvidos numa trama mais complexa. d) Resulta numa metodologia de estudo sobre o conhecimento nas especificidades pertinentes às disciplinas.
  11. 11. O Rizoma Em 1980, na abertura de uma obra publicada na França, Gilles Deleuze e Félix Guatari introduzem uma nova metáfora, ao falarem no rizoma. A metáfora do rizoma subverte a ordem da metáfora arbórea, tomando como paradigma aquele tipo de caule radiciforme de alguns vegetais, formado por uma miríade de pequenas raízes emaranhadas em meio a pequenos bulbos armazenatíciosbulbos armazenatícios.
  12. 12. O paradigma rizomático é regido por seis princípios básicos: 1) PRINCÍPIO DE HETEROGENEIDADE - Dado que qualquer conexão é possível, o rizoma rege-se pela heterogeneidade; 2) PRINCÍPIO DE CONEXÃO - Qualquer ponto de um rizoma pode ser/estarponto de um rizoma pode ser/estar conectado a qualquer outro; 3) PRINCÍPIO DE MULTIPLICIDADE - O rizoma é sempre multiplicidade que não pode ser reduzida à unidade;pode ser reduzida à unidade;
  13. 13. O paradigma rizomático é regido por seis princípios básicos: Í4) PRINCÍPIO DE RUPTURA A-SIGNIFICANTE - O rizoma não pressupõe qualquer processo de significação, de hierarquização; 5) PRINCÍPIO DE CARTOGRAFIA - O rizoma5) PRINCÍPIO DE CARTOGRAFIA O rizoma pode ser mapeado, cartografado e tal cartografia nos mostra que ele possui entradas múltiplas; 6) PRINCÍPIO DE DECALCOMANIA - Os mapas podem no entanto ser copiadosmapas podem, no entanto, ser copiados, reproduzidos.
  14. 14. A transdisciplinaridade A transdisciplinaridade visa articular uma nova compreensão da realidade entre e para além das disciplinas especializadas. A transdisciplinaridade é uma abordagem que passa entre, além e através das disciplinas, numa busca de compreensão da complexidade.
  15. 15. Transdisciplinaridade “ A transdisciplinaridade se preocupa, portanto, com o que está entre as disciplinas através de diferentes disciplinas e além de todas as disciplinas. Sua meta é o entendimento do mundo presente, no qual um dos imperativos é a unidade do conhecimento”. (SCHMITT et all., 2006)
  16. 16. Piaget Compreende o mundo físico como uma rede de relações. O homem não se separa do meio e vice-versa. É um indivíduo contextualizado, cujas estruturas mentais incorporam o que foi alcançado no estágio anterior e enriquecem as estruturas posteriores em um processo de construção e reconstrução contínuo.
  17. 17. Paulo Freire Considera que o contexto e suas influências deve ser compreendido e apropriado pelo indivíduo em uma construção única, pessoal e ao mesmo tempo coletiva, pois afinal, como sujeito histórico também faz cultura e colabora com a evolução da humanidade.
  18. 18. Da “carta de transdisciplinaridade”: A transdisciplinaridade é complementar à aproximação disciplinar: faz emergir da confrontação das disciplinas dados novos que as articulam entre si; oferece- nos uma nova visão da natureza e da realidade. A transdisciplinaridade não procura o domínio sobre as várias outras disciplinas, mas a abertura de todas elas àquilo que as atravessa e as ultrapassa.
  19. 19. Práticas pedagógicas Devemos considerar, contudo, que das abordagens atuais, a interdisciplinaridade é a mais considerada nas práticas pedagógicas, por apresentar-se como uma possibilidade de q ebra de rigide dospossibilidade de quebra de rigidez dos compartimentos em que se encontram isoladas as disciplinas dos currículos escolares, como coloca Pires (1998).
  20. 20. Edgar MORIN, em seu livro A cabeça bem feita: repensar a reforma, reformar o pensamento (2001) , enfatiza: M i l b b f it bMais vale uma cabeça bem- feita que bem cheia. O significado de uma cabeça bem cheia é óbvio: é uma cabeça onde o saber é acumulado, empilhado, e não dispõe de um princípio de seleção e organização queum princípio de seleção e organização que lhe dê sentido. Uma cabeça bem-feita significa que, em vez de acumular o saber, é mais importante dispor ao mesmo tempo de: Uma aptidão geral para colocar e tratar osp g p problemas; Princípios organizadores que permitam ligar os saberes e lhes dar sentido.
  21. 21. Pergunta Sobre a transdisciplinaridade, podemos destacar: a) Seu caráter de unicidade, ou seja, de problematização única em cada uma das disciplinas. b) Sua forma de abordar o conhecimento que passa entre, além e através das disciplinas, numa busca de compreensão da complexidade. c) Sua busca do domínio sobre as várias outras disciplinas. d) Sua meta é o entendimento do mundo no passado através dos conhecimentos que não se conectam entre si.
  22. 22. ATÉ A PRÓXIMA

×