Kant bittar

846 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
846
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Kant bittar

  1. 1. KANT: CRITICISMO EKANT: CRITICISMO E DEONTOLOGIADEONTOLOGIA
  2. 2. 14.114.1 Racionalismo KantianoRacionalismo Kantiano O criticismo kantiano é reação aoO criticismo kantiano é reação ao dogmatismo racionalista e aodogmatismo racionalista e ao “ceticismo” empirista.“ceticismo” empirista. Para Kant o conhecimento é possível aPara Kant o conhecimento é possível a partir de condições materiais, vindaspartir de condições materiais, vindas da experiência e formais, pertencentesda experiência e formais, pertencentes à estrutura do sujeito.à estrutura do sujeito. O homem governa-se com base em leisO homem governa-se com base em leis inteligíveis e naturais.inteligíveis e naturais.
  3. 3. 14.2 Ética Kantiana14.2 Ética Kantiana KantKant desvincula a ética da felicidadedesvincula a ética da felicidade.. Funda a prática moral, em uma leiFunda a prática moral, em uma lei apriorística inerente à racionalidadeapriorística inerente à racionalidade universal humana, que chama deuniversal humana, que chama de imperativo categórico.imperativo categórico. ““age só, segundo uma máxima tal, queage só, segundo uma máxima tal, que possas querer ao mesmo tempo que sepossas querer ao mesmo tempo que se torne lei universal”.torne lei universal”.
  4. 4. A razão pura práticaA razão pura prática AA razão pura práticarazão pura prática é aqui imediatamenteé aqui imediatamente legisladora. A vontade é concebida comolegisladora. A vontade é concebida como independente de condições empíricas, porindependente de condições empíricas, por conseguinte, comoconseguinte, como vontade pura determinadavontade pura determinada pela simples forma da leipela simples forma da lei, e este princípio de, e este princípio de determinação é visto como a condição supremadeterminação é visto como a condição suprema de todas as máximas.de todas as máximas. OO a prioria priori é tudo aquilo queé tudo aquilo que é validoé valido independentemente de qualquer condição ouindependentemente de qualquer condição ou imposição derivada da experiênciaimposição derivada da experiência..
  5. 5. O agir livreO agir livre O imperativo que se refere à escolha dosO imperativo que se refere à escolha dos meios para a própria felicidade, isto é, omeios para a própria felicidade, isto é, o preceito da sagacidade, é hipotético.preceito da sagacidade, é hipotético. O agir livre é o agir moralO agir livre é o agir moral, o agir moral é, o agir moral é o agir de acordo com o dever; o agir deo agir de acordo com o dever; o agir de acordo com o dever é fazer de sua leiacordo com o dever é fazer de sua lei subjetiva um princípio de legislaçãosubjetiva um princípio de legislação universal, a ser inscrita em toda auniversal, a ser inscrita em toda a natureza.natureza.
  6. 6. Lei pragmática e lei moralLei pragmática e lei moral A felicidade não é fundamento da moral, masA felicidade não é fundamento da moral, mas sim o dever. “Designo porsim o dever. “Designo por lei pragmáticalei pragmática a leia lei prática queprática que tem por motivo a felicidadetem por motivo a felicidade; e por; e por moralmoral, se existe alguma, a lei que, se existe alguma, a lei que não temnão tem outro móbil que não seja indicar-nosoutro móbil que não seja indicar-nos comocomo podemos tornar-nos dignos da felicidadepodemos tornar-nos dignos da felicidade”” .. OO homemhomem figura como ser racionalfigura como ser racional fim em sifim em si mesmomesmo, capaz de governar-se a si próprio., capaz de governar-se a si próprio.
  7. 7. Imperativo prático e vontade livreImperativo prático e vontade livre Imperativo prático:Imperativo prático: “age de tal modo que possas“age de tal modo que possas usar a humanidade, tanto em tua pessoa comousar a humanidade, tanto em tua pessoa como na pessoa de qualquer outro, sempre como umna pessoa de qualquer outro, sempre como um fim ao mesmo tempo e nunca somente comofim ao mesmo tempo e nunca somente como meio”meio” 266 apud.266 apud. Vontade livreVontade livre e vontadee vontade submetida a leissubmetida a leis moraismorais são a mesma coisa.são a mesma coisa. ““VontadeVontade é uma espécie deé uma espécie de causalidadecausalidade dosdos seres vivos, enquanto racionais, e liberdadeseres vivos, enquanto racionais, e liberdade seria a propriedade desta causalidade, pela qualseria a propriedade desta causalidade, pela qual pode ser eficiente, independente de causaspode ser eficiente, independente de causas estranhas que a determinem”.estranhas que a determinem”. 266 apud266 apud
  8. 8. Moralidade e mundo moralMoralidade e mundo moral ““AA moralidademoralidade é, pois a relação dasé, pois a relação das açõesações com acom a autonomiaautonomia da vontade, istoda vontade, isto é, com a possível legislação universal, poré, com a possível legislação universal, por meio das máximas da mesma.”267meio das máximas da mesma.”267 apud.apud. OO mundo moralmundo moral é o mundo conforme asé o mundo conforme as leis da moralidade. É aleis da moralidade. É a vontade quevontade que governagoverna, na prática,, na prática, porpor leis a priorileis a priori oo homemhomem. 267. 267
  9. 9. Características das máximasCaracterísticas das máximas Todas as máximas têm:Todas as máximas têm: 1. uma forma que consiste na1. uma forma que consiste na universalidade;universalidade; 2. uma matéria, que o ser racional deve2. uma matéria, que o ser racional deve servir como fim por sua natureza;servir como fim por sua natureza; 3. que todas as máximas devem3. que todas as máximas devem concordar em um reino possível de fins.concordar em um reino possível de fins.
  10. 10. 14.3 Direito e moral14.3 Direito e moral Direito e moralDireito e moral distinguem-se como duasdistinguem-se como duas partes de um mesmo todo unitário. O agir éticopartes de um mesmo todo unitário. O agir ético tem um único móvel, a saber, o cumprimento dotem um único móvel, a saber, o cumprimento do dever pelo dever. O agir jurídico pressupõedever pelo dever. O agir jurídico pressupõe outros fins. A juridicidade também pressupõeoutros fins. A juridicidade também pressupõe coercitividade.coercitividade. O Estado será o instrumento para a realizaçãoO Estado será o instrumento para a realização dos direitos, que regulamente o convívio dasdos direitos, que regulamente o convívio das liberdades.liberdades.
  11. 11. ConclusõesConclusões Kant faz da ética o lugar da liberdade. EstaKant faz da ética o lugar da liberdade. Esta reside na observância e na conformidade doreside na observância e na conformidade do agir com a máxima do imperativo categórico.agir com a máxima do imperativo categórico. O domínio do dever é o domínio da liberdade doO domínio do dever é o domínio da liberdade do espírito.espírito. Diferente da moralidade aDiferente da moralidade a juridicidade lida com os conceitos dejuridicidade lida com os conceitos de coercitividade exterioridade e pluralidade decoercitividade exterioridade e pluralidade de fins na ação.fins na ação.

×