Perspectivas da  Implantação daFitoterapia no SUS.      Prof Dr. Ely Eduardo Saranz Camargo            Conselheiro Federal...
O SENHOR FEZ A TERRA PRODUZIR OS MEDICAMENTOS:           O HOMEM SENSATO NÃO OS DESPREZA.UMA ESPÉCIE DE MADEIRA NÃO ADOÇOU...
DIAGNÓSTICO DOS         PROGRAMAS DE       FITOTERAPIA NO SUS   2008/2009   Visitas “in loco” em alguns programas   Que...
10                     99                                               887654                                  33       2...
5                                                                                       44                                ...
Recursos para implantação   72,2% utilizaram recursos próprios.   25% recursos provenientes dos governos    estaduais e ...
90,00%                                                                                                    79,20%   80,00% ...
90,00%                                                            83,30% 80,00% 70,00%                                    ...
70,00%60,00%                                                                                     58,30%50,00%             ...
100,00%                                                                                                     91,70%90,00%80...
63%             38%                     NÃO POSSUEM PARCERIAS                     POSSUEM PARCERIASEXISTÊNCIA DE PARCERIAS...
100,00%                                                        91,00%90,00%80,00%70,00%60,00%50,00%40,00%30,00%20,00%10,00...
100,00%90,00%                                                   87,50%80,00%70,00%60,00%50,00%                            ...
100,00%90,00%                                                                                                             ...
33.3     66.7            POSSUEM CONTROLE DE QUALIDADE            NÃO POSSUEM CONTROLE DE QUALIDADEEXISTÊNCIA DE CONTROLE ...
35,00%30,00%                                                                                  29,20%25,00%                ...
75%                       25%             NÃO FAZ ACOMPANHAMENTO DO PACIENTE             POSSUEM ACOMPANHAMENTO DO PACIENT...
120,00%                                                                                                100%100,00%        ...
Informativos   72,2% - possuíam mementos terapêuticos ou    materiais informaativos.   13,8% - não possuíam qualquer tip...
PROGRAMA DAPREFEITURA DO RIO   DE JANEIRO
Programa de Práticas Integrativas e Complementares            PROGRAMA DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERAPIA                ...
Programa de Práticas Integrativas e Complementares           PROGRAMA DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERAPIA       OFICINAS F...
Programa de Práticas Integrativas e Complementares         PROGRAMA DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERAPIA      OFICINAS FARM...
Programa de Práticas Integrativas e Complementares         PROGRAMA DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERAPIA      OFICINAS FARM...
Programa de Práticas Integrativas e Complementares      PROGRAMA DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERAPIA                EDUCAÇ...
Programa de Práticas Integrativas e Complementares      PROGRAMA DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERAPIA                   GRU...
PROGRAMA DAPREFEITURA DE IPATINGA - MG
PLANTIO
COLHEITA
TRIAGEM E LAVAGEM DE ERVAS
DESIDRATAÇÃO
MANIPULAÇÃO
ARMAZENAMENTO
PROGRAMA DAPREFEITURA DE VITÓRIA – ES
PROGRAMA DO IEPA   MACAPA- AP
Projetos Voltados ao Desenvolvimento Comunitário Ligados               Principalmente à Associações de Mulheres        Pla...
NOVA EDIÇÃO DA  PARCERIAS COM AS       CARTILHA DOESCOLAS FAMÍLIAS PARA      PROJETOCRIAÇÃO E MANUTENÇÃO    MAIS DETALHES ...
PROJETO MELHORIA DA QUALIDADE   DOS ÓLEOS VEGETAIS FIXOS
Projeto: Controle de qualidade de matérias-primas vegetais utilizadas na fabricação de fitoterápicos                      ...
PROJETO CONTROLE DE QUALIDADE DEMATÉRIA-PRIMA VEGETAL E FORMAÇÃO DE         NOVOS COLETORES
PROJETO ÓLEOS VEGETAIS E PLANTAS       ÚTEIS DOS WAJAMPI
- Laboratório de Produção deFitoterápicos e Fitocosméticos     - Laboratório de                                 Controle d...
FARMÁCIA IEPA
“Tenho a esperança de ver em realização o  estudo e a aplicação do conhecimento sobre    nossas plantas medicinais quanto ...
Informações e inscrições: www.silae.org.br                                             49
obrigadoelycamargo@bol.com.br                        50
Perspectivas da implantação da fitoterapia no sus
Perspectivas da implantação da fitoterapia no sus
Perspectivas da implantação da fitoterapia no sus
Perspectivas da implantação da fitoterapia no sus
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Perspectivas da implantação da fitoterapia no sus

1.798 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.798
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
335
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Perspectivas da implantação da fitoterapia no sus

  1. 1. Perspectivas da Implantação daFitoterapia no SUS. Prof Dr. Ely Eduardo Saranz Camargo Conselheiro Federal - SP
  2. 2. O SENHOR FEZ A TERRA PRODUZIR OS MEDICAMENTOS: O HOMEM SENSATO NÃO OS DESPREZA.UMA ESPÉCIE DE MADEIRA NÃO ADOÇOU O AMARGOR DA ÁGUA? ESSA VIRTUDE CHEGOU AO CONHECIMENTO DOS HOMENS. O ALTISSIMO DEU-LHES A CIÊNCIA DA MEDICINA. PARA SER HONRADO EM SUAS MARAVILHAS; E DELA SE SERVE PARA ACALMAR AS DORES E CURÁ-LAS; O FARMACÊUTICO FAZ MISTURAS AGRADÁVEIS, COMPÕE UNGUENTOS ÚTEIS À SAÚDE, E SEU TRABALHO NÃO TERMINARÁ, ATÉ QUE A PAZ DIVINA SE ESTENDA SOBRE A FACE DA TERRA. Eclesiástico – 38; 4-8 2
  3. 3. DIAGNÓSTICO DOS PROGRAMAS DE FITOTERAPIA NO SUS 2008/2009 Visitas “in loco” em alguns programas Questionários para 124 municípios. 44 responderam. 3
  4. 4. 10 99 887654 33 2 2210 NORTE NORDESTE CENTRO OESTE SUDESTE SUL DISTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS POR REGIÃO 4
  5. 5. 5 44 3 3 33 2 22 1 1 1 1 1 1 110 (1989) (1990) (1992) (1993) (1995) (1998) (2000) (2001) (2003) (2005) (2006) (2007) (2008) PERIODO DE IMPLANTAÇÃO DOS PROGRAMAS 5
  6. 6. Recursos para implantação 72,2% utilizaram recursos próprios. 25% recursos provenientes dos governos estaduais e federal. 6
  7. 7. 90,00% 79,20% 80,00% 70,00% 60,00% 58,30% 50,00% 45,80% 40,00% 37,50% 30,00% 20,00% 10,00% 0,00% Profissionais qualificados Fartos recursos naturais Incentivo dos gestores Demanda da populaçãoFATORES QUE LEVARAM OS MUNICÍPIOS A IMPLANTAR 7
  8. 8. 90,00% 83,30% 80,00% 70,00% 62,50% 58,30% 60,00% 50,00% 40,00% 29,20% 30,00% 20,00% 10,00% 0,00% Diminuir gastos Produzir Acesso rápido Trabalhos medicamentos educativosJUSTIFICATIVAS APONTADAS PARA IMPLANTAÇÃO 8
  9. 9. 70,00%60,00% 58,30%50,00% 45,80%40,00% 37,50%30,00%20,00% 16,70%10,00%0,00% Iniciativa do usuário Iniciativa do executivo Iniciativa de técnicos Iniciativa dos gestores INICIATIVAS PARA EFETIVAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO 9
  10. 10. 100,00% 91,70%90,00%80,00%70,00% 62,50% 58,30%60,00%50,00%40,00% 29,20%30,00%20,00% 8,30%10,00% 0,00% Falta de interesse da Falta de profissionais Falta de adesão de Falta de espaço Falta de recursos população qualificados prescritores físico financeiros DIFICULDADES ENCONTRADAS NA IMPLANTAÇÃO 10
  11. 11. 63% 38% NÃO POSSUEM PARCERIAS POSSUEM PARCERIASEXISTÊNCIA DE PARCERIAS NOS PROGRAMAS 11
  12. 12. 100,00% 91,00%90,00%80,00%70,00%60,00%50,00%40,00%30,00%20,00%10,00% 4,50% 4,50% 0,00% Laboratório industrial Não respondeu Farmácia magistral TIPO DE OFICINA FARMACÊUTICA 12
  13. 13. 100,00%90,00% 87,50%80,00%70,00%60,00%50,00% 41,70%40,00% 33,30% 29,20%30,00% 20,80%20,00%10,00% 0,00% Outros Técnicos Enfermeiros Médicos Farmacêuticos RESPONSABILIDADE TÉCNICA NAS OFICINAS 13
  14. 14. 100,00%90,00% 86,40%80,00% 77,30% 72,70%70,00% 59,00%60,00% 54,50% 50,00%50,00% 45,50%40,00% 31,80%30,00%20,00% 13,60%10,00% 0,00% s s s as es as es as s õe e ire te sõ op l ur õ ad su e s uç ix on nt ul n m r áp El Xa l pe Ti Em So Po b C Sa s Su FORMAS FARMACÊUTICAS PRODUZIDAS 14
  15. 15. 33.3 66.7 POSSUEM CONTROLE DE QUALIDADE NÃO POSSUEM CONTROLE DE QUALIDADEEXISTÊNCIA DE CONTROLE DE QUALIDADE 15
  16. 16. 35,00%30,00% 29,20%25,00% 20,80%20,00%15,00% 12,50% 12,50% 12,50%10,00% 8,30% 8,30%5,00%0,00% Identificação Dosagem de Cinzas Viscosidade Solubilidade Densidade pH de marcadores marcadores TIPO DE ANÁLISES REALIZADAS 16
  17. 17. 75% 25% NÃO FAZ ACOMPANHAMENTO DO PACIENTE POSSUEM ACOMPANHAMENTO DO PACIENTEACOMPANHAMENTO DO PACIENTE EM USO DE FITO 17
  18. 18. 120,00% 100%100,00% 83,30%80,00% 66,70%60,00%40,00% 27,80% 22,40%20,00% 0,00% Exames laboratoriais Exames clínicos Cura do paciente Desaparecimento dos Informações do sintomas paciente AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DOS FITOTERÁPICOS 18
  19. 19. Informativos 72,2% - possuíam mementos terapêuticos ou materiais informaativos. 13,8% - não possuíam qualquer tipo de material informativo. - 5,5% estavam preparando. 19
  20. 20. PROGRAMA DAPREFEITURA DO RIO DE JANEIRO
  21. 21. Programa de Práticas Integrativas e Complementares PROGRAMA DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERAPIA CULTIVO DE PLANTAS MEDICINAISChapéu-de-couro Confrei HORTA DA FAZENDA MODELO Erva-cidreira Calêndula Arruda
  22. 22. Programa de Práticas Integrativas e Complementares PROGRAMA DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERAPIA OFICINAS FARMACÊUTICAS DE FITOTERAPICOS ESTRUTURAArmazenamento Purificação da água Esterilização Hosp. M. Raphael de Paula e Souza Manipulação Envase de semi-sólidos Tinturas
  23. 23. Programa de Práticas Integrativas e Complementares PROGRAMA DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERAPIA OFICINAS FARMACÊUTICAS DE FITOTERAPICOS SEQUENCIA DE PRODUÇÃO Armazenamento MoagemPOLICLÍNICA NEWTON ALVES CARDOZO Produção da tintura-mãe
  24. 24. Programa de Práticas Integrativas e Complementares PROGRAMA DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERAPIA OFICINAS FARMACÊUTICAS DE FITOTERAPICOS SEQUENCIA DE PRODUÇÃO Filtração TinturaPOLICLÍNICA NEWTON ALVES CARDOZO
  25. 25. Programa de Práticas Integrativas e Complementares PROGRAMA DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERAPIA EDUCAÇÃO PERMANENTECurso de Cultivo Orgânico Inst. Nutrição Annes Dias Campanha Xô Piolho PSF Edma Valadão
  26. 26. Programa de Práticas Integrativas e Complementares PROGRAMA DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERAPIA GRUPO DE USUÁRIOS Curso de cultivo orgânico no Inst. Nutrição Annes Dias Palestras Portadores de necessidadesGrupos de idosos especiais
  27. 27. PROGRAMA DAPREFEITURA DE IPATINGA - MG
  28. 28. PLANTIO
  29. 29. COLHEITA
  30. 30. TRIAGEM E LAVAGEM DE ERVAS
  31. 31. DESIDRATAÇÃO
  32. 32. MANIPULAÇÃO
  33. 33. ARMAZENAMENTO
  34. 34. PROGRAMA DAPREFEITURA DE VITÓRIA – ES
  35. 35. PROGRAMA DO IEPA MACAPA- AP
  36. 36. Projetos Voltados ao Desenvolvimento Comunitário Ligados Principalmente à Associações de Mulheres Plantas Aromáticas – Cooperativa das Produtoras de Plantas Aromáticas do AmapáProdução Artesanal de sabonetes utilizando espécies oleaginosas da Reserva Extrativista do Cajari – Assosciação das Mulheres da Reserva Cajari Buriti Sustentável – Associação das Mulheres Produtoras Agro-extrativista da Foz do Rio Mazqagão Velho
  37. 37. NOVA EDIÇÃO DA PARCERIAS COM AS CARTILHA DOESCOLAS FAMÍLIAS PARA PROJETOCRIAÇÃO E MANUTENÇÃO MAIS DETALHES DE VIVEIROS
  38. 38. PROJETO MELHORIA DA QUALIDADE DOS ÓLEOS VEGETAIS FIXOS
  39. 39. Projeto: Controle de qualidade de matérias-primas vegetais utilizadas na fabricação de fitoterápicos do IEPA e Apoio à formação acadêmica de estagiários
  40. 40. PROJETO CONTROLE DE QUALIDADE DEMATÉRIA-PRIMA VEGETAL E FORMAÇÃO DE NOVOS COLETORES
  41. 41. PROJETO ÓLEOS VEGETAIS E PLANTAS ÚTEIS DOS WAJAMPI
  42. 42. - Laboratório de Produção deFitoterápicos e Fitocosméticos - Laboratório de Controle de Qualidade
  43. 43. FARMÁCIA IEPA
  44. 44. “Tenho a esperança de ver em realização o estudo e a aplicação do conhecimento sobre nossas plantas medicinais quanto a seu emprego social ou industrial realizado por nossos pesquisadores, especialmente osfarmacêuticos, inspirados na principal diretriz recomendada pela OMS.” Prof. Dr. Francisco José de Abreu Matos † 48
  45. 45. Informações e inscrições: www.silae.org.br 49
  46. 46. obrigadoelycamargo@bol.com.br 50

×